Posts

O ANO NOVO E O FUTURO DA HUMANIDADE

“Livra-te de todas as trevas! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos na maravilhosa Criação de vosso Deus!” – Abdruschin.

O que vai acontecer em 2022 e depois? Eis a grande questão que inquieta a todos, sejam pobres ou ricos, empresários ou empregados. A instabilidade é ampla. Sem um alvo nobre, os seres humanos em geral e os incumbidos da administração pública vão tateando inseguros, improvisando e remendando decisões, sem saber exatamente que resultados surgirão. A humanidade está cega quanto ao futuro imediato e distante.

A fase atual é crítica para a os seres humanos, sempre habituados a ter uma visão mais definida do futuro, mas a partir da instabilidade criada no enfrentamento da pandemia, o futuro se tornou incerto, difícil de ser previsto, gerando inquietação e temores. É como se o solo estivesse acidentado, dificultando a movimentação, obrigando as pessoas enfrentarem o que vem pela frente. Tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação.

A natureza sempre esteve à disposição dos humanos. Em vez de adaptar-se a ela e suas leis, para uma vida simples e natural de boa qualidade, o ser humano buscou dominar a natureza e tudo o mais, mas vem provocando um processo de continuada precarização, em vez de obter melhora nas condições gerais de vida. Há um processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu a devida atenção ao aprimoramento próprio como requerem as leis da natureza, que estão aí para serem compreendidas e utilizadas de forma correta, levando ao progresso em paz e felicidade.

As pessoas em geral foram induzidas a crer que estudar a origem da Criação e da vida, e as leis que a regem, é coisa muito difícil e que não vale a pena perder tempo com isso. Ao desconhecimento da origem da vida, juntam-se as incertezas quanto ao futuro e quanto às transformações universais em andamento no planeta. Será que estudar o significado e origem da vida é mesmo difícil, ou é apenas uma questão de falta de força de vontade?

O conhecimento humano tem sido envolvido com palavras difíceis e explicações complicadas, que só grupos específicos conseguem entender, afastando as pessoas simples. Por isso já disse João, discípulo de Jesus: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”. Jesus explicou o significado da vida e da Criação com palavras simples, em linguagem daquela época, sempre comparando os acontecimentos gerais com a natureza. O espírito humano é como semente que precisa da Terra para se desenvolver e, dotado de livre resolução, terá de colher tudo o que semear.

O livro Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, de Abdruschin, apresenta a Palavra de Jesus na linguagem de nossos dias. São os mesmos esclarecimentos dados por Jesus, também com palavras simples, porém adequados ao linguajar atual e ao estágio do desenvolvimento cerebral dos seres humanos. Trata-se de um livro especial que desvenda a Criação com toda a naturalidade levando o leitor a viver o presente e a construir melhor futuro, analisando e refletindo, mas é plenamente acessível a todo ser humano que se esforçar para compreender direito a Palavra de Deus. Comece bem 2022 e tenha um ano proveitoso e feliz.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O FUTURO E AS INCERTEZAS

O futuro do Brasil e da humanidade está se complicando porque, em geral, poucas pessoas assumem responsabilidade sobre suas ações no presente que irão se refletir mais adiante. De longa data falta verdade e, habilmente, as reais intenções têm sido acobertadas. Mas estamos no século em que tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação, pois o que estiver em oposição a elas perderá a base de sustentação, devendo ruir naturalmente. O Brasil e a humanidade têm de abrir os olhos e deixar de ser como criança mimada e arrogante para entrar na fase adulta das realizações construtivas e benéficas.

Importa saber qual será o futuro do país cujo passado é vergonhoso. Como puderam deixar que a precarização dominasse na educação, saúde, moradias inadequadas em agrupamentos sem esgoto, e programas de TV de baixo nível? Passado de dívidas que deixou a indústria à míngua com política cambial desastrosa. Quando vemos o abandono das periferias das grandes cidades, dos rios e mananciais, vemos o que fizeram com o maravilhoso Brasil.

A Petrobras perdeu rios de dinheiro por má gestão. O prejuízo na refinaria em Pasadena foi clamoroso. Para recuperar, a população está sendo onerada com sucessivos aumentos de preços dos derivados de petróleo e até no álcool “made in Brasil”. Onde está o bom senso? A oposição tem que perceber que a sua forma de agir representa um ataque e contribui para denegrir a imagem do maravilhoso país que ainda oferece oportunidades de trabalho e sobrevivência, haja visto tantos venezuelanos e haitianos que vêm para cá porque o caos domina o país deles.

Os cientistas e as pessoas em geral não podem continuar afastadas da natureza e suas leis que é a grande doadora e orientadora da vida. Para encontrar as soluções, deve-se estudar de forma séria e profunda a natureza. Muitas vezes um simples camponês conhece a natureza muito melhor do que um cientista que por décadas tenta se sobrepor e dominá-la, mas só conhecendo-a profundamente poderemos obter dela os ricos frutos do progresso real e da paz. Estamos diante da crise provocada pelo desrespeito à natureza.

O conhecimento superficial se torna obsoleto com tanta rapidez por estar distante do saber das leis naturais. Em vez de fazer a diferenciação entre ensino técnico e teórico, o Brasil deveria estar pensando na qualidade do básico na educação que dará aos seus cidadãos a capacidade de pensar com clareza, escolher, comparar, raciocinar, divergir e, sobretudo, aprender.

A natureza sempre esteve à disposição dos humanos. Em vez de adaptar-se a ela e suas leis, para uma vida simples e natural de boa qualidade, o ser humano buscou dominar a natureza e tudo o mais, mas vem provocando um processo de continuada precarização, em vez de obter melhora nas condições gerais de vida. Ao nos aproximarmos dos limites críticos estão surgindo as alterações climáticas e as crises econômicas que poderão conduzir a humanidade para um insuspeitado nível de deterioração da qualidade de vida. A boa notícia é que o Brasil tem maior capacidade de adaptação aos efeitos da mudança climática, mas também é uma ameaça à segurança nacional devido à cobiça por riqueza e poder.

Estamos em processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu atenção ao aprimoramento como requerem as leis da natureza, que não estão aí para serem manipuladas, mas para serem compreendidas e utilizadas de forma correta, levando assim para o progresso em paz e felicidade. A situação do mundo é complicada com a continuada decadência. Com uma população bem-preparada, a situação seria outra, mas com a indolência espiritual tudo ficou subordinado ao dinheiro, expressão máxima do materialismo. Com o aproximar-se das 12 horas no relógio do mundo, a Justiça do Alto exige prestação de contas. Por cima da humanidade, as leis da Criação tecem o futuro. Os seres humanos têm de viver em plenitude, aproveitando bem a oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora, utilizando todas as capacitações com que foram dotados.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

FUTURO OBSCURO E INCERTO

No início do século 20, as indústrias florescentes da Inglaterra, França e Alemanha travavam uma guerra econômica pela conquista dos mercados, acabando por gerar duas guerras mundiais. Ao final dos conflitos, os Estados Unidos e a Rússia emergiram enquanto a Europa e o Japão se quedavam derrotados. A partir do final dos anos 1970, os EUA adentravam no chamado neoliberalismo que reduzia a influência do Estado e, dando primazia ao controle do dinheiro, rentismo e ganhos financeiros, ampliaram a ânsia por ganhos imediatos, colocando a produção fabril de lado. Mas com o passar dos anos, as crises financeiras foram surgindo.

Nos anos 1980, a China, com seu partido único e autoritário, dava início ao aproveitamento de sua mão de obra barata para produzir manufaturas em larga escala para exportação com preços arrebatadores. Os empresários acharam que transferir a produção industrial para a China era uma boa oportunidade de obter ganhos, mas os empregos foram junto e a classe média foi decaindo.

As oportunidades de trabalho estão encolhendo. Os EUA estão encalacrados na dívida e no balanço do FED. Canadá está chamando, precisa examinar que oportunidades oferece. Europa sem turismo está devagar. A China quer produzir mais. O Brasil foi empurrado para a beira do abismo porque faltou preparo para a vida. Tudo interrelacionado com a globalização econômico-financeira. É preciso ter o diagnóstico certo para encontrar as soluções. A economia fica subordinada aos interesses de ganhos da classe empresarial, ou à geopolítica daqueles que dirigem o Estado.

Com a eleição de Trump, surgiu a percepção de que o caminho adotado pelos antecessores gerou uma forte dependência e, como consequência, teve início a guerra comercial. Biden vai seguindo na mesma política de recuperar o espaço perdido na produção e na competitividade. A pandemia agravou ainda mais a crise econômica do ocidente. O endividamento dos países alcançou montantes inéditos. Enquanto o ocidente fica se digladiando internamente por ninharias, China e Rússia vão consolidando posições na economia global. A humanidade inquieta pressente que está se formando um futuro obscuro e incerto.

A desigualdade econômica espalha-se pelo globo, evidenciando o declínio da espécie humana; porém raramente se vai às causas, às origens da miséria, da falta de preparo para a vida, da pandemia 2020, da má utilização pelo ser humano do seu livre arbítrio, manipulado de fora pela ausência da voz intuitiva – a consciência interior que se deixou arrastar aos abismos da indolência espiritual e dos pendores baixos. Sempre cabe ao indivíduo bem-preparado para a vida examinar o seu querer interior e ter a liberdade de decidir, com responsabilidade perante os direitos do próximo.

O planeta está em reboliço econômico e climático. Diariamente são necessários cerca de sete bilhões de quilos de comida para a população, mas a tendência é de insegurança alimentar, o que exige todos os cuidados com as condições naturais da produção de alimentos, com a preservação das matas, água e solo. A economia foi para o fundo do poço. Na América Latina há mais de 28 milhões de desempregados. Estados Unidos emite. O Brasil sempre tem optado por aumentar a dívida. Em ambos os casos aumenta o dinheiro em circulação e inflação, mas na dívida há juros que recaem sobre a população. A grande questão é: para onde vai o dinheiro, seja da emissão ou do empréstimo? Cada país precisa ter um mínimo de produção, empregos e consumo. O aumento na taxa de juros tem de ser criterioso para que o remédio não debilite o paciente ainda mais.

Surgem rupturas porque tudo que desenvolvemos através da civilização e da tecnologia atingiu limites críticos, sem ter produzido melhoras no ambiente em que vivemos e na psique humana, encontrando-se agora a humanidade diante de uma séria crise econômico-social e ambiental sem descortinar um caminho por onde escapar dessa trajetória embrutecedora. Temos de aproveitar as coisas boas que foram conquistadas, extirpando as distorções que provocaram o caos no meio ambiente e nas finanças.

Ao longo dos séculos, não construímos um viver decente. Faltam estadistas sábios e um bom sistema de governo que não acabe com as liberdades das pessoas, e atue decisivamente para o bom preparo da população e combate à miséria criada pela cobiça e indolência.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

DESINDUSTRIALIZAÇÃO E ATRASO

Para dar impulso ao desenvolvimento, o governo militar tomou empréstimos externos. O petróleo subiu, nos anos 1980 os juros foram a mais de 20% aa. O dólar custava caro. O Brasil produzia e exportava, pois o dólar era favorável, e o governo comprava os dólares para pagar a dívida e emitia dinheiro para isso. A mercadoria ia embora; o dólar também, restando o dinheiro brasileiro que se multiplicava e, com isso, veio a superinflação. Houve o confisco bancário, a abertura e por fim o congelamento do preço do dólar sustentado com juros altos.

Os importados ficaram baratos, as importações fechavam fábricas e reduziam empregos. A dívida aumentou e caímos no atraso tecnológico e geral. É bom que o agronegócio tenha avançado, produzindo alimentos, mas não devemos nos conformar com possível retorno à condição de colônia exortadora de produtos in natura. Como sair dessa situação e não ficar para trás na tecnologia?

O câmbio tem exercido forte impacto na produção e exportação; em países como Japão, Índia e China, o câmbio desvalorizado em relação ao dólar lhes assegurou vantagem competitiva para exportação, pagando os custos internos com a própria moeda e recebendo as exportações em dólares. Dessa forma conseguiram acumular reservas e desenvolver a tecnologia, o oposto do que ocorreu no Brasil.

Nos últimos cinquenta anos o dinheiro se consolidou como a mola propulsora, mas a maturidade dos seres humanos ficou estagnada, e toda a economia entrou em desequilíbrio. Agora a circulação do dinheiro ficou travada gerando abalos. Um cenário de difícil solução. Os governantes eleitos periodicamente sofrem a interferência do legislativo, judiciário e da máquina permanente. Os Bancos Centrais não podem ficar reféns da politicagem, mas também deveriam ajudar na recuperação da economia, contribuindo para que se produza mais, gerando mais empregos, renda, consumo, bom preparo da população, sempre visando a melhora das condições gerais de vida, algo tão importante como cuidar da moeda.

Cada país com sua moeda, mas o dólar se tornou o padrão. A administração da produção e circulação do dinheiro requer um princípio de equilíbrio para assegurar boas condições de vida, mas as manobras econômico-financeiras para sugar o dinheiro se tornaram dominantes na produção, distribuição e finanças, acarretando superconcentração da riqueza.

Qual é o significado de a empresa Tesla ter aplicado 1,5 bilhão de dólares em bitcoin? Ampliam-se os negócios financeiros, mas a produção industrial cresce pouco. Até onde vai a criação de dinheiro e juros zero? A desinflação, promovida pela máquina de produção asiática, requer análise ampla das consequências. Os preços baixam, mas a produção se concentra, enquanto em outras regiões diminuem os empregos.

Com a globalização, as empresas passaram a buscar regiões mais convenientes do ponto de vista dos custos da mão de obra e outros. Recentemente, a Ford comunicou que deixaria de produzir veículos no Brasil. Essa é uma questão que deveria ser tratada com equilíbrio e bom senso entre empresas, empregados e governos, mas com as crises, o que estamos assistindo é uma forte tendência para a precarização geral.

A covid sanitária revelou a covid econômica, ambas refletem a covid espiritual anterior a elas, mas ainda não reconhecida plenamente pela humanidade. As novas gerações sabem que lhes falta preparo para a vida, porque foram induzidas ao comodismo, o que lhes aumenta o desencanto com a vida barrando a esperança e a força de vontade para alcançar melhoras gerais, pois de todos os lados só veem miséria e decadência, e raramente lhes é dado ver propósitos enobrecedores na espécie humana.

A displicência da classe política para melhorar o futuro, a falta de bom preparo das novas gerações e a cobiça por ganhos financeiros têm levado o mundo aos limites críticos. Em vez de ser aprimorada pelos seres humanos a democracia permaneceu estagnada e vem decaindo. Neste tempo de pandemia muitas pessoas estão percebendo a vacuidade existente em muitas coisas. Aumentam as notícias impactantes, as fakenews e falsas verdades criadas por mentes perturbadas. Está faltando um voluntariado geral para fortalecermos o humano na nossa civilização. É indispensável, para isso, a participação dos cientistas, artistas e jornalistas para examinar o mundo que estamos forjando para o futuro. Sem defendermos os valores que contribuem para o aprimoramento humano, a melhora será inviável.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

COMO SERÁ O AMANHÃ?

Os seres humanos, hóspedes do planeta Terra, viviam com segurança na regularidade dos acontecimentos. Com o seu querer egoístico, faziam e desfaziam sem respeito às normas da Casa, e tudo se realizava de acordo com os seus desejos. Mas, de repente, não se sabe mais como será o amanhã, que problemas e dificuldades imprevistas surgirão. Isso gera inquietação e até revolta.

O futuro se vai desenhando com outras características. Se no passado recente os homens detinham grande poder porque eles decidiam em função de seus desejos egocêntricos, pelo bem ou pelo mal, planejavam e realizavam o que bem quisessem, agora as coisas estão mudando; a cada dia surge uma nova surpresa que desorienta e trava a realização dos planos.

Os seres humanos, sejam figuras públicas ou pessoas comuns, estão perdendo a coerência e mudando de opinião segundo interesses imediatistas, medo e influências externas. Como enfrentar esse novo desafio de instabilidades? A serenidade pessoal surgirá da confiança depositada no funcionamento automático e justo das perenes leis da Criação, pois as leis dos homens são movidas por interesses particulares momentâneos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora).  E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

 

VIVER É LUTAR

“Viver é lutar. A vida é combate, que aos fracos abate, que aos fortes, aos bravos só pode exaltar”. Gonçalves Dias (1823/1864).

O que virá após a pandemia tão confusa no que diz respeito ao seu tratamento, seja por ignorância ou por interesses escusos? Poderemos chegar ao pandemônio provocado por pessoas mesquinhas para satisfazer suas cobiças atraindo desordens nas contas públicas, na economia, no trabalho, na alimentação. Se chegarmos a isso estaremos perto do fim da civilização livre que possibilita evolução espiritual e mental.

O sistema econômico foi perdendo a naturalidade, gerando uma caótica situação em decorrência dos desequilíbrios causados por sua frágil estruturação globalizada. Uma situação bem difícil para países atrasados. Em geral, a vida empresarial se modificou muito em quase todos os ramos; os pequenos e médios empresários têm muitas dificuldades porque, com a globalização, a competição internacional se tornou feroz e desigual. Mas agora, a economia desequilibrada está sendo arrasada pelo covid-19.

A economia vinha apresentando problemas há algum tempo. O ocidente de livre mercado optou por produzir na Ásia com menor custo do trabalho. As finanças inflaram. As lutas políticas e a geopolítica impedem uma ação coordenada visando o bem geral e a melhora de condições de vida. Na China, o Capitalismo de Estado segura tudo com mão forte. As incoerências da economia deixam o futuro incerto.

É indispensável pensar seriamente no futuro. Como vai ficar a finança pública? De onde virá o dinheiro quando não houver mais arrecadação por falta de atividades? Como será resolvida a questão da massa de desempregados? Vamos ter de vender o Brasil e deixar a precarização tomar conta de tudo? Além disso, o que restou da indústria suportará o golpe? Vamos ter de importar de tudo em troca de commodities? Os governantes devem sempre agir em benefício do país e sua população, mas isso foi abandonado há décadas. Precisamos modificar esse quadro, mas a ruína que herdamos é profunda.

Em maio de 1888 era promulgada a Lei Áurea, extinguindo com grande atraso o trabalho escravo no Brasil. No ano seguinte um grupo de revoltosos despreparados destituiu D. Pedro II e começou a nova história do Brasil, um país sem rumo, presa fácil de interesses internacionais. Com tantos recursos que o Brasil dispõe faltaram estadistas sábios e patriotas que transformassem “o país do futuro” numa nação forte e autônoma onde seu povo pudesse evoluir continuadamente.

A amizade verdadeira é um sentimento nobre que se preocupa com o futuro da pessoa amiga. Hoje as amizades surgem na base de interesses mútuos, ou na expectativa de que uma pessoa possa ser útil para que outra possa alcançar os seus objetivos. Como os interesses estão em constante mudança, as amizades também. Relações pessoais, políticas ou internacionais mantêm semelhanças, uma vez que prevalecem os interesses particulares que não raro levam ao suborno e à chantagem para conseguir o que se cobiça.

O suborno ou propina é a quantia paga a alguém para induzi-lo a praticar atos ilícitos. É ampla e encoberta a prática de oferecer muito dinheiro a uma autoridade para que ela favoreça determinados interesses altamente lucrativos de grupos e países, que enriquecem a classe política e as empresas envolvidas, mas empobrece o país e sua população pela falta de patriotismo dos governantes. Tem sido praticado por todos os países, como Inglaterra, Europa, EUA e Japão. Agora a China também faz parte do grupo.

Inquietas as pessoas estão se tornando incompreensivas diante das situações adversas, indo aos limites do equilíbrio emocional, perdendo o controle. As fúrias ficam espreitando tudo, prontas para desencaminhar os seres humanos. Mas como bem disse o poeta Gonçalves Dias (1823/1864): “Viver é lutar. A vida é combate, que aos fracos abate, que aos fortes, aos bravos só pode exaltar”.

Se o viver não tiver propósitos enobrecedores, tais como a busca pelo saber, autoaprimoramento, e a vontade de contribuir para a melhora geral das condições de vida, que espécie de luta será esse viver dominado por paixões e mesquinharias? Viver é lutar por um existir humano e digno, seja qual for a idade, seja qual for a situação do ser humano. Sem alvo elevado, a vida cai numa rotina aborrecida à espera do fim sem que cada indivíduo tenha aproveitado a existência desde o início. É lamentável a atual condição humana. Viver é lutar pela libertação espiritual.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

CONVERSANDO COM O HOMEM SÁBIO

Conversando com o Homem Sábio, de autoria de Benedicto Ismael Camargo Dutra, é um livro de edição independente produzido com recursos da Lei do Incentivo do Ministério da Cultura. A obra se destina aos jovens de todas as idades, como incentivo para que adquiram atitudes positivas em relação à vida. Ninguém consegue sucesso sem se capacitar para ler adequadamente. Através do hábito da leitura, as novas gerações poderão ampliar o seu vocabulário e readquirir a imaginação criativa para fortalecer a busca do aprendizado contínuo, tão necessário em nossos dias de profundas mudanças. Sonhar com um futuro melhor. Ter inspirações enobrecedoras.

O livro fala de propósitos de vida e significado da vida, ambos extraviados nesta fase de pouca cultura e muitas informações. Estamos no século XXI, a tecnologia já deu passos largos em inovações, mas o ser humano necessita alcançar a verdadeira consciência humana, por ser ela indispensável ao progresso harmônico e pacífico.

Observamos que há uma grande busca de um novo foco na educação. A questão não é tão difícil. Só não podemos esquecer que fazemos parte da natureza, cujas leis ainda não dominamos totalmente. Então a natureza deve ser tomada como base da Educação, e esta, como fonte da ciência e tecnologia. Enfim, deve surgir um novo foco na Educação voltando-se prioritariamente para desenvolver o ser humano que sabe harmonizar intuição e raciocínio que não se deixa abater, autoconfiante, que quer evoluir e alcançar suas metas sem precisar ser dominador ou alvo dos aplausos, sem precisar ferir o próximo com arrogância e truculência, que saberá tratar com serenidade e respeito cada pessoa merecedora disso. Será feliz e atuante, pois saberá como realizar seus sonhos e tudo em sua vida terá sentido.

A história tem como cenário a excitante cidade de São Paulo. Em meio à riqueza e à pobreza, um jovem, em seus conflitos e inquietações, busca pelo sentido da vida, esbarrando em muitos obstáculos para alcançar essa compreensão, percebendo que a sobrevivência e a conquista da felicidade se tornarem cada vez mais difíceis.

Em sua caminhada, percebia muitas lacunas e incoerências que não resistiam à lógica mais elementar. Podia ver claramente as novas gerações ansiosas para dar um novo rumo à nossa trajetória, mas sem o devido preparo, a coragem e perseverança indispensáveis para enfrentar os grandes desafios. Depois de tantas andanças, já desanimado, finalmente o jovem encontra o Homem Sábio, e descobre que a vida é muito valiosa. Ele adquire uma nova forma positiva de enfocar os acontecimentos, passando a ver com clareza o significado e o sentido da existência, e isso o torna capaz de relacionar-se melhor com o mundo que o cerca — sua família, seu trabalho e o convívio em geral —, levando-o a uma evolução e um aprendizado contínuos.

Ele percebe, enfim, que os seres humanos não podem continuar deixando o coração esquecido, e precisam, com otimismo, contribuir para que o mundo se torne progressivamente mais belo para uma vida plena de felicidade.

Conversando com o Homem Sábio traz uma mensagem de esperança num melhor futuro, desenvolvendo uma percepção mais otimista, pois a vida é um presente muito precioso. Cada página traz um novo ensinamento. Plantando as sementes do aprimoramento do eu interior, a cada novo dia, mais forte será a confiança num mundo melhor.

Objetivo é incentivar o hábito da leitura e aprimorar o uso da palavra, indispensável para que tenhamos um raciocínio lúcido. Esta edição inicial foi doada às escolas da rede pública de ensino. Mas vamos prosseguir levando o livro aos estudantes e ao público em geral através de palestras, divulgações e novas edições.

Veja vídeo sobre o livro:
https://www.youtube.com/watch?v=gkbVeHnVgHM

Acesse o livro:
http://www.vidaeaprendizado.com.br/img/file/Conversandoz_livroLEI_ROUANET.pdf

HIERARQUIAS E PODER

De forma sarcástica, Avram Noam Chomsky, filósofo e professor no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), descreve a situação de grande parte dos seres humanos que tem sido distraída para permanecer sentada sozinha em frente à TV, absorvendo a mensagem que diz que o único valor na vida é possuir mais e mais bens de consumo ou viver como aquela família de classe média alta a que está assistindo. A vida acaba se resumindo a isso porque todo um trabalho de condicionamento vem sendo desenvolvido há décadas para domesticar o rebanho, fortalecendo e concentrando o poder hierárquico.

O que estamos oferecendo aos jovens? O padrão de ensino tem sido o de manter as pessoas acomodadas, sem desenvolver o espírito inquiridor para conhecer a vida como ela é e entender seu significado. Assim, um povo com tendência à indolência acaba se acomodando de vez sem se esforçar para ter clareza e raciocinar com lucidez para tomar boas decisões na vida. Temos de formar seres humanos de fato para que a sociedade humana possa evoluir continuadamente. Mas a realidade é que o sentido e o significado da vida foram sendo perdidos na medida da progressão da indolência espiritual.

A família e a escola têm de contribuir para formar seres humanos de qualidade para um futuro melhor. A ordem natural na escala da evolução deveria ser que a cada geração ocorresse novo avanço na compreensão da vida e suas leis para contribuir beneficamente para a melhora geral. As novas gerações têm sido desviadas do caminho reto, seguindo modelos negativos que lhes são apresentados mostrando um modo de vida de falsas ilusões, de ódio e insatisfação, de libertinagem, drogas e irresponsabilidade. Temos o deplorável quadro de adolescentes grávidas, de confusão no papel do homem e da mulher na vida.

Após o curso básico, os alunos precisam saber, ao menos, escrever e ler, estarem habituados com livros e dicionários, além de fazer contas, calcular porcentagem e regra de três. Isso é o mínimo que se pode esperar, e se isso está difícil, imagine tudo o mais que forma a base da cultura. É nisso que estão reprovados país e escolas.

Para o historiador Niall Ferguson, ao longo da História, hierarquias alojadas em altas torres governavam, mas muitas vezes o poder real residia nas redes das praças das cidades. São as redes que tendem a inovar e é através delas que as ideias revolucionárias se espalham. Como vemos isso está ocorrendo no Brasil, nas mídias digitais, com as manifestações gerais contra a corrupção e maus governantes.

As hierarquias tendem a se fortalecer com a unificação do poder autoritário, seja por cobiça ou necessidade de ordem, ou pelos dois motivos. A Guerra da Informação passou a ser usada por grupos estruturados visando o poder, planejando o uso das redes sociais e mídias digitais. Antes havia a concentração e o monopólio das comunicações nas mídias formais; hoje as mídias digitais estão permitindo a abertura de novas avenidas de divulgação facilitando a manifestação de indivíduos e grupos que não tinham nenhuma possibilidade de se expressar.

Com os abusos criam-se abismos de mentiras e falsas verdades nas épocas eleitorais; isso também acontece na Índia com seus 900 milhões de eleitores. Estamos enfrentando a maior balbúrdia no uso das palavras, nada é branco ou preto, sim ou não, tudo se torna confusão nas palavras empregadas. É a Babilônia das narrativas. O futuro dirá quem está a favor ou contra a nação brasileira e o progresso de seu povo.

No mundo, tudo está mudando de forma acelerada causando turbulência, é como se bilhões de sementes estivessem numa estufa sendo impulsionadas para os seus efeitos. Bilhões de indivíduos tendo os fios do destino energizados para acelerar os efeitos próprios e da humanidade.

A vida na Terra está atingindo os limites críticos face à própria maneira de viver dos seres humanos e sua sintonização exclusiva aos aspectos materiais. Para atingir seus fins, tudo passou a ser válido, sendo a mentira a principal arma utilizada. O que está se armando no mundo que parecia caminhar na direção de enfraquecimento geral das nações, concentração da riqueza e idiotização geral da população indolente? Se os indivíduos se esforçassem para buscar sinceramente a Luz da Verdade, a história seria outra.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE O FUTURO NOS RESERVA

As mídias sociais permitem que as pessoas digam o que pensam, embora se isso irá circular e repercutir é outra conversa. Os brasileiros têm sido mantidos de olhos vendados, no escuro, sem enxergar a realidade, sem definir propósitos de melhora. Com toda riqueza natural o país é dramaticamente pobre, coleciona rios poluídos e barragens detonadas, enquanto pequena parte de riqueza fica nas mãos de poucos, o restante vai embora. Não será fácil contrariar tantos interesses consolidados. Haja Luz sobre o Brasil.

É difícil alcançar paz e progresso em regiões bem-dotadas de recursos naturais uma vez que há poucos estadistas voltados para o bem geral, prevalecendo os interesses econômicos e financeiros em meio a lutas pelo poder e radicalismo religioso. A humanidade se defronta com o drama da luta pelo poder e riqueza, praticando os princípios maquiavélicos de conquista e conservação do domínio.

Já vínhamos perdendo o rumo dando espaço às tiranias. Após séculos de predomínio da Igreja e seus reis, foi surgindo a ideia do dinheiro que, tomando corpo, deu origem ao Estado Democrático Republicano garantidor da moeda. Surgiram os Bancos Centrais. Os políticos foram exorbitando, deixando de cumprir seus deveres junto à população. Os Estados se endividaram. As novas gerações não receberam o preparo adequado. A insatisfação cresceu. Diante da decadência, mais do que a democracia, o que está em risco é a humanidade, a individualidade, a clareza no pensar, a fixação de alvos nobres.

Desde que surgiu o Estado Republicano para garantir o dinheiro fiduciário, entender como funciona a moeda e o câmbio se tornou indispensável para os setores público e privado. A aplicação abusiva de juros, abertura comercial e valorização cambial trouxeram para o Brasil o oposto do que fez a China. Amargamos a estagnação, baixa produção, desemprego, dívida monstruosa. Além disso, preparar a população, administrar o câmbio, controlar a dívida e tudo que não foi feito, acarreta essa desestruturação do país. Os atuais responsáveis têm de abrir os olhos e fazer o diagnóstico correto para sair das algemas que mantêm o atraso.

Adam Smith (1723-1790) é considerado o Pai da Economia Moderna. Para Smith, a economia se move pelo interesse privado dos indivíduos. O que ele diria da modalidade capitalismo estatal abastecendo o livre mercado? Protecionismo muleta não é saudável, mas com câmbio valorizado, como competir com produção em larga escala com mão de obra barata para exportar em dólares? Como manter equilíbrio na produção, empregos e balanças?

Desde longa data o Brasil vem caindo nas mãos dos aproveitantes, e a classe política anuindo. O momento é decisivo; o Brasil precisa de produção, renda, consumo, menos impostos, bom preparo das novas gerações. No passado, a Europa e os EUA não colaboraram. A China vai ser igual? Quem sabe a eleição de 2018 seja um marco que ajude a tirar o país do atraso e das mãos dos oportunistas. A assistência médica no Brasil poderia ser bem melhor. A pública é inoperante. Os convênios possibilitam exames feitos por equipamentos especiais, mas as consultas são críticas porque os médicos têm de examinar e diagnosticar em 15 minutos.

Há muitos dólares rodando pelo mundo, mas o que querem os donos do dinheiro? Viriam para o Brasil em busca do quê, oferecendo o quê? Isso aumentaria a produção, empregos e rendas? Ou a tendência será mais horas trabalhadas por menos renda? Há um grande desequilíbrio no comércio global. Quantos países conseguem manter equilíbrio ou superávit na balança comercial?

Juros de 6,5% impactam aumentando a dívida em mais de 300 bilhões de reais por ano. Imagine se fosse o dobro. A economia permanece estagnada com produção fraca e poucos empregos. É preciso abrir os olhos e ver qual é a realidade da economia global e fazer esforço efetivo por um Brasil melhor, com menos precariedades gerais.

O que será da economia globalizada? Ninguém sabe muito bem para onde vai o futuro, mas sabe-se com certeza que as mudanças serão drásticas. Há duas sustentabilidades: a principal é a da natureza, sem a qual não haverá futuro; a outra é a financeira, pois os governantes não cuidam dela com equilíbrio, enchem o país de dívidas forjando um futuro de escravidão.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O FUTURO E OS EMPREGOS

Por que estamos diante de democracia desarranjada no Brasil e em outros lugares? No Brasil houve muitos abusos; o drama não está na democracia, no capitalismo, ou na igreja, mas no ser humano e no seu modo de ser que progressivamente se afastou das boas influências da alma, tendo como leme apenas o corpo e as vísceras. E o que se poderia esperar disso? Um mundo hostil e perigoso, que não sabe para onde vai, uma Babilônia onde ninguém se entende.

A sina do Brasil, desde tempos dos ciclos do ouro, açúcar, café, tem sido o menosprezo com a renda da população obreira. A riqueza não recirculava, indo, em grande parte, para o exterior. Assim, o mercado interno não evoluiu, nem a indústria, nem a educação. Hoje continuamos com dificuldades. Poucos produtos ostentam o “made in Brasil”; há desemprego, baixo consumo, escola deficiente, desânimo. Ocorreram, por séculos, e na República também, por políticas econômicas inadequadas, déficits e endividamento. Faltava vontade forte da classe política de se dedicar seriamente ao país. Que não ajude se assim o ditar a sua falta de patriotismo, mas que também não atrapalhe. Quem sabe poderemos sair da lama.

Nos descaminhos trilhados pela humanidade, coisas ruins aconteceram. Falsos líderes deixaram que faltasse comida e que a insatisfação aumentasse para dirigir o futuro. Mas o futuro não é arbitrário, sempre traz a colheita do que foi semeado no passado. A humanidade inteira entra numa fase de colheita acelerada. Quem tiver lançado boas sementes não tem o que temer, isso é decorrente das leis da natureza, tão mal estudadas por homens que se julgavam aptos a estabelecer as próprias leis para o mundo – caro engano que logo se evidenciará.

É preciso que a população e as autoridades queiram formar gerações fortes, com discernimento, aptas a conduzir a própria vida. Viver, aprender e fazer bem feito exige paciência e perseverança, atributos que os seres humanos estão deixando escapar. A escola e a família têm a responsabilidade de gerar e formar seres humanos fortes, de qualidade, que respeitem as leis da natureza. A atividade sexual faz parte da natureza, mas foi reprimida por séculos até explodir no extremo oposto da libertinagem e irresponsabilidade. É necessário eliminar a gravidez precoce de adolescentes ainda não prontas. Evidentemente as crianças terão de aprender, de forma adequada, como é a reprodução, mas também a responsabilidade de gerar filhos. Mas o que está por aí é o descalabro moral.

Mitigar a intervenção do Estado na economia é importante, assim como despertar a economia brasileira adormecida em berço importado. Estamos adentrando numa fase complexa da civilização com o propalado fim dos empregos e apagão mental pela pouca disposição de viver e aprender continuadamente. Os avanços tecnológicos e a indústria 4.0 têm de ser acompanhados por evoluções na qualidade humana. Não podemos decair aos tempos da Revolução Industrial em que as pessoas trabalhavam 14 horas por dia para ter pão.

O Brasil reduziu a produção e a educação, e aumentou a dívida. Em lojas de qualquer ramo há poucos produtos fabricados no Brasil. Isso significa que as engrenagens da produção e circulação da renda ficaram emperradas. Sem produção não se vai a lugar nenhum e tudo o mais é supérfluo. Países que prosperaram tiveram a produção de bens como base, mas como conseguiram isso: com mercado interno, câmbio, impostos, concorrência com importados, que são os fatores que requerem ajustamento coordenado.

Em 1996, o escritor norte-americano Jeremy Rifkin já anunciava que as inovações tecnológicas modificariam profundamente a civilização no século 21. E, de fato, o processo está em andamento, mas algo que ele não mencionou foi o apagão mental. Grande parte da população é pouco letrada e possui dificuldade para ler e escrever. O homem se tem afastado do seu eu interior, a garantia do bom senso, mas permitiu que seu cérebro passasse a agir sem acolher as boas influências provenientes da alma, passando a praticar atos inesperados. Rifkin deixou em aberto a grande questão da humanidade alertando que o fim dos empregos pode constituir o colapso da civilização como a conhecemos, ou assinalar os primórdios de uma grande transformação social e um renascimento do espírito humano.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7