NÃO ENTRE NO CAOS

Quando as pessoas agem com amor no coração, podemos perceber os efeitos da generosidade beneficiadora e isso é muito bom. O mundo precisa de pessoas assim para melhorar sempre. Quando as pessoas agem com astúcia, inveja e desconfiança poderemos ver a pequenez e maldade dessas almas, e se elas se conscientizam que sabemos disso, podem ficar perigosas, agredir, causar danos, mostrando a sua face real.
Desde o nascimento, os seres humanos têm um tempo limitado em sua encarnação. Relaxando os cuidados com o próprio corpo e modo de vida, esse tempo pode encurtar, mas não dá para alongar. O que é da terra, à terra será devolvido, mas a alma segue os caminhos que ela mesma traçou em vida.

As novas gerações estão sendo induzidas a olhar só para a sobrevivência e os prazeres. Como poderão ter uma visão para refletir sobre o significado da vida? Em meio ao cipoal dos acontecimentos torna-se imprescindível o movimento certo que nos possibilite enxergar o sentido na vida, para alimentar os pensamentos com a visão correta, pois tudo conspira contra, enfraquecendo a vontade que quer futuro melhor, mais humano.

A semente espiritual inconsciente tinha o impulso para se tornar consciente; para isso, teria de se afastar até o limite onde poderia atuar exercendo o seu querer, tomar contato com o ambiente, se fortalecer e retornar à casa como espírito forte e autoconsciente. Para isso, recebeu um corpo material e a possibilidade de várias encarnações, para através desse corpo emitir sua vontade, fazendo a ponte entre o mundo espiritual e o material através de seu livre arbítrio. Mas no mundo material se deixou atrair por vibrações baixas e com passar do tempo foi esquecendo e se afastando de sua origem, permitindo que a vontade mental prevalecesse sobre o querer do espírito, destruindo o canal por onde a energia espiritual flui para a matéria, enobrecendo-a.

O resto da história se revela nos caóticos dias atuais, nos quais há a sensação de que um impenetrável paredão de luz avança celeremente sobre a estruturação forjada pela vontade e sintonização erradas dos seres humanos, que agrilhoaram o espírito ao mundo material, exigindo prestação de contas sobre o que fizeram no tempo que lhes foi concedido para o seu aprimoramento.

Os seres humanos foram dotados de capacitações que permitiriam alcançar a consciência plena e o autoaprimoramento, construindo na Terra um paraíso de paz e felicidade. Em vez disso regrediram, sufocaram a essência espiritual, construíram e continuam construindo péssimo futuro, tendo como modelos, degenerados, corruptos, sádicos, traficantes e drogados. Forjaram o caos e a miséria. Não se preocupam mais com a possibilidade da morte espiritual.

Há séculos nos chegam informações que filósofos, religiosos e outros eruditos intelectivos, que sufocaram a intuição, buscaram a chave da evolução humana. Em geral, suas teorias são complicadas misturando fatos naturais com suas teorias empoladas sem naturalidade e clareza. Fuja do caos. A Mensagem do Graal põe um ponto final nessas questões, dando o esclarecimento certo que a intuição acolhe naturalmente. O futuro depende do bom preparo das novas gerações.

Com amor, o Criador concedeu aos seres humanos o planeta Terra como hospedagem temporária para o seu desenvolvimento. O orientador designado para auxiliar os seres humanos rebelou-se com arrogância contra o Amor Divino, e em oposição passou a influenciar os seres humanos de forma errada através do cérebro, visando manter inativo o espírito encarnado.

Os povos deveriam viver de forma autônoma, tendo como denominador as leis da Criação, mas em sua vaidade os homens quiseram impor a própria lei criada na oficina do cérebro sem a participação do espírito, e tudo tendeu à ruína, no confucionismo, no hinduísmo, no cristianismo, no islamismo, no comunismo. Agora, em meio ao caos, as elites dominantes querem uma nova ordem na qual as máquinas inteligentes controlariam tudo, impondo rígidas normas de vida aos seres humanos que não fortaleceram o próprio espírito, perdendo o discernimento e o bom senso intuitivo. Mas a reação das leis divinas da Criação, em sua automática atuação, trará a cada ser humano os frutos de suas ações voltadas para o bem, ou mal.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

EFEITOS DA MÁ GOVERNANÇA

Sri Lanka, sob influência da Inglaterra até 1948, pode se configurar em mais um caso em que os dirigentes deram prioridade à própria qualidade de vida, sem maior empenho na construção de um melhor futuro para a população. É a sina da humanidade. Tiranos sobem ao poder e não cumprem a sua tarefa de conduzir a população para níveis mais elevados, conseguindo enganar a todos, mas só por um tempo; um dia a verdade aparece.  A Índia, tornada independente em 1947, se posicionou um pouco melhor, apesar da elevada população, desenvolvendo tecnologia e diversificando a produção. Argentina e Venezuela mostram nitidamente o efeito de má governança e ausência de propósitos para promover melhores condições de vida à população.

Para Portugal, no passado, o Brasil era uma simples colônia. A partir da independência, a presença da Inglaterra se acentuou, mormente por ser o rei de Portugal uma criança sob tutela. Pedro II levou tempo para conseguir impor o seu ritmo. Após 1889, a situação piorou, pois o Brasil não tinha autonomia para decidir nada e sua dívida externa crescia sem produzir resultados internamente. O mau costume perdurou; faziam gato e sapato do Brasil. Anos depois, Getúlio Vargas, então presidente do Brasil, se opôs, foi mal assessorado, acabou emparedado no palácio do catete. Uma nação promissora, com população ativa, foi travada através de governantes fracos e inclusive os militares enfrentaram problemas.

E vamos continuar dizendo “sim senhor” aos interesses externos e precarizando a nação? É necessário muito cuidado, pois os inimigos do Brasil torcem para que surjam tumultos, e tenha início uma confrontação para desarranjar tudo, e empurrar a nação para a beira do abismo. Até o final de 2022, que rumo tomará o Brasil? A inflação está vinculada ao monte de dinheiro emitido, e ocorreram desajustes devido à pandemia e guerra na Ucrânia. Um fator permanente é a estrutura monetária e cambial, com tudo vinculado ao dólar e a dependência dos países com moeda fraca. O dólar vem, faz ganhos e vai embora e deixa um monte de reais rodando fora da atividade produtiva, o que acaba ampliando a inflação.

A questão mundial das moedas é complicada por ser um processo que vem sendo moldado há séculos e que no pós-guerra adotou o modelo do dólar-ouro, abandonado em 1971, sem que algo firme fosse colocado em seu lugar. Como estabelecer uma paridade entre moedas fiduciárias feitas no papel? O Brasil fez várias reformas monetárias, sendo o plano real a mais recente. Dólar, Iene, Euro, Yuan, Real e tantas outras moedas numa balburdia desafinada sem fio condutor. Será que uma moeda única resolveria? Mas quem emitiria e controlaria? Quem confiaria no grupo que assumisse o poder do dinheiro mundial?

No pós-guerra, os Estados Unidos apresentaram ao mundo um invejável modelo a ser seguido. No entanto, uma série de acontecimentos desagradáveis mostra que a situação está mudando por lá, a começar pela redução e insatisfação da classe média e aumento da precarização, se bem que no Brasil o declínio tem sido mais acentuado, visivelmente na qualidade dos empregos, da saúde e educação. Um país que há anos sofre com a dengue e a chicungunha, mas que até hoje não dispõe de remédios adequados. Enquanto isso, os estudantes continuam com dificuldades para ler e interpretar um texto e fazer as contas aritméticas mais elementares.

No passado remoto, os seres humanos sabiam das múltiplas existências terrenas como meio para o fortalecimento do espírito e sua volta consciente à sua origem. Perguntaram a João Batista se ele era a reencarnação de Elias.

Coisas estranhas estão acontecendo pelo mundo. As lutas pelo poder e interesses se acirram. As cobiças têm determinado a forma de como os sistemas funcionam. Os Estados se apresentam alquebrados com dívidas e insatisfações. Nenhum Estado está conseguindo transmitir imagens de melhor futuro para seu povo, sem agredir à natureza, criando espaço aberto para oportunistas, larápios e enganadores com falsas promessas, palradores que querem fazer fortuna de um dia para outro. A boa qualidade de vida vai ficando cada vez mais distante. Inegavelmente o mundo passa por um processo de grandes transformações, mas como compreender o sofrimento das massas através da crença numa vida só?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A GRANDE AMEAÇA SOBRE A HUMANIDADE

“Não matarás!”, é o que diz o Mandamento de Deus. Mas isso não se aplica apenas ao assassinato. Muitas coisas boas têm sido mortas por vaidade, inveja e cobiça de poder. Os bárbaros estão subindo, mas não estão trazendo nada de benéfico e perdem o tempo. O Estado se encontra deteriorado pela corrupção, dívidas, crime organizado, geopolítica internacional. O que fazer quando o Estado não consegue promover a segurança dos cidadãos e o viver de forma condigna?

Os seres humanos não foram encarnados na Terra para viver na pobreza e miséria, em precárias condições. Houve um longo processo de displicência geral, de geração descuidada, de falta de governança empenhada em promover qualidade de vida para a população e nas áreas de saúde, educação e trabalho. A grande ameaça de crise sobre a humanidade virá quando a natureza se negar a continuar ofertando as benesses que asseguram a sobrevivência dos seres humanos.

As religiões vão se transformando em mera rotina em meio às turbulências do século 21 e às teorias criadas pelos cérebros dos homens. Tempo virá em que o ser humano terá de aproveitar o tempo para se formar na escola da vida, com pleno conhecimento das leis da Criação, também chamadas leis naturais, leis da natureza, leis espirituais. Elas são perfeitas e imutáveis atuando desde a sua origem com severidade, justiça e amor, pois representam a Vontade do Criador trazendo a cada um a colheita de tudo que semeia com suas ações.

Tradicional na alimentação, a sardinha está escasseando nos mares de Portugal, mas não se trata só de alteração climática, poluentes lançados ao mar, mas também perceberam se tratar de consequências de uma forma displicente de lidar com a natureza e da destruição imediatista, afetando as condições ambientais. Nos Estados Unidos, por falta de chuvas, pela neve e consumo crescente, está ocorrendo dramática redução no volume de água no Lago Mead que abastece várias cidades, preocupando a população e prejudicando plantações.

Em eras remotas, a economia existia para atender à população e suas necessidades. Os homens saíram da naturalidade passando a se aproveitar de seus semelhantes para satisfazer a própria cobiça; aí intervieram vários fatores: a força, a tirania, a religião e por fim o dinheiro. Então, sempre movidos pela cobiça, a economia deixou de ser movida pelas necessidades essenciais, passando a atender prioritariamente aos interesses do dinheiro. E vejam a caótica situação em que se encontra a economia mundial.

Por que o Brasil não decolou? De um povo ordeiro, criativo e trabalhador, o que sobrou? Perdeu-se qualidade humana, ética e moral. A rapinagem foi do ouro e minérios ao pau brasil, para se fartar nas finanças. O mesmo pacote foi aplicado em toda a América Latina. Todos subordinados ao dólar, aos juros variáveis, à falta de dinheiro, ao crédito difícil e caro para indivíduos e empresas atuando em atividades produtivas. Políticos se apossaram do poder iludindo a população, açambarcando o dinheiro público para seus propósitos particulares. Em declínio encontram-se a Venezuela, Argentina, Chile, Colômbia. Em 2022, ano eleitoral, o que será do Brasil? Teremos estadistas ou fantoches no poder?

Por que empresas iriam investir em fabricação de bens essenciais, se conseguem bons lucros com juros, câmbio e outras jogadas? Nessas condições, jogam peteca com os dólares, mas já se desenha um futuro sombrio para a humanidade. Alimentação, saúde e educação sofrem o impacto. A estrutura financeira permite que o dinheiro engorde sozinho, mas não acontece o mesmo com a população e as novas gerações, que não se interessam vivamente pelo autoaprimoramento, nem se esforçam para estabelecer propósitos construtivos e benéficos, visando a melhora das condições gerais de vida.

As autoridades deveriam intervir no sentido de alcançar melhor qualidade de vida no planeta. Hora tardia, o que se pode fazer agora diante do colapso que se desenha? O básico na vida é a pouco respeitada lei do Amor de não causar danos ao próximo para com isso satisfazer a própria cobiça. Se a intuição não estiver sufocada, vai se manifestar contra, alertando para que os seres humanos não sigam por caminhos errados na vida.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

 

QUAL SERÁ O FUTURO DAS AMÉRICAS?

A construção da Terra seguiu uma linha cuja meta era dotar o planeta de todas as condições para acolher a vida humana com sustentabilidade. Cabia aos humanos e seus governantes compreenderem exatamente como a natureza funciona em sua automaticidade. Movidos pela cobiça de poder, os homens descuidaram disso, improvisaram, inventaram, contornaram, mas os efeitos não se fizeram por esperar, e em consequência o planeta apresenta terríveis sinais de deterioração causada pela espécie que abrigou para evoluir.

Estamos vivendo num mundo em transformações com quase 8 bilhões de almas. Muitas delas desinteressadas da vida e seu significado, alienadas sobre o áspero momento atual. Há problemas com alimentação, água, criminalidade mundial, guerras. Quando essa humanidade vai ter bom entendimento entre si? O progresso intelectivo avança continuamente, mas sempre tem sido acompanhado de decadência. Falta “coração”.

A economia visa atender às necessidades essenciais, mas o dinheiro criou descaminhos. Surgiu o mecanismo do dinheiro que faz dinheiro, mesmo que não produza nada ou indo a extremos com superprodução de supérfluos e falta de essenciais. Os homens criaram o dinheiro, a inflação, os juros e a âncora cambial. A indústria foi fechando. Tudo depende do dinheiro, de jogadas especulativas. Quando a renda cai, o rebuliço se instala, pois não há plano B, e como pedras de dominó, uma empurra a outra. Quem sabe, após a grande tormenta econômica, possa enfim surgir o sistema sadio em que o dinheiro fique no seu papel de auxiliar a produção e o comércio de bens efetivamente essenciais para  um viver de forma condigna.

Os homens, através do progresso tecnológico e da globalização, criaram a alta especialização. Na crise que se desenha, o mundo e as nações precisarão de pessoas com experiência geral, aptas a coordenar a produção dos bens essenciais. O momento é de incertezas; tudo está oscilando, da economia à sociedade; das alterações climáticas, ao equilíbrio emocional. Temos de compreender a finalidade de nosso viver neste planeta acolhedor, ao qual temos submetido a todos os tipos de abusos, mas que, como consequência de nossos desatinos, agora está se tornando hostil à vida humana.

A sina da América Latina tem sido a de permanecer estagnada com nível baixo na saúde e na educação. Francisco Pizarro e Hernan Cortez deram início à rapinagem no império Inca e no México, o que acabou abrindo as veias das riquezas do continente. Em 500 anos, ninguém conseguiu uma transformação para melhor. Dominada pela influência religiosa, a população esteve na dormência e seus governantes na inércia. Embaraçada pelas finanças mal geridas, regrediu. Neoliberalistas, esquerdistas e caudilhos se aproveitaram, mas com ou sem democracia predominou o atraso e a falta de preparo da população.

Para onde vão as nações latino-americanas? Vale tudo para a conquista do poder pelo poder, não para promover o progresso real? A Europa está atordoada por dívidas e crise na energia. Os EUA, que deveriam inspirar um modelo de renovação, não conseguem resolver seus múltiplos problemas internos. A China diz não querer o comando, mas vai avançando na economia. O que será das Américas? O que será da humanidade?

O futuro da humanidade depende da boa educação infantil e do bom preparo das novas gerações para a vida. A parte humana do ser está sendo perdida, mas tudo terá de se tornar novo para subsistir através do saber do funcionamento das leis naturais da Criação, possibilitando que a sabedoria espiritual possa se manifestar, construindo beleza, paz, progresso real e felicidade, colocando o intelecto no lugar que lhe cabe: de instrumento a serviço do homem.

A educação e o bom preparo das novas gerações têm de ser a prioridade para deter a acelerada decadência que o mundo enfrenta. A boa formação requer o reconhecimento de que estamos inseridos na Criação como um fruto dela, o que torna indispensável a busca do saber do significado da vida e das leis que a regem para que nela as pessoas se integrem construtivamente. É preciso raciocínio lúcido, simplicidade, clareza e naturalidade no pensar para a formação de cidadãos dotados de bom senso intuitivo, que tenham propósitos enobrecedores, que reconheçam sua responsabilidade de beneficiar o mundo para que haja paz e progresso material e espiritual.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

 

 

UMA VIDA SÓ OU VÁRIAS REENCARNAÇÕES?

Para compreender a reencarnação é indispensável que o espírito que habita o corpo temporariamente possa se manifestar livremente. A palavra “reencarnação” deriva do latim, que significa literalmente “entrar na carne novamente”, ou ressurreição na carne.

A semente espiritual inconsciente tinha o impulso para se tornar consciente; para isso, teria de se afastar até onde poderia atuar exercendo o seu querer, tomar contato com o ambiente, se fortalecer e retornar à casa como espírito forte e autoconsciente. Para isso, recebeu um corpo material e a possibilidade de várias encarnações, exercendo seu livre arbítrio. Mas no mundo material, em sua indolência, o ser humano se deixou atrair por vibrações baixas e foi esquecendo e se afastando de sua origem, permitindo que a vontade mental prevalecesse sobre o querer do espírito, destruindo o canal por onde a energia espiritual flui para a matéria, enobrecendo-a.

Desde o nascimento, os seres humanos têm um tempo limitado em sua encarnação. O relaxamento com o próprio corpo e o modo de vida podem encurtar esse tempo, mas não dá para alongar. O que é da terra, à terra será devolvido, mas a alma segue os caminhos que ela traçou em vida. A alma é a vestimenta do espírito, assim como o corpo é a vestimenta do espírito encarnado.

No passado remoto, os seres humanos sabiam das múltiplas existências terrenas como meio para o fortalecimento do espírito para retornar consciente à sua origem. Com a progressiva dominação do querer cerebrino, sufocando o espírito, surgiu a crença na vida única, gerando uma sintonização errada, afastada do real significado da vida e das leis que a regem.

No tempo em que Jesus viveu, o saber das reencarnações já se achava meio encoberto, mas alguns judeus e outros povos tinham a consciência das sucessivas reencarnações, a qual todos os seres humanos estão submetidos como oportunidade dada ao espírito para alcançar o desenvolvimento pleno e integral. Quando nasce uma criança, se diz dar à luz, ou seja, dar à vida a um espírito que estava na matéria fina, ansioso por reencarnar na Terra e ter uma nova oportunidade para o seu aprimoramento.

No Concílio de Constantinopla (ano 553 d.C.) as autoridades religiosas reunidas baniram a crença na preexistência da alma como sendo fantasiosa. A crença numa vida só aumentou ainda mais a indolência dos seres humanos, que deveriam estar despertos, atentos e vigilantes na busca da compreensão do sentido da vida, conforme Jesus tantas vezes havia recomendado, como sendo a premissa básica do desenvolvimento da humanidade.

Os seres humanos foram dotados de capacitações que permitiriam alcançar a consciência plena e o autoaprimoramento, construindo na Terra um paraíso de paz e felicidade. Em vez disso, regrediram, sufocaram a essência espiritual, construíram e continuam construindo péssimo futuro, tendo como modelos: degenerados, corruptos, sádicos, traficantes e drogados. Forjaram o caos e a miséria. Acorrentaram-se ao perecível mundo material, e não se preocupam mais com a possibilidade da morte espiritual.

A progressiva perda de discernimento pelos indivíduos faz com que as autoridades intervenham para corrigir falhas, geralmente criadas por elas mesmas, introduzindo normas rígidas. A pandemia e uma nova guerra geraram escassez e inflação. A receita das autoridades tem sido a elevação dos juros visando que as famílias gastem menos, que os preços dos ativos se elevem, e que a moeda se fortaleça, seja o dólar ou o real.

Para o cidadão comum de bom senso intuitivo, o importante é a liberdade de crença, além do emprego, saúde, educação e renda suficiente para uma forma condigna de viver, questões nem sempre priorizadas pelas elites, o que está provocando o aumento da precarização no mundo.

O viver áspero produzido pela sintonização errada dos seres humanos ao crerem cegamente numa só vida provoca o desânimo, o oposto da palavra ânimo, que significa a boa disposição produzida pelo querer do espírito forte. Há que se fortalecer o espírito para atuar de forma grata e alegre. A reencarnação se constitui na grande oportunidade que o Criador e suas leis ofertaram aos seres humanos.

Escrita por Abdruschin, a Mensagem do Graal apresenta para a humanidade o saber da atuação completa da Criação, sem lacunas. Nela, os seres humanos reconhecem os caminhos que devem seguir, a fim de alcançarem a paz interior e a espontânea alegria de viver.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A TAREFA DO SER HUMANO

Qual é a nossa tarefa neste maravilhoso planeta que agora apresenta mostras de estresse e dificuldades para se autorregenerar diante de tantas ações destrutivas praticadas pelos humanos? Deixamos de estudar as leis da natureza que são permanentes e atuam em todo o universo. Passamos a criar leis estúpidas para satisfação do ego. Não fortalecemos a consciência.

É muito importante examinar e compreender como chegamos a atual situação de caos. Enfim, a escola do presente e do futuro tem de formar seres humanos aptos e dispostos a examinar os fatos objetivamente, sem preconceitos, sem dogmas nem misticismos. Percebendo que a construção de um futuro melhor depende de nossa atuação em conformidade com as leis da Criação, não cumprir essa tarefa é ir contra a vida.

As novas gerações precisam saber que temos responsabilidade pela nossa atuação. Por que encher a cabeça das crianças com coisas inúteis? Desde cedo as crianças têm de ser disciplinadas, aprender a viver e a conviver de forma construtiva e a respeitar a lei do equilíbrio, retribuindo o que recebem, em vez de ficarem exigindo tudo sem esforço próprio. Muitos jovens começam a perceber que há algo muito importante para ser vivenciado. A eles pertence o futuro. Necessitam adquirir o movimento certo para uma forma de vida sadia e alegre, despertos e motivados para alcançar a melhora nas condições gerais de vida, buscando a evolução integral. A população também tem de fazer parte dessa onda do bem.

Os seres humanos querem dominar a natureza, mas desconhecem as leis lógicas e coerentes que a regem e cujo estudo é essencial para todos e para as novas gerações, mas não se sabe por que as escolas não se dispõem a levar isso aos estudantes. A época é de dificuldades e as cobiças caminham na frente. As pessoas estão se perdendo pela falta de propósitos, ansiando por novo modo de vida menos desgastante, com mais alegria, que não destrua a natureza e que propicie a evolução real.

A população em geral e as organizações de serviços à comunidade têm de abrir os olhos e ver quantas mazelas podem ser evitadas com um pouco de esforço em grupo, envolvendo-se na vida da comunidade onde vive, agindo e apresentando sugestões de melhoras ao poder público. Precisamos que as elites e a população em geral pensem e ajam para o bem geral, para a melhora da qualidade humana e de vida.

Se tivesse havido maior cuidado com o Brasil no século passado, a situação seria bem melhor. No passado, não construímos um futuro decente e, no século 21, o futuro se mostra comprometido. Especuladores e corruptos se beneficiam. Há o despreparo das novas gerações, pessimismo, indolência, tudo comprometendo o futuro. Temos de colocar o Brasil nos trilhos do progresso.

A displicência com o dinheiro e as finanças acabou repercutindo na economia real. A simples escassez de itens essenciais e o excesso de liquidez criada fizeram o resto, mas se de um lado a inflação corrói o dinheiro, de outro, muitos ativos perdem valor. Como restabelecer o equilíbrio?

Com amor, o Criador concedeu aos seres humanos o planeta Terra como hospedagem temporária para o seu desenvolvimento. O rebelde contra o Amor Divino se opôs e passou a influenciar os seres humanos através do cérebro intelectivo, visando manter inativo o espírito encarnado. Os povos deveriam viver de forma autônoma tendo como denominador as leis da Criação, mas em sua vaidade os homens quiseram impor a própria lei criada na oficina do cérebro sem a participação do espírito, e em todos os sistemas de vida, tudo tendeu à ruína.

Os seres humanos não se esforçaram para fortalecer a própria consciência e com isso perderam o discernimento e o bom senso intuitivo. Agora, em meio ao caos, surgem informações de que seria implantada uma nova forma de viver na qual as máquinas inteligentes controlariam tudo, impondo sobre o querer individual rígidas normas de vida. Mas a reação das leis divinas da Criação, em sua automática atuação, trará a cada ser humano os frutos de suas ações voltadas para o bem, ou mal. Leia mais sobre esse tema no livro Mensagem do Graal, de Abdruschin.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

200 ANOS DE INDEPENDÊNCIA

Falta a boa convivência entre os seres humanos. Antes, havia um rumo, mas não era suficientemente forte, tanto que o sistema desmoronou. Hoje, poucos sabem o que querem da vida, muitos vão sendo empurrados pela superficialidade da multimídia, e sem saber estão indo atrás do beijo da morte. O descontentamento com as condições de vida não lhes permite perceber o quanto estão recebendo a cada dia, e que deveriam agradecer com a alma, retribuindo na convivência alegre, amena e natural.

Educar para quê? Por que encher a cabeça das crianças com coisas inúteis? Desde cedo as crianças têm de ser disciplinadas, aprender a viver e a conviver de forma construtiva e a respeitar a lei do equilíbrio, retribuindo por tudo que recebem, em vez de ficarem fazendo exigências descabidas, sem desenvolver esforço próprio. Falta bom senso intuitivo, iniciativa, foco, propósitos de vida. Os seres humanos deveriam buscar a Luz da compreensão do significado da vida. Muitos pensam apenas nas necessidades instintivas e no lazer e acabam se transformando em máquina sem conteúdo. Outros cobiçam riquezas e poder para dominar. É cada vez menor o número daqueles que se ocupam com o significado da vida.

Tudo gira em torno do dinheiro, a base da economia de produção e das finanças, e a cada instante ele tem de ser mobilizado pela maior parte da população do planeta, mas os interesses do capital acabaram suplantando as necessidades da humanidade. Quem controla o dinheiro, sua criação, sua distribuição? É uma importante variável para a produção, comércio e renda, mas que acabou adquirindo vida própria, podendo ser criado de forma irrestrita por interesses particulares, ou submetido à rígida escassez, sujeitando os seres humanos às suas regras, gerando o desequilíbrio econômico mundial.

Há montanhas de papel moeda pelo mundo e pouca felicidade, pois a humanidade ainda não achou o caminho do progresso real nas boas condições de vida, na saúde e no preparo das novas gerações. “Procurais e Achareis.” Pensadores achavam que o mundo se uniria pela democracia em condições de vida condizentes com a espécie humana. Cobiça de riqueza e poder impedem a convivência pacífica. Só o respeito às leis divinas da natureza poderá unir a humanidade num viver construtivo e benéfico, mas isso requer sinceridade e humildade espiritual diante da obra do Grande Criador, a qual os homens se julgam donos. No entanto, uma simples doença cerebral incapacita a atuação do espírito, impondo ao doente um viver vegetativo.

Há 200 anos surgia uma nação monárquica cujo rei era uma criança que tinha perdido a mãe. O Brasil, tornado nação independente, deveria ter sido administrado pelo casal D. Pedro e Leopoldina. Pedro se deixou arrastar pelos vícios e más companhias, e não cumpriu sua tarefa. Já naquela época os inimigos do Brasil não queriam um país livre e forte, tendo surgido uma casta de dirigentes corrupta e entreguista. Os ingleses fizeram a festa com Portugal afastado. O herdeiro da coroa tomou posse e estava dando um rumo à nação. Ao eliminar o trabalho escravo, foi banido e o país caiu nas mãos de oportunistas e foi transformado em república em 1889 por um grupo despreparado e predisposto à corrupção e dócil aos interesses externos.

Malgovernada, cobiçada pelos seus recursos, a jovem nação ficou estagnada e caiu na armadilha da dívida externa. Teve a ousadia de emparelhar o real com o dólar na base de juros altos. Fragilizou a indústria, a educação e a saúde. Com muita corrupção e desvio de verbas, o crescimento superficial não teve como se sustentar. Se não fosse pela produção agropecuária estaria à míngua como as republiquetas latino-americanas.

Os entraves são muitos. Os inimigos estão ativos, não querem o bem e o progresso do Brasil, que ainda não conseguiu se tornar uma nação de fibra, com população forte e bem-preparada, mas chegou à beira do abismo da ingovernabilidade, até que um elemento de fora da panela política chegou ao poder levado por uma população ansiosa por ordem e progresso. Ao completar 200 anos de sua independência qual será o futuro do Brasil e de seu povo ameaçado pela fome e falta de bom preparo para a vida?

 *Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

ALTERNATIVAS PARA A INFLAÇÃO

O sistema monetário surgiu como uma fera que estava contida na gaiola do ouro. A contabilidade registrava o crescimento da fera até que, sem as amarras, pôde crescer livremente. E todas as ações humanas se voltaram para o dinheiro que se acumulava nas mãos habilidosas daqueles que faziam do acúmulo a prioridade da vida. A fera ganhou o mundo e se espraiou, ora em tsunami pondo tudo em movimento, ora em refluxo empurrado pelos juros com lentidão das atividades econômicas. Teremos pela frente mais um ciclo de ordenamento temporário que traz a austeridade no rastro, mantendo a evolução da espécie humana em plano secundário?

O misticismo se opõe à simplicidade, clareza e naturalidade no pensar. O cérebro foi contaminado e perdeu a lucidez. O momento psicológico dos investidores e da população está dominado pela apatia. Os 24 meses de restrições severas deixaram suas marcas; foi como dar a partida para algo desconhecido. Com tantos acontecimentos simultâneos, agora há uma parada e a motivação básica passa a ser a sobrevivência ameaçada, mantendo baixa a circulação do dinheiro, acarretando efeitos que freiam as iniciativas e a economia.

Ronaldo Lemos analisa a situação dos jovens em artigo no jornal Folha de São Paulo: “Há algo de errado. O mundo tornou-se um lugar inóspito para jovens. Quem tem entre 15 e 35 anos não está em situação invejável, tanto do ponto de vista econômico como social. A geração que está emergindo é na verdade a geração paralisia”.

Há algumas décadas as novas gerações percebiam que a chegada da fase adulta trazia novos horizontes e propósitos. Em geral, foram arrastados para a idolatria do instinto sexual. Os apelos levaram à exaustão. A adolescência perdida acabou com a idade dos sonhos de construir um mundo melhor. A vida perdeu o colorido ao se subordinar inteiramente ao financeiro. Restou o vazio de sentido da vida e a ignorância sobre o seu significado. A humanidade pagará caro por isso.

Os seres humanos tinham um rumo, mas não era suficiente, tanto que o sistema desmoronou. Hoje poucos sabem o que querem, vão sendo empurrados pela superficialidade da multimídia sem saber para onde estão indo. É fundamental que haja um rumo construtivo. No dia em que os seres humanos tiverem um rumo condizente com a sua espécie surgirá o progresso real, a paz e a evolução.

Nos anos 1970/80, os Estados Unidos enfrentaram a inflação aplicando elevada taxa de juros. Houve o favorecimento de ganhos nos preços menores das manufaturas produzidas na Ásia. Enquanto isso, os ativos do mercado financeiro foram inflando e o dinheiro aumentando. As pessoas pressentem quando o dinheiro vai se desvalorizando.

O século 21 apresenta novamente uma situação de retorno da inflação. Passou a fase dos preços baixos das manufaturas produzidas na Ásia. Energia, alimentos e manufaturas são impactados pela redução da oferta majorando os preços. É um choque de realidade que esbarra nas limitações da oferta. A receita tem sido inibir o consumo com a taxa de juros, mas as condições atuais não são as mesmas.

Uma equação inflacionária severa. A redução do crescimento da demanda requer aumento do desemprego? Aumentar os juros vai resolver? Há alternativas? As pessoas de bom senso vão percebendo as incoerências das teorias econômicas desenvolvidas para atender a interesses do dinheiro, pondo de lado o objetivo de buscar o atendimento das reais necessidades com eficiência.

Os comunicadores se apressam em buscar respostas e prever o futuro. Silenciosamente, de modo invisível, os fios do destino da humanidade estão em movimento para desencadear os acontecimentos que, com displicência, estão sendo gerados ao longo dos séculos.

Vida e economia são faces da mesma moeda na civilização. Mas tudo passou a girar em torno do dinheiro, desde o nascimento até a morte. Os gestores públicos têm de organizar o sistema de forma a evitar a miséria e o caos social decorrente de crises, cujas origens remontam ao passado de subordinação colonialista dando origem a povos incultos com pouco preparo. Ao longo dos séculos, o futuro tem se resumido a nações endividadas, população malnutrida, crianças descuidadas, o oposto do que deveriam ser as nações em seu desenvolvimento.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

SOBREVIVÊNCIA AMEAÇADA

O imediatismo da humanidade está presente em tudo. Assim como não dão tratamento adequado aos próprios corpos, que receberam para seu período na Terra, as pessoas também agem de forma negligente com a natureza e suas leis, e consequentemente, causam danos de forma consciente ou não.

Ao longo dos últimos 50 anos, grandes transformações ocorreram. Havia muitos postulados errados no modo de viver, mas ainda era utilizado um pouco de intuição. Os postulados não resistiram à pressão e voaram; nada mais sólido surgiu em seu lugar, e o pouco de intuição desapareceu. Conclusão: o ser humano teve reduzido o seu bom senso intuitivo e a partir daí a civilização foi se tornando precária. O espírito adormecido clama por renovação.

Há muito tempo, estadistas vêm falando em alianças e formação de grupos, mas quais são as reais intenções. Aliança para o Progresso fez o quê pelo Brasil? E os Brics? As alianças entre os povos deveriam priorizar a paz e o aprimoramento dos seres humanos. Uma civilização pacífica depende do bom preparo dos povos.

Foi preciso chegar ao limite das dificuldades climáticas para uma tomada de consciência, mas a água está esquecida há décadas. É uma questão que agora se agrava. Na maioria das cidades grandes as pessoas dependem das engarrafadoras para ter água potável. Isso representa a grande catástrofe da humanidade.

A situação mundial é grave porque estamos vivenciando uma fase de transformações aceleradas e é triste ver o despreparo de grande parte da população induzida a um viver puramente instintivo como comer, beber, se divertir, afastado da verdadeira essência humana. O bom querer é fundamental. O que a humanidade quer, de forma livre sem manipulação massiva?

Estamos numa época diferente em que muita coisa está sendo detonada pelo mundo; o dinheiro está curto, os custos são elevados. Os estabelecimentos têm de cuidar da qualidade e do preço dos produtos, observando o que os consumidores precisam. Os produtos não devem ficar largados no “pega quem quiser”. Os gerentes e auxiliares têm de estar atentos para manter as prateleiras de forma adequada.

Houve um descuido do ocidente com a economia e produção de bens, deixando tudo por conta da integração da mão de obra abundante na Ásia e na força de trabalho mundial. O que poderia ter sido resolvido com equilíbrio, de forma pacífica, agora assume característica de guerra econômica.

Não faltam dificuldades para a economia mundial. O momento psicológico dos investidores e da população está dominado pela apatia. Antes, a motivação era mais reativa. Muitos fatores especiais estão em andamento, afetando a índole geral. Em crises anteriores, as pessoas seguiam se adaptando, visando a retomada, e em paralelo a circulação do dinheiro ia se ampliando. Os 24 meses de restrições severas deixaram suas marcas, foi como dar a partida para algo novo e desconhecido. Com tantos acontecimentos simultâneos, agora há uma parada e a motivação básica passa a ser a sobrevivência ameaçada, mantendo baixa a circulação do dinheiro, acarretando efeitos que freiam a economia.

No novo calçadão da avenida Beira Mar, em Fortaleza, são seres humanos caminhando numa atmosfera leve, com consideração e solidariedade, desejando o bem. A reforma deu uma cara nova e moderna a essa avenida, mas algo está diferente. É a pós-pandemia, a crise econômica, a guerra. Há uma certa tensão no ar devido às dificuldades aumentadas, à incerteza do amanhã, à constatação da pequenez perante a grandeza do céu e do mar do Nosso Senhor, dando um aceno de esperança de Luz aos que a procuram.

Se os seres humanos conhecessem a vida como ela é, tudo seria diferente, mais leve, melhor, mais pacífico e harmônico, pois não haveria todo esse sofrimento decorrente dos caminhos errados e suas consequências. Haveria melhor entendimento entre as pessoas porque o sentimento conciliador sempre estaria presente. Mantendo no íntimo o sincero desejar do bem para o próximo, inconscientemente cada um favorecerá o outro. E isso também é imprescindível nos relacionamentos entre homens e mulheres, para que eles se complementem de fato e, fortalecidos, construam um mundo melhor. Estamos vivendo numa época muito difícil. Contudo, temos que buscar sabedoria e alegria.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O QUE QUEREM OS INVESTIDORES MUNDIAIS?

Tivemos mais de 300 anos de trabalho escravo no Brasil, prova da maldade e insensatez contra as leis naturais. Quando finalmente a família imperial proibiu a escravidão em 1888, D. Pedro II, que conseguia dar um bom rumo ao Brasil, foi destronado e expulso, e começou uma república na mão de despreparados que cederam o poder a um grupo de entreguistas corruptos, deixando ao desamparo e sem integração as famílias liberadas do trabalho nas fazendas.

O Brasil ficou submetido a Portugal até a Independência. A rainha de Portugal, Maria I, apelidada de “a Piedosa” e “a Louca”, bem revelou o tipo de relacionamento com a colônia. Em 1792, trucidou Tiradentes por causa do ouro. Reconhecida a independência, os ingleses se aproximaram para dar as coordenadas e colher vantagens. Terminada a segunda guerra, foi a vez dos EUA. Setores da Igreja e Rússia fomentaram a discórdia. Na China, Mao também seduzia a juventude. Os governantes, sempre acessíveis, fizeram todas as concessões para se manterem no poder. O gigante quase despertou, mas logo recaiu no atraso. Em 2018, houve a ruptura, mas o futuro da nação brasileira permaneceu incerto diante da astúcia e cobiça de poder.

Atualmente, o que querem os investidores mundiais? Pelo mundo o que se observa é a economia desequilibrada, sem sustentabilidade, caminhando às cegas; sobram supérfluos, faltam essenciais. Além da boa rentabilidade, os investidores também deveriam considerar o que é útil e capaz de promover a melhora nas condições gerais de vida.

O economista Willian Arthur Lewis mostrou, implicitamente em sua teoria sobre transferência de populações do campo para cidades industriais, o imediatismo com que a economia tem sido conduzida pelo mundo. Aproveitam a mão de obra barata, fabricam e exportam. Outros deixam de fabricar, importam; se não tiverem receitas para isso, se endividam e pagam juros, produzem pouco, geram poucos empregos. No entanto, esse esquema se tornou um dos maiores pagadores de juros para o mundo. Valeu a pena? Agora a Argentina entrou nos juros de cassino, com 48%. O que dirá a história?

O que fazer quando um gigante, na compra de bens de consumo e insumos para fabricar e exportar produtos industriais para o mundo, fecha toda a atividade produtiva para controlar uma pandemia? Cada nação tem suas dificuldades, e o custo da energia e a inflação já vinham preocupando. No Irã vai dobrar o preço de óleo, leite, ovos e trigo. Em algumas regiões faltará alimentos. E o Brasil, o que poderá fazer para não criar um ambiente de caos e desordem como já ocorre em algumas regiões? Hora de examinar a contribuição que as atividades humanas estão oferecendo para o bem geral e identificar qual o valor e utilidade benéfica ou desvalor de tudo que se produz.

O freio é da China, ou do consumo do resto do mundo que se concentrou nos bens essenciais, deixando muita coisa encalhada? O Brasil, mais uma vez, cai na burrice de suas elites; não quiseram aprender as lições do açúcar e do café, que sempre paralisavam o país com retração nas exportações de commodities e, além disso, secaram a produção fabril. A desglobalização está dando uma nova lição. Será que vamos aprender direito?

O sistema vai caminhando para o colapso por não ter sustentação própria, pois é antinatural. Justiça e reparação natural estão em curso e nem a humanidade inteira poderia impedir os acontecimentos atuais e que serão mais visíveis ainda com o passar do tempo. Como consequência automática do sistema, embora em poucas mãos, a massa de dinheiro sempre tende a crescer dando origem a crises de expurgo e oportunidade de ganhos para os endinheirados, e austeridade para a população.

A pandemia provocou muitas reações sobre o atual modo de vida em que a compra e a venda se tornaram dominantes em tudo, depreciando o próprio valor da vida, favorecendo a guerra. Em meio a acontecimentos tristes e desagradáveis, muitas pessoas chegaram a perguntar se ainda queremos continuar a viver dessa forma. Até agora ninguém tinha feito essa pergunta, pois a grande maioria foi induzida a acreditar que essa era a única forma de viver e encontrar a felicidade através de ganhos e do consumo, supondo que o dinheiro comanda tudo, mercantilizando a vida, incluindo partes do corpo humano e da mente, conseguindo, enfim, sufocar o espírito e afastar os seres humanos do real significado da vida.

Ocidente, Rússia, Otan, Ásia, China, são partes do mesmo planeta, sujeitos às mesmas leis universais da Criação. Lamentavelmente, a humanidade se deixou arrastar pela cobiça e desconfiança, o que impede a convivência pacífica entre os povos e uma forma de viver construtiva e beneficiadora; tal como os elos de união, todos dependemos do ar, da água e do solo para evoluir e produzir belezas e felicidade no Planeta Terra, tão explorado pelo imediatismo e ganância.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br