2012

2012
(18/11/2009)

imagem

Evidentemente, no calendário o ano de 2012 vai chegar logo em seguida ao ano de 2011 que o antecede. O que se percebe é que está chegando rapidamente, pois todos sentem que tudo se acelera. O que se imagina que vai acontecer em 2012 é um misto de especulação com possibilidades reais. Porém na natureza as coisas não acontecem de repente, tudo obedece a uma sequência lógica e coerente. Hoje se fala muito no fim do mundo sem que se saiba o que isso quer dizer. O que sabemos é que muitas coisas estranhas já estão acontecendo simultaneamente no planeta Terra, como vendavais, chuvas fortes e inundações, aumento dos abalos sísmicos, degelo. No entanto o quepoderíamos imaginar é como os acontecimentos vão evoluir até o ano de 2012 e depois, e no que isso vai afetar a civilização humana.

Nunca antes na história do cinema apresentou-se algo assim. Uma ficção ou uma profecia para uma data que se tornou significativa para muitas culturas e religiões, cientistas e governos. Dirigido por Roland Emmerich, 2012 é uma aventura épica sobre um cataclismo global que traz o temido fim do mundo e conta a heróica luta dos sobreviventes.

Em passado distante os sábios e videntes conheciam a verdade sobre as possibilidades do destino humano. Mas a Verdade foi perdida ao longo de milênios de afastamento da realidade espiritual. Zaratustra, profeta persa, muitos anos antes de Cristo, orientou seu povo sobre a visão apocalíptica do mundo. Vários outros estudiosos perceberam essa realidade como Nostradamus que encobriu seus prognósticos com palavras confusas que pouco contribuem para a elucidação, assim como a chamada profecia Maia que estabelece uma data para o desfecho catastrófico com a volta do planeta Nibiru, que segundo os cientista não se sabe se existe.

Agora vivemos numa outra época, muitos acontecimentos se entrecruzaram, retardando ou antecipando eventos, mas sempre foi previsto que chegaria a fase de prestação de contas da humanidade, determinada pelo Criador Todo-Poderoso. Aos humanos foi dado o poder de livre decisão, mas também a responsabilidade. Asconsequências de seu atuarem desacordo com as leis naturais estão retornando aceleradamente, e tudo fica tumultuado porque nem todos os humanos estão agindo com consciência cósmica com vistas ao bem geral.

Devemos estar cientes que em todas as traduções de antigos escritos cometeram-se equívocos, e mesmo os escritos continham falhas, pois foram reconstituições baseadas na memória. Éprovável que tenha havido um erro também ao considerar a volta do planeta Nibiru. O mais importante na frase é “a volta”. Volta de que? De um corpo celeste, e a astronomia descobriu que os cometas voltam de tempos em tempos.

É provável que os maias se referissem à volta de algum cometa de grande expressividade, o que por si já traria complicações para nosso sistema solar afetando o planeta Terra. Os efeitos como os mostrados no filme 2012 somente poderiam se desencadear diante de uma poderosa força vinda de fora. No entanto essa questão não é examinada com a necessária lógica.

O planeta se encontra nos limites críticos. É brutal o aumento da violência e perfídias entre os humanos. Tudo isso decorre como consequência de uma forma de viver auto destrutiva distanciada da realidade natural. Orestabelecimento da ordem natural exige profundas transformações no modo de ser da espécie humana. As profecias apontavam para isso na condicional, isto é, se os humanos não buscassem um curso mais consentâneo com as leis naturais, as consequências nefastas seriam inevitáveis. Parece que essa fase está chegando. O fato é que nota-se uma procura, uma busca por informações e respostas. A pressão dos acontecimentos tem levado muitas pessoas a uma percepção de que algo está diferente, que as coisas não acontecem mais segundo o desejo das pessoas, é como se uma força maior estivesse na coordenação dos acontecimentos independentemente da vontade dos homens.

“A Criação material, desde que surgiu, está ligada às leis imutáveis do formar e decompor, pois aquilo que nós chamamos de leis da natureza não é senão a vontade criadora de Deus que, atuando continuamente, forma e desfaz mundos. Essa vontade criadora é uniforme em toda a Criação, à qual pertencem, como uma só coisa, os mundos de matéria fina e de matéria grosseira”. ( Na Luz da Verdade, Vol. I, O Mundo)