Posts

PROCURAR E ACHAR O CAMINHO

No recrudescimento das crises ideológicas e religiosas, e em meio à complicada situação financeira mundial, com tendência de redução da atividade econômica e avanço da guerra comercial, rompem-se acordos de não-proliferação de mísseis nucleares. Dois aspectos a serem examinados nesta fase em que o planeta abusado mostra a reação da natureza: o descontentamento com medidas que se opõem à ilimitada abertura das fronteiras para o comércio global e a queda da atividade econômica, por vezes reerguida no passado com conflitos bélicos. O que se passa na cabeça da população e dos mentores das grandes decisões que afetam a humanidade? Qual o alvo?

O mais lamentável na espécie humana é a sua displicência e comodismo. A questão da água é seríssima, assim como o tratamento do lixo e dos dejetos humanos. O ciclo da água é perfeito. Nascentes, rios, solo, florestas, sol, chuvas, tudo interligado, até que o homem passou a interferir arbitrariamente sem observar como a natureza funciona. O resultado está aí na nossa frente: rios mortos e mares poluídos. Nas últimas cinco décadas, a poluição dos mananciais reduziu as reservas hídricas mundiais em um terço.

Neste mundo, que se afastou do humanismo e das leis da Criação, todos os seres humanos têm de prosseguir, ir além, perceber o dom da vida. O problema está na falta de reconhecimento de que, como seres humanos, a educação e o cuidado com os filhos têm de estar em nível superior ao do instinto dos animais para formar uma geração forte que anseia pela evolução espiritual.

Há uma fábula que narra a saga de uma civilização formada por espíritos cujo anseio de se tornarem fortes e conscientes foi atendido pelo Mestre Universal. Receberam uma região com todo o necessário ao progresso pacífico, mas não respeitaram as leis da natureza, nem seguiram a vocação natural do espírito de beneficiar e embelezar a região recebida em paz, e buscar o caminho de volta à sua origem. Assim, com a força de seu raciocínio acorrentado ao materialismo, se apegaram às coisas materiais simbolizadas no bezerro de ouro.

Com seu baixo propósito, foram semeando o caos, a desordem e a violência. Ao ver isso, o Mestre os deserdou, os advertiu e os encaminhou para uma região distante, sem acesso, onde permaneceriam juntos, todos os de má índole, até que reconhecessem sua baixeza para poderem se elevar. Teriam de procurar a Luz da Verdade para reencontrar o caminho perdido. O Mestre, então, cedeu aquela região a outros espíritos, mas eis que uma parte desses também foi decaindo e o fizeram de forma tão ignóbil que acabaram abrindo uma passagem para a região dos deserdados, que vendo essa oportunidade, correram em massa ao local que habitaram outrora.

Não tardou para se instalar o caos geral, desta feita mais violentamente ainda, causando danos até aos de boa vontade e de nobres propósitos. O Mestre, então, percebeu que tinha de organizar uma campanha de limpeza do ambiente para extirpar definitivamente os de má índole, pois não mereciam mais o presente ofertado. Assim é a lei da vida: os perturbadores têm de ser separados daqueles que querem evoluir em paz e com vontade direcionada para o bem geral.

No Brasil, a situação já estava difícil, mas com a sucessão do PSDB pelo PT ficou ainda pior. Hoje penamos a miséria aumentada com máquinas paradas, desemprego e uma dívida absurdamente elevada. Sempre houve obstáculos para a produção de manufaturas, mas mesmo assim, conseguíamos exportar vários itens. Nesse ínterim, o parque industrial, que engatinhava, perdeu o vigor.

Precisamos de mudanças que permitam aumentar a produção, os empregos e sua qualidade para intensificar a atividade econômica do Brasil. O capital humano é de suma importância, mas cada indivíduo tem de se compenetrar de sua responsabilidade e receber bom preparo para vida, tornando-se eterno aprendiz.

Há uma suposição de que as redes sociais provocaram reações, mas a causa é outra. Os brasileiros estão tomando consciência de que o país vem sendo conduzido para o abismo na educação, nas finanças, na desindustrialização e falta de empregos. Apesar dos recursos naturais disponíveis, a precarização geral avança. É um “basta” o reflexo do anseio pelo retorno à seriedade e melhora geral.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS GOVERNOS E O CAOS MUNDIAL

No século 21, a economia vive a difícil corrida do PIB, mas o aumento não significa obrigatoriamente que haverá melhora nas condições de vida da população. No Brasil provavelmente haveria, pois o PIB estagnou desde quando a indústria foi perdendo fôlego. Vivemos o artificialismo da economia, as condições de vida são precárias e mesmo com alguma melhora na produção de bens e serviços vai demorar para que se notem benefícios efetivos no Brasil.

Os governos deveriam promover a melhora da qualidade de vida, mas ingressaram na corda bamba financeira e nada conseguem realizar apesar dos recursos naturais disponíveis, pois a civilização do dinheiro só leva em conta a existência de dinheiro – no caso, o dinheiro mundial e sua instável cotação -, pois as moedas nacionais não são pouco respeitadas, como na Argentina e Brasil. Tudo fica travado e nada se consegue realizar apesar da existência de recursos materiais e muita mão de obra ociosa.

O país se mantinha desorientado, Castro e Guevara faziam a cabeça dos jovens que se aborreciam com a miséria do Brasil em confronto com o modo de vida das famílias americanas mostrado nos cinemas. Após 1964, a economia continuou sendo regrada por oportunistas que só pensavam no futuro próprio.

Governantes irresponsáveis, sem o menor tino econômico-financeiro, movidos pelo desejo de se perpetuar no poder, assediados pelos banqueiros que tinham muito dinheiro para aplicar, e deu nisso. Não é só a Argentina que enfrenta dificuldades, também o Brasil e tantos outros enredados nas malhas das dívidas contraídas irresponsavelmente e que agora forçam o corte na carne para salvar o capital acrescido dos juros abusivos.

A partir dos anos 1980, o Brasil se tornou grande pagador de juros, o que prosseguiu na nova república, no Plano Real e nos tempos do PT agravado com corrupção e dívida grandes. Com o país endividado, desindustrialização e ameaça de recessão global o que o país pode fazer?

As novas gerações precisam de estímulos e propósitos enobrecedores, mormente partindo de instituições que representam o país. Chega de achincalhe do país, da bandeira, do hino nacional, dos jovens. No Brasil, temos o grave problema secular da falta de empenho geral na consolidação de um país livre, na ausência de uma população bem preparada para a vida, que gosta de se divertir.

Com a falta de seriedade e autoestima, as pessoas são incentivadas a deixar rolar para ver como fica. Não há metas nem planos perseverantes, tudo declina continuadamente. Temos permitido abusos, estagnação e declínio – o voo de galinha deste país repleto de potencialidades. As pessoas que vivem no Brasil deveriam ser incentivadas a pensar com otimismo no bem geral, em querer um país melhor.

O Brasil está combalido após décadas de juros elevados e gestão irresponsável. Fala-se que em 2020 a taxa de juros terá aumento. Terminou a eleição, ficaram definidos os cargos, hora de estabilizar o país. Se o Brasil desandar agora, tudo se complicará mais ainda nesta fase em que os poderes mundiais buscam definir quem manda no mundo. No meio dessa disputa também estão os cobiçados recursos naturais brasileiros.

A globalização e a concentração da produção de manufaturas já causaram forte impacto nos empregos. Yuval Harari, professor israelense de História, prevê que a Inteligência Artificial virá para impactar ainda mais. Ademais, a “financeirização” da economia, a falta de competência dos estadistas, a corrupção e o despreparo de grande parte da população emperraram as engrenagens das economias internas, passando tudo a girar em função do mercado externo onde circula a moeda global. Quem só dispõe de commodities enfrentará mais problemas.

O Brasil vive um pesadelo. Há 63 milhões de pessoas penduradas no Serviço de Proteção ao Crédito, além de 13 milhões sem emprego. Produção estagnada. Consequência de décadas de gestão interesseira e sem patriotismo e a população sendo insuflada de forma conflituosa. Se a humanidade tivesse se mantido firme no propósito de assegurar o direito de evolução de todos os povos de forma equilibrada, a história mostraria justiça e não haveria esse cenário caótico de imigrações e refugiados pelo mundo. Falta união por um Brasil melhor. Hora de enfrentar as causas reais da decadência e unir o país na superação do caos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7