Posts

UMA NOVA SINTONIZAÇÃO

Um fim de ano aquecido nas Bolsas. No que diz respeito aos juros, provavelmente permanecerão estáveis para países altamente endividados e tentando conter a dívida, caso do Brasil. A prática de juros altos criou todo o artificialismo, sugou as energias e o país cambaleia; uma volta ao realismo, até quando? Mas o que acontecerá se no futuro os juros voltarem a subir? O rigor fiscal é importante, mas os sacrifícios estão nas costas dos mais fracos. A renda fica estagnada, mas os preços sobem. Estariam os especuladores preparando novo ciclo de valorização do real para lucros gordos?

Mais de sete bilhões de seres humanos estão sintonizados de forma errada perante as leis da natureza ou da Criação. Aumenta a turbulência porque as consequências estão pipocando por todos os lados, na vida individual, nas famílias, nas empresas e nos países, agravando a situação geral. Não faz muito tempo, os avós ensinavam que por pouco que seja é preciso poupar, não gastar tudo, ter uma reserva para emergência, ser independente. Hoje, poucos sabem de onde vieram e por que vivem. Infelizmente essa é a triste realidade que se apresenta em muitos países.

A ficção dá uma ideia do que vem ocorrendo atualmente, como no filme “As golpistas” que conta a história de um grupo de dançarinas de strip-tease que se unem para aplicar golpes em seus clientes – executivos de Wall Street. Para Destiny (Constance Wu) e sua “mentora” pessoal e profissional Ramona (Jennifer Lopez), “o mundo é uma boate de strip-tease”, e na realidade é isso mesmo que está acontecendo, acabando com o pouco de dignidade humana. As mulheres tiram a roupa e mostram seu corpo, os homens se embrutecem e, na vida real, tiram a máscara e mostram a sua hipocrisia e vileza para satisfazer à própria cobiça. Uma meleca que muitos não conseguiram ver por inteiro, retirando-se da sala, desapontados.

Estamos enfrentando um declínio civilizatório que avança pelo mundo e traz a marca da crise econômica com seus efeitos que a tudo atinge, nitidamente visível no Brasil devido à falta de adequado preparo para a vida, que se agrava com a falta de responsabilidade de homens e mulheres na geração e preparo dos filhos. A decadência está penetrando também pelo uso de baixarias na arte, drogas, intelectuais que insistem em justificar a destruição, artistas que defendem uma vida desregrada e promíscua desvalorizando a mulher, a mãe, e que zombam da beleza genuína.

Por que a humanidade entrou em processo de decadência e incivilidade? A essência espiritual dos seres humanos é a mesma, seja rico ou pobre, mas é indispensável cuidar bem do corpo – este grande presente -, se alimentar, se aprimorar, gerar filhos com responsabilidade e dar orientação a eles, buscar o sentido da vida.Tudo fica difícil, agravado com a falta de bom preparo das novas gerações desde os adventos da televisão de baixo nível e outros inventos, e o abandono da leitura de bons livros. Há muito superficialismo e pouco aprofundamento nas questões fundamentais da vida individual e da sociedade. Há grande empenho em manter tudo como está para assegurar os privilégios dos que se alojaram no topo.

Durante décadas, no pós-guerra, surgiu a sensação de esperança num mundo melhor, mas na luta por ganhos e conquistas as novas gerações passaram a ter sensação oposta, ou seja, de que a situação tende a piorar devido à cobiça desmedida. Na pressão aumentada na luta pela sobrevivência, a polidez e a consideração vão sendo postas de lado o que poderá levar a atitudes pouco civilizadas. Quanto mais aumenta a pressão, maior é a tendência da ação impulsiva de pessoas que não querem ouvir o sentimento intuitivo.

Estamos atravessando um desequilíbrio econômico mundial com aumento no desemprego e queda na renda. Há desordem nas contas públicas e dívidas elevadas. A economia está perdendo a vitalidade. Os bancos centrais imprimem mais dinheiro e baixam os juros. Em 2020 haverá eleições, fase em que se amenizam as disputas. No Brasil, após a eleição de 2014, apareceu o buraco que estamos amargando até hoje. O que se passará no mundo após a eleição americana de 2020? É preciso uma nova sintonização, o fortalecimento da vontade de melhorar as condições gerais de vida e de aprimorar a espécie humana.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora).  E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO GLOBAL

O surgimento de nova guerra comercial se apresenta como um daqueles impasses de difícil solução. Como tem sido praxe nas últimas décadas, as decisões são tomadas em ambientes opacos, sem transparência, sem a sincera boa vontade para alcançar resultados equilibrados para todos, querendo cada um levar vantagens sobre o outro.

Em geral, os homens escondem seus reais objetivos e tomam decisões da forma como conseguem impulsionar seus alvos. Muitas coisas têm sido empurradas de qualquer jeito, sem considerações com o futuro; porém, agora o mundo enfrenta uma nova situação com o acúmulo de população e das consequências das decisões anteriores. Para resolver de forma menos traumática é preciso sinceridade e transparência de todas as partes envolvidas, estabelecendo-se um alvo comum de melhora geral de forma equilibrada.

Não se fala em legislação trabalhista, tributária e ambiental. Não se fala em política cambial. O Brasil combateu a inflação com câmbio valorizado e travou a indústria e o desenvolvimento da mão de obra. Cedemos mercado, empregos e divisas. Teremos eleições, mas não se ouve falar em soluções viáveis para a elevação da qualidade de vida e humana. As relações entre os povos se ressente da falta de equilíbrio.

As teorias econômicas estão fora da realidade atual que apresenta grande volume de liquidez e operações financeiras bem acima do PIB mundial. O comunismo cedeu lugar ao capitalismo de Estado, que não pode ser comparado ao livre mercado, a base das teorias, mas estão ai competindo pelos mesmos consumidores. Há também a questão das paridades cambiais. O grande ponto crítico, a falta de equilíbrio nas relações comerciais entre os Estados, entre produção e empregos e a falta de equilíbrio nas contas internas e externas dos Estados, tudo afetando o funcionamento das economias. Os economistas teorizam, mas as decisões estão imbricadas com o poder.

Com o dólar em elevação, evidencia-se o descaso geral de governos no trato das finanças. O dólar surgiu no pós-guerra como a moeda, enquanto a maioria dos Estados tinha a não-moeda, instável, permanentemente inflada por indisciplina fiscal, sem que se dispusessem a planejar o equilíbrio nas contas internas e externas, tomando empréstimos externos de forma pouco responsável, o que gerou incontidas oscilações cambiais, desorganizando todo o sistema com súbitas desvalorizações da moeda própria – as maxidesvalorizações. Um mecanismo perverso até hoje não equacionado com clareza, impedindo a busca de soluções duradouras para o progresso geral.

Quais as causas reais da estagnação, no Brasil e em outros países, sem bode expiatório como tem sido feito até agora? Não precisa muita teoria ou estatísticas para ver com simplicidade que o que falta é: produção, empregos, salários, consumo, crédito. Sem isso, nada feito. Com dólar caro, será que vai dar para reagir ou vai piorar, porque o país se estruturou para exportar commodities, que é um item importante, mas passou a importar de tudo?

É tarefa do governo, seus ministérios e do Banco Central criar oportunidades de trabalho e também do FMI, pois sem renda não há consumo, a economia para. Mas há um problema: se cria trabalho e renda, mas o consumo se alimenta basicamente de importados. Como sustentar o equilíbrio da balança das contas externas?

Enquanto a China planejava a sua inserção no mercado global, o Brasil afundava em dívidas. O resgate da dívida gerou desvalorização cambial e inflação galopante com o excesso de emissão monetária. Depois, vieram os planos de âncora cambial para combate da inflação via importações baratas que fizeram grande estrago na indústria insípida, enquanto a China, com enorme contingente de mão de obra barata, favorecia a importação de matérias-primas para exportar produtos acabados, pagando os custos internos em moeda local, exportando em dólares. O resultado é a situação de desequilíbrio que vemos por aí e que por certo está assustando o presidente norte-americano Trump, enquanto a maioria dos governantes de outros países não sabe o que fazer para pôr ordem nas contas internas e externas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7