O DESCONTROLE DAS CONTAS

Com a globalização, muitos estudos foram postos de lado e a economia foi sendo desumanizada, pois o foco se voltou para o poder financeiro. A economia, como tudo mais, teria um desenvolvimento correto se a humanidade se pautasse observando o funcionamento das leis naturais da Criação. Desse modo, as incoerências não surgiriam de forma tão avassaladora.

O descontrole das contas públicas é a prova da incompetência dos gestores públicos e seus assessores. Enquanto os políticos ficam guerreando uns com os outros pelo poder, o mercado financeiro conhece bem os pontos fracos por onde sempre soube tirar vantagens, mas o resultado está nas contas, no déficit fiscal, na dificuldade em fazer um planejamento numa dívida crescente que tem de ser renovada em 25% a cada ano e com juros que vão aumentando. É a falência da administração pública do ocidente.

O Brasil apresenta uma visão de atraso geral, provavelmente em consequência de o mundo desenvolvido, incluindo a China, ainda ver o nosso país como a velha colônia doadora e mal administrada por políticos corruptos que cedem tudo em benefício próprio. Paira uma névoa de tristeza e falta de ânimo, herança do passado colonial e que acabou sendo fortalecida pela ausência de oportunidades e uma pressão para manter a indolência sem iniciativa e autoconfiança, revelando a grande incompreensão sobre o significado da vida, pois a vida, muitas vezes, é obscuramente entendida como “um vale de lágrimas”, ou seja, para sofrer penúrias e misérias.

Há uma estrutura perversa permeando a economia. No topo estão os graúdos, os que mandam. Abaixo deles, os que ficam rodeando, bajulando e tirando proveito; muito astutos, sabotam os que estão abaixo. Em seguida, a classe média, sob risco de extinção devido à destruição de empregos de melhor nível, que sem conseguir reagir, lamenta-se sem saber o que fazer. Por fim as classes com vida mais apertada, ajudantes na área de comércio e serviços, e informais, com poucas perspectivas, sujeitos ao processo de precarização em andamento.

O trabalho se apresenta muito dividido, com tarefas monótonas e repetitivas; no entanto, todo trabalho traz proveito espiritual, dependendo da forma como o executamos: se como robôs, ou como seres humanos despertos. Seja na área de serviços, comércio ou indústria, é preciso estar sempre atento ao que fazemos, pondo a intuição em movimento, buscando a melhora.

A população vai ficando confusa, pois não sabe que rumo o país está seguindo. Falta união de esforços na busca de metas factíveis que nos tirem da situação de atraso, pois estamos produzindo cada vez menos e importando cada vez mais, o que vai se agravando por um processo de entorpecimento que emperra vários setores do país, pondo o futuro em risco de declínio geral.

O lazer é importante, mas as horas de folga não podem ser desperdiçadas inutilmente pelas pessoas que têm de se esforçar, estudar, dedicar um tempo para as leituras, a fim de aprender continuamente, para se sentirem úteis, construtoras e beneficiadoras da vida. A população precisa ter confiança de que os líderes encaram com seriedade a sua tarefa de administrar o Estado para o progresso e o bem geral, com ordem e oportunidades para todos que se esforçam na direção do aprimoramento humano.

Os noticiários nos dão conta de muitas mortes, e quando morre uma pessoa famosa, o burburinho é intenso. Num mundo envolvido pelas densas nevoas da ignorância, poucas pessoas ainda olham para as estrelas no céu, e percebem a pequenez do ser humano diante da grandiosidade do universo e do real significado da vida. É preciso redescobrir a essência da alma; o que é da terra fica, mas a alma prossegue a sua jornada.

Os seres humanos têm sido displicentes com a vida, desperdiçando o precioso tempo concedido, mas não podem perder o ânimo, pois a vida é a grande oportunidade concedida para evoluir de forma construtiva e beneficiadora, utilizando plenamente para o bem todas as capacitações com que foram dotados, seguindo em frente com coragem e confiança no bem.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A JUSTIÇA DE UM BRAVO (1999)

John Cusack é Myrl Redding, um criador de cavalos onde estava sendo gerado o estado de Wyoming, fundado em 1890, numa região sem lei, de fazendeiros gananciosos que se sentiam donos do pedaço e faziam conchavos com os representantes do poder público como juízes e delegados. Henry Ballard (L.Q. Jones) era o pior deles, pois tinha como meta dominar a região e não queria a formação do Estado para não perder seu domínio.

Myrl tinha de levar cavalos para vender na feira de Kentucky. Mas Ballard construiu cercas impedindo a livre passagem, impondo taxa de pedágio. Disso resultou um conflito entre os dois, e os capangas de Ballard agiam de forma desleal causando vários problemas acobertados pelo juiz do vilarejo.

Myrl perdeu dois garanhões e sua esposa foi vitimada em acidente provocado pelos capangas de Ballard. Ele contratou um advogado para buscar justiça, mas o juiz corrupto não permitiu a abertura de processo. Myrl passou a agir por conta própria buscando justiça, mas acabou sendo vítima da astucia de seus adversários.

Ele então procurou o secretário de justiça, mas este não cumpriu o seu papel. O Juiz Tolliver (John Goodman) observou o caso e aceitou abrir o processo requerido por Myrl contra Ballard, pois reconhecia a injustiça praticada. Já naquela época esse juiz intuía a predominância de sua classe nas relações do Estado e procurava manter as aparências sempre em conformidade com as leis criadas pelos homens. Mas a reparação da justiça acabou gerando injustiça ainda maior para Myrl, como acontece quando a lei dos homens é seguida ao pé da letra mediante provas habilmente forjadas.

 

 

O FUTURO E AS INCERTEZAS

O futuro do Brasil e da humanidade está se complicando porque, em geral, poucas pessoas assumem responsabilidade sobre suas ações no presente que irão se refletir mais adiante. De longa data falta verdade e, habilmente, as reais intenções têm sido acobertadas. Mas estamos no século em que tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação, pois o que estiver em oposição a elas perderá a base de sustentação, devendo ruir naturalmente. O Brasil e a humanidade têm de abrir os olhos e deixar de ser como criança mimada e arrogante para entrar na fase adulta das realizações construtivas e benéficas.

Importa saber qual será o futuro do país cujo passado é vergonhoso. Como puderam deixar que a precarização dominasse na educação, saúde, moradias inadequadas em agrupamentos sem esgoto, e programas de TV de baixo nível? Passado de dívidas que deixou a indústria à míngua com política cambial desastrosa. Quando vemos o abandono das periferias das grandes cidades, dos rios e mananciais, vemos o que fizeram com o maravilhoso Brasil.

A Petrobras perdeu rios de dinheiro por má gestão. O prejuízo na refinaria em Pasadena foi clamoroso. Para recuperar, a população está sendo onerada com sucessivos aumentos de preços dos derivados de petróleo e até no álcool “made in Brasil”. Onde está o bom senso? A oposição tem que perceber que a sua forma de agir representa um ataque e contribui para denegrir a imagem do maravilhoso país que ainda oferece oportunidades de trabalho e sobrevivência, haja visto tantos venezuelanos e haitianos que vêm para cá porque o caos domina o país deles.

Os cientistas e as pessoas em geral não podem continuar afastadas da natureza e suas leis que é a grande doadora e orientadora da vida. Para encontrar as soluções, deve-se estudar de forma séria e profunda a natureza. Muitas vezes um simples camponês conhece a natureza muito melhor do que um cientista que por décadas tenta se sobrepor e dominá-la, mas só conhecendo-a profundamente poderemos obter dela os ricos frutos do progresso real e da paz. Estamos diante da crise provocada pelo desrespeito à natureza.

O conhecimento superficial se torna obsoleto com tanta rapidez por estar distante do saber das leis naturais. Em vez de fazer a diferenciação entre ensino técnico e teórico, o Brasil deveria estar pensando na qualidade do básico na educação que dará aos seus cidadãos a capacidade de pensar com clareza, escolher, comparar, raciocinar, divergir e, sobretudo, aprender.

A natureza sempre esteve à disposição dos humanos. Em vez de adaptar-se a ela e suas leis, para uma vida simples e natural de boa qualidade, o ser humano buscou dominar a natureza e tudo o mais, mas vem provocando um processo de continuada precarização, em vez de obter melhora nas condições gerais de vida. Ao nos aproximarmos dos limites críticos estão surgindo as alterações climáticas e as crises econômicas que poderão conduzir a humanidade para um insuspeitado nível de deterioração da qualidade de vida. A boa notícia é que o Brasil tem maior capacidade de adaptação aos efeitos da mudança climática, mas também é uma ameaça à segurança nacional devido à cobiça por riqueza e poder.

Estamos em processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu atenção ao aprimoramento como requerem as leis da natureza, que não estão aí para serem manipuladas, mas para serem compreendidas e utilizadas de forma correta, levando assim para o progresso em paz e felicidade. A situação do mundo é complicada com a continuada decadência. Com uma população bem-preparada, a situação seria outra, mas com a indolência espiritual tudo ficou subordinado ao dinheiro, expressão máxima do materialismo. Com o aproximar-se das 12 horas no relógio do mundo, a Justiça do Alto exige prestação de contas. Por cima da humanidade, as leis da Criação tecem o futuro. Os seres humanos têm de viver em plenitude, aproveitando bem a oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora, utilizando todas as capacitações com que foram dotados.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CRESCIMENTO ECONÔMICO

A economia de uma nação tem de acompanhar o crescimento da população e buscar a melhoria das condições gerais de vida. O aumento do PIB pode se dar com o aumento da extração de minérios do solo para exportação, mas não assegura que haverá melhor qualidade de vida. Estão crescendo, pelo mundo, os aglomerados de moradias precárias tipo favela. Faltam gestores públicos e empresários responsáveis, pois cuidam primeiro de atender aos objetivos pessoais.

A economia mundial já apresentava fissuras; a pandemia as tornou evidentes e as ampliou. A precarização avança desde a classe média, afetando drasticamente a população. É indispensável a união de todos os segmentos para o bem do Brasil e do aprimoramento da humanidade. A queda na produção e empregos não pode ser recuperada de repente, pois o auxílio temporário pode reduzir o risco do caos social, mas o correto é que haja trabalho, produção, renda, para que as pessoas sejam reativas, contribuindo para o bem geral e para não ter a sensação de estar vivendo de esmolas.

“O presidente Jair Bolsonaro tem 60 milhões de votos e quer atender caminhoneiros e 17 milhões de frágeis com um repasse de R$ 400, e esse quadro tem de estar presente nas decisões”, explicou o ministro Paulo Guedes, ressaltando que os secretários que deixaram a equipe econômica queriam que o auxílio ficasse em R$ 300, mas a ala política queria atender aos mais necessitados. “Entendemos os dois lados, mas não vamos ‘tirar 10’ em política fiscal e zero em política social. Preferimos tirar ‘8’ em fiscal, em vez de ‘10’, e atender aos mais frágeis.”, justificou o ministro.

Há grupos que querem vencer a eleição, custe o que custar, inclusive interferindo na livre decisão dos eleitores, e isso não é só no Brasil. E depois farão como sempre, uma administração voltada para os interesses particulares, deixando de lado o que é essencial. No Brasil, os problemas são imensos. Os votos têm sido mal-empregados há décadas. Vejam em que situação o país ficou. Para que tantos deputados, senadores, vereadores? Eles têm mais atrapalhado que ajudado o país. Grupos econômico-financeiros se instalam na nação e os seus objetivos passam a ser os da nação inteira que perde a autonomia e descuida do próprio futuro, deixando a precarização avançar.

Soma-se a isso outro problema: grande parte do atual ambiente inóspito para a vida está na destruição da cobertura florestal, na derrubada das árvores. Grandes cidades arrasaram suas áreas verdes. Prefeitos, governadores e o legislativo jamais se preocuparam com a preservação dessas áreas nas cidades, nas vilas, nas favelas. Fortaleza, capital do Ceará, é uma cidade quente, mas nas proximidades da reserva do Cocó a temperatura é mais amena, há mais vida, a cidade fica mais humana e equilibrada.

A economia brasileira foi baseada no sistema produtivo de monocultura exportadora e escravocrata, fornecedor de riquezas para as metrópoles, sem alvos próprios, sem criar renda interna. O agronegócio e a produção de alimentos são muito importantes, mas precisamos diversificar para gerar empregos e renda, e impedir que voltemos ao passado.

Alicerçar a atividade produtiva na economia globalizada cria riscos; nada é seguro, os investimentos são elevados, mas de repente tudo pode cair. Basta um simples embargo aos produtos voltados para a exportação. A motivação dos líderes está na maximização do ganho e do poder; quem pode mais, chora menos. Cada nação deveria ter a autossuficiência como meta e planejar trocas comerciais equilibradas.

A humanidade se deixou afastar de sua essência, passando a servir aos interesses daqueles que detêm o poder e que nem sempre são os da nação. Só o bom preparo das novas gerações poderá assegurar futuro melhor. A livre decisão é como escolher qual entroncamento ferroviário seguir. Uma vez feita a escolha, a vida vai na direção que pode ser boa ou não. Se houver uma parada intermediária, será possível fazer uma nova escolha. Há entroncamentos que levam para regiões agradáveis, que fazem bem para a evolução, e há os que levam para regiões ásperas e decadentes. Os indivíduos, os povos, a humanidade, têm a liberdade de escolher, mas terão de chegar ao destino escolhido.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

MENTORIA

Aprender com os acertos e vivências de outras pessoas.

Significado de Mentoria: substantivo feminino, ofício, trabalho ou cargo do mentor, daquele que aconselha; aconselhamento. Prática de ajudar ou de aconselhar uma pessoa menos experiente, durante um período. Sistema em que alguém mais experiente ou mais velho dá orientações e direcionamentos a alguém mais jovem e inexperiente.

Mentoria humana

Dentro do conceito de mentoria, percebe-se que os primeiros mentores das crianças são os próprios pais; no entanto é fundamental que busquemos o entendimento do porquê nascemos na Terra. O ser humano é a mais importante criatura, mas o alvo prioritário deve ser o de se tornar verdadeiro ser humano por sua capacitação de livre resolução, da qual assume plena responsabilidade tendo, obrigatoriamente, pela lei da reciprocidade de colher as consequências de suas ações.

Há pessoas que podem dar esclarecimentos, auxiliando aos que querem alcançar esse alvo. Não se trata de gurus, pois estes geralmente são procurados por pessoas com pouca força de vontade, baixo discernimento e pouca lucidez no raciocínio. O mentor pode prestar ajuda, porém sempre deve deixar claro que a resolução deve ser tomada pela própria pessoa, em função do querer próprio e em conformidade com a sua capacidade de julgar, pois cada indivíduo é um e cada situação tem os seus aspectos peculiares.

Mentoria pessoal e empresarial

Uma pessoa, ao se sentir insegura para desenvolver alguma atividade que queira, poderia consultar uma pessoa experiente nas questões que terá de enfrentar, mas é indispensável ouvir o eu interior e ter nítida percepção de seu querer e aplicar a sua poderosa força de vontade

Nas empresas de qualquer porte, de qualquer ramo, inclusive na administração pública, um procedimento que daria mais eficiência seria uma mentoria aplicada aos elementos-chave na definição de metas e gestão. Parte do trabalho deveria ser individual, realizado com cada profissional, e todos deveriam compartilhar com sua equipe o conhecimento adquirido, reunindo conjuntamente esses elementos para a criação de uma coesão em torno dos objetivos estabelecidos, com flexibilidade para introduzir mudanças sempre que a realidade o exigir. Na conclusão do processo é importante fazer uma reunião esclarecedora com todas as equipes visando alcançar os melhores resultados possíveis. A experiência é super válida, tanto para fortalecer os indivíduos, como para dar direção unificada às atividades, muitas vezes fragmentadas e dispersas por interesses particulares.

Conclusão

A mentoria, como todas as criações humanas, deveria estar alinhada num único propósito: o do aprimoramento da qualidade humana e da melhora das condições gerais de vida, não apenas com vontade mental, mas com a força do querer interior dos seres humanos.

2021: O ANO DA DEPRESSÃO

2019 foi um ano de dificuldades. As festas de Natal e de fim de ano davam a esperança de que 2020 seria mais ameno e, em várias cidades, distraidamente, em fevereiro, as pessoas festejaram o carnaval nas passarelas e nas ruas. Ninguém podia imaginar que poucos dias depois haveria um grito de pavor, um toque de recolher gerando incertezas e inquietações. Máscaras, álcool gel, isolamento, desemprego, conflitos políticos, um cenário dantesco. Não se sabia que remédio tomar? De onde tinha vindo o vírus misterioso? Não havia vacina.

A pandemia fazia vítimas. Assim, sem festas em todos os países, terminou o ano de 2020. Rapidamente a roda do tempo desembarcou em 2021, ano da depressão coletiva e da estagnação econômica mundial. A depressão também se tornou um problema mundial, pois a pandemia trouxe a sensação de que tudo perde o significado diante da grave ameaça apregoada por todos os lados, gerando medo e desorientação geral.

Uma conjunção de fatores desfavoráveis, em efeito cascata, está contribuindo para novo aperto geral nas condições de vida. É preciso força de vontade para não cair no desânimo ao ver tantas coisas se desmanchado; é preciso indagar por que tantas coisas estão ruindo; é preciso motivações nobres e poderosas para gerar força de vontade para seguir em frente com coragem.

Nos países em desenvolvimento, a situação se agrava pela displicência da classe dominante e da classe política, que historicamente têm se pautado pelos interesses próprios, não dando ao país o necessário empenho e, ao mesmo tempo, descuidando do bom preparo das novas gerações. Geralmente, tudo isso tem sido parte de um arranjo em conluio com interesses externos que visa domínio, controle e ganhos. Portanto, não se trata de uma questão apenas de dinheiro, que em geral é sugado pela corrupção, mas da falta de boa gestão do país.

Nenhum poder sobe tanto à cabeça como o financeiro, criando a mania de grandeza mais do que qualquer outro. Atualmente, há uma confrontação financeira entre investidores do ocidente e do oriente que envolve câmbio, ativos, empresas e regulamentações, agravando as crises econômicas.

Onde são tomadas as decisões que interferem nos países e suas populações? As elites e uma parcela da população estão enxergando que a Terra está nos limites críticos, temerosas do ultrapassar dos oito bilhões de habitantes. Muitos, preocupados com o futuro, procuram tirar proveito máximo de tudo ao seu alcance, sejam os financistas, os capitalistas corporativos ou de Estado, esquerdistas e direitistas, todos imediatistas buscando o seu quinhão de riqueza e poder no presente, pois percebem que está em andamento a chegada de um sombrio futuro da humanidade. São enormes os desequilíbrios gerados, mas a humanidade permanece alheia ao funcionamento das leis naturais da Criação.

A falta de respeito é geral. Na economia, o desequilíbrio é geral, agravado pelas disputas políticas. Bom preparo, experiência, honestidade, intuição espiritual, atenção e vigilância, são fatores indispensáveis para deter o declínio, mas estão em falta porque o ser humano está se deixando robotizar e, sem intuição, as coisas começam a travar. Não é hora de sair de casa. Parece que a situação está mudando, mas há muitas feridas que não cicatrizaram. A hora é de pensar no significado da vida.

O ano de 2021 segue acelerado; para onde, é o que muitas pessoas querem saber. O que a humanidade aprendeu? O despreparo aumenta, falta uma visão de futuro comum voltada para a construção sadia visando o bem geral. É preciso transformar a Terra num lar de seres humanos para que a evolução ocorra naturalmente em paz e alegria.

Vivemos um momento de inquietação global. A falta de propósitos começa mais em cima, na humanidade, no país, na cidade, na família, no emprego. Tudo se torna áspero com a ausência do amor desinteressado, proveniente do sentimento intuitivo espiritual. A indolência espiritual finca suas garras onde não encontra resistência. As pessoas veem, mas não enxergam; ouvem, mas não escutam. Aceleradamente as coisas vão acontecendo; acomodados, os seres humanos não se mexem, pois diante das dificuldades, deveriam estar agindo como seres vivos e despertos, com pleno uso de suas capacitações.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CONFLITOS MUNDIAIS

Existem livros que foram impressos há séculos e transmitem a sua mensagem até hoje. A Internet parece ser mais volátil; é uma nova forma à qual as novas gerações vão acompanhando desde cedo, enquanto pessoas de mais idade têm algumas dificuldades de adaptação. O fato é que o ser humano não é máquina e não deve abandonar a sua essência para se robotizar, pois seria algo inútil, afastado da real finalidade da vida e seu sentido maior, estaria jogando fora o tempo precioso.

A inquietação é mundial. Faltam propósitos nobres na humanidade, no país, na cidade, na família, no emprego. Tudo se torna áspero com a ausência do amor desinteressado que é proveniente do sentimento intuitivo espiritual. Quem semeia colhe, sejam indivíduos ou povos, empresas ou nações. O sofrimento, quando reconhecido como retorno, se torna menos traumático pela certeza que terá um fim. É preciso ir à origem dos conflitos existentes neste planeta maravilhoso que hospeda vários povos que estão sendo malgovernados de longa data.

O ciclo de redução de custos das manufaturas está sofrendo o impacto do aumento do custo da energia, queda na produção, gargalos e inflação, causando um choque no sistema, pois não é fácil implantar novas fábricas no ocidente. Os Bancos Centrais estão enfrentando um complicado dilema. Jogar mais dinheiro na economia não assegura aumento de produção e empregos. Elevar os juros pode deprimir a produção e eliminar empregos. Então, o que fazer?

A humanidade não conseguiu utilizar o hidrogênio como fonte de energia limpa e barata. No filme Reação em Cadeia, de 1996, a ficção destaca que um projeto foi boicotado por interesses econômicos. No ocidente, com a concentração financeira, os grandes fundos são os donos de quase tudo que dá lucro e exercem forte influência sobre o comportamento das massas para manter o controle social. No capitalismo de Estado, o poder central controla tudo. O que se percebe é que em ambos os sistemas a liberdade individual sofre restrições.

A libra inglesa era a moeda forte do mundo; o marco alemão também foi apreciado. No final da Guerra Mundial, em Breton Woods, o dólar firmou seu pé na Terra. Moedas foram criadas, mas sem base firme tudo foi desmoronando e uns poucos ganhando. Surgiu o yen japonês e o euro europeu. Agora a China quer dividir o bolo com os americanos. Enquanto isso, os latino-americano, geridos pessimamente há décadas, veem suas moedas flutuando aos ventos especulativos internos e externos.

Nenhum poder sobe tanto à cabeça como o financeiro, criando a mania de grandeza mais do que qualquer outro. Atualmente, há uma confrontação financeira entre investidores do ocidente e do oriente, que envolve câmbio, ativos, empresas e regulamentações, agravando as crises econômicas. Ao final tudo acaba sendo por dinheiro.

A grande energia do Brasil e sua população, baseada na ideia do “todos juntos pra frente”, acabou sendo desviada e o foco foi para o poder conquistado nas eleições, sem o passaporte da honestidade e competência, fragilizando o potencial, descuidando da educação das novas gerações. Combateram a inflação com importados em vez de ampliar a produção, empregos e renda. Muitas crises foram superadas, mas a atual é econômica e humana pela falta de séria disposição para fortalecer o país e sua população.

O presidente do Conselho de Administração do Banco Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi destaca: “Neste momento, essa energia está sendo mitigada, pois vivemos uma inversão de prioridades. Governo, partidos políticos e, inclusive, representantes da sociedade direcionam suas preocupações à perspectiva eleitoral, em detrimento das questões urgentes do País”.

No Brasil, implantar programas de progresso real está ficando cada vez mais difícil. Os planos enveredam pelo imediatismo e interesses particulares. O despreparo aumenta, não há uma visão de futuro comum voltada para a construção sadia de longo prazo. Eleição é coisa muito séria que exige amplo discernimento da parte dos eleitores. Esperemos que o eleitorado se inspire em suas escolhas para que sejam eleitos aqueles que tenham um real empenho na construção de um país, lar de seres humanos, para que possamos evoluir em paz e alegria.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

HUMANIDADE DISPLICENTE

A humanidade tem sido displicente com a vida. Viver deve ser o aproveitamento da oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora. Se houvesse a união dos povos em torno do objetivo de alcançar o aprimoramento da espécie humana, certamente não estaríamos enfrentando os rigores da mudança climática, a severidade da limitação dos recursos naturais e da sustentabilidade da vida, e com certeza as riquezas que provêm da natureza não estariam sendo partilhadas dessa forma desumana com todos que se esforçam em serem úteis e produtivos neste planeta.

Estamos diante das consequências do modo de vida inadequado, anunciadas há séculos, mas o foco dos mandantes era voltado prioritariamente para poder e dinheiro. Como gado, os humanos foram empurrados da terra para os grandes currais das regiões metropolitanas onde quem falava em manter áreas florestadas era apedrejado. O preço de tudo sobe, mas a renda cai. Não se sabe como lidar com as alterações do clima, nem se reconhece o modo errado de viver.

Muitos políticos tratam o Estado como uma vaca leiteira e há anos mamam no Brasil, mas cobiçosos, sempre querem mais e são capazes de matar a fonte para se beneficiarem. As eleições exigem muito discernimento da parte dos eleitores. Esperemos que o eleitorado se inspire em suas escolhas para que sejam eleitos aqueles que tenham um real empenho na construção de um país digno, tornando-o um lar para que possamos evoluir em paz e alegria.

Homem é homem e mulher é mulher e deveriam se complementar e viverem felizes, auxiliando-se mutuamente, mas a época é fulminante para o bem-querer. A ansiedade, o egoísmo e o orgulho são fatores adversos que prejudicam a boa convivência. Há muita aspereza no ar. Sentimos isso no trânsito congestionado, no transporte precário, nos ambientes de trabalho, nos conflitos pessoais e mundiais que se avolumam. Num mundo em que cada um só pensa em si e em suas vantagens, julgando-se melhor que os demais, os bons pensamentos e a consideração são as melhores formas de estabelecer a mútua cooperação, em que cada um auxilia o outro com pensamentos benéficos.

Houve um tempo em que os seres humanos, hóspedes do planeta Terra, viviam na segurança da regularidade dos acontecimentos e tudo seguia conforme se previa. Mas, de repente, as pessoas passaram a agir com frieza e a vida começou a mudar sem que se pudesse saber como seria o amanhã, e quais problemas e dificuldades surgiriam. Isso gerou inquietação e até revolta. As pessoas perderam a coerência, e mudam de opinião segundo os interesses, medo ou influências externas. Como enfrentar esse novo desafio?

Há uma estrutura de desorientação que visa manter a alma adormecida e, na indolência, acaba acolhendo o lixo das formas de pensamentos maldosos daqueles que se entregaram ao princípio errado. Vivemos sob o império da mentira e da corrosão dos valores que lança os seres humanos na destruição do eu interior consciente.

Quem semeia colhe; a displicência no agir se vinga ferozmente. O que vai, vem. As movimentações de retorno se aceleram, as boas, as más, e aquelas que devido à forte vontade das pessoas de alcançar o bem, se apresentam na forma de resgate simbólico. No livro Fios do Destino, a escritora Roselis von Sass explica: “Os espíritos humanos se reencarnam constantemente em diversos povos e países. Essas repetidas vidas terrenas tornam-se necessárias, a fim de que as criaturas possam desenvolver todas as faculdades latentes no espírito humano.”

O sofrimento reconhecido como retorno se torna menos traumático pela certeza que terá um fim. O que causa mais abalos são ataques morais e emocionais com sua carga nociva, que surgem de repente para agredir a alma. Por isso é preciso manter puro o foco dos pensamentos, pensar no bem, e humildemente confiar na força das leis da Luz do Todo-Poderoso, e ir em frente com firmeza e coragem.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

DEMOCRACIA DEPRAVADA

O desequilíbrio econômico entre os países é geral, de tal forma que apesar dos déficits, as nações utilizam políticas que inibem a atividade econômica quando deveriam estimular a produção de itens essenciais. O déficit comercial dos EUA ilustra bem esse desequilíbrio. Decisões oportunistas criaram essa situação, pois deveria haver equilíbrio econômico geral na produção, comércio, empregos, consumo, progresso com elevação dos níveis de saúde, educação, setor privado diversificado, mantendo estabilidade econômica, política e social. No entanto, os caminhos que levam a isso não foram perseguidos.

O dinamismo da economia globalizada tem sido mantido de forma artificial e distante dos reais objetivo da economia política que visa o bem-estar geral das populações e a melhoria geral das condições de vida, favorecendo o aprimoramento da espécie humana. Quantos desses objetivos foram alcançados? Quando sopra um vento mais forte, seja no Lehman ou na Evergrande, tudo oscila. A vida tem se tornado difícil e em crescente precarização para quase a totalidade das cerca de oito bilhões de pessoas hospedadas na Terra. Cobrir o rombo não deverá ser problema para a China; mais difícil será dar solução para quem ficar sem casa e para quem perder o emprego.

Em 2011, americanos indignados ocuparam a praça próxima a Wall Street em protesto pelo desemprego crescente e queda na renda, vendo o sonho americano ser atropelado. A mais importante questão para uma nação é a seriedade na escolha dos dirigentes, mas ao que se observa a grande maioria dos eleitos não cumpriram o seu papel, fragilizando e depravando a democracia ocidental e tudo o mais, cansando a população que não via a nação ser tratada com seriedade na direção do progresso e autonomia, por isso não há razão para que se estranhe a eleição de Trump e Bolsonaro, que captaram os anseios da população.

As grandes potências, como Inglaterra, França, EUA, Rússia e China, manejam o mundo há séculos da forma que melhor lhes convêm. Os discursos são envolventes, falam em convivência pacífica e progresso para todos os povos, mas na prática cada qual busca vantagens, seja com abuso da força militar ou econômica, mesmo que para isso tenham que sacrificar a natural evolução da espécie humana e a sustentabilidade do planeta.

O planeta Terra tem uma triste história de desestabilização dos mecanismos naturais que asseguram a sustentabilidade da vida. O mais cruel é que isso é consequência das desastrosas políticas econômicas adotadas que visam o enriquecimento de grupos dominantes em prejuízo de toda a humanidade, pois ao invés de visarem o aprimoramento, agem com viés imediatista, cobiçando ganhos e aumento de poder e influência, arrastando as populações para o abismo, escravizando-as sem que tenham consciência disso.

Estamos diante de uma situação extraordinária com acontecimentos que escapam do controle dos superdirigentes e dos supercomputadores, desorientando e gerando incertezas. Evidentemente são as consequências de atividades desordenadas que vêm introduzindo desequilíbrio no sistema natural da vida, atingindo a economia e a sociedade. Hora de direcionar toda inspiração intuitiva e o raciocínio lúcido para descortinar as causas que estão ameaçando a sobrevivência condigna da humanidade. A indolência espiritual finca suas garras onde não encontra resistência. As pessoas veem, mas não enxergam; ouvem, mas não escutam. As coisas vão acontecendo, mas, acomodados, os seres humanos não se mexem, não percebem que deveriam estar agindo como seres vivos e despertos no uso de suas capacitações.

A submissão deveria ser somente às leis da Criação, à Vontade Criadora de Deus, para construir um paraíso na Terra; mas os humanos, escravos das trevas, ousaram escravizar o próximo buscando atar seus espíritos para que se tornassem submissos, e a Terra se transformou num vale de perdição e sofrimentos. O ano de 2021 começou sem festas e tem os mesmos números de 2012. Os dias deste ano estão sombrios e difíceis. É importante mudar o foco dos pensamentos para coisas leves e do bem para escapar da inquietação reinante.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CONSEQUÊNCIAS DA ECONOMIA DESEQUILIBRADA

Onde encontrar democracia que funciona bem? O problema não está na democracia, mas nos seres humanos, que como em qualquer outro sistema de governo se deixam levar pela mania de grandeza, um mal que pode grudar em qualquer pessoa, seja militar, militar reformado, professores, economistas etc. Hoje isso é dominante. É lamentável a situação geral da humanidade que após tantos milênios para evoluir acabou decaindo no nível abaixo das tribos antigas que só conheciam a natureza; hoje nem isso é conhecido, o que resulta em ignorância maior ainda, pois conhecer a natureza e suas leis já é um avanço que deveria conduzir ao reconhecimento das leis que regem a vida.

No passado, a economia se baseava na produção de bens essenciais, trabalho e consumo. O comércio expandiu e, com isso, surgiu a necessidade de um meio para facilitar as trocas diretas. Uma das alternativas foi utilizar o ouro que deu origem ao banco, que por sua vez deu origem ao papel que valia ouro. Enfim, surgiu o dinheiro em papel que se distanciou da finalidade de produzir bens essenciais, passando o “dinheiro fazer dinheiro”. Fazendo uma analogia, a situação poderia ser comparada com um edifício, com alicerce frágil e cuja construção continua subindo, ficando a cargo da engenharia financeira fazer remendos. Muitas pessoas continuam comprando ativos financeiros na esperança de vender por mais e obter ganho, mas poucos estão conseguindo. Para evitar acidentes, os engenheiros não podem interromper o reforço. Pergunta-se: com isso, a situação não vai ficando mais complicada?

Causa estranheza a forma displicente com que autoridades governamentais de vários países deixaram crescer o passivo. Qualquer administrador sabe que a constituição irresponsável de um passivo financeiro poderá levar o país à ruína. Os países retardatários da periferia não dispunham de acumulação de capitais. Por isso, deveriam programar as suas contas e o desenvolvimento de tal forma que não cavassem um abismo para as suas populações nem caíssem na grande armadilha da dívida.

Quando muito dinheiro é emitido surge a inflação e o dinheiro perde poder de compra pela falta de produção. Quando se combate a inflação, a produção se retrai. Ou seja, há um desequilíbrio geral na economia. O BCA Research, instituto de pesquisas de investimentos, explica a desaceleração da China devido à queda da demanda. A paralisação imposta pela pandemia levou à perda de renda e mudança no estilo de vida. Caiu a renda das famílias, os supérfluos foram postos de lado e o consumo se concentrou em alimentos e remédios, o que acabou afetando a China como o grande fornecedor, e seus satélites asiáticos. Em decorrência, cai o consumo de matérias primas. Quanto maior a dependência dos países a esse ciclo, maior será o efeito sobre a economia. O Brasil tem de estar atento à produção agrícola, exportação, consumo interno, e saber aproveitar e produzir mais manufatura, reduzindo a dependência externa.

Como resolver a questão da sobrevivência condigna? Era previsível que o surgimento de grandes grupos de pessoas refugiadas das condições hostis de vida iria acabar acontecendo no planeta inteiro. Essa população não pode viver de esmolas de forma passiva; precisa de atividades e atendimento das necessidades. O sistema econômico tradicional não apresenta soluções com trabalho, renda, consumo. Com tantos pesquisadores, há que se encontrar solução que permita a essas pessoas conseguir trabalho e aprendizado, pondo em prática o próprio esforço, sem cair no imobilismo do comunismo.

As novas gerações representam o futuro do planeta. Homens e mulheres têm de ser responsáveis ao gerar filhos, dando-lhes cuidados e preparo para a vida. Os modelos que são dados às crianças são muito importantes. Desde cedo elas estão sendo expostas ao que de pior o homem é capaz de fazer. Reúnam-se com as crianças, conversem com elas, estabeleçam vínculos de amizade e confiança, mostrem que o real significado da vida é a evolução espiritual e material.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br