Posts

OS GOVERNOS E O CAOS MUNDIAL

No século 21, a economia vive a difícil corrida do PIB, mas o aumento não significa obrigatoriamente que haverá melhora nas condições de vida da população. No Brasil provavelmente haveria, pois o PIB estagnou desde quando a indústria foi perdendo fôlego. Vivemos o artificialismo da economia, as condições de vida são precárias e mesmo com alguma melhora na produção de bens e serviços vai demorar para que se notem benefícios efetivos no Brasil.

Os governos deveriam promover a melhora da qualidade de vida, mas ingressaram na corda bamba financeira e nada conseguem realizar apesar dos recursos naturais disponíveis, pois a civilização do dinheiro só leva em conta a existência de dinheiro – no caso, o dinheiro mundial e sua instável cotação -, pois as moedas nacionais não são pouco respeitadas, como na Argentina e Brasil. Tudo fica travado e nada se consegue realizar apesar da existência de recursos materiais e muita mão de obra ociosa.

O país se mantinha desorientado, Castro e Guevara faziam a cabeça dos jovens que se aborreciam com a miséria do Brasil em confronto com o modo de vida das famílias americanas mostrado nos cinemas. Após 1964, a economia continuou sendo regrada por oportunistas que só pensavam no futuro próprio.

Governantes irresponsáveis, sem o menor tino econômico-financeiro, movidos pelo desejo de se perpetuar no poder, assediados pelos banqueiros que tinham muito dinheiro para aplicar, e deu nisso. Não é só a Argentina que enfrenta dificuldades, também o Brasil e tantos outros enredados nas malhas das dívidas contraídas irresponsavelmente e que agora forçam o corte na carne para salvar o capital acrescido dos juros abusivos.

A partir dos anos 1980, o Brasil se tornou grande pagador de juros, o que prosseguiu na nova república, no Plano Real e nos tempos do PT agravado com corrupção e dívida grandes. Com o país endividado, desindustrialização e ameaça de recessão global o que o país pode fazer?

As novas gerações precisam de estímulos e propósitos enobrecedores, mormente partindo de instituições que representam o país. Chega de achincalhe do país, da bandeira, do hino nacional, dos jovens. No Brasil, temos o grave problema secular da falta de empenho geral na consolidação de um país livre, na ausência de uma população bem preparada para a vida, que gosta de se divertir.

Com a falta de seriedade e autoestima, as pessoas são incentivadas a deixar rolar para ver como fica. Não há metas nem planos perseverantes, tudo declina continuadamente. Temos permitido abusos, estagnação e declínio – o voo de galinha deste país repleto de potencialidades. As pessoas que vivem no Brasil deveriam ser incentivadas a pensar com otimismo no bem geral, em querer um país melhor.

O Brasil está combalido após décadas de juros elevados e gestão irresponsável. Fala-se que em 2020 a taxa de juros terá aumento. Terminou a eleição, ficaram definidos os cargos, hora de estabilizar o país. Se o Brasil desandar agora, tudo se complicará mais ainda nesta fase em que os poderes mundiais buscam definir quem manda no mundo. No meio dessa disputa também estão os cobiçados recursos naturais brasileiros.

A globalização e a concentração da produção de manufaturas já causaram forte impacto nos empregos. Yuval Harari, professor israelense de História, prevê que a Inteligência Artificial virá para impactar ainda mais. Ademais, a “financeirização” da economia, a falta de competência dos estadistas, a corrupção e o despreparo de grande parte da população emperraram as engrenagens das economias internas, passando tudo a girar em função do mercado externo onde circula a moeda global. Quem só dispõe de commodities enfrentará mais problemas.

O Brasil vive um pesadelo. Há 63 milhões de pessoas penduradas no Serviço de Proteção ao Crédito, além de 13 milhões sem emprego. Produção estagnada. Consequência de décadas de gestão interesseira e sem patriotismo e a população sendo insuflada de forma conflituosa. Se a humanidade tivesse se mantido firme no propósito de assegurar o direito de evolução de todos os povos de forma equilibrada, a história mostraria justiça e não haveria esse cenário caótico de imigrações e refugiados pelo mundo. Falta união por um Brasil melhor. Hora de enfrentar as causas reais da decadência e unir o país na superação do caos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O PLANO REAL E AS BANANAS

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Com base no livro 3000 Dias no Bunker: um Plano na Cabeça e um País na Mão, de Guilherme Fiúza, o filme Real, o plano por trás da história faz uma excursão pela montagem do Plano Real no ano de 1994. Se de um lado a inflação galopante mataria o país caso esta não fosse estancada, de outro, a persistência em manter o Real valorizado aleijou a indústria dando chance ao PT para ocupar o espaço do poder em Brasília. Como estaria o Brasil se não tivesse persistido na rigidez cambial e juros elevados? Talvez o país tivesse quebrado e adotado políticas econômicas adequadas àquelas condições. Talvez a indústria tivesse evoluído gerando bons empregos e Lula não teria tido a oportunidade que surgiu com a bagunça econômica que se criou após a impossibilidade de continuar mantendo o Real valorizado.

Todos os países que se apegaram à âncora cambial se deram mal justamente porque o fluxo de dólares depende principalmente de exportações e financiamentos. Como consequência dos desmandos, o Brasil, com 14 milhões sem emprego, está retornando a condição de exportador de bananas.

A roupa suja atirada no colo dos brasileiros pelos irmãos Batista, expondo manobras corruptas envolvendo o presidente Temer, já deu uma esfriada na queda dos juros, que no Brasil vem sangrando há décadas. Antes do Plano Real a taxa Selic era um assombro: mais de mil por cento; depois ficou próxima a 30%, com taxa de dólar fixa. Será que isso foi decorrente das engrenagens das finanças globais que impunham sua força no financiamento para que os países não quebrassem? A falta de reconhecimento da interdependência entre os povos para um relacionamento equilibrado, e o comportamento desenfreado das cobiças tem arrastado a civilização para o descalabro.

Raramente os gestores públicos se preocuparam com o equilíbrio das contas internas e externas, com a boa educação das novas gerações e com a preservação da natureza. Com displicência, permitiram a sangria da verba pública. As transaçõescorruptas vão de juros, swaps cambiais, controle das estatais, benefícios especiais, obras superfaturadas, privatizações pouco idôneas, que ao contrário, requerem um rígido controle da lisura na idoneidade na transferência dos patrimônios públicos. O Estado jamais deveria se envolver na atividade econômica, pois sua interferência tende para relações espúrias. Sua tarefa deveria ser zelar pela ordem e progresso dos povos, defendendo os interesses da qualidade de vida de sua população, mantendo o equilíbrio nas contas e a autonomia. Mas com o advento do capitalismo de Estado, as coisas estão mudando aceleradamente sem que saibamos onde isso vai dar.

A economia deveria prover os recursos necessários para a subsistência e progresso das populações, mas para isso é indispensável que haja liberdade e responsabilidade. O sistema se desequilibrou devido à busca da maximização dos resultados financeiros. O progresso material e cultural dos indivíduos foi estagnando. O voto é livre, mas a escolha é embaraçada pela falta de preparo dos eleitores e dos eleitos. O dinheiro acumulado gerou poder. O capitalismo de Estado, sem democracia, obteve significativo aumento na produtividade e se ajustou às leis da acumulação exportando, gerando protestos nas regiões onde o número de postos de trabalho sofreu redução. E agora, qual será o rumo que o capitalismo do livre mercado vai seguir?

O presidente Donald Trump confirmou que os Estados Unidos deixarão o Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, o qual foiassinado em dezembro de 2015 por 197 países e blocos econômicos. Alguns cientistas não querem entender que na natureza tudo está interligado. A compreensão essencial da existência depende da adaptação às leis da natureza como o meio, pois elas são as leis do desenvolvimento da Criação que expressam a vontade do Criador. Segundo Abdruschin, a ciência da religião e a ciência da natureza têm de ser uma só coisa sob todos os aspectos, numa lógica sem lacunas para transmitir a Verdade.

O rumo certo tem de ser alcançado através da boa educação e bom preparo para a vida. É preciso educar as novas gerações para que se tornem fortes e independentes com a compreensão da natureza, e dessa forma possam causar impactos positivos. Os jovens são dotados de capacidades especiais, mas precisam ser motivados para que desenvolvam seu potencial de forma positiva e adequada, contribuindo para a construção de um mundo mais humano.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7