PROJETO NACIONAL

No pós-guerra, o mundo foi sendo varrido por uma onda de uniformização e desmantelamento cultural tendente a eliminar a diversidade indispensável ao progresso da humanidade. Cada povo e cada raça tem de se adaptar ao solo e se aprimorar. Se cada povo cuidar bem de seu território com propósitos enobrecedores, com liberdade e responsabilidade, com solidariedade, respeito à natureza e aos demais povos, e dar bom preparo às novas gerações para a vida, todo o planeta estará bem cuidado e imune à decadência moral e espiritual.

Veja abaixo artigo de Eduardo Villas Bôas*, publicado no jornal O Estado de S.Paulo em 10 de julho de 2020:

 

Carecemos de um Projeto Nacional

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade. Somos um país com mais de 200 milhões de habitantes, cuja população contém em si própria riquezas geradas desde 1500, decorrentes da miscigenação em que as três raças se mesclaram, cada uma delas aportando características ímpares. A criatividade, a alegria de viver, a tolerância, a adaptabilidade, a resiliência, a religiosidade, o sentido de família, o patriotismo, enfim, esses e outros atributos são como uma vasta produção de frutos, à espera de serem colhidos e colocados na grande cesta da nacionalidade brasileira.

Esse enorme cartel de singularidades vive sobre uma base física que metaforicamente constitui uma arca plena de riquezas, sobre as quais estamos sentados, desconhecendo o conteúdo e tampouco sabendo como abri-la. O que nos falta para que se produza uma mobilização da vontade e das capacidades no sentido de soberanamente os utilizemos atendendo prioritariamente às necessidades do nosso povo? Infelizmente, nossa sociedade se deixou impregnar por esquemas mentais que nos são estranhos, depois de 50 anos em que, a despeito das precariedades, trazíamos conosco um senso de grandeza, aliado a uma ideologia de desenvolvimento e a um sentido de progresso.

Infelizmente, a partir de então – anos oitenta – não atentamos a que nós estávamos deixando fracionar, inicialmente por interesses alheios travestidos de ideologias e, quando elas fracassaram, permitimos que esquemas mentais alheios a nossa natureza viessem a nos dividir ainda mais, a ponto de o ser humano não mais fosse valorizado como tal, passando a que sua essência, para ser reconhecida, dependesse da militância em prol de um desses grupos onde se abrigam.

Caímos num fosso, em cujo interior andamos em círculo, progressivamente nos afundando sem dispor de ferramentas que nos tornem possível dele sair, de maneira a que recuperemos a capacidade de vislumbrar o horizonte e nele identificar indicações dos rumos a seguir com vistas no futuro. Em outras palavras, carecemos de um projeto nacional que nos possibilite ter um olhar em direção ao interesse comum, capaz de nos livrar da prevalência do individualismo, do imediatismo e dos interesses grupais ou corporativos.

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade brasileira e, colocando o interesse coletivo como referência, encontrarmos os caminhos que conduzam à paz e à prosperidade. É o que esperam de nós as gerações futuras, os países que nos são vizinhos e os que desejam compartilhar um futuro comum. Somos, talvez, o único país com capacidade de inaugurar um novo caminho de desenvolvimento, a partir das qualidades de nossa gente, assinaladas no início dessas palavras. É hora de arregaçarmos as mangas e, cada um, considerando as capacidades e disponibilidades, participar desse grande mutirão.

*Eduardo Villas Bôas é General da Reserva do Exército Brasileiro. Foi o Comandante do Exército Brasileiro de 5 de fevereiro de 2015 até 11 de janeiro de 2019.

PAIXÃO E PODER

Em carta a Freud, Einstein disse lamentar que “o direito e o poder andam inevitavelmente de mãos dadas”. De fato, na renhida luta pela supremacia e domínio do dinheiro e poder, e da vida do próximo, impondo a vontade egoística para ter o controle das rédeas da sociedade, mesmo que precise expulsar quem estiver no poder legítimo, é o sonho dos tiranos, seja na esfera dos Estados ou na vida em geral, pois, para eles, nenhuma paixão é mais duradoura do que estar no poder e determinar sobre os outros.

A China surge como o modelo que agrada aos tiranos. Tem produção em larga escala, dinheiro, agilidade, mão de obra barata e não tem sindicato de empregados porque o partido determina tudo. Há quem diga que esse é o modelo para onde o mundo está indo, mesclando o modelo chinês e o indiano, suprimindo a liberdade. Nos idos dos anos 1970, os brasileiros estavam na lista dos salários mais baixos do mundo, mas a tendência agora é que tudo seja nivelado por baixo. O salário era baixo, mas havia a esperança de melhoras.

Tínhamos produção, comércio, serviços e constante desequilíbrio nas contas internas e externas. A globalização levou fábricas e empregos, e a dívida ficou do tamanho do PIB. Perdemos a consistência. Sem empregos, teremos que cair no programa de renda mínima; sem perspectiva de sair dessa casta inferior, a humanidade vai estagnar ainda mais. Qual seria a possibilidade de o Brasil reagir e gerar empregos na economia global orientada para mínimo custo e concentração da produção para exportar?

Os governantes e a burocracia do Estado deveriam ter por única preocupação o bem-estar dos governados. Mas o dispositivo burocrático geralmente se converte num tirano absolutista. Luciano Bivar, no livro Burocratocia: A Invasão Invisível, descreve a modalidade tirânica que nega a democracia genuína, analisando os seus mecanismos de influência nas atividades econômicas e nos processos políticos e sociais. Segundo o autor, a “Burocratocia” é a exacerbação da burocracia praticada por agentes públicos em busca de privilégios, que se tornaram amantes do poder para se eternizarem nas funções públicas, impedindo um salto qualitativo na gestão do Estado e gerando abusos de toda ordem. Qualquer semelhança com o Brasil de nossos dias não será mera coincidência.

Os governantes têm de contribuir para que haja oportunidade de progresso para todos. A classe política e a burocracia se voltaram prioritariamente para conservar seus privilégios e sua posição no poder. As casas onde se criam as leis dos homens se tornaram displicentes. O mundo precisa de homens sábios no comando e de seres humanos que se movimentem incansavelmente buscando o bem.

Atualmente, com o confinamento geral, o modo de vida está diferente e isso está mexendo com o humor das pessoas que deveriam fazer um esforço para descobrir por que tantas coisas estão desmoronando, mas o Sol continua amigo. As pessoas também devem agir de forma amistosa, mantendo a serenidade, seguir em frente com coragem, confiança e alegria no novo dia e na vida. Com a crise epidêmica em andamento, está ocorrendo uma parada. É preciso observar a grande advertência contida nesse acontecimento que chama a atenção dos seres humanos sobre a forma como estão vivendo. As leis naturais da Criação estão exigindo que tudo se torne Novo.

Os seres humanos estão abdicando de suas capacitações de examinar, ponderar, refletir de forma intuitiva, o que permite a ampliação e dominação da manipulação agora facilitada pelos novos recursos tecnológicos. Uma guerra de comunicações com informações e desinformações. É preciso saber separar o joio do trigo. Na economia, tudo tem que ser examinado. As teorias existentes são de uma época em que não havia o capitalismo de Estado que mudou tudo. Se examinarmos o momento atual com base nas velhas teorias será difícil obter uma boa compreensão. Apesar das inúmeras mensagens inquietadoras lançadas pela mídia, a população está bradando que quer um Brasil melhor, digno e responsável. O mundo ficou dominado pelos maus, o que impõe aos demais sede de justiça. No entanto, acima das leis dos homens paira a grande justiça da lei da reciprocidade que às vezes tarda, mas não falha.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

CÉREBRO E CEREBELO

Todos nós temos dois cérebros, o grande e o pequeno, também denominados respectivamente frontal e posterior, ou cérebro e cerebelo. Conforme esclarece Abdruschin, no livro Na Luz da Verdade, também conhecido como Mensagem do Graal, o cerebelo é o cérebro da intuição. Recebe os lampejos intuitivos e pelas ligações internas os envia para o cérebro frontal, o do raciocínio ou intelecto, que recebe a informação e a ajusta às condições gerais da vida. O cerebelo também tem a capacitação da reflexão intuitiva que vai além da análise feita com o raciocínio. Se o ser humano cultivar a pureza, sua intuição se tornará mais clara e firme, dando mais força à sua vontade interior na condução das ações.

Mas se o ser humano tiver força de vontade preguiçosa, o raciocínio vai tomando conta para assumir o controle, impedindo que a intuição se manifeste e conduza. O cérebro do raciocínio é um mecanismo susceptível a manipulações e vem sendo estudado por psicólogos e outros cientistas, desde Charles Darwin, que percebeu que o ser humano, assim como os animais instintivos, se deixa levar pela imitação e associação de ideias.

Os intelectivos só acreditam nas coisas materiais e no raciocínio que silenciou a intuição. Hoje em dia a manipulação da mente dos seres humanos, através do raciocínio, se tornou uma arma poderosa com a utilização das novas tecnologias associadas à psicologia das massas que teve impulso no século 20 com o advento do rádio e do cinema. Com isso, muitos hábitos intuitivos, nobres e sadios, foram substituídos por outros, introduzidos na mente através do cérebro do raciocínio para subordiná-la a interesses externos que vão subjugando o ser humano que acaba abdicando de suas capacitações e individualidades para agir de forma enrijecida como máquina sem flexibilidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

NINA E A MONTANHA GIGANTE

Sempre que tiver uma oportunidade, mostre para uma criança o amor que tem pelas coisas que importam e propicie o contato com a natureza: a de fora e a de dentro. Acho que isso serve para todos nós, no exercício de uma maternidade planetária, que cuida de si mesmo, do outro e da natureza gigante.  

Essa é a mensagem do livro Nina e a montanha gigante, de autoria de Sibélia Zanon, com as belas ilustrações de Paloma Portela e Tátia Tainá.  Confira a entrevista com a autora realizada pelo Canal Infantil em:

2020: O ANO DA RUPTURA

No inquieto século 21, o ano de 2020 será considerado como o ano da ruptura. Os homens se digladiam pelo poder mundial. As leis da Criação estão reagindo contra séculos de arrogância dos humanos de não quererem ouvir a Fala do Senhor dos Mundos, pois cobiçam se tornarem, eles próprios, os senhores do mundo.

O que o governo pode fazer quando falta dinheiro para tocar o país ou resolver emergências? Nesse caso, o mais grave é que o governo perde a autonomia, fica amarrado à dívida. O mundo precisa de líderes sábios que respeitem o solo pátrio. Cada povo deve aprimorar a própria cultura, mas muitas pessoas acataram conceitos vindos de fora e abriram o país sem estarmos preparados para isso, atraindo toda essa precarização. Seria bem oportuno para o Brasil endividado que o montante de R$ 500 bilhões obtido com a variação cambial aplicada às reservas internacionais fosse mobilizado para reativar a economia estagnada e bombardeada com a crise gerada pela pandemia.

Homens cobiçosos se julgam donos do planeta e impuseram suas ideias restritas ao povo despreparado e acomodado que tudo aceitou em troca de migalhas e diversão; assim o mundo foi rumando para o abismo, mas acima do homem estão as leis do Criador que trazem de forma impetuosa a colheita de tudo que foi semeado. É terrível. A grande e única vacina para impedir essa grave anomalia está no reconhecimento das leis da vida.

A vida não é uma fatalidade. Sempre temos a possibilidade da escolha, mas temos de fortalecer o querer. As pessoas estão sendo induzidas a olhar para baixo e se acomodam. Temos sempre de aspirar ao mais elevado nível que o ser humano pode alcançar e, para isso, cada indivíduo deve se preparar, se fortalecer e conhecer o significado da vida.

O mundo esteve, durante séculos, olhando só para o dinheiro, esquecendo tudo o mais, deixando em segundo plano a riqueza que nos é dada pela natureza como o ar e a água, fora todas as outras farturas. A economia globalizada desequilibrou tudo, a ponto de que o aumento de renda interna se reveste de aumento das importações de manufaturas, dado que o parque industrial foi destruído pela concorrência internacional predatória.

Perdemos terreno, pouco se produz, endividaram o país. O déficit fiscal é gigante, a arrecadação poderia ser incrementada taxando os importados seletivamente, dando oportunidade aos empresários e trabalhadores nacionais. O momento é de ruptura com o velho modo de viver que atraiu as crises que se acumularam ao longo dos anos. Cada país terá de se esforçar intensamente na recuperação dentro de seus limites, fortalecendo seu povo e sua cultura. No entanto, para que haja paz e progresso, tem de ser banido o “tirar vantagens” de outros povos e outras nações.

A crise não se tornou uma oportunidade de fortalecimento do país e sua população; perde-se tempo e dinheiro com a guerra de comunicações e desrespeitos aos poderes constituídos, forjando justificativas habilmente criadas. A população está duplamente amedrontada, com o vírus e com a incerteza econômica. Os confrontos entre poderes tiraram credibilidade gerando uma crise de confiança.

O ano de 2020 também se reveste de um momento especial de reflexão sobre o que temos feito, desperdiçando tantas oportunidades que poderiam ser aproveitadas para o bem geral da humanidade. Tudo vai assumindo ares de contenda na luta por poder e influência, mas permanece distante o saber da Vontade de Deus, que tece os fios do destino trazendo recompensa ou castigo. O tempo vai passando, em vez da energia de Luz que traz paz e alegria, estão sendo atraídas nuvens carregadas. Há de surgir um novo dia que propicie novas oportunidades para, com humildade, recebermos a Força e superar os desafios nesta fase que todas as falhas humanas decorrentes das formas erradas de viver estão sendo expostas.

Os seres humanos não podem continuar esperando que tudo caia do céu, sem esforço, sem trabalho dedicado. Em grande parte, os governantes pouco se dedicaram para promover o desenvolvimento e fortalecimento da população, o bom preparo das novas gerações e melhores condições de vida. As pessoas pouco sabem da vida, e sem a verdade, não há liberdade, mas apenas medo e ódio.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ESTUPIDEZ E SIMPLICIDADE

Foi a estupidez humana que no passado gerou esta situação de calamidade. Mas é bem isso, o Brasil, um país que tinha tudo para um viver condigno está curvado de pires na mão devido à incompetência ou má fé de seus gestores. Estupidez e arrogância estão nas falas empoladas utilizadas por alguns juristas, economistas ou eruditos. É quase um exercício de ocultismo.

O pensar deve ser simples, claro, lógico; o falar também. O pensamento simples tem muito mais abrangência do que as sofisticadas ginásticas mentais que parecem querer encobrir a verdade. Mas para pensar com clareza o ser humano tem de se esforçar para ouvir a própria intuição, o eu interior que está sufocado em meio à balburdia reinante e à falta de propósitos enobrecedores. Senão passam a prevalecer as mentiras, o logro, as dissimulações dos reais objetivos, e a simulação de falsa generosidade.

A turbulência produz insatisfação fortalecendo as ideologias do ódio dos humanos contra os humanos. A educação infantil, o primeiro degrau do aprendizado, não pode ser descuidado. Na escola pública, para a formação básica, o ensino vem decaindo desde os anos 1960 e não se recuperou até hoje. Seria o caso de implantar a sugestão do ministro Paulo Guedes referente a dar oportunidade de bom preparo para a vida aos jovens no Exército, com cursos e atividades?

Os materialistas só respeitam dinheiro e poder. A democracia vai se tornando uma fachada que acoberta interesses escusos. Com sua elevada população, a China enveredou pelo caminho de produzir e exportar com preços atraentes, acumulou reserva, aperfeiçoou o sistema de governo forte em oposição ao sistema ocidental democrático que se tornou corrupto e relapso. Urge restaurá-lo, pois o modelo de gestão com mão de ferro se tornou atraente para transformar os humanos livres em servos.

A técnica é processo contínuo, mas foi interrompido no Brasil com a desindustrialização. Imagine a técnica associada ao objetivo do aprimoramento da espécie humana. Vai daí que Diógenes, filósofo grego, andava com a lanterna à procura de honestos sem encontrar. Hoje está ainda pior em todas as classes e profissões, inclusive na dos gestores públicos. A honestidade foi substituída pela cobiça de poder e dinheiro. Ler jornais era o prazer de muitas gerações para se informar, acompanhar a diversidade de ideias; hoje tudo ficou pasteurizado e tendencioso, e com isso as pessoas desanimam.

A tendência de colocar o dinheiro e a finança acima de tudo se fortaleceu após a Segunda Guerra, e tudo passou a girar em torno do aspecto econômico, acirrando as disputas e estabelecendo regime selvagem de astuciosas luta por poder e dinheiro. Os países pouco desenvolvidos se tornaram inexpressivos diante da geopolítica e por causa dos seus políticos, em sua maioria ambiciosos e despreparados para gerir uma nação. Os EUA tomaram a dianteira. A China desponta numa situação não alcançada pela Rússia, Europa, e Japão, mas a China tem sistema de gestão com mão forte sem os entraves de outros poderes. O Primeiro Ministro Chinês tem a corda na mão; bobeou, dançou.

No cenário da economia mundial, as pedras estão caindo como jogo de dominó e ninguém sabe quando isso vai parar. No Brasil, é ainda mais trágico. Faltam recursos, ficamos no atraso geral, e com a guerra política não se sabe mais o que é verdade ou invenção. Como reerguer as peças que vão caindo, desestabilizando tudo?

As engrenagens da economia vêm emperrando há décadas e atingiram o auge do desequilíbrio com a pandemia. O que o Brasil pode fazer para restabelecer atividades que permitam uma vida condigna para todos que se esforçam e equilíbrio nas contas? Urge cortar os exageros nos custos da máquina e a roubalheira. Mas como aumentar a produção, empregos, renda, consumo, progresso? Os críticos e os economistas devem pôr de lado ideologias e teorias abstratas. Como fazer as engrenagens funcionarem satisfatoriamente no combate à miséria e atraso? A população espera contribuições sérias e coerentes.

Convém que os cientistas condecorados ouçam as vozes de estudiosos mais simples que se esforçam para auxiliar os seres humanos, pois a sabedoria se encontra na diversidade, na análise objetiva, sem preconceitos ou interesses. Se continuarem como sempre, estarão agindo contra a humanidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O CORAÇÃO, O ESPÍRITO E A RETOMADA

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, alertou, após videoconferência com os 25 membros do Conselho da instituição, que: “a velocidade e escala da retomada são altamente incertas. Enquanto dados de pesquisas e indicadores de atividades econômicas em tempo real demonstram alguns sinais de que podemos ter atingido o ponto mais baixo, juntamente com o relaxamento gradual de medidas de confinamento, a melhora até agora tem sido branda em comparação com a velocidade em que os indicadores desabaram nos últimos dois meses”.

A crise cria momento oportuno para ajustes. As pessoas precisam de trabalho e renda para consumir. Mais do que uma complexa legislação de proteção ao trabalho, como a de outros países, precisamos que haja produção, trabalho e renda que permita uma subsistência condigna e, para isso, deve ser revista a globalização que encaminhou toda a produção para a Ásia. Há no mundo uma forte pressão para endurecer o coração, o espírito para deixá-lo inoperante, sem condições para reagir e assumir o comando da própria vida com a força de vontade. Enquanto houver coração, o poder do dinheiro não será o fator decisivo de dominação, pois o espírito vai além desse poder.

Uma nação, para ter fibra, precisa da motivação certa e natural, ou seja, o alvo do aprimoramento da espécie humana tão decadente, espiritual e moralmente. Precisa manter o equilíbrio entre seus setores de produção; bom preparo de sua população e das novas gerações; não destruir a natureza com seu imediatismo e cobiça; buscar autossuficiência alimentar e controlar rigidamente as contas. O endividamento crescente fragiliza, e o país deverá estar preparado para, no pós-crise, enfrentar as armadilhas que terão de ser equacionadas. Cada país terá de se tornar forte internamente para poder continuar existindo.

A grande questão da humanidade é que os chefes de Estado deveriam buscar a melhora das condições gerais de vida, visando o aprimoramento da espécie e buscando oportunidades adequadas à sua região. Em vez disso, deixam o egoísmo e cobiça de poder e riqueza falarem mais alto lançando olhares para os recursos de outras nações. Aconteceu com gregos e romanos, franceses, ingleses, alemães, americanos e russos. Agora entrou a China no cenário que devagar foi mostrando que também quer ir ao pote. Seus métodos são como os dos outros, porém aperfeiçoados para ampliar a influência e alcançar seus objetivos. Como no passado, o suborno e a intimidação são grandes aliados.

A economia é movida pela circulação de dinheiro. No Brasil foi interrompida gerando consumo de poupança, perda de renda e empobrecimento. No mundo é mais complicado. Os Bancos Centrais estão criando dinheiro para evitar danos maiores, gerando uma chuva de dólares e euros. Indústria, comércio, agro, serviços, tudo é importante, mas muitas coisas supérfluas foram introduzidas na forma de viver. Temos de voltar ao natural sem abusos e exageros, com oportunidades para todos, menos horas de trabalho e para chegar até ele, dar valor ao ser humano e à sua vida, não apenas nessa hora crítica, para depois deixar tudo na mesma num sistema desumano. Temos de sempre valorizar a vida, a educação e o preparo das novas gerações, a cultura, o bom nível das artes estancando o continuado rebaixamento da espécie humana e da qualidade de vida.

Temos pela frente um turbulento período de embates, uma fase que vai exigir serenidade e perseverança. Nada pode ser realizado sem esforço e vigilância. Estamos num momento de ajustes e adaptação. A pressão para subjugar o espírito favorece o despreparo, a indolência e o viver concentrado na busca de prazeres mundanos, criando as condições para tornar a nação subjugada por interesses escusos de açambarcamento de seus recursos. Sem uma forte reação espiritual dos indivíduos, o declínio será inevitável.

O homem não é o “animal humano”. Os animais se orientam pelo instinto e se submetem ao adestramento. O ser humano é espírito capacitado com a livre resolução. Essa capacidade lhe dá responsabilidade no querer, pensar e agir, e colherá as consequências. Pode ser induzido ou forçado a obedecer, mas em seu íntimo pode se recusar. Deveria buscar o aprimoramento da espécie, mas tem provocado o continuado rebaixamento agindo como robô que atende às necessidades corporais, sufocando o eu interior, o coração.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

FALSOS AMIGOS

A diplomacia internacional faz lembrar antigos filmes de faroeste, em que o banqueiro emprestava dinheiro para o fazendeiro, mas próximo ao vencimento, bandoleiros parceiros do banqueiro roubavam a produção da fazenda e o proprietário ficava impossibilitado de efetuar o pagamento; ao tentar negociar, recebia um pequeno prazo e ao final tinha de entregar a propriedade. Na moderna diplomacia, os países emprestam, investem, se fazem de amigos, mas, se puderem, lá estarão farejando sangue. Se o país devedor tiver recursos naturais valiosos, então não se incomodará se o caos se instalar, incentivando a divisão política, pois em conluio com as oposições buscará o resgate em espécie.

Por isso não é de seu interesse que o país se torne forte com população bem preparada. Pobre Brasil, com essas estrelas vaidosas e loucas por poder, está afundando, fazendo o jogo dos inimigos que só têm interesse pelas riquezas naturais do país. As pessoas faziam uso do bom senso, como na fábula dos pequenos porcos-espinhos, que nas noites de muito frio ficavam juntinhos para se aquecerem tomando todo o cuidado para não se espetarem mutuamente.

No Brasil, tudo se torna mais difícil pela falta de união pelo bem geral. Os partidos e seus representantes se aglutinam por interesses; em primeira linha está a conquista do poder. Se o que é bom para o país não é bom para a eleição dos pretendentes, o país e sua população ficam em segundo plano. E seja em que país, for se digladiam pela conquista do poder e controle das riquezas.

O dinheiro público do Brasil tem sido gerido com displicência há décadas, gerando a pior situação da história, exigindo sacrifícios enormes de todos, embora a classe política não mostre interesse em abandonar os seus privilégios. Com a invasão do coronavírus, surgiram novas dificuldades que põem em risco a autonomia do país. Daí as grandes preocupações com a paralisação das atividades em geral, atingindo fortemente o desemprego.

Em algum momento as pessoas precisarão voltar ao trabalho para garantir a subsistência. O tema começa a ganhar espaço em todo o mundo mesmo sem o vírus da covid-19 estar neutralizado, pois isso talvez demore. Então, trata-se de planejar e executar o retorno à atividade essencial tomando as providências necessárias, ou possíveis, para reduzir a transmissão do vírus através do convívio profissional.

A atual crise global mostra o resultado de anos de descaso com o futuro que já se apresenta sombrio com a escassez de recursos naturais e aumento da miséria. As empresas têm de se tornar mais responsáveis pelo progresso da humanidade, reduzindo as interferências dos governantes na economia, mas há um processo inverso que visa a centralização crescente do poder. Ao permitir ao Capitalismo de Estado as mesmas possibilidades comerciais, a OMC contribuiu para o fechamento das portas de muitas indústrias na área do livre mercado.

No Brasil, além de pouca ética, há um grande atraso na educação e preparo das novas gerações. Durante o período escolar os estudantes têm de ser orientados a se esforçarem para ler e compreender os textos e, com isso, aprenderem a pensar com clareza, o que resulta do aprendizado do significado das palavras e sua correta utilização.

Um cenário caótico se acha em desenvolvimento. As novas gerações precisam ser preparadas para forjar um futuro melhor. É preciso impedir a decadência. Precisamos de governança incorruptível que busque o progresso de forma continuada. A segurança do país está na saúde, na capacidade de produzir alimentos, nos minerais, na reserva internacional. Tudo isso tem de ser bem administrado, ou daremos ganhos para aqueles que só cobiçam as riquezas.

Enfim, tudo que a humanidade faz ficou impregnado da ânsia pelo dinheiro, retirando a naturalidade e o sentido de suas atividades. Em vez de atuar naturalmente para atender às próprias necessidades de forma condigna, as pessoas estão se tornando meros fatores de atividades econômicas para o acúmulo de dinheiro e poder nas mãos da classe que se comporta como se fosse dona do planeta, deixando de lado a amplitude da vida e da Criação. Sem conhecer o significado da vida, a humanidade acabou se distanciado da sua finalidade, deixando de beneficiar tudo através de alegres atividades e de evoluir em paz.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO MUNDIAL

A ciência econômica se subordina à escassez, isto é, a limitação dos recursos ofertados pela natureza. Visando o equilíbrio deveria acompanhar as oscilações da produção e oferta de empregos; a distribuição e consumo de bens e serviços; os mecanismos financeiros da economia; a acumulação de dinheiro; as relações econômicas com o exterior; as formas de competição entre as empresas e países, e as respectivas regulamentações legais, entre outros assuntos.

Os homens inventaram o dinheiro aplicando a lei da escassez, tornando-o o bem mais cobiçado do mundo, embora o ar, indispensável à conservação da vida, é percebido como abundante. No capitalismo de livre mercado, todo o sistema ficou vinculado ao dinheiro e este deve promover a circulação da riqueza de forma equilibrada entre os indivíduos e os povos. Mas a circulação acabou sendo estagnada travando e precarizando tudo.

Uma parte da sociedade acumula bens; outra, dívidas e escassez. A ciência econômica deveria ocupar-se com o equilíbrio geral, mas na economia mundial está ocorrendo o oposto. Países como o Brasil mantinham o dólar barato com juros elevados, inviabilizando a produção e aumentando a dívida. Sem produção não há futuro. A produção foi se concentrar em regiões de mão de obra de custo mínimo e câmbio favorável para exportar, isso ocorre em países onde o capitalismo de Estado centraliza as decisões.

A globalização não será benéfica sem que haja respeito à natureza e à consideração humana de não empreender ações danosas ao próximo para satisfazer a própria cobiça. Nos moldes atuais, a globalização econômico-financeira provocou desequilíbrios em todas as direções, subverteu a classe política, separou os interesses das corporações das necessidades dos países, e rompeu os limites da individualidade dos povos. Isso acabou despertando reações adversas, pois faltou o equilíbrio sadio nas relações entre os povos para que o progresso de uns não se faça a custo da miséria de outros.

Com a dívida atual, estamos em situação pior do que na crise da dívida externa dos anos 1980, pois as políticas adotadas exportaram os empregos. Com o aumento do déficit fiscal, o Brasil será empurrado para o abismo, correndo o risco de perder a governabilidade e a autonomia.

A segurança do país está no patriotismo das Forças Armadas, na saúde, na capacidade de produzir alimentos, nos minerais, na reserva internacional, no bom preparo das novas gerações. Sem boa administração iremos transferir os ganhos para os especuladores, atravessadores e para aqueles que cobiçam as riquezas. Os países passaram a importar de tudo. Deixaram de fabricar e de exportar manufaturas. Os empregos e renda se reduziram. As dívidas subiram para sustentar o sistema. “O melhor remédio para erradicar a pobreza de um país é a geração de riqueza”, disse Vicent Fox, ex-presidente do México.

Com a baixa dos juros, sem ter onde aplicar o dinheiro foi para as bolsas elevando as cotações, mas surgiram imprevistos como a pandemia do século 21 que, ao paralisar tudo, evidenciou as incoerências provocando baixas e busca por segurança no dólar. Superar a consequente instabilidade a reequilibrar a economia são os novos desafios.

Estamos na era da aceleração dos acontecimentos. O momento exige flexibilidade e constante readaptação às novas situações que se sucedem velozmente. Necessitamos de pessoas que consigam sentir a intuição e se ponham em movimento, ver o que está faltando, o que está emperrando e ir ajustando, senão aumentarão as falhas, o tempo passará, as despesas vão superar as receitas. Sem que haja bom preparo das novas gerações a precarização geral aumenta.

Acredite se quiser, o anticristo, influencia o intelecto dos seres humanos que lhe são dóceis devido a uma certa igualdade de querer maligno, seu plano é a destruição da humanidade, que se acha submersa nas sombras de seus próprios erros, retirando-lhe a possibilidade de ter vontade própria. Por isso as criaturas humanas têm de aplicar toda a força de sua vontade espiritual para buscar a Luz da Verdade e as leis da Criação.

A vontade e a intuição são decisivas para o nosso destino. Quando as pessoas se apegam a interesses ligados exclusivamente ao material, se atam irradiando de forma pesada e negativa. Ao contrário, pessoas voltadas para objetivos elevados e nobres irradiam leveza e alegria, pois captam isso de regiões mais luminosas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

CRIME NA CASA BRANCA

O filme “Crime na Casa Branca”, de 1997, adentra nos meandros do poder mundial. A Coreia do Norte, acobertada pela China, está matando soldados americanos prisioneiros de guerra. Um general diz: “temos condições de atacar agora, daqui há dez anos não sei”.
Uma jovem é encontrada assassinada em um banheiro da residência presidencial. O detetive Harlan Regis (Wesley Snipes) é designado para investigar o crime em paralelo à investigação do serviço secreto e da segurança nacional.

A agente do serviço secreto Nina Chance (Diane Lane) fica do lado de Regis. Começa então uma perseguição à dupla Regis/Chance, desencadeada pelos criminosos que criam uma narrativa que aponta o filho do presidente como o culpado, mas a dupla não se deixa intimidar e vai fundo na investigação descobrindo uma trama suja que envolve os altos escalões e pessoas da confiança do presidente que estão empenhadas num golpe para derrubá-lo, fazendo-o renunciar.

Uma situação interessante, embora rara nos EUA, encontra similar em muitos países da América Latina, inclusive o Brasil sujeito a golpes e confrontos para a conquista do poder desde a derrubada do Imperador D. Pedro II.