PONTO FINAL – MATCH POINT

Match Point é um filme conduzido com muita habilidade por Woody Allen, no qual ele tece uma trama que quer demonstrar que na vida não existe a lei da reciprocidade e o que vale é a sorte ou azar.

Chris (Jonathan Rhys-Meyers) é um jogador de tênis que resolve ser instrutor para pessoas da classe alta e percebe que tem a oportunidade de dar o golpe do baú casando-se com Chloe (Emily Mortimer), uma moça de família rica. Mas ao mesmo tempo ele quer dar vazão ao seu instinto sexual em sua paixão por Nola (Scarlett Johansson), namorada do irmão de Chloe, que acaba engravidando e se nega a praticar aborto.

Chris passa a trabalhar como administrador das empresas da família e Nola se torna uma ameaça. Ele consegue sufocar as admoestações da intuição e planeja friamente como se livrar da amante.

A morte de Nola leva o investigador de polícia a interrogar Chris, mas o álibi dele não apresenta falhas. Apesar disso o investigador intui com todos os detalhes a culpa de Chris que é salvo pelo anel encontrado no dedo de um drogado morto.

Chris tem uma visão em que Nola diz que ele vai colher o que semeou. Embora corroído pela culpa, ele se acha um protegido da sorte por ter usado seu livre arbítrio para o mal. Chris pensa apenas em termos da justiça das leis terrenas criadas pelos homens como se não houvesse a justiça decorrente da atuação das leis divinas que agem no aquém e no além, na matéria ou fora dela.

CRIME NA CASA BRANCA

O filme “Crime na Casa Branca”, de 1997, adentra nos meandros do poder mundial. A Coreia do Norte, acobertada pela China, está matando soldados americanos prisioneiros de guerra. Um general diz: “temos condições de atacar agora, daqui há dez anos não sei”.
Uma jovem é encontrada assassinada em um banheiro da residência presidencial. O detetive Harlan Regis (Wesley Snipes) é designado para investigar o crime em paralelo à investigação do serviço secreto e da segurança nacional.

A agente do serviço secreto Nina Chance (Diane Lane) fica do lado de Regis. Começa então uma perseguição à dupla Regis/Chance, desencadeada pelos criminosos que criam uma narrativa que aponta o filho do presidente como o culpado, mas a dupla não se deixa intimidar e vai fundo na investigação descobrindo uma trama suja que envolve os altos escalões e pessoas da confiança do presidente que estão empenhadas num golpe para derrubá-lo, fazendo-o renunciar.

Uma situação interessante, embora rara nos EUA, encontra similar em muitos países da América Latina, inclusive o Brasil sujeito a golpes e confrontos para a conquista do poder desde a derrubada do Imperador D. Pedro II.

A JUSTICEIRA

A Justiceira é um daqueles filmes em que as pessoas ficam torcendo pela justiça mesmo que por linhas tortas, já que policiais, promotores e juízes se dobram diante da força dos marginais e do poder do dinheiro.

Na trama, Riley North (Jennifer Garner) é uma boa mulher e mãe que vê com tristeza como a justiça dos homens é falha e sujeita a jogadas e corrupção. Após acordar de um coma e lembrar que seu marido e filha foram mortos a tiros num parque de diversões, Riley passa os anos seguintes a treinar para ir ao encalço de todos os envolvidos no assassinato de seus entes queridos, ou seja, da gangue que cometeu o crime, dos advogados que os libertaram e dos policiais corruptos que permitiram que tudo acontecesse.

Ela parte para a luta, pois tinha perdido tudo. Toma a justiça nas próprias mãos e busca vingança pela morte do marido e da filha. Trata-se de um tema envolvente que segura a atenção do público. A violência é forte, mas não é das piores porque nada acontece por acaso. Garcia, prepotente, é um homem mau, deveria ter pacto com o diabo por possuir tamanha ruindade, a mesma que acomete os homens sem coração que sufocaram o espírito. Riley toma a justiça nas próprias mãos esquecendo que a justiça divina é incorruptível. Defender-se de um ataque é um imperativo da vida, mas “Não Matarás” é um Mandamento abrangente, pois assassinar friamente ou matar, moralmente são equivalentes. Ser desleal e trair uma amizade também significa matar algo que encerra vida.

O filme é uma utopia do mundo dominado pelos maus que acaba acalmando aqueles que têm sede de justiça. No entanto, todos deveriam ter consciência de que ninguém escapa da grande justiça e amor severo que pairam acima das leis dos homens.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

 

A TORRE NEGRA

O filme A Torre Negra é baseado na obra literária homônima de Stephen King, uma tentativa de mostrar o além misturando sentimentos, imaginação e fantasia. Jake Chambers (Tom Taylor), um menino de onze anos, tem visões em seus sonhos sobre uma outra dimensão chamada Mid-World onde crianças são levadas a sacrifícios pelo Homem de Preto. Jake se vê pressionado pelo padrasto e foge de casa para encontrar a casa mal-assombrada de seus sonhos e acaba encontrando o pistoleiro Roland Deschain (Idris Elba), que está buscando o caminho para chegar à “Torre Negra”, a edificação que liga os mundos e que está prestes a ser destruída, o que acarretaria graves consequências para o mundo.

Na passagem entre tempos diferentes e confusões entre o real e o imaginário eles encontram o poderoso Homem de Preto, que encarna o mal e tem como alvo a destruição da humanidade que se acha submersa nas sombras de seus próprios erros, incapaz de ver que a vida se desenvolve em vários planos, sendo o material o mais distante da Luz. Abaixo do mundo material, está o submundo das trevas com todos os horrores. O filme mostra, por meio do menino Jake, que além do cérebro frontal há muitas capacitações humanas perdidas que ajudariam a entender o significado da vida e suas leis, e a evoluir no espírito.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

 

 

AS GOLPISTAS

A respeito do filme “As golpistas”, que conta a história de um grupo de dançarinas de strip-tease que se unem para aplicar golpes em seus clientes – executivos de Wall Street – o que se poderia dizer? Para Destiny (Constance Wu) e sua “mentora” pessoal e profissional, Ramona (Jennifer Lopez), “o mundo é uma boate de striptease”, e na realidade é isso mesmo que está acontecendo, acabando com o pouco de dignidade humana. As mulheres tiram a roupa e mostram seu corpo, embrutecendo os homens. Na vida real, os homens tiram a máscara e mostram a sua hipocrisia e vileza para atender à própria cobiça. Uma meleca que muitos não conseguiram ver por inteiro, retirando-se da sala, desapontados.

Modernismo não é a pregação da libertinagem e comportamento desenfreado. O século 21 apresenta as incoerências da civilização materialista que forjou a economia da cobiça, do acúmulo e controle do dinheiro, que se sobrepõe às ideologias de direita e esquerda, colocando o dinheiro acima de tudo o mais, provocando aumento da miséria e precarização geral. Nesta Terra desolada e cercada de asperezas, uma sensação de tristeza invade os corações.

Falta um sentido elevado e a espontânea alegria de viver. As massas estão confusas, envolvidas por um sentimento de frustração diante das crescentes dificuldades e da enxurrada de informações contraditórias. Estamos enfrentando um grande declínio civilizatório que traz a marca da crise econômica com seus efeitos que a tudo atinge. Uma crise civilizatória avança pelo mundo, nitidamente visível no Brasil devido à falta de adequado preparo para a vida, que se agrava com a falta de responsabilidade de homens e mulheres na geração e preparo dos filhos. A decadência está penetrando também pela falsa cultura, uso de drogas, intelectuais que insistem em justificar a destruição, artistas que defendem uma vida desregrada e promíscua desvalorizando a mulher, a mãe, e que zombam da beleza genuína.

BROOKLYN – SEM PAI NEM MÃE

O filme Brooklyn – Sem pai nem mãe conta a história de Lionel Essrog, interpretado por Edward Norton, que cresceu num orfanato e aprendeu muitas coisas com seu chefe, amigo e mentor Frank Minna, vivido por Bruce Willis, líder de uma agência de detetives que o empregou desde a adolescência. Minna foi assassinado por tentar extorquir dinheiro do magnata da construção Moses, interpretado por Alec Baldwin, em Nova York, nos anos 1950. Na trama, Lionel é um detetive particular e solitário, que possui a síndrome de Tourette, distúrbio que faz com que a pessoa perca o controle sobre suas falas e ações.

O cenário é convincente, mostrando as ruas e os automóveis como eram naquela época. O pano de fundo é o poder municipal na cidade de Nova York. A trama segura a atenção, mas há momentos que fica um pouco confusa. Tentando descobrir quem foi o responsável pela morte de Frank, Lionel conhece Laura Rose (Gugu Mbattha Raw), advogada ativista que saiu em defesa dos moradores de um bairro visado pela especulação imobiliária. No desvendamento da causa do assassinato de Frank a trama fica confusa e ocorrem algumas incoerências, mas mostra claramente como os homens podem se tornar implacáveis para conservar o poder em suas mãos.

Mose diz que, ao ter poder sobre as pessoas, tem como decidir sobre o destino das demais à sua volta, incluindo ou excluindo as que quiser, conforme lhe aprouver. Mas se alguém atrapalhar seus planos, não terá como ir adiante, pois será neutralizado, marginalizado e excluído, e se insistir, sofrerá punições mais pesadas.

Os acontecimentos mostram o confronto entre os seres humanos de raciocínio frio e calculista, quando se trata de obter ganhos e poder, em contraposição aos idealistas que almejam o aprimoramento da espécie humana com nobreza. Lionel não se deixa fisgar pela promessa de receber um montão de dólares para sair do caminho de Mose, demonstrando que tem vontade própria e determinação, coisa estranha para os homens do poder habituados a serem bajulados e obedecidos cegamente.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

BREXIT

Brexit, um filme produzido pela HBO, é importante porque mostra a nossa época falando sobre sentimentos de ódio e medo utilizados para influenciar o público vacilante. Ele focaliza o processo de saída do Reino Unido da Comunidade Europeia. A trama mostra o ponto de vista de Cummings – o marqueteiro acusado de manipular redes sociais para a vitória do Vote Leave (sair da comunidade europeia) e a importância do marketing político como forma de manipular a opinião pública, tão comuns na atualidade.

Muitas pessoas estão deixando transparecer o seu descontentamento com a trajetória da humanidade em virtude do que foi feito em séculos de estruturação do poder do dinheiro pelo ser humano que sufocou a alma para satisfazer a própria cobiça, enquanto grande parte da massa foi caindo na indolência, esquecendo o real significado da vida, deixando de examinar e analisar os acontecimentos para aproveitar a cerveja e o futebol sem maiores preocupações. Mas a vida não para e tudo vai ocorrendo à semelhança de uma árvore, até que se mostrem os frutos que dela brotam, como está ocorrendo atualmente com a globalização, com a perda de um sentido elevado para vida, com o desaparecimento dos empregos e aumento das dificuldades.

A crise é tanto maior porque não se esperava por ela, uma vez que as elites financeiras, as corporações, os políticos e as religiões mantiveram o povo na indolência, dando-lhes falsas esperanças de futuro risonho enquanto tiravam proveito. Os novos gurus das mídias captam isso e promovem reações descontroladas, utilizando mentiras e falsas narrativas para um público desesperançado que quer uma tabua de salvação para se agarrar, sem fazer uma autoanálise e reconhecer as causas da situação em que se encontra. Brexit venceu, e agora o que fazer para a vida melhorar?

KARDEC

O filme Kardec apresenta a vida do educador Hippolyte Léon Denizard Rivail, membro da sociedade científica, que adotou a identificação de Allan Kardec após ter sido despertado para a questão da reencarnação e do significado da vida. Um acontecimento importante para a humanidade subordinada aos dogmas da Igreja. De onde viemos, para onde vamos, qual a finalidade da vida? Indagações feitas por Kardec. Tudo começou quando ele decidiu investigar mais a fundo as chamadas “mesas girantes” que ocorriam em Paris no século 19 e a partir de então deixou o ceticismo de lado para iniciar suas pesquisas a respeito do tema.

Seus estudos científicos tentaram explicar o inexplicável levando-o a concluir que os barulhos nas mesas eram causados por espíritos que tentavam conversar com os vivos. Mais tarde, ele descobriu que existiam também os médiuns, ou seja, pessoas que tinham a capacidade de ver e ouvir os espíritos. Foram os espíritos, inclusive, que disseram ao professor Rivail que em vidas passadas ele tinha sido um druída celta com o nome de Allan Kardec, e por isso passou a usar esse nome.

No filme, a atuação de Leonardo Medeiros no papel de Rivail/Kardec mostra a trajetória de evolução de seu personagem, assim como a presença mais leve de Sandra Corveloni como Amélie Gabrielle Boudet, esposa de Kardec, que dá uma dinâmica interessante ao casal. Ela o ajudou a escrever o “Livro dos Espíritos”, lançado em 18 de abril de 1857, a responder às cartas das pessoas interessadas no assunto e a organizar as pesquisas. O filme exprime bem a época em que a história aconteceu, permitindo ao público entender as dificuldades enfrentadas naquele momento pelos pesquisadores da espiritualidade.

François-Marie Gabriel Delanne, engenheiro francês e um dos primeiros pesquisadores espíritas notórios, sintetizou bem o episódio histórico: “Substituindo a fé cega numa vida futura, pela inquebrantável certeza, resultante de constatações científicas, tal é o inestimável serviço prestado por Allan Kardec à humanidade”. Ou seja, os seres humanos, conscientizados das reencarnações necessárias ao fortalecimento e evolução do espírito, levariam o impulso para, numa próxima encarnação, buscar o saber completo da Criação e suas leis, sem dogmatismos ou misticismos, sob a Luz da Verdade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

 

AD ASTRA

O astronauta Roy McBride (Brad Pitt) viaja pela imensidão de um sistema solar sem lei para encontrar seu pai (Tommy Lee Jones) desaparecido há mais de 30 anos – um cientista obcecado que quer distância dos seres humanos e que pode se tornar um perigo para a humanidade. Esse é o tema do filme Ad Astra, co-escrito e dirigido por James Gray, em que não há super-heróis. O clima é denso, assustador. O major Roy, da força aérea, permanecia concentrado, olhando o que era importante, o resto deixava de lado. Refletia sobre sua vida. Andava aborrecido com o artificialismo em que vive grande parte das pessoas. Queria se isolar, ficar longe das pessoas falsas e astutas. Com a perda da saudade da Luz, a vida passa a enviar sinais estridentes para despertar os seres humanos de seu entorpecimento. Quantos conseguem perceber?

Na trama, o pai de Roy embrenhou-se pelo espaço à procura da inteligência universal, mas não é necessário ir tão longe; ela está ao nosso lado, no dia a dia, na natureza e suas leis que são universais e perfeitas, pois contêm a sabedoria da Vontade criadora de Deus.

Na Terra, algo estranho abala os sistemas ameaçando a humanidade displicente. Os dirigentes queriam que Roy estivesse apto a cumprir ordens sem ouvir o sentimento intuitivo que brotava em seu íntimo. Perdido no espaço, Roy sentiu-se solitário e passou a querer ter ao seu lado pessoas amigas com as quais pudesse compartilhar as alegrias e tristezas, as dificuldades e a determinação. Viver o presente com alegria, sem receios.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

JOHN WICK

O filme John Wick – De volta ao jogo agradou pela história emotiva, apesar da violência. É a história de um matador aposentado, vivido por Keanu Reeves, que no passado serviu a uma organização sombra da qual se afastou. Estava em luto pela perda de seu amor, tendo por companhia seu cão amigo que foi morto por um gangster que invadiu sua casa e roubou seu carro, forçando-o a voltar à ativa. John desenterra as armas e parte para a guerra contra os marginais.

No segundo filme, John Wick – Um dia para matar, há mais violência e menos história. John tem de cumprir a promessa feita a D’Antonio que o trai e põe sua cabeça a prêmio. O mundo áspero, onde prevalece o mal.

No terceiro filme, John Wick – Parabellum, a violência domina a tela, chegando a cansar. É um péssimo exemplo para malucos armados. Trata-se de uma história pequena sobre a high table, a alta cúpula, com homens de todas as nações que comandam o mundo na clandestinidade, mantendo regras rígidas de obediência e castigos severos aos que não seguem as ordens do comando. Algumas pessoas estão desapontadas com os intermináveis episódios de ódio e matança.

John Wick é um exterminador violento que mantém valores em seu coração, o que complica o seu relacionamento com homens como Winston ou mulheres como a Juíza, ambos sem coração, capazes de tudo, até de vender a própria alma para se perpetuarem no poder e cuja palavra dada nada vale, pois não vacilam em trair friamente a qualquer um, mesmo aqueles que salvarem a sua vida. O que vai ser o quarto filme da série que vai chegar em 2020? Esperemos surja algo menos cruel, que apresente justiça e vitória do bem.