Posts

O MUNDO DE HOJE

A Inglaterra e a França criaram colônias pelo mundo e deixaram um rastro de imaturidade, indolência e corrupção que impediram a formação de uma consciência e força para construir uma nação forte, livre e independente, caso das nações da América Latina, incluindo o Brasil. A América do Norte atraiu muitos europeus que se refugiaram na esperança de criar um novo mundo de liberdade e solidariedade, mas também daqueles que cobiçam riqueza e poder, custe o que custar, contratando matadores para atingir os seus objetivos. A cobiça pelo ouro é a causa de muito sangue derramado.

Os Estados Unidos criaram o dólar. Alemanha e Japão se destacaram no desenvolvimento econômico. Índia e China se mantiveram estagnados por longo período com milhões de pessoas na pobreza. No século 20, houve um despertar na economia, tendo a China conquistado avanço inesperado ao produzir manufaturas para exportar dando trabalho a milhões de pessoas, mas o Brasil ficou para trás contando hoje com mais de 50% dos trabalhadores sem ocupação na economia.

Mais de 60% da população brasileira teve perda de renda nesta fase de parada geral. O dinheiro deixou de circular pelo mundo. As novas gerações estão desorientadas; elas não querem receber ordens e obedecê-las, mas estão inseguras; precisariam ser conscientizadas da necessidade de formarmos pessoas com o objetivo de melhorar as condições de vida no planeta. Muitos filmes nos atraem, utilizando a realidade como pano de fundo, mas derivam para uma forma de viver cruel, sem sentido, sem valor e que deprime. Isso não ajuda os jovens em sua formação. É um ataque à essência humana.

Os brasileiros de bom senso estão apreensivos diante da situação, pois enxergam a falta de boa vontade e a possibilidade de ruína de um país que permitiu o avanço da corrupção em prejuízo do progresso real; há disputas pelo poder sem preocupação com o futuro melhor; e todo o desmazelo com o país se espelha no aumento da precarização geral da vida. Vamos todos cuidar do Brasil com seriedade. Governantes, oposição, cidadãos e empresários devem unir esforços visando o bem do país, não a sua partilha.

Como preparar o ser humano para a vida? Como sair da alienação do significado da existência que se distanciou de propósitos enobrecedores? Einstein, Darwin, Newton e muitos outros reconheciam que havia poderosas leis reguladoras da natureza e da vida. Por isso a importância, até hoje não compreendida, de iniciar o aprendizado infantil através das belezas da natureza e seu encadeamento lógico de causas e efeitos, para inspirar novos cientistas como os acima citados que pesquisavam a natureza para adquirir saber real.

Uma reflexão importante foi feita pelo advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay: “muito além da morte, este vírus inoculou nas pessoas a insegurança, o pânico, a dúvida e uma quase desesperança. Talvez pela inusitada junção de fatores: isolamento, crise econômica mundial, fechamento do comércio, home office, escolas fechadas, desemprego, proibição de viagens, número abissal de mortos, enfim, um caos sem precedente. Mas o abalo psicológico tende a crescer e preocupar ainda mais. E se manifesta das maneiras mais diversas”. Temos de acrescentar que também os meios de comunicação e os filmes estão açulando as mentes já inquietas. Seja lá qual for a procedência do vírus, o fato é que esses acontecimentos são um chamado para a humanidade que tem levado a vida com displicência, sem voltar seu olhar com seriedade sobre a razão de nascermos neste planeta.

A geopolítica do mundo de hoje tem muito a ver com a conhecida Parábola do Bode na Sala que conta a história de um homem que, cansado das insatisfações, reclamações e brigas em casa, por sugestão de um amigo sábio, amarrou no centro da sala um bode. Além da bagunça que causou, o bode tinha um mau cheiro de matar. Uma semana depois, todos odiavam o bode. O homem voltou ao amigo sábio, que o aconselhou a tirar o animal da sala e limpá-la. A ausência do bode e a limpeza do local devolveram a harmonia à família. E não é que parece que foram espalhados muitos bodes pelo planeta? Logo irão aparecer salvadores interessados em oferecer soluções mágicas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

NO LIMIAR DAS TRANSFORMAÇÕES

Estamos adentrando no limiar em que a sociedade humana estará sujeita a crises de todas as espécies que ocorrerão com frequência. Tais eventos porão em evidência a estupidez dos homens em relação à própria vida e à sustentabilidade do Planeta. Se os governadores e prefeitos tivessem olhado mais para o Brasil e sua população maltratada, espremida no transporte para o trabalho e de bolso vazio, não teríamos chegado tão perto do abismo.

Entrou governo, saiu e repetiu governo, mas o saneamento foi ficando para depois. Há temores pela água. Na periferia de São Paulo a água encanada fica disponível poucas horas por dia. O novo marco regulatório do saneamento estabelece metas ousadas de abastecimento de água e saneamento para até o ano de 2033. Esperemos que surjam ações efetivas e não apenas tinta sobre papel como tantas outras regulamentações que não surtiram os resultados propostos.

Intrigante é o desequilíbrio econômico entre os países. O Brasil cometeu vários descuidos e acabou perdendo o terreno conquistado no avanço industrial. Foi cometido o erro de abrir o mercado sem o país estar preparado; em seguida foi introduzido o plano real que mantinha o dólar barato com juros elevados, tendo como consequência a importação de tudo e a exportação dos empregos. Todos dependem de exportações para obter dólares, enquanto para a população interna fica o que sobrar.

As fábricas se locomoveram para as regiões asiáticas de mão de obra farta e de baixo custo. Os países fortes conseguem exportar de tudo e vão acumulando reservas; os outros vão abrindo o mercado e importando de tudo sem conseguirem se fortalecer. Vários países da Europa produzem menos, dependendo muito das receitas do turismo ora interrompido.

As cadeias globais de produção de manufaturas e componentes foram aglutinadas nas regiões de mão de obra abundante e de baixo custo, desequilibrando as demais regiões, ampliando o atraso. Um exemplo é o do Brasil, que produz muito álcool, mas não espessante para o gel. Isso tudo teria de ser equacionado por homens sábios e patriotas que almejam a paz e o progresso da humanidade. Qual é a receita para sanar esse desequilíbrio que faz com que a precarização vá se espalhando pelo mundo? Se cada povo cuidar de seu país com responsabilidade, o planeta como um todo estará bem cuidado sem que seja necessário um governo mundial forte e impositivo.

Já no século 18, os países disputavam as riquezas para si utilizando-se de métodos torpes, como autorizar piratas corsários a saquear navios de outras nações para prejudicá-las, e também para obterem ganhos fabulosos com mercadorias, ouro e prata roubados. Na trajetória da humanidade, pouca coisa surgiu de benéfico para o aprimoramento.

As lutas pela conquista do domínio trouxeram desgraças e redução da atuação da livre vontade dos seres humanos que vão sendo conduzidos para um viver uniforme de servidão, perdendo a sua essência individualizada. Zé Ramalho já dizia: “povo marcado povo feliz.” Vida de gado: pão, circo com futebol, carnaval e cachaça, e agora erva também. Mas notamos que há um engano terrível, pois o gado está sendo marcado com medo e pânico; a população precisa é de esclarecimento, orientação, motivação. O medo paralisa e acaba criando revolta.

A especulação financeira campeou livremente onde quer que pudesse obter ganhos. Depois de intensas movimentações financeiras desordenadas, as engrenagens econômicas do mundo estão emperrando. As dificuldades vão perdurar além do que se poderia esperar enquanto na calada da noite se fazem tramas políticas contra o Brasil e sua população. Em 2020, o coronavírus chegou de repente, mas assim também há de passar; muitos não estarão mais na Terra; muitos continuarão do mesmo jeito na vida de gado; outros aproveitarão a oportunidade para refletir sobre o significado da vida, o autoaprimoramento e melhora do eu interior.

Precisamos do movimento certo indispensável à paz e à harmonia para manter o ser humano vigoroso. Falta o movimento permanente voltado para o bem, em equilíbrio entre o dar e o receber para uma vida sadia e alegre, construindo e beneficiando. O Brasil precisa de renovação e seriedade. Só com a sincera força de vontade de todos, voltada para o bem, é que teremos um país melhor.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7