AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA CRISE GLOBAL

AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA CRISE GLOBAL
(14/03/2015)

imagem

Há no mundo uma realidade subjacente, encoberta pelas manipulações e pelo comodismo das pessoas em não querer aprofundar os próprios pensamentos, mas que aos poucos vai sendo despertada pelos novos mecanismos de informação, interação e compartilhamento. A meta do ser humano é encontrar a verdade da vida e o motivo pelo qual se encontra neste planeta, evoluir e ser feliz.

Aos poucos a realidade deverá emergir de todo artificialismo que extingue o tempo de cada um com todas as superficialidades e a pressão externa que impedem o contato consigo mesmo e com a realidade da vida. A pressão vem da rigidez dos pensamentos ásperos gerados nos cérebros daqueles que não ouvem mais a intuição, agindo por impulso com a sua cobiça e o desejo de se sobressair. Com bons pensamentos e consideração, a situação seria bem outra, mais leve e amena.

No Brasil e no mundo atravessamos a crise gerada pelo ser humano que abandonou a intuição, a voz do espírito. A crise tende a aumentar. Por aqui, em vez de os líderes e a população se unirem para tirar o Brasil do atoleiro, não se fala em outra coisa a não ser da crise e dos sentimentos de insatisfação, revolta, ódio e perigo. Em 500 anos de história a nação não desenvolveu forte querer na direção do progresso real, e agora precisa reconhecer os próprios erros, sanear, ir para frente, mas está parada no meio do atoleiro, atacando lama para o alto. Se não houver um esforço para mudar essa situação, o país afundará cada vez mais, e depois será difícil escapar do declínio.

No Brasil, o processo destrutivo da indústria no final dos anos 1990 e que perdura até hoje foi brutal. Depois de décadas de caminho errante na economia e finanças, o que favoreceu mais as importações, chegou a hora de buscarmos o equilíbrio das contas e restabelecer a competitividade do produto made in Brasil. Os canais do fortalecimento estão travados por mesquinhos interesses internos e externos, e lutas pelo poder. Enfrentamos o apagão mental. O Brasil vai perdendo o impulso de ser pátria de seres humanos que buscam a paz e o aprimoramento. Caso seja derrubado, poderá retornar à condição de colônia, aí será tarde demais para reagir e buscar novos caminhos. Administrar o Brasil não é tarefa para amadores nem para aventureiros. Para recolocar o país nas rotas do progresso precisamos de estadistas sábios, empresários lúcidos e população consciente.

A natureza nos foi ofertada para que dispuséssemos dos necessários recursos que asseguram as condições de vida. Temos a responsabilidade de preservar para poder utilizar. Será que haverá mudança na mentalidade tacanha de que as matas e as florestas são acessórios desnecessários? Perdemos o contato com a natureza. As novas gerações desconhecem a importância das florestas para a preservação dos mananciais, do solo - enfim da vida no planeta. O que nos trará o futuro?

A receita original do livre mercado era excelente, com a possibilidade de cada indivíduo de participar dos empreendimentos, construir um patrimônio, ter uma participação no todo produtivo e seus resultados. Com a invenção das bolhas, tudo mudou, quem puxava o cordão para inflar foi se dando bem, enquanto os otários sofreram com os micos e a economia ficou distorcida. Os ganhos são preservados, mas as perdas são distribuídas.

Enquanto os grandes vão se entrosando na divisão do mundo, países como o Brasil são carentes de estadistas sérios e competentes que não se dobrem diante da força avassaladora do dinheiro que derruba fronteiras para tudo comprar em função de seus próprios interesses. Enquanto eles ampliavam o comércio para fora, por aqui se ampliava o consumo de importados.

Muitas coisas no mundo já estão por um fio de teia de aranha, mas não vemos esforços para solucionar as crises "sem jogar fora a criança junto com a água do banho". O Brasil corre o risco de parar. Infelizmente, só quando acontecem os infortúnios é que as pessoas percebem em que desgraças se envolveram. Numa fase de tantos problemas, a educação deve formar seres humanos de fato, que visem a melhora das condições gerais de vida no planeta para que seja enfim alcançado o Desenvolvimento Humano.