Posts

COMO SAIR DA ESTAGNAÇÃO

De tanto verem cenas de pessoas fumando, homens e mulheres passaram a achar que fumar seria algo natural, esquecendo de que se trata de uma ação nociva para a saúde. Esse processo de condicionamento acabou tendo grande aplicação, pois ficou demonstrado que o cérebro vai assimilando tudo o que lhe é mostrado de forma repetida. Atualmente, as comunicações estão empregando com frequência o uso de falsidades e violência com uma frieza jamais imaginada. O que se poderá esperar dessa forma de comunicação?

Se as pessoas não examinarem atentamente tudo que receberem, teremos o caos muito em breve, inclusive na economia onde se fala muito, mas não se apontam as causas reais da estagnação e as soluções adequadas. Cada ser humano deveria dar sua contribuição de acordo com as suas características individuais. Mas os seres humanos foram se acomodando, não examinando a vida por si mesmos, nem buscando conclusões próprias refletindo intuitivamente, o que fortaleceria o eu interior.

Com o aumento da indolência, ampliou-se a aceitação sem examinar tudo o que era oferecido de fora. Surgiu o produto de massa com hábitos facilmente identificáveis que se revelam através de algoritmos estatísticos. O ser humano tem de reconhecer a importância da reflexão e seguir a lei do movimento certo para não estagnar e enterrar os talentos espirituais, passando a agir como máquina repetidora.

O homem tem de entender a natureza e suas leis, mas em seu afã de dominá-la se torna um ignorante. Quando não observadas, as leis naturais são implacáveis, como a da gravidade. O que ocorre no plano físico da natureza também ocorre em outras áreas, como no descontrole das dívidas, das contas, do comércio, no dinheiro público, nos descuidos com a população.

A mentira, a falsidade, a ocultação da verdade sempre existiram. O que se espalhava boca a boca e pelo jornal impresso, hoje inunda o ar. Agora vivemos o auge da mentira em tudo na vida, mas com as novas máquinas e programas será mais fácil criar narrativas falsas. Ainda veremos maior frieza e astúcia na preparação e divulgação das falsas narrativas motivadas pela cobiça dos homens e da geopolítica.

Com o incremento das importações, a produção ficou travada desde os anos 1990. Urge ativar a produção e criar empregos, mas através de atividades úteis e benéficas, melhorando a renda e o consumo. Sem produção, a circulação do dinheiro definha acarretando estagnação. Com o declínio da produção os custos ficaram insuportáveis e muitas empresas fecharam as portas.

Alguma ação paliativa é necessária, mas não será suficiente, como simplesmente disponibilizar o dinheiro para as pessoas consumirem. Necessitamos algo duradouro que dê estabilidade à economia e à vida, senão continuaremos caminhando aos sobressaltos sem sustentabilidade. Os imediatismos geraram a desorganização e decaímos às dificuldades semelhantes aos anos 1930, mas ficamos sem força para produzir.

Baixar os juros SELIC representaria segurar o crescimento da dívida e, enquanto o mundo baixa os juros, não fazer o mesmo serviria para atrair capitais especulativos que promoveriam a valorização do real, mas o caixa do governo com déficits nas contas continuaria no aperto.

As nações surgiram decomunidades estáveis formadas por vontade própria de um grupo de indivíduos, com base num território, numa língua, e com aspirações materiais e espirituais. Com a massificação, isso mudou. As aspirações de progresso material com equilíbrio foram substituídas pela cobiça e guerras, e as espirituais de amplitude universal, por religiões que deram espaço aos sectarismos e fundamentalismos, em vez de se tornarem o solo adequado para o progresso espiritual da humanidade. O espiritualismo inato perdeu força diante do fortalecimento do materialismo egoístico encobridor das causas da decadência.

Tornado politicamente independente em 1822, o Brasil não avançou o tanto quanto poderia se tivesse sido bem administrado. Ainda falta muito para ser uma República digna e humanista. O pessimismo se instalou entre os empresários. As novas gerações desanimam com empregos elementares de baixos salários. Há cerca de 14 milhões de desempregados. A população, que há décadas sofre com a falta de bons rumos para o país, está saindo do torpor e ordeiramente vai pedindo a recuperação e a libertação da desfaçatez e da estagnação moral e econômica. Precisamos das condições que assegurem mais produção, empregos, renda, educação e progresso real.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A GRANDE ESTAGNAÇÃO

A economia de um país teria de produzir o suficiente para atender às necessidades de sua população diretamente, ou produzir o suficiente para ter um excedente que permitisse fazer trocas com outros países, sem precisar recorrer a financiamentos para cobrir déficits do comércio. Aí entrou a imaturidade da classe política e a fragilidade do dinheiro próprio no mercado mundial. A globalização colocou na mesma arena o capitalismo de livre mercado e o capitalismo de Estado com poder centralizado, gerando desindustrialização, perda na renda, o que amplia os desequilíbrios existentes. No Brasil, a situação se agrava com o desequilíbrio fiscal e o crescimento da dívida.

Grande parte das operações do capitalismo hoje estão sob a égide do capitalismo de Estado que cria dificuldades e conflitos com o capitalismo ocidental viciado e dominado por forças corruptoras, mas que apesar de tudo enseja alguma liberdade. O problema, como sempre, está no ser humano e sua cobiça por riqueza, poder e desrespeito às leis naturais da Criação.

As empresas, em sua maioria, fazem a contabilidade em dólares, buscando ajustar os preços praticados. Grande parte da classe trabalhadora recebe em reais. Se a taxa de juros Selic aumentar, pode acontecer de a cotação do dólar baixar pela entrada dessa moeda para desfrutar dos juros atraentes. Com isso, simultaneamente, ocorrerá valorização do real, mas essa entrada vai refletir na dívida e aumento da despesa com juros, deixando os importados mais baratos. Também dificultará as exportações, embora haverá o momento de fazer o ajuste e tudo será invertido.

Desde o ciclo do açúcar e café, o comércio exterior no Brasil tem sido negócio para poucos. Atrai divisas, mas não chegou a dinamizar a economia interna. A China tem de alimentar sua população e dar oportunidades, e por isso escolheu a via da exportação de manufaturados, bem-sucedida pelo controle de custos que o ocidente não consegue seguir. O que dirão os economistas do futuro quando analisarem esse pesadelo econômico que está assustando bilhões de pessoas?

Não podemos permitir que a situação desande ainda mais. A economia tem de ser destravada e respeitar as leis da natureza. Um absurdo a poluição dos rios que transportam esgoto pelas cidades. A Baía da Guanabara virou a baía do lixo. Segundo o genial Leonardo da Vinci (1452-1519), nada do que há na Terra ficaria sem ser perseguido e destruído para satisfazer as cobiças por riquezas que serão extraídas das entranhas da Terra, como se fosse o sangue de um organismo, debilitando-a.

Há décadas vemos muitos teóricos opinando sobre educação e preparo das novas gerações para um futuro melhor, mas a decadência geral persiste. Estudar a natureza e suas leis terá de ser a base do estudo da ciência, pois nela se encontram os fundamentos que mostram como tudo funciona, com causas e efeitos bem determinados em amplitude cósmica. Por fim, será também o elo de união do homem com a espiritualidade.

As crianças precisam ser auxiliadas a desenvolver o controle pessoal, observando os próprios impulsos e as emoções, e serem motivadas para aprender. Escrever e fazer contas a lápis são excelentes meios para o desenvolvimento cerebral. Na educação infantil, falta o aprendizado sobre a vida, somos todos peregrinos e devemos nos esforçar para evoluir.

Há tendência de precarização geral, não só no Brasil que conta com mais de 13 milhões sem emprego. Estão surgindo alguns empregos elementares de baixos salários. Há 60 milhões de pessoas enredadas em dívidas. Desindustrialização. Perda na renda. Os desequilíbrios se agudizaram. A dominância da dívida travou tudo. O dinheiro está sumindo, e com a ampliação da austeridade não há alívio para a população.

A economia brasileira não pode continuar estagnada. É preciso produzir, empregar e consumir mais, equilibrar a balança comercial e as contas externas, conter o endividamento estúpido que nada produz e aumenta a carga de juros sobre a população. Devemos melhorar a educação, estabelecer projetos enobrecedores para que os adolescentes não desperdicem seu tempo em discotecas contaminadas por drogas que minam o caráter, enfraquecem a saúde e a nação. É preciso reconhecer que nada surge por acaso. Decair é fácil. Progredir requer esforço. Esse é o Brasil que queremos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

OS PROBLEMAS DA ECONOMIA

Quais são realmente os problemas da economia? A previdência? A capacidade ociosa? A falta de pesquisa? Falta-nos ética, entusiasmo e excelência ou faltaram mais economistas lúcidos e mais pessoas com curso médio e superior completos? O sistema Breton Woods deu ao dólar o papel de moeda mundial, enquanto o FED mantinha política de preservar o poder do dólar, Brasil, Argentina e outros detonavam suas moedas com todo tipo de irresponsabilidade, permitindo desenfreada especulação. A falta de moeda confiável causou muito infortúnio abaixo do Equador.

Com os juros americanos elevados para 20% nos anos 1980, a dívida externa dobrou. Criou-se austeridade para reduzir consumo e exportar mais. Produzia-se e exportava-se, mas os dólares nem chegavam. Veio a inflação galopante. O Real resultou do congelamento do dólar na base de juros elevados; tudo encarecia, os importados não. As indústrias não aguentaram. Enfrentamos a confluência de todos os erros e irresponsabilidades, e a escandalosa corrupção que juntas apodreceram a moeda nacional. Os homens públicos continuam brincando de faz de conta em vez de administrar o país com patriotismo e seriedade.

A trava sempre vem pelo câmbio e dívida elevada. Todos estavam na cena: governo, congresso e judiciário. E foram lenientes com a dívida. Na Argentina também. E colhemos essa situação caótica que jamais poderia ter acontecido neste país se não fossem os maus governantes. O pessoal que hoje faz críticas nada fez nas décadas passadas, aproveitando as oportunidades de ganhos e deixando o Brasil resvalar para o abismo.

Acabou o mito “eu sou você amanhã”. Brasil e Argentina ficaram iguais. Governantes danificam as contas públicas fazendo a dívida crescer. O FMI exige fortes medidas corretivas que pesam para o país e sua população. Tudo vai sendo sucateado e depreciado. Predomina a maldição secular, ou seja, o feitiço que faz o dinheiro sumir e que vai se repetindo a cada década. Quando surgirão governantes patriotas? A Venezuela é uma tragédia humana. Mas o Brasil está debilitado com o irresponsável crescimento da dívida e desindustrialização; precisa se recuperar, pôr a casa em ordem, dar educação e saúde.

A economia mundial está instável. A do Brasil pode virar pó, pois vem sendo tratada com displicência há décadas, resultando no caos atual, endividado e com pouca indústria. O dinheiro está sumido. Usa-se o cartão de crédito para tudo para postergar o pagamento, isto é, as pessoas estão comendo hoje o salário de amanhã. É preciso encontrar a saída para aumentar a produção, empregos, renda, consumo. A miséria vai comendo por dois lados: o do bolso vazio e o da consequente falta de preparo para a vida, fragilizando a economia.

O que está acarretando a alta do dólar no mundo? Insegurança. Medo da estagnação que vai lançando seus tentáculos? Guerra cambial? No Brasil, há o reflexo da dívida de quase R$ 5 trilhões e o descompasso entre as forças políticas que mandam e mamam no país. O mundo ficou engessado ao dólar que interfere profundamente na economia. Capitalismo em crise ou a Humanidade? A França fala em reformar o capitalismo tendendo para a centralização do poder. Por que diminuem as oportunidades e aumenta a precarização? Grande parte das operações do capitalismo estão hoje sob o modo capitalismo estatal com mais controle sobre o que produzir e para onde exportar, uniformizando salários para baixo, criando novos problemas e conflitos para o capitalismo ocidental viciado e dominado por forças corruptoras, mas que, apesar de tudo, enseja alguma liberdade. Como sempre, a causa do aumento da miséria está no ser humano e sua cobiça por riqueza e poder, e desrespeito às leis naturais da Criação.

Nas Repúblicas tudo ficou tão contaminado pelas articulações que os globalistas querem mudanças no jeito de administrar os estados. Se hoje não estamos bem, a liberdade e individualidade poderão se restringir mais ainda. OCDE, OMC, temos várias organizações, mas a economia global ficou desequilibrada. Essas organizações deveriam cuidar do comércio justo e equilibrado para que não faltassem empregos e para evitar a atual tendência de precarização geral. O Brasil deveria ter se consolidado como polo de atração da Luz e da Verdade para o bem da humanidade. O que deu errado? Permanecemos sem rumo. Para onde vai a economia?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7