Posts

DEMOCRACIA EM CRISE

O sistema vigente apresentou grandes promessas no pós-guerra, mas em vez de seguir num padrão natural de vida, os seres humanos foram direcionados para as atraentes ilusões do mundo material, despertando inveja e cobiças, esquecendo-se de sua essência e da finalidade da vida onde o material é o acessório que assegura a conservação do corpo. Os propósitos enobrecedores foram sendo derrubados na busca por vantagens imediatistas. Tudo foi seguindo nessa direção visando dinheiro, poder, dominação, destruindo a esperança, chegando agora ao ponto de ruptura que causa danos devido à ausência de sustentação real.

Nos anos 1950, o mundo despertava após a sangrenta guerra. As novas gerações respeitavam e ouviam seus pais e avós, e se esforçavam para aprender. Logo vieram os filmes, as danças, a nova safra de artistas modelando as novas gerações. Por todos os lados surgiam festinhas que atraíam os jovens para danças e refrigerante com rum (o Cuba-libre), cigarros e a maconha mais oculta. As novas gerações foram afrouxando a disciplina. Agora a moda é o pancadão, mesmo em tempos de covid, mais incisivo ainda na tarefa de enfraquecer o país e a juventude, levando-os à atividade sexual sem responsabilidade.

Os humanos receberam o planeta Terra para que pudessem evoluir. Os diversos povos deveriam se desenvolver uns ao lado dos outros, em paz, se pautando em conformidade com as leis da vida e tendo a natureza como a grande provedora e concessora de benesses e riquezas. É bom que se exporte mercadorias, mesmo que seja minério de ferro, mas esperemos que este não venha a nos faltar no futuro. O dramático é o avanço da precarização decorrente do desequilíbrio entre os povos na produção, comércio, empregos, renda, consumo. Onde há recursos naturais a economia vai se tornando mais extrativista, perdendo sua diversidade e produção com maior valor agregado.

É longo o processo de imprevidência e irresponsabilidade que arruína um país. Geralmente segue diretrizes externas geoeconômicas, agravadas com disputas internas pelo poder. A geoeconomia é a disputa por recursos naturais e mercados. O Brasil já viveu várias crises de dívida externa desde o século 19. Agora está com elevada dívida em sua própria moeda, a arrecadação está caindo, mas os gastos aumentam. O fluxo de caixa está num gargalo com muitos vencimentos de títulos no curto prazo.

Nos anos 1980, os juros externos foram acima de 20% quebrando muitos países. O plano do presidente Fernando Henrique Cardoso mantinha fixo o preço para o dólar que nem os juros altos sustentaram. Especuladores fizeram a festa, a população pagou a conta com a estagnação da economia. A grande quebra que ameaça o Brasil está acontecendo na descapitalização do capital humano. Inundada por achincalhe e modelos inúteis, as novas gerações estão perdendo o bom senso, a agilidade mental e a esperança de futuro melhor.

Onde estão os belos e nobres sonhos? Foram-se dissipando? Por quê? Cada ano que passa representa um ciclo que se encerra, um tempo que se foi. Importa saber como esse tempo foi empregado, se para a renovação ou conservação dos velhos costumes afastados da Luz da Verdade. No entanto, o Ano Novo recria a oportunidade de renovação. Que os homens responsáveis pelas decisões do país se conscientizem de seu dever para com a pátria. Chega de atraso e corrupção.

Muitas crianças precisam aprender várias coisas além de ler e escrever. A escola tem de assumir essa tarefa porque muitas famílias estão desestruturadas. Para muitas crianças, a escola é a única oportunidade para aprender higiene pessoal, mental e ambiental, sobre como se alimentar, e de desenvolver bom senso, respeito, consideração e propósitos enobrecedores.

O grave problema do país são os gestores públicos no Executivo, Legislativo, Judiciário e estatais, que se julgam donos de tudo e que não precisam prestar contas a ninguém. Os gestores públicos e privados se deixavam levar pela mania de grandeza com pouca atenção para ver o que de fato está acontecendo. A covid-19 levou muitos deles a olhar para o essencial: para a sobrevivência ameaçada. Muitas coisas poderiam ter sido melhores. Para muitas pessoas e empresas é tarde demais dada a crise que travou tudo. Os grandes projetos não se ajustam à nova realidade; o que fazer?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A ESTRELA BRILHANTE

Há muito tempo a humanidade se esmera em exterminar o próprio futuro, a começar pela destruição da natureza. Quase oito bilhões de seres humanos estão sintonizados de forma errada perante as leis da natureza ou da Criação. Aumenta a turbulência porque as consequências estão pipocando por todos os lados, na vida individual, nas famílias, nas empresas e nos países agravando a situação geral. Acelera-se a decadência humana.

O século 20, com suas guerras sangrentas, foi um tempo em que ainda havia previsibilidade. Os seres humanos planejavam e seus objetivos iam sendo alcançados sem grandes embaraços. É lamentável que grande parte desses planos não visavam o bem geral e o progresso real. Tudo caminhava para que a reciprocidade natural da Criação passasse a se manifestar de forma mais rápida. Surgiu o conceito VUCA, sigla em inglês significando as aceleradas transformações: Volatility (volatilidade), Uncertainty (incerteza), Complexity (complexidade) e Ambiguity (ambiguidade).

Essa nova interpretação da realidade mostra aceleração das consequências decorrentes das resoluções tomadas que até então se processavam mais lentamente, mas que hoje têm eclosão acelerada. As resoluções são as sementes que logo produzem os frutos, bons ou maus conforme o querer envolvido. Tudo se agrava com a falta de responsabilidade de homens e mulheres em seu querer e em suas resoluções. É preciso uma nova sintonização, o fortalecimento da vontade de melhorar as condições gerais de vida e de aprimorar a espécie humana.

A humanidade está com o foco voltado para a vacina como o meio para a interrupção da continuação e evolução da pandemia de forma que tudo possa voltar a ser como era antes do alastramento da covid-19. A cada dia surgem novas informações impactantes como a da mutação do vírus que está ocorrendo na Inglaterra. Já que está difícil a volta ao velho normal é preciso pensar em alternativas para que a vida prossiga afastada da indolência espiritual. Ficar parado esperando quebrará a cadeia da economia, fazendo-a parar. Não podemos parar de produzir pão, de educar as crianças e de seguir em frente com todos os cuidados necessários.

Quando a estrela da promessa brilhou sobre Belém, Luz deveria ter se firmado na Terra. As trevas dominavam os seres humanos fazendo-os se rebaixarem cada vez mais. O Criador, a Luz, enviou o Seu filho encarnado em Jesus para desobstruir o canal encoberto pelas trevas. A humanidade recebeu Jesus com hostilidades, mas o canal da Luz ficou aberto, dando forças aos seres humanos que procuram a Luz da Verdade com sinceridade.

No Brasil, nota-se alguma melhora e tentativa de mudar ou atenuar o comportamento corrupto que nas últimas décadas se generalizou entre os poderes. A democracia brasileira vai mal devido às manipulações dos políticos astutos que só se lembram dos eleitores que moram em regiões precárias na época das eleições, oferecendo cerveja e churrasco para conseguirem seus votos. Falta interesse para elevar o nível geral da população, o que torna inevitável a decadência humana do país.

Ficamos fornecendo matéria-prima e alimentos, barateando os importados com dólar artificialmente barato, enquanto a indústria submergia. Permanecemos sem autossuficiência financeira. Estamos enfrentando uma grande crise moral. Chegamos ao limite da desfaçatez na exploração dos recursos naturais e financeiros do país. E agora? Qual seria a fórmula para evitar uma decadência ainda maior? Que o digam nossos ilustres políticos. Temos 513 deputados federais, mais senadores, mais deputados estaduais, vereadores, prefeitos, governadores, juízes, todos bem qualificados. Que espécie de Brasil eles querem para a população?

A história está num vai e vem. Veio o neoliberalismo pregando o estado mínimo e privatizações, afinal os Estados tinham dívidas a pagar. Hoje muito se fala em governo mundial em substituição aos políticos corruptos; em padronização do consumo e do comportamento cerceando as individualidades e liberdades. Falta fortalecer nos jovens a vontade de construir um mundo decente.

A essência do ser humano, que vem sendo erodida há séculos, poderá ser extinta totalmente. A alma, já indolente, vai ficando cada vez com menos espaço para atuar. Necessitamos de líderes empenhados no beneficiamento do planeta e sua população, e no aprimoramento da espécie humana que deveria ser responsável pela humanização da tecnologia, mas que em vez disso está se tornando mecânica, com pouca inspiração e nenhuma intuição.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

AMAPÁ, A TRISTE IMAGEM DOS PODERES

Com 24 deputados estaduais, oito federais, além dos prefeitos e vereadores, governante e judiciário, o Amapá é bem o retrato do Brasil caótico. Não quiseram enxergar a displicência na gestão pública. Assim tem sido no Brasil. Muitos políticos fazem qualquer coisa para conseguir uma cadeira no poder, para depois abandonarem os eleitores à própria sorte. Mas agora tudo está vindo à tona e mesmo assim continuam mentindo e enganando a população, vendendo o Brasil para quem der mais. O eleitor tem de votar bem, escolhendo aqueles que respeitam o dinheiro público, canalizando-o para as necessidades e prioridades; aqueles que tenham um real empenho na construção de uma cidade que seja um lar de seres humanos, e excluir os maus que só pensam em si, para que possamos evoluir em paz e alegria.

As eleições exigem muito discernimento. Se os eleitores continuarem escolhendo o refugo político, tudo continuará afundando. Esperemos que o eleitorado seja inspirado em sua escolha. Quando D. Pedro II subiu ao trono em 1840, 92% da população brasileira era analfabeta; em seu último ano de reinado, em 1889, essa porcentagem era de 56%, devido ao grande incentivo à educação, à construção de Faculdades e, principalmente, de inúmeras escolas que tinham como modelo o excelente Colégio Pedro II. Hoje, grande parte da população não consegue ler e entender um texto. Sem discernimento, o eleitor vota em qualquer um porque a educação foi declinando no país. O que se observa é que já faz tempo que há um pandemônio educacional reforçado pela programação da televisão.

No Brasil, os planos de progresso estão travados; reiniciar na direção certa vai ficando cada vez mais difícil. Falta seriedade. Os planos enveredam pelo imediatismo e interesses particulares. O despreparo aumenta, não há uma visão de futuro comum voltada para a construção sadia de longo prazo. Tudo vai caindo na alienação. Estamos atravessando uma fase bem difícil. Durante décadas, o Brasil foi sendo enterrado e não dá para sair da lama de uma vez, mas é preciso que haja firmeza e perseverança para extirpar a parte que ficou podre.

É imprescindível recuperar o equilíbrio fiscal de forma sadia, mas como resolver o drama da produção? Como produzir e arrecadar mais, gerar empregos e modificar a tendência de importar tudo? Perdemos a naturalidade do desenvolvimento, enquanto o descontrole fiscal avançava com a gestão inconsequente. A dívida ficou alta, mas todos querem mandar e levar vantagens. Tardiamente acabou o tabelamento do preço do dólar mantido barato artificialmente com juros caros.

Os recursos naturais estão aí para auxiliar os seres humanos. As potências globais estão de olho, fazendo de tudo para manter o país na mornidão, a fim de que possam lançar mão das riquezas cobiçadas como já vêm fazendo de longa data. Como se recuperar desse assalto? A educação é fundamental, pois um povo indolente, inculto, sem discernimento, é presa fácil dos conquistadores que agem na calada da noite, solapando as bases que sustentam a nacionalidade e o esforço pelo bem geral.

E chegou a epidemia que parou o planeta. O que fazer com a interrupção da circulação do dinheiro, o motor das atividades? Falta objetivo comum dos poderes de ressuscitar o Brasil que se acha na UTI com falência na indústria, empregos, renda, educação. Se a classe política ao menos fosse patriota e não entregasse o país por qualquer punhado de dólares, então talvez fosse menos difícil a tarefa de produzir manufaturas e enfrentar a concorrência. O dólar foi deixado barato com sangria de recursos em juros para deixar baratos os importados e acabou travando a produção. Que política econômica foi essa?

O que vem por aí? O que querem os donos e controladores do dinheiro? As transformações vão chegando de forma acelerada. Os políticos eleitos não têm cumprido sua tarefa de forma responsável. Quais são os planos e objetivos da elite dominante? Para onde caminha a humanidade? Há um esforço generalizado para a desumanização e embrutecimento da espécie humana em vez de levá-la ao aprimoramento. A quarentena está gerando aumento do desânimo. O cérebro pressionado, submetido a constante estresse, tem apresentado doenças que não havia num tempo em que o viver seguia um ritmo mais natural.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

DIREITOS E DEVERES

Governos e população têm deveres e direitos. Há um desarranjo geral na economia, mas há poucos estudos sobre as causas reais. Já se percebeu que o aperto da situação econômica e o aumento da precarização tendem a elevar a pressão das populações atingidas. Há tantas coisas por fazer, mas não há trabalho.

A carga tributária é alta e em geral mal aproveitada. O dinheiro tem que ser canalizado para ações que promovam a melhora nas condições de saneamento e tratamento da água, resultando em melhores níveis de saúde, educação e alimentação nutritiva. O dinheiro está sumido, pois a atividade de produção é fraca.

O Brasil manteve crescimento superior a 6 % durante um bom período, caindo para 2% e para 1% em 2019. Atos de vandalismo geralmente agravam a situação. A riqueza vem dos recursos naturais, que por serem limitados e valiosos, mas por cobiça são disputados e açambarcados, deixam de favorecer a melhora nas condições de vida de grande parte da humanidade.

Depois de longa temporada de juros abusivos, a prioridade atual do setor público são as políticas para tornar sustentável a dívida inchada. O setor privado por si, sem a indústria, não tem potência para dinamizar a atividade econômica. Ao contrário, vai cortando tudo, precarizando para sobreviver. Para crescer, o país precisa manter equilíbrio nas contas internas e externas.

A China precisa de alimentos e commodities, vamos produzir e suprir as necessidades desse país. Mas as nossas cidades também precisam produzir, gerar trabalho, dinamizar as atividades, atender as necessidades internas, ter algo para exportar. O equilíbrio nas relações econômicas entre os povos sempre deve ser buscado visando uma existência condigna. As políticas de câmbio e juros fragilizaram a indústria que tem de ser revitalizada.

O Estado e a classe governante têm de se organizar e fazer o dinheiro arrecadado recircular para estimular a atividade econômica, fomentando a melhora geral, coibindo abusos do poder estatal e das corporações, isto é, das pessoas que só querem levar vantagem. O setor privado precisa se ajustar e buscar oportunidades para sair do marasmo, oferecendo oportunidades para conter o crescimento da desigualdade na distribuição da renda. Num regime de liberdade, a circulação do dinheiro tem de ser contínua, mantendo a produção, o trabalho e o consumo.

A economia mundial se apresenta com estagnação e juros negativos. Qual a causa? Está em andamento um processo de queda da renda que reduz o consumo. Os países da América do Sul, e inclusive o México, há séculos têm sido vítimas de maus governos. A democracia se apresenta instável no mundo todo. Há os que acham que a solução é impor governo forte com supressão da liberdade.

A falada conspiração pode ser um termo de disfarce para a rapinagem dos recursos naturais e prepotência. Com o desequilíbrio econômico global e o aumento da precarização, surgem instabilidades; a conspiração passa a trabalhar para implantar governos fortes para que a rapinagem possa prosseguir com tranquilidade. Há muitas coisas na liberdade e responsabilidade que precisam ser examinadas seriamente.

A questão dos direitos e deveres é simples: veja no trânsito, um motorista chega numa rotatória de um cruzamento e começa fazer o giro; vem um cara lá de longe, acelera e quer passar na frente. Ele não reconhece seu dever de motorista responsável; todos julgam que têm direitos e não se ocupam dos deveres. Em geral, tanto o 1% super rico como os 99% restantes não se preocupam com seus deveres. Na aspereza da atual luta renhida pela sobrevivência, tudo está sendo desrespeitado.

Os homens dizem: “Seja feita a Tua Vontade”, mas só fazem a própria. As Leis da Criação, ou leis naturais, universais, ou cósmicas, conduzem a Energia Criadora que a tudo sustenta; a sua atuação se dá com toda amplitude em todas as dimensões, visíveis aos nossos olhos ou não. Através delas, o livre arbítrio tece os destinos individuais e da humanidade como um todo. Cada pessoa e cada povo recebem de volta as consequências de seus atos, bons ou maus, incluindo os pensamentos, falas e ações. As novas gerações precisam de bom preparo para a vida, ouvir o eu interior e pensar com clareza, cientes de que a melhora geral depende do esforço de cada um.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A CRISE É SEVERA

Estamos enfrentando um tipo de crise mais severa por alastrar-se a vários setores e a diversas regiões do mundo como, por exemplo, os coletes amarelos de Paris, a crise dos refugiados da Síria, os desacordos na Inglaterra com a questão do Brexit relativa à saída daquele país da União Europeia, os ataques a petroleiros no golfo de Omã, e no Brasil endividado surgem muitas confusões como greves e paralisações.

Não está fácil entender o que acontece no nosso país e sua atual economia errática. Estamos ficando para trás na guerra econômica global. Os argumentos e análises se tornam eleitoreiros, sem que haja esforço para a compreensão das causas do atraso geral. O país do futuro fica amarrado na mesquinharia dos políticos. É como disse Getúlio Vargas, todos querem alguma coisa para si e para seus amigos, nunca para o bem do Brasil.

Desenvolvimento e aprimoramento da humanidade se tornaram secundários, tudo se tornou questão de dinheiro. Urge fortalecer a vontade para fortalecer o humano. A evolução da humanidade e a produção de bens requerem liberdade e responsabilidade. Muitas pessoas acusam o capitalismo como responsável pela geração das misérias, mas antes de surgir esse e outros sistemas econômicos, o homem já tinha se afastado do espiritual, dando mão livre ao seu egoísmo e cobiças.

O problema real se situa no afastamento da espiritualidade, resultando nos sistemas desequilibrados como consequência. O reequilíbrio só poderá ser reconquistado com a busca sincera do saber sobre o significado da vida e da integração Espírito-Alma-Corpo. Há no mundo muita tristeza; falta a alegria e a coragem do espírito desperto. É preciso ser forte. Mas onde se escondeu o espírito que deveria agir embelezando e beneficiando tudo?

Os seres humanos se matam por poder e dinheiro, o que mais falta é a generosidade do coração. Quase nada foi entendido sobre os esclarecimentos de Jesus a respeito da vida. Ele não tinha qualquer pretensão ao poder, cargo ou honrarias terrenas, pois seu reino não é o perecível e transitório mundo material ofertado à humanidade para que pudesse evoluir espiritualmente, e não para aqui vir e portar-se como dono no curto período da existência terrena.

O Brasil é tido como país abençoado com povo amigo, respeitador, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendita seja a pátria chamada Brasil. Isso tudo impõe alta dose de responsabilidade. Que seu povo atraia a Luz do bem. Temos de deixar de ser país subdesenvolvido espiritual e materialmente. Temos de adquirir discernimento para seguir nosso destino. Para isso precisamos de adequado preparo para a vida, desde a primeira infância.

O fluxo de caixa do governo vem sendo detonado há décadas. Não há poupança. O crédito é raro e caro. O governo arrecada uma fatia gorda e deveria dinamizar a economia com bons investimentos. Nos anos 1980, havia a dívida em dólares e como esforço para o resgate havia o lema “exportar é o que importa”, mas isso acabou sendo descuidado e os empregos foram sumindo. Hoje, o Brasil permanece exportando commodities. A renda é baixa e está encolhendo, faltam capitais produtivos. Os investidores privados têm sido ágeis em fazer aquisições lucrativas e obter ganhos especulativos, mas na economia ainda não surgiram resultados positivos, em compensação aumenta o passivo na remessa de lucros e a dependência a interesses externos. O PIB precisa crescer e gerar empregos.

O cenário internacional se complica. A crise se agrava. Cada grupo cuida de seus interesses, sem encarar os problemas e suas causas para encontrar as soluções. O governo tem uma arrecadação tributária expressiva, mas planeja mal, gasta tudo e ainda fica devendo, pouco investe e mesmo esses investimentos têm sido realizados de forma estúpida e com desvios. Milhares de obras foram iniciadas e interrompidas, é quase como se o dinheiro tivesse sido jogado fora.

A gestão governamental tem sido precária e sem planejamento. Atabalhoadamente tenta-se reduzir o déficit fiscal. Foram tantos erros que agora poucos se arriscam a fazer sugestões. Muitas pessoas preferem engrossar as críticas que nada resolvem, mas engrossam o clima de incerteza quanto ao futuro do Brasil, que ainda não achou o caminho sadio da recuperação com participação e o apoio de todos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PAZ ENTRE OS POVOS

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Quando grupos instalados no poder passam a agir em benefício próprio, destroem o equilíbrio da democracia, contaminando o governo que perde a eficiência e credibilidade. Consertar a atuação do governo é essencial para a sobrevivência da democracia. O Brasil perdeu a conexão com os seus ideais; falta uma linha de ação conjunta de longo prazo pelo bem e progresso; faltam líderes de qualidade que possibilitem o preparo e educação decente para humanizar a população que não pode continuar caminhando pela vida às cegas.

A ex-presidente Dilma, que puerilmente aumentou o fardo da dívida e tendia para o fortalecimento do autoritarismo governamental, acabou sendo deposta. Agora o presidente Temer, que vem atendendo aos reclamos do mercado, também está sendo desalojado; amanhã o mesmo poderá acontecer com seu substituto legal, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Tudo igual. Onde está o bom senso dessa gente que só quer tumultuar? A displicência e a cobiça pelo poder criaram esse cenário que vai piorando. O país precisa de um mínimo de serenidade, se é que deseja sair da situação vil em que se encontra.

O Estado foi se agigantando e se intrometendo na atividade econômica, passando a ser usual entre os governantes estabelecer orçamentos com gastos superiores às receitas, gerando déficits financiados no mercado financeiro. Mas com as alterações decorrentes da globalização econômica desequilibrada, as receitas tendem a decrescer, enquanto as despesas continuam crescendo, agravando a instabilidade. Enquanto políticos brigam pelo poder, 13, 8 milhões de pessoas precisam de emprego para aumentar o PIB e a arrecadação, antes que o país derreta.

Recentemente, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, declarou: “Estamos conduzindo um amplo projeto de investimento em infraestrutura em todos os setores. Mas para isso temos de priorizar. Há dificuldade por falta de recursos públicos, por isso é importante evitar que alguns grandes projetos, que capturam a imaginação, sejam monopolizadores de todo ou grande parte do investimento público. Por isso a priorização é fundamental”. Basta lembrar a montanha de dinheiro enterrada em estádios de futebol de insignificante utilização e tantos outros investimentos infrutíferos.

Que fatores poderiam contribuir para inibir a recessão brasileira? Aí estão apontadas a reforma trabalhista e a tendência crítica das contas da previdência. Mas o governo precisa sair da letargia nefasta de olhar para a próxima eleição como a prioridade máxima da classe política. O governo precisa pensar em eficiência e abandonar as práticas autoritárias que prejudicam o país. Há ainda a dívida crescente a juros fora do padrão mundial. E quanto à política cambial? Os erros cometidos na valorização do real repercutem até hoje, tendo criado uma situação embaraçosa que só tem travado a economia. E a educação? Como o Brasil estará daqui a dez anos?

Enquanto o Brasil permanece estagnado em suas crises políticas e financeiras, os demais componentes dos BRICS estão avançando. O que significará o previsto avanço da economia da China em 2027? Para o gestor financeiro global, Jim O’Neill, a economia chinesa poderá se tornar maior que a dos Estados Unidos. As outras economias vão regredir, ou o avanço chinês terá por base o próprio mercado interno? E se o dólar sofrer grande desvalorização? E o Brasil, como estará em 2027? As novas gerações estarão dominando o idioma e a aritmética? E a economia? O que estaremos produzindo? A balança comercial e as contas internas e externas estarão em equilíbrio? Como estará o nível dos empregos, a dívida, a taxa de juros? A China poderá estar no topo, mas não deveremos cair no abismo.

A busca pelo poder e por vantagens aniquilou a ideia de que o progresso real requer o cultivo da paz e a consideração entre os povos. Mais do que confronto de civilizações, estão se desenrolando amplos embates nos subterrâneos entre as religiões místicas ou dogmáticas, a economia de livre mercado em democracias corruptas, o governo autoritário no capitalismo de Estado. A natureza e suas leis do desenvolvimento, lógicas e coerentes, deveriam formar a base para a atuação dos povos pacíficos, cada um com sua cultura e sem a pretensão de dominar com o propósito de obter vantagens.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O SABER ESPIRITUAL COMO ESSÊNCIA PARA O BOM GOVERNO

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

No passado, na Suméria, os sábios da Caldeia formavam líderes espirituais que conduziam o povo para o progresso humano. Hoje o drama mundial é a falta de pessoas de qualidade para gerir o Estado e governar. Há duas principais instituições voltadas para o preparo de líderes: uma delas é a Harvard, nos EUA, com foco no capitalismo de livre mercado, de onde saíram sete presidentes americanos, e a outra é CELAP, na China, que se baseia no capitalismo de Estado com fundo Marxista.

Com o fortalecimento do jogo diplomático e financeiro, que dá prioridade ao aumento de riqueza e poder, a grande arte de governar ficou no passado longínquo. Os seres humanos têm de mostrar que são capazes de se organizar de forma a alcançar progresso e qualidade de vida, pois movidos pela cobiça e tirania não conseguem conduzir a civilização para o bem geral.

O governo deve ter como prioridade conduzir a população ao aprimoramento sem o paternalismo que enfraquece o cidadão tornando-o dependente. É importante educar para a vida e formar indivíduos que busquem a boa administração dos recursos da natureza e o equilíbrio financeiro, tendo em vista o aprimoramento de todos.

Governantes displicentes com as contas gerando déficits continuados, criaram a ciranda do mercado financeiro, deixando de lado a melhora da eficiência na gestão do Estado que, além de ineficiente, tende a se tornar corrupta. Uma montanha de déficits e dívidas, com compromissos superiores às receitas que os Estados conseguem obter com os impostos já elevados, estão chegando ao extremo da necessidade de aportes financeiros sem que se saiba como resolver a questão.

Enfrentamos o desequilíbrio global. Se o país produz quase nada e importa tudo, o problema é como gerar disponibilidade em dólar. Se faltar, terá de cobrir os déficits com empréstimos. O sistema assim constituído tende ao fracasso pela falta de sustentabilidade, pois quando as deficiências aparecem, tudo cai na estagnação. Sem um vigoroso esforço para melhorar a qualidade dos gestores, do público e da sociedade como um todo, a precária democracia fica ameaçada, incorrendo no risco de regressão geral, medo e ódio.

Os sentimentos negativos surgiram por influências sombrias e destrutivas em oposição à Luz na época em que o ser humano deixou de atentar para a voz interior – a sua consciência espiritual -, que sabia o propósito de ter nascido neste planeta. Atualmente, pouco se sabe sobre o significado da vida, pouco é ensinado, pouco se motiva para a busca desse saber, e assim as pessoas desperdiçam o tempo precioso à cata de prazeres e vícios, temerosos, odientos, vingativos, afastados do Amor, em vez de se aprimorarem como seres humanos.

Tudo tem a ver com equilíbrio da vida. As coisas tendem a caminhar naturalmente, mas desandam quando os homens não agem com equilíbrio e bom senso, querendo impor interesses particulares, interferindo arbitrariamente e criando bolhas. Se os governantes tivessem dado mais atenção à necessidade de equilibrar as contas internas e externas, as importações e exportações, produção e comércio, emprego e consumo, tudo andaria de forma normal. Mas, desatentos, foram cavando buracos para tentar resolver com juros e câmbio, e deu no desequilíbrio global: conflitos entre poder econômico e político, dívidas soberanas, desemprego, atividade econômica deprimida, cultura e educação em baixa. A economia vai se adaptando, seguindo doente, enquanto a espécie humana vai perdendo o rumo, destruindo em vez de beneficiar.

Ao perder o saber espiritual sobre a vida, aceitando o conceito de vida única e acreditando que com a morte tudo acaba, os humanos decaíram numa forma de vida imediatista, que os amarra ao transitório, e sempre tentando explorar uns aos outros, econômica ou emocionalmente, envolvidos numa espécie de guerra não declarada de todos contra todos, sem conciliação e sem perdão. E deu no que deu: em vez de buscar o aprimoramento, o beneficiamento e a melhora geral das condições de vida, foi erigido um mundo áspero e despido de amor. Para reencontrar o perdido saber espiritual as pessoas deveriam se perguntar: por que nascemos neste planeta, o que temos de fazer aqui para um viver proveitoso e benéfico?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”; “2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” e “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7