Posts

A QUESTÃO DAS TAXAS DE JUROS E DO CÂMBIO

No Brasil da pré-globalização, produzia-se e consumia-se mais, pois a renda não estava tão travada, mas havia a elevada dívida externa a juros pesados. A inflação foi surgindo com as emissões destinadas a pagar dólares das exportações que eram utilizados nos resgates da dívida externa. O dólar caro promovia exportações, mas para comprar os dólares para pagar a dívida o governo emitia e inflacionava.

Algo precisava ser feito, então surgiu a dolarização que no Brasil se deu com o Plano Real. Com o dólar artificialmente barato, os eleitores ficaram iludidos. A ilusão durou até 2015. Em 2019, a realidade se mostra brutal. Fábricas fecharam, cortando os empregos. É um fenômeno mundial; tudo vem pronto de fora. Se os empregos desaparecem, algo têm de ser feito. Com a queda na renda, o consumo estagnou, mas a dívida chegou ao topo. O mercado teme que haja insolvência com os juros praticados, já está quase impagável.

No livro A Construção Política do Brasil, o economista Bresser Pereira afirma que Lula errou ao manter os juros altos e o câmbio apreciado, e com esse simples erro, também mantido por Dilma, estamos com a economia estagnada, dívida enorme e atraso geral. No câmbio, a taxa de juros influencia a lei da oferta e procura. Se os juros caem, cai a procura e a moeda se desvaloriza; no inverso, elevando-se os juros, cresce o movimento de procura pela moeda, valorizando-a. No Brasil, o real foi mantido valente à custa de juros elevados. Não fosse isso, há tempos o dólar teria ultrapassado a casa dos quatro reais. É o que poderia ter acontecido se o BC tivesse baixado a taxa Selic dos atuais 6,5%.

No passado, o padrão ouro mantinha estabilidade no câmbio, mas a criação de moeda se tornava grande obstáculo para a estabilidade dos valores cambiais. Atualmente, as taxas de juros exercem forte influência no mercado de moedas que revoam pelo mundo em busca de melhores ganhos, mas isso impacta no comércio externo dos países, favorecendo ou dificultando as exportações.

Agora estão surgindo as criptomoedas, que circulam separadas da rede bancária. A libra, a nova criptomoeda que está sendo criada para ser ancorada nas contas do Facebook, vai surgir da troca por dólar ou euro. Essa criptomoeda seria para facilitar a vida ou representa mais uma grande jogada?

Muitos economistas reconhecem que o Brasil está com a dívida descontrolada, devido à dose cavalar de juros com seus efeitos negativos sobre a atividade econômica. É preciso conter a sangria, eles dizem. Está certo. Mas e o resto da economia detonada desde a prática da valorização do real com juros elevados, como vai ficar?

No século 21, prenuncia-se o surgimento de nova guerra cambial, que no fundo é um processo de desvalorização para fomentar as exportações. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se pronuncia contra o “dólar tão forte” criticando a política monetária da Reserva Federal (Fed), depois de o banco central norte-americano ter aprovado elevações das taxas de juros ao longo do ano passado. A elevação dessas taxas incentiva investimentos em dólares, impulsionando o valor da moeda norte-americana, mas afetam as exportações. É compreensível que o BC do Brasil esteja cauteloso diante desse cenário de provável baixa nas taxas de juros.

A instabilidade cambial tem provocado graves distúrbios na economia. Falar em moeda única pressupõe a eliminação da moeda nacional por uma geral. Mas quem ficaria com o controle e emissão dessa moeda? Certamente teria um poder maior do que teve a libra e que tem o dólar acossado pelo euro e yuan. Algo precisa ser feito. O Brasil e sua população já enfrentaram perdas enormes, dificuldades e atraso em decorrência do sistema cambial adotado.

Está claro que sofremos drenagem nos juros e empregos. O efeito da destruição industrial e produtiva do Brasil é visível a olhos nus, basta ver a região do ABC em paralelo à cidade de Detroit. Temos de sair do estágio de economia das padarias, dos cabeleireiros e manicures, e das lojas de importados nas esquinas. Atrasamos a produtividade e o desenvolvimento tecnológico. Hora de limpar a casa, afastar os maus gestores, fazer ajustes, retirar o Brasil de sua rota declinante.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO GLOBAL

O surgimento de nova guerra comercial se apresenta como um daqueles impasses de difícil solução. Como tem sido praxe nas últimas décadas, as decisões são tomadas em ambientes opacos, sem transparência, sem a sincera boa vontade para alcançar resultados equilibrados para todos, querendo cada um levar vantagens sobre o outro.

Em geral, os homens escondem seus reais objetivos e tomam decisões da forma como conseguem impulsionar seus alvos. Muitas coisas têm sido empurradas de qualquer jeito, sem considerações com o futuro; porém, agora o mundo enfrenta uma nova situação com o acúmulo de população e das consequências das decisões anteriores. Para resolver de forma menos traumática é preciso sinceridade e transparência de todas as partes envolvidas, estabelecendo-se um alvo comum de melhora geral de forma equilibrada.

Não se fala em legislação trabalhista, tributária e ambiental. Não se fala em política cambial. O Brasil combateu a inflação com câmbio valorizado e travou a indústria e o desenvolvimento da mão de obra. Cedemos mercado, empregos e divisas. Teremos eleições, mas não se ouve falar em soluções viáveis para a elevação da qualidade de vida e humana. As relações entre os povos se ressente da falta de equilíbrio.

As teorias econômicas estão fora da realidade atual que apresenta grande volume de liquidez e operações financeiras bem acima do PIB mundial. O comunismo cedeu lugar ao capitalismo de Estado, que não pode ser comparado ao livre mercado, a base das teorias, mas estão ai competindo pelos mesmos consumidores. Há também a questão das paridades cambiais. O grande ponto crítico, a falta de equilíbrio nas relações comerciais entre os Estados, entre produção e empregos e a falta de equilíbrio nas contas internas e externas dos Estados, tudo afetando o funcionamento das economias. Os economistas teorizam, mas as decisões estão imbricadas com o poder.

Com o dólar em elevação, evidencia-se o descaso geral de governos no trato das finanças. O dólar surgiu no pós-guerra como a moeda, enquanto a maioria dos Estados tinha a não-moeda, instável, permanentemente inflada por indisciplina fiscal, sem que se dispusessem a planejar o equilíbrio nas contas internas e externas, tomando empréstimos externos de forma pouco responsável, o que gerou incontidas oscilações cambiais, desorganizando todo o sistema com súbitas desvalorizações da moeda própria – as maxidesvalorizações. Um mecanismo perverso até hoje não equacionado com clareza, impedindo a busca de soluções duradouras para o progresso geral.

Quais as causas reais da estagnação, no Brasil e em outros países, sem bode expiatório como tem sido feito até agora? Não precisa muita teoria ou estatísticas para ver com simplicidade que o que falta é: produção, empregos, salários, consumo, crédito. Sem isso, nada feito. Com dólar caro, será que vai dar para reagir ou vai piorar, porque o país se estruturou para exportar commodities, que é um item importante, mas passou a importar de tudo?

É tarefa do governo, seus ministérios e do Banco Central criar oportunidades de trabalho e também do FMI, pois sem renda não há consumo, a economia para. Mas há um problema: se cria trabalho e renda, mas o consumo se alimenta basicamente de importados. Como sustentar o equilíbrio da balança das contas externas?

Enquanto a China planejava a sua inserção no mercado global, o Brasil afundava em dívidas. O resgate da dívida gerou desvalorização cambial e inflação galopante com o excesso de emissão monetária. Depois, vieram os planos de âncora cambial para combate da inflação via importações baratas que fizeram grande estrago na indústria insípida, enquanto a China, com enorme contingente de mão de obra barata, favorecia a importação de matérias-primas para exportar produtos acabados, pagando os custos internos em moeda local, exportando em dólares. O resultado é a situação de desequilíbrio que vemos por aí e que por certo está assustando o presidente norte-americano Trump, enquanto a maioria dos governantes de outros países não sabe o que fazer para pôr ordem nas contas internas e externas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS BANCOS CENTRAIS E O FUTURO

Em matéria de Banco Central, o pioneirismo coube à Suécia que no século 17 oferecia cédulas de papel como alternativa às pesadas e usuais moedas de cobre. Hoje os poderosos Bancos Centrais regulam o fluxo de dinheiro, crédito, câmbio e juros no mundo, sendo o mais importante deles o Federal Reserve (FED) dos Estados Unidos, tendo ao lado os Bancos Centrais da Inglaterra e Europeu.

Com o uso da prensa e papel, o dinheiro acabou se tornando o objeto mais cobiçado pelas pessoas em geral, que fizeram dele a prioridade de suas vidas. Os Bancos Centrais detêm em suas mãos o monopólio da emissão de dinheiro – o papel-moeda -, garantido pelo governo. Também devem zelar pelo bom funcionamento do sistema bancário impedindo que este caia no abismo da falta de liquidez. Quando se cria falsa euforia, distribuindo temporariamente crédito que anima os negócios ensejando sensação de riqueza, qualquer interrupção pode provocar o caos, insolvência, desvalorização e retração da economia.

A reação do Brasil para voltar ao crescimento está bem difícil, pois a indústria se debilitou e isso trouxe graves consequências nos empregos, no desenvolvimento técnico, no preparo da mão de obra. Foram décadas de desmazelo na gestão do dinheiro público. No entanto, não basta o ajuste nas contas públicas com dívida equivalente a mais de um trilhão de dólares. O século 20 apresentava condições econômicas mais flexíveis. Gastos do governo, ajustes no câmbio, crédito, e juros baixos surtiam efeitos favoráveis.

Quando as empresas passam a ser controladas de fora e o país importa cada vez mais, uma parcela da riqueza não recircula internamente e vai para o exterior. A economia global deu uma grande guinada quando países de moeda inexpressiva passaram a produzir para acumular dólares e poder. Os homens que comandam os mercados se tornaram restritos, subordinando tudo à bitola da economia e finanças, arrastando a classe política consigo. Muitas teorias foram desenvolvidas e aplicadas como se fossem as grandes verdades, mas sempre resultando em malogro, mantendo a população apática, distraída com baboseiras. Com isso, a miséria só aumenta.

Criou-se a dependência de dólares. Todos querem a poderosa moeda-mãe. Em vez de produzir para atender às próprias populações, os países querem produzir para fora, para obter dólares e terem potencial econômico para aquisições pelo mundo. Assim, o desarranjo geral está ameaçando o futuro da humanidade. Os números do déficit comercial americano atestam a forma desequilibrada da economia mundial. Enquanto os déficits incomodavam países como o Brasil, que tinham de financiar a falta de dólares, ninguém reclamava, mas agora essa situação está pesando nas contas dos EUA.

Por décadas tem sido apregoada a importância do livre mercado como o regulador da economia. Então, quais as implicações dessa nova modalidade de produzir e exportar sob o patrocínio do Estado? As medidas de restrição recomendadas pelo Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, para as exportações de aço, indicam que há um desequilíbrio geral na produção e comércio global o qual já deveria ter sido superado há muito tempo. Mas, em vez disso, tem prevalecido o mercantilismo voraz, acarretando concentração da riqueza, desemprego e aumento da miséria. A maneira de a China reduzir seu superávit seria promovendo melhor equilíbrio nas relações entre os povos. Em que os Bancos Centrais poderiam contribuir nesse sentido?

Os poderosos BCs têm de responder por decisões difíceis que precisam de pulso firme. O seu fortalecimento adveio da complexidade das finanças que se afastaram da produção, emprego e comércio, passando a ter vida própria e perigosa, e desse modo o volume das operações financeiras já superam o PIB global. A atuação dos BCs se tem voltado para combate à inflação e ao desemprego. É pouco, pois não tem olhado para o endividamento dos Estados. A dívida dos EUA já alcançou nível astronômico e o déficit comercial se estruturou de forma crescente, totalizando atualmente 800 bilhões de dólares. O déficit público caminha para a casa de um trilhão de dólares. As despesas com juros devem superar a casa de 3% do PIB, tudo gerando condições adversas.

Os Bancos Centrais, além de ficarem cuidando da qualidade do dinheiro, também deveriam contribuir para a construção de um mundo melhor; deve haver atenção para a qualidade humana, pois o futuro depende do bom preparo das novas gerações.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7