Posts

PREPARAR AS NOVAS GERAÇÕES PARA A VIDA

A cada dia que passa os problemas vão se avolumando. As novas gerações têm de ser preparadas para auxiliar na superação. O que estamos lhes oferecendo? O padrão de ensino tem sido o de manter as pessoas acomodadas sem desenvolver o espírito inquiridor para conhecer a vida como ela é e para entender seu significado. Assim, um povo com tendência à indolência acaba se acomodando de vez sem se esforçar para ter clareza e raciocinar com lucidez para tomar boas decisões na vida.

Temos de formar seres humanos de fato para que a sociedade humana possa evoluir continuadamente; para isso os jovens necessitam da aprendizagem social e emocional como dizem Daniel Goleman e Peter Senge, autores do livro O Foco Triplo. Aqui estamos para alcançar evolução, assim sendo os relacionamentos devem ser harmoniosos. Faltam a autoconsciência, a empatia e a clareza do próprio querer e no raciocinar para tomar decisões acertadas. Isso tudo é muito importante, mas o querer egoístico e a vaidade têm feito tudo desmoronar.

A força vem da alma. Quando estamos em sintonia com o querer interior temos a motivação vinda do âmago; é a força de vontade. Sem ouvir o querer interior, ou seja, a intuição, o querer não tem a força motivadora vinda de dentro. Nesse caso é o espírito que tem de ser forte para alcançar o que quer: ir em busca de seu objetivo, afastar os pensamentos inúteis. Faltam amor e consideração e estímulos para as pessoas agirem com toda a sua capacidade e com atenção ao que fazem. Há muito ódio e insatisfação com a própria vida espalhados pelo mundo sob diversas formas. Programas para cultivar o amor e a consideração deverão ser o meio para humanizar o ensino.

A situação é dramática, mais ainda quando se percebe que além da pobreza falta o bom preparo para a vida em grande parte da população o que agrava ainda mais as precárias condições de vida. E ainda mais, faltam modelos inspiradores para os jovens e pessoas em geral. Com toda riqueza natural o país é pobre, com rios poluídos, barragens detonadas e cidades ao abandono. Pequena parte da riqueza fica nas mãos de poucos que não se preocupam com o país; o restante vai embora e a precarização avança.

Os seres humanos têm a mesma origem espiritual e é o desenvolvimento espiritual que assinala o grau de evolução que deveria estar em nível bem elevado para todos, mas ocorreu a inesperada estagnação. Compreender o eu interior implica em ativar a intuição para que o eu possa se manifestar por meio dela.

Enquanto havia grande facilidade em obter ganhos tudo caminhava, mas agora não dá para continuar com o sistema da velha economia. Com estoques volumosos e capacidade ociosa surgem as instabilidades no comércio, nas finanças, no nível de empregos, mas qual é a origem desse estado de instabilidade geral? Importa hoje, diante de tantos fracassos e misérias, saber o que está se armando no mundo?

Em geral as coisas funcionam como se fosse um sistema bem ordenado, um conjunto de fatores bem encadeados. Compreender a lógica dos sistemas incentiva o trabalho da intuição que vai adquirindo uma visão mais ampla do todo. Mas hoje vivemos a fase da fragmentação geral. Temos de compreender o funcionamento do conjunto de órgãos na caixa craniana. Cérebro frontal, lobos frontais, cérebro emocional, cérebro posterior chamado cerebelo, estagnado em seu desenvolvimento em comparação com o cérebro frontal.

O planeta está sendo sacudido pelos fenômenos naturais, mas os seres humanos pouco se ocuparam em entender a natureza, promovendo a sua degradação em decorrência de seu desrespeito às leis naturais. O homem quer impor a sua vontade sem observar como a natureza funciona e vai colhendo dificuldades em vez de o melhor que a natureza respeitada pode oferecer.

No mundo materialista, a humanidade tem sido mantida distante da verdade espiritual da vida que se inscreve nas leis da natureza. Tudo tem um sentido e um propósito, mas poucos querem enxergar e compreender. Quem procurar seriamente vai achar. Conhecereis a Luz da Verdade e ela vos libertará, mas há que haver esforço e análises irrestritas. O tempo da indolência espiritual e da crença cega está findando.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O QUE ESTÁ SE PASSANDO?

Vivemos a era da incerteza porque há falta de boa vontade. Com boa vontade tudo se resolve. Temos de definir propósitos e olhar atentamente para onde pisamos. Que mal há no nacionalismo quando entendido como a salvaguarda dos interesses e exaltação dos valores nacionais, o resguardo das próprias fronteiras contra interesses estranhos? É o sentimento de pertencer a um grupo por vínculos raciais, linguísticos e históricos que reivindica o direito de formar uma nação autônoma. Qual é o problema?

Os governantes têm de se voltar para o interior de suas fronteiras, pois é lá que está a gente que habita o país. Se deixar para que a globalização decida, essa gente não passará de meros números que vão sendo agrupados e uniformizados, permitindo que tudo o que o país representa vá desaparecendo, cedendo lugar a uma padronização que vai “emburrecendo” os cidadãos que vão perdendo a esperança e a iniciativa; seria como construir um país de robôs.

A qualidade de vida depende da boa formação das novas gerações no padrão adaptado à geografia local. De que vale um celular de última geração se não há renda para adquiri-lo? Isso é o que diferencia um povo livre de um povo escravo.

Há vários livros que abordam a flagrante tragédia do aumento da miséria no Planeta Terra. O grande perigo é que eles mostram os efeitos, mas não a causa da decadência da humanidade que quis criar leis próprias sem observar as leis da Criação. Quando os seres humanos buscarem o conhecimento dessas leis e as respeitarem, o viver tenderá ao paradisíaco, sem as ideologias de medo e ódio que encobrem cobiças.

A escola tem por obrigação primeira alfabetizar, complementar o aprendizado para falar, ler e escrever de forma lúcida. Mostrar as belezas da natureza e sua lógica. Importante o ensino da história real da humanidade e sua trajetória ao longo dos milênios. Mas foram introduzidas tantas mentiras, tantos falsos idealismos distantes da Verdade e da finalidade da vida que a escola não tem formado os legítimos seres humanos, cidadãos do bem, zeladores da ética e da moral. Essa é a escola verdadeira que requer leis que a garantam para que a humanidade tenha futuro humano.

Se recebemos as florestas, também somos responsáveis pelo seu manuseio e conservação. Temos de inibir a ignorância, saber usar, progredir e expulsar estrangeiros que só provocam destruição para assegurar os seus ganhos. O Brasil tem de estar preparado. Necessitamos de faculdades que formem cidadãos aptos a aproveitar os recursos das florestas sem agredi-las.

Necessitamos formar gerações aptas a desenvolver o seu potencial criativo. Que tenham capacitação para uma convivência pacífica e qualidades para enfrentar os grandes desafios da vida, sem transformar o planeta num deserto inóspito e desumano. Basta de governos sem cautela, que deixam a dívida capitalizar mais de um trilhão em juros e perdas em cinco anos, mas que depois levam o mercado a agir com reservas. Não há milagres, o buraco é grande, a sangria foi desatada. O que os especialistas recomendariam para redespertar a economia brasileira dopada com câmbio valorizado, juros elevados e descaso com a educação para o século 21?

Há uma nova esperança no ar, mas expectativas podem se esvaziar, pois há muita má vontade e orgulho ferido. Vamos esperar que as mamatas acabem; o fato é que o Brasil tem sido governado por incompetentes oportunistas que nunca pensaram no bem real do país e sua população. Décadas de estragos e mentiras não se consertam em um dia. A equipe de governo tem de estar afinada na conquista da melhora geral, sem personalismos.

Temos de estar atentos à forma como estamos erigindo a nossa forma de viver. Plano de Fuga, filme de Mel Gibson, com boa trama e ação, retrata que o que era ficção, hoje se tornou a realidade cruel. Até onde os humanos podem chegar com a sua decadência? A região mostrada no filme pode ser no México, no Rio de Janeiro, ou em tantas outras localidades onde o humano cedeu lugar à barbárie própria de indivíduos cujo corpo está agindo com o cérebro e as vísceras, separado da alma. Só com muita energia e coragem a ordem e segurança poderão ser restabelecidas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ESCOLHA O AVIÃO CERTO

Os eleitores do Brasil estão no aeroporto para escolher o avião. Depois de embarcados só poderão desembarcar no destino escolhido. Tem um avião que vai para o país da utopia, onde os fins justificam os meios, usados pela tripulação para chegar onde quer, onde possa mandar e desmandar ao seu bel prazer para pôr em prática um plano de massificação geral da população, mesmo que para isso tenha que semear o caos e o apagão mental. O outro avião vai enfrentar turbulências até achar a serenidade do céu azul, terá de traçar uma rota que escape da tormenta que se avizinha, protegendo a liberdade, a individualidade, o fortalecimento da família para que surjam gerações fortes aptas e dispostas a construir um mundo melhor. Logo será dada a última chamada; prepare-se para embarcar no avião certo.

O cenário mundial tem como pano de fundo dinheiro e poder. Há duzentos anos a Inglaterra formou o centro das finanças com a criação da libra esterlina, palavra derivada da medida de peso. O marco alemão não conseguiu se manter. Ao término da Segunda Guerra Mundial, o dólar se impôs, carreando o poder para os seus detentores. Há trilhões de dólares nos paraísos fiscais. O iene do Japão teve destaque. O euro tenta se impor, mas enfrenta dificuldades na aglutinação dos estados da Europa. O dólar tem navegado com firmeza. A China está despontando como potência econômica, para isso tratou de acumular reservas em dólares como nenhum outro país o fez, mas agora pretende dar força internacional à sua própria moeda, o yuan.

Países periféricos como o Brasil ficam à margem, sempre dependentes do fluxo da moeda padrão nas transações mundiais, e por isso sempre assediado pelas forças dominantes para disponibilizar as riquezas naturais. Isso tudo tem a ver com as rotas adotadas pelos governantes que conduziram o país a este aeroporto tumultuado de contas deficitárias, dívidas, produção pífia, desemprego e baixo nível de escolarização. O Brasil precisa restabelecer a naturalidade na vida e na economia, possibilitando aumento da produção, trabalho, consumo e progresso na qualidade de vida.

Para fortalecer um país é preciso que surjam gerações fortes, sadias de corpo e alma, voltadas para o bem, aptas e dispostas a estabelecer propósitos de melhora geral. Só mesmo a mais crassa ignorância sobre o funcionamento das leis de Deus que se expressam na natureza poderia permitir a suposição de que com uso da genética e processos eugênicos tecnológicos é possível criar gerações que atendam aos pressupostos dos detentores do dinheiro e poder. A qualidade humana depende do espírito que encarnar.

As experiências com reprodução de parceiros previamente selecionados poderão gerar corpos bem desenhados, mas o ser humano vai depender do espírito atraído para a encarnação, pois o estar vivo depende das condições de atração magnética entre o corpo gerado e alma. Sem essa atração o corpo não segura a alma. Quando a atração perde calor há a separação, deixando inerte o corpo material, fato que era evidente para povos da antiguidade que viviam em estreita sintonia com as leis da natureza.

A Terra ficou extremamente contaminada com a presença de seres humanos que desdenham da vida espiritual, desrespeitando suas leis. Decadência, guerras, miséria atestam o que os homens fizeram de errado no planeta outrora tão hospitaleiro. A purificação da Terra depende do despertar espiritual. O ser humano aderido fortemente ao mundo material perdeu as aspirações nobres elevadas e agiu inescrupulosamente como nenhuma outra criatura, arrastando o infortúnio para esta parte da Criação. Muitos estão se aproveitando da confusão global para externar o que de pior o ser humano é capaz.

As trevas querem destruição. A guerra vem se arrastando há milênios. No auge da escuridão, o Criador enviou Jesus com Luz do Divino. Mesmo assim a decadência espiritual não foi estancada. As trevas continuaram seu ataque destruidor por não encontrarem resistência. A Sodoma devassa avança no ataque à feminilidade, única apta a gerar filhos com caráter voltado para o Bem. Com o afastamento do saber das leis da Criação, os seres humanos acolheram a mentira, deixando crescer a insatisfação e a revolta. Vivemos num tempo de guerra. Faltando a Luz da Verdade, faltará tudo.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O FUTURO E A FORÇA DA VERDADE

Por que o homem nasce na Terra e dura pouco? Seria tolice supor que o nascimento do ser humano é um acontecimento ao acaso após toda evolução do planeta e das espécies, para surgir o homem com capacidade de raciocinar e tomar decisões, mas que acabou esquecendo que está atrelado às consequências de seus atos.

Muitos países, com exportações em nível inferior aos seus compromissos em dólar, acabaram se tornando dependentes de financiar seus déficits nas contas externas. Um novo choque nos juros americanos certamente trará consequências nas cotações do dólar que afetarão as contas e os bolsos da população. Isso também vai afetar o volume de importações o que poderá causar algum embaço às exportações chinesas.

O que realmente tem acontecido por aqui? A economia vem se arrastando há décadas enquanto 64 mil ocupantes de cargos eletivos não estão cuidando do que deveriam, resultando no atraso na educação, no saneamento básico e na saúde dopovo, no maior endividamento do país em mais de 80% do PIB,na indústria capengando e nasestatais esbulhadas. Esse repertório seria suficiente para provocar uma guinada de seriedade na gestão pública. A população despreparada está insensível. Urge resgatá-la para uma vida digna.

Nos anos 1980/90 quando o Brasil tinha elevada dívida externa, a prioridade para o país era pagar a dívida à custa de seu presente e futuro. O dólar tinha elevado valor e grande parte produzida era exportada. O governo comprava os dólares dos exportadores e pagava dívida, mas para isso tinha que emitir e inflacionar. Para debelar a inflação foi adotada a dolarização, e o Real valeu um por um e até menos até quando deu. Com isso, especuladores ganharam muito na virada. Já o país ganhou atraso. O grande desafio é saber como recuperar a indústria e a expertise da mão de obra num mundo globalizado e de portas abertas.

Pelo mundo, vão surgindo tiranos em profusão nos Estados, nas organizações, nas religiões e nas famílias, dando vazão ao seu desejo de ter poder sem limites, sem qualquer contestação, inibindo os anseios para construir um mundo melhor, o que só seria exequível com liberdade e responsabilidade. Mas como eles estão presos à baixa cobiça, à vaidade e ambição, ao domínio pela força, acabam inibindo o livre olhar para o Alto e o anseio pelo aprimoramento da humanidade.

O Estado nacional democrático tende a perder espaço, mas não há ideia de como será o arranjo entre o poder financeiro ocidental e o poder produtivo da Ásia, nem como será o mundo do trabalho e do provimento de subsistência condignamente humana. Enfim, como será o futuro da humanidade com as transformações derivadas da Quarta Revolução Industrial em sua incessante busca de ganhos por meio da introdução de ampla automação.

Muitos fatores foram atropelados pelo descuido dos homens com o futuro, que com seu imediatismo têm dirigido o mundo para a decadência. A espécie humana não deveria ter decaído tanto, a ponto de hoje as novas gerações não enxergarem horizontes de esperança de progresso. O desastre começa nas prefeituras e se alastra pelos Estados até Brasília. Décadas de descuido favorecendo as absurdas taxas de juros praticadas.

Para onde foi o dinheiro? Se o governo pagou salários e aposentadorias, esse pessoal consome. Masonde está o consumo? Se o pessoal não consome, mas poupa, onde está a poupança? Obras? Mania de fazer coisa grande; pois é lá que está a chance de sobrefaturar e engordar o caixa dois. Um preocupante alarme vem dos institutos de previdência dos municípios, muitos deles com parte do pecúlio estagnado em títulos podres.

O mundo está cheio de perturbadores da paz, que nada fazem para merecê-la. Seja nas atrocidades da Segunda Guerra e tantas outras que perduram até nossos dias, o inferno é o lugar onde poderão derramar sangue a vontade. Paz na Terra e alegria de viver aos homens de boa vontade. Os homens colhem o que semeiam. Descoberto em 1500,o Brasil acabou se tornando um país que ficou muito distante de onde deveria estar com beleza, paz, progresso e felicidade. Força, minha gente! Muito tempo foi desperdiçado com ninharias. Só a força da Luz da Verdade pode insuflar a verdadeira vida.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A AGITADA MARÉ DO SÉCULO 21

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Os problemas das cidades precisam ser examinados com objetividade e perseverante vontade de resolver, como é o caso da questão do transporte sobre trilhos na cidade de São Paulo. Infelizmente, quando se discute, há sempre um viés ideológico, seja de direitistas liberais para atender seus fins, ou esquerdistas que aparelham o Estado para dominar e controlar tudo; e o povo sempre fica esquecido. O serviço precisa de mais eficiência; alguns usuários agem com displicência sem respeito nem consideração com o patrimônio público ou demais usuários. Há também os deploráveis ataques de homens anormais contra mulheres.

O recurso mais importante é o fator humano. A educação não é uma etapa isolada, tudo influi a começar do preparo dos pais, da convivência doméstica, das músicas, leituras e programas da televisão. Uma arte tosca inspirada em baixarias deforma. No Brasil, o descuido vem desde a proclamação da República quando não se ofereceu adequado preparo à mão de obra liberada das fazendas pela lei Áurea. Há muitas coisas para serem corrigidas para melhorar a qualidade humana do país.

A questão do preparo das novas gerações requer o comprometimento não só do governo, mas de toda a sociedade. Onde estão os ensinamentos dos professores que enobrecem a humanidade? Eles deveriam estar na sala de aula e em tudo o mais. O cinema é a escola onde abundam modelos decadentes. A educação deve conduzir ao enobrecimento, formar pessoas honestas com clareza mental e bom senso. Os jovens têm de ser incentivados a cultivar o sentido de beleza que enobrece para não caírem nas baixarias que promovem o retrocesso da humanidade. O essencial é que o governo e toda a sociedade tenham como alvo a continuada melhora das condições gerais de vida.

O dinheiro é como a água que faz o moinho dos negócios girar. Girando e acumulando, expandindo os negócios até o limite, depois surgem os processos de armazenamento em paraísos fiscais e vão se separando da economia real, passando a rodar pelo mundo buscando ganhos, seja em empréstimos soberanos, especulação, bolhas, ficando tudo sujeito às instabilidades. Ativos se valorizam acima do que rendem. Grandes dívidas ficam com a garantia defasada. Como a pessoa que se empanturrou, o sistema fatalmente cai na limpeza purgativa. Importante seria ampliar a análise das consequências sobre a armadilha do endividamento e do efeito bolha sobre os ativos.

O volume de exportações coloca a China em destacada posição na economia global. O eficiente modelo chinês de governo mais enxuto, com plano único a que todos se submetem, tem despertado interesse como meio de conquistar e conservar o poder. É necessário examinar as consequências do confronto entre a economia socialista de mercado e o mercado liberal do ocidente que vai perdendo espaço na produção industrial e nos empregos. O Brasil, que se subordinou às amarras americanas, tem de se cuidar para não se tornar apenas um polo de abastecimento de matérias-primas e alimentos para a China.

Os países precisam ter objetivos, homens sérios e competentes, e uma estratégia flexível em busca das melhores soluções para que o progresso continuado seja alcançado. Mas é preciso que a população também participe, e se o alvo for apenas de cunho material, a decadência moral e ruína serão inevitáveis como já tem ocorrido em diversas civilizações, que por falta de metas enobrecedoras acabaram soçobrando: egípcios, gregos, romanos, e os alemães no século 20. Sem a efetiva evolução material e espiritual o homem não consegue construir obras duradouras.

Como tantos outros, o filme Churchill contém pouca alma, não empolga nem motiva, e é um tanto deprimente, mas mostra a frieza das guerras, a insensibilidade com a vida dos soldados no front e com os danos colaterais. A tirania sempre tem de ser combatida e banida. O que se lamenta é que a humanidade tenha decaído tanto a ponto de possibilitar o surgimento de tiranos impiedosos que se opõem ao real sentido da vida causando caos, miséria e retrocesso. As guerras mostram o coroamento da bruteza dos homens. O período entre 1939 e 1945 foi o mais negro da história da humanidade. Resta saber se na galopante maré do século 21 enfrentaremos fases piores.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

VIVEMOS O AUGE DAS CRISES

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Lamentavelmente, vivemos o auge das crises políticas, econômicas e ambientais. Muito em breve a humanidade se conscientizará da forma estúpida e sem sentido como tem vivido. A corrupção se expandiu como nunca em lutas de cobiça pelo poder. A incompetência da classe governante e o despreparo da população estão desorganizando a vida civilizada. Falta força da vontade para o bem.

No Brasil, falta dar boa formação à população, estabelecer objetivos viáveis atinentes aos interesses do país, motivar, ir atrás com seriedade. Faltou tudo: preparo para a vida, motivação, bons exemplos da classe governante. Japão, Coréia, China acabaram conquistando uma situação melhor com a ajuda dos Estados Unidos que tinha interesses ensejando condições favoráveis. A China, com sua grande população, deu bom preparo e motivação para agir, pois lá não se permite a destruição das novas gerações com drogas e orgias, e por isso está despontando numa posição de liderança e poderá introduzir mudanças na ordem mundial do dólar, enquanto os governantes do Brasil, por ignorância e cobiça, caíram nas armadilhas cambiais e financeiras. Como vamos sair do permanente estado de crise em que o país vive?

A China absorve 25% das exportações do Brasil. Com sua elevada população, não é de se estranhar essa participação. Bom para o nosso país, embora seja essencialmente exportação de alimentos e produtos primários. Para otimizar a parceria, deveria haver alguma forma de equilíbrio para que o Brasil não ficasse estagnado nesses itens geradores de poucos empregos, incluindo outros que favoreçam o desenvolvimento tecnológico e melhor distribuição de renda.

O que fizeram os governantes em todos os níveis arrastando tudo para o lodo? Tínhamos excelentes condições, mas com a irresponsabilidade da classe política não saímos da condição de galinha em seu vôo para o progresso. O Brasil ainda não se libertou de sua vocação colonial de exportar commodities e importar produtos com valor agregado, e para isso tem deixado o dólar barato. Agora, novamente endividado e sem desenvolvimento dos talentos da população, sofre os efeitos do apagão mental, correndo o risco de regredir ao colonialismo. Incertezas e apreensões quanto ao futuro.

Um país viciado em imposto para sustentar a máquina administrativa perdulária e ineficiente. O problema atual vai além da economia. Depois de um longo processo de descaso com o futuro, desde a nova república, o país apresenta uma dura realidade: está em processo de desmanche moral, econômico e social.

Miséria e violência vêm sendo cultivadas de longa data, praticamente desde a Lei Áurea da princesa Isabel, e desde aquela época não se viu, da parte dos governantes, um plano de integração e melhoria das populações de baixa renda, e o que já era ruim acabou ficando muito pior nas grandes capitais como Rio de Janeiro. Sem educação, vivendo de forma precária, essa população vai gerando filhos sem se conscientizar de sua responsabilidade com a paternidade e a maternidade. Os humanos precisam e devem ser transformados em seres humanos de fato, pois do contrário a decadência ficará irreversível.

As novas gerações estão ficando sem rumo, caindo nas múltiplas armadilhas como a vida devassa do sexo casual sem afinidades nem responsabilidades, contribuindo para a construção deste mundo hostil. Os seres humanos têm a capacitação para buscar o saber, mas falta-lhes o querer e a ação. Cabe aos pais mudar esse cenário porque é desde cedo que as novas gerações devem ser preparadas, fortalecidas e motivadas para compreender o mundo em que vivem, agir e assumir a responsabilidade com a vida e com o futuro para construir um mundo sadio, de alegre convivência e harmonia com a natureza.

Para assegurar melhor futuro temos de combater a baixa disposição das novas gerações para o aprendizado contínuo e barrar os modelos de moral decadente. O Brasil precisa sintonizar-se na busca de melhores condições gerais de vida que possibilitem a evolução das pessoas que se dispõem a aprender e a trabalhar com eficiência. Não basta ter um iPhone. Não basta saber onde achar o conhecimento; é preciso aprender vendo fazer e fazendo. Só se aprende com as vivências. Qual o significado da vida? Por que e para que nascemos na Terra?
* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7