Posts

A CRISE É SEVERA

Estamos enfrentando um tipo de crise mais severa por alastrar-se a vários setores e a diversas regiões do mundo como, por exemplo, os coletes amarelos de Paris, a crise dos refugiados da Síria, os desacordos na Inglaterra com a questão do Brexit relativa à saída daquele país da União Europeia, os ataques a petroleiros no golfo de Omã, e no Brasil endividado surgem muitas confusões como greves e paralisações.

Não está fácil entender o que acontece no nosso país e sua atual economia errática. Estamos ficando para trás na guerra econômica global. Os argumentos e análises se tornam eleitoreiros, sem que haja esforço para a compreensão das causas do atraso geral. O país do futuro fica amarrado na mesquinharia dos políticos. É como disse Getúlio Vargas, todos querem alguma coisa para si e para seus amigos, nunca para o bem do Brasil.

Desenvolvimento e aprimoramento da humanidade se tornaram secundários, tudo se tornou questão de dinheiro. Urge fortalecer a vontade para fortalecer o humano. A evolução da humanidade e a produção de bens requerem liberdade e responsabilidade. Muitas pessoas acusam o capitalismo como responsável pela geração das misérias, mas antes de surgir esse e outros sistemas econômicos, o homem já tinha se afastado do espiritual, dando mão livre ao seu egoísmo e cobiças.

O problema real se situa no afastamento da espiritualidade, resultando nos sistemas desequilibrados como consequência. O reequilíbrio só poderá ser reconquistado com a busca sincera do saber sobre o significado da vida e da integração Espírito-Alma-Corpo. Há no mundo muita tristeza; falta a alegria e a coragem do espírito desperto. É preciso ser forte. Mas onde se escondeu o espírito que deveria agir embelezando e beneficiando tudo?

Os seres humanos se matam por poder e dinheiro, o que mais falta é a generosidade do coração. Quase nada foi entendido sobre os esclarecimentos de Jesus a respeito da vida. Ele não tinha qualquer pretensão ao poder, cargo ou honrarias terrenas, pois seu reino não é o perecível e transitório mundo material ofertado à humanidade para que pudesse evoluir espiritualmente, e não para aqui vir e portar-se como dono no curto período da existência terrena.

O Brasil é tido como país abençoado com povo amigo, respeitador, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendita seja a pátria chamada Brasil. Isso tudo impõe alta dose de responsabilidade. Que seu povo atraia a Luz do bem. Temos de deixar de ser país subdesenvolvido espiritual e materialmente. Temos de adquirir discernimento para seguir nosso destino. Para isso precisamos de adequado preparo para a vida, desde a primeira infância.

O fluxo de caixa do governo vem sendo detonado há décadas. Não há poupança. O crédito é raro e caro. O governo arrecada uma fatia gorda e deveria dinamizar a economia com bons investimentos. Nos anos 1980, havia a dívida em dólares e como esforço para o resgate havia o lema “exportar é o que importa”, mas isso acabou sendo descuidado e os empregos foram sumindo. Hoje, o Brasil permanece exportando commodities. A renda é baixa e está encolhendo, faltam capitais produtivos. Os investidores privados têm sido ágeis em fazer aquisições lucrativas e obter ganhos especulativos, mas na economia ainda não surgiram resultados positivos, em compensação aumenta o passivo na remessa de lucros e a dependência a interesses externos. O PIB precisa crescer e gerar empregos.

O cenário internacional se complica. A crise se agrava. Cada grupo cuida de seus interesses, sem encarar os problemas e suas causas para encontrar as soluções. O governo tem uma arrecadação tributária expressiva, mas planeja mal, gasta tudo e ainda fica devendo, pouco investe e mesmo esses investimentos têm sido realizados de forma estúpida e com desvios. Milhares de obras foram iniciadas e interrompidas, é quase como se o dinheiro tivesse sido jogado fora.

A gestão governamental tem sido precária e sem planejamento. Atabalhoadamente tenta-se reduzir o déficit fiscal. Foram tantos erros que agora poucos se arriscam a fazer sugestões. Muitas pessoas preferem engrossar as críticas que nada resolvem, mas engrossam o clima de incerteza quanto ao futuro do Brasil, que ainda não achou o caminho sadio da recuperação com participação e o apoio de todos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

O BRASIL E A DÍVIDA

Estamos mais uma vez no buraco, pois deixaram a dívida subir. A arrecadação caiu. Faltam bilhões, sem contar os juros. Está em curso no mundo uma disputa pelo poder financeiro e tecnológico. A especulação financeira continua desenfreada. A China aproveita os fatores favoráveis e vai produzindo e colocando seus produtos no resto do mundo com poucos empregos, trocando-os por dólares, enquanto os outros, Brasil na frente, estão desorientados, brigando escandalosamente pelo poder interno e precisando equilibrar as contas para segurar a dívida irresponsavelmente descontrolada para poder tomar novos empréstimos, pois não podem emitir para não depreciar a moeda.

Os supersalários públicos e as superaposentadorias contêm abusos e privilégios anormais. A queda na renda já afeta o consumo. Aumentar a produção é imperativo. O monetarismo vai colhendo ganhos até onde dá, depois fica sem maiores alternativas para ativar a produção e consumo que requerem atividades úteis e benéficas. Sem produção, a circulação do dinheiro vai perdendo velocidade trazendo estagnação e deterioração.

Há uma nova turbulência, e é na economia que os efeitos se fazem sentir primeiro, mas os efeitos abrangem tudo. Se olharmos atentamente perceberemos que tudo se acha em ebulição no Brasil e no mundo, inclusive a mania de grandeza dos homens que estão demonstrando a completa ausência do bom senso para recuperar o equilíbrio perdido. Mas o destino é implacável com os desatinos. O mundo está se tornando um depósito de esquizofrênicos. Já começa na infância com a falta de conexão com o eu interior. Vai prosseguindo com a falta de propósitos advindos do querer da alma trazendo forte motivação. Está aberto o caminho para o vazio da vida sem sentido, para os transtornos emocionais e uso de drogas.

Na fase atual, tudo acontece aceleradamente, muitas vezes nos pegando de surpresa, gerando ansiedade. Ficar lançando pensamentos de ansiedade a esmo cria um ambiente tenso que vai bloqueando a intuição. É preciso cultivar a serenidade, só assim damos chance para que o espírito possa examinar intuitivamente e nos alertar.

Há muito dinheiro sem ter em que ser aplicado. Os BCs baixam os juros, mas para o pequeno tomador os juros permanecem caros. Nos países em geral caiu a produção de manufaturas e empregos. Os bens importados geram poucos empregos e levam divisas para fora. Cai o salário, afetando o consumo. Juros negativos não conseguem resolver o problema do desequilíbrio na produção. Tudo junto gera a tal de estagnação secular de produção e empregos em rota descendente.

É o fundo do poço. Os serviços dependem da renda auferida pela população em outras atividades. Bancos automatizam. Governo corta tudo. Indústria não sabe o que fazer com a superprodução global em liquidação. Na globalização, como novo mercantilismo, as nações estão produzindo com todos os artifícios visando os mercados externos para trocar manufaturas por dólares. As nações da América do Sul permanecem endividadas e fornecedoras de commodities. Amigos do Brasil seriam os países que viessem investir para aumentar produção e empregos, mas no atual desequilíbrio da economia o mundo vive o salve-se quem puder, como se observa na guerra das tarifas.

A economia brasileira anda mal já faz tempo devido ao artificialismo nos juros, no câmbio, na fragilização da indústria, no preparo da mão de obra. Predominam as falcatruas e corrupção, tudo indo afetar a economia. A bolsa, como em outras regiões, deveria funcionar como plataforma de investimento e desenvolvimento, mas se tornou a mina onde os garimpeiros buscam ouro; funciona como cassino onde o dinheiro esperto cava oportunidades de ganhos.

No mundo globalizado, não basta o simples comércio para a paz democrática. No Brasil, exportamos as montanhas de minério, mas contamos 13 milhões de desempregados. A paz e a democracia deverão ser consolidadas com o equilíbrio econômico e comercial entre os povos. Para competir com China e Coreia do Sul, será que os países terão de impor o 9x9x6, isto é, 72 horas de trabalho por semana sem adicional de hora extra? Muito do comércio mundial tem dado vantagens para uns em prejuízo de outros, o que abriu o caminho para líderes nacionalistas, pois as repúblicas não ofereceram o esperado pela população. O Brasil não deve permanecer sendo tratado como colônia de commodities e permanecer decadente.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

BICICLETAS ESPECULATIVAS

A humanidade já vinha há algum tempo perdendo o rumo, dando espaço às tiranias. Após séculos de predomínio da Igreja e seus reis, foi surgindo a ideia do dinheiro que, tomando corpo, deu origem ao Estado Democrático Republicano, garantidor da moeda – essa desconhecida misteriosa que desafia os mais experts economistas e complica a vida dos governantes. Surgiram os Bancos Centrais.

Há um desarranjo global. O dólar se tornou a moeda que movimenta as engrenagens da economia, mas acabou sendo um elemento de conflitos e o grande alvo da humanidade. A busca por acúmulo de dólares permitiu todo tipo de manobras para favorecer uns em prejuízo de outros. A China almeja privilégios semelhantes com sua moeda, mas estamos diante de um balaio de gatos sem saber quem manda mais?

Os políticos foram exorbitando, deixando de cumprir seus deveres junto à população. Os Estados se endividaram. As novas gerações não receberam o preparo adequado. A insatisfação cresceu. Diante da decadência, o que está em risco é a própria humanidade, a individualidade, a clareza no pensar, a fixação de alvos nobres. Como resolver a questão dos fluxos financeiros, rios de dinheiro para lá e para cá em livre trânsito agitando a flutuação cambial?

A difícil paz e progresso humano em regiões dotadas de abundantes recursos naturais e com poucos estadistas voltados para o bem geral da população, prevalecendo interesses econômicos e financeiros em meio a lutas pelo poder e radicalismo religioso. Felizmente o Brasil se constituiu em nação em 1822. Outras regiões colonizadas só alcançaram a autonomia no século 20, mas ainda permanecem como arena de conflitos.

Desde a época de sua independência, o Brasil recebe ataques. A imperatriz Leopoldina foi vítima de vários atentados, mas conseguiu levar avante o projeto de criar uma nação autônoma e do bem que deveria se voltar para a Luz. De lá para cá foram inúmeros os ataques para jogar o Brasil na mão das trevas. Uma nova cartada está em andamento. Urge manter a serenidade e a força de vontade, confiando na Luz Divina para se abrir aos canais do auxílio. Quem reconhece a força do espírito e a utiliza para o bem, torna-se um benfeitor da Criação.

A mudança climática e outras alterações da natureza em andamento são grandes ameaças para a espécie humana. Mas há uma outra grave ameaça pouco reconhecida e estudada que são as mudanças de comportamento das novas gerações que estão perdendo a individualidade e a criatividade. Das inspirações mais elevadas decaímos no sentimentalismo, e agora nem isso; só fantasias embrutecidas geradas por cérebros mecanizados sem calor humano.

A indústria foi severamente golpeada com o dólar barato. A dívida pública subiu tanto chegando ao gargalo através da irresponsabilidade dos gestores e da acumulação de juros compostos elevados. A previdência é uma questão complicada. As mais custosas aposentadorias estão nos altos cargos do setor público. Vamos supor que o grande capital financeiro reinvente as vantagens de se aplicar no Brasil. Se houver uma volumosa entrada de dólares, então qual será o efeito para a economia real?

Vai aumentar a produção de bens e empregos? A população terá melhores condições de vida e de desenvolvimento da qualidade humana? Ou continuarão as bicicletas especulativas de entrada de dólares na desvalorização do real para saírem mais gordos na valorização? Basta ver a questão das balanças comerciais, da deslocação de empresas e empregos. Como ter consenso para restabelecer o equilíbrio geral? Na ausência disso, as pessoas se tornam contrárias à globalização.

O enrijecimento vai crescendo. A vida vai apertando. O tempo vai encurtando. Mas é preciso lutar e ir em frente com coragem e confiança. Se todos agirem com respeito e consideração na família, no trabalho, no trânsito, na vida em geral, as pessoas terão a percepção de que não somos inimigos, que não estamos em luta e que cada um de nós é um peregrino que precisa alcançar a evolução pessoal e espiritual.

O Brasil precisa de produção, emprego, renda consumo, equilíbrio nas contas, tudo para melhorar a arrecadação. Estamos entregando as riquezas da natureza e regredindo, precarizando, nivelando por baixo na educação, no salário, na aposentadoria. Esperemos que o bom querer da população do Brasil impulsione os ventos da renovação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7