PRECISAMOS DA BOA COESÃO

Há que se pensar no que realmente é importante para a sociedade e qual alvo deve ser perseguido. Como se observa nas estruturas globais de produção, a prioridade atual está em aumentar a produção, reduzir os custos, e elevar os ganhos e controle. As consequências vão se tornando visíveis sobre as novas gerações: emburrecimento, foco estreito, lentidão para pensar, decadência espiritual e moral, aumento no consumo de drogas como meio de aguentar a forma de vida insípida, sem metas e com poucas esperanças de melhora. A solução seria inverter a prioridade, colocando-se em primeiro lugar o desenvolvimento integral do ser humano com dignidade, e, em função disso, construir o restante. Com certeza, surgiria expectativa de contínua melhora das condições gerais de vida e aprimoramento da espécie humana, presentemente bem abaixo do que é esperado dela.

O que é a ciência econômica hoje? O aumento da produção em uma região tem a ver com a competição globalizada. Quando uma região aumenta a produção, reduzindo o preço, acarreta um encalhe na produção de outra. No passado distante, a prioridade era a melhora das condições gerais de vida, o que se refletia nas ciências que se mantinham mais próximas da natureza. Hoje se abstraíram do ser humano. Kishore Mahbubani, ex-diplomata e acadêmico da Universidade de Singapura, já dizia que enquanto o Ocidente acalentava a sensação de estar no comando global da economia, finanças e cultura, a Ásia buscava encontrar o caminho da melhora. No entanto, a prioridade pode ter sido a de acumular dólares através do comércio de seus produtos de menor preço no mercado mundial. De fato, os governantes em geral não têm colocado como prioridade a otimização das condições gerais de vida para toda a população.

Teóricos dizem que o desenvolvimento acelerado da China se deve à aplicação da teoria das vantagens comparativas no comércio do mercado livre global, mas, na prática, na economia globalizada ocorrem muitas transformações que afetam a formulação feita em 1817 por David Ricardo, economista e político britânico (1772/1823). Se um país direciona sua atividade econômica para commodities agropecuárias e minerais, transferindo a produção industrial para outras regiões, vai acabar faltando empregos em suas cidades, pois só com serviços não há sustentação das atividades que vão perdendo dinamismo.

Agora o mundo enfrenta a guerra comercial e cambial, e o embate entre os que querem globalizar o poder, e os que estão se opondo à globalização. Se não for encontrado um acordo e ajustamento, daqui para frente poderemos ter um futuro bem conturbado. No Brasil, a situação anda péssima já faz tempo. Depois que estouraram as bolhas na bolsa e no setor imobiliário, que acarretou na crise financeira de 2008, quando houve o grande ataque ao erário nacional e evidenciaram-se os caminhos errados na economia. A valorização cambial novamente perdeu a sustentação artificial. Estamos diante do embate eleitoral buscando candidatos que possam cuidar seriamente dos interesses do país e da população.

Depois de toda irresponsabilidade na condução do Brasil em suas contas internas e externas, depois de todo não querer ver o que se passava na indústria e no preparo das novas gerações, dizer que o PIB não cresce por causa da estúpida greve dos caminhoneiros, parece piada. É preciso encarar os problemas de frente, com os olhos abertos e fazer um esforço conjunto para reequilibrar a desarrumada economia global.

Em química, coesão é a atração intermolecular entre moléculas do mesmo tipo. Já a fragmentação é a divisão, é a ação de fragmentar, de quebrar, de reduzir a fragmentos, a pequenos pedaços. Os seres humanos deveriam estar coesos na busca da melhora nas condições gerais de vida e no aprimoramento da espécie, mas acabaram caindo nas armadilhas habilmente preparadas para fragmentar os naturais anseios do espírito com a vaidade e mania de grandeza, fragilizando a força entusiasmadora a ponto de terem grande dificuldade para a compreensão mútua.

Quando o homem deixou o espírito adormecer, colocou o sentimentalismo em primeiro plano. Em seu ser, a visão do infinito, do alfa e do ômega, e o reconhecimento do doador da vida, o Criador e suas leis cósmicas, se foi apagando. Com o sono do espírito, tudo foi rebaixando; o sentimentalismo decaiu no materialismo onde não há amor, consideração e respeito pelo próximo. A paz e o progresso estão seriamente comprometidos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE PENSAM OS CANDIDATOS

A inflação tem causado danos e é explicada como sendo o aumento contínuo dos preços. Alguns economistas (como os da Escola Austríaca) preferem defini-la como sendo a consequência de um aumento no suprimento de dinheiro (expansão monetária) e isso acontece quando o governo emite dinheiro para atender a seus compromissos sempre crescentes. Ou o governo toma dinheiro no mercado financeiro para pagar seus compromissos e constitui dívida soberana, ou os bancos criam dinheiro através do crédito fracionado, isto é, os depósitos dos clientes são multiplicados para conceder empréstimos. Com frequência, as pessoas têm a percepção de que o dinheiro está perdendo valor e os preços subindo.

Analisando os números das contas públicas do Brasil, o economista Clovis Panzarini já afirmava em 2016 que “Por longo período, a voracidade da despesa foi alimentada por sucessivos aumentos da carga tributária e pela contratação de novos empréstimos. Como resultado, a carga tributária equivale a 35% do PIB e a trajetória da relação dívida/PIB aponta para uma situação insustentável, já alcançando 67,5%.”

A classe política acha que o Estado são eles e jamais se perguntam o que têm feito de bom para o país e sua população. Se perguntassem, teriam de ver o horror de sua atuação. Em 2018, a dívida bruta está se aproximando dos R$5 trilhões, correspondendo a 75% do PIB. Não dá para elevar mais a carga tributária, mas a classe política continua fantasiando enquanto o país foi sofrendo perdas na indústria e no preparo das novas gerações e se encontra em rota visivelmente decadente.

Há muita discussão e pouca compreensão do que se passa no Brasil e no mundo. Expandir o consumo com o aumento de importados e crédito sempre cria problemas, pois, com isso, se transfere para fora a produção e empregos com consequências sobre a capacitação da mão de obra. O PIB tende a estagnar. Com a automação em andamento, a situação dos empregos tende a piorar. Para que haja consumo é preciso ter renda. Isso está se passando no Brasil e também nos EUA com déficit comercial de longa data, apesar de terem o dólar. O Brasil tem permanecido atrasado na educação e na melhora da renda.

Os acordos comerciais são essenciais, mas têm de produzir melhoras no nível técnico e produtividade, sem acarretar déficits e endividamento. As redes de varejão, oferecendo produtos de segunda linha, demonstram que elas vêm ao encontro de consumidores que estão perdendo poder aquisitivo. O que os candidatos propõem para corrigir as distorções que atrasam o Brasil?

O crescimento do PIB da China continua atingindo as previsões, ensejando a melhoras nas condições gerais de vida, mas surgirão incertezas caso haja recrudescimento da guerra comercial. Em vista disso, surgem diversas comparações entre o imobilismo econômico do Ocidente e as arrojadas transformações postas em prática na Ásia, visando uma ordem econômica calcada no aumento de produção e redução de custos para atender o mercado externo, e oferecendo melhoras ao vasto contingente de trabalhadores empregados.

A economia mundial vive um momento de inquietude. Após o término da guerra fria, o livre mercado seguiu a tendência de maximizar os ganhos enquanto surgia o capitalismo de estado visando grandes quantidades para baixar os preços. No embate, a produção industrial do livre mercado perdeu terreno reduzindo as oportunidades e a qualidade dos empregos. É preciso resolver essa dramática questão dando oportunidades aos talentos das novas gerações de forma produtiva e enobrecedora. Então, o que poderia fazer o Ocidente? Alguns teóricos chegam a sugerir o caminho extremo de unificar o comando como meio para obter melhores resultados na economia e na preservação do meio ambiente.

Frequentemente ouve-se falar em governo mundial. Como ele seria? O que se dizia a boca pequena começa a se alargar. Com quase oito bilhões de habitantes, tendendo a crescer 30%, as dificuldades de controle geral aumentam. Muitos estudiosos julgam que terá de ser imposta uma disciplina rígida sobre o comportamento das pessoas, o que significaria a perda da liberdade de decidir sobre a própria vida. Mas, sob o uso da força física e psicológica, a sociedade humana sempre será como estopim aceso prestes a explodir. Sem o desenvolvimento da verdadeira consciência humana, a decadência é inevitável.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

COMÉRCIO E CONVIVÊNCIA PACÍFICA

O sistema econômico tem sido predatório; a governança, oportunista e corrupta. A ONU prevê aumento da população dos atuais 7,6 bilhões para 11 bilhões para as próximas décadas. Esse aumento preocupa porque já estamos no limite do planeta e com o nível de vida tendendo à precarização. As elites do Ocidente se colocaram numa posição de intangibilidade, enquanto surgia um desarranjo econômico decorrente da produção asiática voltada prioritariamente para exportações e acúmulo de divisas, acarretando o fechamento de indústria e destruição de empregos. Os países têm o direito e o dever de buscar melhores condições para sua população, mas sem equilíbrio nas relações entre os povos os conflitos tenderão a recrudescer.

A forma da implantação da Zona Franca de Manaus acabou favorecendo a estagnação, pois enquanto as zonas francas eram implantadas visando à exportação, a de Manaus se tornou um artificial corredor de importados que inviabilizou a industrialização fora dela.

Quando o Brasil implantou uma dolarização disfarçada para combater a inflação, afetou profundamente a insípida estrutura industrial. Com o reducionismo imposto à indústria, surgiram várias consequências negativas, como o atraso geral na esfera de produção, na capacidade técnica da mão de obra e no bom preparo das novas gerações. Nesta fase eleitoral, o que dizem os candidatos sobre a situação da indústria, o que recomendam para recuperar o atraso, pois não dá para importar tudo, nem há dólares suficientes?

O pós-guerra ensejou melhora nas condições de vida nos EUA e Europa. No Brasil, os efeitos não foram sentidos na mesma dimensão, pois o país não foi governado com seriedade. Na China, a rigidez de Mao Tse-Tung foi posta de lado. Deng Xiaoping e seus sucessores deram início a uma virada econômica que favoreceu a melhora das condições de vida do povo e gerou reservas volumosas em dólares. Enquanto isso, estagnavam os rendimentos da classe média no Ocidente. Estamos num momento significativo, mas a grande maioria não consegue ver o futuro com nitidez. Enfrentaremos a confrontação e o caos econômico ou teremos novas diretrizes que permitam uma convivência de progresso pacífico entre os povos?

No livro A queda do Ocidente? Uma provocação, Kishore Mahbubani, da Universidade de Singapura, diz que o ingresso da China na OMC em 2001 representou a entrada de quase um milhão de trabalhadores no sistema comercial global, o que resultaria na perda de postos de trabalho no Ocidente, declínio de salários reais, redução na participação no PIB e aumento da desigualdade, e que as elites não se deram conta desse processo transformador da Ásia. Aqui fica uma dúvida: não perceberam ou deixaram rolar para tirar proveito? Mas houve um desequilíbrio na produção e comércio global que favoreceu a Ásia, enquanto países como o Brasil sofreram perdas na indústria e no preparo das novas gerações. Como corrigir?

É preciso que exista um denominador comum entre as diversas moedas que ficam sujeitas a variações ditadas por interesses de forma que os ajustes feitos em algumas delas repercutam em outras, gerando consequências positivas ou negativas dependendo da situação da economia de cada país envolvido. No jogo intricado do câmbio, tornaram-se possíveis as variações estratégicas ou especulativas que atuam a favor de uns em prejuízo de outros, mas o descontrole poderá levar a consequências perigosas. Quem consegue descobrir como se move esse mercado cambial global? Fato que com dólar mais caro importa-se menos bugigangas da China, mas também se viaja menos para a Flórida.

Quando a produção se concentra numa região, aumenta a produtividade, mas em outras, os empregos se reduzem. Onde obter consumidores para a enorme capacidade de produção? Acirra-se a concorrência. Surge um desequilíbrio na economia global. Como chegar a um denominador comum que favoreça todos os povos? A tentativa de impor tarifas surge como uma revolta à atual situação de comércio internacional do livre mercado que permitiu o desarranjo, admitindo igualdade de tratamento diante de fatores desiguais, afora o câmbio. Os efeitos se mostram em todos os países cuja balança comercial tem apresentado déficits. Como o equilíbrio nas transações gerais poderá ser estabelecido sem provocar rupturas? Algo deve ser feito; a hora exige bom senso de todos visando a melhora das condições gerais de vida.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

BRASIL EM TEMPO DE ELEIÇÕES

No século 20, o Brasil permaneceu estagnado até a tomada do poder por Getúlio Vargas. Açodado por movimentos socialistas, o poder foi absorvido pelos militares. Tendo caído no endividamento externo, entrou na espiral inflacionária, debelada com facilitação dos importados, sem que seus líderes, em disputa pelo poder, percebessem que o país estava perdendo as bases na indústria e na educação. Os demagogos no poder relaxaram as contas para fins eleitorais, e estamos de volta ao estágio de fornecedor de produtos primários para o mundo.

Para alcançar feitos duradouros, a governança não pode permanecer no imediatismo, desprezando a espiritualidade, pois sem ela todas as realizações são efêmeras. A humanidade ganhou tudo que a Internet oferece, mas perdeu a ancestralidade ao se tornar alienada sobre o significado da vida como se fosse composta por robôs. O desenvolvimento humano tem de ser contínuo; é a lei natural do movimento. A casta dirigente tem sido mesmo uma lástima, pois só pensa nos interesses próprios. Não examina o significado da vida; não se comove com o sofrimento da população; não busca soluções que promovam a melhora da qualidade humana e de vida. Em meio às más notícias, vão criando desesperança em relação ao futuro.

Há duzentos anos, as elites ocidentais vêm se impondo ao mundo, após duas trágicas guerras mundiais. Com o fim da guerra fria, com sua grande participação no PIB mundial e o triunfalismo financeiro em um mundo endividado, essas elites se julgaram donas da situação e acabaram perdendo a visão das tendências. A Ásia passou a modificar o estilo despótico de governança introduzindo, como alvo, a busca por resultado econômico e, dessa forma, sua população se agarrou à possibilidade de sair da secular situação de miséria.

Em 2001, o mundo compartilhou a dor americana na tragédia do WTC; nesse mesmo ano, a China passou a integrar oficialmente a Organização Internacional do Comércio, a OMC. Em seu livro A queda do Ocidente? Uma provocação, o professor Kishore Mahbubani, da Universidade de Singapura, diz que isso representou a entrada de quase um milhão de trabalhadores no sistema comercial global, o que resultaria numa destruição criativa maciça e na perda de muitos postos de trabalho no Ocidente, o que acarretaria declínio de salários reais, redução na participação no PIB e aumento da desigualdade. As elites não se deram conta desse processo transformador da Ásia.

No Brasil, enfrentamos algumas questões dramáticas: na educação das novas gerações, nas deficitárias contas internas e externas, na desindustrialização e desemprego em nível elevado. Agora vem a nova guerra econômica desencadeada pela política do presidente Trump e a complexa situação econômica de um país que em 2017 teve déficit comercial de 566 bilhões de dólares e que deve 21 trilhões, algo que deve estar pesando nas decisões, mesmo de um país emissor da moeda global. Todavia, esse é um problema que se vem arrastando há décadas e que afetava países dependentes como o Brasil, sempre de pires mão e joelhos vergados na procura de dólares no mercado financeiro.

Escondido até o ano de 1500, o Brasil permaneceu 500 anos como tributário aos poderosos interesses externos. É preciso pôr um fim na corrupção dos vendilhões da pátria. Chega de lixo e muros pichados. Necessitamos de ação integrada para o bem do Brasil. Falta o desenvolvimento dos atributos humanos: generosidade, lealdade, consideração, seriedade, bom senso, clareza no pensar. Falta acabar com o despotismo da casta governante.

O século 21 requer o empenho no preparo da população para levar a vida com toda a seriedade. Os países da América do Sul precisam ser governados com foco na melhora geral, como vem fazendo China, Índia e Filipinas. Enfrentamos problemas no preparo das novas gerações; no displicente controle das contas internas e externas; na estagnação na indústria e no nível de empregos que reduz consumo até de essenciais. O poder governamental deve ser entregue em mãos competentes que visem o bem, caso contrário o futuro será caótico para o Brasil que tinha tudo para viver evoluindo em paz sob a Luz da Verdade. É sobre essas questões vitais que gostaríamos de saber o que os candidatos têm a dizer.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

NOSSO MUNDO PERIGOSO

As complicações mundiais vêm num crescente desde o final dos anos 1990. Enquanto se processavam as alterações na estrutura de produção global, ocorreram no entremeio crises financeiras que absorveram as atenções gerais. Agora enfrentamos um novo desarranjo de forças antagônicas que fazem de tudo para obter o desempate do jogo e ficar na supremacia.

A partir da globalização, promovida pelo que se convencionou chamar de neoliberalismo, ocorreram profundas transformações financeiras, cambiais e econômicas. A produção fabril foi concentrada principalmente na Ásia. Iniciou- se um processo de desindustrialização e precarização geral em muitos países. Com certeza outros caminhos poderiam ter sido identificados, mas esse foi o adotado em função dos interesses imediatistas.

Empregos e arrecadação se retraem. Nos grandes centros os shoppings centers se estruturaram em função de um nível de renda mais flexível. Com a precarização geral a renda caiu, junto com as vendas. Preços e qualidade baixaram. Produtos estão à venda em cada esquina. Os shoppings e lojistas enfrentam dificuldades pelo mundo.

Lá atrás teve início a administração burocrática dos Estados que deveria estar sempre e exclusivamente voltada para os interesses gerais. A burocracia teve a sua origem na necessidade de regulamentar os procedimentos das relações na sociedade humana, no entanto acabou gerando os monstrinhos que criam dificuldades para as atividades em geral, mas é prestativa com os interesses dos grupos com os quais compactua.

Os gestores do dinheiro público têm sido desleixados com as contas internas e externas, agindo com pouco bom senso, dispersando as verbas em muitas coisas não essenciais. Em seu imediatismo, não desenvolvem estratégias de longo prazo, agindo burocraticamente de improviso por meio de remendos para corrigir problemas momentâneos, sem clareza em suas decisões para acobertar os seus objetivos particulares, e sem olhar para as consequências futuras. Há de se renovar a burocracia que acabou se tornando mais importante que o próprio país e sua população.

Mas o fato é que a burocracia não é a causa dos males, mas sim uma consequência, pois a causa primeira da regressão das condições gerais de vida está no embrutecimento do ser humano que, com seu egocentrismo, afastou-se do sentido da vida, não medindo a extensão de suas atitudes na busca de satisfação de sua cobiça.

O ser humano tem passado pela vida com viseiras, de modo inconsciente quanto ao seu desenvolvimento progressivo, deixando de perceber as conexões promovidas pelas poderosas leis da natureza, sem se preocupar em penetrar nesse saber que em outras eras era percebido de forma simples.

As leis naturais da Criação nos fizeram livres, mas os seres humanos egoístas forçam a antinatural sujeição da vontade alheia aos seus interesses criando leis e regulamentos em desacordo com as leis naturais da vida.

A burocracia se tornou a forma de criar normas que aos poucos vão sufocando a individualidade e a criatividade. Simplificar tudo na vida implica na necessidade de desburocratizar todo o arcabouço artificial de mando gerador do mecanismo que visa o aproveitamento máximo dos recursos pela elite que se assenhoreou do poder. Mas isso não acontece apenas no setor público, podendo ocorrer da mesma forma no setor privado.

Na aspereza atual da sociedade humana, os indivíduos estão perdendo o vínculo com os objetivos de melhora geral que devem ser compartilhados, passando a olhar para si e seus interesses, com pouca ou nenhuma consideração pelos demais seres viventes. O mundo precisa erigir a plataforma da simplicidade para afastar as doenças que estão atacando e desorientando o cérebro de forma crescente e, ao mesmo tempo, elevar a sociedade no que ela tem de humano.

Com o enfraquecimento do espírito, o homem se torna materialista e tenta impor a sua vontade para exercer influência de forma ampla e sútil. Nisso, se esforça para impor sua vontade sobre o próximo. A ânsia pela conquista e conservação do poder tirânico não ocorrem apenas no poder estatal, mas também nas empresas, organizações e até nas famílias. Dessa forma, as pessoas são induzidas para que adotem atitudes, decisões e ações padronizadas dentro de um contexto de interesses de dominação. Ao mesmo tempo, o cérebro confuso, desconectado da intuição, vai perdendo a visão de conjunto sobre o significado da vida, pois está perdendo a simplicidade, a clareza e a naturalidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A PRECARIZAÇÃO DA HUMANIDADE É INEVITÁVEL?

A tecnologia avança sempre, mas o homem permanece estagnado, ou seja, com seu aperfeiçoamento, as inovações viriam ao encontro da melhora geral. No entanto, a globalização, as novidades e tudo mais são monopolizadas para fins egoísticos, e em vez de melhora, acabam introduzindo precariedades na vida em geral, acelerando o declínio da espécie.

O Ocidente acabou se tornando vítima de seu próprio imediatismo praticado ao longo do século 20 e que culminou na crise financeira de 2008. O futuro se apresenta conturbado com o pêndulo pendendo para o lado da China que tende a assumir a preponderância econômica. Em tal situação, caberia ao Ocidente buscar formas de deter o avanço da crescente precarização geral, em vez de partir puramente para o confronto comercial e protecionismo de ocasião. Está faltando um projeto de coexistência econômica pacífica que não empurre a humanidade para o descalabro.

O atraso e declínio da humanidade vêm impedindo que a massa dedique seu tempo e esforços para cogitar por um mundo melhor. Isso está acontecendo com incentivo da mídia: violência, descaramento, corrupção, irresponsabilidade, sexualidade embrutecida e drogas em profusão, declínio geral sem um mínimo de propósitos humanos, gerando incerteza e desesperança. Como será possível o aprimoramento da humanidade em um mundo melhor?

A pressão destrutiva é forte. Começa já na infância, mas a tragédia maior tem lugar na adolescência, quando é atacada e sufocada a natural nobreza que desponta no coração dos jovens para um despertar para a vida real, sendo tudo arrastado para as lixeiras do mundo onde o egoísmo e a volúpia não possibilitam a construção sadia. Para formar adultos equilibrados, o contato com as belezas e perfeição da natureza é de fundamental importância.

Diante da atual situação do planeta, com seus desequilíbrios ambientais, econômicos e sociais, muitos jovens começam a perceber que além dos prazeres, do consumismo e do dinheiro, há algo muito importante para ser vivenciado. A eles pertence o futuro. É necessário que eles adquiram o movimento certo para uma forma de vida sadia e alegre, indispensável ao saneamento e à harmonia, para se manterem despertos e motivados para alcançar a melhora geral nas condições de vida. A ação impulsiva, sem reflexão intuitiva, é nociva, porém é frequentemente empregada como modelo em filmes e novelas.

Para onde estamos caminhando? A produção se concentra, aumenta a produtividade, empregos são reduzidos. Onde obter consumidores para a enorme capacidade de produção? Há um desequilíbrio na economia global. Como chegar a um denominador comum que favoreça todos os povos? A tentativa de impor tarifas surge como uma revolta à atual situação de comércio internacional do livre mercado, que funciona na base de inequações, isto é, admite-se igualdade de tratamento diante de fatores desiguais. Os efeitos se mostram em todos os países cuja balança comercial tem apresentado déficits. Evidentemente, a forma abrupta de busca de equilíbrio causa rupturas. Mas como o equilíbrio nas transações gerais poderá ser estabelecido? Algo deve ser feito, a hora exige bom senso de todos.

O despreparo das novas gerações, a permissividade, a invasão das drogas e os políticos vendilhões contribuíram para a inversão de valores promovendo retrocesso geral. O que será da qualidade de vida fora dos centros de excelência em produção avançada? Quem está se ocupando com isso para elaborar planos que evitem o descalabro social?

O Ocidente se tornou ingovernável; países como o Brasil vão decaindo no atraso e na precariedade. O Ocidente se revelou inábil para promover a paz, o progresso, o aprimoramento da humanidade, o bom convívio com a natureza. Como a China poderia contribuir sobre isso? Que efeito terá a férrea disciplina sobre as individualidades?

O Brasil caiu nas mãos dos burocratas do executivo, legislativo e judiciário. Muitos deles julgam-se donos do país e que a população aí está para servi-los. Quanta lama não foi lançada sobre tudo que pudesse lhes render algo? Os honestos se afastaram da política enlameada, é “lamantável”. Na educação, permitiu-se o enrijecimento total que induz as pessoas a acreditarem que nada mais são do que seu corpo terreno e que sua alma adormecida não existe mais, pois somente com a participação dela o mundo poderá se humanizar.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

SABOREAR A VIDA SEM ILUSÕES

Quando as pessoas vivem de ilusões, a economia acaba indo junto. Os capitães da indústria perceberam o movimento de globalização da produção com ganhos de escala e venderam suas fábricas, mas faltou percepção do governo. A indústria foi minguando e as importações aumentando; assim, o Brasil retornou à condição de exportador de matérias-primas. Ao lado disso, o voluntarismo provocado pelo projeto de reeleição, dando-se ao direito de em vez de consertar, fazer mais besteiras ainda. Agora são muitas frentes de crises internas e externas, com o prenúncio de valorização do dólar que talvez seja benéfico para uma guinada.

As administrações das cidades do Brasil descuidaram de tudo. No final do século passado havia uma nascente indústria que perdeu o rumo. Com falta de emprego e de preparo, aumenta a violência. Não se trata apenas de queda na arrecadação. Tem muito dinheiro malgasto no Brasil. Em vez de ir para a indústria, os investimentos foram para os shoppings com estrutura cara num tempo mais promissor. Com a queda nos empregos e tendência para precarização com o novo ciclo de importados baratos, juntou baixa renda com a necessidade de escoar produção de qualquer jeito, nas praças, feiras, lojinhas, outlets nas periferias, com meia nota, sem nota. Efeitos da guerra comercial global? Um novo problema a exigir governança apta e séria para segurar o país.

O diretor da Organização Mundial do Comércio, Roberto Azevedo, disse que dois terços do comércio global ocorrem por cadeias globais de valor. Pergunta-se: o Brasil está participando disso, em que montantes? Ou tem apenas cedido mercado consumidor e empregos?

Possivelmente, o sucesso da China em se capitalizar através do acúmulo de dólares se deva ao modo relaxado como o Brasil e outros países têm sido governados, com indisciplina, ausência de prioridades e seriedade no investimento do dinheiro público, desmazelo nas contas internas e externas, descaso com educação e saúde, infindável fome tributária para cobrir déficits intermináveis, descuido com o mercado externo. Tudo isso acarretou desastrosas medidas paliativas e chegamos próximos ao descalabro com a paralização dos serviços de transportes rodoviários. Passaram-se décadas de mau governo no Brasil. O processo para reverter essa situação é longo e penoso, mas tem de ser perseverado.

O modelo de desgoverno da Venezuela se reflete na questão dos imigrantes que fogem para o Brasil aos milhares e ficam pelas ruas de Roraima, sem moradia, sem trabalho. O que o prefeito pode fazer? Acolhimento de imigrantes que chegam sem planejamento é um grande estorvo para cidades malcuidadas, sem recursos para atender aos seus próprios habitantes naturais.

O Estado passou a ser uma plataforma de interesses particulares internos e externos. O desequilíbrio fiscal se agravou com o mau uso do dinheiro e a corrupção. Com a globalização e a ausência de gestores fiéis ao desenvolvimento do país, o caos se tornou tendência natural. É preciso sanear o país internamente, fortalecer o preparo da população e promover intercâmbio sadio entre os povos.

O ser humano dispõe da percepção intuitiva e da percepção intelectiva, sendo esta facilmente manipulável de fora quando não permite que a intuição se manifeste. Saboreie a vida, o grande presente que cada um pediu; ela deve ser aproveitada integralmente com a percepção intuitiva para que, penetrando através do cérebro, alcance o eu interior, pois é através da existência terrena que o núcleo espiritual fortalece a autoconsciência e a sua individualidade, fazendo desabrochar as capacitações próprias. Saboreie a vida com sua percepção para que alcance o eu interior.

Cada pessoa tem de vencer a si mesma na busca do caminho certo, pois já foi observado como a mania de grandeza e a teimosia desencaminham o ser humano. Quem ainda busca a compreensão do significado da vida? Com o impacto da aspereza do século 21, a espécie humana vai perdendo a consciência de sua missão de construir de forma a sempre beneficiar o planeta visando melhorar as condições gerais de vida. Em vez de tantas inutilidades, os estudantes deveriam aprender a história geral da civilização para observarem atentamente onde os seres humanos se deixaram levar por sentimentos menores, mostrando-lhes as figuras éticas e morais que propunham a elevação da espécie e que, devido ao seu idealismo, acabaram sendo depreciadas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS ÚLTIMOS DIAS DE POMPEIA

O céu azul, as árvores verdes, mas a vida segue tão agitada que muitas pessoas sentem como se estivessem próximas aos últimos dias de Pompeia, devorada pelo terremoto e atividade vulcânica. Tal sensação nem sempre chega a ser plenamente consciente, mas nem por isso menos inquietante. São as condições gerais de vida que se vão estreitando pelo mundo a fora.

O ser humano enveredou por tantos artificialismos que acabou saindo da naturalidade, passando a nutrir monstros perigosos através de suas atividades agrilhoadas ao mundo material e seu ídolo, o dinheiro. Agindo de forma unilateral sem deixar espaço para nada mais, os sentimentos de generosidade são desarticulados, fragilizando a própria alma que, naturalmente, mantém o impulso para o enobrecimento se não for silenciada pelos monstros que agora passam a fazer exigências de sacrifícios no altar da ambição e da cobiça por dinheiro.

Dinheiro, basta ter, ninguém precisa ser, porque o dinheiro tudo pode. E quanto mais acumulam, com raras exceções, mais inquietos, descontentes e prepotentes se tornam. Apesar disso, permanecem sem perceber que só com dinheiro não conseguem alcançar a felicidade, então se lançam na busca de mais do mesmo, sempre olhando só para baixo.

A economia vai se ajustando aos interesses. A produção de bens vai sendo transferida para regiões onde a mão de obra é menos custosa, lá se concentrando e obtendo redução pela maior quantidade produzida, e também por automatização dos processos gerando varias consequências. Os preços se reduzem acarretando desindustrialização em outras áreas, desemprego, e desequilíbrio no balanço de pagamentos nos países em que o montante de exportações é insuficiente para os compromissos em dólares, como importações, serviços, remessa de lucros e juros, consolidando a permanente necessidade estrutural de dólares para as contas do país.

A globalização financeira, econômica, comercial e cultural, estruturou a dolarização da economia, produzindo o mundo atual com estadistas corruptos, declínio da educação e da qualidade humana, e precarização geral. Em vez da diversidade, forçou-se a uniformidade. As alterações e mudanças surgiram no centro desenvolvido afetando os países da periferia que não conseguem dólares suficientes, ficando sujeitos às instabilidades cambiais e suas consequências nefastas. Dois países poderiam entrar em acordos econômicos e culturais tendo o equilíbrio como norma, cada país zelando pelos interesses de sua população para não caírem na pilhagem no toma cá, dá lá. Mas isso é pouco praticado.

Com o passar do tempo, surgiram efeitos não desejados. O presidente Trump, com suas decisões atabalhoadas, encarna a mudança das mudanças que visam reverter a eventual perda de poder econômico. Uma questão muito preocupante que pode ser uma tentativa já tarde demais e, por isso, seu impacto é surpreendente e o caos crescente.

Em meio à aspereza, poucos seres humanos se ocupam em fazer indagações sobre o futuro da própria alma que vivifica o corpo, deixando de se esforçar para pressentir o grande futuro que aguarda o ser humano que se dedica à descoberta do significado da vida. Em sua existência, há pouca coisa para ser lembrada como feito realmente importante e benéfico para o aprimoramento geral.

Há muitas teorias confusas, religiosas, políticas, sócio-econômicas e da cultura do prazer, todas de pouco valor que em nada contribuem para a melhora geral. Há muitos costumes nocivos que degradam o homem. Há raros momentos de coesão num sentimento de gratidão. Um belíssimo exemplo disso: muitas pessoas a bordo de um cruzeiro para o Alasca, onde é difícil acontecer dias ensolarados. Num belo dia, o sol aparece no céu azul e todos, viajantes e tripulação, se alegram com a imagem e vão reverenciar e prestar agradecimentos pela fonte de energia que aquece a Terra.

Ao atravessar pelo tempo nas várias fases das vidas, da infância à velhice, o corpo vai cumprindo a sua tarefa, permitindo o aprendizado para que a alma possa ingressar na nova vida do novo mundo fundado na naturalidade e no equilíbrio das leis cósmicas que regem o universo. A ausência disso está conduzindo a humanidade ao descalabro, ao caos mental e intelectual, em vez do continuado aprimoramento da espécie humana e de suas obras como era esperado. Não é a toa que nas mentes estressadas ressurja a imagem dos últimos dias de Pompeia com seu trágico destino.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

FUTURO E RENOVAÇÃO

O sistema econômico-financeiro apresenta um elemento intermediário complicador das atividades. Para importar, seja dos EUA ou de outros países, é preciso primeiro comprar dólares, ou euros, um pouco mais caro, mas tudo não passa de papel impresso. Se o preço do dólar varia, tudo acompanha, seja o valor das importações ou das exportações. No Brasil, a Petrobras para tirar o atraso aperta no preço dos combustíveis devido ao preço e à variação cambial. Parece que temos vivido um forte artificialismo econômico que algum dia terá de ser sanado com algo mais natural.

Países como o Brasil enfrentam as jogadas da gangorra cambial. Quando a gangorra do real desce, com a desvalorização, é oportunidade para a entrada de dólares. Quando o real valoriza lá em cima é a hora da saída gorda de dólares. Vamos ver que jogo é esse. Enquanto os maiorais EUA e China buscam algum tipo de ajuste aceito por ambos, ocorre o pressentimento de alívio temporário para a guerra comercial. Resta saber que dificuldades vão sobrar para a turma de baixo, fragilizada e desorganizada como o Brasil.

Está chegando a hora do ajuste monetário com possibilidade de piora para o Brasil e outros países. Mas essa piora reduz o consumo o que poderá acabar afetando até o volume das exportações da China. É o mundo da fantasia criado pelo homem quando esse descobriu que podia criar dinheiro do nada e foi montando castelos de areia sem a base firme natural. Agora temos: muitas dívidas, muita ociosidade produtiva, pouco trabalho, e, muita necessidade de consumo não atendida.

O prolongado regime de trabalho escravo trouxe graves consequências para o Brasil. Faltou preparo para a vida da população liberada das fazendas. Não basta o pão para o corpo, é preciso também o pão para a alma para formar uma nação forte, com população apta a buscar o atendimento das necessidades para uma existência condignamente humana. O país ficou dividido devido a falta de esforço para a integração e hoje as dificuldades se tornaram ainda maiores com o crescimento da população com falta de adequada alfabetização, bom preparo, propósitos elevados, perspectivas de progresso pessoal. A data de 13 de maio de 1888 poderia ter se tornado a grande oportunidade do governo e elites de transformar o Brasil numa verdadeira nação ao não planejar a integração da mão de obra liberada das fazendas e não dando escola alfabetizadora aos descendentes, mas esse momento crítico foi estupidamente perdido.

O problema do Brasil foi ter deixado as raposas tomando conta do galinheiro. A galinha punha cobiçados ovos de ouro e a nação se acomodou em berço esplêndido. É preciso despertar desse pesadelo através de bom preparo para a vida, gerando oportunidades e esperança de que com trabalho sério haverá melhora geral. Mas antes é necessário tirar as raposas do galinheiro – as nacionais e as internacionais. De tanto ver triunfar a corrupção e as nulidades no poder, o populismo tem atraído atenção de muitas pessoas desanimadas com a gestão displicente que, ao contrário, deveria ter promovido o progresso efetivo.

Miséria e falta de bom preparo para a vida estão traumatizando o Brasil com atos de descontentamento e violência. Desemprego e queda na renda estão travando a economia. O mundo está perdendo a sua ingenuidade e enfrenta uma situação muito difícil, mas a classe política só pensa em vencer eleições. O novo filme de Bruce Willis mostra bem os efeitos do desemprego e marginalidade. Ele interpreta um médico cuja família foi atacada por ladrões, com cenários em Chicago que mais parece com as cidades violentas do Brasil.

O futuro da humanidade não é animador. Em geral, poucos seres humanos assumem responsabilidade com o futuro. De longa data falta verdade e, habilmente, as reais intenções têm sido acobertadas. Mas estamos no século em que tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação, pois o que estiver em oposição a elas perderá a base de sustentação, devendo ruir naturalmente.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

VIVER DE CORPO E ALMA

O ser humano é composto de alma e corpo, onde o cérebro atua como o sistema operacional que tem de executar os comandos da alma. Mas afinal o que é a alma? A alma abriga a energia espiritual do ser humano, nela se encontra a individualidade, o eu interior que tem de agir por si, buscar a autoconsciência, sem permitir a infiltração de influências externas no envio de seus comandos ao cérebro.

As pessoas necessitam dedicar mais tempo para compreender o que a alma é. A alma, em sua individualidade, é dotada de características próprias, enquanto o cérebro se deixa padronizar por influências externas. As pessoas têm que viver de corpo e alma, e não apenas com o corpo, como o fazem na maioria das vezes. Isso tudo tem o seu funcionamento em conformidade com as leis cósmicas universais que regem o livre arbítrio impulsionador das vivências para o fortalecimento da alma.

Qual é o grande futuro do ser humano que vai atravessando o tempo em várias fases desde a geração, infância, fase adulta, velhice, sempre se encaminhando para o abandono do corpo, a saída do mundo terreno? O ser humano deveria passar por isso atentamente de forma consciente, porém, muitas pessoas, levadas pelo artificialismo em que vivem, vão avançando sem perceber a importância dessas fases da vida, e quando se dão por si, já se encontram perto da velhice.

É indispensável para o progresso o esforço para manter o domínio do espírito sem permitir influências externas. Colocar de lado as ninharias do dia a dia, elevar os pensamentos, sempre visando produzir algo benéfico para si e para a Criação. Vivemos numa fase caótica da humanidade, o descontentamento e protesto avançam pelo mundo.

Em muitos municípios, como a cidade portuária de Marselha, na França, as empresas estão indo embora fugindo da confusão, permanecendo elevado índice de desemprego. Há um grande contingente ocioso pelo mundo; é preciso criar atividades nobres e produtivas que assegurem uma existência condigna. As pessoas não podem continuar perdendo o rumo. Na vida tudo tem de se pautar pela grande lei do equilíbrio cósmico, mas os seres humanos se julgam acima dessa lei.

“Como és tu ser humano? O que tens feito do tempo que te foi concedido?” O ser humano não pode se prender a conceitos de outras pessoas sem analisar tudo com o eu interior, a alma. Na alma nasce a intuição, que deve comandar o cérebro no pensar, falar e agir. Uma criança ouve por muitas vezes que o Salvador veio para a Terra para livrar a humanidade de seus pecados através de trágica morte na cruz. Enquanto criança, vai ouvindo essa história, mas ao atingir a fase adulta assume a responsabilidade por si mesma e é sua obrigação examinar o conteúdo da crença de seus pais, se verdadeiro ou não. Como o Criador de Todos os Mundos poderia enviar seu filho inocente para, arbitrariamente, apagar os pecados dos seres humanos para que pudessem retornar ao céu?

Para se desenvolver, o espírito teve de ser expelido de seu plano de origem, o reino espiritual, ou como se diz, foi expulso do paraíso para fazer um percurso até ao mundo material, desenvolver-se para a escalada, retornar forte e consciente. É preciso elevar o pensamento para não permitir que a alma seja sufocada pelo intelecto egocêntrico que quer dominar e, em sua mania de grandeza, se julga dono do planeta. Devido à sua espécie material, o intelecto se aprisiona ao perecível mundo material, às suas ilusões, seus prazeres e suas misérias.

Lei da vida é movimento certo no pensar, falar e agir, sempre visando o bem geral, para ampliar a consciência espiritual. Procurar ligação com a fonte da vida. Saber por que e para que nascemos. Já é possível procurar na Internet o saber sobre a Luz da Verdade, o grande auxílio para a humanidade, a Mensagem do Santo Graal. Até agora o ser humano só prevaricou em vez de atrair a energia espiritual para o bem da Terra e preparar o chão para a nova vida, livre dos erros humanos, baseada na naturalidade que reconhece e segue as leis da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7