Posts

A GRANDE ESTAGNAÇÃO

A economia de um país teria de produzir o suficiente para atender às necessidades de sua população diretamente, ou produzir o suficiente para ter um excedente que permitisse fazer trocas com outros países, sem precisar recorrer a financiamentos para cobrir déficits do comércio. Aí entrou a imaturidade da classe política e a fragilidade do dinheiro próprio no mercado mundial. A globalização colocou na mesma arena o capitalismo de livre mercado e o capitalismo de Estado com poder centralizado, gerando desindustrialização, perda na renda, o que amplia os desequilíbrios existentes. No Brasil, a situação se agrava com o desequilíbrio fiscal e o crescimento da dívida.

Grande parte das operações do capitalismo hoje estão sob a égide do capitalismo de Estado que cria dificuldades e conflitos com o capitalismo ocidental viciado e dominado por forças corruptoras, mas que apesar de tudo enseja alguma liberdade. O problema, como sempre, está no ser humano e sua cobiça por riqueza, poder e desrespeito às leis naturais da Criação.

As empresas, em sua maioria, fazem a contabilidade em dólares, buscando ajustar os preços praticados. Grande parte da classe trabalhadora recebe em reais. Se a taxa de juros Selic aumentar, pode acontecer de a cotação do dólar baixar pela entrada dessa moeda para desfrutar dos juros atraentes. Com isso, simultaneamente, ocorrerá valorização do real, mas essa entrada vai refletir na dívida e aumento da despesa com juros, deixando os importados mais baratos. Também dificultará as exportações, embora haverá o momento de fazer o ajuste e tudo será invertido.

Desde o ciclo do açúcar e café, o comércio exterior no Brasil tem sido negócio para poucos. Atrai divisas, mas não chegou a dinamizar a economia interna. A China tem de alimentar sua população e dar oportunidades, e por isso escolheu a via da exportação de manufaturados, bem-sucedida pelo controle de custos que o ocidente não consegue seguir. O que dirão os economistas do futuro quando analisarem esse pesadelo econômico que está assustando bilhões de pessoas?

Não podemos permitir que a situação desande ainda mais. A economia tem de ser destravada e respeitar as leis da natureza. Um absurdo a poluição dos rios que transportam esgoto pelas cidades. A Baía da Guanabara virou a baía do lixo. Segundo o genial Leonardo da Vinci (1452-1519), nada do que há na Terra ficaria sem ser perseguido e destruído para satisfazer as cobiças por riquezas que serão extraídas das entranhas da Terra, como se fosse o sangue de um organismo, debilitando-a.

Há décadas vemos muitos teóricos opinando sobre educação e preparo das novas gerações para um futuro melhor, mas a decadência geral persiste. Estudar a natureza e suas leis terá de ser a base do estudo da ciência, pois nela se encontram os fundamentos que mostram como tudo funciona, com causas e efeitos bem determinados em amplitude cósmica. Por fim, será também o elo de união do homem com a espiritualidade.

As crianças precisam ser auxiliadas a desenvolver o controle pessoal, observando os próprios impulsos e as emoções, e serem motivadas para aprender. Escrever e fazer contas a lápis são excelentes meios para o desenvolvimento cerebral. Na educação infantil, falta o aprendizado sobre a vida, somos todos peregrinos e devemos nos esforçar para evoluir.

Há tendência de precarização geral, não só no Brasil que conta com mais de 13 milhões sem emprego. Estão surgindo alguns empregos elementares de baixos salários. Há 60 milhões de pessoas enredadas em dívidas. Desindustrialização. Perda na renda. Os desequilíbrios se agudizaram. A dominância da dívida travou tudo. O dinheiro está sumindo, e com a ampliação da austeridade não há alívio para a população.

A economia brasileira não pode continuar estagnada. É preciso produzir, empregar e consumir mais, equilibrar a balança comercial e as contas externas, conter o endividamento estúpido que nada produz e aumenta a carga de juros sobre a população. Devemos melhorar a educação, estabelecer projetos enobrecedores para que os adolescentes não desperdicem seu tempo em discotecas contaminadas por drogas que minam o caráter, enfraquecem a saúde e a nação. É preciso reconhecer que nada surge por acaso. Decair é fácil. Progredir requer esforço. Esse é o Brasil que queremos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

EDUCAÇÃO E PRECARIZAÇÃO

Precisamos de uma geração forte, bem preparada para a vida, disposta a empregar o melhor de si para alcançar um futuro melhor e humano. Os jovens precisam aprender a refletir e a liberar a ampla visão intuitiva e ter a consciência de que é preciso aprender sempre, pois a vida é o necessário aprendizado do espiritual e do material. As crianças têm de aprender como funciona a natureza, que tudo contém.

Se não houver um trabalho para fortalecer as novas gerações com base na Verdade das leis da natureza, o futuro será sombrio. A atividade sexual faz parte da natureza, o erro foi negar isso por séculos, até o tabu arrebentar de forma incontida e deu nessa balburdia sexual como consequência da falta de naturalidade, mas o desregramento que está ocorrendo agora entre jovens e entre adultos, também é consequência da falta de naturalidade, resultando em doenças, gravidez precoce e declínio da espécie humana em todos os sentidos.

Os municípios foram deixados em mãos incompetentes e gananciosas. Rios destruídos, tratamento de esgoto relaxado, aglomerados de moradias precárias. As crianças, em vez de aprender como funciona a natureza, foram direcionadas para outras práticas inferiores, orientação sobre sexo sem que soubessem como funciona a geração responsável. Se não houver um trabalho para fortalecer as novas gerações, sem mentiras dogmáticas, não teremos futuro.

O que ganhamos até hoje com a globalização? O Brasil continua atrasado, endividado, com educação e indústria em retrocesso. Rico em recursos naturais, mas miserável em sua qualidade de vida. Quando se substitui renda por crédito, só pode dar tomate pisado. É o que estamos vendo hoje. Sem produção, emprego, renda, não há solução. Qual é o projeto dos globalistas?

O Brasil recebeu um irônico apelido – o país da fantasia -, pois sempre pôs de lado a realidade, estruturando as decisões em bases falsas. No século 20, em meio a embates entre oligarquias e esquerdistas, não havia um rumo claro. A partir de 1964, os militares tinham metas claras, embora a transamazônica também continha uma dose de precocidade ilusória e o desconhecimento da região, mas de alguma forma assegurou o mando. Sem capital, os investimentos foram na base de financiamento externo com juro variável que acabou chegando à taxa de 20% fazendo tudo desabar.

De lá para cá só remendos e âncora cambial, indústria e educação regredindo, o Estado incentivando consumo com crédito em vez de produção e renda. Então a classe política revelou toda a sua demagogia. Desvio de dinheiro, populismo, dólar barato, foram sugando a energia taurina. Hoje o bezerrinho está fragilizado, tendo de recomeçar outra vez, mas a época é outra; outras forças estão se digladiando. Espera-se que, cortando todo o desperdício e corrupção, o touro possa redespertar.

Na gestão pública, orçamentos estourados, apagão mental, perda no bom senso, excessiva confiança nos computadores, são o destaque e mostra seus efeitos para onde quer que se olhe. Adentramos numa fase em que o heroísmo deixou de ser valorizado. Predominam as cobiças e a bandidagem. É a época em que poder e dinheiro subiram à cabeça das pessoas, mas a felicidade foi embora mesmo com muitos dólares no bolso. O emaranhado do desarranjo global é complexo. Vivemos um momento bem especial, as esperanças do grande salto da humanidade para uma vida de paz e progresso não se realizou, ao contrário, em vários aspectos houve um declínio ético, moral, mental, espiritual. O ser humano está perdendo a capacidade de visualizar com a intuição o que está se passando no mundo.

O chamado aquecimento global mostra a reação da natureza. Estamos vivendo tempos fora do padrão de equilíbrio. A natureza mostra a sua força e se diz contrariada com a forma como tem sido tratada. Não será com governo global, que poderá padronizar tudo e acabar com a sadia diversidade de povos e culturas, que encontraremos a solução. Contra a força da natureza e suas leis somos impotentes, o que nos resta é reconhecer e respeitar suas leis e sua lógica interrompendo a prepotente forma de lidar com ela e seus recursos colocados à disposição da humanidade para que tivesse uma sobrevivência condigna, mas que, com ignorância, ganância e imediatismo provocou feiura, misérias e infelicidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PRECARIZAÇÃO GERAL

As pessoas precisam trabalhar, ter renda e sobreviver de forma condigna. Se as encomendas oscilam, as empresas pequenas e médias não conseguem arcar com a folha de custos fixos. A transferência de fábricas para a Ásia, a automação, a crise financeira de 2008/9, o endividamento dos Estados, tudo contribui para reduzir empregos. O mundo se precariza. A riqueza tem sido mal distribuída entre os geradores e retida em poucas mãos. O mundo precisa de uma revisão em sua forma de atender às necessidades humanas, com equilíbrio e permanente busca de melhores condições gerais de vida.

Quando a produção se concentra numa região, aumenta a produtividade, mas em outras, os empregos se reduzem. Como chegar a um denominador comum que favoreça todos os povos? Um dos fatores do sucesso chinês pode ter sido a agilidade em punir os corruptos impedindo que prejudicassem o país. A globalização abriu a concorrência entre desiguais, trouxe produtos mais baratos, mas levou empregos. A atividade empresarial na economia compreende a produção, o comércio, os serviços, tudo visando o atendimento das necessidades dos consumidores, geralmente pessoas que necessitam trabalhar para auferir renda e terem poder aquisitivo. Atividades agrícolas são fundamentais, mas para consumir, as pessoas precisam ter oportunidades de trabalho.

Enfrentamos o permanente problema da oscilação cambial. É nessa hora que muitos países sentem dificuldades com a globalização dado o repentino encarecimento das importações e das dívidas externas. Todavia, para quem dispõe de dólares, o ciclo de desvalorização favorece aquisições nesses países. As oscilações também dão margem a operações especulativas de entrar com dólar com o câmbio desvalorizado e aguardar a valorização para sair com ganhos espetaculares.

Muitas confrontações ocorrem na área financeira. Os poderosos desenvolvem força defensiva para inibir o fortalecimento de eventuais opositores e exibem potencial ofensivo para intimidar e desestimular iniciativas ousadas para obter ganhos expressivos. A Argentina já não é mais a mesma dentre os países da América do Sul. Ficaram todos mais ou menos iguais, ou seja, menos evoluídos do que deveriam e com as possibilidades de crescimento travadas.

O sistema internacional se manteve firme num mundo em que prevaleceram os interesses dos mais fortes. Os mais fracos, geralmente dependentes da exportação de matérias primas, não tinham como discordar da desigualdade no comércio, com a hegemonia do dólar, o que veio a ser reforçado na globalização. Não se sabe se haverá alguma alteração com a moeda global, que está recebendo novo impulso com a elevação dos juros. Nos países economicamente fortes há muita tecnologia e astúcia, mas pouca sabedoria real. No Brasil, faltam avanços na tecnologia e sabedoria, mas sobra astúcia. O atraso na educação e preparo para a vida é uma constante que também pode ser considerado causa e efeito da precarização dos seres humanos.

Os falsos estadistas continuam se digladiando para ver quem manda mais, quem fica com o pedaço mais suculento e, com isso, o futuro fica ameaçado. As novas gerações, despreparadas para a sua responsabilidade, vão perdendo a esperança. Mas, afinal, como foi que o Brasil e o mundo chegaram a esse momento caótico na economia que a tudo constrange? Diante do quadro de incertezas e precarização que vai se tornando realidade, em algum momento será necessário restabelecer o equilíbrio e progresso geral. Quando falamos em precarização, devemos ampliar o conceito; as crises econômicas e o desgoverno estão precarizando as cidades e a vida. Nas regiões de moradias precárias, sem tratamento de esgoto e água suficiente, está se formando uma espécie de câncer urbano, sem lei e sem ordem, prevalecendo a truculência de marginais.

No passado, um dedicado grupo de idealistas liderados pela Imperatriz Leopoldina e por José Bonifácio não mediram esforços para dar ao Brasil, em setembro de 1822, a liberdade política, evento que muitos países vieram a conquistar só no século 20. O projeto era estabelecer uma nação livre, espiritual e materialmente. Esperemos que o sacrifício não tenha sido em vão. A precarização é geral. O tecido social está sendo corroído. É preciso energia para que o país não afunde no abismo da imoralidade como uma nova Sodoma. Precisamos de renovação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A PRECARIZAÇÃO DA HUMANIDADE É INEVITÁVEL?

A tecnologia avança sempre, mas o homem permanece estagnado, ou seja, com seu aperfeiçoamento, as inovações viriam ao encontro da melhora geral. No entanto, a globalização, as novidades e tudo mais são monopolizadas para fins egoísticos, e em vez de melhora, acabam introduzindo precariedades na vida em geral, acelerando o declínio da espécie.

O Ocidente acabou se tornando vítima de seu próprio imediatismo praticado ao longo do século 20 e que culminou na crise financeira de 2008. O futuro se apresenta conturbado com o pêndulo pendendo para o lado da China que tende a assumir a preponderância econômica. Em tal situação, caberia ao Ocidente buscar formas de deter o avanço da crescente precarização geral, em vez de partir puramente para o confronto comercial e protecionismo de ocasião. Está faltando um projeto de coexistência econômica pacífica que não empurre a humanidade para o descalabro.

O atraso e declínio da humanidade vêm impedindo que a massa dedique seu tempo e esforços para cogitar por um mundo melhor. Isso está acontecendo com incentivo da mídia: violência, descaramento, corrupção, irresponsabilidade, sexualidade embrutecida e drogas em profusão, declínio geral sem um mínimo de propósitos humanos, gerando incerteza e desesperança. Como será possível o aprimoramento da humanidade em um mundo melhor?

A pressão destrutiva é forte. Começa já na infância, mas a tragédia maior tem lugar na adolescência, quando é atacada e sufocada a natural nobreza que desponta no coração dos jovens para um despertar para a vida real, sendo tudo arrastado para as lixeiras do mundo onde o egoísmo e a volúpia não possibilitam a construção sadia. Para formar adultos equilibrados, o contato com as belezas e perfeição da natureza é de fundamental importância.

Diante da atual situação do planeta, com seus desequilíbrios ambientais, econômicos e sociais, muitos jovens começam a perceber que além dos prazeres, do consumismo e do dinheiro, há algo muito importante para ser vivenciado. A eles pertence o futuro. É necessário que eles adquiram o movimento certo para uma forma de vida sadia e alegre, indispensável ao saneamento e à harmonia, para se manterem despertos e motivados para alcançar a melhora geral nas condições de vida. A ação impulsiva, sem reflexão intuitiva, é nociva, porém é frequentemente empregada como modelo em filmes e novelas.

Para onde estamos caminhando? A produção se concentra, aumenta a produtividade, empregos são reduzidos. Onde obter consumidores para a enorme capacidade de produção? Há um desequilíbrio na economia global. Como chegar a um denominador comum que favoreça todos os povos? A tentativa de impor tarifas surge como uma revolta à atual situação de comércio internacional do livre mercado, que funciona na base de inequações, isto é, admite-se igualdade de tratamento diante de fatores desiguais. Os efeitos se mostram em todos os países cuja balança comercial tem apresentado déficits. Evidentemente, a forma abrupta de busca de equilíbrio causa rupturas. Mas como o equilíbrio nas transações gerais poderá ser estabelecido? Algo deve ser feito, a hora exige bom senso de todos.

O despreparo das novas gerações, a permissividade, a invasão das drogas e os políticos vendilhões contribuíram para a inversão de valores promovendo retrocesso geral. O que será da qualidade de vida fora dos centros de excelência em produção avançada? Quem está se ocupando com isso para elaborar planos que evitem o descalabro social?

O Ocidente se tornou ingovernável; países como o Brasil vão decaindo no atraso e na precariedade. O Ocidente se revelou inábil para promover a paz, o progresso, o aprimoramento da humanidade, o bom convívio com a natureza. Como a China poderia contribuir sobre isso? Que efeito terá a férrea disciplina sobre as individualidades?

O Brasil caiu nas mãos dos burocratas do executivo, legislativo e judiciário. Muitos deles julgam-se donos do país e que a população aí está para servi-los. Quanta lama não foi lançada sobre tudo que pudesse lhes render algo? Os honestos se afastaram da política enlameada, é “lamantável”. Na educação, permitiu-se o enrijecimento total que induz as pessoas a acreditarem que nada mais são do que seu corpo terreno e que sua alma adormecida não existe mais, pois somente com a participação dela o mundo poderá se humanizar.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7