Posts

200 ANOS DE INDEPENDÊNCIA

Falta a boa convivência entre os seres humanos. Antes, havia um rumo, mas não era suficientemente forte, tanto que o sistema desmoronou. Hoje, poucos sabem o que querem da vida, muitos vão sendo empurrados pela superficialidade da multimídia, e sem saber estão indo atrás do beijo da morte. O descontentamento com as condições de vida não lhes permite perceber o quanto estão recebendo a cada dia, e que deveriam agradecer com a alma, retribuindo na convivência alegre, amena e natural.

Educar para quê? Por que encher a cabeça das crianças com coisas inúteis? Desde cedo as crianças têm de ser disciplinadas, aprender a viver e a conviver de forma construtiva e a respeitar a lei do equilíbrio, retribuindo por tudo que recebem, em vez de ficarem fazendo exigências descabidas, sem desenvolver esforço próprio. Falta bom senso intuitivo, iniciativa, foco, propósitos de vida. Os seres humanos deveriam buscar a Luz da compreensão do significado da vida. Muitos pensam apenas nas necessidades instintivas e no lazer e acabam se transformando em máquina sem conteúdo. Outros cobiçam riquezas e poder para dominar. É cada vez menor o número daqueles que se ocupam com o significado da vida.

Tudo gira em torno do dinheiro, a base da economia de produção e das finanças, e a cada instante ele tem de ser mobilizado pela maior parte da população do planeta, mas os interesses do capital acabaram suplantando as necessidades da humanidade. Quem controla o dinheiro, sua criação, sua distribuição? É uma importante variável para a produção, comércio e renda, mas que acabou adquirindo vida própria, podendo ser criado de forma irrestrita por interesses particulares, ou submetido à rígida escassez, sujeitando os seres humanos às suas regras, gerando o desequilíbrio econômico mundial.

Há montanhas de papel moeda pelo mundo e pouca felicidade, pois a humanidade ainda não achou o caminho do progresso real nas boas condições de vida, na saúde e no preparo das novas gerações. “Procurais e Achareis.” Pensadores achavam que o mundo se uniria pela democracia em condições de vida condizentes com a espécie humana. Cobiça de riqueza e poder impedem a convivência pacífica. Só o respeito às leis divinas da natureza poderá unir a humanidade num viver construtivo e benéfico, mas isso requer sinceridade e humildade espiritual diante da obra do Grande Criador, a qual os homens se julgam donos. No entanto, uma simples doença cerebral incapacita a atuação do espírito, impondo ao doente um viver vegetativo.

Há 200 anos surgia uma nação monárquica cujo rei era uma criança que tinha perdido a mãe. O Brasil, tornado nação independente, deveria ter sido administrado pelo casal D. Pedro e Leopoldina. Pedro se deixou arrastar pelos vícios e más companhias, e não cumpriu sua tarefa. Já naquela época os inimigos do Brasil não queriam um país livre e forte, tendo surgido uma casta de dirigentes corrupta e entreguista. Os ingleses fizeram a festa com Portugal afastado. O herdeiro da coroa tomou posse e estava dando um rumo à nação. Ao eliminar o trabalho escravo, foi banido e o país caiu nas mãos de oportunistas e foi transformado em república em 1889 por um grupo despreparado e predisposto à corrupção e dócil aos interesses externos.

Malgovernada, cobiçada pelos seus recursos, a jovem nação ficou estagnada e caiu na armadilha da dívida externa. Teve a ousadia de emparelhar o real com o dólar na base de juros altos. Fragilizou a indústria, a educação e a saúde. Com muita corrupção e desvio de verbas, o crescimento superficial não teve como se sustentar. Se não fosse pela produção agropecuária estaria à míngua como as republiquetas latino-americanas.

Os entraves são muitos. Os inimigos estão ativos, não querem o bem e o progresso do Brasil, que ainda não conseguiu se tornar uma nação de fibra, com população forte e bem-preparada, mas chegou à beira do abismo da ingovernabilidade, até que um elemento de fora da panela política chegou ao poder levado por uma população ansiosa por ordem e progresso. Ao completar 200 anos de sua independência qual será o futuro do Brasil e de seu povo ameaçado pela fome e falta de bom preparo para a vida?

 *Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

JUROS E DESEQUILÍBRIOS

No Brasil e no mundo há uma série de ideias que se opõem. Como surgiu essa polarização? Seria por teimosia, ou por julgar que suas ideias são superiores às do outro grupo? Ao final, acabam se perdendo em teorias e se afastam da naturalidade, isto é, dos princípios básicos de liberdade, responsabilidade e dos objetivos beneficiadores das condições gerais de vida. Maquiavel tinha razão. Divididos irreconciliáveis, cobiçando o poder, do jeito que o diabo gosta, são mais facilmente dominados, e nada de bom realizam para a nação.

Por longo período o mundo experimentou juros baixos com dinheiro sobrando. De repente a coisa vira. O dinheiro abundante e barato vai secando e não vai dar para segurar o que estiver com base frágil. O descompasso nas cadeias de suprimentos faz repensar a globalização. Os preços baixos tendem a subir. A produção de alimentos sofre reveses. Os maus governos não terão como disfarçar sua ineficiência. O que vem para o mundo não será um simples resfriado.

Quando o FED eleva os juros para a moeda mundial, ocorre uma enxurrada que valoriza o dólar, mas aumenta a dívida. Japão e Europa caminham na direção oposta, desvalorizando euro e yen; o yuan chinês também acompanhou, e suas exportações ficaram mais baratas em dólar, aliviando a pressão inflacionária. No Brasil, se o dólar ficar mais caro, repercute nas importações, pressionando a inflação. O sistema todo fica engessado pela taxa de juros, ou seja, o instável arcabouço financeiro gera desequilíbrios na economia mundial.

Há economistas que dizem que não estão claros os efeitos que a elevação dos juros no Brasil possa trazer para deter a depreciação do dinheiro. A carestia está assustadora, pois o dinheiro está perdendo valor pelo mundo. Destaca-se a atividade agropecuária atraindo divisas, usando o solo e a água, produzindo alimentos que são exportados. Os grandes conglomerados mundiais dominam os mercados e focam no ganho. O problema dos impostos arrecadados está na gestão do dinheiro que desaparece na máquina governamental.

Pandemia, criação de muito dinheiro, guerra na Ucrânia, tudo isso afeta o PIB. Para sobreviver, a população precisa de alimentos, educação, saúde. O que impede que haja produção interna para atender a essas necessidades com bom preparo da população? O Brasil se tornou dependente do mercado externo para exportar seus produtos primários, descuidando de tudo o mais, aumentando a dependência das importações. Sem iniciativas visando a melhora geral, os mandantes que se aboletaram no poder buscaram tirar vantagens e acumular dólares, deixando a economia estagnada.

Quais seriam os efeitos de uma desaceleração econômica mundial? Desvalorização de papéis e ativos reais e commodities? E os alimentos como ficariam? Crise de solvência? O dinheiro seria atraído pelos juros em movimento de ascensão, encarecendo o crédito? Qual seria o efeito sobre as novas gerações que têm de ingressar no mercado de trabalho? O que os governantes deveriam estar fazendo para manter a ordem e a estabilidade social?

O século 21 nos apresenta muitos acontecimentos que seguem um padrão declinante. Um impacto negativo após outro, colocando a humanidade num patamar bem abaixo de onde deveria estar, se tivesse dado ao espírito a oportunidade de se manifestar para atuar em conjunto com o raciocínio intelectivo.

Na adolescência, os jovens se tornam sonhadores. A melancolia abre seus olhos para o mundo à sua volta, percebendo as asperezas e o sofrimento que envolve a humanidade. Querem encontrar a causa e a solução, mas logo são empurrados para a sexualidade descomprometida, o domínio do instinto exacerbado ao longo dos séculos, e nisso também encontram apoio nas ideologias materialistas, afastadas das leis do Criador. As mídias sociais atraem as atenções, exercendo forte influência nos despreparados.

O rapaz se deixa embrutecer e a garota, não reconhecendo a joia que a feminilidade encerra, se deixa levar pela onda de libertinagem sexual que vem de longa data, e agora está no auge com o apoio de uma arte que incentiva o declínio do ser humano. Como não receberam a noção da necessidade de equilíbrio e retribuição por tudo o que recebem, ficam sem base e sem compreensão da vida.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

 

 

BRASIL, O PAÍS QUE DEVERIA ESTAR DO LADO DA FELICIDADE

A palavra é mágica e tem o poder de construir e beneficiar, ou destruir e envenenar. O mesmo acontece com as palavras e os sentimentos que formam os pensamentos. Abusos com as palavras ocorrem de longa data; as mentiras criadas pelos seres humanos, para sua conveniência ou por ignorância, estão presentes em tudo e estruturam o caos em que vivemos. A humanidade não levou a sério o “conhecereis a verdade e ela vos libertará”, pois isso requer força de vontade, esforço, simplicidade, clareza, naturalidade.

O Brasil cobiçado foi definido como a grande reserva internacional e por isso não convinha que os governantes agissem para promover o progresso da nação e seu povo. Em 1964, houve uma virada, mas faltou objetividade para alcançar o desenvolvimento tecnológico e industrial. Nos anos 1980, veio a crise da dívida externa e de novo a velha oligarquia tomou conta do poder. Em 2018, surgiu uma nova esperança. O que acontecerá em 2022, ano do bicentenário da Independência?

Aqueles que desejam progresso equilibrado e harmonioso para o Brasil se quedam angustiados. Em quem podemos confiar neste mundo materialista no qual o trunfo é o dinheiro? Infelizmente os bem-intencionados podem acabar como inocentes úteis e serem ludibriados, sem perceber as altas maracutaias promovidas pela turma falsa e mentirosa que se instalou no nível alto do poder. É difícil saber como essas coisas acontecem nesta nação atrasada.

No passado, a educação tinha por base a natureza e seu funcionamento automático ao qual os seres humanos se adaptavam desenvolvendo bom senso intuitivo. Depois foram se afastando julgando-se superiores à natureza e suas leis. Jesus quebrou o ciclo cerebrino afastado do natural. Pouco restou de seus ensinamentos espirituais. O catecismo dogmático influenciou a mente infantil, dando continuidade ao seu afastamento da natureza. Depois vieram os livros, revistas, filmes e desenho animado. O que restou do ser humano? Um descontente que ou decai moralmente ou se deixa levar pelos revolucionários enlouquecidos. As consequências da educação errada afastada das leis naturais estão no ar.

Os humanos não seguiram as leis naturais da Criação e entortaram tudo. Em vez de subirem a escada do aprimoramento pessoal, foram descendo, reduzindo a essência humana. Sem espírito atuante, o cientificismo quer interferir e impor normas padronizadas de viver que travam a individualidade e o querer da alma, quando deveria voltar às origens do ser humano para reconhecer e extirpar os erros cometidos, em vez de impor um viver puramente materialista, sem respeito às leis da natureza.

A China soube como tirar proveito da globalização disponibilizando manufaturas com preços baixos. Muitas empresas americanas ganharam bom dinheiro e a China se fortaleceu. Foi surpresa geral a rápida eclosão da guerra na Ucrânia no cenário bagunçado da economia mundial, um evento enigmático em meio ao forte confronto econômico entre os EUA e a China, mas ambos ao seu modo tiram proveitos, embora não se saiba que efeitos trará sobre a disputa do mando econômico mundial, quem ganhará ou perderá. Mais de 80 milhões de mortes na segunda guerra mundial não foram suficientes para tornar os homens mais humanos, e cumprir sua tarefa na Terra de ser beneficiador e transmissor da energia espiritual que está apto a captar.

É conhecido o fato de que criar dinheiro do nada deprecia a moeda. EUA e FED têm feito controle firme para manter o dólar como a moeda número um. Quando ocorre desvalorização que prejudica a primazia do dólar, não raro surge um ciclo de elevação dos juros que atrai as reservas mundiais para o dólar. Isso traz complicação para a economia mundial, mas é importante olhar para as consequências do crescimento da dívida pelo aumento dos juros.

No processo econômico natural, a riqueza produzida não deveria ficar concentrada; uma parte dela deveria ser partilhada com os que ajudaram a produzi-la. A tendência atual é de precarização geral e o ser humano indolente, com alma inativa, vai sendo reduzido a mero fator de produção e consumo, sem dedicar-se à compreensão do significado da vida. O desânimo vai avançado sobre o Planeta. Urge manter a serenidade com pensamentos sem ódio voltados para o bem. Falta a Luz da Verdade.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A ERA DAS TREVAS, ONTEM E HOJE

Na “idade das trevas”(de 476 a 1453 d.C.) ocorreu na Europa a estagnação cultural e econômica em decorrência do declínio do Império Romano do Ocidente. Foi uma época dominada culturalmente pela religião. Também denominada como “idade média”, nesse período houve o avanço da obscuridade em que a original Mensagem de Luz, trazida por Jesus, foi sendo desfigurada por alterações e inserções mais condizentes com a vaidade e que pouco contribuiu para a evolução espiritual da humanidade.

Em seguida houve o Renascimento, um movimento cultural, econômico e político que surgiu na Itália do século 14 e se estendeu até o século17 por toda a Europa. Os renascentistas se colocaram como herdeiros do pensamento e da ciência desenvolvidos por gregos e romanos, dando ênfase ao intelectualismo materialista, fazendo renascer a cultura da antiguidade, mas não pesquisaram o saber sobre os entes mitológicos. Foram eles que denominaram a Idade Média como a Idade das Trevas, mas na verdade esse obscurantismo perdura até nossos dias, pois o avanço da intelectualidade se voltou para o materialismo, sufocando o pouco de espiritualidade que havia restado do passado.

Dois fatores foram progressivamente reduzindo a influência e interesse pela religião: a evolução do dinheiro e a revolução industrial, mas podemos dizer que ao lado desta teve início a revolução financeira que a tudo afetou. A economia e as finanças passaram a ser a grande motivação das nações. A Inglaterra e a França queriam assegurar os recursos naturais, matérias-primas, energia, competitividade e mercados para as manufaturas, e passaram a constituir colônias. Nesse interim, os Estados Unidos se fortaleceram e acabaram afirmando através da Doutrina Monroe, a América para os americanos. A Alemanha, com população disciplinada, galgou posição com produtos de boa qualidade e preços competitivos. Com o avanço da penetração da Alemanha nos mercados, a economia mundial começou a se complicar, chegando aos embates da Primeira Guerra Mundial.

A Inglaterra e os Estados Unidos avançaram no controle do dinheiro e das finanças. A Alemanha, se ressentindo disso, tentou buscar outro caminho para evitar depender de capital externo, mas foi caindo na obscuridade, queimando livros contrários a sua ideologia, gerando atritos irreconciliáveis que deram origem ao mais trágico embate, a Segunda Guerra Mundial que se estendeu de 1939 a 1945 com muita destruição e sofrimentos.

Terminada a guerra a humanidade queria paz e progresso, houve um período de leveza, embora ainda prevalecesse a cobiça por riqueza e poder. O mundo foi caminhando para o desenvolvimento tecnológico e inovações. Logo ficou evidente que muitos países ficariam para trás na educação, na pesquisa científica e tecnológica, passando à condição de dependentes, restringindo-se ao fornecimento de alimentos e matérias-primas.

A melhora durou pouco, logo surgiram novas crises financeiras, o endividamento público e a globalização da produção. O dinheiro se tornou o grande ídolo. As corporações foram produzir na China onde a mão de obra era muito mais em conta. Aparentemente não haveria mais razão para guerras, a globalização era a solução preferida. Com custos imbatíveis e câmbio favorável, a China foi penetrando nos mercados, inviabilizando a produção industrial local. Tudo caminhava a contento, a China enriquecia e adquiria novas tecnologias, passando a produzir produtos de qualidade, almejando ter moeda forte. Até que os norte-americanos elegeram Donald Trump que passou a tomar medidas para atender os anseios do seu povo, contrariando os postulados da globalização.

Veio a guerra comercial e o recrudescimento da geoeconomia. No Brasil, Jair Bolsonaro foi eleito sem o apoio da mídia, surpreendendo a classe política acomodada no poder há décadas. Eis que os chineses são atacados pelo Covid-19, não divulgam logo a gravidade da doença e tudo foi parando. Cidades no mundo todo fecharam o comércio, parando de produzir, vender, receber e pagar. A situação é tanto mais grave pelo artificialismo do sistema econômico global que fechou fábricas, desempregou e deixou as ações da Bolsa subir sem consistência, na crise tudo foi caindo. Bancos Centrais falam em despejo de dinheiro, mas e a produção?

Estaria a humanidade sendo conduzida para o beco sem saída e não está vigiando nem orando? Os estrategistas precisam buscar soluções para contornarmos as dificuldades na saúde e na economia para impedir o declínio do Brasil e seu povo. Mas continuamos dominados pela cobiça de poder. Temos de avançar para além do materialismo para encontrar a Luz da Verdade.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O BRASIL E A GUERRA

Era para o Brasil ter ficado na mão de D. Pedro I, mas ele caiu nas ciladas. Após a independência e com o falecimento da imperatriz Leopoldina, o país ficou nas mãos de aproveitadores que tramaram o banimento do patriota José Bonifácio para satisfazerem suas cobiças, servindo a interesses externos.

Na atualidade, a pandemia deixou uma sensação de vazio no mundo. No setor econômico, os juros se movem para enfrentar a inflação que pode se agravar com o conflito na Ucrânia. Bolsas se ressentem. Empresários se preocupam. Políticos em lutas pelo poder. Escolas não conseguem elevar o nível do saber. Alterações no clima.

O ocidente descuidou do bom preparo das novas gerações e, consequentemente, da formação de verdadeiros seres humanos, através de uma educação fortalecedora da essência humana, a alma e seu núcleo, o espírito, criados pela Vontade Divina. Outras nações deram foco ao preparo na direção do fortalecimento econômico-militar do país, e estabeleceram planos para fazerem frente ao poder do dólar, enquanto os EUA foram esvaziando as fábricas, ampliando a dívida e a ilusão do ganho financeiro virtual.

Os rumores de guerras se concretizam. Parece coisa arranjada, a OTAN não entra no conflito porque a Ucrânia não está no pacto. O que quer a Rússia? Vai aguentar as pressões financeiras e econômicas? O rublo já caiu 30%. No caso de se sentir enjaulada não poderia sair dando tiros contra outros países? Já é terrível dois países em confronto, mas será que estão sozinhos? E se outros entrarem ostensivamente?

E se a China avançar sobre Taiwan? Ao final, trata-se de um confronto por poder e dominação, que com certeza não vai melhorar a já precária felicidade da humanidade. Os poderosos sempre ganham com as guerras. Nesse jogo pesado, quem move as peças? Quem toma as decisões? Mas a palavra final será dada pela lei da reciprocidade e demais leis da Criação.

O público em geral vai perceber os efeitos do conflito no bolso, no preço dos combustíveis e dos alimentos, na liberdade, mas as consequências menos visíveis, porém mais incisivas, poderão ocorrer no sistema financeiro mundial concentrado no dólar; o significado disso a longo prazo poderia ser a redução da influência americana. A tendência mundial é de centralização do poder, cortar a autonomia individual e de governos; reduzir os níveis de decisão, subordinando tudo ao controle centralizado através da TI. A ideia é eliminar a autonomia dentro das fronteiras nacionais. Liberdade para decidir, só de acordo com os programas e algoritmos.

Mais de quatro milhões de anos foi o tempo necessário para que o planeta adquirisse as condições de vida e sustentabilidade, o mundo perfeito, através do funcionamento das leis da natureza, pouco estudadas pela humanidade. Em seu ciclo a matéria tinha um tempo determinado, a evolução do espírito humano também. Muitas profecias alertaram sobre isso, mas perderam a simplicidade original e acabaram sendo objeto de sarcasmo.

Os Estados Unidos têm vocação para a liberdade. O Brasil, para a paz e a busca do Eterno. Lamentavelmente o que prevalece hoje em dia no mundo é o domínio trevoso do materialismo e do dinheiro, a negação do espírito e das imutáveis leis espirituais, seja no capitalismo democrático ou totalitário, ou mesmo nas diversas correntes religiosas. Romper a lógica materialista e os conflitos gerados por ela e sua pressão avassaladora sobre a consciência, depende de cada indivíduo e de sua vontade de se tornar consciente da realidade espiritual.

Quem ainda tem ponderação para examinar a vida e seu significado? Quem controla os fios do destino? É a lei da reciprocidade que está levando os fios para os remates? Chegamos ao fim do modo de vida atual? O que surgirá? Ocorrerá a aceleração da tendência de eliminar os últimos resquícios da alma, ou algo inesperado com a eliminação dos que já a perderam?

O mundo caminha para o enrijecimento geral. A humanidade descuidou da alma, a voz interior, o elemento essencial do ser humano, não o sentimentalismo. No totalitarismo, a alma deixou de ser levada em consideração há muito tempo, o que poderá levar a humanidade para um mundo mecânico, sem alma, sem coração, enterrando a finalidade primordial da vida, ou seja, a elevação espiritual do ser humano.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A REAL HISTÓRIA DO PLANO REAL

O Plano Real revolucionou o cenário econômico do país e permitiu mais de uma década de estabilidade de preços. Algo extremamente valorizado após um período de hiperinflação. Mas não o fez sem consequências para o país: o preço foi alto e continua a ser pago até hoje. A nova moeda resolveu a inflação, mas não sua maior causa: o desequilíbrio fiscal.

A jornalista Maria Clara R. M. do Prado, à época assessora do então ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso, esteve à frente da divulgação das várias etapas do Plano Real e as revela numa uma reportagem de fôlego, repleta de informações até então inéditas. No livro A REAL HISTÓRIA DO REAL, ela mostra os bastidores da concepção do real. As articulações feitas nas frentes políticas, econômica, internacional e de comunicação, além de documentos inéditos dos integrantes da equipe econômica.

Veja mais em:
https://url.gratis/bARiTh

DEMOCRACIA OCIDENTAL

O ocidente, defensor da democracia e liberdade, acabou criando um tipo de república que funciona mal porque, com tudo dividido, não há consenso, mas sim muitos interesses particulares conflitantes. O país e sua população ficam em segundo plano e o resultado está bem visível: ninguém se responsabiliza por nada e a nação vai a pique, restando situação favorável apenas aos tiranos. A liberdade, o grande trunfo, se acha sob ameaça e as novas gerações estão com pouco preparo. A China viu tudo isso e ao perceber que dólar é o que importa, pôs a máquina exportadora a funcionar, conduzindo com sucesso sua população que não quer mais passar necessidades básicas. Enquanto isso, o ocidente vai se desmanchando.

O que se poderia esperar de um sistema de gestão de Estado feito para ser deficitário? O que se poderia esperar de um sistema monetário baseado numa moeda mundial influenciada por interesses particulares? O que se poderia esperar de países geridos por grupos interesseiros inadequados para governar?

Os especialistas estão advertindo sobre as consequências da emissão de dinheiro e crédito em larga escala, enquanto a produção definha, os empregos desaparecem e a insatisfação aumenta. No Brasil, ninguém assume a responsabilidade pelo descalabro das contas públicas. Quem tem poder sabe como se defender, mas o peso sempre recai sobre os mais frágeis que têm de se submeter a leis imediatistas e precarização.

Com o golpe da pandemia e inflação, o Brasil está se recuperando lentamente. Apesar das crises políticas e da aproximação do ano eleitoral, o mercado financeiro recebe sem grandes apreensões o atraente aumento da renda fixa. Haverá uma transferência de renda para fora, mas o viver será apertado para os assalariados, inclusive para os funcionários públicos comuns, sujeitos ao aperto fiscal e aos desmandos dos governadores estaduais.

EUA e China se tornaram os grandes expoentes da economia, mas enquanto os EUA lutam para sanar as próprias incoerências, a China vai impondo aos seus cidadãos medidas pragmáticas. A miséria avança pela maioria dos países, muitos deles superendividados, enfrentando crise econômica, política e social.

Em vez de os políticos e os empresários do Brasil seguirem as pegadas dos Estados Unidos que levaram ao progresso, parece que agora os políticos americanos estão copiando os do Brasil. Diante da turbulência de acontecimentos já se nota a paulatina perda do controle emocional. A polidez vai sendo posta de lado. Quanto mais aumenta a pressão, maior é a tendência da ação impulsiva de pessoas que não querem ouvir o sentimento intuitivo. Na gestão pública, essa possibilidade cria um risco adicional para a população.

O historiador Eric Hobsbawm disse que estamos na era dos extremos e das incertezas. Mas em vez de as mazelas serem atacadas e combatidas, passou-se a discutir ideologia num cenário de luta pela riqueza e poder, e embrutecimento da espécie humana. Despreparados, muitos pais não conseguem dar bom preparo a seus filhos. Tudo isso criou a tendência do decadente embrutecimento da humanidade. Como combater o descalabro?
Tempos de penúria se anunciam, na subida de preços de commodities, alimentos, energia, combustíveis, juros, tudo subindo, significando menos dinheiro nas mãos dos consumidores, menos consumo, menos empregos. Infelizmente a delinquência está tomando conta do Brasil, na criminalidade, nas drogas, nas favelas, na política, na justiça, nas negociatas corruptas. Só com o auxílio do Criador e atuação sincera dos homens de bem é que o Brasil poderá ser salvo. O viver está complexo e atribulado. Que futuro poderá ter a humanidade?

A desigualdade atinge muitos seres humanos que ficaram abaixo de seu potencial. Faltaram oportunidades e força de vontade. Uma questão pouco comentada é a da indolência pessoal ou induzida para manter dóceis as massas e que predispõe os humanos a ficarem acomodados sem desenvolver o necessário esforço para o seu aprimoramento, e não colocar em movimento a sua capacitação de examinar e elucidar a causa das dificuldades e o significado da vida, pois todos nós a recebemos por igual. Acima de qualquer lei humana pairam as leis do Criador que devem ser reconhecidas e observadas em todas as construções para que possa haver a paz e o progresso real.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

PARA ONDE VAI O BRASIL?

Ao longo da história econômica percebe-se a importância da economia aberta e privatizada, mas como o capitalismo baseado nesses moldes poderá se colocar diante do capitalismo de economia estatizada, com planejamento centralizado e produção em larga escala para exportar com preços imbatíveis? Grande geoeconomia! Sem depender de outros países, a China construiu sua independência financeira e avançou na tecnologia. Como preparar as novas gerações, produzir, dar trabalho, renda e consumo e gerar divisas para pagar as importações?

É preciso conhecer os problemas que mantiveram a educação em declínio no Brasil e que a partir de agora haja empenho na restauração desde a escola infantil onde as crianças deveriam aprender a observar como a natureza funciona. Os jovens precisam conhecer a natureza e seus mecanismos; as disciplinas de física e química estão ligadas a isso. Também é importante conhecer a história real e os desvios da humanidade em sua trajetória ascendente que deveria levar ao aprimoramento. Encher a cabeça com ideologias e teorias, em nada vai ajudar os jovens a se tornarem fortes para ajudar a si mesmos e ao país.

O futuro do Brasil e da humanidade depende da boa educação infantil e do bom preparo das novas gerações para a vida! Precisamos de uma campanha forte para introduzir o estudo da natureza no ensino básico, o que dará aos jovens a capacidade de pensar com clareza, escolher, comparar, ter criatividade, raciocinar com lucidez, divergir e, sobretudo, aprender.

O Brasil está atravessando uma fase de apagão mental e espiritual porque as pessoas, em geral, não se preocupam com seus próprios pensamentos e, com isso, agem de forma confusa e sem clareza na solução dos problemas. Isso é alarmante, ainda mais se considerarmos que não tem havido a preocupação de ensinar às novas gerações como raciocinar com lucidez.

Nas gerações anteriores, o cerebelo, embora enfraquecido, atuava com mais presença enviando as intuições do espírito (também conhecido como alma ou coração) para o cérebro, onde se formam os pensamentos. Com o passar do tempo, o coração foi emudecendo, colocando a metafisica (o interesse de ir além do mundo material para encontrar respostas sobre a vida e as leis que a regem) de lado, prevalecendo a frieza do intelecto restrito ao mundo material, e com isso as inovações tecnológicas foram se afastando do coração, ficando o indivíduo mais sujeito a influências externas via cérebro.

É preciso força de vontade e análise intuitiva feita com simplicidade, clareza e naturalidade para combater e impedir a influência externa nociva que, cada vez mais, encontra aberta a porta do cérebro sem a barreira da intuição – o eu interior.

O país jogou fora dinheiro por décadas. Políticas econômicas inadequadas, corrupção, obras inúteis, obras inacabadas, juros elevados de até 25%. Está tudo no limite. O que poderia ter demanda reduzida em modo restritivo? Energia elétrica, combustíveis, remédios, comida? Gastos públicos supérfluos?

O Brasil precisa entrar no rumo certo. Chega do imediatismo secular que tem caracterizado a administração pública. O gasto do dinheiro público deve promover o progresso real. Os países têm sido geridos com desvios e desequilíbrio geral, nas contas internas, nas contas externas e na balança comercial. Apagão mental, perda do bom senso. Durante décadas temos sido expostos ao pior negativismo. A questão do trabalho informal é preocupante em virtude das condições precárias em que vivem as pessoas com renda baixa e incerta e pouco preparo para a vida.

Agora enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do subdesenvolvimento. Faltam estadistas sérios e melhor preparo das novas gerações para conduzir o Brasil ao lugar que lhe cabe. No entanto, o presente é consequência de ações passadas e sem mudança do querer para o bem, a colheita é irrevogável. Durante décadas temos sido expostos ao pior negativismo e a governantes entreguistas perdulários. Basta de críticas destrutivas; precisamos de união visando a construção de um país em que a vida seja digna.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

7 DE SETEMBRO DE 2021

Em homenagem a Maria Leopoldina, José Bonifácio e Pedro I, o “7 de setembro” é oportunidade ideal para mobilização social e patriótica para combater a depravação política, social e econômica em que o Brasil foi lançado por pseudoestadistas que permanecem atrelados a poderosos interesses externos que visam usurpar a autonomia conquistada em 1822, em prejuízo da nação e sua população. Aqueles que se posicionaram como donos do Brasil, agindo como entreguistas dos recursos naturais e do mercado, não suportam a ideia de que o país possa ser governado em função dos interesses da nação e de sua população, e vão espalhando mentiras por todos os lados.

Em sua carta testamento, Getúlio Vargas bem expressou a sua angústia por não ter alcançado seus objetivos de governo. “Levo o pesar de não haver podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia. A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa. Acrescente-se a fraqueza de amigos que não me defenderam nas posições que ocupavam, a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês e a insensibilidade moral de sicários que entreguei à justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país, contra a minha pessoa.”

O mundo necessita de pessoas capacitadas para encontrar soluções inovadoras para problemas complexos, isto é, pessoas que tenham a capacidade intuitiva em funcionamento, pois só ela possibilita a visão ampla dos acontecimentos através da construção de cenários que permitam visualizar soluções. Mas isso está faltando na atual crise, dada a ausência de propósitos enobrecedores visando o bem geral e aprimoramento da sociedade. O período da pandemia deveria ter produzido um melhor entendimento entre as pessoas, mas parece que em muitos casos está piorando. A vida é maravilhosa, mas os seres humanos se afastaram do real significado da vida, passando a ter uma existência mecânica sem a participação da alma, e nada mais é como deveria ser.

Há muitas controvérsias sobre a vacina e não podemos ignorar os “vai e vem” nas explicações. Eram necessárias duas doses, agora se fala na terceira, aumentando o faturamento e a ansiedade. Todavia, se o mundo todo está recebendo as vacinas, por que ficar atacando esse ponto? O foco deveria estar dirigido para o aprimoramento da espécie humana, decadente e corrupta, que fez do viver na Terra uma luta ignóbil.

Em sentido figurado, o mundo está pegando fogo. É muito difícil modificar a rota dos acontecimentos caóticos que se precipitam sobre a humanidade. As trevas interferem em tudo e dominam muitas pessoas revoltadas, descontentes com o próprio destino que foi originado por elas mesmas, e do qual só poderiam se desvencilhar se, cientes disso, passassem a agir querendo e sempre buscando o bem e a Luz da Verdade, confiantes que as leis da Criação, a Vontade do Criador, enviará a força restauradora para restabelecer a paz e a felicidade.

No capitalismo ocidental faltou vontade e preparo para manter sadias a sociedade, a política e a economia. A humanidade criou a grande tragédia ao não conseguir viver em pacífico progresso, pois para satisfazer as próprias cobiças foi causando sofrimentos a outros, contrariando o fundamental ensinamento de vida ofertado por Jesus.

Nestes tempos sombrios, vale lembrar o Dia do Soldado, comemorado no Brasil no dia 25 de agosto em homenagem ao nascimento do Marechal Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias (25.08.1803/ 07.05.1880), patrono do Exército Brasileiro, que se tornou conhecido como “o pacificador” após sufocar muitas rebeliões contra o Império. Em 2021, o Brasil enfrenta crise de poder; os inimigos do país se voltam contra assim como ocorreu naquela época, com oposição à independência da colônia.

Grande parte das pessoas que vive no Brasil recebeu pouco preparo e foi afastada da nacionalidade. Com isso, o país nunca se tornou aquilo que poderia e deveria ser, uma Terra de Vera Cruz, ou seja, da Cruz da Verdade, aquela avistada no céu por Cabral em abril do ano de 1.500. E o ano de 2022 assinalará o simbólico bicentenário da independência do Brasil.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

RUMOS DA ECONOMIA

Em 1944, no final da Segunda Guerra Mundial, 45 países assinaram o acordo de Breton Woods consolidando o sistema financeiro regido pelo dólar que passaria a ter controle de boa parte da economia mundial e da distribuição de capitais pelo mundo. Para assegurar a adesão das sensíveis nações europeias foi adotada a paridade e conversibilidade em ouro, a qual foi rompida em 1971 conjuntamente com a desvalorização do dólar, causando forte impacto, pois o crédito havia ampliado a oferta da moeda tornando o acordo insustentável. A prosperidade do pós-guerra estava estagnando, surgindo inflação e desemprego. Ainda nos anos 1970, o super aumento do preço do petróleo revolucionou a economia e o sistema monetário.

O princípio do desenvolvimento equilibrado inclusivo e sustentável entre os povos foi posto de lado, tendo sido substituído por uma velada economia do salve-se quem puder pegando em cheio os militares que governavam o Brasil. O sistema monetário internacional tinha de levar a isso, face ao artificialismo em que se desenvolveu, fazendo com que os produtores de petróleo elevassem o preço do barril de US$7,00 para US$70,00, levando o Brasil a implantar o Proálcool.

Com o aumento do preço do petróleo, as pressões dos sindicatos por reajuste de salários e a desestruturação da produção, surgiu uma grande inflação nos anos 1970, gerando uma progressiva complicação econômica. Diz-se que se o governo emite e põe o dinheiro em circulação gera inflação, mas não ocorre a mesma coisa quando emite dívida? O importante é que haja produção para atender ao consumo, empregos e renda.

O endividamento em dólar disparou, as taxas de juros também. Tudo isso foi criando ambiente favorável ao crescimento da inflação; produzir se tornou mais custoso; havia desemprego e perda de renda freando a economia. A inflação acabou sendo dominada com austeridade, juros elevados, dolarização e importações, posto que a China passou a integrar elevado contingente de mão de obra de menor custo na produção de manufaturas.

Os ganhos foram superando os investimentos em produção e gastos em infraestrutura gerando grande massa de liquidez especulativa, sem ter em que aplicar. O keinesianismo queria impedir o caos transferindo a responsabilidade de investir para o governo, o que acabou não dando certo. A China criou o capitalismo de Estado e, com a globalização, a OMC deu a ela o status de país parceiro do capitalismo de livre mercado exportando os seus manufaturados para todos os lados. E tudo foi se encaminhando para esse caos econômico que inclui desemprego, endividamento alto, desequilíbrio geral.

Muitos países como o Brasil não conseguiram sustentar mais a sua moeda em relação ao dólar com juros elevados, encarecendo os importados. O futuro tende a ser mais severo, com limitação dos recursos naturais e geoeconomia agressiva. Haverá dinheiro sobrando e miséria aumentando.

Com o deslocamento da produção para a Ásia, a economia americana criou um vazio. O “made in” se tornou o ponto crítico na produção mundial. Países que privilegiaram as importações, incluindo o câmbio valorizado, perceberam que se fragilizaram. O novo acordo comercial promovido pela China é um fato natural, já que a Ásia abriga mais de 60% da população mundial e o capitalismo de estado criou nova forma de produzir e comercializar. A questão é, qual moeda será empregada nas relações.

“Os países desenvolvidos podem se dar ao luxo de fornecer um enorme alívio para as suas sociedades, e estão fazendo isso, mas o mundo em desenvolvimento está à beira da ruína financeira e da crescente pobreza, fome e sofrimento indizível”, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, na reunião do G-20.

O Brasil precisa entrar no rumo certo. O gasto do dinheiro público deve promover o progresso real. Os países têm sido geridos com desvios e desequilíbrio geral, nas contas internas, externas e na balança comercial. Agora enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do atraso. Faltam estadistas sábios e melhor preparo das novas gerações para conduzir o Brasil ao lugar que lhe cabe. O presente é consequência das ações passadas e, sem mudança do querer para o bem, a colheita da mesma espécie será inexorável.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br