Posts

PARA ONDE VAI O BRASIL?

Ao longo da história econômica percebe-se a importância da economia aberta e privatizada, mas como o capitalismo baseado nesses moldes poderá se colocar diante do capitalismo de economia estatizada, com planejamento centralizado e produção em larga escala para exportar com preços imbatíveis? Grande geoeconomia! Sem depender de outros países, a China construiu sua independência financeira e avançou na tecnologia. Como preparar as novas gerações, produzir, dar trabalho, renda e consumo e gerar divisas para pagar as importações?

É preciso conhecer os problemas que mantiveram a educação em declínio no Brasil e que a partir de agora haja empenho na restauração desde a escola infantil onde as crianças deveriam aprender a observar como a natureza funciona. Os jovens precisam conhecer a natureza e seus mecanismos; as disciplinas de física e química estão ligadas a isso. Também é importante conhecer a história real e os desvios da humanidade em sua trajetória ascendente que deveria levar ao aprimoramento. Encher a cabeça com ideologias e teorias, em nada vai ajudar os jovens a se tornarem fortes para ajudar a si mesmos e ao país.

O futuro do Brasil e da humanidade depende da boa educação infantil e do bom preparo das novas gerações para a vida! Precisamos de uma campanha forte para introduzir o estudo da natureza no ensino básico, o que dará aos jovens a capacidade de pensar com clareza, escolher, comparar, ter criatividade, raciocinar com lucidez, divergir e, sobretudo, aprender.

O Brasil está atravessando uma fase de apagão mental e espiritual porque as pessoas, em geral, não se preocupam com seus próprios pensamentos e, com isso, agem de forma confusa e sem clareza na solução dos problemas. Isso é alarmante, ainda mais se considerarmos que não tem havido a preocupação de ensinar às novas gerações como raciocinar com lucidez.

Nas gerações anteriores, o cerebelo, embora enfraquecido, atuava com mais presença enviando as intuições do espírito (também conhecido como alma ou coração) para o cérebro, onde se formam os pensamentos. Com o passar do tempo, o coração foi emudecendo, colocando a metafisica (o interesse de ir além do mundo material para encontrar respostas sobre a vida e as leis que a regem) de lado, prevalecendo a frieza do intelecto restrito ao mundo material, e com isso as inovações tecnológicas foram se afastando do coração, ficando o indivíduo mais sujeito a influências externas via cérebro.

É preciso força de vontade e análise intuitiva feita com simplicidade, clareza e naturalidade para combater e impedir a influência externa nociva que, cada vez mais, encontra aberta a porta do cérebro sem a barreira da intuição – o eu interior.

O país jogou fora dinheiro por décadas. Políticas econômicas inadequadas, corrupção, obras inúteis, obras inacabadas, juros elevados de até 25%. Está tudo no limite. O que poderia ter demanda reduzida em modo restritivo? Energia elétrica, combustíveis, remédios, comida? Gastos públicos supérfluos?

O Brasil precisa entrar no rumo certo. Chega do imediatismo secular que tem caracterizado a administração pública. O gasto do dinheiro público deve promover o progresso real. Os países têm sido geridos com desvios e desequilíbrio geral, nas contas internas, nas contas externas e na balança comercial. Apagão mental, perda do bom senso. Durante décadas temos sido expostos ao pior negativismo. A questão do trabalho informal é preocupante em virtude das condições precárias em que vivem as pessoas com renda baixa e incerta e pouco preparo para a vida.

Agora enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do subdesenvolvimento. Faltam estadistas sérios e melhor preparo das novas gerações para conduzir o Brasil ao lugar que lhe cabe. No entanto, o presente é consequência de ações passadas e sem mudança do querer para o bem, a colheita é irrevogável. Durante décadas temos sido expostos ao pior negativismo e a governantes entreguistas perdulários. Basta de críticas destrutivas; precisamos de união visando a construção de um país em que a vida seja digna.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

7 DE SETEMBRO DE 2021

Em homenagem a Maria Leopoldina, José Bonifácio e Pedro I, o “7 de setembro” é oportunidade ideal para mobilização social e patriótica para combater a depravação política, social e econômica em que o Brasil foi lançado por pseudoestadistas que permanecem atrelados a poderosos interesses externos que visam usurpar a autonomia conquistada em 1822, em prejuízo da nação e sua população. Aqueles que se posicionaram como donos do Brasil, agindo como entreguistas dos recursos naturais e do mercado, não suportam a ideia de que o país possa ser governado em função dos interesses da nação e de sua população, e vão espalhando mentiras por todos os lados.

Em sua carta testamento, Getúlio Vargas bem expressou a sua angústia por não ter alcançado seus objetivos de governo. “Levo o pesar de não haver podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia. A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa. Acrescente-se a fraqueza de amigos que não me defenderam nas posições que ocupavam, a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês e a insensibilidade moral de sicários que entreguei à justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país, contra a minha pessoa.”

O mundo necessita de pessoas capacitadas para encontrar soluções inovadoras para problemas complexos, isto é, pessoas que tenham a capacidade intuitiva em funcionamento, pois só ela possibilita a visão ampla dos acontecimentos através da construção de cenários que permitam visualizar soluções. Mas isso está faltando na atual crise, dada a ausência de propósitos enobrecedores visando o bem geral e aprimoramento da sociedade. O período da pandemia deveria ter produzido um melhor entendimento entre as pessoas, mas parece que em muitos casos está piorando. A vida é maravilhosa, mas os seres humanos se afastaram do real significado da vida, passando a ter uma existência mecânica sem a participação da alma, e nada mais é como deveria ser.

Há muitas controvérsias sobre a vacina e não podemos ignorar os “vai e vem” nas explicações. Eram necessárias duas doses, agora se fala na terceira, aumentando o faturamento e a ansiedade. Todavia, se o mundo todo está recebendo as vacinas, por que ficar atacando esse ponto? O foco deveria estar dirigido para o aprimoramento da espécie humana, decadente e corrupta, que fez do viver na Terra uma luta ignóbil.

Em sentido figurado, o mundo está pegando fogo. É muito difícil modificar a rota dos acontecimentos caóticos que se precipitam sobre a humanidade. As trevas interferem em tudo e dominam muitas pessoas revoltadas, descontentes com o próprio destino que foi originado por elas mesmas, e do qual só poderiam se desvencilhar se, cientes disso, passassem a agir querendo e sempre buscando o bem e a Luz da Verdade, confiantes que as leis da Criação, a Vontade do Criador, enviará a força restauradora para restabelecer a paz e a felicidade.

No capitalismo ocidental faltou vontade e preparo para manter sadias a sociedade, a política e a economia. A humanidade criou a grande tragédia ao não conseguir viver em pacífico progresso, pois para satisfazer as próprias cobiças foi causando sofrimentos a outros, contrariando o fundamental ensinamento de vida ofertado por Jesus.

Nestes tempos sombrios, vale lembrar o Dia do Soldado, comemorado no Brasil no dia 25 de agosto em homenagem ao nascimento do Marechal Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias (25.08.1803/ 07.05.1880), patrono do Exército Brasileiro, que se tornou conhecido como “o pacificador” após sufocar muitas rebeliões contra o Império. Em 2021, o Brasil enfrenta crise de poder; os inimigos do país se voltam contra assim como ocorreu naquela época, com oposição à independência da colônia.

Grande parte das pessoas que vive no Brasil recebeu pouco preparo e foi afastada da nacionalidade. Com isso, o país nunca se tornou aquilo que poderia e deveria ser, uma Terra de Vera Cruz, ou seja, da Cruz da Verdade, aquela avistada no céu por Cabral em abril do ano de 1.500. E o ano de 2022 assinalará o simbólico bicentenário da independência do Brasil.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

RUMOS DA ECONOMIA

Em 1944, no final da Segunda Guerra Mundial, 45 países assinaram o acordo de Breton Woods consolidando o sistema financeiro regido pelo dólar que passaria a ter controle de boa parte da economia mundial e da distribuição de capitais pelo mundo. Para assegurar a adesão das sensíveis nações europeias foi adotada a paridade e conversibilidade em ouro, a qual foi rompida em 1971 conjuntamente com a desvalorização do dólar, causando forte impacto, pois o crédito havia ampliado a oferta da moeda tornando o acordo insustentável. A prosperidade do pós-guerra estava estagnando, surgindo inflação e desemprego. Ainda nos anos 1970, o super aumento do preço do petróleo revolucionou a economia e o sistema monetário.

O princípio do desenvolvimento equilibrado inclusivo e sustentável entre os povos foi posto de lado, tendo sido substituído por uma velada economia do salve-se quem puder pegando em cheio os militares que governavam o Brasil. O sistema monetário internacional tinha de levar a isso, face ao artificialismo em que se desenvolveu, fazendo com que os produtores de petróleo elevassem o preço do barril de US$7,00 para US$70,00, levando o Brasil a implantar o Proálcool.

Com o aumento do preço do petróleo, as pressões dos sindicatos por reajuste de salários e a desestruturação da produção, surgiu uma grande inflação nos anos 1970, gerando uma progressiva complicação econômica. Diz-se que se o governo emite e põe o dinheiro em circulação gera inflação, mas não ocorre a mesma coisa quando emite dívida? O importante é que haja produção para atender ao consumo, empregos e renda.

O endividamento em dólar disparou, as taxas de juros também. Tudo isso foi criando ambiente favorável ao crescimento da inflação; produzir se tornou mais custoso; havia desemprego e perda de renda freando a economia. A inflação acabou sendo dominada com austeridade, juros elevados, dolarização e importações, posto que a China passou a integrar elevado contingente de mão de obra de menor custo na produção de manufaturas.

Os ganhos foram superando os investimentos em produção e gastos em infraestrutura gerando grande massa de liquidez especulativa, sem ter em que aplicar. O keinesianismo queria impedir o caos transferindo a responsabilidade de investir para o governo, o que acabou não dando certo. A China criou o capitalismo de Estado e, com a globalização, a OMC deu a ela o status de país parceiro do capitalismo de livre mercado exportando os seus manufaturados para todos os lados. E tudo foi se encaminhando para esse caos econômico que inclui desemprego, endividamento alto, desequilíbrio geral.

Muitos países como o Brasil não conseguiram sustentar mais a sua moeda em relação ao dólar com juros elevados, encarecendo os importados. O futuro tende a ser mais severo, com limitação dos recursos naturais e geoeconomia agressiva. Haverá dinheiro sobrando e miséria aumentando.

Com o deslocamento da produção para a Ásia, a economia americana criou um vazio. O “made in” se tornou o ponto crítico na produção mundial. Países que privilegiaram as importações, incluindo o câmbio valorizado, perceberam que se fragilizaram. O novo acordo comercial promovido pela China é um fato natural, já que a Ásia abriga mais de 60% da população mundial e o capitalismo de estado criou nova forma de produzir e comercializar. A questão é, qual moeda será empregada nas relações.

“Os países desenvolvidos podem se dar ao luxo de fornecer um enorme alívio para as suas sociedades, e estão fazendo isso, mas o mundo em desenvolvimento está à beira da ruína financeira e da crescente pobreza, fome e sofrimento indizível”, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, na reunião do G-20.

O Brasil precisa entrar no rumo certo. O gasto do dinheiro público deve promover o progresso real. Os países têm sido geridos com desvios e desequilíbrio geral, nas contas internas, externas e na balança comercial. Agora enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do atraso. Faltam estadistas sábios e melhor preparo das novas gerações para conduzir o Brasil ao lugar que lhe cabe. O presente é consequência das ações passadas e, sem mudança do querer para o bem, a colheita da mesma espécie será inexorável.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A PRÓXIMA JOGADA

O mundo se defronta com uma deplorável situação na natureza, na economia, na educação. Em vez de evoluir, a espécie humana está decaindo e poucos enxergam essa realidade, optando por um viver de ilusões e procurando a falsa felicidade. Tudo se baseia no cérebro, o sistema neural, como se ele fosse o núcleo da vida, mas não é; é uma das mais sensacionais criações no mundo material, mas o que vivifica o corpo é o espírito. O cérebro pode criar o sentimentalismo e a fantasia, ser influenciado por alucinógenos, ou por cobiças, mas sem a energia do espírito, se decompõe em pouco tempo.

O Brasil pagou dívida externa emitindo e inflacionando; combateu a inflação com dólar tabelado, fragilizou a indústria, exportou empregos, aumentou a dívida, e agora na pandemia tem de subsidiar a população. Os EUA também, mas têm como diferencial o dólar, mas estão dando subsídios e realizando reformas na infraestrutura porque desistiram de fabricar, e estão buscando os avanços na tecnologia, o que no Brasil parou de evoluir junto com as fábricas fechadas. O que os brasileiros fizeram com o seu país?

O ocidente acobertou a inflação, tabelando o preço do dólar, deixando as indústrias minguar e eliminar empregos. A China deu ênfase na produção visando exportar com preço baixo em dólar, gerando efeito dinâmico na economia. Na crise, o ocidente só tem a opção de subsidiar os consumidores e aumentar a dívida, mas isso representa o aumento de procura que a China precisa para reativar sua grande fábrica e prosseguir capitalizando. O que deveria ser feito para reequilibrar a economia?

A economia real já vinha dando mostras de estresse e desequilíbrio. Em visita a São Paulo, em abril de 2014, o ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, fez uma advertência não só ao Brasil, mas também a outros emergentes: “O modelo econômico baseado em produção de bens que a China já produz não é mais sustentável”. Então o que fazer para alcançar sustentabilidade? Produzir o quê para evitar a precarização e desequilíbrio geral?

Não há mais equilíbrio entre os seres humanos, apenas busca de vantagens. O Brasil e o mundo enfrentam um problema super grave e os “caras” ficam procurando pelo em ovo como no tribunal de Pilatos e da inquisição? Em vez de ficarem espalhando venenos, deveriam trabalhar pelo Brasil e pelo aprimoramento da espécie humana.

O Estado foi inchando. Obras superfaturadas. Dívidas aumentando. Reserva em dólares baixando. Não há responsabilidade com o futuro e as novas gerações. Déficits internos e externos. As contas estouram. O crédito foi uma boa invenção para promover o desenvolvimento. O sistema levou séculos para chegar à forma atual. Poder e dinheiro desumanizaram a vida, eliminando os alvos elevados de aprimoramento, gerando decadência geral. Não há boa vontade. Mercado e Estado se afastaram do humanismo, do real objetivo da vida. É necessário combater a criminalidade.

Os cidadãos devem buscar o bom preparo para a vida, fortalecer as novas gerações, participar da condução das atividades humanas. Criou-se o liberalismo, a não intervenção do Estado. Os gananciosos foram ocultamente assumindo o controle, impondo rumos benéficos aos seus interesses visando absorver os fluxos de dinheiro do Estado. Outros diziam que o excesso de individualismo deu oportunidade para o avanço da ganância e concentração do poder, e por isso queriam maior influência do Estado. No extremo, surgiu o capitalismo de Estado que impõe os rumos, controla os fatores essenciais visando o acúmulo de capitais.

No geral, os cidadãos se tornaram indolentes sem bom preparo para a vida, presas fáceis do pão e circo. Agora chegamos ao desequilíbrio geral na economia, dívida pública, população elevada, limitação de recursos naturais, insatisfação social. Qual será a próxima jogada nesse complicado tabuleiro?

Há uma forte efervescência no mundo. No Brasil, ela é particularmente mais grave devido à displicência, indisciplina, falta de esforço em trabalho dedicado. Em grande parte da história, os governantes não cuidaram do desenvolvimento e fortalecimento da população, ensejando melhor preparo e melhores condições de vida. Todos tiveram oportunidades de agir e contribuir, muitos falharam levados pelas cobiças. Sabotadores, falsos líderes e corruptos atrasaram a nação e o povo em seu desenvolvimento consentâneo com as leis naturais da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O BRASIL COMPLETA 521 ANOS

O aniversariante é o Brasil, descoberto no dia 22 de abril de 1500, e que este mês completa 521 anos, embora ainda não tenha adquirido a idade adulta uma vez que seus políticos agem como crianças mal-educadas que se utilizam de todos os meios para levar vantagens. Dizem que o Brasil está no inferno astral que atrai todo o negativismo de pessoas maldosas, e é o que a sua população está passando com todo tipo de ataque para desestruturar a nação na economia, nos empregos, na administração pública. Mas dizem também que no aniversário chegam forças renovadoras vindas do Sol.  Que venham forças de Luz para limpar toda imundice, fortalecendo aqueles que querem o bem, a melhora das condições gerais de vida, e o aprimoramento da espécie humana.

Brasil, pátria amada sempre, a despeito dos ingratos, dos corruptos que só pensam em si, dos alienígenas que só cobiçam as riquezas pouco se importando com a boa formação dos jovens; dos que fomentam a ruína, a miséria espiritual e material. A situação regrediu tanto que o político que rejeita a corrupção é tido como tão louco como o cara que queima nota de duzentos reais. Por que não fazem um balanço das realizações atuais, comparando-as com as dificuldades de agora e a situação dos antecessores? É esse resultado que deve ser submetido a julgamento, pois o país possui as riquezas que todos querem, podendo se tornar autossuficiente e ajudar o mundo.

Os seres humanos, em geral, estão perdendo a compostura, mas a cobiça de poder dos políticos os faz descer até às sombras do inferno para fazer essas pessoas colocarem o ódio acima de tudo. Falta objetividade, seriedade e amor à Pátria. Lembra aqueles cafajestes que atacavam a Imperatriz Leopoldina que queria libertar o Brasil.

Para favorecer a paz duradoura é imprescindível que a educação promova a busca do aprimoramento pessoal e espiritual continuadamente, para que os estudantes se tornem seres humanos de qualidade e que tenham consideração sincera pelo próximo, buscando a continuada melhora nas condições gerais de vida.

O Brasil, sempre explorado pelo colonialismo, poderia ter sido a Cuba da América do Sul. As grandes obras foram implantadas por Getúlio Vargas e pelos militares, mas estes caíram na armadilha da dívida externa, e devolveram o poder aos civis. Com suor e precarização, a dívida externa foi paga com muita emissão da moeda brasileira para comprar os dólares dos exportadores, gerando a grande inflação debelada com âncora cambial e juros altos, e importados que fechavam as fábricas. Em vez de investir na produção, formação de professores e hospitais, foram construídos estádios de futebol. A corrupção tomou conta do dinheiro público. Em 2018, a dívida já travava tudo novamente, alcançando R$ 3,9 trilhões. A dívida e a pandemia travaram tudo, mas agora se procura um bode expiatório.

De fato pode-se afirmar que houve um vacilo geral quanto ao avanço da pandemia. Vários pesquisadores haviam lançado alerta para isso, mas houve uma pasmaceira e nada foi feito para fortalecer a imunidade, mormente da população carente que é a grande maioria. O que as famílias querem é trabalho e emprego com sustentabilidade, que possibilite organizar a vida familiar, com saúde e bom preparo para a vida; isso é fundamental. Os governos têm de incentivar campanhas de aprimoramento da espécie humana e eliminar a tenebrosa prática do pão e circo que anula as individualidades.

Então a pandemia pegou o Brasil em cheio e outros países, e não quer ir embora. O povo, enganado por autoridades corruptas, não sabe mais o que fazer para continuar vivendo. A pandemia é uma ameaça; sem poder trabalhar, a fome é outra. A pandemia mostrou as deficiências da globalização; os superficialismos no consumo; a insensatez na economia e política. Os aproveitadores estão esperando que tudo volte ao velho normal, alguns enriquecendo e muitos empobrecendo sem preparo para a vida. Perda geral da essência humana.

A hora é de levantar a cabeça e olhar para o Alto! Há forte pressão para que as pessoas mantenham o olhar para baixo, para coisas mesquinhas. É preciso força de vontade para que a humanidade alcance a condição verdadeiramente humana, construindo e beneficiando tudo ao seu redor.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

HERANÇA MALDITA

Os governantes do Brasil fizeram a opção de consumo e aumento das dívidas, deixando a produção de lado, criando uma falsa ideia de prosperidade. Enquanto o ocidente permanecia inflando o crédito e as bolhas, a China e os asiáticos faziam o oposto; poupavam, produziam e exportavam seus produtos para o ocidente aumentando suas reservas. Enquanto isso, o ocidente ampliava as dívidas até onde não deu mais, criando, assim, uma economia antinatural que consumia sem produzir, resultando em dívidas, crises e desemprego, pois criar dinheiro, crédito e consumo acaba exaurindo a economia real. Mas quando chega a hora da verdade, não há como deter o declínio geral.

A dívida tem sido a mais perigosa armadilha para indivíduos e países, pois ela acaba travando o futuro, acorrentando os devedores que têm de fazer enormes sacrifícios para não descaírem cada vez mais no poço fundo da miséria. Em 2003, a dívida pública do Brasil estava em R$ 965,8 bilhões, com o dólar a R$ 2,90 e juros Selic de 21%. Em 2010, a dívida alcançava o montante de R$ 1,73 trilhão, com a Selic a 10% e dólar a R$ 1,67. Baixou; qual o milagre? Foi bom negócio para quem vendeu dólar a R$ 2,90 e recomprou a R$ 1,67 na artificial valorização do real.

Na saída da Dilma da presidência da república, a Selic estava em 14,25%. Em 2015, o custo da dívida tinha ultrapassado R$ 500 bilhões. De 2012 a 2017 a dívida suportou carga de dois trilhões de reais de juros. No final do governo Dilma/Temer, a dívida já atingia R$ 3,877 trilhões, com o dólar a R$ 3,88 e Selic a 6,5% que representava algo em torno de R$ 250 bilhões de juros ao ano: a herança maldita.

É fácil descobrir por que há tanta pobreza e falta de bom preparo no Brasil. Em 1888, veio a lei Áurea. Havia um plano de integração. Em 1889, um grupo despreparado deu o golpe e não tomou conhecimento da situação das pessoas que foram liberadas das fazendas e suas famílias. O abandono foi continuado dando origem às moradias precárias. No preparo das novas gerações faltaram vontade e ação. Temos de destacar a importância da orientação dos pais sobre a responsabilidade de gerar filhos, e dar bom preparo desde a gestação. Mas, difícil é saber por que surgem tipos de coronavírus mais agressivos no contágio e por que essa pasmaceira em encarar o risco duplo da pandemia e da economia, dando-lhes tratamento adequado.

Os sentimentos intuitivos que se originam no eu interior atraem e são atraídos pela igual espécie, sejam de amor ou ódio, de consideração ou desprezo, gerando os pensamentos que também atuam da mesma forma. Se os seres humanos se mantivessem sempre voltados para o bem, tudo transcorreria em harmonioso progresso. No entanto, o mal atrai o mal, os sentimentos de inveja e ódio que visam a destruição se condensam e promovem a destruição da paz, rebaixando tudo. É mais ou menos o que está se passando no Brasil. Muitos que se apresentam como amigos podem, às ocultas, estarem chutando o balde. Nada mais é respeitado pelos seres humanos dominados pelas cobiças. Perderam o pudor e mostram exatamente como são em sua vileza.

Tudo está sendo destorcido. Vivemos os tempos das epidemias e outras catástrofes anunciadas. Há várias explicações disponíveis: guerra econômica, globalização, grande reset; não importa como chegamos a isso, o fato esquecido é que o mundo vive a grande colheita da qual não pode fugir, mas os seres humanos continuam dominados pela cobiça de poder, deixando a humanidade sujeita a projetos de supressão da liberdade, em vez passar a semear o bem. São Paulo está parado, se continuar assim vai estagnar e retroceder.

A era das trevas está aí, a humanidade submetida ao superficialismo está sendo conduzida para o beco sem saída, em vez de buscar a compreensão da Criação e suas leis, e do significado da vida e da situação em que deixamos o planeta e o Brasil. Afinal por que e para que nascemos? A humanidade tem de avançar para além do materialismo, do capitalismo, e do capitalismo de estado, e se esforçar para encontrar a Luz da Verdade antes da badalada da meia-noite.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O BRASIL ATRASOU MUITO

O regime de trabalho escravocrata deixou marcas profundas, o que favoreceu o atraso do Brasil. Desde a época do império, alguns mandões interesseiros se infiltraram no poder e prejudicaram o patriota Barão de Mauá que queria o bem e o progresso do país. No século 20, o impulso dado por Getúlio Vargas perdeu força. O dólar se tornou a grande mercadoria escassa que todos necessitam. Em 1964, veio o governo militar que passou a fazer investimentos importantes, tomando empréstimos externos, mas cometeu alguns enganos que travaram a pesquisa e o desenvolvimento, favorecendo a ampliação do mercado consumidor dependente de mercadorias importadas.

Nos anos 1980, os juros subiram. Em 1985, o poder foi devolvido aos civis com dívida externa alta que crescia com juros de mais de 20%. De lá para cá a situação permaneceu inalterada com baixa produção e empregos, exceto no setor agropecuário. Nos anos 1980 e 1990 a inflação foi galopante; o governo tinha de emitir para comprar os dólares dos exportadores para resgate da dívida externa e outros compromissos. Com o plano real, o dólar ficou com preço fixo por muitos anos à custa de juros altos.

A classe política pouco fez para fortalecer o país. Não planejaram fazer do Brasil e suas cidades espaços apropriados para a morada de seres humanos que trabalham e constroem. De Sarney a Dilma o atraso foi aumentando. A situação ficou camuflada com juros e câmbio valorizado, mas afetou a indústria. É muito difícil competir com o capitalismo de estado que adota outras leis; perdemos postos de trabalho.

O fundamental na economia é a circulação e recirculação, isto é, trabalho, produção, renda e consumo. Em 2020, a situação se agravou com o impacto da Covid-19 e os entraves criados pelos aproveitadores do Brasil, retardando a recuperação. Há muitas incertezas para 2021. Com a dívida próxima a 100% do PIB o país está travado, fruto da inépcia da governança de direita e de esquerda.

O mundo caiu no labirinto da mão de obra barata da Ásia e não sabe mais como sair. Os governantes e a população tateiam sem saber como alcançar uma nova fase com seriedade e progresso real. Nesta época de ociosidade e encalhe de manufaturados no mercado internacional, devido à queda na renda, o Brasil, onde falta tudo, tem de encontrar a fórmula para produzir mais e gerar empregos, sem ampliar a dívida.

Tem muitos olhos cobiçosos querendo desfrutar do bolão Brasil que tem petróleo, minérios, nióbio, mercado promissor, florestas, água e muitas riquezas. A população quer que isso tudo se reverta numa verdadeira pátria de seres humanos almejando o progresso real. Com a globalização financeira e da produção diminuíram os empregos e aumentou a dependência por dólares. Enquanto alguns levam vantagens, muitos vão caindo na miséria que se agrava no planeta. Atualmente há no Brasil 14 milhões de desempregados, sem trabalho remunerado. No resto do mundo o desemprego também é grande.

Temos de reparar os erros, criando aqui uma região de paz e progresso, inspiradora para aqueles que procuram um local onde possam construir um lar. O escritor peruano Vargas Llosa, em recente artigo, disse que o problema do atraso da América Latina é basicamente a corrupção que está tão profundamente arraigada em seus governos. Ministros e funcionários roubam tanto, e o roubo é uma prática muito difundida em quase todos os Estados.

Como consequência de séculos de irresponsabilidades o viver ficou mais difícil. Há uma ansiedade generalizada. Há alguma coisa diferente no ar, os acontecimentos se aceleram como numa grande estufa. Impulsionadas pela energia do Criador, as leis da Criação promovem a grande colheita, o imediato desfecho de todos os acontecimentos na Terra e de todos os destinos dos seres humanos e dos povos. É também a grande oportunidade de reconhecimento do dom da vida.

As novas gerações devem receber estímulos para um voo ao mundo dos sonhos e dos projetos enobrecedores, para que se possa sair do atraso visando a formação de seres humanos benéficos, que pensem com clareza e naturalidade, pondo em ação as capacitações que dão a habilidade de observar e analisar os acontecimentos com lucidez para se conectar com o significado maior da vida, evoluir, ser feliz!

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

RUPTURAS E TRANSFORMAÇÕES MUNDIAIS

Para onde está indo o Brasil? Enquanto se perde muito com disque-disque estúpido, o mundo está afundando. A geopolítica já era brava; com a pandemia está virando pandemônio, assinalando um ponto de ruptura com a forma displicente de viver como até agora. Mas é também a oportunidade para cada um buscar o saber do real significado da vida e seguir o querer que nasce no coração, espontaneamente, sem cálculos nem artifícios. Temos de aproveitar os dias de isolamento para ler, escrever, estudar, entender para onde a humanidade se encaminha, e entender por que a situação chegou a esse extremo de aspereza. O livro do Apocalipse não esclarece a causa do falhar espiritual dos humanos.

Há tempos vem sendo anunciado que a humanidade se encontra numa fase de turbulências. As crises foram se sucedendo, tais como as financeiras, econômicas, sociais e inclusive ambientais devido à continuada destruição da natureza. A vida seguia com tendência de aumento da precarização geral, e para piorar, a pandemia do coronavírus acarretou uma parada econômica mundial da qual está sendo difícil se desvencilhar; isso tudo está levando a uma fase de transformações.

Seria possível estabelecer o reino de mil anos mencionado na Bíblia – um tempo de paz e harmonia na Terra? O ser humano se agarrou ao mundo material, mas é espírito dotado de livre arbítrio que foi deixado escanteado, seguindo só o intelecto, um grande erro não corrigido, apesar das múltiplas advertências, o que gerou um viver caótico, afastado das leis da Criação. Há os que se julgam acima de tudo e visam estabelecer o mundo que mais lhes apraz, e vão criando desarmonias à sua volta. O embate pelo poder se acirra, mas no final o que restar terá de colocar a espiritualidade acima da materialidade e seguir as leis da Criação para promover a paz e a evolução.

O mundo está doente. Michael Pettis, professor de finanças da Universidade de Pequim, em recente entrevista delineou a origem dos desequilíbrios econômicos gerados a partir da busca de menores custos da mão de obra, acarretando a estagnação do consumo em decorrência dos baixos salários e da transferência dos ganhos para o mercado financeiro. No Brasil, há décadas há uma grave doença que é o despreparo para a vida e a consequente falta de bom senso de grande parcela da população. No passado, os tataravós e avós se movimentavam e resolviam muitos problemas de saúde, da vida, da educação e criaram filhos sadios que se tornaram cidadãos de qualidade. O bom preparo para a vida foi deixado para plano secundário, estagnando o país.

A educação começa em casa com a responsabilidade dos pais, mas é também uma responsabilidade de todos: do governo, das empresas, da mídia, para formar seres humanos de qualidade, com bom senso, raciocínio lúcido e responsável pela melhora geral. Com 7,6 bilhões de almas encarnadas, o mundo faminto volta os seus olhares para as terras do Brasil e seu agronegócio em clima tropical, com solos bons e abundância de água; esse também é um fator da geopolítica que está interferindo drasticamente na política interna visando ter governantes dóceis aos interesses externos. O Brasil tem de prestar muita atenção a isso tudo para não se tornar refém e impedido de seguir em frente. No entanto, há que cuidar atentamente da natureza para que os mananciais sejam conservados firmes com volume e qualidade da preciosa água, já escassa em muitas regiões.

A situação mundial está confusa. O ateísmo vem crescendo. Os religiosos querem fazer a imagem do Grande Criador Único, sem reconhecer a Vontade Dele que se inscreve nas leis naturais da Criação. Então surgiram ódios, confrontos, destruição. Com estadistas responsáveis e bom preparo da população, a tendência nacionalista é o caminho natural. As comunicações sobre a pandemia deveriam orientar a população, não a amedrontar. As matérias-primas extrativas são finitas. Deve-se aproveitar a oportunidade do agronegócio para que possamos produzir alimentos de forma a distribuir renda. Se cada povo cuidar bem de seu território, com liberdade e responsabilidade, o planeta estará bem cuidado, mas é preciso o equilíbrio da economia na produção, comércio, trabalho, renda, consumo, e progresso com preservação da natureza.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL E NO MUNDO?

Há uma grande confusão. Muitos líderes querem aparecer, mas não se entendem. Ao se sentirem ameaçados em seus interesses, os tiranos manifestam sua maldade e sua forma desleal de agir. Como explica o estrategista Pedro Baños: “motiva-se a população através das emoções produzindo uma montagem teatral que derruba as defesas mentais, formando, através de uma história ambígua que mistura realidade e ficção, um cenário que promova a aglutinação e união da massa para que seja conduzida ao ódio mais exacerbado que mobilizarão contra os oponentes, visando prejudicá-los e obter vantagens significativas através desse tipo de ações apoiadas pela guerra psicológica e a manipulação midiática”.

Na renhida luta surgiu “o cada um por si” que não seria ruim se cada um agisse com a moral espiritualista ensinada por Jesus: “Ama ao próximo como a ti mesmo”, ou seja, trate-o como a si mesmo, não faça nada contra ele para satisfazer a própria cobiça. O Criador dispôs tudo para que o ser humano em sua peregrinação se tornasse de fato ser humano, mas há muita pressão contra isso para rebaixá-lo e arrastá-lo para a lama.

A invasão do coronavírus evidenciou as fragilidades do Brasil, para as quais pouco se tem olhado; entra governo e sai governo e não há um plano de trabalho sério e continuado, a não ser a busca de vantagens pessoais. Fala-se que a caixinha sobre as compras chegou a até 30%. Temos muitos problemas: de saúde, econômicos e de sobrevivência. Como assegurar o consumo do essencial para a vida, a produção e a renda necessária e o bom preparo das novas gerações?

Há muitas polêmicas inúteis, uma briga de pedradas com palavras e infâmias. O momento exige sabedoria e sinceridade, pois os problemas são enormes. Há que se entender a realidade, o que está se passando, e buscar os meios para minorar os sofrimentos, mas os seres humanos, amarrados ao poder, só olham para seus interesses. A crise está mexendo com a saúde, a economia e a esperança. Há dias difíceis com noites escuras, com muitos problemas para resolver e soluções que não surgem. É preciso serenidade, não se pode apressar a chegada do dia. Ele vem chegando devagar e firme, aos poucos o sol vai subindo, subindo, até o novo dia ficar claro e, onde ainda há pássaros, eles começam a cantar alegrando e encorajando para um novo dia de aprendizado e vivências. Começar e encerrar o dia com gratidão é a espontânea oração que brota no coração.

No pós-guerra o mundo foi sendo varrido por uma onda de uniformização e desmantelamento cultural tendente a eliminar a diversidade indispensável ao progresso da humanidade. O mundo capitalista vive em função do dinheiro e seu poder. Os comunistas perceberam isso. A China tinha que cuidar da sua população sofrida devido ao comunismo de Mao Tse Tung. Tendo os líderes chineses percebido o poder do dinheiro, optaram por produzir com custos baixos para exportar e, como consequência, o desequilíbrio da economia mundial se ampliou.

As desavenças entre os povos resultam dos desequilíbrios. A paz requer equilíbrio geral, mas os conflitos se ampliaram com a geopolítica posta em prática pelas potências com o seu desejo de aproveitar em seu benefício os recursos existentes em territórios pertencentes a outras nações. Um país, para ter fibra, precisa ter a motivação certa e natural, ou seja, o alvo do aprimoramento da espécie humana, que vem decaindo espiritual e moralmente, e manter o equilíbrio geral. Ou o comandante é forte e demonstra autoridade dando ordens claras aos seus disciplinados oficiais para engrandecer o país, ou age com absoluta tirania, impondo os resultados que quer alcançar, mas nesse caso os seres humanos acabarão agindo como máquinas sem vontade própria.

Cada povo tem de se adaptar ao solo e se aprimorar. Se cada nação cuidar bem de seu território com propósitos enobrecedores, com liberdade e responsabilidade, com solidariedade, respeito à natureza e aos demais povos, dando às novas gerações bom preparo para a vida, todo o planeta estará bem cuidado e imune à decadência moral e espiritual e certamente haverá progresso real.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PROJETO NACIONAL

No pós-guerra, o mundo foi sendo varrido por uma onda de uniformização e desmantelamento cultural tendente a eliminar a diversidade indispensável ao progresso da humanidade. Cada povo e cada raça tem de se adaptar ao solo e se aprimorar. Se cada povo cuidar bem de seu território com propósitos enobrecedores, com liberdade e responsabilidade, com solidariedade, respeito à natureza e aos demais povos, e dar bom preparo às novas gerações para a vida, todo o planeta estará bem cuidado e imune à decadência moral e espiritual.

Veja abaixo artigo de Eduardo Villas Bôas*, publicado no jornal O Estado de S.Paulo em 10 de julho de 2020:

 

Carecemos de um Projeto Nacional

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade. Somos um país com mais de 200 milhões de habitantes, cuja população contém em si própria riquezas geradas desde 1500, decorrentes da miscigenação em que as três raças se mesclaram, cada uma delas aportando características ímpares. A criatividade, a alegria de viver, a tolerância, a adaptabilidade, a resiliência, a religiosidade, o sentido de família, o patriotismo, enfim, esses e outros atributos são como uma vasta produção de frutos, à espera de serem colhidos e colocados na grande cesta da nacionalidade brasileira.

Esse enorme cartel de singularidades vive sobre uma base física que metaforicamente constitui uma arca plena de riquezas, sobre as quais estamos sentados, desconhecendo o conteúdo e tampouco sabendo como abri-la. O que nos falta para que se produza uma mobilização da vontade e das capacidades no sentido de soberanamente os utilizemos atendendo prioritariamente às necessidades do nosso povo? Infelizmente, nossa sociedade se deixou impregnar por esquemas mentais que nos são estranhos, depois de 50 anos em que, a despeito das precariedades, trazíamos conosco um senso de grandeza, aliado a uma ideologia de desenvolvimento e a um sentido de progresso.

Infelizmente, a partir de então – anos oitenta – não atentamos a que nós estávamos deixando fracionar, inicialmente por interesses alheios travestidos de ideologias e, quando elas fracassaram, permitimos que esquemas mentais alheios a nossa natureza viessem a nos dividir ainda mais, a ponto de o ser humano não mais fosse valorizado como tal, passando a que sua essência, para ser reconhecida, dependesse da militância em prol de um desses grupos onde se abrigam.

Caímos num fosso, em cujo interior andamos em círculo, progressivamente nos afundando sem dispor de ferramentas que nos tornem possível dele sair, de maneira a que recuperemos a capacidade de vislumbrar o horizonte e nele identificar indicações dos rumos a seguir com vistas no futuro. Em outras palavras, carecemos de um projeto nacional que nos possibilite ter um olhar em direção ao interesse comum, capaz de nos livrar da prevalência do individualismo, do imediatismo e dos interesses grupais ou corporativos.

A elaboração de um projeto de nação nos traz uma oportunidade para buscarmos sinergia entre todos que integram a sociedade brasileira e, colocando o interesse coletivo como referência, encontrarmos os caminhos que conduzam à paz e à prosperidade. É o que esperam de nós as gerações futuras, os países que nos são vizinhos e os que desejam compartilhar um futuro comum. Somos, talvez, o único país com capacidade de inaugurar um novo caminho de desenvolvimento, a partir das qualidades de nossa gente, assinaladas no início dessas palavras. É hora de arregaçarmos as mangas e, cada um, considerando as capacidades e disponibilidades, participar desse grande mutirão.

*Eduardo Villas Bôas é General da Reserva do Exército Brasileiro. Foi o Comandante do Exército Brasileiro de 5 de fevereiro de 2015 até 11 de janeiro de 2019.