Posts

FALSOS AMIGOS

A diplomacia internacional faz lembrar antigos filmes de faroeste, em que o banqueiro emprestava dinheiro para o fazendeiro, mas próximo ao vencimento, bandoleiros parceiros do banqueiro roubavam a produção da fazenda e o proprietário ficava impossibilitado de efetuar o pagamento; ao tentar negociar, recebia um pequeno prazo e ao final tinha de entregar a propriedade. Na moderna diplomacia, os países emprestam, investem, se fazem de amigos, mas, se puderem, lá estarão farejando sangue. Se o país devedor tiver recursos naturais valiosos, então não se incomodará se o caos se instalar, incentivando a divisão política, pois em conluio com as oposições buscará o resgate em espécie.

Por isso não é de seu interesse que o país se torne forte com população bem preparada. Pobre Brasil, com essas estrelas vaidosas e loucas por poder, está afundando, fazendo o jogo dos inimigos que só têm interesse pelas riquezas naturais do país. As pessoas faziam uso do bom senso, como na fábula dos pequenos porcos-espinhos, que nas noites de muito frio ficavam juntinhos para se aquecerem tomando todo o cuidado para não se espetarem mutuamente.

No Brasil, tudo se torna mais difícil pela falta de união pelo bem geral. Os partidos e seus representantes se aglutinam por interesses; em primeira linha está a conquista do poder. Se o que é bom para o país não é bom para a eleição dos pretendentes, o país e sua população ficam em segundo plano. E seja em que país, for se digladiam pela conquista do poder e controle das riquezas.

O dinheiro público do Brasil tem sido gerido com displicência há décadas, gerando a pior situação da história, exigindo sacrifícios enormes de todos, embora a classe política não mostre interesse em abandonar os seus privilégios. Com a invasão do coronavírus, surgiram novas dificuldades que põem em risco a autonomia do país. Daí as grandes preocupações com a paralisação das atividades em geral, atingindo fortemente o desemprego.

Em algum momento as pessoas precisarão voltar ao trabalho para garantir a subsistência. O tema começa a ganhar espaço em todo o mundo mesmo sem o vírus da covid-19 estar neutralizado, pois isso talvez demore. Então, trata-se de planejar e executar o retorno à atividade essencial tomando as providências necessárias, ou possíveis, para reduzir a transmissão do vírus através do convívio profissional.

A atual crise global mostra o resultado de anos de descaso com o futuro que já se apresenta sombrio com a escassez de recursos naturais e aumento da miséria. As empresas têm de se tornar mais responsáveis pelo progresso da humanidade, reduzindo as interferências dos governantes na economia, mas há um processo inverso que visa a centralização crescente do poder. Ao permitir ao Capitalismo de Estado as mesmas possibilidades comerciais, a OMC contribuiu para o fechamento das portas de muitas indústrias na área do livre mercado.

No Brasil, além de pouca ética, há um grande atraso na educação e preparo das novas gerações. Durante o período escolar os estudantes têm de ser orientados a se esforçarem para ler e compreender os textos e, com isso, aprenderem a pensar com clareza, o que resulta do aprendizado do significado das palavras e sua correta utilização.

Um cenário caótico se acha em desenvolvimento. As novas gerações precisam ser preparadas para forjar um futuro melhor. É preciso impedir a decadência. Precisamos de governança incorruptível que busque o progresso de forma continuada. A segurança do país está na saúde, na capacidade de produzir alimentos, nos minerais, na reserva internacional. Tudo isso tem de ser bem administrado, ou daremos ganhos para aqueles que só cobiçam as riquezas.

Enfim, tudo que a humanidade faz ficou impregnado da ânsia pelo dinheiro, retirando a naturalidade e o sentido de suas atividades. Em vez de atuar naturalmente para atender às próprias necessidades de forma condigna, as pessoas estão se tornando meros fatores de atividades econômicas para o acúmulo de dinheiro e poder nas mãos da classe que se comporta como se fosse dona do planeta, deixando de lado a amplitude da vida e da Criação. Sem conhecer o significado da vida, a humanidade acabou se distanciado da sua finalidade, deixando de beneficiar tudo através de alegres atividades e de evoluir em paz.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O DESTINO DOS POVOS

Nos anos 1970, Brasil, China e Coreia do Sul estavam emparelhados. De fabricante, o Brasil passou a importador de tudo. Perdemos terreno nos empregos, na tecnologia, na educação. Mas o momento mundial é muito difícil e o país tem de ficar vigilante, pois há muitas armadilhas nos déficits, no câmbio, na falsa diplomacia, e por isso temos que depender o mínimo possível das forças globais.

O filme “Indústria americana” (Netflix) mostra na ficção o que poderia estar ocorrendo na realidade numa indústria chinesa montada nos Estados Unidos. Nela ficam evidentes as grandes diferenças na política, economia, trabalho e crenças, entre o capitalismo de livre mercado e o capitalismo de Estado. A globalização está misturando água com azeite, o que está gerando desemprego e dificuldades. Então, o que vai ocorrer? A água vai virar azeite ou o contrário e tudo será um sistema só gerido de cima para baixo com mão forte sem liberdade e sem alvos transcendentais?

Cada povo deveria ter a oportunidade de construir seu futuro de tal forma que as condições de vida fossem recebendo melhoras, o que pressupõe uma população lúcida, empresariado e estadistas sérios e competentes, que visam progredir em paz e com sustentabilidade.

Em tempo de crise, o carnaval de rua abre oportunidades para jovens e adultos se divertirem sem gastar muito. As ruas são fechadas, os trios elétricos de alta potência criam o clima. É o grande entorpecente oferecido ao povo. Como diz a canção: “Tá todo mundo de ressaca. Ninguém aguenta mais. Eu vou mandar parar. Vai todo mundo pra casa curar” – a si mesmo e ao Brasil abusado de múltiplas formas, internamente e externamente.

Outra questão são os enigmas do dólar. Transformado em mercadoria, o dólar também fica sujeito à lei da oferta e procura, mas o dinheiro não é mercadoria comum, pois é influenciado pela taxa de juros. Juros altos atraem dólares e a sua entrada baixa o preço. Com juros baixos, reduz-se o interesse, os dólares se afastam e seu preço sobe. Além disso, o momento é instável com a guerra comercial entre EUA e China, as disputas geopolíticas e o globalismo.

Preocupações com o impacto do coronavírus na economia também são citadas como fator de instabilidade pressionando a cotação da moeda. Desde 1994, os governantes vêm combatendo a inflação com juros altos e dólar barato, favorecendo importações, prejudicando a produção. Além dos juros altos, praticaram o swap cambial para segurar o dólar, o que propiciou bons ganhos no mercado.

Em diversas épocas, sábios e profetas, especialmente enviados, trouxeram mensagens de humanização e elevação. O ensinamento básico do Mestre Jesus: “Ama a teu próximo como a ti mesmo”, ampliado por Abdruschin: “Não causeis mais nenhum sofrimento ao próximo, a fim de satisfazer com isso uma cobiça própria”, não tem sido seguido. Então, o crescimento do caos e da miséria pelo mundo surge como consequência lógica.
Não importa o nome, mas as mudanças climáticas estão ocorrendo, afetando a vida com frio intenso, calor excessivo, chuvas e tormentas, causando efeitos no solo e na água potável. Tudo isso tem de ser considerado. Como trabalhar a céu aberto em pleno meio-dia com temperatura de mais de quarenta graus? Não podemos esquecer da natureza no preparo das novas gerações. A natureza sempre doadora contém tudo que sustenta a vida; nela se encontram biologia, química, geometria e tudo o mais obedecendo leis lógicas que impulsionam o desenvolvimento. Compreender a natureza humaniza o ser humano.

Em meio a vendáveis tormentosos e transformações aceleradas, o velho modo de viver vai mostrando vestígios de esgotamento e, no desenvolvimento progressivo, terá de ceder o lugar para o novo que despertará as individualidades dos povos e a universalidade estará no reconhecimento e respeito às leis da Criação. Somos todos seres humanos convivendo na Terra para alcançar evolução.

Em meio ao atordoamento malsão este momento é para parar e refletir. Esta é a hora da humanidade se esforçar para interpretar corretamente a Criação e suas leis e se ocupar sinceramente em pesquisar qual é a finalidade da nossa vida na Terra. Reconhecer e respeitar as leis da Criação representa tudo porque o ser humano estará atuando com sua plenitude de corpo, alma e espírito.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

UMA NOVA SINTONIZAÇÃO

Um fim de ano aquecido nas Bolsas. No que diz respeito aos juros, provavelmente permanecerão estáveis para países altamente endividados e tentando conter a dívida, caso do Brasil. A prática de juros altos criou todo o artificialismo, sugou as energias e o país cambaleia; uma volta ao realismo, até quando? Mas o que acontecerá se no futuro os juros voltarem a subir? O rigor fiscal é importante, mas os sacrifícios estão nas costas dos mais fracos. A renda fica estagnada, mas os preços sobem. Estariam os especuladores preparando novo ciclo de valorização do real para lucros gordos?

Mais de sete bilhões de seres humanos estão sintonizados de forma errada perante as leis da natureza ou da Criação. Aumenta a turbulência porque as consequências estão pipocando por todos os lados, na vida individual, nas famílias, nas empresas e nos países, agravando a situação geral. Não faz muito tempo, os avós ensinavam que por pouco que seja é preciso poupar, não gastar tudo, ter uma reserva para emergência, ser independente. Hoje, poucos sabem de onde vieram e por que vivem. Infelizmente essa é a triste realidade que se apresenta em muitos países.

A ficção dá uma ideia do que vem ocorrendo atualmente, como no filme “As golpistas” que conta a história de um grupo de dançarinas de strip-tease que se unem para aplicar golpes em seus clientes – executivos de Wall Street. Para Destiny (Constance Wu) e sua “mentora” pessoal e profissional Ramona (Jennifer Lopez), “o mundo é uma boate de strip-tease”, e na realidade é isso mesmo que está acontecendo, acabando com o pouco de dignidade humana. As mulheres tiram a roupa e mostram seu corpo, os homens se embrutecem e, na vida real, tiram a máscara e mostram a sua hipocrisia e vileza para satisfazer à própria cobiça. Uma meleca que muitos não conseguiram ver por inteiro, retirando-se da sala, desapontados.

Estamos enfrentando um declínio civilizatório que avança pelo mundo e traz a marca da crise econômica com seus efeitos que a tudo atinge, nitidamente visível no Brasil devido à falta de adequado preparo para a vida, que se agrava com a falta de responsabilidade de homens e mulheres na geração e preparo dos filhos. A decadência está penetrando também pelo uso de baixarias na arte, drogas, intelectuais que insistem em justificar a destruição, artistas que defendem uma vida desregrada e promíscua desvalorizando a mulher, a mãe, e que zombam da beleza genuína.

Por que a humanidade entrou em processo de decadência e incivilidade? A essência espiritual dos seres humanos é a mesma, seja rico ou pobre, mas é indispensável cuidar bem do corpo – este grande presente -, se alimentar, se aprimorar, gerar filhos com responsabilidade e dar orientação a eles, buscar o sentido da vida.Tudo fica difícil, agravado com a falta de bom preparo das novas gerações desde os adventos da televisão de baixo nível e outros inventos, e o abandono da leitura de bons livros. Há muito superficialismo e pouco aprofundamento nas questões fundamentais da vida individual e da sociedade. Há grande empenho em manter tudo como está para assegurar os privilégios dos que se alojaram no topo.

Durante décadas, no pós-guerra, surgiu a sensação de esperança num mundo melhor, mas na luta por ganhos e conquistas as novas gerações passaram a ter sensação oposta, ou seja, de que a situação tende a piorar devido à cobiça desmedida. Na pressão aumentada na luta pela sobrevivência, a polidez e a consideração vão sendo postas de lado o que poderá levar a atitudes pouco civilizadas. Quanto mais aumenta a pressão, maior é a tendência da ação impulsiva de pessoas que não querem ouvir o sentimento intuitivo.

Estamos atravessando um desequilíbrio econômico mundial com aumento no desemprego e queda na renda. Há desordem nas contas públicas e dívidas elevadas. A economia está perdendo a vitalidade. Os bancos centrais imprimem mais dinheiro e baixam os juros. Em 2020 haverá eleições, fase em que se amenizam as disputas. No Brasil, após a eleição de 2014, apareceu o buraco que estamos amargando até hoje. O que se passará no mundo após a eleição americana de 2020? É preciso uma nova sintonização, o fortalecimento da vontade de melhorar as condições gerais de vida e de aprimorar a espécie humana.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora).  E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A GRANDE PRIORIDADE

A busca continuada de melhores condições gerais de vida já foi a grande prioridade, mas ficou meio esquecida. Tanto os indivíduos como os países acabaram colocando o dinheiro acima de tudo. Os países foram em busca da moeda global, passando a produzir para exportar. Quem não conseguia, tomava financiamento externo. O que aconteceria se os países se voltassem para atender primeiro à população interna, deixando excedentes para exportar?

O ser humano, dominado pela vontade mental, com seu raciocínio limitado ao tempo-espaço, dá ênfase à necessidade de continuada adaptação à realidade que surge como consequência de seus atos. É preciso deixar a vontade espiritual, a intuição, se manifestar e cada indivíduo se ocupar seriamente com o significado da própria existência: por que nascemos neste planeta, qual é a finalidade da vida?

O Brasil e o mundo se defrontam com crises fundamentais. Não bastam paliativos no combate à desigualdade e miséria; faltam projetos de humanização da vida. As novas gerações têm de receber bom preparo. O homem nasce pedra bruta com essência preciosa que precisa ser despertada e polida para brilhar, o que se alcança com o fortalecimento da espiritualidade. Mais do que nunca, os estímulos se dirigem para as baixarias e imoralidades. Falta gratidão pelo dom da vida, prolifera o descontentamento em vez da espontânea alegria de viver.

Apesar de todo avanço da tecnologia, o bom preparo das novas gerações ainda está descuidado. As crianças devem, desde cedo, entender que sem educação não conseguirão progredir na direção de seres humanos de valor, espiritualmente fortes e responsáveis, benéficos a si mesmos e ao planeta. A geração que agora galga a adolescência, e a anterior, não se sentem motivadas para estudar, avançar e progredir; ao contrário, se entregam ao prazer imediato e à revolta, pois não vêem perspectivas. Uma boa saída seria a adoção de programas de participação nos resultados sem integrar o salário. Os salários tendem para o mínimo nesta fase de globalização na qual se buscam trabalhadores de menores custos. Os encargos sociais pesam e vão parar nas mãos de maus gestores.

A falta de preparo para a vida é cada vez maior, o que favorece o desperdício de mais uma geração e isso já está acarretando a fragilização e estagnação do Brasil. Facilmente as pessoas encontram justificativa para explicar a miséria e a precarização. Capitalismo, comunismo, neoliberalismo, são rótulos, pois por trás está o ser humano e sua despreocupação em causar danos ao próximo para satisfazer a própria cobiça. A riqueza vem dos recursos naturais valiosos e escassos, mas que ficam nas mãos de poucos.

Adentramos numa temporada de juros baixos. Qual é o significado? Um fôlego para a dívida elevada? Enfraquecer o dólar? Se isso tivesse sido praticado com antecedência, outro seria o status da atividade econômica. Banqueiros e gestores públicos imaginavam que, em não havendo dono para o dinheiro público, poderiam fazer o que bem entendessem com ele. Funcionou por décadas, mas com as transformações decorrentes da globalização, caíram a produção, os empregos, a renda e a arrecadação, e dessa forma o risco de insolvência se tornou real. Mas com a globalização o remanejamento da situação ficou difícil. A queda nos juros dá um fôlego, mas a conta bate mais forte sobre os mais fracos.

Falha do Estado, falha dos governantes e da classe política? Já nos anos 1500 o europeu pensava em tirar o máximo de vantagem. Com isso, não se formou uma consciência nacional firme; mesmo no movimento de independência do Brasil havia os que eram contra. Permanecemos deficientes na saúde, educação e na formação do país. O Estado ficou na mão de um punhado de interesseiros que derrubaram D. Pedro II quando esse deu um basta ao trabalho escravo, mas o que se seguiu foi um completo abandono da população e continuada exploração das riquezas do país para o benefício de poucos.

Os jovens precisam conhecer a trajetória espiritual da humanidade para saber o estágio em que nos encontramos, pois a prioridade básica para fortalecer as novas gerações e o país está no bom preparo para a vida. Uma nova ética deverá ser alcançada com o reconhecimento das responsabilidades individuais de não causar danos a outros para satisfazer a própria cobiça.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A RESPONSABILIDADE DE MÃES E PAIS

Há a percepção de que há algo errado na vida, mas não se conhece a causa, então aumentam o descontentamento, insatisfação, revolta e o estresse. O celular e suas conexões são a válvula de escape, mas que na verdade consomem a pouca energia existente. Faltam propósitos e força de vontade; o tempo vai escapando e as dificuldades aumentam. Característica marcante desta era é a baixa resiliência das novas gerações. Aliam-se a isso a enxurrada de negativismo que leva as pessoas a se preocuparem só com as dificuldades diárias, sem esforço para entender o significado da vida.

As novas gerações deveriam receber, como motivação básica, a necessidade de se esforçarem para construir um mundo melhor, com ética e responsabilidade. Seria isso demais? Mas os adultos têm coisas “ditas” mais importantes para se ocupar do que se relacionar com o próximo de forma construtiva e equilibrada e dar bons exemplos. Talvez temam que os jovens adquiram clareza e, descobrindo o sentido da vida, percebam as incoerências do sistema, passando a reivindicar mudanças que poderiam ferir privilégios consolidados há séculos.

Uma criança que foi protegida e teve, habitualmente, tudo o que quis, vai desenvolver em sua mente a presunção de sua importância sobre os demais. Assim, irá ignorar os esforços dos seus pais e presumirá que todos devem lhe dar ouvidos; e se vier a assumir cargo de comando, não terá empatia para com os subalternos e sempre encontrará culpados pelos insucessos sem se autoexaminar. Esse tipo de pessoa, que pode ter boa formação acadêmica, não consegue vivenciar os problemas reais e raramente sentirá contentamento, pois sempre tentará sugar as ideias dos outros, cobiçando tudo, e dessa forma será péssimo exemplo para os filhos.

Em Calcutá, na Índia, uma jovem de 21 anos homenageou seu pai levando-o por toda a cidade sentado no “rickshaw” – um transporte comum naquele país até hoje. O pai dela é condutor desse tipo de veículo, chegando a puxar duas ou três pessoas, no sol e na chuva, dia e noite para sustentar a família composta de esposa e três filhas que moram na favela. Essa menina estudou com ajuda de lamparinas e em escola e faculdade mantidas respectivamente pela prefeitura e pelo governo. Ela completou o segundo grau e a faculdade com notas mais altas e agora alcançou o primeiro lugar na prova mais cobiçada e difícil na Índia! Sonho de milhares e milhares, pois somente uma em cada 200 mil pessoas consegue entrar na lista de aprovadas para os Indian Administrative Services que treinam os administradores de todos os setores do governo. Essa menina tinha fé e estudou sozinha num quarto onde moram cinco pessoas, sem energia elétrica e sem recursos. Uma lição de humildade, trabalho, dedicação e determinação para todos nós!

As dificuldades aumentam, mas poucos se aventuram em buscar as causas. A vida não é só uma corrida atrás de dinheiro e comida. As novas gerações não veem mais pessoas procurando o sentido da vida e então nem pensam nisso. Vão adentrando na vida mecânica e em ansiedade e depressões quanto ao futuro, exaurindo-se no presente. O futuro da humanidade depende do bom preparo das novas gerações que começa desde quando são gerados por seus pais para se tornarem seres humanos de qualidade, benéficos ao planeta. No Brasil, faltam creches com cuidadoras bem preparadas e dedicadas, e escolas que ensinem as crianças a ler e escrever corretamente e a fazer contas elementares.

Sem saber ler direito, a pessoa é nada. Mas não podemos esquecer a responsabilidade dos pais e mães. No mundo, tudo se tornou uma questão de dinheiro e o desenvolvimento e aprimoramento da humanidade se tornou secundário. É preciso vontade forte para fortalecer o humano, o espírito. Pais e mães não estão conseguindo transmitir os valores da vida e de bom senso às novas gerações. Tudo está submetido a um sistema de comunicação de modelagem adequada para alcançar os fins definidos por uma elite materialista. Mas o ser humano é mais do que comida, dinheiro e prazeres. A vida não é só isso; o tempo é precioso e deve ser aproveitado para a evolução pessoal e espiritual.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PREPARAR AS NOVAS GERAÇÕES PARA A VIDA

A cada dia que passa os problemas vão se avolumando. As novas gerações têm de ser preparadas para auxiliar na superação. O que estamos lhes oferecendo? O padrão de ensino tem sido o de manter as pessoas acomodadas sem desenvolver o espírito inquiridor para conhecer a vida como ela é e para entender seu significado. Assim, um povo com tendência à indolência acaba se acomodando de vez sem se esforçar para ter clareza e raciocinar com lucidez para tomar boas decisões na vida.

Temos de formar seres humanos de fato para que a sociedade humana possa evoluir continuadamente; para isso os jovens necessitam da aprendizagem social e emocional como dizem Daniel Goleman e Peter Senge, autores do livro O Foco Triplo. Aqui estamos para alcançar evolução, assim sendo os relacionamentos devem ser harmoniosos. Faltam a autoconsciência, a empatia e a clareza do próprio querer e no raciocinar para tomar decisões acertadas. Isso tudo é muito importante, mas o querer egoístico e a vaidade têm feito tudo desmoronar.

A força vem da alma. Quando estamos em sintonia com o querer interior temos a motivação vinda do âmago; é a força de vontade. Sem ouvir o querer interior, ou seja, a intuição, o querer não tem a força motivadora vinda de dentro. Nesse caso é o espírito que tem de ser forte para alcançar o que quer: ir em busca de seu objetivo, afastar os pensamentos inúteis. Faltam amor e consideração e estímulos para as pessoas agirem com toda a sua capacidade e com atenção ao que fazem. Há muito ódio e insatisfação com a própria vida espalhados pelo mundo sob diversas formas. Programas para cultivar o amor e a consideração deverão ser o meio para humanizar o ensino.

A situação é dramática, mais ainda quando se percebe que além da pobreza falta o bom preparo para a vida em grande parte da população o que agrava ainda mais as precárias condições de vida. E ainda mais, faltam modelos inspiradores para os jovens e pessoas em geral. Com toda riqueza natural o país é pobre, com rios poluídos, barragens detonadas e cidades ao abandono. Pequena parte da riqueza fica nas mãos de poucos que não se preocupam com o país; o restante vai embora e a precarização avança.

Os seres humanos têm a mesma origem espiritual e é o desenvolvimento espiritual que assinala o grau de evolução que deveria estar em nível bem elevado para todos, mas ocorreu a inesperada estagnação. Compreender o eu interior implica em ativar a intuição para que o eu possa se manifestar por meio dela.

Enquanto havia grande facilidade em obter ganhos tudo caminhava, mas agora não dá para continuar com o sistema da velha economia. Com estoques volumosos e capacidade ociosa surgem as instabilidades no comércio, nas finanças, no nível de empregos, mas qual é a origem desse estado de instabilidade geral? Importa hoje, diante de tantos fracassos e misérias, saber o que está se armando no mundo?

Em geral as coisas funcionam como se fosse um sistema bem ordenado, um conjunto de fatores bem encadeados. Compreender a lógica dos sistemas incentiva o trabalho da intuição que vai adquirindo uma visão mais ampla do todo. Mas hoje vivemos a fase da fragmentação geral. Temos de compreender o funcionamento do conjunto de órgãos na caixa craniana. Cérebro frontal, lobos frontais, cérebro emocional, cérebro posterior chamado cerebelo, estagnado em seu desenvolvimento em comparação com o cérebro frontal.

O planeta está sendo sacudido pelos fenômenos naturais, mas os seres humanos pouco se ocuparam em entender a natureza, promovendo a sua degradação em decorrência de seu desrespeito às leis naturais. O homem quer impor a sua vontade sem observar como a natureza funciona e vai colhendo dificuldades em vez de o melhor que a natureza respeitada pode oferecer.

No mundo materialista, a humanidade tem sido mantida distante da verdade espiritual da vida que se inscreve nas leis da natureza. Tudo tem um sentido e um propósito, mas poucos querem enxergar e compreender. Quem procurar seriamente vai achar. Conhecereis a Luz da Verdade e ela vos libertará, mas há que haver esforço e análises irrestritas. O tempo da indolência espiritual e da crença cega está findando.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE ESTÁ SE PASSANDO?

Vivemos a era da incerteza porque há falta de boa vontade. Com boa vontade tudo se resolve. Temos de definir propósitos e olhar atentamente para onde pisamos. Que mal há no nacionalismo quando entendido como a salvaguarda dos interesses e exaltação dos valores nacionais, o resguardo das próprias fronteiras contra interesses estranhos? É o sentimento de pertencer a um grupo por vínculos raciais, linguísticos e históricos que reivindica o direito de formar uma nação autônoma. Qual é o problema?

Os governantes têm de se voltar para o interior de suas fronteiras, pois é lá que está a gente que habita o país. Se deixar para que a globalização decida, essa gente não passará de meros números que vão sendo agrupados e uniformizados, permitindo que tudo o que o país representa vá desaparecendo, cedendo lugar a uma padronização que vai “emburrecendo” os cidadãos que vão perdendo a esperança e a iniciativa; seria como construir um país de robôs.

A qualidade de vida depende da boa formação das novas gerações no padrão adaptado à geografia local. De que vale um celular de última geração se não há renda para adquiri-lo? Isso é o que diferencia um povo livre de um povo escravo.

Há vários livros que abordam a flagrante tragédia do aumento da miséria no Planeta Terra. O grande perigo é que eles mostram os efeitos, mas não a causa da decadência da humanidade que quis criar leis próprias sem observar as leis da Criação. Quando os seres humanos buscarem o conhecimento dessas leis e as respeitarem, o viver tenderá ao paradisíaco, sem as ideologias de medo e ódio que encobrem cobiças.

A escola tem por obrigação primeira alfabetizar, complementar o aprendizado para falar, ler e escrever de forma lúcida. Mostrar as belezas da natureza e sua lógica. Importante o ensino da história real da humanidade e sua trajetória ao longo dos milênios. Mas foram introduzidas tantas mentiras, tantos falsos idealismos distantes da Verdade e da finalidade da vida que a escola não tem formado os legítimos seres humanos, cidadãos do bem, zeladores da ética e da moral. Essa é a escola verdadeira que requer leis que a garantam para que a humanidade tenha futuro humano.

Se recebemos as florestas, também somos responsáveis pelo seu manuseio e conservação. Temos de inibir a ignorância, saber usar, progredir e expulsar estrangeiros que só provocam destruição para assegurar os seus ganhos. O Brasil tem de estar preparado. Necessitamos de faculdades que formem cidadãos aptos a aproveitar os recursos das florestas sem agredi-las.

Necessitamos formar gerações aptas a desenvolver o seu potencial criativo. Que tenham capacitação para uma convivência pacífica e qualidades para enfrentar os grandes desafios da vida, sem transformar o planeta num deserto inóspito e desumano. Basta de governos sem cautela, que deixam a dívida capitalizar mais de um trilhão em juros e perdas em cinco anos, mas que depois levam o mercado a agir com reservas. Não há milagres, o buraco é grande, a sangria foi desatada. O que os especialistas recomendariam para redespertar a economia brasileira dopada com câmbio valorizado, juros elevados e descaso com a educação para o século 21?

Há uma nova esperança no ar, mas expectativas podem se esvaziar, pois há muita má vontade e orgulho ferido. Vamos esperar que as mamatas acabem; o fato é que o Brasil tem sido governado por incompetentes oportunistas que nunca pensaram no bem real do país e sua população. Décadas de estragos e mentiras não se consertam em um dia. A equipe de governo tem de estar afinada na conquista da melhora geral, sem personalismos.

Temos de estar atentos à forma como estamos erigindo a nossa forma de viver. Plano de Fuga, filme de Mel Gibson, com boa trama e ação, retrata que o que era ficção, hoje se tornou a realidade cruel. Até onde os humanos podem chegar com a sua decadência? A região mostrada no filme pode ser no México, no Rio de Janeiro, ou em tantas outras localidades onde o humano cedeu lugar à barbárie própria de indivíduos cujo corpo está agindo com o cérebro e as vísceras, separado da alma. Só com muita energia e coragem a ordem e segurança poderão ser restabelecidas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ESCOLHA O AVIÃO CERTO

Os eleitores do Brasil estão no aeroporto para escolher o avião. Depois de embarcados só poderão desembarcar no destino escolhido. Tem um avião que vai para o país da utopia, onde os fins justificam os meios, usados pela tripulação para chegar onde quer, onde possa mandar e desmandar ao seu bel prazer para pôr em prática um plano de massificação geral da população, mesmo que para isso tenha que semear o caos e o apagão mental. O outro avião vai enfrentar turbulências até achar a serenidade do céu azul, terá de traçar uma rota que escape da tormenta que se avizinha, protegendo a liberdade, a individualidade, o fortalecimento da família para que surjam gerações fortes aptas e dispostas a construir um mundo melhor. Logo será dada a última chamada; prepare-se para embarcar no avião certo.

O cenário mundial tem como pano de fundo dinheiro e poder. Há duzentos anos a Inglaterra formou o centro das finanças com a criação da libra esterlina, palavra derivada da medida de peso. O marco alemão não conseguiu se manter. Ao término da Segunda Guerra Mundial, o dólar se impôs, carreando o poder para os seus detentores. Há trilhões de dólares nos paraísos fiscais. O iene do Japão teve destaque. O euro tenta se impor, mas enfrenta dificuldades na aglutinação dos estados da Europa. O dólar tem navegado com firmeza. A China está despontando como potência econômica, para isso tratou de acumular reservas em dólares como nenhum outro país o fez, mas agora pretende dar força internacional à sua própria moeda, o yuan.

Países periféricos como o Brasil ficam à margem, sempre dependentes do fluxo da moeda padrão nas transações mundiais, e por isso sempre assediado pelas forças dominantes para disponibilizar as riquezas naturais. Isso tudo tem a ver com as rotas adotadas pelos governantes que conduziram o país a este aeroporto tumultuado de contas deficitárias, dívidas, produção pífia, desemprego e baixo nível de escolarização. O Brasil precisa restabelecer a naturalidade na vida e na economia, possibilitando aumento da produção, trabalho, consumo e progresso na qualidade de vida.

Para fortalecer um país é preciso que surjam gerações fortes, sadias de corpo e alma, voltadas para o bem, aptas e dispostas a estabelecer propósitos de melhora geral. Só mesmo a mais crassa ignorância sobre o funcionamento das leis de Deus que se expressam na natureza poderia permitir a suposição de que com uso da genética e processos eugênicos tecnológicos é possível criar gerações que atendam aos pressupostos dos detentores do dinheiro e poder. A qualidade humana depende do espírito que encarnar.

As experiências com reprodução de parceiros previamente selecionados poderão gerar corpos bem desenhados, mas o ser humano vai depender do espírito atraído para a encarnação, pois o estar vivo depende das condições de atração magnética entre o corpo gerado e alma. Sem essa atração o corpo não segura a alma. Quando a atração perde calor há a separação, deixando inerte o corpo material, fato que era evidente para povos da antiguidade que viviam em estreita sintonia com as leis da natureza.

A Terra ficou extremamente contaminada com a presença de seres humanos que desdenham da vida espiritual, desrespeitando suas leis. Decadência, guerras, miséria atestam o que os homens fizeram de errado no planeta outrora tão hospitaleiro. A purificação da Terra depende do despertar espiritual. O ser humano aderido fortemente ao mundo material perdeu as aspirações nobres elevadas e agiu inescrupulosamente como nenhuma outra criatura, arrastando o infortúnio para esta parte da Criação. Muitos estão se aproveitando da confusão global para externar o que de pior o ser humano é capaz.

As trevas querem destruição. A guerra vem se arrastando há milênios. No auge da escuridão, o Criador enviou Jesus com Luz do Divino. Mesmo assim a decadência espiritual não foi estancada. As trevas continuaram seu ataque destruidor por não encontrarem resistência. A Sodoma devassa avança no ataque à feminilidade, única apta a gerar filhos com caráter voltado para o Bem. Com o afastamento do saber das leis da Criação, os seres humanos acolheram a mentira, deixando crescer a insatisfação e a revolta. Vivemos num tempo de guerra. Faltando a Luz da Verdade, faltará tudo.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O FUTURO E A FORÇA DA VERDADE

Por que o homem nasce na Terra e dura pouco? Seria tolice supor que o nascimento do ser humano é um acontecimento ao acaso após toda evolução do planeta e das espécies, para surgir o homem com capacidade de raciocinar e tomar decisões, mas que acabou esquecendo que está atrelado às consequências de seus atos.

Muitos países, com exportações em nível inferior aos seus compromissos em dólar, acabaram se tornando dependentes de financiar seus déficits nas contas externas. Um novo choque nos juros americanos certamente trará consequências nas cotações do dólar que afetarão as contas e os bolsos da população. Isso também vai afetar o volume de importações o que poderá causar algum embaço às exportações chinesas.

O que realmente tem acontecido por aqui? A economia vem se arrastando há décadas enquanto 64 mil ocupantes de cargos eletivos não estão cuidando do que deveriam, resultando no atraso na educação, no saneamento básico e na saúde dopovo, no maior endividamento do país em mais de 80% do PIB,na indústria capengando e nasestatais esbulhadas. Esse repertório seria suficiente para provocar uma guinada de seriedade na gestão pública. A população despreparada está insensível. Urge resgatá-la para uma vida digna.

Nos anos 1980/90 quando o Brasil tinha elevada dívida externa, a prioridade para o país era pagar a dívida à custa de seu presente e futuro. O dólar tinha elevado valor e grande parte produzida era exportada. O governo comprava os dólares dos exportadores e pagava dívida, mas para isso tinha que emitir e inflacionar. Para debelar a inflação foi adotada a dolarização, e o Real valeu um por um e até menos até quando deu. Com isso, especuladores ganharam muito na virada. Já o país ganhou atraso. O grande desafio é saber como recuperar a indústria e a expertise da mão de obra num mundo globalizado e de portas abertas.

Pelo mundo, vão surgindo tiranos em profusão nos Estados, nas organizações, nas religiões e nas famílias, dando vazão ao seu desejo de ter poder sem limites, sem qualquer contestação, inibindo os anseios para construir um mundo melhor, o que só seria exequível com liberdade e responsabilidade. Mas como eles estão presos à baixa cobiça, à vaidade e ambição, ao domínio pela força, acabam inibindo o livre olhar para o Alto e o anseio pelo aprimoramento da humanidade.

O Estado nacional democrático tende a perder espaço, mas não há ideia de como será o arranjo entre o poder financeiro ocidental e o poder produtivo da Ásia, nem como será o mundo do trabalho e do provimento de subsistência condignamente humana. Enfim, como será o futuro da humanidade com as transformações derivadas da Quarta Revolução Industrial em sua incessante busca de ganhos por meio da introdução de ampla automação.

Muitos fatores foram atropelados pelo descuido dos homens com o futuro, que com seu imediatismo têm dirigido o mundo para a decadência. A espécie humana não deveria ter decaído tanto, a ponto de hoje as novas gerações não enxergarem horizontes de esperança de progresso. O desastre começa nas prefeituras e se alastra pelos Estados até Brasília. Décadas de descuido favorecendo as absurdas taxas de juros praticadas.

Para onde foi o dinheiro? Se o governo pagou salários e aposentadorias, esse pessoal consome. Masonde está o consumo? Se o pessoal não consome, mas poupa, onde está a poupança? Obras? Mania de fazer coisa grande; pois é lá que está a chance de sobrefaturar e engordar o caixa dois. Um preocupante alarme vem dos institutos de previdência dos municípios, muitos deles com parte do pecúlio estagnado em títulos podres.

O mundo está cheio de perturbadores da paz, que nada fazem para merecê-la. Seja nas atrocidades da Segunda Guerra e tantas outras que perduram até nossos dias, o inferno é o lugar onde poderão derramar sangue a vontade. Paz na Terra e alegria de viver aos homens de boa vontade. Os homens colhem o que semeiam. Descoberto em 1500,o Brasil acabou se tornando um país que ficou muito distante de onde deveria estar com beleza, paz, progresso e felicidade. Força, minha gente! Muito tempo foi desperdiçado com ninharias. Só a força da Luz da Verdade pode insuflar a verdadeira vida.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A AGITADA MARÉ DO SÉCULO 21

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Os problemas das cidades precisam ser examinados com objetividade e perseverante vontade de resolver, como é o caso da questão do transporte sobre trilhos na cidade de São Paulo. Infelizmente, quando se discute, há sempre um viés ideológico, seja de direitistas liberais para atender seus fins, ou esquerdistas que aparelham o Estado para dominar e controlar tudo; e o povo sempre fica esquecido. O serviço precisa de mais eficiência; alguns usuários agem com displicência sem respeito nem consideração com o patrimônio público ou demais usuários. Há também os deploráveis ataques de homens anormais contra mulheres.

O recurso mais importante é o fator humano. A educação não é uma etapa isolada, tudo influi a começar do preparo dos pais, da convivência doméstica, das músicas, leituras e programas da televisão. Uma arte tosca inspirada em baixarias deforma. No Brasil, o descuido vem desde a proclamação da República quando não se ofereceu adequado preparo à mão de obra liberada das fazendas pela lei Áurea. Há muitas coisas para serem corrigidas para melhorar a qualidade humana do país.

A questão do preparo das novas gerações requer o comprometimento não só do governo, mas de toda a sociedade. Onde estão os ensinamentos dos professores que enobrecem a humanidade? Eles deveriam estar na sala de aula e em tudo o mais. O cinema é a escola onde abundam modelos decadentes. A educação deve conduzir ao enobrecimento, formar pessoas honestas com clareza mental e bom senso. Os jovens têm de ser incentivados a cultivar o sentido de beleza que enobrece para não caírem nas baixarias que promovem o retrocesso da humanidade. O essencial é que o governo e toda a sociedade tenham como alvo a continuada melhora das condições gerais de vida.

O dinheiro é como a água que faz o moinho dos negócios girar. Girando e acumulando, expandindo os negócios até o limite, depois surgem os processos de armazenamento em paraísos fiscais e vão se separando da economia real, passando a rodar pelo mundo buscando ganhos, seja em empréstimos soberanos, especulação, bolhas, ficando tudo sujeito às instabilidades. Ativos se valorizam acima do que rendem. Grandes dívidas ficam com a garantia defasada. Como a pessoa que se empanturrou, o sistema fatalmente cai na limpeza purgativa. Importante seria ampliar a análise das consequências sobre a armadilha do endividamento e do efeito bolha sobre os ativos.

O volume de exportações coloca a China em destacada posição na economia global. O eficiente modelo chinês de governo mais enxuto, com plano único a que todos se submetem, tem despertado interesse como meio de conquistar e conservar o poder. É necessário examinar as consequências do confronto entre a economia socialista de mercado e o mercado liberal do ocidente que vai perdendo espaço na produção industrial e nos empregos. O Brasil, que se subordinou às amarras americanas, tem de se cuidar para não se tornar apenas um polo de abastecimento de matérias-primas e alimentos para a China.

Os países precisam ter objetivos, homens sérios e competentes, e uma estratégia flexível em busca das melhores soluções para que o progresso continuado seja alcançado. Mas é preciso que a população também participe, e se o alvo for apenas de cunho material, a decadência moral e ruína serão inevitáveis como já tem ocorrido em diversas civilizações, que por falta de metas enobrecedoras acabaram soçobrando: egípcios, gregos, romanos, e os alemães no século 20. Sem a efetiva evolução material e espiritual o homem não consegue construir obras duradouras.

Como tantos outros, o filme Churchill contém pouca alma, não empolga nem motiva, e é um tanto deprimente, mas mostra a frieza das guerras, a insensibilidade com a vida dos soldados no front e com os danos colaterais. A tirania sempre tem de ser combatida e banida. O que se lamenta é que a humanidade tenha decaído tanto a ponto de possibilitar o surgimento de tiranos impiedosos que se opõem ao real sentido da vida causando caos, miséria e retrocesso. As guerras mostram o coroamento da bruteza dos homens. O período entre 1939 e 1945 foi o mais negro da história da humanidade. Resta saber se na galopante maré do século 21 enfrentaremos fases piores.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7