Posts

GERAÇÃO DESORIENTADA

A política deixou de ser exercida por estadistas atentos ao futuro. A economia se tornou imediatista visando ganhos de curto prazo, mas no longo prazo os resultados dessa forma de agir falam por si. A economia deveria seguir seu curso em liberdade, pois a interferência governamental acaba sendo nociva, mas requer um consenso entre governo, empresas e população. Objetivos factíveis com a participação de todos.

Com a falta de preparo e indolência, a população acaba sendo manipulada em função de interesses particulares. Os políticos pensam na próxima eleição, as empresas, para o lucro imediato, e as pessoas se deixam enganar, esquecendo que o progresso é fruto do trabalho persistente. Tudo acaba perdendo a naturalidade e a consistência, tendendo ao desmoronamento. Os humanos deveriam conviver em paz e progresso, cumprindo sua tarefa melhorar as condições gerais de vida no planeta, mas em vez disso querem ser donos do mundo e ficam brigando para ver quem manda mais.

O mundo ficou convulsionado e instável, na economia não há um parâmetro dentro da normalidade, tudo subordinado a interesses daqueles que dividem a riqueza, o poder e as conveniências momentâneas. Não é à toa que o navio ameaça afundar. Na gangorra cambial, quando há renda, o real valoriza e os brasileiros importam e viajam levando dólares para fora. Quando a renda cai, o real desvaloriza, o que deixa tudo mais barato em dólar. Um sistema monetário canibal com conivência da classe política.

Como o país obtém dólares? Exportando, vendendo ativos ou tomando empréstimos, e agora, inclusive, através do mercado aberto atraindo dólares com juros altos. Desde o plano real, o dólar ficou barato à custa de juros altos para conter a inflação, permitindo importações de produtos com valor inferior ao produzido no país. Quanto isso custou? A dívida pública está em R$ 5,5 trilhões, e a indústria foi minguando, empregos sumindo, e a arrecadação em baixa exigiu aumento nas alíquotas.

Como se chegou ao descalabro fiscal? No início era tudo liberal, mas havia responsabilidade com os compromissos assumidos pelos governos. Depois veio o relaxamento na contratação de pessoal, a demagogia, as obras superfaturadas, os déficits, os juros extorsivos, a União como cobertor. Havia de onde tirar o dinheiro, mas com a crise econômica, a perda na produção industrial, nos empregos, na renda, na contenção do câmbio, tudo ficou estreito.

A má gestão, a corrupção, a forma relaxada como se permitiu o aumento da dívida pública levam à venda de ativos para reduzir a dívida monstruosa e ainda continuar devendo muito. A classe que trabalha e mal ganha para o sustento está arcando com o ônus do descuido geral.

O Brasil foi sendo sucateado e endividado. Segundo o economista José Oureiro: “O que acontece é que 20 a 25 anos de juro alto e câmbio valorizado provocaram efeitos de histerese na produção industrial. Foi um período muito longo durante o qual a indústria de transformação não investiu em modernização, perdeu mercados no exterior e permitiu que se abrisse um grande hiato tecnológico entre o Brasil e os países mais competitivos.”

A grande questão da educação é que os pais estão desorientados, não se lembram mais por que nasceram na Terra nem qual é o significado da vida. Assim, o viver vai se tornando uma chatice porque não há propósitos enobrecedores, não há rumos claros e os jovens se sentem desamparados neste mundo onde a natureza está reagindo de forma drástica. Na economia, os empregos estão sumindo e os líderes não sabem o que fazer com a massa disponível e sem renda, então as telas (de smartphones, computadores e televisão) se apresentam como uma forma de manter a turma distraída e camuflar o problema.

Não basta brigar só pelo clima. “Demonstramos que estamos unidos e que nós, jovens, somos imparáveis”, disse Greta no Palácio de Vidro, sede da ONU, onde foi aplaudida. Mas os jovens precisam ser orientados com bom preparo para compreender o significado da vida e suas leis naturais e ver que há muitas áreas para atuarem. Relaxadamente, o planeta virou uma lata de lixo, os rios uma cloaca devido à falta de saneamento e ao aumento das moradias precárias. Isso tudo têm de ser combatido pelos jovens com a mesma ênfase.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

UMA GERAÇÃO FORTE

O Brasil enfrenta crise múltipla: falta confiança na elite política, crise econômica e falta de consenso sobre o que é melhor, pois há polarização de interesses. O país está muito aquém da posição em que deveria estar face aos recursos de que dispõe, mas tem sido mal gerido, por políticos mal intencionados que não se esforçam pelo bem do país. Há muitas incertezas. Esperemos que o Brasil possa reencontrar o caminho do progresso com seriedade.

No ano de 1889 tinha início a República, num país rico em recursos ofertados pela natureza, mas pobre face aos maus governos que teve. Passaram-se 129 anos. Neste ano de 2018 ocorre eleição para presidente. Há miséria, destruição e precarização para onde quer que se olhe. Qual candidato será o escolhido? Qual deles tem a vontade e as qualidades necessárias para reverter a situação, tornando o Brasil um país humano e próspero que possibilite a evolução condigna?

Em 1889 ocorreu a vingança contra a Princesa Isabel. A república criada não integrou a população escrava que havia sido liberada das fazendas. Hoje ainda não temos saneamento elementar para grande parte dos habitantes. Rios e riachos vão empurrando esgoto para as praias próximas. Quanto descuido e irresponsabilidade da humanidade com relação à preservação da qualidade das águas. Isso provocará muitas confusões no planeta. Quando, afinal, os munícipes terão 100% da sua água e esgoto tratados?

Em meio à forte turbulência, há também inúmeras narrativas sobre a atual situação do Brasil e não se sabe mais em quem acreditar. A realidade é brutal, em permanente crise, havendo pequenos intervalos com alguma melhora. Temos um país pobre, embora rico em recursos naturais. Dívida elevada que se formou com desmandos, juros e perdas cambiais. Baixa educação. Menos oportunidades de empregos. O dinheiro foi mal administrado com enormes desperdícios e desvios. Riscos enormes de continuar como estamos, decaindo; ou estabelecer um perigoso governo forte, ou um governo esquerdizante? O que será?

Falta o principal: estadistas sinceros, leais, sábios que busquem o melhor para o fortalecimento da nação, da população e da qualidade de vida. Os falsos estadistas continuam se digladiando para ver quem manda mais, quem fica com o pedaço mais suculento e, com isso, o futuro vai ficando ameaçado. As novas gerações, com pouco preparo para a sua responsabilidade, estão perdendo a esperança. Mas afinal como foi que o Brasil e o mundo chegaram a esse momento caótico na economia que a tudo constrange? Haja Luz e Paz para que possamos progredir de fato.

O capital humano é desprezado no Brasil e, nos países desenvolvidos, um pouco menos. Precisamos de produção, trabalho, preparo das novas gerações, consumo adequado. Na China foi usado ópio para obter riqueza e promover a fragilização; no Brasil a alienação da vida real e as drogas chegaram logo bloqueando o surgimento de propósitos enobrecedores para uma construção sadia.

Como conscientizar os jovens de que o estudo é para eles mesmos, para se aprimorarem e buscarem melhores condições de vida? Com famílias desestruturadas e sem terem frequentado creches com cuidadores aptos a dar bom preparo para a vida, ficam facilmente influenciáveis para regredir como seres humanos. Teriam de dedicar alguns minutos diários para a leitura, pois é por meio dela que surge espaço para as reflexões próprias.

Precisamos de uma geração forte, bem preparada para a vida, que desde cedo reconheça a necessidade de equilíbrio em tudo, disposta a empregar o melhor de si para alcançar um futuro melhor e humano. Os jovens precisam aprender a refletir e a liberar a ampla visão intuitiva e ter a consciência de que é preciso aprender sempre, pois a vida real requer o aprendizado do espiritual e do material.

Sem equilíbrio na conduta chega-se ao ponto de saturação. Para receber é preciso retribuir. O cérebro não poderia agir desvinculado da ancestralidade e do saber inato de como funcionam as leis da vida. Mas tanto forçou que passou a agir por si como máquina que não tem compromissos com a vida e vai levando tudo na ignorância do perdido saber que retira do homem o seu aspecto humano, tornando-o imediatista e inconsequente por não enxergar o amanhã da existência. O país declina e todos sofrem as consequências dos desatinos.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7