HUMANIDADE DISPLICENTE

A humanidade tem sido displicente com a vida. Viver deve ser o aproveitamento da oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora. Se houvesse a união dos povos em torno do objetivo de alcançar o aprimoramento da espécie humana, certamente não estaríamos enfrentando os rigores da mudança climática, a severidade da limitação dos recursos naturais e da sustentabilidade da vida, e com certeza as riquezas que provêm da natureza não estariam sendo partilhadas dessa forma desumana com todos que se esforçam em serem úteis e produtivos neste planeta.

Estamos diante das consequências do modo de vida inadequado, anunciadas há séculos, mas o foco dos mandantes era voltado prioritariamente para poder e dinheiro. Como gado, os humanos foram empurrados da terra para os grandes currais das regiões metropolitanas onde quem falava em manter áreas florestadas era apedrejado. O preço de tudo sobe, mas a renda cai. Não se sabe como lidar com as alterações do clima, nem se reconhece o modo errado de viver.

Muitos políticos tratam o Estado como uma vaca leiteira e há anos mamam no Brasil, mas cobiçosos, sempre querem mais e são capazes de matar a fonte para se beneficiarem. As eleições exigem muito discernimento da parte dos eleitores. Esperemos que o eleitorado se inspire em suas escolhas para que sejam eleitos aqueles que tenham um real empenho na construção de um país digno, tornando-o um lar para que possamos evoluir em paz e alegria.

Homem é homem e mulher é mulher e deveriam se complementar e viverem felizes, auxiliando-se mutuamente, mas a época é fulminante para o bem-querer. A ansiedade, o egoísmo e o orgulho são fatores adversos que prejudicam a boa convivência. Há muita aspereza no ar. Sentimos isso no trânsito congestionado, no transporte precário, nos ambientes de trabalho, nos conflitos pessoais e mundiais que se avolumam. Num mundo em que cada um só pensa em si e em suas vantagens, julgando-se melhor que os demais, os bons pensamentos e a consideração são as melhores formas de estabelecer a mútua cooperação, em que cada um auxilia o outro com pensamentos benéficos.

Houve um tempo em que os seres humanos, hóspedes do planeta Terra, viviam na segurança da regularidade dos acontecimentos e tudo seguia conforme se previa. Mas, de repente, as pessoas passaram a agir com frieza e a vida começou a mudar sem que se pudesse saber como seria o amanhã, e quais problemas e dificuldades surgiriam. Isso gerou inquietação e até revolta. As pessoas perderam a coerência, e mudam de opinião segundo os interesses, medo ou influências externas. Como enfrentar esse novo desafio?

Há uma estrutura de desorientação que visa manter a alma adormecida e, na indolência, acaba acolhendo o lixo das formas de pensamentos maldosos daqueles que se entregaram ao princípio errado. Vivemos sob o império da mentira e da corrosão dos valores que lança os seres humanos na destruição do eu interior consciente.

Quem semeia colhe; a displicência no agir se vinga ferozmente. O que vai, vem. As movimentações de retorno se aceleram, as boas, as más, e aquelas que devido à forte vontade das pessoas de alcançar o bem, se apresentam na forma de resgate simbólico. No livro Fios do Destino, a escritora Roselis von Sass explica: “Os espíritos humanos se reencarnam constantemente em diversos povos e países. Essas repetidas vidas terrenas tornam-se necessárias, a fim de que as criaturas possam desenvolver todas as faculdades latentes no espírito humano.”

O sofrimento reconhecido como retorno se torna menos traumático pela certeza que terá um fim. O que causa mais abalos são ataques morais e emocionais com sua carga nociva, que surgem de repente para agredir a alma. Por isso é preciso manter puro o foco dos pensamentos, pensar no bem, e humildemente confiar na força das leis da Luz do Todo-Poderoso, e ir em frente com firmeza e coragem.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

DEMOCRACIA DEPRAVADA

O desequilíbrio econômico entre os países é geral, de tal forma que apesar dos déficits, as nações utilizam políticas que inibem a atividade econômica quando deveriam estimular a produção de itens essenciais. O déficit comercial dos EUA ilustra bem esse desequilíbrio. Decisões oportunistas criaram essa situação, pois deveria haver equilíbrio econômico geral na produção, comércio, empregos, consumo, progresso com elevação dos níveis de saúde, educação, setor privado diversificado, mantendo estabilidade econômica, política e social. No entanto, os caminhos que levam a isso não foram perseguidos.

O dinamismo da economia globalizada tem sido mantido de forma artificial e distante dos reais objetivo da economia política que visa o bem-estar geral das populações e a melhoria geral das condições de vida, favorecendo o aprimoramento da espécie humana. Quantos desses objetivos foram alcançados? Quando sopra um vento mais forte, seja no Lehman ou na Evergrande, tudo oscila. A vida tem se tornado difícil e em crescente precarização para quase a totalidade das cerca de oito bilhões de pessoas hospedadas na Terra. Cobrir o rombo não deverá ser problema para a China; mais difícil será dar solução para quem ficar sem casa e para quem perder o emprego.

Em 2011, americanos indignados ocuparam a praça próxima a Wall Street em protesto pelo desemprego crescente e queda na renda, vendo o sonho americano ser atropelado. A mais importante questão para uma nação é a seriedade na escolha dos dirigentes, mas ao que se observa a grande maioria dos eleitos não cumpriram o seu papel, fragilizando e depravando a democracia ocidental e tudo o mais, cansando a população que não via a nação ser tratada com seriedade na direção do progresso e autonomia, por isso não há razão para que se estranhe a eleição de Trump e Bolsonaro, que captaram os anseios da população.

As grandes potências, como Inglaterra, França, EUA, Rússia e China, manejam o mundo há séculos da forma que melhor lhes convêm. Os discursos são envolventes, falam em convivência pacífica e progresso para todos os povos, mas na prática cada qual busca vantagens, seja com abuso da força militar ou econômica, mesmo que para isso tenham que sacrificar a natural evolução da espécie humana e a sustentabilidade do planeta.

O planeta Terra tem uma triste história de desestabilização dos mecanismos naturais que asseguram a sustentabilidade da vida. O mais cruel é que isso é consequência das desastrosas políticas econômicas adotadas que visam o enriquecimento de grupos dominantes em prejuízo de toda a humanidade, pois ao invés de visarem o aprimoramento, agem com viés imediatista, cobiçando ganhos e aumento de poder e influência, arrastando as populações para o abismo, escravizando-as sem que tenham consciência disso.

Estamos diante de uma situação extraordinária com acontecimentos que escapam do controle dos superdirigentes e dos supercomputadores, desorientando e gerando incertezas. Evidentemente são as consequências de atividades desordenadas que vêm introduzindo desequilíbrio no sistema natural da vida, atingindo a economia e a sociedade. Hora de direcionar toda inspiração intuitiva e o raciocínio lúcido para descortinar as causas que estão ameaçando a sobrevivência condigna da humanidade. A indolência espiritual finca suas garras onde não encontra resistência. As pessoas veem, mas não enxergam; ouvem, mas não escutam. As coisas vão acontecendo, mas, acomodados, os seres humanos não se mexem, não percebem que deveriam estar agindo como seres vivos e despertos no uso de suas capacitações.

A submissão deveria ser somente às leis da Criação, à Vontade Criadora de Deus, para construir um paraíso na Terra; mas os humanos, escravos das trevas, ousaram escravizar o próximo buscando atar seus espíritos para que se tornassem submissos, e a Terra se transformou num vale de perdição e sofrimentos. O ano de 2021 começou sem festas e tem os mesmos números de 2012. Os dias deste ano estão sombrios e difíceis. É importante mudar o foco dos pensamentos para coisas leves e do bem para escapar da inquietação reinante.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CONSEQUÊNCIAS DA ECONOMIA DESEQUILIBRADA

Onde encontrar democracia que funciona bem? O problema não está na democracia, mas nos seres humanos, que como em qualquer outro sistema de governo se deixam levar pela mania de grandeza, um mal que pode grudar em qualquer pessoa, seja militar, militar reformado, professores, economistas etc. Hoje isso é dominante. É lamentável a situação geral da humanidade que após tantos milênios para evoluir acabou decaindo no nível abaixo das tribos antigas que só conheciam a natureza; hoje nem isso é conhecido, o que resulta em ignorância maior ainda, pois conhecer a natureza e suas leis já é um avanço que deveria conduzir ao reconhecimento das leis que regem a vida.

No passado, a economia se baseava na produção de bens essenciais, trabalho e consumo. O comércio expandiu e, com isso, surgiu a necessidade de um meio para facilitar as trocas diretas. Uma das alternativas foi utilizar o ouro que deu origem ao banco, que por sua vez deu origem ao papel que valia ouro. Enfim, surgiu o dinheiro em papel que se distanciou da finalidade de produzir bens essenciais, passando o “dinheiro fazer dinheiro”. Fazendo uma analogia, a situação poderia ser comparada com um edifício, com alicerce frágil e cuja construção continua subindo, ficando a cargo da engenharia financeira fazer remendos. Muitas pessoas continuam comprando ativos financeiros na esperança de vender por mais e obter ganho, mas poucos estão conseguindo. Para evitar acidentes, os engenheiros não podem interromper o reforço. Pergunta-se: com isso, a situação não vai ficando mais complicada?

Causa estranheza a forma displicente com que autoridades governamentais de vários países deixaram crescer o passivo. Qualquer administrador sabe que a constituição irresponsável de um passivo financeiro poderá levar o país à ruína. Os países retardatários da periferia não dispunham de acumulação de capitais. Por isso, deveriam programar as suas contas e o desenvolvimento de tal forma que não cavassem um abismo para as suas populações nem caíssem na grande armadilha da dívida.

Quando muito dinheiro é emitido surge a inflação e o dinheiro perde poder de compra pela falta de produção. Quando se combate a inflação, a produção se retrai. Ou seja, há um desequilíbrio geral na economia. O BCA Research, instituto de pesquisas de investimentos, explica a desaceleração da China devido à queda da demanda. A paralisação imposta pela pandemia levou à perda de renda e mudança no estilo de vida. Caiu a renda das famílias, os supérfluos foram postos de lado e o consumo se concentrou em alimentos e remédios, o que acabou afetando a China como o grande fornecedor, e seus satélites asiáticos. Em decorrência, cai o consumo de matérias primas. Quanto maior a dependência dos países a esse ciclo, maior será o efeito sobre a economia. O Brasil tem de estar atento à produção agrícola, exportação, consumo interno, e saber aproveitar e produzir mais manufatura, reduzindo a dependência externa.

Como resolver a questão da sobrevivência condigna? Era previsível que o surgimento de grandes grupos de pessoas refugiadas das condições hostis de vida iria acabar acontecendo no planeta inteiro. Essa população não pode viver de esmolas de forma passiva; precisa de atividades e atendimento das necessidades. O sistema econômico tradicional não apresenta soluções com trabalho, renda, consumo. Com tantos pesquisadores, há que se encontrar solução que permita a essas pessoas conseguir trabalho e aprendizado, pondo em prática o próprio esforço, sem cair no imobilismo do comunismo.

As novas gerações representam o futuro do planeta. Homens e mulheres têm de ser responsáveis ao gerar filhos, dando-lhes cuidados e preparo para a vida. Os modelos que são dados às crianças são muito importantes. Desde cedo elas estão sendo expostas ao que de pior o homem é capaz de fazer. Reúnam-se com as crianças, conversem com elas, estabeleçam vínculos de amizade e confiança, mostrem que o real significado da vida é a evolução espiritual e material.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O MUNDO APÓS O 11 DE SETEMBRO

O século 20 marcou a consolidação do poder dos Estados Unidos e de sua moeda, o dólar, porque detinham hegemonia no campo militar, econômico, tecnológico, cultural e político no mundo, difundindo a sua democracia.

Nos vinte anos após o 11 de setembro, muitas coisas estão oscilando. As guerras, a crise do subprime nos anos 2007 e 2008, a crença no poder militar e no dólar, o que pôs os americanos para dormir, e ao acordar viram que o sonho estava sem vida. Sun Tzu, Confu-tse, Capitalismo de Estado com mão de ferro, partido único utilizando mão de obra de menor custo para produção em massa e câmbio favorável à exportação, todos esses fatores deram tal impulso à China que lhe permitiram rivalizar com os EUA, os quais ficaram seduzidos pelo monetarismo, neoliberalismo e “financeirismo”. Vinte anos após, a pandemia somou-se aos desencantos do ocidente endividado e com redução nos empregos e renda.

As novas gerações perderam o rumo e sua angústia se torna visível em atitudes destrutivas. A China está sofrendo a síndrome da guerra do ópio, entorpecente extraído da papoula, cujo vício provocou devastação na população no século 19. No século atual, visando preservar as novas gerações, o governo chinês está impondo rígida regulamentação sobre tudo o que possa influenciar os jovens, tais como: Internet, jogos eletrônicos, idolatria de artistas. Mesmo assim não deixa de ser uma coerção; melhor seria o máximo empenho da China e dos povos em geral, no sentido do aprimoramento da espécie humana e do progresso material e espiritual.

O Brasil é campeão em número de partidos políticos, muitos dos quais geram evasão da responsabilidade, cada um culpando o outro pelo atraso, sem que haja comprometimento com a melhora geral. Os pontos críticos: o secular descuido com as novas gerações; saneamento; obras muito caras, mal planejadas, por vezes interrompidas; péssima qualidade da programação da TV. Sem leitura, sem aumento do vocabulário, sem campanhas para desenvolver paternidade responsável, como esperar que as novas gerações tenham clareza no pensar e raciocínio lúcido?

O Brasil precisa fortalecer o preparo da população para uma vida construtiva e benéfica. Temos de oferecer às novas gerações o adequado preparo para que transformem o Brasil no maravilhoso país sonhado de liberdade, com progresso espiritual e material, paz e alegria. Os jovens devem receber estímulos para um voo ao mundo dos sonhos e dos projetos enobrecedores, visando a formação de seres humanos investigativos, que pensem com clareza e fazem perguntas, pondo em ação as capacitações que dão a habilidade de observar e analisar os acontecimentos com lucidez, para se conectar com o significado maior da vida, evoluir, ser feliz.

Desde 1889 tem faltado idoneidade e patriotismo aos governantes do país. Getúlio Vargas tinha sensibilidade para as dificuldades da população e queria dar-lhe uma base para o seu desenvolvimento. Os militares se desdobraram para tirar o país do atraso herdado da economia de subserviência ao exterior. Os que os sucederam permitiram a corrupção e desvio de verbas. Quanto ao governo atual, ao que se sabe tem apresentado seriedade e eficiência na aplicação do dinheiro.

O Brasil patina desde 1980. O IGPM de 35% causou muitos danos às pessoas cuja renda se manteve sem reajustes. Controlar a inflação é importante, mas é preciso olhar para a produção, pois o controle da inflação tem significado queda no PIB. Em 2021, o poder consolidado é forte e não quer mudanças.

O que está se passando é uma guerra de comunicações, com infiltrações e golpes baixos. Prevalece a cobiça pelo poder. Falta união pelo bem do Brasil. A eleição vem aí, época de mentiras e abusos. Para alcançar a melhora é preciso educar a população e eleger candidatos idôneos e competentes, pois uma ruptura abrupta traria consequências nefastas.

O poder está na mão de um grupo de pessoas materialistas, que adoram o poder e o dinheiro, mentirosos que não querem saber do aprimoramento da espécie humana e da vida eterna, pois absurdamente acreditam que a vida é uma só. A esperança está sumindo; há no mundo um emaranhado de problemas, mas não há pesquisas sinceras para enxergar com clareza a situação real da humanidade e as soluções corretas e naturais.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

PÁTRIA LIVRE

Que futuro poderemos esperar diante da falta de empenho em construir um país melhor para obter vantagens pessoais usando como armas a mentira e a falsidade? Depende de cada um, individualmente, estar desperto na chama do anseio da evolução espiritual. A liberdade e responsabilidade, os valores, a prosperidade das famílias e o bom preparo das novas gerações têm de ser defendidos e postos em prática.

Coincidência ou simbolismo do destino? Idealistas liderados pela Imperatriz Leopoldina e José Bonifácio não mediram esforços para dar ao Brasil a liberdade política, algo que muitos países conquistaram só no século 21. O projeto era estabelecer uma nação livre, espiritual e materialmente. Esperemos que o sacrifício não tenha sido em vão. Desde aquela época, um grupo hostil procura impedir que o Brasil se torne feliz pátria de Luz. O tecido social está sendo corroído. Os recursos naturais cobiçados. É preciso energia para que o país não afunde no abismo da imoralidade e miséria.

Economia na mão do Estado, geralmente quer dizer na mão dos tiranos. Poderosos empresários também concentram o controle sobre empresas lucrativas. Os tiranos implantam o medo. Há que se atentar para a programação da TV e filmes que sempre carregam o medo embutido nas imagens. Há que se educar, respeitar a ética e a moral, conduzir para um mundo melhor sem tirania, com respeito e consideração.

Mas o ocidente não soube aproveitar a liberdade que pregava. Lobistas de poderosos interesses econômicos se incumbiam de convencer a classe política a agir de forma a favorecer esses interesses, dando para isso gordas recompensas. Os conflitos com a classe trabalhadora foram solucionados com o fechamento das fábricas nos grandes centros urbanos e transferindo-as para regiões de menor custo da mão de obra, numa economia de planejamento central unificado. Assim, a precarização geral avança rapidamente pelo Brasil e pelo mundo.

A questão da falta de empregos vai se tornando grave, sem que se saiba o que fazer em todo o ocidente que viveu uma fase boa, mas se encontra diante da precarização salarial resultante da globalização e deslocalização das fábricas. Enquanto os países do ocidente, com displicência, deixavam a coisa rolar, inflando bolhas, perdendo espaço na economia industrial, a China prosseguia no projeto de ampliar a produção industrial e avançar na exportação e no desenvolvimento tecnológico.

Em 2015, o Brasil gastou mais de 500 bilhões de reais em juros para manter o dólar contido, mas o dinheiro saía dos impostos que saía do bolso da população. Sem o subsídio dos juros, o dólar encarece os custos de tudo que é importado e, por tabela, o mesmo acontece com o feijão e os alimentos em geral, que estão se tornando escassos pelo mundo.

Em recente pronunciamento, o presidente Xi Jinping disse: “Não é realista esperar uma vida pacífica sem luta. Devemos defender a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento da China com uma determinação sem precedentes.”

Como se pode observar, a China não quer incorrer nos mesmos descuidos cometidos pelo ocidente no que diz respeito ao fortalecimento da família e das novas gerações, integrando todos os chineses no projeto da China forte, com mínima dependência externa.

Os governantes dos países ocidentais devem atentar para essa fala, assimilar e pôr em prática em seu próprio país, com liberdade individual, responsabilidade e equilíbrio nas contas internas e externas, para alcançar equilíbrio e convivência pacífica, pois as desigualdades oriundas da exploração teriam de cair por terra.

O Brasil se acha diante de graves conflitos e lutas políticas pelo poder. É preciso buscar a origem das desavenças deste país maravilhoso, mas que vem sendo malgovernado de longa data. De passado colonialista, com renda baixa, sem mercado interno, sem produção, foi mal gerido nas finanças e nas realizações. Desde a eliminação do regime escravocrata de trabalho pouco se fez pela educação e bom preparo da população; permaneceram os interesses de produção agrícola para exportação. O agronegócio atual é de outra natureza e bem-posicionado. A ensaiada industrialização caiu no vazio com o descontrole financeiro que levou à superinflação. A política cambial fez o resto, veio a pandemia e o conflito provocado por aqueles que perderam o poder, mas o momento exige união pelo bem da Pátria.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

THE UNDOING

The Undoing é uma série em seis capítulos, sem título em português. A julgar pelos atores e sua excelência poderíamos esperar um filme romântico, mas do jeito como as coisas se apresentam percebemos que a série poderia ter como título: A Desconstrução, isto é, da sociedade, da família, da nação. Compõem o elenco principal: Hugh Grant, o marido médico, Nicole Kidman, a esposa psicóloga, Donald Sutherland, o sogro rico, Noma Dumezweni a advogada famosa, Matilda Angelis, a amante.

O cenário, sempre carregado com nuvens escuras, mostra moradias especiais, escola de primeiro mundo, famílias em árdua luta pela sobrevivência como a de Ismael Cordova, o marido traído. O que realmente se vê é um desfile de seres humanos cerebrinos, cuja capacitações do espírito se perderam nos labirintos da indolência e da vaidade. Na tela aparecem os tipos mais estranhos, habitantes da Terra no século 21. Às vezes tudo fica desesperador pela forma medíocre como os personagens encaram os problemas da vida. Mas um crime foi cometido e o culpado tem de ser descoberto e punido.

Seria a desconstrução do sistema de vida implantado pela humanidade? Pais superprotetores que constroem uma bolha para os filhos e não os preparam de forma adequada para solucionar os problemas da vida; a escola também não. O sistema possibilita o enriquecimento de uma minoria, enquanto a maior parte da população vive submetida à sobrevivência na base do “pão e circo” e se acomoda a um viver distante da forma como deveria ser o viver da espécie humana. A advogada muito perspicaz é o retrato do cinismo da sociedade: não precisa ser, basta ter as aparências apropriadas.

A esposa, Nicole Kidman, como psicóloga enxerga a realidade do funcionamento do cérebro humano com muita clareza e se esforça para ajudar seus clientes a se adaptarem da melhor forma à sua vida confusa e sem propósitos mais elevados. Ela consegue se libertar do emaranhado das interpretações e dá o xeque mate no jogo.

7 DE SETEMBRO DE 2021

Em homenagem a Maria Leopoldina, José Bonifácio e Pedro I, o “7 de setembro” é oportunidade ideal para mobilização social e patriótica para combater a depravação política, social e econômica em que o Brasil foi lançado por pseudoestadistas que permanecem atrelados a poderosos interesses externos que visam usurpar a autonomia conquistada em 1822, em prejuízo da nação e sua população. Aqueles que se posicionaram como donos do Brasil, agindo como entreguistas dos recursos naturais e do mercado, não suportam a ideia de que o país possa ser governado em função dos interesses da nação e de sua população, e vão espalhando mentiras por todos os lados.

Em sua carta testamento, Getúlio Vargas bem expressou a sua angústia por não ter alcançado seus objetivos de governo. “Levo o pesar de não haver podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia. A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa. Acrescente-se a fraqueza de amigos que não me defenderam nas posições que ocupavam, a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês e a insensibilidade moral de sicários que entreguei à justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país, contra a minha pessoa.”

O mundo necessita de pessoas capacitadas para encontrar soluções inovadoras para problemas complexos, isto é, pessoas que tenham a capacidade intuitiva em funcionamento, pois só ela possibilita a visão ampla dos acontecimentos através da construção de cenários que permitam visualizar soluções. Mas isso está faltando na atual crise, dada a ausência de propósitos enobrecedores visando o bem geral e aprimoramento da sociedade. O período da pandemia deveria ter produzido um melhor entendimento entre as pessoas, mas parece que em muitos casos está piorando. A vida é maravilhosa, mas os seres humanos se afastaram do real significado da vida, passando a ter uma existência mecânica sem a participação da alma, e nada mais é como deveria ser.

Há muitas controvérsias sobre a vacina e não podemos ignorar os “vai e vem” nas explicações. Eram necessárias duas doses, agora se fala na terceira, aumentando o faturamento e a ansiedade. Todavia, se o mundo todo está recebendo as vacinas, por que ficar atacando esse ponto? O foco deveria estar dirigido para o aprimoramento da espécie humana, decadente e corrupta, que fez do viver na Terra uma luta ignóbil.

Em sentido figurado, o mundo está pegando fogo. É muito difícil modificar a rota dos acontecimentos caóticos que se precipitam sobre a humanidade. As trevas interferem em tudo e dominam muitas pessoas revoltadas, descontentes com o próprio destino que foi originado por elas mesmas, e do qual só poderiam se desvencilhar se, cientes disso, passassem a agir querendo e sempre buscando o bem e a Luz da Verdade, confiantes que as leis da Criação, a Vontade do Criador, enviará a força restauradora para restabelecer a paz e a felicidade.

No capitalismo ocidental faltou vontade e preparo para manter sadias a sociedade, a política e a economia. A humanidade criou a grande tragédia ao não conseguir viver em pacífico progresso, pois para satisfazer as próprias cobiças foi causando sofrimentos a outros, contrariando o fundamental ensinamento de vida ofertado por Jesus.

Nestes tempos sombrios, vale lembrar o Dia do Soldado, comemorado no Brasil no dia 25 de agosto em homenagem ao nascimento do Marechal Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias (25.08.1803/ 07.05.1880), patrono do Exército Brasileiro, que se tornou conhecido como “o pacificador” após sufocar muitas rebeliões contra o Império. Em 2021, o Brasil enfrenta crise de poder; os inimigos do país se voltam contra assim como ocorreu naquela época, com oposição à independência da colônia.

Grande parte das pessoas que vive no Brasil recebeu pouco preparo e foi afastada da nacionalidade. Com isso, o país nunca se tornou aquilo que poderia e deveria ser, uma Terra de Vera Cruz, ou seja, da Cruz da Verdade, aquela avistada no céu por Cabral em abril do ano de 1.500. E o ano de 2022 assinalará o simbólico bicentenário da independência do Brasil.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

INTUIÇÃO, RACIOCÍNIO, INTELECTO

Nas escolas básicas falava-se em aplicar o raciocínio para resolver problemas. Nos cursos mais avançados falava-se no Intelecto e sua objetividade, evitava-se a palavra Intuição, mas as coisas difíceis ficavam mais fáceis de serem entendidas quando surgia a explicação intuitiva, sem que se soubesse exatamente o que era a intuição. Na verdade, a tal objetividade era ostentação dos homens de intelecto que tornavam as coisas mais difíceis do que são, com o objetivo de dominar e se impor.

Podemos compreender a palavra “raciocínio” como a ação do cérebro e a palavra “intelecto” como o cérebro do raciocínio super desenvolvido, que acabou travando a intuição, ficando os seres humanos dominados por ele, sem captar a intuição extra material através do cerebelo, que atua como uma antena receptora que permaneceu estagnada em seu desenvolvimento natural, enquanto o cérebro do raciocínio, ou intelecto, foi cultivado excessivamente de modo unilateral, representando o grande mal da humanidade, pois cerebelo e cérebro deveriam se desenvolver em paralelo, para fortalecer a percepção intuitiva e desenvolver o raciocínio lúcido, fazendo da criatura humana verdadeiro ser humano que reconhece e segue as leis naturais da Criação, a Vontade de Deus.

Dizer seres humanos dominados pelo intelecto, ou dominados pelo raciocínio, significa a mesma coisa. (Ver a obra Na Luz da Verdade, Mensagem do Graal, de Abdruschin)

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CRISE GERAL NO PODER

O Brasil enfrenta uma crise entre os poderes que surgiu diante dos resultados das eleições de 2018. Os oponentes ao governo passaram a agir para impedir a reeleição em 2022, mesmo percebendo o quanto isso seria prejudicial ao país, que deveria estar unido neste tempo de crise mundial. Pensando no bem geral, poderiam, ao contrário, dar sua contribuição para a paz e o progresso.

É uma situação difícil e típica nos países que possuem pluralidade de partidos, pois todos os políticos que pertencem às respectivas legendas querem se manter no poder, para o mal e para o bem. No Brasil, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso negociou o segundo mandato e ninguém estranhou. Trump, nos EUA, achou que seria fácil se reeleger, mas escorregou no meio do caminho.

Kishore Mahbubani, autor de vários livros, tem uma visão ampla da economia e política mundial. Chegamos ao confronto da plutocracia (governo dominado pela classe rica) com o governo central forte de partido único. Na plutocracia, muito se falou da classe pobre, mas a ênfase maior foi no pão e circo. No governo forte foi dada ênfase na educação e na ação para sair da vexatória situação em que estava. A renda per capita da China equivale agora a 1/6 da americana. Foi nesse ponto que a paulatina melhora das condições na China repercutiu na precarização que desde os anos 1990 afeta os EUA e o ocidente em geral. A questão não é conter o avanço da China, mas de como restabelecer o equilíbrio rompido para que todos os povos possam evoluir de forma condigna.

A humanidade vive em guerras há séculos, geralmente causadas por disputas econômicas e de poder, sendo o século 20 o mais trágico, quando era esperado que haveria uma união para fortalecer o bem geral e buscar a melhora das condições de vida. Mas atualmente se encontra num ponto de acumulação de decisões mal planejadas que agora irrompem numa cascata de reações adversas. O século 21 traz a marca da turbulência, nada mais se apresenta estável, tudo se mostra difícil de coordenar, então o que poderemos esperar dessa visão tecnocrática fria que quer transformar o ser humano em coisa sem alma?

De longa data a humanidade vive na mais perversa mentira e de forma superficial. O apóstolo João deixou a grande recomendação para a humanidade em geral, do passado e do presente: “Conhecereis a Verdade e ela vos libertará!” Mas conhecer a verdade exige atividade séria e sincera, da alma e do intelecto, pois a crença baseada na fé cega deve se transformar em convicção, a qual só advém através de análises lógicas e coerentes sob a luz das leis da natureza que refletem a perfeição da Vontade criadora de Deus.

Desde os anos 1970 a televisão assumiu a posição do cinema dentro das casas. Que efeito a televisão exerce sobre a sociedade? Em vez de servir de veículo de divulgação, entretenimento e informação, a TV está sendo utilizada como meio de formação de uma mentalidade limitada. As pessoas estão fazendo da televisão e das mídias sociais a sua janela para o mundo e assimilando tudo que veem como verdades absolutas, sem questionar conteúdo ou levar em conta os interesses de quem produz o que é exposto. Impressiona a mediocridade contida em filmes, novelas, vídeos e na programação em geral.

As coisas mudam de repente, os acontecimentos estão acelerados, o caos se instala de um momento para outro como no Afeganistão. Que o Brasil não se torne vítima da cobiça internacional e dos vendilhões da pátria. A vida é construção, mas os seres humanos estão pondo de lado e enterrando a sua essência. Todo o seu pensar se dirige para a posse do dinheiro, acúmulo de riqueza e prestígio pessoal. Para construir de forma sadia, os seres humanos precisam se renovar e se transformar.

Vamos lutar por um Brasil forte e humano. Para isso precisamos preparar adequadamente as novas gerações, para que tenham como meta formar um país de seres humanos que visam o progresso real, sem socialismo, com liberdade, boa qualidade de vida, sustentabilidade, aprimoramento da espécie humana, para que as condições permaneçam em continuada melhora, com respeito ao necessário equilíbrio nas atividades.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

FUJA DO CAOS

Após dezoito meses de pandemia nada mais é como antes. Nos países de vida difícil, onde é preciso trabalhar muito para sobreviver, pouco mudou, mas em muitos outros o impacto foi devastador. Nas finanças e na política prevalecem os interesses particulares e os egoísmos. Tudo está acontecendo de forma acelerada; para onde quer que se olhe a insatisfação cresce e a paz se reduz. Coisas simples de resolver se tornaram complicadas. Para que ocorra cooperação e solidariedade entre os humanos, são necessários a sinceridade e o real desejo de alcançar a melhora geral.

Antes os governos emitiam muito dinheiro, ou tomavam grandes empréstimos. Veio a inflação, aumentando o preço de tudo que se produzia. Então aumentavam a taxa de juros para que o dinheiro voltasse para o governo através de títulos e atraíssem dólares que ficavam com preço baixo e com isso se combatia a inflação com importações de produtos que entravam no mercado com preços menores; mas isso fez a dívida crescer.

A inflação descontrolada é o caos, mas por que os governos chegam a isso, mesmo em épocas normais sem crises ou pandemia? Quais serão as consequências de juros mais elevados? Vai gerar mais produção, empregos, renda, consumo? É isso que precisa ser solucionado antes que as matérias-primas retiradas da natureza acabem e ninguém mais saberá o que fazer para sobreviver de forma condigna?

Hoje estão emitindo muito, mas a taxa de juros é o problema devido ao tamanho da dívida, e não conseguem encontrar meios de produzir mais internamente, empregar mais, melhorar a renda e o consumo. Como sair dessa enrascada? Com tantos piratas de colarinho branco pelo mundo parece oportuno que as forças armadas busquem integração com a população. Todos juntos por um Brasil melhor e justo, empenhados em dar bom preparo de vida para as novas gerações, utilizando os recursos naturais para o bem geral, e não para uma parcela da população que vem explorando o planeta de longa data.

Na vida sempre surgem imprevistos para serem contornados. Falta-nos aceitação para com os acontecimentos desagradáveis. São vivências pelas quais temos de passar. Sem aceitação, nos colocamos contra, muitas vezes agravando a situação pela resistência. Levantar a cabeça, respirar de forma serena. Não se deixar abater pelas adversidades. Com boa vontade, tudo poderemos superar, evoluir e nos alegrarmos. Criando à nossa volta um ambiente tranquilizador de confiança no poder das leis do Nosso Criador, e no futuro, estabeleceremos a paz e a felicidade.

As pessoas estão preocupadas com a confusa e difícil situação que estamos enfrentando, com poucas perspectivas. De fato, após 18 meses inquietantes de pandemia, muitas coisas foram afetadas como empregos, atividade escolar, passeios e lazer. Esse período lançou uma névoa sobre o futuro, somando-se a isso as incertezas econômicas, políticas e ligadas à paz mundial. Foi um raro momento de ruptura na forma de viver consolidada desde o término da Segunda Guerra Mundial. O importante é que as pessoas busquem a tranquilidade e não se deixem envolver por inquietações, para buscar serenamente o equilíbrio, embora se perceba que há algo diferente no ar que requer ampla compreensão do significado da vida.

O trabalho da imprensa é importantíssimo como fonte de informação e conhecimento, pois a vida deveria ser um eterno aprendizado para aprimorar a espécie humana e melhorar as condições gerais. É indispensável para o bem geral que sempre cumpra esse papel. As mídias sociais também exercem influência na sociedade humana, mas há que saber usá-las para que não se transformem em mais um meio de deturpação da realidade.

Estamos bem próximos do caos geral. A todo momento somos despertados para desgraças geradas por seres humanos, sem que se contraponha uma luz de esperança que desperte a capacidade de resistir e se sobrepor ao caos. Os jovens precisam ser motivados a construir um mundo melhor com harmonia entre os indivíduos e os povos.

Mesmo diante desse cenário ameaçador, a humanidade permanece insensível. Para uma transformação necessitamos do desenvolvimento e fortalecimento dos valores universais outrora transmitidos para a humanidade. Atualmente esses valores estão acessíveis através dos ensinamentos contidos na Mensagem do Graal, de Abdruschin, que apresenta de forma clara e natural, o reconhecimento e funcionamento das leis espirituais da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br