O FIM DO FUTURO

Como se forma o futuro dos povos? Como esperar que seja possível construir um futuro de paz e progresso se atualmente observa-se que poucas pessoas conservaram a sensibilidade da alma e não querem ouvir a voz interior da consciência? O querer tem vacilado diante dos vendavais das cobiças e da desconfiança. Uma população despreparada dá ouvidos a promessas irrealizáveis e se nega a entender as causas do sofrimento e miséria que avançam pelo mundo. O cérebro foi afastado do eu interior para, na indolência, acolher promessas irrealizáveis, pois cada ser humano colhe o que semeia com suas ações, e todos têm de se esforçar através do movimento certo.

Fim do futuro significa que o querer da humanidade não tem mais repercussão sobre o futuro já delineado por ela através dos séculos, tendo agora de seguir pelos canais abertos por suas resoluções. A fruta está na árvore, ainda meio verde. Quando ficará madura? Na hora certa será colhida. Estão delineadas as crises econômicas e sociais, o desequilíbrio geral nas relações entre indivíduos e povos, os conflitos, os confrontos, as inquietações, assim como a oportunidade para quem quer respostas. Quem as procurar com afinco e sinceridade achará essa promessa, ou seja, só a encontrará quem realmente procurar.

Desde o tempo da Grande Pirâmide do Egito foi dado à humanidade informações sobre a vinda do Juiz Universal e das consequências do desvio por caminhos errados em oposição ao desenvolvimento espiritual. Lamentavelmente, muitas das placas deixadas com a inscrição das palavras esclarecedoras foram destruídas sem que o seu conteúdo pudesse ser divulgado.

Muitos profetas como Moisés, Isaías, Buda, Zoroastro e Lao Tse vieram para advertir. Cada um deu explicações ao modo de compreensão de sua época, no entanto, com as interpretações erradas formou-se uma confusão sem que fosse percebido que tudo fazia parte do mesmo acontecimento: a vinda do Filho do Homem. Isaías anunciou a vinda de Emanuel. Na Pérsia, Zoroastro dizia ser um servo de Ahuramazda, o Criador Todo Poderoso, um anunciador do Saoshyant, aquele que trará esclarecimentos e paz. Um oráculo romano, provavelmente oriundo dos livros Sibilinos, dizia “Deus enviará um rei que livrará toda a Terra de toda guerra em obediência aos nobres mandamentos da Criação”. E, segundo João 15:26 – “Enfim, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de Verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim”.

Os discípulos também não entenderam tudo que Jesus explicou, e restaram só fragmentos. Daí decorreu a interpretação incorreta sobre o Filho do Homem, prometido por Jesus, para mais uma vez trazer para a humanidade o esclarecimento da Criação e encerrar o tempo concedido ao espírito humano para o desenvolvimento. Jesus sempre se referia a outra pessoa quando mencionava o Filho do Homem. Pedro acertou ao dizer “tu és Cristo, o Filho de Deus”, quer dizer o Filho do Homem é uma outra pessoa.

O ser humano é espírito-alma que precisa de vivências na Terra para se fortalecer. No corpo, no mundo material, o espírito foi bloqueado, deixou de atuar, não evoluiu apesar de ter ressuscitado na carne várias vezes. O vazio existencial o faz procurar, mas teria de se abrir para a Luz da Verdade trazida por Jesus Cristo, porém o real significado foi sendo perdido nos séculos. Abdruschin rescreveu os ensinamentos de Jesus na linguagem de século 20, mas para entender há que se ler com a alma.

Se os seres humanos não se empenharem com seriedade, visando construir um mundo decente, digno da própria espécie, a decadência e embrutecimento será inevitável, e o caos tomará conta da Terra. Acontecimentos brutais nos pegam de surpresa, desanimando e entristecendo. O dia do ajuste final, ou seja, o fim do futuro e início de uma nova era não está distante. A Justiça Divina, a paz e o respeito às leis da Criação serão impostas pelo Filho do Homem para o bem dos espiritualmente humildes.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A FINALIDADE ESPIRITUAL DA VIDA

Longe vai o tempo em que os seres humanos estavam integrados à natureza. Com intuição atuante e raciocínio lúcido, deveriam ter prosseguido na compreensão correta do significado da vida, da Criação e de suas leis. Com o surgimento da arrogância, do orgulho e da vaidade, o ser humano começou a se sentir como semideus, que ao invés de compreender a grandiosidade do Deus único, criador de todos os mundos e dessa forma afastou-se do caminho da elevação de sua alma.

Muitos profetas foram enviados para orientar e advertir, mas suas vozes não foram ouvidas. Diante da calamidade que os humanos iam preparando, uma parte de Deus veio para a Terra em Jesus, que com Amor e severidade passou a falar sobre o funcionamento das leis da Criação. Mas os seres humanos teriam de quebrar as amarras que os prendiam a um saber falso. Na indolência espiritual dominante, esses ensinamentos foram se tornando incômodos, principalmente para aqueles que se beneficiavam com o comodismo das massas que se sentiram ameaçados em seus privilégios obtidos com a dominação que exerciam sobre o povo.

Colocando de lado a capacidade de refletir intuitivamente, os seres humanos foram se deixando afastar da realidade da vida, ficando envolvidos por uma realidade paralela criada astutamente, rigidamente mantida, atendendo às preferências e pendores aos quais se algemaram. A humanidade prossegue em sua marcha funesta cujo fim será a autodestruição. Uma nova época deve surgir. Uma nova sabedoria se torna indispensável contrariando a mania de grandeza e as cobiças.

Aqueles que procuram pela Luz da Verdade têm de quebrar as amarras, livrando-se de todas as trevas, esforçando-se para compreender direito a Palavra do Senhor, recuperando a intuição para se libertarem da entorpecedora realidade falsa criada para manter a humanidade cativa e inerte, impedindo-a de fortalecer o próprio espírito para que se eleve, cumprindo a finalidade real da vida.

“Por isso, despertai! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos na maravilhosa Criação de vosso Deus!” (Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal).

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

USE A INTUIÇÃO

David J. Lieberman, psicoterapeuta considerado como autoridade renomada internacionalmente nas áreas de comportamento humano e relacionamentos interpessoais e autor de Como Decifrar Mentes, explica bem as atitudes daqueles que não querem o brilho da verdade e buscam obscurecer os fatos para que as pessoas não descubram quais são seus reais objetivos. Seja numa conversa casual ou numa negociação de alto risco, é fundamental saber identificar o nível de sinceridade das pessoas, perceber as emoções que elas escondem e saber ler nas entrelinhas. De longa data, a humanidade tem sido afastada da verdade para que viva de forma acomodada.

Na Roma Antiga, usavam o subterfúgio do pão e circo; os métodos atuais são mais sofisticados. Aquilo que Lieberman explica na escala pessoal, também se passa na escala ampla para manter a massa na indolência indiferente ao real significado da existência do ser humano. Na avaliação das situações é muito importante ouvir a própria intuição. “E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará!” (João 8:32)

“Alguém que faz um relato mentiroso geralmente se concentra muito em detalhes irrelevantes para tentar passar profundidade. A conversa é temperada com minúcias para nos distrair da verdade, como se estivesse jogando areia na nossa cara”, explica Lieberman. “Apesar de as pessoas que dizem a verdade geralmente serem mais diretas, é preciso cautela nas avaliações.” Para Lieberman, quando houver muita coisa em jogo – negociações, interrogatórios, questões envolvendo abuso, roubo ou fraude – é possível aprender a poupar tempo, dinheiro, energia e sofrimento ao distinguir quem tem boas intenções de quem não tem. E quais são os profissionais que mais mentem em suas ocupações?” Este trecho é parte da matéria: “Como entrar na mente dos outros” publicada no jornal Valor Econômico em 05.01.2024.

AMA AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO

É muito triste para nós brasileiros, tradicionalmente calmos e pacíficos, ver os trágicos acontecimentos iniciados de forma inesperada com ataques ao povo das cidades de Israel. O sofrimento geral nos afeta por empatia, pois o povo brasileiro possui sensibilidade atuante, já extraviada em grande parte do mundo materialista. Entristece e assusta ver a paz mundial estar sob ameaça.

As nações não se entendem. O poder age acobertado na sombra. Nações, organizações e entidades têm o poder diluído. Quem pode, manda. A manada segue sem maiores reflexões. Assim o mundo caminha para o abismo. Não se trata de tomar partido, pois a questão maior é a humanidade que ainda não encontrou o caminho da convivência pacífica. Na guerra das comunicações, a verdade fica oculta; o que interessa é a manipulação da massa. Muitas pessoas acabam se tornado como a máquina. Não ouvem mais a voz interior. Se isso está acontecendo com os mais velhos, o que será das novas gerações?

Na engrenagem mundial, o ser humano é um grão de areia, mas a sua arrogância é enorme. Os acontecimentos iam caminhando. Guerra da Ucrânia e Rússia, dinheiro digital, eleições, Taiwan, juros, bolsas, inteligência artificial. De repente acontece um trágico e impiedoso ataque aleatório contra o povo de cidades de Israel seguido de forte retaliação. Comoção geral. Uma emergência na trajetória do mundo. A surpresa e os fatos levaram os Estados Unidos a marcar sua presença, pois estamos diante de uma situação que produz imprevisível tensão mundial que requer hábeis negociadores.

Agarrados ao perecível mundo material, e para satisfazer as próprias cobiças, os seres humanos não vacilaram em colocar de lado a amplitude do amor ao próximo, deixando de ouvir a própria consciência, e em vez de paz e progresso espiritual criaram o inferno na Terra. No mundo atual tudo gira em torno do dinheiro. Muitas atividades ilícitas são toleradas porque envolvem dinheiro, mesmo sujo, e principalmente, ganhos. O homem tem a capacidade da livre resolução: o sim ou o não, mas mesmo que não possa realizá-la, fica atrelado a ela.

No país do dólar, a recessão demora mais a chegar afetando a taxa de juros, mas seu efeito pode chegar de repente. Na América Latina é mais complicado. O capital sempre busca oportunidades de ganhos; e se essas estão na Ásia, fábricas fecham e mudam criando a relocalização da indústria. É um procedimento considerado correto pela análise econômica, mas outras considerações também deveriam entrar em cena, pois a população perde trabalho, o nível decai, e surgem cidades fantasmas que não conseguem se sustentar, aumentando a violência urbana.

De longa data os seres humanos têm vivido sem o necessário respeito aos Mandamentos de Deus, servindo prioritariamente a si mesmos e às suas cobiças. Na época em que Jesus disse: “Colocai o Senhor teu Deus acima de todas as coisas, e ama ao teu próximo como a ti mesmo”, os discípulos compreenderam claramente, mas com o passar do tempo foram surgindo conceitos distorcendo a amplitude das palavras, e os seres humanos deixaram de praticar o verdadeiro amor ao próximo, até que Abdruschin, em sua obra Mensagem do Graal, iluminou o conceito com a Luz da Verdade: “Permitido vos é peregrinar através das Criações por vosso desejo, tornando-vos autoconscientes; contudo, não deveis causar sofrimento algum a outrem, a fim de satisfazer com isso a própria cobiça.”

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

INTUIÇÃO

“Etimologicamente, Hipotálamo, diretamente do grego, significa o mais profundo, o quarto, o tálamo nupcial. Talvez por isso Descartes chamou o hipotálamo de “casa da alma“, a sede onde repousa a alma, há muito tempo, Aristóteles dizia que no hipotálamo a personalidade do homem se concretizava porque nele os sentimentos se encontravam.

O hipotálamo e a amígdala cerebral são duas estruturas fantásticas que proporcionam uma visão equilibrada dos riscos, medos, paixões e deficiências. Eles constituem o nosso capital emocional. As emoções nascem da atividade do nosso sistema nervoso. Eles fornecem o mais intrínseco dos comportamentos e, claro, são essenciais para a vida.” Texto de Fernando Bayon – https://www.eoi.es/blogs/fernandobayon/2014/12/23/el-cerebro-emocional-i/

Abdruschin, em sua obra Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, fala da oficina do cérebro, onde entra a intuição e é desenvolvido o raciocínio. A intuição procede da alma, do espírito, e o raciocínio trabalha na adequação ao espaço tempo. A intuição é captada pelo cerebelo que a envia para a oficina onde os órgãos do cérebro a tornam compreensível, mas hoje grande parte dos seres humanos tem o cerebelo enfraquecido, prevalecendo o sentimento produzido pelo cérebro e instintos. O ser humano é o espírito ignorado e enclausurado. Dê espaço a ele e verás o mundo e a vida em sua forma natural.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

Intelecto, Entendimento, Raciocínio, Intuição

Intelecto significa a capacidade de compreender o que se passa a nossa volta. A palavra vem do latim e significa ler por dentro, entendimento, raciocínio, reflexão. É uma capacitação exercitada através da inteligência. A ciência tem seu ponto de partida na atividade intelectiva cujo campo é a realidade material, das coisas objetivas situadas no tempo e espaço, ou seja, coisas finitas, separadas da realidade espiritual.

Entendimento significa a capacidade de avaliar os seres e as coisas; julgamento, opinião. É a capacidade intelectiva de perceber e compreender as coisas. Também originada do latim “intendere”, pode significar ainda “estender”, estando relacionado com o que seria a ideia metafórica do entendimento: o ato de estender ou esticar os conhecimentos, com a finalidade de chegar ao objetivo pretendido.

A ação metafórica de “esticar”, ou seja, o “estender” os conhecimentos, faz com que o indivíduo consiga chegar a um entendimento consigo mesmo ou com outra pessoa, pois consegue sair de sua “zona de conforto” e perceber outros pontos de vista. Também significa o entendimento entre pessoas que chegam a um acordo sobre alguma questão.

Raciocínio é o exercício da razão pelo qual se procura alcançar o entendimento de atos e fatos, que permite formular ideias, elaborar juízos, e deduzir algo a partir de uma ou mais premissas. É o ato ou maneira de pensar ou raciocinar. É uma sequência de juízos ou argumentos usados para chegar a uma determinada conclusão. O raciocínio é um fenômeno mental produzido por um cérebro em funcionamento saudável. Existem diferentes tipos de raciocínio, como o dedutivo e o indutivo. Enfim, são palavras de significado próximo, o essencial é que tudo isso tem origem no cérebro frontal.

A intuição é definida como a capacidade de perceber, discernir ou pressentir uma explicação independentemente de qualquer raciocínio ou análise. Mas o raciocínio pouco pôde compreender sobre a origem e significado da intuição. Diz Abdruschin em sua obra Na Luz da Verdade Mensagem do Graal que a intuição é a voz interior, da alma que todo ser humano tem, e é captada pelo cerebelo. A intuição provém de outras esferas; é a percepção de que além do mundo material há outras áreas fora do alcance do cérebro; é simples e clara, enquanto o raciocínio se restringe ao mundo material, e deveria ser empregado no exame e utilização da intuição.

Com o predomínio do intelecto e sua capacidade de raciocinar, o cerebelo acabou meio desativado e esquecido, e a intuição confundida com o falho sentimento que se origina da junção do raciocínio com os instintos do corpo. O sentimento não é bom conselheiro, porém a voz interior geralmente traz imagem alertadora e não deve ser posta de lado.

“A intuição é espiritual, está acima dos conceitos terrenos de espaço e tempo. O sentimento é constituído de fina matéria grosseira, dependente dos instintos e do raciocínio, portanto de nível interior” (Mensagem do Graal). Os seres humanos deveriam dedicar mais atenção à sua percepção intuitiva, e não cair nos engodos do sentimento.

CRIATURA COM ALMA

O ser humano é dotado de alma, corpo e mente. A alma capacita a mente a pesquisar a verdade das leis universais que regem a vida. Quanto mais a alma evoluir, mais sábio o ser humano se tornará. E se a mente subjuga a alma, o cérebro assume o comando, mas por ser manipulável e influenciável, e sem visão clara e ampla sobre o significado da vida, passa a criar leis terrenas. Quanto mais leis são criadas, mais confusão vai sendo gerada, pois a essência esconde objetivos de cobiças e logro. Restabeleça-se a vontade para o bem e tudo se tornará simples e natural. A criatura humana é a única que permanece fora do lugar que deveria ocupar na Criação, pois está sufocando a sua essência que lhe possibilita tornar-se um verdadeiro ser humano.

Há a expectativa de que a Inteligência Artificial (AI) venha absorver uma série de atividades profissionais, afetando o mercado de trabalho, mas a máquina jamais conseguirá trabalhar com a alma, característica dos seres humanos. A humanidade está fora do lugar que lhe cabe, pois se tornou displicente com o aprimoramento da própria espécie, deixando de exercer plenamente sua capacitação emocional, comportamental e de assimilação da cultura terrena.

Os seres humanos estão abdicando de suas capacitações de examinar, ponderar, refletir de forma intuitiva, o que permite a ampliação e dominação da manipulação agora facilitada pelos novos recursos tecnológicos. Enquanto as espécies em geral seguem a trajetória do autoaprimoramento, a espécie humana tem feito o inverso e tem se deixado mecanizar e retroceder.

Mais de bilhão de pessoas vivem com algum transtorno mental, segundo a Organização Mundial da Saúde. A depressão e outros sintomas desagradáveis também se manifestam na falta de motivação, num fraco querer. Isso está ocorrendo na vida pessoal e profissional, uma dose de desânimo que precisa ser combatida com força de vontade e propósitos enobrecedores na forma como agimos, como fazemos as coisas, dando vida com a atividade da intuição, pois é isso o que diferencia o ser humano do animal e da máquina, que pode substituir o trabalho com eficiência e menor custo, mas jamais dará vida ao trabalho com a energia do espírito. Serão obras efêmeras, frias, sem calor, feitas para seres humanos cuja alma dormita e não está participando da vida como é esperado.

Embora muitas pessoas não queiram acreditar, a Criação segue uma linha coerente, justa e lógica, mas há muitas lacunas no saber. O ser humano tradicional que ouvia a alma está surdo. Não ouve mais, não lê, não examina, não analisa. Cada indivíduo, cada povo, a humanidade inteira, sempre colhem o que semeiam. A fase é a da colheita geral, tudo de uma vez, sem trégua, num período relativamente curto, onde terão melhor colheita aqueles que buscarem reconhecer e viver de acordo com as leis do Criador.

A atividade sexual faz parte da natureza humana, mas a finalidade do casamento vai além da satisfação sexual. Homens e mulheres são dotados de características diferentes, mas juntos deveriam ter construído um viver paradisíaco na Terra. Em vez disso entraram em intermináveis desentendimentos e conflitos que dificultam a vida e acabam se refletindo nos filhos, que deveriam ser gerados com toda responsabilidade e cuidados com carinho e severidade para que se tornem fortes, aptos a conduzir a própria vida ao se tornarem adultos.

No passado distante, a mulher recebia toda consideração por ser a cuidadora do lar e a grande conselheira que, com sua delicada intuição, indicava caminhos para o homem, o grande defensor da feminilidade, que queria viver voltado para o bem geral. Mas isso era uma vez; homens e mulheres foram embrutecendo deixando que o egoísmo, vaidades e cobiças determinassem os seus caminhos.

Os fios de nossos destinos são invisíveis, estão além de nossa capacidade de ver, compreender e controlar. Tudo na vida é regido pelo funcionamento automático das leis da Criação, que expressam a perfeição da Vontade do Criador, trazendo para cada criatura humana a colheita de tudo que semeou com o seu querer, pensamentos, palavras e ações, podendo assim sempre dirigir o destino para o progresso e a felicidade, e tornar-se verdadeiro ser humano com a alma atuante.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A JORNADA DA HUMANIDADE

As sementinhas – os germes espirituais – haviam se formado no limite da Irradiação da Luz. Não dispunham de forças para ir em frente, mas tomava corpo o impulso inconsciente para o despertar. Naquele local em que se encontravam eram frágeis, não tinham força, teriam de ser afastados para longe para o fortalecimento, pois só assim poderiam retornar para casa fortes e autoconscientes.

A irradiação da Luz ia até ao extremo da região espírito-enteal e retornava. Teve início o grande processo do Faça-se a Luz, a Criação Posterior, o Amor de Deus possibilitando a grande jornada das sementes espirituais. Para isso a força da Luz teria que avançar além dos limites, dando origem à Criação. Assim surgiram os sóis e os planetas tendo como patrono o Filho do Homem.

As sementes com forte impulso próprio eram expelidas para além, para outros ambientes onde iam recebendo os presentes das fadas que ofertavam as vestimentas adequadas. No trajeto, seguiam o impulso, definindo sua forma de atividade, positiva masculina, ou passiva feminina. Ambas fortes, porém, diferentes na forma de atuação.

Enquanto isso formava-se a estrela Terra, onde pela força da irradiação toda matéria evoluía preparando a vestimenta, a alma e o corpo terreno. Surgiram os primeiros seres humanos encarnados para evoluírem, dotados de livre resolução, intuição, intelecto e cérebro para raciocinar, dando início à grande jornada. Tinham a tarefa de captar energia espiritual e aplicá-la em suas realizações.

Milênios se passaram, o espírito foi moldando o corpo humano belo e sadio, até chegar o momento em que o raciocínio alcançaria o estágio de amplo funcionamento para auxiliar a realização de seu puro querer no mundo material. O intelecto é algo espantoso que concede o poder de raciocinar, planejar, reunir os recursos, construir, embelezar e beneficiar a Terra, o lar no mundo material.

Afastados do saber das leis da Criação formadas pela Vontade de Deus, os seres humanos transformaram o maravilhoso planeta numa panela de pressão que vai aumentando, tendendo para o limite. Medo, ódio e revolta são sentimentos que vão ganhando corpo. Os servidores das trevas se aproveitam, semeando caos, o dia explosivo da desforra.

A Jornada da humanidade se iniciou com a descida dos germes espirituais para a matéria. Milhões de anos se passaram. A jornada saiu da rota, mas está se aproximando do ponto de ruptura. Os germes espirituais deveriam estar desenvolvidos, fortes e luminosos. Muitos se perderam no mundo material, não dando chance para que o espírito pudesse se fortalecer, acorrentando-se ao perecível mundo material.

Quando chegar ao ponto de ruptura, aqueles que saíram da rota por vontade própria e sem terem aproveitado o tempo concedido, serão separados. Não poderão passar para a fase seguinte, mas a matéria na qual estão aderidos será triturada, retirando a individualidade e autoconsciência alcançadas pelo germe espiritual, que será recolhido à sua origem e desprovido da forma humana. A ruptura está no ar, mas poucos querem saber qual é o seu gravíssimo significado. Havia muitas esperanças. Muitos seres humanos buscavam algo mais do que prazeres e o atendimento das necessidades básicas. Mas, ao mesmo tempo, crescia a mania de grandeza e a cobiça por poder.

“Vigiai e orai”. Cada novo dia traz a oportunidade para um novo movimento espiritual na direção do progresso. Com Amor e Justiça a Luz cumpriu! No entanto os seres humanos se mantêm na dormência. Nem duas guerras mundiais conseguiram o despertar da indolência espiritual. Estamos vivendo num ambiente saturado de coisas ruins. Sem gratidão pelo pão, não pode haver felicidade. Nos anos 1930, Abdruschin apresentou a Palavra de Deus, trazida anteriormente por Jesus, sob nova forma, na obra “Mensagem do Graal”, ofertando para a humanidade a explicação sobre a Criação e suas leis, e o significado da vida, com novas revelações. “Procurai, e encontrareis! Pedi, e vos será dado! Batei, e vos será aberto!” (Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, Abdruschin -Não se trata de nova religião).

ESPERANDO POR MELHORAS

Na América Latina formaram-se grupos que lutaram entre si para atender às próprias cobiças de poder. Nesse meio, os poderosos e interesseiros mundiais aproveitam para obter vantagens, dominação da economia e das massas, enquanto a população permanece atrasada, perdendo até o saber natural herdado dos antepassados. Os jogadores mundiais se posicionam no Coliseu. Europa x Rússia. Estados Unidos x China. O dólar, que muito poderia ter contribuído para o progresso da humanidade, se tornou o alvo. Que confronto surgirá disso? De que lado ficará o Brasil e a América Latina?

O dólar vai perder espaço e valor? O que se passa, uma guerra monetária e cambial? Seja como for, acima de tudo paira a Justiça traduzida nas palavras “cada um colhe o que semeia”. Atualmente há na economia mundial uma conjunção de problemas: inflação, juros, retração, ameaças à força do dólar. Não dá para resolver tudo de uma vez. Que caminho será adotado? Mais juros, mais retração, dólar mais forte; ou menos juros, dólar mais fraco, inflação persistente. Qual será a prioridade? A vida é o presente que recebemos; harmonize. O ser humano precisa de bom senso, raciocínio lúcido, capacidade de compreensão. As novas gerações não podem continuar perdendo a essência, não podem se afastar do humano; devem ser humanos de fato.

Em seu longo processo de criação, a Terra, como mesa posta, foi dotada de tudo para atender às necessidades dos seres humanos cuja única obrigação era a de compreender e respeitar as leis da naturais da Criação. O viver deveria ser uma peregrinação para a evolução. A miséria é um pesadelo criado pelos homens e que não deveria existir se as pessoas não tivessem tanta ganância e cobiça, pois a economia poderia seguir um ritmo natural, sem provocar essas crises que se traduzem em austeridade para nações que já estão no limite de um viver condigno para a classe trabalhadora de baixa renda.

O dinheiro é uma variável construída para se autoalimentar através das movimentações que vão sendo contabilizadas, agregando os resultados. Isso fatalmente acarreta o aumento da liquidez, do dinheiro em circulação, e se não houver correspondente produção de bens, surge a inflação de preços. O que aconteceu? A renda da classe trabalhadora tem sido contida. Os Estados-nação foram atraídos para tomarem empréstimos, endividando-se e pagando juros. Surgiu a economia cassino com a jogatina nas bolsas de valores e outras entidades promotoras de apostas. Com o tempo, veio o capítulo atual: nações endividadas, bolsas sujeitas a crises de valorizações tipo bolha e seu esvaziamento, preços em elevação, rendimentos decrescentes do trabalho.

Resumindo, a política monetária tem favorecido interesses de grupos poderosos que concentram a riqueza. Produzir dinheiro para sustentar a especulação financeira agravou o desequilíbrio econômico mundial. O combate à miséria humana ainda não se revelou como a prioridade das nações, muitas das quais não dão o mínimo respeito ao equilíbrio das contas e ao progresso da população. O deficiente funcionamento requer melhoria na educação, saúde, trabalho, moradias. Há desequilíbrios e incoerências gerais, inclusive na questão tributária. As nações dependem da arrecadação dos impostos e dos financiamentos.

O consumidor sempre paga o imposto quando se trata de produtos fabricados no Brasil; até na carne comprada no mercado. Minérios, alimentos e outros materiais básicos produzidos no Brasil e exportados só pagam imposto no país destino. No entanto, muitas coisas importadas não pagam imposto, seja pela legislação ou manobras tributárias que reduzem a base de cálculo. Importações pela internet estão fora da tributação. É bom para o consumidor, mas melhor seria se a nação produzisse mais, com qualidade e preço justo. Para cobrir o déficit nas contas, o Brasil toma empréstimos e arca com os juros.

Hora difícil da humanidade. As disputas que vinham desde os anos 1500 movimentando os europeus, têm agora uma China diferente com cacife e determinação. Podemos esperar pela paz e solução dos desequilíbrios econômicos? Podemos esperar melhora nas condições de vida no Brasil, na educação e qualidade humana? Ou ainda permaneceremos atados aos interesses das nações fortes que buscam vantagens para si através do convencimento das autoridades guindadas ao poder pelo sistema eleitoral?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

ESCOLA E EDUCAÇÃO

Em meio à turbulência, agendas mesquinhas giram em torno do cumprimento de formalidades vazias. Não há patriotismo, não há objetivos nobres aglutinadores das vontades. A desagregação vai tomando conta de tudo face à acelerada atuação da reciprocidade, a colheita de tudo que a humanidade semeou.

A escola está enfrentando muitas dificuldades para dar bom preparo para os estudantes. Nos anos 1950, a escola pública funcionava bem na cidade de São Paulo e os estudantes iam direto para o exame nas universidades e passavam. Depois vieram os cursinhos, necessários para enfrentar o vestibular. Tudo mudou nas famílias, na disposição dos jovens, nas escolas e professores. Vale ressaltar que a ciência da natureza é fundamental para os jovens, pois é nela que está a base para todas as demais ciências e para a sustentabilidade do planeta. Educar é preparar para a vida, aprimorando a essência humana em vez de embrutecê-la e desvalorizá-la.

Atualmente, os jovens passam muitas horas brincando com os jogos eletrônicos que consomem um tempo enorme para nada, não sobrando tempo nem vontade para a leitura e atividades benéficas. Não se deve encher a cabeça das novas gerações com inutilidades. O ser humano precisa de bom senso, raciocínio lúcido, iniciativa, capacidade de compreensão. Não se pode permitir que os jovens percam a essência humana que se esvai quando a busca pela compreensão do significado da vida é abandonada. A motivação fundamental para a vida tem de proceder da essência humana, do querer do eu interior para construir e beneficiar, e não ser originada do medo e das ilusões.

A ciência, afastada das leis da natureza, é teoria criada pelos homens para justificar seus fins egoísticos de cobiça de poder. Especular com as moedas é uma barbaridade que traz nefastos efeitos para a população. Em geral, as crises financeiras se originaram na desenfreada especulação, bolhas e retraimento que exigem a criação de dinheiro para não aniquilar a economia, e as consequências são os excessos de liquidez e de produção deficiente que exige importações de manufaturas mais baratas de regiões onde a mão de obra recebe o mínimo salário para a subsistência precária.

O “financeiríssimo”, a busca do ganho máximo, agravou as condições de vida nas nações atrasadas. A mudança das fábricas para a Ásia ampliou o desequilíbrio e o atraso, enquanto os EUA perdem espaço na geoeconomia. O que esperar dessa nova ordem que vem surgindo? Não há para onde fugir enquanto os indivíduos de todas as classes continuarem se esvaziando de sua essência humana.

É fácil para o poder público gastar o dinheiro dos impostos; difícil é aumentar a receita de forma coerente. Produzir utilidades é a variável essencial na equação da melhora das condições gerais de vida na nação. Com aumento da carga tributária e queda na renda, aumenta a precarização visível em torno do rodoanel e das rodovias que cortam a grande São Paulo; o declínio é pavoroso. As cidades do ABCD paulista, além de Taboão da Serra, Embu das Artes, Osasco, Caieiras, Francisco Morato, Franco da Rocha, enfim o círculo completo, apresentam uma triste e pavorosa visão da decadência.

O Estado, tornado um centro de captação de recursos tributários, atraiu o olho gordo de pilantras que fizeram dele um puxadinho para se refestelarem na mordomia e poder. Não há perspectiva para mudar essa situação. Se em São Paulo o consumidor de carne está pagando ICMS de 4,5%, não seria o caso de criar uma taxa única sobre as exportações de itens essenciais e commodities que requerem trabalho, água, solo e outros insumos?

O Fim dos Tempos vai chegar a qualquer dia, mas atualmente se observa um terrorismo negativista paralisante, que introduz o veneno do medo. Há séculos o ser humano está decaindo devido ao travamento da intuição, que pouco participa da inata capacidade de livres resoluções. O espírito tem visão mais ampla que o cérebro, mas ao neutralizar a ação do espírito, o indivíduo cai no enrijecimento como máquina. A ciência afastada das leis da natureza é teoria para justificar fins egoísticos de cobiça de poder. O ser humano precisa de bom senso, raciocínio lúcido, capacidade de compreensão. As novas gerações não podem continuar perdendo a essência humana.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br