Posts

AS TRANSFORMAÇÕES GERAIS E OS JOVENS

O século 20 foi muito pesado para os seres humanos devido à Primeira Guerra Mundial de 1914 a 1918 que trouxe penúria. A crise econômica de 1929 causou desemprego e fome. A Segunda Grande Guerra Mundial de 1939 a 1945 ocasionou muita destruição de vidas e cidades. Sobreveio um período ameno de graças para que a humanidade despertasse para o real significado da vida. Lá pelos anos 1980, a situação começou a ficar difícil novamente. Em 2008, nova crise financeira. O período mais ameno passou, a boa vontade foi encolhendo, poucos se conscientizaram sobre as leis da Criação e seus efeitos para o bem da humanidade. Em 2012 teve início um processo de transformações, e tudo vai acontecendo de forma mais acelerada, impulsionando a humanidade para o sim ou não e a ansiedade do século 21 vai avançando pela mente dos seres humanos.

Infelizmente nada mudou no ser humano que exerce posição de mando na esfera pública ou privada. Há pouca diferença entre o tempo dos mandarins chineses e dos políticos modernos. Escandalosamente, não escondem seus interesses particulares e não hesitam em praticar o poder para alcançar seus fins.

O uso e abuso das imagens acarreta consequências no cérebro estressado. De tanto ver imagens aceleradas, o cérebro passa a trabalhar sob esse impulso de ir acelerando tudo, e ao se defrontar com problemas, vai projetando as dificuldades em vez de, com a intuição no comando, planejar a ação necessária para solucionar tudo de forma adequada sem medo do futuro. É preciso conservar puro o foco dos pensamentos para manter a serenidade. Com o crescimento da indolência e comodismo, o ser humano deixa de ouvir o eu interior e se torna facilmente manipulável.

Tornam-se evidentes, a cada dia que passa, as grandes transformações no modo de viver das novas gerações, que no geral não absorveram os usos e costumes de seus pais e avós. Hoje, lamentavelmente, as pessoas estão perdendo a sua individualidade, não vão mais ao shopping center olhar as novidades nas vitrines, preferindo a Internet.

As pessoas estão pensando em blocos, ou seja, estão se agrupando por espécies; daí o surgimento da nova estratégia de reunir hábitos e gostos por blocos através das mídias sociais e outros mecanismos de controle do comportamento, para então passar a interferir nos desejos e preferências das multidões como meio de faturar e obter ganhos. O gravíssimo é quando se formam blocos de pessoas descontentes com a vida, pois não a entendem, nem há esforço para compreendê-la, e facilmente se deixam levar pela insatisfação e revolta.

O processo vai se desenvolvendo primeiro no imaginário das pessoas que vão sendo incentivadas a nutrir determinado tipo de pensamentos, nobres ou decadentes. Com o adensamento, o que era imaginário velado vai se consolidando em formas virtuais através de conversas, escritos, e sendo absorvido pela arte. Na fase posterior, o imaginário se transforma em realidade pelas ações das pessoas, resultando em enobrecimento ou decadência.

O declínio no preparo das novas gerações e o desconhecimento das leis da natureza comprometem o futuro da humanidade e do planeta. Como preparar as novas gerações para a vida? Desde cedo as crianças devem ser orientadas para a importância do aprendizado, do trabalho e da busca do significado da vida. Quem somos nós? O que é o planeta onde vivemos? Como ele possibilita a vida? Tudo segue o ritmo das leis da Criação.

A natureza reage diante da tentativa dos homens de dominá-la quando deveriam compreender e respeitar as suas leis. Sem sustentabilidade no trato da natureza não há futuro. Sem cuidar da sustentabilidade financeira, os governantes enchem o país de dívidas e condenam o futuro à escravidão. Estamos diante das consequências que estão tumultuando a vida. A insolvência nos ameaça e a natureza mostra a sua força. Um momento crítico que requer reflexão, oração e vigilância.

A grande transformação da humanidade ocorrerá quando as novas gerações perceberem enfim que nada acontece por acaso, que a vida tem o seu propósito e segue rigorosamente as prescrições das Leis Naturais da Criação que visam sempre o bem e o progresso real, mas também trazem o retorno de tudo que for contrário ao bem geral. A abrangência das leis da natureza é ampla e total.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O SIGNIFICADO DA VIDA

Com o avanço da inteligência artificial, os humanos serão substituídos na maioria dos trabalhos que hoje existem. Novas profissões irão surgir, mas nem todos conseguirão se reinventar e se qualificar para essas funções. O que acontecerá com esses profissionais? Como eles serão ocupados? Yuval Noah Harari, professor da Universidade Hebraica de Jerusalém e autor do livro Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, pensa ter a resposta.

“Você realmente quer viver em um mundo no qual bilhões de pessoas estão imersas em fantasias, perseguindo alvos ilusórios e obedecendo leis imaginadas? Goste disso ou não, esse já é o mundo em que vivemos há centenas de anos”.
https://epocanegocios.globo.com/Vida/noticia/2018/01/uma-nova-classe-de-pessoas-deve-surgir-ate-2050-dos-inuteis.html

Vamos dar uma olhada no artigo do escritor Yuval Noah Harari, falando sobre religião e a indolência do ser humano, buscando entender o que ele nos diz.
https://www.theguardian.com/technology/2017/may/08/virtual-reality-religion-robots-sapiens-book

Outra versão do artigo:

O que é uma religião, se não um grande jogo de realidade virtual desempenhado por milhões de pessoas juntas? Religiões como o Islã e o Cristianismo inventam leis imaginárias, como “não comem carne de porco”, “repita as mesmas preces um número determinado de vezes por dia”, “não faça sexo com alguém do seu próprio gênero” e assim por diante. Essas leis existem apenas na imaginação humana. Nenhuma lei natural exige a repetição de fórmulas mágicas, e nenhuma lei natural proíbe a homossexualidade ou a ingestão de porco. Muçulmanos e cristãos atravessam a vida tentando ganhar pontos em seu jogo de realidade virtual favorito. Se você reza todos os dias, você obtém pontos. Se você esqueceu de orar, você perde pontos. Se, no final da sua vida, você ganhar pontos suficientes, depois de morrer, você vai ao próximo nível do jogo (também conhecido como o paraíso).

E quanto à verdade? E a realidade? Realmente queremos viver em um mundo no qual bilhões de pessoas estão imersas em fantasias, buscando objetivos criativos e obedecendo leis imaginárias? Bem, goste ou não, esse é o mundo em que vivemos há milhares de ano.
http://fernandessc.wixsite.com/blog/single-post/2017/06/23/O-significado-da-vida-em-um-mundo-sem-trabalho

Apagão espiritual

Em seu artigo, Yuval Harari aponta o apagão mental, que na verdade é precedido do apagão espiritual. Quando o espírito se enfraquece, ele vai apagando, dá para adivinhar o que sobra do ser humano. Mas por que isso vem acontecendo há milhares de anos? Como agir para atuar efetivamente como um ser humano consciente em cooperação com as leis da Criação? O problema é a indolência espiritual, a falta de vontade de se movimentar, em vez de aceitar e absorver conceitos impostos sem se esforçar para fazer uma pesquisa intuitiva de modo consciente.

Abdruschin esclarece na obra Na Luz da Verdade Mensagem do Graal que “É DEVER sagrado do espírito humano pesquisar por que se encontra na Terra, ou por que motivo vive nesta Criação, à qual se encontra ligado por milhares de fios. Nenhum ser humano se tem em conta de tão insignificante, para crer que sua existência fosse sem finalidade, se ele mesmo assim não a tornasse. A tal respeito considera-se ele em todo o caso demasiado importante. Entretanto, são apenas poucos os seres humanos que conseguem, penosamente, libertar-se a tal ponto da preguiça de seu espírito, para se ocupar sinceramente em pesquisar qual a sua finalidade na Terra”.

Assim agindo em busca incessante, escaparia do veneno paralisante da inércia, adquirindo conhecimento, e não se tornaria um robô manipulado de espírito adormecido. “Despertai ser humano” para não engrossar as fileiras das bilhões de pessoas imersas em fantasias, sem vontade própria forte. Ou seja, um viver sem autenticidade, afastado do significado da vida.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

COMBATE AO APAGÃO GERAL

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Durante décadas o Brasil tem mantido gestão viciada e oportunista. Esse quadro precisa ser modificado para um Estado ágil e moderno que crie boas oportunidades para a produção, comércio, empregos, consumo, boa escolarização que nos livre do apagão espiritual-mental. Um país com as contas arrebentadas, que descuidou da indústria e do preparo das novas gerações, e mesmo assim tem muitos postulantes à presidência da república. Mas o que dizem eles sobre o futuro? Nada. Promessas vãs, austeridade sem propostas claras quanto ao futuro, populismo oportunista, pouca praticidade.

O gigantismo é nocivo, tanto no Estado como no mundo empresarial. O Estado tem de ficar afastado da atividade empresarial, mas deve ser firme e justo na regulamentação para que o poder não seja açambarcado pelos mais poderosos que fazem o que bem entendem. Há vários municípios com muitas pessoas disputando a receita diminuta. Muita gente concentrada em algumas cidades. O inchaço continua gerando desequilíbrios pela falta de planejamento. É lamentável ver tanto dinheiro gasto inutilmente, tantas dívidas sem sentido, enquanto ainda falta tudo para considerar o Brasil fora do terceiro mundo.

Mais de 50% da população não dispõe de coleta de esgoto e saneamento. Quanto mais gente, mais problemas que se agravam com o despreparo geral. As cidades costeiras começam a ter problemas com a elevação do nível das águas do mar. Primarismo, improvisação e incompetência. A cidade é onde construímos o lar para morarmos. Do total de municípios brasileiros, 87% encerraram 2016 em situação fiscal difícil ou crítica. Apenas 13,8% das prefeituras foram consideradas de boa gestão.

O mau aproveitamento da riqueza para o desenvolvimento do país é em grande parte uma questão de educação e preparo para a vida, com a classe política visando vantagens pessoais e a população sendo induzida e agindo de forma acomodada sem propósitos mais nobres. Líderes populistas iludem a massa e depois acabam iludindo a si mesmos com sua megalomania, até quebrarem a cara com a dura realidade das finanças globalizadas que cobiçam riquezas; então partem para a luta atribuindo a culpa ao capitalismo, ocultando as besteiras que fizeram para burlar as leis simples de controle das contas e dispêndios inúteis.

Além da enormidade de dinheiro extraído pela corrupção, o pior foram as consequências como o entreguismo de recursos e da autonomia para cuidar dos interesses do país que possibilitaram não apenas a venda de empresas, mas a autodeterminação da população despreparada. Fomos barrados no baile da prosperidade e da melhor qualidade humana. Estamos muito longe de onde deveríamos estar. Privatizar se impõe. Vender em momento inoportuno é dar filé a preço de banana.

É preciso que o governo e os setores empresarial e financeiro voltem a se preocupar com a melhora do país, construindo e melhorando as rodovias e ferrovias. Que se dê à educação a direção certa, sem viés socialista ou religioso, mas que se empenhe em formar seres humanos de valor com suas capacitações e talentos desenvolvidos para barrar o apagão espiritual e mental que acaba com o Brasil.

Muitos fatores estão levando a esse apagão, à robotização, à perda do bom senso. O cérebro perdeu a conexão com o eu interior e se for deixado por si e pelas influências externas, acaba agindo como máquina insensível. Há no mundo a forte tendência para que as pessoas olhem apenas para o intervalo entre o nascimento e a morte, considerando isso como sendo a vida toda.

O mundo necessita de pessoas que tenham a capacidade para encontrar soluções inovadoras para problemas complexos, isto é, pessoas que tenham a capacidade intuitiva em funcionamento, pois só ela possibilita a visão em terceira dimensão através da construção de cenários que possibilitam vislumbrar soluções.

Como chamar a atenção das pessoas para a busca da compreensão do significado da vida e de melhores condições gerais que possibilitem a evolução? O ser humano é dotado de cérebro para raciocinar e cerebelo para conectar com o eu interior onde estão acumuladas as vivencias e o bom senso. O homem necessita de sabedoria e alegria para vivenciar tudo na vida e evoluir como autêntico ser humano, alcançando a paz, o progresso e a felicidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7