Posts

A IMPRESCINDÍVEL SERENIDADE

Após a Segunda Guerra Mundial, 44 países se reuniram em Breton Woods (EUA) para estabelecer a nova ordem econômico-financeira, visando a estabilidade monetária das nações. Consolidou-se, definitivamente, a preferência e o apego ao dinheiro, o fetiche e o ídolo cultuado pela humanidade, um simples papel pintado que, na verdade, representa a grande ilusão criada pelo materialismo, sendo aceita coercitivamente pelo seu poder de comprar as coisas, inclusive os seres humanos. A cobiça pelo dinheiro não tem limites; mas algum dia se evidenciará o seu pé de barro. Até lá, assistiremos a muitas desgraças.

As relações comerciais passaram a se efetivar de forma crescente em dólares, moeda da qual tudo passou a depender. Em geral, os países mal geridos, dependentes de commodities e suas instabilidades, buscavam financiamento externo para cobrir os continuados rombos. Quanto mais o Estado foi ampliando a sua interferência na vida econômica, mais dependente foi se tornando de tomar dinheiro no mercado, pois sua arrecadação era insuficiente para cobrir todos os encargos e desperdícios.

Isso veio a calhar porque o dinheiro sempre tende a aumentar, por novas emissões ou ganhos. Financiar os governos perdulários se mostrou como oportuna forma de absorver os excedentes. No entanto, com o avolumar da dívida, acrescida de juros, formou-se a bola de neve com suas ameaças ao sistema. Então surgiram as receitas de austeridade geral, por vezes sem bom senso, gerando crises e instabilidades.

O dinheiro continuou sendo emitido e crescendo. Hoje se prega juros baixos ou negativos. A capacidade de criar dinheiro envolve uma grande complexidade de variáveis e consequências que requerem mais aprofundamento para que favoreçam o progresso em vez de travá-lo. Nas últimas décadas, enquanto nos bastidores os personagens urdiam planos de partilha do butim, no palco da vida predominavam falsas aparências. Com a expansão dos abusos, rompeu-se a cortina pondo a descoberto as mazelas tramadas às escondidas, expondo-as para lavagem geral.

No cenário mundial, ocorre a luta entre os que querem se esconder ao abrigo das cortinas e os que desejam abri-las amplamente. A tendência é que caiam as cortinas encobridoras da verdade, mas o que se verá não será bonito, agravado por lutas para manter uma situação que não se sustenta mais. Os homens se digladiam para encobrir a verdade e se manterem no poder.

Com a abertura comercial, vários setores fabris perderam potência interrompendo o aprendizado tecnológico; hoje, além do atraso, deixamos de produzir vários itens, provocando declínio na produção de manufaturas. A importação depende do preço do dólar, que depende da taxa de juros, mas a dívida subiu muito. O Brasil não fabrica dólar e a economia estagnou. Perdemos terreno na indústria, exportamos tudo in natura, inclusive o precioso algodão, mas importamos tecidos e confecções. Com o real valorizado a juros elevados formamos grande montante de dívida, acrescida da indisciplina fiscal. Bons empregos foram exportados, a renda caiu. O desarranjo é global, mas de difícil solução face aos interesses egoísticos. Há de se examinar atentamente as causas e buscar a solução.

O Brasil está correndo o sério risco de fazer parte do grupo com atraso geral, sem rumo, sem autonomia. Precisamos de união em defesa do país e esforço para evitar a consumação do declínio. É preciso entender o que se passa nos bastidores internacionais. A guerra comercial aumenta a turbulência na economia. O crescimento da dívida já vinha de longe, mas não se dava muita atenção; de repente, se percebe o tamanho do buraco que trava tudo.

Os acontecimentos se sucedem velozmente atropelando tudo, isto é, um em cima de outro e de outro. As pessoas se vergam sob a pressão. Isso mexe com os nervos delas que, inquietas, não seguram, não filtram e como pingue-pongue é um bate e volta sem pausa. Uma pessoa já impactada pelo acontecimento está desarmada e se ainda recebe o rebate de outra, tem duplo impacto sobre o cérebro e se expande pelo corpo. É preciso filtrar os acontecimentos e dosar as reações para que o mundo não se torne um hospício de esquizofrênicos impacientes e inquietos que adoecem e contaminam o ambiente. Conservai puro o foco dos pensamentos para abrir o caminho para a serenidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A QUESTÃO DAS TAXAS DE JUROS E DO CÂMBIO

No Brasil da pré-globalização, produzia-se e consumia-se mais, pois a renda não estava tão travada, mas havia a elevada dívida externa a juros pesados. A inflação foi surgindo com as emissões destinadas a pagar dólares das exportações que eram utilizados nos resgates da dívida externa. O dólar caro promovia exportações, mas para comprar os dólares para pagar a dívida o governo emitia e inflacionava.

Algo precisava ser feito, então surgiu a dolarização que no Brasil se deu com o Plano Real. Com o dólar artificialmente barato, os eleitores ficaram iludidos. A ilusão durou até 2015. Em 2019, a realidade se mostra brutal. Fábricas fecharam, cortando os empregos. É um fenômeno mundial; tudo vem pronto de fora. Se os empregos desaparecem, algo têm de ser feito. Com a queda na renda, o consumo estagnou, mas a dívida chegou ao topo. O mercado teme que haja insolvência com os juros praticados, já está quase impagável.

No livro A Construção Política do Brasil, o economista Bresser Pereira afirma que Lula errou ao manter os juros altos e o câmbio apreciado, e com esse simples erro, também mantido por Dilma, estamos com a economia estagnada, dívida enorme e atraso geral. No câmbio, a taxa de juros influencia a lei da oferta e procura. Se os juros caem, cai a procura e a moeda se desvaloriza; no inverso, elevando-se os juros, cresce o movimento de procura pela moeda, valorizando-a. No Brasil, o real foi mantido valente à custa de juros elevados. Não fosse isso, há tempos o dólar teria ultrapassado a casa dos quatro reais. É o que poderia ter acontecido se o BC tivesse baixado a taxa Selic dos atuais 6,5%.

No passado, o padrão ouro mantinha estabilidade no câmbio, mas a criação de moeda se tornava grande obstáculo para a estabilidade dos valores cambiais. Atualmente, as taxas de juros exercem forte influência no mercado de moedas que revoam pelo mundo em busca de melhores ganhos, mas isso impacta no comércio externo dos países, favorecendo ou dificultando as exportações.

Agora estão surgindo as criptomoedas, que circulam separadas da rede bancária. A libra, a nova criptomoeda que está sendo criada para ser ancorada nas contas do Facebook, vai surgir da troca por dólar ou euro. Essa criptomoeda seria para facilitar a vida ou representa mais uma grande jogada?

Muitos economistas reconhecem que o Brasil está com a dívida descontrolada, devido à dose cavalar de juros com seus efeitos negativos sobre a atividade econômica. É preciso conter a sangria, eles dizem. Está certo. Mas e o resto da economia detonada desde a prática da valorização do real com juros elevados, como vai ficar?

No século 21, prenuncia-se o surgimento de nova guerra cambial, que no fundo é um processo de desvalorização para fomentar as exportações. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se pronuncia contra o “dólar tão forte” criticando a política monetária da Reserva Federal (Fed), depois de o banco central norte-americano ter aprovado elevações das taxas de juros ao longo do ano passado. A elevação dessas taxas incentiva investimentos em dólares, impulsionando o valor da moeda norte-americana, mas afetam as exportações. É compreensível que o BC do Brasil esteja cauteloso diante desse cenário de provável baixa nas taxas de juros.

A instabilidade cambial tem provocado graves distúrbios na economia. Falar em moeda única pressupõe a eliminação da moeda nacional por uma geral. Mas quem ficaria com o controle e emissão dessa moeda? Certamente teria um poder maior do que teve a libra e que tem o dólar acossado pelo euro e yuan. Algo precisa ser feito. O Brasil e sua população já enfrentaram perdas enormes, dificuldades e atraso em decorrência do sistema cambial adotado.

Está claro que sofremos drenagem nos juros e empregos. O efeito da destruição industrial e produtiva do Brasil é visível a olhos nus, basta ver a região do ABC em paralelo à cidade de Detroit. Temos de sair do estágio de economia das padarias, dos cabeleireiros e manicures, e das lojas de importados nas esquinas. Atrasamos a produtividade e o desenvolvimento tecnológico. Hora de limpar a casa, afastar os maus gestores, fazer ajustes, retirar o Brasil de sua rota declinante.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

AS DIFICULDADES DO BRASIL

Parece que o Brasil está correndo o sério risco de ser jogado no grupo de países com atraso geral, sem rumo, sem autonomia. Poucas pessoas estão percebendo e se esforçando para evitar a consumação do declínio. Desde a trágica gestão de Fernando Collor tem faltado patriotismo e seriedade, mas neste momento é preciso entender o que se passa nos bastidores internacionais. Precisamos de união em defesa do país.

O que acontecia até 2014 no Brasil? O governo mirava a reeleição, injetava dinheiro que não tinha e segurava o dólar com swap cambial. Tudo rodava no “toma lá dá cá” entre os poderes. As importações iam bem enquanto a produção permanecia estagnada. Apesar do artificialismo, circulava mais dinheiro. Após a reeleição, com a dívida lá em cima, a fonte secou. Aguerra comercial aumenta a turbulência na economia. O que fazer para produzir e empregar mais?

Onde estavam os congressistas no governo de Dilma Rousseff, do PT? No período entre 2012 e 2017 a dívida incorporou juros em mais de dois trilhões de reais, questão de suma gravidade, mas pouco se falou. Assim a dívida gorda travou tudo e se tornou tão avassaladora que agora os governantes se acham diante de grandes obstáculos para destravar o país para produzir, gerar empregos, melhorar a renda, fortalecer o Brasil. Os principais problemas do atraso: má conduta nas finanças públicas, câmbio valorizado, exportação de empregos, juros elevados e despreparo educacional.

A economia deveria andar independente do governo. O livre mercado é que teria de planejar e produzir, visando atender as necessidades da população. No capitalismo de Estado, o governo exerce forte influência no planejamento da produção. A economia global adentra no túnel escuro para o qual foi direcionada. A máquina chinesa de produzir conta com a estratégia de Estado, não de uma só multinacional, e produz quantidade, qualidade e preço. Competir torna-se uma tarefa muito difícil no grande tabuleiro da globalização.

A guerra comercial deste século é diferente da fria que tinha o confronto ideológico pelo poder mundial como pano de fundo. Na atual guerra morna pelo poder, estão envolvidos fortes interesses econômicos que vão interferindo em todas as atividades e nas relações que envolvem poder e dinheiro. E tudo vai sendo afetado pelas disputas e retaliações. A humanidade adentra num período de gravidade maior do que as anteriores.

Essa situação já vinha de longe, mas não se dava muita atenção; de repente se percebe que o endividamento mundial cresceu muito. A questão da dívida deveria ser solucionada de modo a possibilitar desenvolvimento econômico mais equitativo em oposição à crescente precarização geral resultante do encolhimento da renda. A moeda forte se tornou o objetivo de todos. Países que não conseguiam manter o equilíbrio, caso dos emergentes, tinham de captar em moedas estrangeiras, interferindo na política cambial.

As recorrentes desvalorizações cambiais provocavam crises e recessões. Japão e Coreia do Sul tiveram a visão de que deveriam produzir e exportar como meio de captar a moeda forte. A China, observando tudo, elaborou seu planejamento extraordinário e acumulou fabulosa reserva em dólares, mas a consequência foi a desindustrialização em muitos países, Brasil inclusive, e desemprego. A pergunta é: como consertar esse desequilíbrio?

Nas últimas décadas, vimos no palco da vida um falso jogo de cenas, enquanto nos bastidores os personagens urdiam planos de partilha do butim. Com a expansão dos abusos como coisa normal, rompeu-se a cortina, pondo a descoberto as mazelas tramadas às escondidas, expondo-as para lavagem geral. No mundo ocorre a luta entre os que querem se esconder no abrigo das cortinas e os que desejam abri-las ainda mais. A tendência é que caiam todas as cortinas encobridoras da verdade, mas o que se verá não será bonito, agravado por lutas para manter uma situação que não se sustenta mais. Os homens se digladiam para encobrir a verdade e se manter no poder.

Durante décadas, o Brasil tem caminhado passivamente como massa sem futuro, rumo ao abismo. Bastou a tomada de consciência de que o país é mais do que foi legado, de que os brasileiros são mais do que pão e circo e começou a gritaria contra aqueles que lançam a Luz da Verdade para enxergar o caminho seguro da retidão.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A GRANDE ESTAGNAÇÃO

A economia de um país teria de produzir o suficiente para atender às necessidades de sua população diretamente, ou produzir o suficiente para ter um excedente que permitisse fazer trocas com outros países, sem precisar recorrer a financiamentos para cobrir déficits do comércio. Aí entrou a imaturidade da classe política e a fragilidade do dinheiro próprio no mercado mundial. A globalização colocou na mesma arena o capitalismo de livre mercado e o capitalismo de Estado com poder centralizado, gerando desindustrialização, perda na renda, o que amplia os desequilíbrios existentes. No Brasil, a situação se agrava com o desequilíbrio fiscal e o crescimento da dívida.

Grande parte das operações do capitalismo hoje estão sob a égide do capitalismo de Estado que cria dificuldades e conflitos com o capitalismo ocidental viciado e dominado por forças corruptoras, mas que apesar de tudo enseja alguma liberdade. O problema, como sempre, está no ser humano e sua cobiça por riqueza, poder e desrespeito às leis naturais da Criação.

As empresas, em sua maioria, fazem a contabilidade em dólares, buscando ajustar os preços praticados. Grande parte da classe trabalhadora recebe em reais. Se a taxa de juros Selic aumentar, pode acontecer de a cotação do dólar baixar pela entrada dessa moeda para desfrutar dos juros atraentes. Com isso, simultaneamente, ocorrerá valorização do real, mas essa entrada vai refletir na dívida e aumento da despesa com juros, deixando os importados mais baratos. Também dificultará as exportações, embora haverá o momento de fazer o ajuste e tudo será invertido.

Desde o ciclo do açúcar e café, o comércio exterior no Brasil tem sido negócio para poucos. Atrai divisas, mas não chegou a dinamizar a economia interna. A China tem de alimentar sua população e dar oportunidades, e por isso escolheu a via da exportação de manufaturados, bem-sucedida pelo controle de custos que o ocidente não consegue seguir. O que dirão os economistas do futuro quando analisarem esse pesadelo econômico que está assustando bilhões de pessoas?

Não podemos permitir que a situação desande ainda mais. A economia tem de ser destravada e respeitar as leis da natureza. Um absurdo a poluição dos rios que transportam esgoto pelas cidades. A Baía da Guanabara virou a baía do lixo. Segundo o genial Leonardo da Vinci (1452-1519), nada do que há na Terra ficaria sem ser perseguido e destruído para satisfazer as cobiças por riquezas que serão extraídas das entranhas da Terra, como se fosse o sangue de um organismo, debilitando-a.

Há décadas vemos muitos teóricos opinando sobre educação e preparo das novas gerações para um futuro melhor, mas a decadência geral persiste. Estudar a natureza e suas leis terá de ser a base do estudo da ciência, pois nela se encontram os fundamentos que mostram como tudo funciona, com causas e efeitos bem determinados em amplitude cósmica. Por fim, será também o elo de união do homem com a espiritualidade.

As crianças precisam ser auxiliadas a desenvolver o controle pessoal, observando os próprios impulsos e as emoções, e serem motivadas para aprender. Escrever e fazer contas a lápis são excelentes meios para o desenvolvimento cerebral. Na educação infantil, falta o aprendizado sobre a vida, somos todos peregrinos e devemos nos esforçar para evoluir.

Há tendência de precarização geral, não só no Brasil que conta com mais de 13 milhões sem emprego. Estão surgindo alguns empregos elementares de baixos salários. Há 60 milhões de pessoas enredadas em dívidas. Desindustrialização. Perda na renda. Os desequilíbrios se agudizaram. A dominância da dívida travou tudo. O dinheiro está sumindo, e com a ampliação da austeridade não há alívio para a população.

A economia brasileira não pode continuar estagnada. É preciso produzir, empregar e consumir mais, equilibrar a balança comercial e as contas externas, conter o endividamento estúpido que nada produz e aumenta a carga de juros sobre a população. Devemos melhorar a educação, estabelecer projetos enobrecedores para que os adolescentes não desperdicem seu tempo em discotecas contaminadas por drogas que minam o caráter, enfraquecem a saúde e a nação. É preciso reconhecer que nada surge por acaso. Decair é fácil. Progredir requer esforço. Esse é o Brasil que queremos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O BRASIL E A DÍVIDA

Estamos mais uma vez no buraco, pois deixaram a dívida subir. A arrecadação caiu. Faltam bilhões, sem contar os juros. Está em curso no mundo uma disputa pelo poder financeiro e tecnológico. A especulação financeira continua desenfreada. A China aproveita os fatores favoráveis e vai produzindo e colocando seus produtos no resto do mundo com poucos empregos, trocando-os por dólares, enquanto os outros, Brasil na frente, estão desorientados, brigando escandalosamente pelo poder interno e precisando equilibrar as contas para segurar a dívida irresponsavelmente descontrolada para poder tomar novos empréstimos, pois não podem emitir para não depreciar a moeda.

Os supersalários públicos e as superaposentadorias contêm abusos e privilégios anormais. A queda na renda já afeta o consumo. Aumentar a produção é imperativo. O monetarismo vai colhendo ganhos até onde dá, depois fica sem maiores alternativas para ativar a produção e consumo que requerem atividades úteis e benéficas. Sem produção, a circulação do dinheiro vai perdendo velocidade trazendo estagnação e deterioração.

Há uma nova turbulência, e é na economia que os efeitos se fazem sentir primeiro, mas os efeitos abrangem tudo. Se olharmos atentamente perceberemos que tudo se acha em ebulição no Brasil e no mundo, inclusive a mania de grandeza dos homens que estão demonstrando a completa ausência do bom senso para recuperar o equilíbrio perdido. Mas o destino é implacável com os desatinos. O mundo está se tornando um depósito de esquizofrênicos. Já começa na infância com a falta de conexão com o eu interior. Vai prosseguindo com a falta de propósitos advindos do querer da alma trazendo forte motivação. Está aberto o caminho para o vazio da vida sem sentido, para os transtornos emocionais e uso de drogas.

Na fase atual, tudo acontece aceleradamente, muitas vezes nos pegando de surpresa, gerando ansiedade. Ficar lançando pensamentos de ansiedade a esmo cria um ambiente tenso que vai bloqueando a intuição. É preciso cultivar a serenidade, só assim damos chance para que o espírito possa examinar intuitivamente e nos alertar.

Há muito dinheiro sem ter em que ser aplicado. Os BCs baixam os juros, mas para o pequeno tomador os juros permanecem caros. Nos países em geral caiu a produção de manufaturas e empregos. Os bens importados geram poucos empregos e levam divisas para fora. Cai o salário, afetando o consumo. Juros negativos não conseguem resolver o problema do desequilíbrio na produção. Tudo junto gera a tal de estagnação secular de produção e empregos em rota descendente.

É o fundo do poço. Os serviços dependem da renda auferida pela população em outras atividades. Bancos automatizam. Governo corta tudo. Indústria não sabe o que fazer com a superprodução global em liquidação. Na globalização, como novo mercantilismo, as nações estão produzindo com todos os artifícios visando os mercados externos para trocar manufaturas por dólares. As nações da América do Sul permanecem endividadas e fornecedoras de commodities. Amigos do Brasil seriam os países que viessem investir para aumentar produção e empregos, mas no atual desequilíbrio da economia o mundo vive o salve-se quem puder, como se observa na guerra das tarifas.

A economia brasileira anda mal já faz tempo devido ao artificialismo nos juros, no câmbio, na fragilização da indústria, no preparo da mão de obra. Predominam as falcatruas e corrupção, tudo indo afetar a economia. A bolsa, como em outras regiões, deveria funcionar como plataforma de investimento e desenvolvimento, mas se tornou a mina onde os garimpeiros buscam ouro; funciona como cassino onde o dinheiro esperto cava oportunidades de ganhos.

No mundo globalizado, não basta o simples comércio para a paz democrática. No Brasil, exportamos as montanhas de minério, mas contamos 13 milhões de desempregados. A paz e a democracia deverão ser consolidadas com o equilíbrio econômico e comercial entre os povos. Para competir com China e Coreia do Sul, será que os países terão de impor o 9x9x6, isto é, 72 horas de trabalho por semana sem adicional de hora extra? Muito do comércio mundial tem dado vantagens para uns em prejuízo de outros, o que abriu o caminho para líderes nacionalistas, pois as repúblicas não ofereceram o esperado pela população. O Brasil não deve permanecer sendo tratado como colônia de commodities e permanecer decadente.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A NOVA RECESSÃO MUNDIAL

Nos anos 1980, apesar das crises e dos juros escorchantes da dívida externa, havia produção industrial, empregos e renda; produzia-se para exportar e pagar a dívida. A população era mais otimista e sobrava um dinheirinho para uma pizza no fim de semana. A exploração da classe política no Brasil foi se insurgindo, sugando ao máximo. Argentina e Brasil fizeram as mesmas besteiras achando que com juros altos e dólar barato resolveriam todos os problemas. Gastamos cerca de 400 bilhões de reais de juros ano. Hoje, os dois países estão no buraco, o da Argentina é mais fundo. A indústria perdeu espaço. Asiáticos seguiram produzindo, exportando e fazendo reservas. Com a nova recessão geopolítica tudo vai ficando mais difícil.

A economia e a produção no Brasil estão estagnadas. Nas discussões sobre desemprego e renda desigual a globalização não pode ser posta de lado. Há países que reconhecem a necessidade de estabelecer regras para o trabalho, mas onde há muita pobreza e fome as pessoas trabalham para viver, e se a produção for destinada ao mercado globalizado isso afeta seriamente o trabalho, o que até agora não foi pouco discutido, mas a desindustrialização e a precarização avançam pelo mundo.

Desde os anos 1980, a principal opção econômica do Brasil tem sido a dos juros altos. Acomodaram-se empresários e políticos, estes últimos visando sua permanência no poder. Em recente artigo, Ian Bremmer, cientista político norte-americano, fala da recessão geopolítica mundial que envolve a luta pelo poder no controle da riqueza financeira e física, que afeta países como o Brasil que já vinham perdendo terreno na indústria.

A estagnação freia o consumo. Asiáticos produzem muito, para converter sua mercadoria em dólares baixam preços; os emergentes ficam sem ação: o que produzir além de matérias primas, que podem entrar em ciclo de baixa, e comida? Adentramos nesse ciclo de conflitos comerciais que freiam avanços na economia e na melhora das condições gerais de vida. Quais seriam os efeitos da manutenção das atuais taxas de juros americanos? E de sua elevação ou redução?

Para o que a civilização do dinheiro está olhando? Como sempre, para o dinheiro. O Brasil tem cometido muitos erros contra a sustentabilidade da natureza. Desmatamento, poluição dos rios e mares, falta de saneamento e tratamento do esgoto, uso de inseticidas e pesticidas nocivos que matam lavradores e abelhas, tudo prejudicial. Montanhas de minérios do Brasil têm sido arrasadas para exportar commodities a preços vis, exploradas por empresas e fundos de investimentos mundiais que visam e desfrute sem maiores cuidados, como aconteceu em Mariana e Brumadinho, e nada falaram. O que eles pensam do Brasil e sua população?

A crise da humanidade antecede a crise da democracia. Se a humanidade tivesse se mantido firme no propósito do direito de evolução de todos os povos, a história mostraria justiça e não haveria esse cenário caótico de imigrações e refugiados pelo mundo. Os homens fortes no poder se espalham desde a Rússia e China e vários países. No Brasil, apesar de o Estado ter sido aparelhado, em 2018 tivemos eleições livres e a população fez a sua escolha. Legislativo e Judiciário funcionam com autonomia. Faltam seriedade e união por um Brasil melhor.

A juventude ansiava conhecer as causas do sofrimento e miséria existentes na Terra. Os jovens nascidos no século 21 estão com baixa resiliência para lidar com os problemas e crescentes dificuldades da vida, caindo facilmente em depressão. Com muitas informações, o mundo se tornou objetivo, só com exterioridades. Sem introspecção não há aprofundamento.

Como motivar os alunos ao fortalecimento do querer saber? Aos seres humanos em geral falta a visão do significado da vida e suas leis naturais, em nossos dias mais ainda. A solução não está no ensino de religião com seus dogmas e regras. Os jovens deveriam ser instigados a conhecer o verdadeiro significado da vida, sua origem e finalidades, pois as leis da Criação jamais poderão ser burladas impunemente. O ser humano é criatura espiritual que tem a livre resolução: pode contribuir para a melhora geral das condições de vida no planeta, ou dar espaço ao querer egoístico para satisfazer sua vaidade e cobiça de poder, mas terá de arcar com as consequências.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS GOVERNOS E O CAOS MUNDIAL

No século 21, a economia vive a difícil corrida do PIB, mas o aumento não significa obrigatoriamente que haverá melhora nas condições de vida da população. No Brasil provavelmente haveria, pois o PIB estagnou desde quando a indústria foi perdendo fôlego. Vivemos o artificialismo da economia, as condições de vida são precárias e mesmo com alguma melhora na produção de bens e serviços vai demorar para que se notem benefícios efetivos no Brasil.

Os governos deveriam promover a melhora da qualidade de vida, mas ingressaram na corda bamba financeira e nada conseguem realizar apesar dos recursos naturais disponíveis, pois a civilização do dinheiro só leva em conta a existência de dinheiro – no caso, o dinheiro mundial e sua instável cotação -, pois as moedas nacionais não são pouco respeitadas, como na Argentina e Brasil. Tudo fica travado e nada se consegue realizar apesar da existência de recursos materiais e muita mão de obra ociosa.

O país se mantinha desorientado, Castro e Guevara faziam a cabeça dos jovens que se aborreciam com a miséria do Brasil em confronto com o modo de vida das famílias americanas mostrado nos cinemas. Após 1964, a economia continuou sendo regrada por oportunistas que só pensavam no futuro próprio.

Governantes irresponsáveis, sem o menor tino econômico-financeiro, movidos pelo desejo de se perpetuar no poder, assediados pelos banqueiros que tinham muito dinheiro para aplicar, e deu nisso. Não é só a Argentina que enfrenta dificuldades, também o Brasil e tantos outros enredados nas malhas das dívidas contraídas irresponsavelmente e que agora forçam o corte na carne para salvar o capital acrescido dos juros abusivos.

A partir dos anos 1980, o Brasil se tornou grande pagador de juros, o que prosseguiu na nova república, no Plano Real e nos tempos do PT agravado com corrupção e dívida grandes. Com o país endividado, desindustrialização e ameaça de recessão global o que o país pode fazer?

As novas gerações precisam de estímulos e propósitos enobrecedores, mormente partindo de instituições que representam o país. Chega de achincalhe do país, da bandeira, do hino nacional, dos jovens. No Brasil, temos o grave problema secular da falta de empenho geral na consolidação de um país livre, na ausência de uma população bem preparada para a vida, que gosta de se divertir.

Com a falta de seriedade e autoestima, as pessoas são incentivadas a deixar rolar para ver como fica. Não há metas nem planos perseverantes, tudo declina continuadamente. Temos permitido abusos, estagnação e declínio – o voo de galinha deste país repleto de potencialidades. As pessoas que vivem no Brasil deveriam ser incentivadas a pensar com otimismo no bem geral, em querer um país melhor.

O Brasil está combalido após décadas de juros elevados e gestão irresponsável. Fala-se que em 2020 a taxa de juros terá aumento. Terminou a eleição, ficaram definidos os cargos, hora de estabilizar o país. Se o Brasil desandar agora, tudo se complicará mais ainda nesta fase em que os poderes mundiais buscam definir quem manda no mundo. No meio dessa disputa também estão os cobiçados recursos naturais brasileiros.

A globalização e a concentração da produção de manufaturas já causaram forte impacto nos empregos. Yuval Harari, professor israelense de História, prevê que a Inteligência Artificial virá para impactar ainda mais. Ademais, a “financeirização” da economia, a falta de competência dos estadistas, a corrupção e o despreparo de grande parte da população emperraram as engrenagens das economias internas, passando tudo a girar em função do mercado externo onde circula a moeda global. Quem só dispõe de commodities enfrentará mais problemas.

O Brasil vive um pesadelo. Há 63 milhões de pessoas penduradas no Serviço de Proteção ao Crédito, além de 13 milhões sem emprego. Produção estagnada. Consequência de décadas de gestão interesseira e sem patriotismo e a população sendo insuflada de forma conflituosa. Se a humanidade tivesse se mantido firme no propósito de assegurar o direito de evolução de todos os povos de forma equilibrada, a história mostraria justiça e não haveria esse cenário caótico de imigrações e refugiados pelo mundo. Falta união por um Brasil melhor. Hora de enfrentar as causas reais da decadência e unir o país na superação do caos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS ANOS 1960 NO BRASIL

Naqueles anos da década da 1960 eu era estudante na Universidade de São Paulo (USP), também descontente com a situação do povo brasileiro e com as interferências e dominação externa. Com a inquietação da juventude, eu queria conhecer as causas do sofrimento e miséria existentes na Terra. As leis da Criação jamais poderão ser burladas impunemente. O ser humano tem a livre resolução: pode contribuir para a melhora geral das condições de vida no planeta, ou dá espaço ao seu querer egoístico para satisfazer sua vaidade e cobiça de poder, mas terá de arcar com as consequências.

O grande impacto na vida veio a partir do século 20 através da ascensão do dinheiro papel, ou de quem detém o seu controle. Uma ideia bem ao estilo de Machiavel, trabalhada por séculos para criar a mercadoria das mercadorias desejada por todos. O cenário nos anos pós-guerra era de confronto violento de ideias entre os adeptos do Capitalismo, Socialismo e Igreja, por vezes velado, por vezes ostensivo.

Numa reunião com o pessoal do centro acadêmico, votei contra a proposta de greve, pois lá estávamos estudando sem pagar, com professores de valor, e propunham greve só para bagunçar. Fui vaiado e atacado moralmente pelo farisaísmo mal disfarçado de seres humanos que só aparentam estar do lado do bem geral, mas não fortalecem a boa vontade, apenas o confronto e ódio mútuo. Estava tudo preparado para a tomada do poder. Inspirados por Castro, Guevara e Vandré davam o tom.

Apesar de vários erros, o futuro dirá que o sol da liberdade permaneceu raiando no horizonte do Brasil, embora muitos seres humanos não souberam aproveitar. E perguntamos, como está a liberdade na Venezuela, em Cuba, na Rússia ou China?

Pesquisar as causas profundas da miséria é dever de todo ser humano. O mundo vive uma fase difícil na qual se evidenciam as consequências do acúmulo dos erros e dos falsos conceitos sobre o significado da vida. Há toda uma plataforma que vem destruindo o caráter das novas gerações há muitas décadas, tudo revestido de modernismo e falso amor. Mesmo sabendo da grande decadência geral, tem dias que ela parece mais gritante e difícil de sanear porque por todos os lados vemos incompreensíveis baixarias. Para que pudéssemos entender a realidade, Roselis von Sass nos ofereceu valiosos esclarecimentos como no livro O Juízo Final.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

GARIMPEIROS DESCARADOS

Há dois mil anos os romanos eram os grandes garimpeiros de riquezas e de escravos para o Império. Séculos depois foram os europeus, na América e na África. Com a evolução vieram os americanos e os russos; enquanto isso, a miséria e despreparo iam crescendo. Religião, ideologias, invasão cultural, tudo camuflando o objetivo de extrair proveito. Agora a China entra em cena buscando matérias-primas e mercados para seu plano de expansão, mas em meio ao desarranjo global prevalece o imediatismo e a obtenção de vantagens, enquanto a humanidade vai desperdiçando o precioso tempo recebido para evoluir.

Que espécie de ser humano aceitaria escravizar o próximo para obter ganhos retirando-lhe a possibilidade de livre resolução, obrigando-o a trabalhar? Quando o homem chega a esse limite isso significa que muito de sua espécie foi perdido, então que tipo de mundo se poderia esperar? E daí caminha-se para pior enquanto esse erro não for reconhecido e combatido.

No século 21, estão se tornando evidentes os efeitos da falta de consideração e solidariedade, que se vão revelando no aumento da miséria pelo mundo. A grande festa do Natal deveria ter sido fonte de Renovação e Transformação dos humanos em seres, realmente, humanos! A tragédia da humanidade tem a ver com a ausência dessa disposição. Tudo o que se refere a Jesus Cristo e sua missão foi trivializado, deturpado e modificado.

Por toda parte falta o desenvolvimento humano; estamos chegando ao limite do embrutecimento, pois não há conscientização e bom preparo da população para que saiamos do marasmo e alcancemos a progressiva evolução humana de forma continuada. Os povos precisam da paz e solidariedade para evoluir, reconhecendo e observando as leis naturais da Criação!

Desapontada com o aperto, a população está inconformada diante do descaramento de indivíduos imbuídos de autoridade para gerir a nação. A tarefa dos eleitos é proteger e defender a cidade para que ela se torne o lar dos seres humanos que a habitam e, consequentemente, também devem zelar pela boa conservação. O mesmo deveria se aplicar aos estados e países, pois se não tiver dirigentes dispostos a agir em defesa dos interesses da população, quem o fará? Passam por cima de tudo e de todos para atingir seus objetivos, o resto se torna secundário, inclusive a estagnação e decadência de povos inteiros. Não se trata de Estado babá, mas de Estado com liberdade e responsabilidade, com garantia de propriedade, gerido por estadistas sérios que visam o bem e a melhora geral da qualidade de vida e do nível cultural sem se corromperem diante de interesses particulares.

Nada mais difícil de equacionar do que a economia neste tempo em que governantes pouco podem decidir. As decisões são tomadas pelas grandes corporações de acordo com os seus objetivos e pelos fazedores de dinheiro. A China ganhou força expressiva com sua usina faz-tudo, mas se o consumo mundial cai, essa força também fica amarrada. A economia mundial está desequilibrada.
No Brasil há fragilização da produção industrial, o estúpido endividamento e o descuido no preparo das novas gerações. O desequilíbrio na economia e a indolência daqueles que esperam tudo de bandeja levaram à estagnação. Como despertar o gigante adormecido?

A tendência do dinheiro é crescer continuamente indo além das emissões monetárias, o que acarreta inflação, isto é, depreciação da moeda e aumento de preços, e desordem financeira. Então surgiram os mecanismos para enxugar o excesso de dinheiro em circulação. Com o aumento da cobiça por riqueza e poder vieram a decadência e o açambarcamento das riquezas da natureza.

De longa data, estagnação e pobreza afetam a vida, pois os humanos em sua trajetória deixaram de buscar o conhecimento e integração com as leis da natureza para extrair todo o necessário e suficiente para o seu sustento e terem uma vida digna com finalidades nobres.

Evidentemente o bom preparo da população e definição de metas para promover a continuada melhora das condições contribuiriam para impedir a instalação da pobreza e miséria. Mas o aprimoramento da espécie não tem sido o alvo prioritário da humanidade. A produção deveria acompanhar a progressão natural, acompanhando o crescimento da população. Respeitando as leis da natureza e buscando a espiritualização os humanos alcançariam a prosperidade sem a miséria degradante.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PROBLEMAS BRASILEIROS

Enquanto o drama do mundo é a cobiça de poder, o problema do Brasil é a falta de estadistas sinceros, leais, sábios, patriotas que busquem o melhor para o fortalecimento da população e da qualidade de vida. Os falsos estadistas continuam se digladiando para ver quem manda mais, quem fica com o pedaço mais suculento e, com isso, o futuro vai ficando ameaçado. As novas gerações precisam de bom preparo para a sua responsabilidade para não perder a esperança. Mas, afinal, como foi que o Brasil e o mundo chegaram a esse momento caótico na convivência pacífica e na economia que a tudo constrange?

A sociedade fragmentou-se. Faltam propósitos enobrecedores e coesão na busca da melhora. A divisão do trabalho é importante e necessária para aumentar a produtividade, mas acabou criando tarefas repetitivas que contribuem para inibir a criatividade e o aprendizado das inovações. Tarefas repetitivas deverão ser entregues aos robôs. O ser humano precisa de leitura, flexibilidade, projetos de melhora geral e de aprimoramento pessoal. A educação tem que promover tudo isso.

O amigo leal dos seres humanos é o bom livro. Através dele, cresce a imaginação e a capacidade de refletir intuitivamente, isto é, a conexão com o eu interior, aspectos que diferenciam o homem da máquina. Com o advento da eletrônica e informática, cinema, TV, internet, vídeo, divisão extrema do trabalho e redução de empregos, a monotonia foi tomando conta da vida. Vive-se o dia a dia sem entusiasmo. Para muitas pessoas, conectar-se à rede se tornou meio de fugir do vazio da vida.

A realidade brasileira é brutal, em permanente crise com pequenos intervalos de alguma melhora, com dívida elevada que se formou com desmandos, juros e perdas cambiais. O dinheiro público tem sido mal administrado com enormes desperdícios e desvios. Um país rico em recursos naturais, mas economicamente pobre com poucas oportunidades de empregos e boa educação. Fazem falta bons estadistas e melhor preparo da população.

Precisamos de produção, trabalho, consumo adequado. Na China, foi usado ópio para obter riqueza e promover a fragilização; no Brasil, nem foi possibilitado o fortalecimento da população para construir um país de vida condigna. A droga chegou logo. Precisamos de uma geração forte, bem preparada para a vida, disposta a empregar o melhor de si para alcançar um futuro melhor.

Os jovens precisam aprender a refletir e a liberar a ampla visão intuitiva. Desde cedo as crianças devem ser orientadas para a importância do aprendizado, do trabalho e da busca do significado da vida. Quem somos nós? O que é o planeta onde vivemos? Como ele possibilita a vida? Tudo segue o ritmo das leis da Criação.

Como fruto do desequilíbrio geral está ressurgindo, de forma preocupante, a questão da imigração de refugiados, principalmente porque nenhuma entidade mundial está tomando medidas disciplinadoras, enquanto países que já contam com muitos problemas internos se veem diante de invasão não prevista e sem meios para dar uma solução apropriada.
O desequilibrado sistema internacional de relações entre os povos tem se mantido da mesma forma num mundo em que os mais fracos não tinham como discordar do ganho de uns com perdas de outros, o que veio a ser reforçado pela globalização. Quando as relações entre os povos são feitas sem equilíbrio, o desarranjo é inevitável, mas às vezes isso demora a aparecer. Se o mundo quer paz, está na hora de restabelecer o equilíbrio para obter o progresso geral.

Com a eclosão das transformações econômicas, a hegemonia do dólar passa a ser pressionada. Haverá troca de moeda global ou conviverão duas delas? O que o Brasil precisa fazer diante do agravamento da guerra comercial? Se exportar menos, vai dispor de menos dólares e reduzir importações. O que dizem os governantes sobre essa situação da economia? Haja Luz e Paz sobre o Brasil para que possa progredir de fato.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7