Posts

A NOVA RECESSÃO MUNDIAL

Nos anos 1980, apesar das crises e dos juros escorchantes da dívida externa, havia produção industrial, empregos e renda; produzia-se para exportar e pagar a dívida. A população era mais otimista e sobrava um dinheirinho para uma pizza no fim de semana. A exploração da classe política no Brasil foi se insurgindo, sugando ao máximo. Argentina e Brasil fizeram as mesmas besteiras achando que com juros altos e dólar barato resolveriam todos os problemas. Gastamos cerca de 400 bilhões de reais de juros ano. Hoje, os dois países estão no buraco, o da Argentina é mais fundo. A indústria perdeu espaço. Asiáticos seguiram produzindo, exportando e fazendo reservas. Com a nova recessão geopolítica tudo vai ficando mais difícil.

A economia e a produção no Brasil estão estagnadas. Nas discussões sobre desemprego e renda desigual a globalização não pode ser posta de lado. Há países que reconhecem a necessidade de estabelecer regras para o trabalho, mas onde há muita pobreza e fome as pessoas trabalham para viver, e se a produção for destinada ao mercado globalizado isso afeta seriamente o trabalho, o que até agora não foi pouco discutido, mas a desindustrialização e a precarização avançam pelo mundo.

Desde os anos 1980, a principal opção econômica do Brasil tem sido a dos juros altos. Acomodaram-se empresários e políticos, estes últimos visando sua permanência no poder. Em recente artigo, Ian Bremmer, cientista político norte-americano, fala da recessão geopolítica mundial que envolve a luta pelo poder no controle da riqueza financeira e física, que afeta países como o Brasil que já vinham perdendo terreno na indústria.

A estagnação freia o consumo. Asiáticos produzem muito, para converter sua mercadoria em dólares baixam preços; os emergentes ficam sem ação: o que produzir além de matérias primas, que podem entrar em ciclo de baixa, e comida? Adentramos nesse ciclo de conflitos comerciais que freiam avanços na economia e na melhora das condições gerais de vida. Quais seriam os efeitos da manutenção das atuais taxas de juros americanos? E de sua elevação ou redução?

Para o que a civilização do dinheiro está olhando? Como sempre, para o dinheiro. O Brasil tem cometido muitos erros contra a sustentabilidade da natureza. Desmatamento, poluição dos rios e mares, falta de saneamento e tratamento do esgoto, uso de inseticidas e pesticidas nocivos que matam lavradores e abelhas, tudo prejudicial. Montanhas de minérios do Brasil têm sido arrasadas para exportar commodities a preços vis, exploradas por empresas e fundos de investimentos mundiais que visam e desfrute sem maiores cuidados, como aconteceu em Mariana e Brumadinho, e nada falaram. O que eles pensam do Brasil e sua população?

A crise da humanidade antecede a crise da democracia. Se a humanidade tivesse se mantido firme no propósito do direito de evolução de todos os povos, a história mostraria justiça e não haveria esse cenário caótico de imigrações e refugiados pelo mundo. Os homens fortes no poder se espalham desde a Rússia e China e vários países. No Brasil, apesar de o Estado ter sido aparelhado, em 2018 tivemos eleições livres e a população fez a sua escolha. Legislativo e Judiciário funcionam com autonomia. Faltam seriedade e união por um Brasil melhor.

A juventude ansiava conhecer as causas do sofrimento e miséria existentes na Terra. Os jovens nascidos no século 21 estão com baixa resiliência para lidar com os problemas e crescentes dificuldades da vida, caindo facilmente em depressão. Com muitas informações, o mundo se tornou objetivo, só com exterioridades. Sem introspecção não há aprofundamento.

Como motivar os alunos ao fortalecimento do querer saber? Aos seres humanos em geral falta a visão do significado da vida e suas leis naturais, em nossos dias mais ainda. A solução não está no ensino de religião com seus dogmas e regras. Os jovens deveriam ser instigados a conhecer o verdadeiro significado da vida, sua origem e finalidades, pois as leis da Criação jamais poderão ser burladas impunemente. O ser humano é criatura espiritual que tem a livre resolução: pode contribuir para a melhora geral das condições de vida no planeta, ou dar espaço ao querer egoístico para satisfazer sua vaidade e cobiça de poder, mas terá de arcar com as consequências.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

POR FALAR EM PRECARIZAÇÃO

No mundo de hoje, globalizado, a redistribuição espacial da manufatura e a hiperindustrialização levaram à precarização. A queda dos rendimentos dos trabalhadores nesses continentes, assim, desestimula a demanda. Os ganhos de produtividade e de salários geram demanda e desenvolvimento econômico na Ásia do Leste. Países saltam da pobreza para a renda média. No mundo “rico”, as famílias submetidas à lenta evolução dos rendimentos sustentaram a expansão do consumo com vertiginosa expansão do crédito. A partir da crise de 2008, esse circuito de formação de produção e renda na economia mundial como um todo começou a falhar, dando origem ao período da Grande Recessão.

Parte da oferta da economia dos EUA (e também da Europa) está hoje na Ásia. Surge, então, uma situação curiosa de “demanda mundial fraturada”: as famílias americanas demandam, via crédito, bens produzidos no Leste da Ásia que por lá geram ganhos de escala, de produtividade e salariais. O regime fordista de produção foi transferido para o leste asiático, só que os consumidores estão nos EUA tomando dívidas. O sonho americano da bela casa no subúrbio com belo emprego e belo salário virou o pesadelo da rolagem de dívidas hipotecárias, de cartões de crédito e estudantis, para não mencionar os custos de saúde para as famílias americanas. O pleno emprego voltou nos EUA, mas a estrutura produtiva mundial é outra. Apesar de desemprego na mínima, os dados de mercado de trabalho nos EUA mostram ainda muita gente fora da força de trabalho. Os empregos criados nos últimos anos foram de baixa complexidade, com destaque para varejo e serviços não-sofisticados. E agora os salários americanos parecem subir sem aumentos de produtividade equivalente. As famílias americanas e europeias estão atoladas em dívidas. As empresas estão com montanhas de dinheiro em caixa e não investem como antes. Nesse cenário se movem, com medo e incerteza, os bancos centrais dos países ricos. Após emitir mais de US$ 10 trilhões, continuam sem saber o que fazer.

Leia na íntegra este artigo de Paulo Gala, graduado em Economia pela FEA/USP, Mestre e Doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas FGV/EESP de São Paulo, onde é professor desde 2002. Foi gestor de fundos multimercado e renda fixa, hoje CEO e Economista da Fator Administração de Recursos/FAR.
http://www.paulogala.com.br/politica-monetaria-para-um-mundo-anormal-moeda-causa-inflacao/

 

CONTRIBUIR PARA O BEM GERAL

É através do dedicado estudo feito pelos seres humanos do funcionamento de suas leis lógicas e coerentes para construir de forma benéfica que a natureza revela seus segredos. Mas os homens querem dominar em vez de se adaptar e, com sua cobiça de poder, se opõem a tudo, deixando de contribuir para o bem geral, acabando por construir armas e bombas destrutivas e colocando o mundo em desarranjo. O que querem os estadistas e os comandantes das grandes corporações? Mesmo em tempo difícil, sindicatos fogem da conciliação. Como ocupar tanta mão de obra ociosa de forma nobre e benéfica? São complicações resultantes do desarranjo comercial cambial global e da avidez internacional por dólares.

A flexibilização, diante dos interesses próprios, tem sido a norma dos governantes do Brasil que perderam o rumo para se manterem no poder e, para isso, descuidaram do interesse geral. Passamos a depender das commodities, ampliando o volume de itens importados. Precisamos de mais produção e trabalho. É verdade que a população mundial cresce continuamente. Aumentam as bocas que precisam de alimentos para seu desenvolvimento e conservação. Isso é um trunfo para o Brasil, mas requer seriedade na produção e vigilância nos acordos comerciais.

Se a alimentação não for adequada, a espécie humana perderá potencial. A alimentação tem perdido em qualidade. Perdem-se nutrientes pela invasão da química e biotecnologia. Os transgênicos ainda são uma incógnita? Há ainda outro fator que complica: o estresse da vida moderna urbana que provoca ansiedade e inquietação, afetando em primeira linha o funcionamento natural da digestão que se vê atropelada pelo emocional.

O Brasil descuidou da balança comercial, mesmo sabendo que isso gerava déficits. Os EUA também têm déficit comercial e volumosa dívida, mas mesmo com tudo expresso em dólares, agora se percebe o tamanho colossal da dívida e por isso jogam pesado para que não percam o poder dessa moeda. Mais do que preocupação com a balança comercial, a China tem um programa de acumular dólares para ter segurança financeira.

Que lições os governantes poderiam receber na comparação da política cambial adotada no Brasil desde o Plano Real e as do Chile, Índia, Japão e China? A volatilidade do câmbio, decorrente de vários fatores especulativos de mercado ou de governos visando exportar mais e importar menos, revela que países fracos estão permanentemente no labirinto cambial e caindo na armadilha do déficit nas contas externas. Algo que se tivesse sido equacionado no passado com seriedade, hoje o mundo estaria em condições menos pressionadas, com menos miséria.

As crises trazem suas oportunidades, mas será que serão aproveitadas para corrigir a situação de caos espiritual e mental que o mundo vive, geradora dos desequilíbrios econômicos, ambientais e sociais? O Brasil se tornou um país violento, com péssimo nível educacional, de qualidade de vida e consumo. Os jovens são dotados de inteligência e surfam nas inovações, mas para evoluir e contribuir para o bem geral precisam ouvir o eu interior, que é espiritual e não mecânico.

O ciclo de produção industrial foi profundamente modificado a partir do final do século 20, evidenciando o desarranjo geral. Em muitos países, a atividade de produção industrial foi posta de lado e não há o que fazer com os entulhos recicláveis se a China abrir mão deles. Mais um aspecto não examinado atentamente na globalização, pois são muitos os desequilíbrios gerados. As montanhas de plástico pelo mundo atestam a forma artificial de viver, afastada das leis que regem o universo. O desarranjo é grande. Se a China, o grande parque fabril, deixar de usar os descartáveis, o que os demais países poderão fazer com eles se a sua indústria pouco produz? O risco é que solos, mares e fauna marinha arquem com as consequências. Mas no final, as perdas recairão sobre toda a humanidade que habita o planeta Terra.

As relações econômicas se têm caracterizado pelo ganha-perde. Raramente instalou-se o ganha-ganha de ambos os lados envolvidos nas transações entre os povos. Europa, EUA e China têm de buscar o bem geral. A flutuação cíclica do poder gera inquietações no mundo. No que isso vai resultar se faltar vontade sincera de resolver os problemas que afligem a humanidade e que foram criados por ela mesma?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

NOSSO MUNDO PERIGOSO

As complicações mundiais vêm num crescente desde o final dos anos 1990. Enquanto se processavam as alterações na estrutura de produção global, ocorreram no entremeio crises financeiras que absorveram as atenções gerais. Agora enfrentamos um novo desarranjo de forças antagônicas que fazem de tudo para obter o desempate do jogo e ficar na supremacia.

A partir da globalização, promovida pelo que se convencionou chamar de neoliberalismo, ocorreram profundas transformações financeiras, cambiais e econômicas. A produção fabril foi concentrada principalmente na Ásia. Iniciou- se um processo de desindustrialização e precarização geral em muitos países. Com certeza outros caminhos poderiam ter sido identificados, mas esse foi o adotado em função dos interesses imediatistas.

Empregos e arrecadação se retraem. Nos grandes centros os shoppings centers se estruturaram em função de um nível de renda mais flexível. Com a precarização geral a renda caiu, junto com as vendas. Preços e qualidade baixaram. Produtos estão à venda em cada esquina. Os shoppings e lojistas enfrentam dificuldades pelo mundo.

Lá atrás teve início a administração burocrática dos Estados que deveria estar sempre e exclusivamente voltada para os interesses gerais. A burocracia teve a sua origem na necessidade de regulamentar os procedimentos das relações na sociedade humana, no entanto acabou gerando os monstrinhos que criam dificuldades para as atividades em geral, mas é prestativa com os interesses dos grupos com os quais compactua.

Os gestores do dinheiro público têm sido desleixados com as contas internas e externas, agindo com pouco bom senso, dispersando as verbas em muitas coisas não essenciais. Em seu imediatismo, não desenvolvem estratégias de longo prazo, agindo burocraticamente de improviso por meio de remendos para corrigir problemas momentâneos, sem clareza em suas decisões para acobertar os seus objetivos particulares, e sem olhar para as consequências futuras. Há de se renovar a burocracia que acabou se tornando mais importante que o próprio país e sua população.

Mas o fato é que a burocracia não é a causa dos males, mas sim uma consequência, pois a causa primeira da regressão das condições gerais de vida está no embrutecimento do ser humano que, com seu egocentrismo, afastou-se do sentido da vida, não medindo a extensão de suas atitudes na busca de satisfação de sua cobiça.

O ser humano tem passado pela vida com viseiras, de modo inconsciente quanto ao seu desenvolvimento progressivo, deixando de perceber as conexões promovidas pelas poderosas leis da natureza, sem se preocupar em penetrar nesse saber que em outras eras era percebido de forma simples.

As leis naturais da Criação nos fizeram livres, mas os seres humanos egoístas forçam a antinatural sujeição da vontade alheia aos seus interesses criando leis e regulamentos em desacordo com as leis naturais da vida.

A burocracia se tornou a forma de criar normas que aos poucos vão sufocando a individualidade e a criatividade. Simplificar tudo na vida implica na necessidade de desburocratizar todo o arcabouço artificial de mando gerador do mecanismo que visa o aproveitamento máximo dos recursos pela elite que se assenhoreou do poder. Mas isso não acontece apenas no setor público, podendo ocorrer da mesma forma no setor privado.

Na aspereza atual da sociedade humana, os indivíduos estão perdendo o vínculo com os objetivos de melhora geral que devem ser compartilhados, passando a olhar para si e seus interesses, com pouca ou nenhuma consideração pelos demais seres viventes. O mundo precisa erigir a plataforma da simplicidade para afastar as doenças que estão atacando e desorientando o cérebro de forma crescente e, ao mesmo tempo, elevar a sociedade no que ela tem de humano.

Com o enfraquecimento do espírito, o homem se torna materialista e tenta impor a sua vontade para exercer influência de forma ampla e sútil. Nisso, se esforça para impor sua vontade sobre o próximo. A ânsia pela conquista e conservação do poder tirânico não ocorrem apenas no poder estatal, mas também nas empresas, organizações e até nas famílias. Dessa forma, as pessoas são induzidas para que adotem atitudes, decisões e ações padronizadas dentro de um contexto de interesses de dominação. Ao mesmo tempo, o cérebro confuso, desconectado da intuição, vai perdendo a visão de conjunto sobre o significado da vida, pois está perdendo a simplicidade, a clareza e a naturalidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

VIVER DE CORPO E ALMA

O ser humano é composto de alma e corpo, onde o cérebro atua como o sistema operacional que tem de executar os comandos da alma. Mas afinal o que é a alma? A alma abriga a energia espiritual do ser humano, nela se encontra a individualidade, o eu interior que tem de agir por si, buscar a autoconsciência, sem permitir a infiltração de influências externas no envio de seus comandos ao cérebro.

As pessoas necessitam dedicar mais tempo para compreender o que a alma é. A alma, em sua individualidade, é dotada de características próprias, enquanto o cérebro se deixa padronizar por influências externas. As pessoas têm que viver de corpo e alma, e não apenas com o corpo, como o fazem na maioria das vezes. Isso tudo tem o seu funcionamento em conformidade com as leis cósmicas universais que regem o livre arbítrio impulsionador das vivências para o fortalecimento da alma.

Qual é o grande futuro do ser humano que vai atravessando o tempo em várias fases desde a geração, infância, fase adulta, velhice, sempre se encaminhando para o abandono do corpo, a saída do mundo terreno? O ser humano deveria passar por isso atentamente de forma consciente, porém, muitas pessoas, levadas pelo artificialismo em que vivem, vão avançando sem perceber a importância dessas fases da vida, e quando se dão por si, já se encontram perto da velhice.

É indispensável para o progresso o esforço para manter o domínio do espírito sem permitir influências externas. Colocar de lado as ninharias do dia a dia, elevar os pensamentos, sempre visando produzir algo benéfico para si e para a Criação. Vivemos numa fase caótica da humanidade, o descontentamento e protesto avançam pelo mundo.

Em muitos municípios, como a cidade portuária de Marselha, na França, as empresas estão indo embora fugindo da confusão, permanecendo elevado índice de desemprego. Há um grande contingente ocioso pelo mundo; é preciso criar atividades nobres e produtivas que assegurem uma existência condigna. As pessoas não podem continuar perdendo o rumo. Na vida tudo tem de se pautar pela grande lei do equilíbrio cósmico, mas os seres humanos se julgam acima dessa lei.

“Como és tu ser humano? O que tens feito do tempo que te foi concedido?” O ser humano não pode se prender a conceitos de outras pessoas sem analisar tudo com o eu interior, a alma. Na alma nasce a intuição, que deve comandar o cérebro no pensar, falar e agir. Uma criança ouve por muitas vezes que o Salvador veio para a Terra para livrar a humanidade de seus pecados através de trágica morte na cruz. Enquanto criança, vai ouvindo essa história, mas ao atingir a fase adulta assume a responsabilidade por si mesma e é sua obrigação examinar o conteúdo da crença de seus pais, se verdadeiro ou não. Como o Criador de Todos os Mundos poderia enviar seu filho inocente para, arbitrariamente, apagar os pecados dos seres humanos para que pudessem retornar ao céu?

Para se desenvolver, o espírito teve de ser expelido de seu plano de origem, o reino espiritual, ou como se diz, foi expulso do paraíso para fazer um percurso até ao mundo material, desenvolver-se para a escalada, retornar forte e consciente. É preciso elevar o pensamento para não permitir que a alma seja sufocada pelo intelecto egocêntrico que quer dominar e, em sua mania de grandeza, se julga dono do planeta. Devido à sua espécie material, o intelecto se aprisiona ao perecível mundo material, às suas ilusões, seus prazeres e suas misérias.

Lei da vida é movimento certo no pensar, falar e agir, sempre visando o bem geral, para ampliar a consciência espiritual. Procurar ligação com a fonte da vida. Saber por que e para que nascemos. Já é possível procurar na Internet o saber sobre a Luz da Verdade, o grande auxílio para a humanidade, a Mensagem do Santo Graal. Até agora o ser humano só prevaricou em vez de atrair a energia espiritual para o bem da Terra e preparar o chão para a nova vida, livre dos erros humanos, baseada na naturalidade que reconhece e segue as leis da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O ADMIRÁVEL MUNDO DA FANTASIA

A humanidade tem se afastado do concreto, embarcando nas fantasias, mas no Brasil essa condição fantasiosa levou à decadência bem acelerada. O declínio geral não tem sido levado a sério pelas autoridades que se tivessem olhado seriamente para isso há mais tempo muitas coisas poderiam ter sido evitadas. Quantas gerações serão necessárias para que se observe a volta ao progresso real?

Educar tem início na responsabilidade com a procriação. Pais e mães têm o dever de dar bom preparo para os filhos gerados. A mídia também tem sua parcela de responsabilidade nesse alvo. A escola mais ainda, pois ela existe para formar gerações aptas para responder pelo futuro, para não cairmos na vala comum da renhida luta pela sobrevivência da vida vazia de sentido sem consideração pelos outros, sem o mútuo apoio para a evolução humana e melhora das condições gerais de vida.

O mercado livreiro deveria se expandir com as novas gerações. Aumenta a população, mas diminuem os leitores; é o afastamento da leitura pelo comportamento passível de manipulação on-line através de informações, sentimentos e atitudes padronizadas que podem levar à depressão. Lendo livros inspiradores, os jovens se tornarão fortes para dar sua contribuição para a melhora geral, sentindo-se úteis, escapando das garras da frustração com a vida tão comum na fase adolescente de transição para a fase adulta. A vida é regida pelas leis da Criação. Conhecendo-as e as respeitando, tudo dará certo.

O que temos de avanços no mundo de hoje é quase nada, comparado com o progresso real que a espécie humana deveria produzir no planeta se tivesse reconhecido e se orientado pelas leis naturais da Criação. Com a supercapacidade de raciocinar e decidir com o que foi dotada, a humanidade deveria ter ouvido a voz interior do espírito ou do coração, como muitos preferem. Esqueceu que pode decidir como quer viver, mas tem de arcar com as consequências, embelezando o mundo, construindo a paz, ou emporcalhando tudo, decaindo.

Falta trabalho num mundo com grande capacidade ociosa que quer colocar seus produtos, mas esquece que sem equilíbrio nada tem estabilidade. O consumo não se consolida apenas com crédito, requer que a população produza através do trabalho e obtenha renda compatível. Manter o dólar barato pode ser bom por um tempo para importar de tudo, mas como vão ficar as contas externas? De onde virão os dólares? Sem se preocupar com isso, o país depositou suas esperanças na exportação de primários e deixou a indústria estagnar.

A Argentina está enfrentando uma ameaça cambial. O desarranjo está nas contas públicas, internas e externas; na liberdade que os agentes têm de interferir na moeda, e na falta de mecanismos que possibilitem a volta à normalidade. Juros de 40% para um país é uma calamidade que não deve ser praticada nem em tempo de guerra. O desarranjo cambial acarreta um desgaste enorme. As consequências também refletem os efeitos da guerra comercial que no fundo se trata de luta pelo poder.

A pressa em elevar os juros básicos nos EUA talvez seja uma medida de precaução quanto à guerra comercial, promovendo a atração de dólares do mundo como alternativa para eventual retirada pela China. Há um desarranjo na estrutura monetária e cambial que provoca periódicas instabilidades que, no geral, nada ajudam a economia, mas se prestam ao ganho especulativo.

Qual é a doença da economia? A economia deveria funcionar equilibrando produção, comércio, trabalho e consumo. Falta a naturalidade para levar a economia a funcionar com estabilidade e não por impulsos instáveis. Há desemprego que reduz o consumo, mas faltam profissionais com bom preparo. O fundamental é que haja liberdade e responsabilidade. A partir do século 19, o aspecto financeiro foi se impondo, ditando as prioridades.

Seja no livre mercado ou no capitalismo de Estado é preciso sair do mundo da fantasia forjado com a possibilidade de emitir dinheiro do nada. No clássico conceito de economia o importante é o ordenamento dos recursos para o atendimento das necessidades dos seres humanos, os quais passarão a construir o futuro de forma natural e benéfica, com solidez e equidade, ensejando oportunidades para a evolução da humanidade e o fortalecimento da alma.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ECONOMIA GLOBAL DESEQUILIBRADA

Longe vai o tempo do papagaio Zé Carioca, animação criada por Walt Disney que disseminava a cultura da malandragem em tom de brincadeira e que foi se inserindo nas ações da vida real. Assim passaram-se décadas de mau caminho para o Rio de Janeiro. O processo para reverter essa situação é longo e penoso, mas tem de ser perseverado.

O grande atraso econômico do Brasil acentuou-se quando o dólar ficou barato para combater a inflação. Em vez de aumentar a produção, aumentamos as importações, fechando fábricas, perdendo espaço para pesquisa e desenvolvimento, ampliando a dependência das commodities, desequilibrando as relações comerciais. Que benefícios o país recebeu com a globalização? Como sair do marasmo e dar melhor preparo para as novas gerações? Estamos precisando de um balanço real das consequências da globalização para o mundo, e em especial para o Brasil, ao mesmo tempo em que devem ser feitos prognósticos do que vem por aí com a desglobalização.

Por que a humanidade chegou ao extremo de precisar ingressar em guerras comerciais para reequilibrar a economia? Esse é o grande desarranjo que tem provocado a transferência e concentração de dinheiro nas mãos de uns e dívidas para outros. O declínio e a miséria avançam em várias regiões do planeta, sem que as entidades criadas para manter a paz e o progresso consigam fazer alguma coisa. Os Estados Unidos conseguem fazer o dinheiro circular internamente gerando emprego e rendas, o que tem sido difícil para países dependentes de commodities e cuja indústria seja insípida.

No mundo de hoje, o populismo e a barbárie novamente caminham lado a lado. Os valores vão sendo perdidos sem que haja quem os defenda. Nada mais é sagrado e não há pudor em muitas ações humanas nocivas que estão sendo observadas praticamente sem causar choques. A arte também vai nessa toada, mostrando as mais embrutecidas ações. A conduta moral está sendo posta debaixo do tapete para não causar incômodos.

Tal qual falsos profetas, os políticos populistas estão surfando na insatisfação que se expande pelo mundo. Por que chegamos a essa situação tão desequilibrada sem futuro promissor? Em décadas passadas havia mais empregos e a possibilidade de melhoras. Hoje se percebe precarização e declínio moral. A Avenida Paulista, símbolo da cidade de São Paulo, tinha uma vibração contagiante; hoje há jovens desesperançados, sem propósitos, buscando um lenitivo para abafar o vazio interior.

Em excelente entrevista ao jornal Folha de São Paulo, a economista e reitora da Escola de Governo Blavatnik, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, Ngaire Woods, afirmou:”Os salários dos trabalhadores estão estagnados ou em declínio desde a última década, e cortes nos gastos governamentais reduzem a qualidade e a oferta em saúde, habitação e educação. Muitas pessoas sentem que seus trabalhos são ameaçados por trabalhadores com salários mais baixos em outros países ou por robôs. Nós precisamos de um novo modelo econômico que ofereça esperança às pessoas. Os políticos, em sua maioria, estão fracassando em dar respostas para esses desafios. Eles oferecem soluções graduais para pessoas que estão gritando por mudanças transformadoras. E é isso que os populistas estão prometendo”.

O ódio vai sendo semeado através da insatisfação e descontentamento espalhados pelo mudo com a divulgação de fatos e versões editadas, sem que seja apresentada nenhuma sugestão de saneamento. As massas vão sendo envenenadas sem conhecer as reais causas da miséria, mas com o ódio destrutivo aflorando na pele que poderá ser deflagrado a qualquer momento, sem que nada seja resolvido. A ansiedade vai crescendo até ao limite da exaustão.

Os jovens do século 21, ao se defrontarem com o mundo áspero, ditado pelo apego ao dinheiro, que vai nivelando tudo e todos por baixo, estão rompendo os padrões e passando a agir como melhor lhes aprouver. Contaminados pela inquietação de não conseguirem vislumbrar melhoras no atual cenário de imediatismo que destrói vidas em meio à miséria social e desespero, se deixam dominar pela indignação e vão tomando atitudes sem falar nada sobre o que estão fazendo e o que esperam. No entanto, eles têm de reconhecer que não somos robôs insensíveis, e que cada um é responsável por tudo o que faz.

Para melhorar o mundo, as pessoas precisam manifestar claramente e pôr em ação o que elas tiverem de melhor, o que deixam de fazer, em geral, por serem espiritualmente imaturas, sem uma forte vontade voltada para o bem.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

DEMOCRACIA ESGARÇADA

O século 21 tem se caracterizado pelo sobe-desce, a volatilidade e a tendência de precarização geral. Quem sabe ou pressente, obtém lucro nas Bolsas. No que tudo isso vai dar agora com os prenúncios de uma guerra comercial? Seria um plano de ajuste planetário em andamento? Se os EUA endurecerem, se a China fizer frente e retirar um montante significativo de dólares dos títulos americanos, como os EUA poderiam cobrir o rombo? O que a China faria com um montão de dólares nesta fase de muita liquidez e poucas oportunidades de investimentos fora da especulação? Quais seriam as consequências para a economia global?

A ausência de equilíbrio econômico e financeiro entre as nações sempre tende a provocar confrontações comerciais. Cada país precisa produzir matérias-primas, alimentos, industrializados, empregos, melhora das condições de vida; sem isso não há base nem para serviços. A continuada ampliação de itens importados leva ao declínio geral. Faltam diretrizes para inverter a situação e equilibrar as contas internas e externas.

A pendência não está apenas no déficit comercial. Mais do que uma simples guerra comercial, o mais preponderante parece ser o embate pela hegemonia tecnológica, fator importante que ainda falta para consolidação da posição dominante da China. Importações americanas de itens especiais serão taxadas com 25% de alíquota. Itens para o consumidor americano ficam preservados de reajuste de preços, mantendo a inflação baixa. Todavia, para os países atrasados, com tecnologia fraca e indústria defasada, os problemas continuam.

O Brasil se defronta com o atraso que se impôs na indústria, que hoje funciona mais na base de automação, tecnologia, economia de escala, juros e mão de obra de baixo custo. São fatores que travam as possibilidades de crescimento da economia, e difíceis de serem solucionados, mesmo se a taxa de juros Selic for reduzida, medida indispensável para conter o crescimento da dívida. Esse é o grande desafio para a reação do PIB que se ressente do crescimento de importações. Uma economia com força nas commodities tem de estar atenta para não regredir como vem ocorrendo no Brasil, onde as novas gerações, sem desafios, estão decaindo no apagão mental. A tecnologia é um processo contínuo de desenvolvimento; sem indústrias pujantes, esse processo fica naturalmente travado.

O presidente da China, Xi Jinping, está certo em defender os interesses dos 1,3 bilhões de chineses, assim como Trump desponta como defensor dos americanos. No entanto, somos todos habitantes da Terra, e nesta era industrial-financeira-digital o fortalecimento de uns tem se dado sempre com o enfraquecimento de outros, predominando as recomendações maquiavélicas de como exercer e conservar o domínio. Nesta época difícil, o dinheiro sempre fala mais alto do que o bom senso.

O mundo vive o desequilíbrio global na natureza, na economia e finanças, e na forma como os humanos encaram a vida; uma importante fase da evolução, mas que sem alvos enobrecedores do aprimoramento da espécie humana, passou a ser uma luta pela sobrevivência na disputa das riquezas. O descaso com a natureza permanece gerando consequências negativas, sempre prejudiciais aos seres humanos descuidados com o sentido da vida. Os abusos cometidos para satisfazer cobiçosos interesses particulares, em prejuízo do interesse geral das nações, esgarçaram a democracia e a economia. Foram muitos erros além das quadrilhas instaladas no poder.

Num mundo com mais de sete bilhões de pessoas, a condução da massa tem se caracterizado pela fragmentação que reduz a resistência das reivindicações. O Facebook trouxe para a população em geral uma possibilidade inovadora de comunicação, compartilhamento e aglutinação de mentes e desejos. Sem dúvida é esse o grande potencial das redes sociais, até então existente apenas através da força do fluxo dos pensamentos que agora podem ser articulados em posts, o que tem sido objeto de críticas e investigações.

O problema grave no Facebook é a rápida expansão de notícias falsas que podem ser geradas a partir da análise das informações pessoais dos usuários, de seus anseios e suas insatisfações que ficam à disposição das corporações e dos falsos profetas que, prometendo o que não podem cumprir, carregam os incautos para o abismo. Dá para sanar os inconvenientes e aproveitar a parte boa para o enobrecimento da humanidade e melhora geral?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE É O BRASIL? E O MUNDO?

Numa época em que novos armamentos estão sendo testados é bom refletir sobre a II Guerra Mundial que resultou da decadência da humanidade. Verdade que surgiram alguns avanços tecnológicos, mas uma humanidade evoluída teria reconhecido as leis naturais da Criação e aprendido a usar a energia atômica para fins pacíficos e benéficos, em vez de se dedicar intensamente para construir uma arma destrutiva de guerra. Como preparar as novas gerações para evoluir? Desde cedo as crianças devem ser orientadas para a importância do aprendizado, do trabalho e da busca do significado da vida. Quem somos nós? O que é o planeta onde vivemos? Como ele possibilita a vida? Tudo segue o ritmo das leis naturais da Criação.

É bom desbancar monopólios e ter produtos com preços acessíveis, mas há um grande enrosco no tocante à produção, empregos e renda. Se muitas indústrias se tornarem inviáveis, como vai ficar a economia de vários países como o Brasil? Ficará parecida com o Rio de Janeiro desestruturado, preso às drogas e corrupção?

Seria oportuno relembrar como vem ocorrendo o declínio do Brasil desde os anos 1980, com breve intervalo de folga, mas com terrível destruição geral em muitas décadas perdidas. Perdemos na educação, na saúde e a esperança na melhora. Como sair do insignificante crescimento de 1% e melhorar a produção e empregos? No Brasil despreparado faltam bons gestores. Como enfrentar a conjuntura internacional avassaladora na busca de ganhos, commodities e na distribuição de industrializados? É grande o risco do prosseguimento do desmanche.

O que é o Brasil hoje? Enquanto a China, onde não entra pornografia nem outras drogas, preparava as novas gerações, o Brasil decaía no nível escolar e permitia livremente o uso de bebidas e drogas. Com isso, a moçada foi se prejudicando. A classe política e gestores sempre ficam olhando para a próxima eleição e nada fizeram. O Brasil é hoje um retardatário na indústria e em tudo o mais, ficando espremido entre os que queriam tirar vantagens financeiras e os radicais empenhados em dominar o Estado de forma despótica. Muita gente contribuiu para a precariedade atual. Faltou patriotismo.

A atual situação da humanidade se afigura como a porta para a precarização e declínio generalizado da civilização. Como disse o ministro Jungmann: “Na outra ponta, nós temos aqueles a quem nada falta, aqueles que têm recursos, aqueles que, muitas vezes chamamos de classe média, mas que pela frouxidão dos costumes, pela ausência de valores, pela ausência de capacidade de entender os limites entre o que é lícito e ilícito, passam a consumir as drogas”.

Quais os objetivos do capitalismo democrático? E do capitalismo de Estado conduzido sob o ponto de vista dos comunistas? A humanidade tem dedicado tempo mínimo para a compreensão do significado da vida. Em vez de se dedicar ao auto aprimoramento, adestrou-se no manejo das finanças para ampliação e conservação do poder. Com tal meta, o que se poderia esperar? Desequilíbrio geral é o resultado. A marcha para a insensatez se mostra mais nitidamente a cada dia que passa. Correntes religiosas, liberais democratas e autocratas, vão seguindo na mesma direção perigosa.

A história poderá desvendar os enigmas do atual cenário econômico-financeiro global. Com a avantajada população mundial e recursos limitados, não vai dar para todos terem brioches. Com a rápida integração asiática de mais de duzentos milhões de braços na força de trabalho, em condições de custos mais favoráveis, teve início um processo de desarrumação do comércio internacional que, levado pelo imediatismo, já tinha os seus vícios, e poderemos estar adentrando em nova fase de guerra comercial. Essa é uma questão fundamental que requer a atenção dos organismos internacionais, pois a situação atual aponta para a escalada da precarização e declínio da civilização humana pela redução do equilíbrio entre os países e suas contas.

Gradativamente o Ocidente se foi afastando do saber das imutáveis leis da Criação, a Vontade de Deus, o grande regulamento da vida que conduz para o bem. A China do sábio LaoTsé, também. Agora vivemos a era da colheita, os frutos revelarão as verdadeiras intenções dos seres humanos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A GLOBALIZAÇÃO E OS PAÍSES

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Os homens se apegam ao poder desde longa data. A nobreza tinha os direitos sobre a terra. Com a ascensão do dinheiro e crédito, o capitalismo alcançou o comando. Comunistas e socialistas, ambos intervencionistas, também foram atrás do poder com a bandeira de defender os desprotegidos. A globalização tem seu valor e suas contribuições, mas jamais poderia se sobrepor aos legítimos interesses dos países cujos governantes têm o dever de zelar pela continuada melhora das condições gerais de vida, da qualidade humana e da preservação da sustentabilidade.

Em reunião do Fórum de Cooperação Econômica, realizada no Vietnã, o presidente Donald Trump prometeu que defenderia os interesses econômicos dos americanos em relação à exploração estrangeira e não deixaria mais que “se tirasse vantagem” dos EUA. “Sempre vou colocar os EUA em primeiro lugar, da mesma maneira que espero que todos vocês aqui nesta sala coloquem seus países em primeiro lugar”, ele disse. Em contraste, o líder chinês Xi Jinping foi eloquente ao defender a globalização.

Após a crise de 2008, ocorreu uma severa restrição ao crédito. Não é fácil entender toda a complexidade da finança global. O Bank for International Settlements (BIS) alerta para o risco representado pelo volume dos swaps cambiais pendentes cujo valor ultrapassa a casa dos 58 trilhões de dólares, quase o PIB mundial. Com aumento do risco e queda no rendimento de intermediação, o crédito se restringiu, declinando os investimentos e o consumo. O que poderia acontecer no mundo se os juros americanos fossem elevados para 4%?

Quem está interessado em avaliar os riscos e agir com prudência para evitar o soçobro econômico-financeiro? Cada um acha que o pato será o outro que vai ficar com o mico, ou seja, o papel desvalorizado que ninguém quer. Mas quem arca com o peso do mico é a sociedade que tem de suportar o custo da derrocada para evitar ou retardar a queda no abismo do desastre criado pela especulação desenfreada no mercado financeiro.

Após o fracasso do comunismo, o capitalismo de livre mercado e a tecnologia tiveram grande expansão, enquanto ocorria significativa perda de eficiência pelos Estados e seus gestores. A economia ocidental tem sido veemente na defesa da concorrência como fator de incremento da produtividade, mas nesse meio chegou o Capitalismo de Estado gerido com unidade de comando alterando profundamente a economia e a produção industrial introduzindo novas regras, redução nos custos e aumento da produtividade. Um misto de intervenção do Estado e ação empresarial visando lucro e acúmulo de reservas através da produção para exportação.

O grande desastre no desenvolvimento dos povos tem sido a cobiça pelo poder, ganância especulativa, falta de seriedade e empenho da governança em fortalecer a população que se tornou facilmente presa de interesses alienígenas corruptores, dando origem à desagregação ética e moral de alto a baixo. Uma governança consciente sempre adota políticas adequadas ao desenvolvimento segundo as características do país não se curvando a interesses espúrios. O Brasil colhe o fruto dessa insensatez sem atentar para a raiz do mal que leva à estagnação e atraso de difícil recuperação, pois falta preparo geral. O indispensável é que sejam asseguradas a liberdade individual, responsabilidade e direito à propriedade

O mundo caminha para os limites críticos nos recursos naturais e na vida psíquica. Na fase atual de transformações é fundamental que a educação das novas gerações se debruce sobre a natureza, seu funcionamento, sua coerência e leis inflexíveis para delas tirar o melhor proveito, inclusive para desenvolver o raciocínio lúcido e lógico. Além da grave poluição do ar, há o descaso com a poluição dos mares e rios e a falta de tratamento do esgoto. A natureza é a grande riqueza. Sem água pura e cristalina e sem ar limpo, a vida perde a sustentabilidade. Sem cobertura florestal, os mananciais se desfazem e o solo se erode. Se faltar água potável a vida perderá a sustentação, essa a grande verdade inconveniente para a qual a humanidade fechou os olhos. Os seres humanos têm de se preparar e se movimentar para formar as bases de uma vida decente visando à melhora das condições gerais, a evolução natural e o progresso da humanidade em paz.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7