Posts

DEMOCRACIA OCIDENTAL

O ocidente, defensor da democracia e liberdade, acabou criando um tipo de república que funciona mal porque, com tudo dividido, não há consenso, mas sim muitos interesses particulares conflitantes. O país e sua população ficam em segundo plano e o resultado está bem visível: ninguém se responsabiliza por nada e a nação vai a pique, restando situação favorável apenas aos tiranos. A liberdade, o grande trunfo, se acha sob ameaça e as novas gerações estão com pouco preparo. A China viu tudo isso e ao perceber que dólar é o que importa, pôs a máquina exportadora a funcionar, conduzindo com sucesso sua população que não quer mais passar necessidades básicas. Enquanto isso, o ocidente vai se desmanchando.

O que se poderia esperar de um sistema de gestão de Estado feito para ser deficitário? O que se poderia esperar de um sistema monetário baseado numa moeda mundial influenciada por interesses particulares? O que se poderia esperar de países geridos por grupos interesseiros inadequados para governar?

Os especialistas estão advertindo sobre as consequências da emissão de dinheiro e crédito em larga escala, enquanto a produção definha, os empregos desaparecem e a insatisfação aumenta. No Brasil, ninguém assume a responsabilidade pelo descalabro das contas públicas. Quem tem poder sabe como se defender, mas o peso sempre recai sobre os mais frágeis que têm de se submeter a leis imediatistas e precarização.

Com o golpe da pandemia e inflação, o Brasil está se recuperando lentamente. Apesar das crises políticas e da aproximação do ano eleitoral, o mercado financeiro recebe sem grandes apreensões o atraente aumento da renda fixa. Haverá uma transferência de renda para fora, mas o viver será apertado para os assalariados, inclusive para os funcionários públicos comuns, sujeitos ao aperto fiscal e aos desmandos dos governadores estaduais.

EUA e China se tornaram os grandes expoentes da economia, mas enquanto os EUA lutam para sanar as próprias incoerências, a China vai impondo aos seus cidadãos medidas pragmáticas. A miséria avança pela maioria dos países, muitos deles superendividados, enfrentando crise econômica, política e social.

Em vez de os políticos e os empresários do Brasil seguirem as pegadas dos Estados Unidos que levaram ao progresso, parece que agora os políticos americanos estão copiando os do Brasil. Diante da turbulência de acontecimentos já se nota a paulatina perda do controle emocional. A polidez vai sendo posta de lado. Quanto mais aumenta a pressão, maior é a tendência da ação impulsiva de pessoas que não querem ouvir o sentimento intuitivo. Na gestão pública, essa possibilidade cria um risco adicional para a população.

O historiador Eric Hobsbawm disse que estamos na era dos extremos e das incertezas. Mas em vez de as mazelas serem atacadas e combatidas, passou-se a discutir ideologia num cenário de luta pela riqueza e poder, e embrutecimento da espécie humana. Despreparados, muitos pais não conseguem dar bom preparo a seus filhos. Tudo isso criou a tendência do decadente embrutecimento da humanidade. Como combater o descalabro?
Tempos de penúria se anunciam, na subida de preços de commodities, alimentos, energia, combustíveis, juros, tudo subindo, significando menos dinheiro nas mãos dos consumidores, menos consumo, menos empregos. Infelizmente a delinquência está tomando conta do Brasil, na criminalidade, nas drogas, nas favelas, na política, na justiça, nas negociatas corruptas. Só com o auxílio do Criador e atuação sincera dos homens de bem é que o Brasil poderá ser salvo. O viver está complexo e atribulado. Que futuro poderá ter a humanidade?

A desigualdade atinge muitos seres humanos que ficaram abaixo de seu potencial. Faltaram oportunidades e força de vontade. Uma questão pouco comentada é a da indolência pessoal ou induzida para manter dóceis as massas e que predispõe os humanos a ficarem acomodados sem desenvolver o necessário esforço para o seu aprimoramento, e não colocar em movimento a sua capacitação de examinar e elucidar a causa das dificuldades e o significado da vida, pois todos nós a recebemos por igual. Acima de qualquer lei humana pairam as leis do Criador que devem ser reconhecidas e observadas em todas as construções para que possa haver a paz e o progresso real.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O ANO NOVO E O FUTURO DA HUMANIDADE

“Livra-te de todas as trevas! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos na maravilhosa Criação de vosso Deus!” – Abdruschin.

O que vai acontecer em 2022 e depois? Eis a grande questão que inquieta a todos, sejam pobres ou ricos, empresários ou empregados. A instabilidade é ampla. Sem um alvo nobre, os seres humanos em geral e os incumbidos da administração pública vão tateando inseguros, improvisando e remendando decisões, sem saber exatamente que resultados surgirão. A humanidade está cega quanto ao futuro imediato e distante.

A fase atual é crítica para a os seres humanos, sempre habituados a ter uma visão mais definida do futuro, mas a partir da instabilidade criada no enfrentamento da pandemia, o futuro se tornou incerto, difícil de ser previsto, gerando inquietação e temores. É como se o solo estivesse acidentado, dificultando a movimentação, obrigando as pessoas enfrentarem o que vem pela frente. Tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação.

A natureza sempre esteve à disposição dos humanos. Em vez de adaptar-se a ela e suas leis, para uma vida simples e natural de boa qualidade, o ser humano buscou dominar a natureza e tudo o mais, mas vem provocando um processo de continuada precarização, em vez de obter melhora nas condições gerais de vida. Há um processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu a devida atenção ao aprimoramento próprio como requerem as leis da natureza, que estão aí para serem compreendidas e utilizadas de forma correta, levando ao progresso em paz e felicidade.

As pessoas em geral foram induzidas a crer que estudar a origem da Criação e da vida, e as leis que a regem, é coisa muito difícil e que não vale a pena perder tempo com isso. Ao desconhecimento da origem da vida, juntam-se as incertezas quanto ao futuro e quanto às transformações universais em andamento no planeta. Será que estudar o significado e origem da vida é mesmo difícil, ou é apenas uma questão de falta de força de vontade?

O conhecimento humano tem sido envolvido com palavras difíceis e explicações complicadas, que só grupos específicos conseguem entender, afastando as pessoas simples. Por isso já disse João, discípulo de Jesus: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”. Jesus explicou o significado da vida e da Criação com palavras simples, em linguagem daquela época, sempre comparando os acontecimentos gerais com a natureza. O espírito humano é como semente que precisa da Terra para se desenvolver e, dotado de livre resolução, terá de colher tudo o que semear.

O livro Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, de Abdruschin, apresenta a Palavra de Jesus na linguagem de nossos dias. São os mesmos esclarecimentos dados por Jesus, também com palavras simples, porém adequados ao linguajar atual e ao estágio do desenvolvimento cerebral dos seres humanos. Trata-se de um livro especial que desvenda a Criação com toda a naturalidade levando o leitor a viver o presente e a construir melhor futuro, analisando e refletindo, mas é plenamente acessível a todo ser humano que se esforçar para compreender direito a Palavra de Deus. Comece bem 2022 e tenha um ano proveitoso e feliz.

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

A SIMPLICIDADE DA MENSAGEM DO GRAAL

A fase atual é crítica como nenhuma outra para a psique humana, sempre habituada a ter uma visão mais definida do futuro, mas a partir da instabilidade criada no enfrentamento da pandemia e contágios, o futuro se tornou incerto, difícil de ser previsto, gerando inquietação e temores. É como se o solo estivesse acidentado, dificultando a movimentação, obrigando as pessoas a se manterem paradas aguardando o que vem pela frente.

A humanidade está cega quanto ao futuro imediato e distante. O que vai acontecer amanhã é a grande questão que tira o sossego de pobres e ricos, de empresários e empregados. No poder, a instabilidade é geral e os incumbidos da administração pública vão tateando inseguros. Estamos no século em que tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação.

As pessoas, em geral, foram induzidas a crer que estudar a origem da Criação e da vida é coisa muito difícil e que não vale a pena perder tempo com isso. Ao desconhecimento do passado, a origem, juntam-se as incertezas quanto ao futuro, as transformações universais em andamento. Mas será que estudar o significado e origem da vida é difícil mesmo ou é apenas uma questão de força de vontade?

O conhecimento humano tem sido envolvido com palavras difíceis e explicações complicadas que só os grupos específicos conseguem entender. Por isso já disse João (8.32) discípulo de Jesus: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”. Jesus explicou, para os seres humanos daquela época, o significado da vida e da Criação com palavras simples, sempre comparando os acontecimentos gerais com a natureza.

O espírito humano é como semente que precisa da Terra para se desenvolver e, dotado de livre resolução, terá de colher tudo o que semear. Há um processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu atenção ao aprimoramento como requerem as leis da natureza. Há uma nova linguagem para a Palavra de Jesus contida na obra Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, de Abdruschin. São os mesmos esclarecimentos dados por Jesus, também com palavras simples, porém adequado ao linguajar atual e ao estágio do desenvolvimento cerebral dos seres humanos.

Trata-se de um livro especial, que desvenda a Criação com toda a naturalidade e obriga o leitor a analisar e refletir, mas é plenamente acessível a todo ser humano que se esforçar para compreender direito a Palavra do Senhor.
https://www.graal.org.br/blogs/o-vaga-lume/livrete-na-luz-da-verdade-mensagem-do-graal-de-abdruschin

Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

JESUS, O MESSIAS

Natal, um dia de festa, por quê? Qual é o real significado do Natal? As Palavras do Filho de Deus tinham como alvo despertar e fortalecer o indolente espírito dos seres humanos.

Estamos num momento de turbulências. Mesmo pessoas confiantes se sentem fragilizadas em meio às dificuldades atuais. Trata-se do Fim do tempo concedido aos seres humanos para evoluírem. Época da grande colheita prometida por Jesus. Sem a compreensão espiritual, a humanidade sufocava o espírito e caminhava para a autodestruição oriunda das cobiças, em vez de captar a energia trazida por Jesus e aplicá-la em suas vidas. O Criador enviou uma parte de si com a missão de transmitir a Verdade e a salvação aos seres humanos. A encarnação do Messias tinha sido anunciada pelos antigos profetas, indicando Belém como o local do nascimento.

A encarnação do Amor de Deus na Terra exigia uma mulher que nunca tivesse tido filho, para gerar um corpo em conformidade com as leis naturais da Criação. Três reis foram conduzidos, mas se retiraram sem ter reconhecido sua alta missão de amparar e proteger a criança. O menino cresceu naturalmente em companhia de Maria e José, até se tornar adulto e sofrer muito ao observar a forma estúpida como viviam os seres humanos, desperdiçando o precioso tempo, sufocando o espírito e só pensando em comida, bebida e prazeres. Os ensinamentos recebidos através dos profetas já não tinham mais força.

Impulsionado para João Batista, surgiu a consciência de quem era e de sua missão de desfazer, através clareza de sua Palavra, a confusão gerada pelas falsas concepções. As palavras do Filho de Deus diziam respeito unicamente ao espiritual. Muitos seres humanos as receberam com o coração, e iam despertando, pressentindo nelas a verdade sobre o significado da vida. Outros, em sua indolência, nem davam atenção.

A Palavra proveniente da Luz da Verdade começava a despertar os seres humanos. Os sacerdotes começavam a se sentir ameaçados em sua zona de conforto e passaram a criar suspeitas e a ridicularizar o Messias, logo passaram às infâmias, e por fim o conduziram ao tribunal, onde, num falso processo, Jesus foi condenado. “Não foi a sua morte na cruz que podia e devia trazer a libertação, mas a Verdade que outorgou à humanidade em suas palavras!”

Os erros e os conceitos falsos poderiam ter sido extirpados e semeadas as verdades essenciais, em conformidade com os ensinamentos de Jesus. “Seja feita a tua vontade assim na Terra como no Céu”, isto é, seguir a vontade Criadora de Deus, presente nas leis divinas da Criação que possibilitam o fortalecimento do espírito humano para retornar de forma consciente para casa, o reino espiritual.

Quando Jesus pendia na cruz, ocorreu um movimento sísmico que rachou todos os blocos do teto da sala do Juízo na estrutura da Grande Pirâmide do Egito. Das palavras originais de Jesus, muito foi perdido por erros de memória ou alterações. Os seres humanos que se orientam exclusivamente pelo intelecto se afastaram cada vez mais das leis da Criação culminando no ateísmo, na descrença absoluta, pois embora sendo vivificados pelo espírito, não reconhecem mais o núcleo realmente vivo em si.
Em sua mensagem, Jesus, o Filho de Deus, comunicou que no final do tempo viria o Filho do Homem, o Espírito Santo, trazendo aos seres humanos a prestação de contas do tempo concedido, a grande colheita e auxílio para a humanidade. “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará” (João, 8:32).

A missão do Filho do Homem aqui na Terra é a continuação e a conclusão da missão do Filho de Deus, ambos emissários de Deus trazendo a força da Luz para purificação, elevação e renascimento. Os seres humanos perderam o saber do real significado da vida, o porquê de recebemos um corpo perecível para uma viver como hóspedes no planeta Terra, mas foram cada vez mais se assemelhando a bonecos presos ao materialismo, já que impediram a atuação do seu espírito através das intuições, concedendo espaço apenas ao próprio cérebro gerador do intelecto e do raciocínio preso à Terra, incapaz de um vislumbre de sua origem espiritual.

A humanidade não observou o Auxílio trazido pelo Filho de Deus. Como agirá com o prometido auxílio do Filho do Homem, portador da Luz da Verdade da Criação para a libertação dos erros e salvação? Após o grande falhar das criaturas humanas durante a existência terrena do Filho de Deus, este momento é crucial para cada ser humano reafirmar o comprometimento com a ceia natalina, a memória da Palavra de Deus encarnada que peregrinou pela Terra, e desapegando-se das ninharias, olhar para si mesmo com espírito livre, aprofundando-se no saber do significado da vida sob a Luz da Verdade: Quem somos nós, de onde viemos, para onde vamos? (Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, Abdruschin)

Assista ao vídeo: https://youtu.be/CQNk6-2_-Gw

O FEIJÃO E A CRISE HUMANA

Na questão do setor imobiliário chinês, está meio difícil de entender por que investiriam em projeto que consome muitos recursos sem oferecer retorno, levando à crise financeira nos resgates. Mas a produção de manufaturas com custo bem inferiores aos demais países gerou muitas divisas e agora está meio travada. A renda cai para a população em geral que precisa fazer remanejamento dos gastos, e muitas coisas acabam sobrando nas prateleiras. São desajustes que estavam previstos para ocorrerem em momentos de redução do fluxo do dinheiro, e não será fácil o retorno ao que era.

São transformações em andamento, com o consumo se concentrando em itens essenciais e encalhe de produtos manufaturados como roupas, cosméticos e outros. Isso também acaba atingindo as exportações da China já afetadas pelo dólar mais caro, tudo convergindo para a redução da velocidade do avanço da economia mundial.

O que devem fazer países como o Brasil para manter a economia num ritmo estável de produção, trabalho, renda, consumo? Feijão e pão. Parece brincadeira o relaxamento com a segurança alimentar. Usam o solo, a água, o ar, mas só se produz o que gere dólares. É muito pouco caso geral. De que adianta exportar tanta soja in natura e depois ter de importar o feijão preto da China? Exportar é importante, mas vamos lá autoridades do Brasil, acordar para evitar as costumeiras barbaridades na gestão do país.

Drogas são produzidas e vendidas por causa do ganho elevado. As pessoas que se entregam ao uso de drogas em geral não sabem por que e para que estão vivos e não têm nenhum objetivo a ser alcançado a não ser ir empurrando a vida meio sem rumo. A forma de viver tem se tornado áspera e vazia. O aumento de usuários de drogas compromete o futuro dos países e da humanidade.

A situação do ser humano é de suma gravidade ao entorpecer a alma, o corpo e a mente. Antes, as trevas queriam rebaixar as pessoas através de cultos decadentes de orgias envolvidas pelas fumaças e beberagens inebriantes; depois entraram outros interesses. Guerra do ópio. Dinheiro e poder paralelo. Hoje é o tráfico. Maconha, coca, ópio, heroína, drogas sintéticas. Muito dinheiro em jogo, muitos interesses promovendo a decadência da humanidade.

Cada indivíduo nasce para evoluir física e espiritualmente, mas acaba se enroscando no mundo material, apegando-se a ninharias, ao dinheiro e poder, e então os tiranos passam a buscar formas para dominar e manter a massa domesticada e algemada a fim de que possa exercer a sua prepotência e cobiças.

A linguagem atual é outra, mas o problema da humanidade é o mesmo. A tecnologia muda a cara de questões antigas, como a displicência com a finalidade maior da vida e com o aprimoramento da espécie, perturbadora do funcionamento sustentável da natureza. Antes era a falta de propósitos voltados para o bem geral; agora são os links e algoritmos selecionadores, impondo conceitos. Estão faltando os que promovam o bem e a melhoria geral das condições de vida e da qualidade humana sobre a Terra que, presa ao materialismo, vai se deteriorando.

A cultura é fundamental para a boa formação. Atualmente, predomina a cultura de massa nos filmes neuróticos e barulhentos, e nas peças apelativas, que longe de contribuir para o aprimoramento, induzem ao desânimo e à falta de esperança de melhor futuro. Raramente aprofundam o tema do ser humano, seu mistério, sua missão, sua finalidade. As produções modernas estão ásperas, violentas, com baixa inspiração, monótonas, fogem da nobreza e da colheita justa.

A possibilidade de viver num padrão de vida que permita às pessoas adquirir os bens que desejarem para uma boa qualidade de vida é realmente um sonho a ser alcançado. No entanto, cada ser humano deve ter a nítida noção de que no mundo material tudo é perecível e que não deve viver exclusivamente para as aquisições que são um meio, e não um fim em si. Por ser humano, deve ter em si a busca de valores perenes que o diferenciam das demais criaturas.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

O FUTURO E AS INCERTEZAS

O futuro do Brasil e da humanidade está se complicando porque, em geral, poucas pessoas assumem responsabilidade sobre suas ações no presente que irão se refletir mais adiante. De longa data falta verdade e, habilmente, as reais intenções têm sido acobertadas. Mas estamos no século em que tudo se acelera e nada fica oculto. É preciso enfrentar a realidade, mas também incentivar a sincera vontade de renovar tudo que esteja em desacordo com as leis naturais da Criação, pois o que estiver em oposição a elas perderá a base de sustentação, devendo ruir naturalmente. O Brasil e a humanidade têm de abrir os olhos e deixar de ser como criança mimada e arrogante para entrar na fase adulta das realizações construtivas e benéficas.

Importa saber qual será o futuro do país cujo passado é vergonhoso. Como puderam deixar que a precarização dominasse na educação, saúde, moradias inadequadas em agrupamentos sem esgoto, e programas de TV de baixo nível? Passado de dívidas que deixou a indústria à míngua com política cambial desastrosa. Quando vemos o abandono das periferias das grandes cidades, dos rios e mananciais, vemos o que fizeram com o maravilhoso Brasil.

A Petrobras perdeu rios de dinheiro por má gestão. O prejuízo na refinaria em Pasadena foi clamoroso. Para recuperar, a população está sendo onerada com sucessivos aumentos de preços dos derivados de petróleo e até no álcool “made in Brasil”. Onde está o bom senso? A oposição tem que perceber que a sua forma de agir representa um ataque e contribui para denegrir a imagem do maravilhoso país que ainda oferece oportunidades de trabalho e sobrevivência, haja visto tantos venezuelanos e haitianos que vêm para cá porque o caos domina o país deles.

Os cientistas e as pessoas em geral não podem continuar afastadas da natureza e suas leis que é a grande doadora e orientadora da vida. Para encontrar as soluções, deve-se estudar de forma séria e profunda a natureza. Muitas vezes um simples camponês conhece a natureza muito melhor do que um cientista que por décadas tenta se sobrepor e dominá-la, mas só conhecendo-a profundamente poderemos obter dela os ricos frutos do progresso real e da paz. Estamos diante da crise provocada pelo desrespeito à natureza.

O conhecimento superficial se torna obsoleto com tanta rapidez por estar distante do saber das leis naturais. Em vez de fazer a diferenciação entre ensino técnico e teórico, o Brasil deveria estar pensando na qualidade do básico na educação que dará aos seus cidadãos a capacidade de pensar com clareza, escolher, comparar, raciocinar, divergir e, sobretudo, aprender.

A natureza sempre esteve à disposição dos humanos. Em vez de adaptar-se a ela e suas leis, para uma vida simples e natural de boa qualidade, o ser humano buscou dominar a natureza e tudo o mais, mas vem provocando um processo de continuada precarização, em vez de obter melhora nas condições gerais de vida. Ao nos aproximarmos dos limites críticos estão surgindo as alterações climáticas e as crises econômicas que poderão conduzir a humanidade para um insuspeitado nível de deterioração da qualidade de vida. A boa notícia é que o Brasil tem maior capacidade de adaptação aos efeitos da mudança climática, mas também é uma ameaça à segurança nacional devido à cobiça por riqueza e poder.

Estamos em processo de desumanização, pois a nossa espécie não deu atenção ao aprimoramento como requerem as leis da natureza, que não estão aí para serem manipuladas, mas para serem compreendidas e utilizadas de forma correta, levando assim para o progresso em paz e felicidade. A situação do mundo é complicada com a continuada decadência. Com uma população bem-preparada, a situação seria outra, mas com a indolência espiritual tudo ficou subordinado ao dinheiro, expressão máxima do materialismo. Com o aproximar-se das 12 horas no relógio do mundo, a Justiça do Alto exige prestação de contas. Por cima da humanidade, as leis da Criação tecem o futuro. Os seres humanos têm de viver em plenitude, aproveitando bem a oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora, utilizando todas as capacitações com que foram dotados.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CRESCIMENTO ECONÔMICO

A economia de uma nação tem de acompanhar o crescimento da população e buscar a melhoria das condições gerais de vida. O aumento do PIB pode se dar com o aumento da extração de minérios do solo para exportação, mas não assegura que haverá melhor qualidade de vida. Estão crescendo, pelo mundo, os aglomerados de moradias precárias tipo favela. Faltam gestores públicos e empresários responsáveis, pois cuidam primeiro de atender aos objetivos pessoais.

A economia mundial já apresentava fissuras; a pandemia as tornou evidentes e as ampliou. A precarização avança desde a classe média, afetando drasticamente a população. É indispensável a união de todos os segmentos para o bem do Brasil e do aprimoramento da humanidade. A queda na produção e empregos não pode ser recuperada de repente, pois o auxílio temporário pode reduzir o risco do caos social, mas o correto é que haja trabalho, produção, renda, para que as pessoas sejam reativas, contribuindo para o bem geral e para não ter a sensação de estar vivendo de esmolas.

“O presidente Jair Bolsonaro tem 60 milhões de votos e quer atender caminhoneiros e 17 milhões de frágeis com um repasse de R$ 400, e esse quadro tem de estar presente nas decisões”, explicou o ministro Paulo Guedes, ressaltando que os secretários que deixaram a equipe econômica queriam que o auxílio ficasse em R$ 300, mas a ala política queria atender aos mais necessitados. “Entendemos os dois lados, mas não vamos ‘tirar 10’ em política fiscal e zero em política social. Preferimos tirar ‘8’ em fiscal, em vez de ‘10’, e atender aos mais frágeis.”, justificou o ministro.

Há grupos que querem vencer a eleição, custe o que custar, inclusive interferindo na livre decisão dos eleitores, e isso não é só no Brasil. E depois farão como sempre, uma administração voltada para os interesses particulares, deixando de lado o que é essencial. No Brasil, os problemas são imensos. Os votos têm sido mal-empregados há décadas. Vejam em que situação o país ficou. Para que tantos deputados, senadores, vereadores? Eles têm mais atrapalhado que ajudado o país. Grupos econômico-financeiros se instalam na nação e os seus objetivos passam a ser os da nação inteira que perde a autonomia e descuida do próprio futuro, deixando a precarização avançar.

Soma-se a isso outro problema: grande parte do atual ambiente inóspito para a vida está na destruição da cobertura florestal, na derrubada das árvores. Grandes cidades arrasaram suas áreas verdes. Prefeitos, governadores e o legislativo jamais se preocuparam com a preservação dessas áreas nas cidades, nas vilas, nas favelas. Fortaleza, capital do Ceará, é uma cidade quente, mas nas proximidades da reserva do Cocó a temperatura é mais amena, há mais vida, a cidade fica mais humana e equilibrada.

A economia brasileira foi baseada no sistema produtivo de monocultura exportadora e escravocrata, fornecedor de riquezas para as metrópoles, sem alvos próprios, sem criar renda interna. O agronegócio e a produção de alimentos são muito importantes, mas precisamos diversificar para gerar empregos e renda, e impedir que voltemos ao passado.

Alicerçar a atividade produtiva na economia globalizada cria riscos; nada é seguro, os investimentos são elevados, mas de repente tudo pode cair. Basta um simples embargo aos produtos voltados para a exportação. A motivação dos líderes está na maximização do ganho e do poder; quem pode mais, chora menos. Cada nação deveria ter a autossuficiência como meta e planejar trocas comerciais equilibradas.

A humanidade se deixou afastar de sua essência, passando a servir aos interesses daqueles que detêm o poder e que nem sempre são os da nação. Só o bom preparo das novas gerações poderá assegurar futuro melhor. A livre decisão é como escolher qual entroncamento ferroviário seguir. Uma vez feita a escolha, a vida vai na direção que pode ser boa ou não. Se houver uma parada intermediária, será possível fazer uma nova escolha. Há entroncamentos que levam para regiões agradáveis, que fazem bem para a evolução, e há os que levam para regiões ásperas e decadentes. Os indivíduos, os povos, a humanidade, têm a liberdade de escolher, mas terão de chegar ao destino escolhido.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

2021: O ANO DA DEPRESSÃO

2019 foi um ano de dificuldades. As festas de Natal e de fim de ano davam a esperança de que 2020 seria mais ameno e, em várias cidades, distraidamente, em fevereiro, as pessoas festejaram o carnaval nas passarelas e nas ruas. Ninguém podia imaginar que poucos dias depois haveria um grito de pavor, um toque de recolher gerando incertezas e inquietações. Máscaras, álcool gel, isolamento, desemprego, conflitos políticos, um cenário dantesco. Não se sabia que remédio tomar? De onde tinha vindo o vírus misterioso? Não havia vacina.

A pandemia fazia vítimas. Assim, sem festas em todos os países, terminou o ano de 2020. Rapidamente a roda do tempo desembarcou em 2021, ano da depressão coletiva e da estagnação econômica mundial. A depressão também se tornou um problema mundial, pois a pandemia trouxe a sensação de que tudo perde o significado diante da grave ameaça apregoada por todos os lados, gerando medo e desorientação geral.

Uma conjunção de fatores desfavoráveis, em efeito cascata, está contribuindo para novo aperto geral nas condições de vida. É preciso força de vontade para não cair no desânimo ao ver tantas coisas se desmanchado; é preciso indagar por que tantas coisas estão ruindo; é preciso motivações nobres e poderosas para gerar força de vontade para seguir em frente com coragem.

Nos países em desenvolvimento, a situação se agrava pela displicência da classe dominante e da classe política, que historicamente têm se pautado pelos interesses próprios, não dando ao país o necessário empenho e, ao mesmo tempo, descuidando do bom preparo das novas gerações. Geralmente, tudo isso tem sido parte de um arranjo em conluio com interesses externos que visa domínio, controle e ganhos. Portanto, não se trata de uma questão apenas de dinheiro, que em geral é sugado pela corrupção, mas da falta de boa gestão do país.

Nenhum poder sobe tanto à cabeça como o financeiro, criando a mania de grandeza mais do que qualquer outro. Atualmente, há uma confrontação financeira entre investidores do ocidente e do oriente que envolve câmbio, ativos, empresas e regulamentações, agravando as crises econômicas.

Onde são tomadas as decisões que interferem nos países e suas populações? As elites e uma parcela da população estão enxergando que a Terra está nos limites críticos, temerosas do ultrapassar dos oito bilhões de habitantes. Muitos, preocupados com o futuro, procuram tirar proveito máximo de tudo ao seu alcance, sejam os financistas, os capitalistas corporativos ou de Estado, esquerdistas e direitistas, todos imediatistas buscando o seu quinhão de riqueza e poder no presente, pois percebem que está em andamento a chegada de um sombrio futuro da humanidade. São enormes os desequilíbrios gerados, mas a humanidade permanece alheia ao funcionamento das leis naturais da Criação.

A falta de respeito é geral. Na economia, o desequilíbrio é geral, agravado pelas disputas políticas. Bom preparo, experiência, honestidade, intuição espiritual, atenção e vigilância, são fatores indispensáveis para deter o declínio, mas estão em falta porque o ser humano está se deixando robotizar e, sem intuição, as coisas começam a travar. Não é hora de sair de casa. Parece que a situação está mudando, mas há muitas feridas que não cicatrizaram. A hora é de pensar no significado da vida.

O ano de 2021 segue acelerado; para onde, é o que muitas pessoas querem saber. O que a humanidade aprendeu? O despreparo aumenta, falta uma visão de futuro comum voltada para a construção sadia visando o bem geral. É preciso transformar a Terra num lar de seres humanos para que a evolução ocorra naturalmente em paz e alegria.

Vivemos um momento de inquietação global. A falta de propósitos começa mais em cima, na humanidade, no país, na cidade, na família, no emprego. Tudo se torna áspero com a ausência do amor desinteressado, proveniente do sentimento intuitivo espiritual. A indolência espiritual finca suas garras onde não encontra resistência. As pessoas veem, mas não enxergam; ouvem, mas não escutam. Aceleradamente as coisas vão acontecendo; acomodados, os seres humanos não se mexem, pois diante das dificuldades, deveriam estar agindo como seres vivos e despertos, com pleno uso de suas capacitações.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

HUMANIDADE DISPLICENTE

A humanidade tem sido displicente com a vida. Viver deve ser o aproveitamento da oportunidade para evoluir de forma construtiva e beneficiadora. Se houvesse a união dos povos em torno do objetivo de alcançar o aprimoramento da espécie humana, certamente não estaríamos enfrentando os rigores da mudança climática, a severidade da limitação dos recursos naturais e da sustentabilidade da vida, e com certeza as riquezas que provêm da natureza não estariam sendo partilhadas dessa forma desumana com todos que se esforçam em serem úteis e produtivos neste planeta.

Estamos diante das consequências do modo de vida inadequado, anunciadas há séculos, mas o foco dos mandantes era voltado prioritariamente para poder e dinheiro. Como gado, os humanos foram empurrados da terra para os grandes currais das regiões metropolitanas onde quem falava em manter áreas florestadas era apedrejado. O preço de tudo sobe, mas a renda cai. Não se sabe como lidar com as alterações do clima, nem se reconhece o modo errado de viver.

Muitos políticos tratam o Estado como uma vaca leiteira e há anos mamam no Brasil, mas cobiçosos, sempre querem mais e são capazes de matar a fonte para se beneficiarem. As eleições exigem muito discernimento da parte dos eleitores. Esperemos que o eleitorado se inspire em suas escolhas para que sejam eleitos aqueles que tenham um real empenho na construção de um país digno, tornando-o um lar para que possamos evoluir em paz e alegria.

Homem é homem e mulher é mulher e deveriam se complementar e viverem felizes, auxiliando-se mutuamente, mas a época é fulminante para o bem-querer. A ansiedade, o egoísmo e o orgulho são fatores adversos que prejudicam a boa convivência. Há muita aspereza no ar. Sentimos isso no trânsito congestionado, no transporte precário, nos ambientes de trabalho, nos conflitos pessoais e mundiais que se avolumam. Num mundo em que cada um só pensa em si e em suas vantagens, julgando-se melhor que os demais, os bons pensamentos e a consideração são as melhores formas de estabelecer a mútua cooperação, em que cada um auxilia o outro com pensamentos benéficos.

Houve um tempo em que os seres humanos, hóspedes do planeta Terra, viviam na segurança da regularidade dos acontecimentos e tudo seguia conforme se previa. Mas, de repente, as pessoas passaram a agir com frieza e a vida começou a mudar sem que se pudesse saber como seria o amanhã, e quais problemas e dificuldades surgiriam. Isso gerou inquietação e até revolta. As pessoas perderam a coerência, e mudam de opinião segundo os interesses, medo ou influências externas. Como enfrentar esse novo desafio?

Há uma estrutura de desorientação que visa manter a alma adormecida e, na indolência, acaba acolhendo o lixo das formas de pensamentos maldosos daqueles que se entregaram ao princípio errado. Vivemos sob o império da mentira e da corrosão dos valores que lança os seres humanos na destruição do eu interior consciente.

Quem semeia colhe; a displicência no agir se vinga ferozmente. O que vai, vem. As movimentações de retorno se aceleram, as boas, as más, e aquelas que devido à forte vontade das pessoas de alcançar o bem, se apresentam na forma de resgate simbólico. No livro Fios do Destino, a escritora Roselis von Sass explica: “Os espíritos humanos se reencarnam constantemente em diversos povos e países. Essas repetidas vidas terrenas tornam-se necessárias, a fim de que as criaturas possam desenvolver todas as faculdades latentes no espírito humano.”

O sofrimento reconhecido como retorno se torna menos traumático pela certeza que terá um fim. O que causa mais abalos são ataques morais e emocionais com sua carga nociva, que surgem de repente para agredir a alma. Por isso é preciso manter puro o foco dos pensamentos, pensar no bem, e humildemente confiar na força das leis da Luz do Todo-Poderoso, e ir em frente com firmeza e coragem.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

FUJA DO CAOS

Após dezoito meses de pandemia nada mais é como antes. Nos países de vida difícil, onde é preciso trabalhar muito para sobreviver, pouco mudou, mas em muitos outros o impacto foi devastador. Nas finanças e na política prevalecem os interesses particulares e os egoísmos. Tudo está acontecendo de forma acelerada; para onde quer que se olhe a insatisfação cresce e a paz se reduz. Coisas simples de resolver se tornaram complicadas. Para que ocorra cooperação e solidariedade entre os humanos, são necessários a sinceridade e o real desejo de alcançar a melhora geral.

Antes os governos emitiam muito dinheiro, ou tomavam grandes empréstimos. Veio a inflação, aumentando o preço de tudo que se produzia. Então aumentavam a taxa de juros para que o dinheiro voltasse para o governo através de títulos e atraíssem dólares que ficavam com preço baixo e com isso se combatia a inflação com importações de produtos que entravam no mercado com preços menores; mas isso fez a dívida crescer.

A inflação descontrolada é o caos, mas por que os governos chegam a isso, mesmo em épocas normais sem crises ou pandemia? Quais serão as consequências de juros mais elevados? Vai gerar mais produção, empregos, renda, consumo? É isso que precisa ser solucionado antes que as matérias-primas retiradas da natureza acabem e ninguém mais saberá o que fazer para sobreviver de forma condigna?

Hoje estão emitindo muito, mas a taxa de juros é o problema devido ao tamanho da dívida, e não conseguem encontrar meios de produzir mais internamente, empregar mais, melhorar a renda e o consumo. Como sair dessa enrascada? Com tantos piratas de colarinho branco pelo mundo parece oportuno que as forças armadas busquem integração com a população. Todos juntos por um Brasil melhor e justo, empenhados em dar bom preparo de vida para as novas gerações, utilizando os recursos naturais para o bem geral, e não para uma parcela da população que vem explorando o planeta de longa data.

Na vida sempre surgem imprevistos para serem contornados. Falta-nos aceitação para com os acontecimentos desagradáveis. São vivências pelas quais temos de passar. Sem aceitação, nos colocamos contra, muitas vezes agravando a situação pela resistência. Levantar a cabeça, respirar de forma serena. Não se deixar abater pelas adversidades. Com boa vontade, tudo poderemos superar, evoluir e nos alegrarmos. Criando à nossa volta um ambiente tranquilizador de confiança no poder das leis do Nosso Criador, e no futuro, estabeleceremos a paz e a felicidade.

As pessoas estão preocupadas com a confusa e difícil situação que estamos enfrentando, com poucas perspectivas. De fato, após 18 meses inquietantes de pandemia, muitas coisas foram afetadas como empregos, atividade escolar, passeios e lazer. Esse período lançou uma névoa sobre o futuro, somando-se a isso as incertezas econômicas, políticas e ligadas à paz mundial. Foi um raro momento de ruptura na forma de viver consolidada desde o término da Segunda Guerra Mundial. O importante é que as pessoas busquem a tranquilidade e não se deixem envolver por inquietações, para buscar serenamente o equilíbrio, embora se perceba que há algo diferente no ar que requer ampla compreensão do significado da vida.

O trabalho da imprensa é importantíssimo como fonte de informação e conhecimento, pois a vida deveria ser um eterno aprendizado para aprimorar a espécie humana e melhorar as condições gerais. É indispensável para o bem geral que sempre cumpra esse papel. As mídias sociais também exercem influência na sociedade humana, mas há que saber usá-las para que não se transformem em mais um meio de deturpação da realidade.

Estamos bem próximos do caos geral. A todo momento somos despertados para desgraças geradas por seres humanos, sem que se contraponha uma luz de esperança que desperte a capacidade de resistir e se sobrepor ao caos. Os jovens precisam ser motivados a construir um mundo melhor com harmonia entre os indivíduos e os povos.

Mesmo diante desse cenário ameaçador, a humanidade permanece insensível. Para uma transformação necessitamos do desenvolvimento e fortalecimento dos valores universais outrora transmitidos para a humanidade. Atualmente esses valores estão acessíveis através dos ensinamentos contidos na Mensagem do Graal, de Abdruschin, que apresenta de forma clara e natural, o reconhecimento e funcionamento das leis espirituais da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br