Posts

CARTÕES DE CRÉDITO E COVID-19

Há muitas pessoas displicentes com suas contas, especialmente com o cartão de crédito, mas com milhões de desempregados a questão assume outros contornos. Uma das causas é a Covid-19, mas é também tudo que aconteceu antes. A economia brasileira foi reduzindo a produção destinada ao mercado interno. Faltou melhor planejamento que buscasse o equilíbrio entre produção, trabalho, renda, tudo muito desigual no Brasil desde a fase do trabalho escravo. Como considerar boa para um país a globalização que leva os empregos e a produção para fora, desequilibrando a economia interna?

A economia moderna tomou o antigo jeito mercantilista de produzir para exportar e acumular riquezas e poder, visando superávit em suas contas externas, mas quando o mercado fecha devido a uma crise como a da pandemia, fica sem saber o que fazer. Deveria estar voltada para produzir para a própria população. Esse modelo satisfazia os interesses do mercado financeiro global, mas ao longo dos séculos, tem demonstrado que não promove progresso equilibrado entre as nações.

Foram séculos de descuidos com a saúde e com o preparo das novas gerações. Agora surgiu o dilema: vida ou economia. Mas o essencial é conhecer a finalidade da vida. A atual situação do Brasil mostra as consequências dos maus governos despreocupados com o equilíbrio das contas internas e externas, com o baixo nível de renda e falta de bom preparo da população. Um dos efeitos da má gestão são as muitas obras inacabadas, fruto de projetos ruins, falta de planejamento, e muitas vezes, corrupção.

Produzimos poucas coisas. Dependemos de importação de manufaturas que chegavam com preço arrasador. A renda caiu mais com o desemprego, um problema que se arrasta há décadas com a transferência da produção para a Ásia. As contas públicas e administração da dívida pública estão em caótica situação. Há um problema político de luta pelo poder, mas a economia sofre de males que se acumularam sem que recebessem um tratamento objetivo. O mercado interno é fraco e despreparado, a precarização externa chegou até aqui. Como solucionar esses problemas?

A economia de muitos países segue como carro velho que vai largando partes pela estrada. Apesar de um esfriamento da globalização, a economia mundial não indica a possibilidade de mudanças no sistema, rumando na direção da renda básica universal como a grande panaceia para acomodar a massa que enfrenta escassez de comida e educação.

O avanço econômico e tecnológico da China foi surpreendente. O grande problema dos seres humanos é que não conseguem estabelecer um progresso equilibrado. A transferência das fábricas para a China acarretou alguma melhora no sofrido povo de Mao Tse Tung, mas afetaram a renda e empregos noutras regiões, criando um novo protagonista nas finanças mundiais, gerando o grande desequilíbrio geral, agravado com desequilíbrio na natureza.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, disse que as explosões recentes em seu país foram provocadas pela detonação de 2.750 toneladas de nitrato de amônia, produto que tanto pode ser usado na fabricação de fertilizantes agrícolas quanto de explosivos. O Líbano se tornou um ponto de concentração das incoerências humanas e dos pensamentos maléficos que se materializam nos problemas criados pela humanidade, decorrentes da forma de viver em desacordo com as leis da Criação. Destruição, insegurança, desemprego, mortos e feridos, economia desequilibrada, crise no abastecimento.

A frase “sadio de alma, corpo e mente” mostra o conjunto que forma o ser humano: a alma ou espírito, no comando; e o corpo, do qual faz parte a mente através da atividade intelectiva, que deveria refletir intuitivamente, mas quer a supremacia, anulando o espírito e forjando um mundo áspero, sem coração, como é o mundo atual que alma nenhuma consegue reconhecer como humano.

A consideração humana é uma atitude vinculada à humildade espiritual. Pessoas arrogantes que se julgam superiores, oferecem pouca consideração ao próximo por considerá-lo insignificante. Insensíveis ao sofrimento alheio, caminham pela vida como se fossem os donos do mundo, buscando o máximo de satisfação para si mesmos. Como bem disse Abdruschin: “Concedido vos é peregrinar através da Criação! Caminhai de tal maneira, que não causeis sofrimento a outrem, para satisfazer com isso qualquer cobiça”. Pensando no bem geral, podemos contribuir fortemente para a paz e a bem-aventurança da humanidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

2020: O ANO DA RUPTURA

No inquieto século 21, o ano de 2020 será considerado como o ano da ruptura. Os homens se digladiam pelo poder mundial. As leis da Criação estão reagindo contra séculos de arrogância dos humanos de não quererem ouvir a Fala do Senhor dos Mundos, pois cobiçam se tornarem, eles próprios, os senhores do mundo.

O que o governo pode fazer quando falta dinheiro para tocar o país ou resolver emergências? Nesse caso, o mais grave é que o governo perde a autonomia, fica amarrado à dívida. O mundo precisa de líderes sábios que respeitem o solo pátrio. Cada povo deve aprimorar a própria cultura, mas muitas pessoas acataram conceitos vindos de fora e abriram o país sem estarmos preparados para isso, atraindo toda essa precarização. Seria bem oportuno para o Brasil endividado que o montante de R$ 500 bilhões obtido com a variação cambial aplicada às reservas internacionais fosse mobilizado para reativar a economia estagnada e bombardeada com a crise gerada pela pandemia.

Homens cobiçosos se julgam donos do planeta e impuseram suas ideias restritas ao povo despreparado e acomodado que tudo aceitou em troca de migalhas e diversão; assim o mundo foi rumando para o abismo, mas acima do homem estão as leis do Criador que trazem de forma impetuosa a colheita de tudo que foi semeado. É terrível. A grande e única vacina para impedir essa grave anomalia está no reconhecimento das leis da vida.

A vida não é uma fatalidade. Sempre temos a possibilidade da escolha, mas temos de fortalecer o querer. As pessoas estão sendo induzidas a olhar para baixo e se acomodam. Temos sempre de aspirar ao mais elevado nível que o ser humano pode alcançar e, para isso, cada indivíduo deve se preparar, se fortalecer e conhecer o significado da vida.

O mundo esteve, durante séculos, olhando só para o dinheiro, esquecendo tudo o mais, deixando em segundo plano a riqueza que nos é dada pela natureza como o ar e a água, fora todas as outras farturas. A economia globalizada desequilibrou tudo, a ponto de que o aumento de renda interna se reveste de aumento das importações de manufaturas, dado que o parque industrial foi destruído pela concorrência internacional predatória.

Perdemos terreno, pouco se produz, endividaram o país. O déficit fiscal é gigante, a arrecadação poderia ser incrementada taxando os importados seletivamente, dando oportunidade aos empresários e trabalhadores nacionais. O momento é de ruptura com o velho modo de viver que atraiu as crises que se acumularam ao longo dos anos. Cada país terá de se esforçar intensamente na recuperação dentro de seus limites, fortalecendo seu povo e sua cultura. No entanto, para que haja paz e progresso, tem de ser banido o “tirar vantagens” de outros povos e outras nações.

A crise não se tornou uma oportunidade de fortalecimento do país e sua população; perde-se tempo e dinheiro com a guerra de comunicações e desrespeitos aos poderes constituídos, forjando justificativas habilmente criadas. A população está duplamente amedrontada, com o vírus e com a incerteza econômica. Os confrontos entre poderes tiraram credibilidade gerando uma crise de confiança.

O ano de 2020 também se reveste de um momento especial de reflexão sobre o que temos feito, desperdiçando tantas oportunidades que poderiam ser aproveitadas para o bem geral da humanidade. Tudo vai assumindo ares de contenda na luta por poder e influência, mas permanece distante o saber da Vontade de Deus, que tece os fios do destino trazendo recompensa ou castigo. O tempo vai passando, em vez da energia de Luz que traz paz e alegria, estão sendo atraídas nuvens carregadas. Há de surgir um novo dia que propicie novas oportunidades para, com humildade, recebermos a Força e superar os desafios nesta fase que todas as falhas humanas decorrentes das formas erradas de viver estão sendo expostas.

Os seres humanos não podem continuar esperando que tudo caia do céu, sem esforço, sem trabalho dedicado. Em grande parte, os governantes pouco se dedicaram para promover o desenvolvimento e fortalecimento da população, o bom preparo das novas gerações e melhores condições de vida. As pessoas pouco sabem da vida, e sem a verdade, não há liberdade, mas apenas medo e ódio.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7