Posts

ESTUPIDEZ E SIMPLICIDADE

Foi a estupidez humana que no passado gerou esta situação de calamidade. Mas é bem isso, o Brasil, um país que tinha tudo para um viver condigno está curvado de pires na mão devido à incompetência ou má fé de seus gestores. Estupidez e arrogância estão nas falas empoladas utilizadas por alguns juristas, economistas ou eruditos. É quase um exercício de ocultismo.

O pensar deve ser simples, claro, lógico; o falar também. O pensamento simples tem muito mais abrangência do que as sofisticadas ginásticas mentais que parecem querer encobrir a verdade. Mas para pensar com clareza o ser humano tem de se esforçar para ouvir a própria intuição, o eu interior que está sufocado em meio à balburdia reinante e à falta de propósitos enobrecedores. Senão passam a prevalecer as mentiras, o logro, as dissimulações dos reais objetivos, e a simulação de falsa generosidade.

A turbulência produz insatisfação fortalecendo as ideologias do ódio dos humanos contra os humanos. A educação infantil, o primeiro degrau do aprendizado, não pode ser descuidado. Na escola pública, para a formação básica, o ensino vem decaindo desde os anos 1960 e não se recuperou até hoje. Seria o caso de implantar a sugestão do ministro Paulo Guedes referente a dar oportunidade de bom preparo para a vida aos jovens no Exército, com cursos e atividades?

Os materialistas só respeitam dinheiro e poder. A democracia vai se tornando uma fachada que acoberta interesses escusos. Com sua elevada população, a China enveredou pelo caminho de produzir e exportar com preços atraentes, acumulou reserva, aperfeiçoou o sistema de governo forte em oposição ao sistema ocidental democrático que se tornou corrupto e relapso. Urge restaurá-lo, pois o modelo de gestão com mão de ferro se tornou atraente para transformar os humanos livres em servos.

A técnica é processo contínuo, mas foi interrompido no Brasil com a desindustrialização. Imagine a técnica associada ao objetivo do aprimoramento da espécie humana. Vai daí que Diógenes, filósofo grego, andava com a lanterna à procura de honestos sem encontrar. Hoje está ainda pior em todas as classes e profissões, inclusive na dos gestores públicos. A honestidade foi substituída pela cobiça de poder e dinheiro. Ler jornais era o prazer de muitas gerações para se informar, acompanhar a diversidade de ideias; hoje tudo ficou pasteurizado e tendencioso, e com isso as pessoas desanimam.

A tendência de colocar o dinheiro e a finança acima de tudo se fortaleceu após a Segunda Guerra, e tudo passou a girar em torno do aspecto econômico, acirrando as disputas e estabelecendo regime selvagem de astuciosas luta por poder e dinheiro. Os países pouco desenvolvidos se tornaram inexpressivos diante da geopolítica e por causa dos seus políticos, em sua maioria ambiciosos e despreparados para gerir uma nação. Os EUA tomaram a dianteira. A China desponta numa situação não alcançada pela Rússia, Europa, e Japão, mas a China tem sistema de gestão com mão forte sem os entraves de outros poderes. O Primeiro Ministro Chinês tem a corda na mão; bobeou, dançou.

No cenário da economia mundial, as pedras estão caindo como jogo de dominó e ninguém sabe quando isso vai parar. No Brasil, é ainda mais trágico. Faltam recursos, ficamos no atraso geral, e com a guerra política não se sabe mais o que é verdade ou invenção. Como reerguer as peças que vão caindo, desestabilizando tudo?

As engrenagens da economia vêm emperrando há décadas e atingiram o auge do desequilíbrio com a pandemia. O que o Brasil pode fazer para restabelecer atividades que permitam uma vida condigna para todos que se esforçam e equilíbrio nas contas? Urge cortar os exageros nos custos da máquina e a roubalheira. Mas como aumentar a produção, empregos, renda, consumo, progresso? Os críticos e os economistas devem pôr de lado ideologias e teorias abstratas. Como fazer as engrenagens funcionarem satisfatoriamente no combate à miséria e atraso? A população espera contribuições sérias e coerentes.

Convém que os cientistas condecorados ouçam as vozes de estudiosos mais simples que se esforçam para auxiliar os seres humanos, pois a sabedoria se encontra na diversidade, na análise objetiva, sem preconceitos ou interesses. Se continuarem como sempre, estarão agindo contra a humanidade.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

MOMENTO DE ANSIEDADE MUNDIAL

A economia mundial apresenta-se fragilizada, inclusive no Brasil onde pouco se produz, embora haja baixo consumo. Dentre as causas se incluem a concentração da renda nas mãos de poucos e o encolhimento dos salários de muitos. Há grande volume de dinheiro, juros beirando a zero, e daí? Ocorreu uma mudança radical na estrutura produtiva mundial com a busca de menores custos de mão de obra, o que causou aumento da precarização no ocidente, e alguma melhora no oriente, do qual pouco se sabe das reais condições de vida.

Entre as causas do entorpecimento da atividade econômica no Brasil está o enlace do tabelamento do preço do dólar com juros elevados. Se os juros tivessem baixado há mais tempo, e com seriedade na administração pública, os empresários deveriam ter seguido uma linha idônea de produzir com qualidade e preços normais. Agora que a indústria está no chão, os juros baixam, mas os importados não querem ceder espaço. Necessitamos de grande esforço para reanimar as atividades e sair da estagnação tecnológica, pois a revolução industrial 4.0 está em curso no mundo despreparado para evoluir.

É preciso examinar atentamente as causas da paradeira que aflige não só o Brasil. Corte de juros não garante crescimento imediato, mas vai dar um alívio. Temos os fatores internos, corrupção, indisciplina fiscal, incompetência dos governantes que aproveitaram a maré de dinheiro pelo mundo, mas a crise financeira de 2008 fragilizou o ocidente, enquanto a China foi consolidando sua máquina de produzir manufaturados e acumular dólares. Mas agora o mundo, com alto endividamento, se defronta com novos problemas e incoerências econômicas. O funcionamento equilibrado da economia requer atividades produtivas e empregos para a população.

Há décadas o Brasil trava luta contra inflação, aparentemente domada, mas e a economia real da produção e empregos? Há muitos fatores além da inflação para serem acompanhados como o PIB, os empregos, o dólar que é a variável mais decisiva para o funcionamento geral da economia. Os países progrediram produzindo para o mercado externo; fizemos o oposto e agora não estamos produzindo nem para o mercado interno.

Muitos trabalhadores perderam a vaga nas indústrias de manufatura e de serviços relativamente sofisticados, e tiveram de se empregar em outras áreas como varejo, restaurantes, padarias etc. O remanescente dos ferramenteiros não tem mais onde exercer a sua profissão. A inflação tem de ser controlada, mas o PIB não deve cair.

No ano passado, o déficit comercial dos EUA com a China chegou a US$419 bilhões. Após o anúncio do FED sobre a redução dos juros, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou tarifas de 10% sobre mais US$ 300 bilhões em produtos chineses intensificando a guerra comercial. Que consequências esses anúncios poderão trazer para a economia? No Twitter o presidente Trump disse que se as empresas estrangeiras não quiserem pagar tarifas devem se transferir para os EUA e gerar empregos no país.

Se as grandes empresas e os governantes tivessem olhado para a questão do equilíbrio geral, provavelmente não teríamos chegado a essa situação de guerra comercial de difícil solução face aos interesses envolvidos. Os sistemas econômicos deveriam ter como meta atender o crescimento natural da população. Cada povo surgiu numa determinada região formando espontaneamente uma nação, mas são erradas as manias de grandeza que os seres humanos intelectivos costumam desenvolver.

O momento atual exige extrema cautela e vigilância. Há uma grande efervescência de desejos e vontades, mas, ao mesmo tempo, há um poderoso reforço de energia da Luz que impulsiona as leis da Criação para os desfechos individuais e coletivos dos fios do destino tecidos por cada ser humano. Nada mais pode ficar parado, tudo tem de se movimentar e se mostrar como realmente é, e não como aparentemente se apresentava.

É muito importante observar atentamente a sintonização, o que estamos querendo, o que estamos pensando, pois tudo recebe reforços, sejam os pensamentos negativos de desconfiança, medo, ódio, inveja e cobiça, assim como os pensamentos voltados para o bem, para a busca da Luz da Verdade. Consciente ou inconscientemente, todos são envolvidos na turbulência. Que seja um envolvimento benéfico e construtivo que enobreça e eleve as criaturas humanas.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7