Posts

O ARCO-ÍRIS DA ECONOMIA

A religião não apreciava os ensinamentos de Jesus: orientar o comportamento das massas, controlar a política, poder e mando. Usar a religião para dominar e manipular a massa é algo maquiavélico. A indolência do indivíduo não lhe permite mais refletir intuitivamente para buscar a verdade. A indolência é fatal. Há uma multidão de seres humanos que vivem de forma displicente, não vigiam e não oram, mantendo adormecida a vontade de ir ao encontro da Luz da Verdade.

Após longos preparativos, deu-se a separação entre política e religião e seus dogmas, o Estado laico, mas não trouxe para a massa o progresso esperado. Os políticos decaíram ainda mais, revelando até onde podem se rebaixar. Péssimos gestores, muito difícil obter melhorias gerais sem que o ser humano busque se tornar realmente humano. O povo caminha apressadamente, para onde vai a humanidade?

A economia é composta de inúmeros itens e processos de produção escassos e essenciais, empregos e consumo, que revelam as dificuldades tanto para nações com planejamento e decisões centralizadas no Estado, como para as de iniciativa privada no comando. A bem dizer há uma balbúrdia que não promove a melhora das condições gerais de vida. Assim a miséria vai aumentando, mas há grupos que sempre se beneficiam da situação. Com o aparecimento de tantos problemas, os bonecos humanos continuam recebendo corda para se moverem, mas a inquietação vai crescendo o que cria dúvidas. Até quando o sistema vai resistir?

Quem controla o dinheiro comanda. A unidade do dinheiro é o dólar, não se sabe até quando; por aí se percebe a dependência das moedas locais como o real. Os políticos da esquerda e direita se confrontam há muito tempo sobre taxa de juros, câmbio, privatização, mas as condições gerais de vida sempre apertam.

As nações da América Latina sempre tiveram problemas para o convívio da moeda própria para operações internas e o preço do dólar. Atualmente, está mais difícil, pois o rearranjo global da produção fabril fez aumentar a dependência das atividades extrativas e agro, e a falta de dólares implica em novas dívidas. O malabarismo monetário tem sido a norma nessas nações sem disciplina no controle dos gastos, mas isso não passa de uma panaceia de efeito limitado. São repúblicas com dificuldades para dar certo porque a atividade econômica vacila e a governança é insatisfatória. É necessário buscar soluções que ativem a economia, gerando produção e empregos.

No arranjo monetário internacional, as questões cambiais e a falta de dólares foram o pivô de muitas crises políticas, pois o dólar comanda tudo. Essa moeda subiu mais de 12% ante o real. Tudo está caro. Não se compra nada por menos de 10 reais. O orçamento familiar está no limite. Qual a causa? O aperto monetário ou produção baixa? Como produzir e competir com a superprodução mundial com preços baixos?

Há tantos índices de preços, mas o dólar é o fundamental. Se sobe, tudo acompanha. A taxa de juros tem sido o meio para atrair dólares para equilibrar as contas. O cenário está complicado. Como deter esse ciclo nefasto para a economia e obter melhora das condições de vida?

Na vida, o colorido do arco-íris vai perdendo espaço. É um sintoma mundial: o colorido da diversidade individual substituído pelo branco e preto da massificação geral. Tudo caminhando para a vala comum da ignorância. Os bonecos sem vontade própria precisam de corda para continuar pulando. Na economia, há sombras travando a produção e a renda.

O tempo que deveria ter sido aproveitado para o aprimoramento e evolução da espécie humana foi desperdiçado com futilidades. O planeta deveria estar banhado de luz e beleza, mas vai ficando cada vez mais feio por onde passa o homem. O mal querer vai mostrando as tristes consequências. Tudo vai decaindo. As nações estão se armando. O cenário é de guerras. A humanidade não percebe o estrago que causou, não há mais tempo.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O TEMPO ESTÁ ENCURTANDO

A Terra, a estrela dos seres humanos, é onde tinham um tempo determinado para evoluir espiritualmente. Mas foram sufocando a sua essência, perdendo a generosidade e a consideração para com o próximo, destruindo o planeta em vez de embelezá-lo. As pessoas se deixaram envolver pela indolência.

Tudo está contaminado há séculos, dando a falsidades a aparência de ser verdade, seja buscando conteúdos “antes, ou depois de 2020”, período em que começaram a ocorrer mudanças. As aparências vão mudando e segurando a atenção, mas percebe-se que há algo em formação. Muitas pessoas falam de Jesus, mas é muito difícil falar Dele, pois sua essência provém do divinal, enquanto a criatura humana é espírito cuja vida tem por finalidade alcançar a evolução. Para viver na Terra é necessário um corpo. Para receber um corpo é necessário pai e mãe. São as incontornáveis leis da Criação.

O tempo disponível se torna cada vez mais curto. O que fazer com o contingente humano que habita a Terra? Como mantê-lo ocupado para que não crie confusão? Com a Inteligência Artificial pretendem estabelecer o poder geral unificado transformando o ser humano em coisa, mas de forma invisível, a Inteligência Natural, movida pelas leis cósmicas, com os ingredientes fornecidos pelas ações da humanidade, vai preparando a grande colheita, a separação do joio do trigo.

Compreender o que está se passando no planeta exige o abandono dos desgastados conceitos sobre o significado da vida. A lei cósmica é simples: nossos atos são sementes que obrigam à colheita futura. No alvorecer do século 21, as leis cósmicas estão acelerando a colheita, pois o tempo está no limite. Isso implica em que milhões de seres humanos tenham de voltar para a Terra num novo corpo, no ambiente áspero que cultivaram, como oportunidade para nova semeadura que produza melhores frutos e possam tirar o pé da lama.

Há um agravamento progressivo das condições de vida na Terra, mas os homens permanecem procurando ouro. Tivemos a pandemia, a guerra entre Rússia e Ucrânia. Em seguida a guerra no oriente médio iniciada com o ataque terrorista a Israel, que gerou uma troca de chumbo com o Irã, e não se sabe até onde isso vai.

As mesquinhas questões da humanidade em sua arrogância e cobiças se tornam mais complicadas ainda desde que a alma foi posta na inatividade, levando à sua irrestrita subordinação ao intelecto. Foram milênios de decadência e devassidão sem que houvesse uma guinada para a espiritualidade, ampliando o sofrimento e a miséria. As trombetas clamam pela justiça das leis divinas.

Assim são os fenômenos naturais, tudo vai acontecendo de forma progressiva para fins determinados. Tudo se acha interligado. A finalidade primordial é a evolução espiritual dos seres humanos de forma consciente, para isso receberam o livre arbítrio, para decidirem por si seguir as leis naturais da Criação que representam a Vontade de Deus, “seja feita a vossa Vontade”. É como se estivessem em cima do muro, de um lado há jardins iluminados e sabedoria, do outro, atraentes prazeres obscuros. Cada ser humano tem o poder de decidir por si o caminho que quer seguir.

Há zilhões em dinheiro no estoque monetário, mas os preços seguem aumentando. O planeta Terra se acha em fase danosa de pobreza e miséria devido às cobiças e ao apego ao materialismo. Isso nos leva a ampliar a forma de pensar. Durante milênios a humanidade desdenhou da paz e não se empenhou em formar um ambiente propício ao progresso real e à evolução espiritual, o que teria levado a um inimaginado progresso material. Há milênios a verdade vem sendo ocultada para desviar os seres humanos da real finalidade da vida. Hoje poucos a procuram. O tempo vai encurtando. Procurai e achareis o caminho que eleva a espécie humana ao ponto em que deveria estar.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

ESQUERDA OU DIREITA?

O ano de 2020 passou, mas deixou fortes marcas no viver dos seres humanos. A mais sensível dessas marcas foi a sensação de insegurança, as incertezas sobre o amanhã. A questão da boa formação dos adolescentes está a exigir providências que combatam o desalento e o isolamento que os mantêm num viver confuso, sem rumo. Mais do que no passado, as pessoas estão vendo a vida e o mundo (a Criação) sem analisar seus significados. Falta a visão cósmica, falta a reflexão intuitiva com o eu interior. O que é o mundo, a Criação? O que é a vida? Para o sistema, a meta tem sido ampliar o consumismo, aumentando o vazio interior.

A humanidade tem seguido por caminhos por ela construídos, mas com a inclusão de erros, não conduzem para o Alto. Aqueles mais atentos percebem as falhas e procuram respostas. Nesse meio surgiu com força uma cultura antagônica que agride o que restou da sabedoria antiga, abrindo caminhos que embrutecem o ser humano, solapando as bases frágeis, deixando um vazio na mente, tornando-a susceptível para ser moldada e manipulada, inclusive para votar, o que vem ocorrendo em larga escala através dos diversos meios de comunicação. Confusos, têm de fazer o máximo esforço para sair das sombras e encontrar o caminho que eleva.

Muitas pessoas já não sabem o que é a vida e a Criação, pois a sua visão de mundo foi deturpada. Sem resistência, acatam tudo que é mostrado através da comunicação de massa, que, com muita habilidade, vai direto ao centro nervoso, conduzindo a percepção exatamente como foi planejada a manipulação mental. Há um processo de transformação em andamento que não sabemos até onde vai; por outro lado, as catástrofes da natureza também chamam a atenção, pois estão se apresentando de forma mais áspera.

As novas gerações com fácil acesso à Internet agem de outra forma, dificultando o relacionamento com os mais velhos. O pensamento produz energia, boa ou má, e irradia o real. Quando uma pessoa fala com a intenção de bajular, a intuição da outra pessoa sente um desconforto; é a falta de sinceridade. Pensamentos atraem a igual espécie, portanto pensamentos confusos não atraem clareza.

A situação das escolas no Brasil é crítica. Tudo favorece o atraso das novas gerações. Quando não são os alunos, são os professores que fazem greves. Como falava um empresário brasileiro: se o governo não atrapalhar, o Brasil cresce e todos poderão ir à pizzaria aos domingos. Esse empresário ia bem, mas nos anos 1990 teve de fechar a fábrica.

A chamada luta de classes está superada. O que está pegando é a acentuada desigualdade na renda. Os preços sobem, o salário não acompanha. Se uma pessoa quiser pagar tudo com dinheiro, tem de levar um montão porque os preços estão altos. Vai daí que o pix e o cartão de crédito são largamente utilizados.

A humanidade está doente e não está procurando o remédio para a crescente aflição. Com seu apego aos prazeres materiais foi deixando as reflexões para depois e as consequências foram chegando de leve. Muitos passaram a abandonar os livros; outros gastam um tempo enorme vendo nas telinhas bobagens que nada acrescentam, e sua capacidade e analisar vai encolhendo.

Está na moda a palavra “polarização”. Esquerda, dita progressista, e Direita, dita conservadora. Que progresso é esse que o homem vem propalando há séculos, mas o que se observa é a contínua decadência? Na verdade, muito do que existe hoje resulta da indolência espiritual e da cobiça por riqueza e poder. Como sempre deveria ter sido, a humanidade deveria estar na categoria do “evolutivismo”, ou seja, na busca contínua do aprimoramento, seguindo a trajetória do progresso real em meio à paz criada pelos homens de boa vontade.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A PODEROSA NATUREZA

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

O planeta Terra é a grande hospedaria destinada à evolução espiritual. Os homens querem riqueza e poder. O Estado-nação foi travado pelas ambições pessoais e ameaça ruir. A China, com sua reserva em dólares conquistada com as exportações, tem caixa único e controle. Agora procura ativos rentáveis que possam conservar e ampliar a reserva, enquanto os EUA, envolvidos em guerras, acumulou dívidas e precisa emitir moeda, comprometendo o dólar. Se a finalidade do planeta tivesse sido seguida, a situação mundial seria amena e pacífica.

Acabou a preocupação, cada um está fazendo o que quer como pode. A licenciosidade sexual posta em prática desde a infância está afetando a maioria dos jovens que se sentem perdidos, sem rumo, pois não receberam a correta educação e não conseguem estabelecer propósitos de vida enobrecedores para seguir em frente como seres humanos de qualidade, fortes, corajosos, autoconfiantes. Está faltando naturalidade em tudo. Vamos torcer pelo aprimoramento da espécie humana.

Todo mundo precisa abrir o olho para o mundo. As massas se acomodaram. O excesso de circo e pão imbeciliza. Os problemas se acumularam. A casta governante foi deixando para depois, e foi perdendo a credibilidade. O futuro está chegando, trazendo o acúmulo dos erros da humanidade que se aferrou ao mundo material, deixando de lado o espiritual. Os acontecimentos dramáticos dão ensejo para refletir sobre a vida e seu significado. O que somos nós?

Os homens querem poder; a sua lógica é a do imediatismo para continuarem se beneficiando. Cada povo e cada nação deveriam estar construindo e melhorando as condições de vida, promovendo evolução e convivência pacífica. O comércio deveria ser complementar entre as nações, mas o egoísmo criou a geoeconomia, o monopólio dos recursos naturais, o mercantilismo, o que requer armas para os países se imporem. O Ocidente fechou fábricas, perdeu o chão do aprendizado. No Brasil, a carga tributária está no limite, a economia não suporta aumentos. Os gastos não se reduzem. Seria importante fazer a economia e a produção crescerem, mas não está fácil.

No século 21, vão aparecendo as consequências do atuar da humanidade, nada mais é sagrado. Estamos perdendo a noção do significado da vida e não nos incomodamos se com nossas ações a destruirmos. A justiça da lei maior que deu origem à Criação alcançará a toda a humanidade.

Há uma sensação de desmanche, um desmoronar de amplitude, pois os povos perderam o rumo, se afastaram do real sentido da vida erigindo a civilização em bases artificiais. A produção de bens deveria estar direcionada para atender às necessidades dos seres humanos, mas o dinheiro e o poder são a prioridade. A produção se mantém estagnada, falta comida, mas o montante financeiro vai crescendo como bolha. São muitas variáveis interferindo. Atualmente a taxa de juros para o dólar é a preponderante

Mentiras são fabricadas para serem lançadas sobre o público. O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou o mundo das mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial. Os indivíduos agem como se estivessem interpretando um papel, mas a espécie humana caminha para baixo. As novas gerações deveriam avançar mais do que as anteriores, mas por que estão retrocedendo? Com a velocidade da luz chegam à Terra as aumentadas descargas de energia lançadas pelo sol. Grandiosa e poderosa é a natureza. É nela que foi depositado tudo que a humanidade necessita para sua sobrevivência. Os homens não a compreendem, não a preservam. As consequências estão surgindo. Perdido o sentido da vida, tudo se perde.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

OS JOVENS E O TRABALHO

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém. Mas, o que está acontecendo com as novas gerações? Elas estão emburrecendo, pois abandonaram a leitura de bons livros, perderam a perseverança e a força de vontade. E pelo que se tem visto, muitos jovens, aptos a trabalhar, não manifestam muito interesse pela ideia. Por que será?

De zero a seis anos é a fase superimportante da educação, pois nesse momento se formam estruturas cerebrais e emocionais. Mas há muitas falhas porque poucas creches e pré-escolas estão capacitadas para formar a necessária base para as crianças se desenvolverem.

Os municípios estão quebrados, os servidores descontentes, os pais despreparados. No entanto, a falta de bom preparo das crianças com brincadeiras, contato com a natureza, livros de boas histórias infantis, criam entraves para que elas aprendam e vivam com alegria natural. O resultado são jovens inseguros, com dificuldades para aprender, que não conseguem ler, escrever nem fazer contas elementares.

Os moradores das grandes cidades, que possuem avenidas cheias de prédios, se afastaram da natureza e fizeram o mesmo com as crianças, esquecendo que estar na natureza desperta a alma. A massificação se espalhou pelo mundo atingindo primeiro, de forma certeira, os indolentes que têm preguiça para raciocinar; isso foi avançando pelas novas e velhas gerações, acabando com o que restava da reflexão intuitiva, aquela na qual a pessoa conversa com o eu interior para analisar as informações recebidas.

As pessoas precisam abrir os olhos. Porém, as massas se acomodaram. O excesso de circo imbeciliza. Os problemas se acumularam, sem soluções. A casta governante foi deixando para depois e perdendo a credibilidade. Um futuro ameaçador está chegando, trazendo o acúmulo dos erros da humanidade materialista que esqueceu do espírito. Os acontecimentos dramáticos deveriam dar ensejo para reflexões sobre a vida e seu significado, mas logo são esquecidos.

O excesso de chuvas provocou forte abalo na população do Rio Grande do Sul, o qual se estendeu pelo Brasil. Há uma pressão que deixa as pessoas inquietas e irritadas. É preciso cultivar serenidade para que possamos refletir sobre os acontecimentos graves que se abatem sobre a Terra e agir com confiança na Luz para que possamos superar essa fase difícil do mundo.

Os jovens devem ser aplicados nos estudos, não se limitando ao que o professor diz; ir além das apostilas, abrir os olhos, buscar leituras complementares, ver na prática como as coisas funcionam. Transformar tudo em aprendizado.

O trabalho faz parte da vida, assim como outras atividades, mas não o trabalho obsessivo de muitos indivíduos chamados de workaholics, isto é, viciados. Os jovens estão olhando para o trabalho de uma outra forma, despertando para algo mais. Inconscientemente podem estar se rebelando contra as rotinas que podem levar ao servilismo, que levam a apenas apertar os botões que põem os computadores em movimento, que por sua vez sugam a energia. Pensam numa forma de viver mais equilibrada com pausas para relaxar a mente.

O essencial é que os jovens percebam que são seres humanos de corpo e alma e não robôs, e que o corpo e a alma precisam ser alimentados e conservados para que possam viver bem. Alguns estudiosos tentam ampliar as noções sobre trabalho exercido não apenas com o cérebro racional, de forma que seja construtivo e beneficiador como deve ser a atuação do ser humano.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

AS TRANSFORMAÇÕES UNIVERSAIS QUE AFETAM A PAZ

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar. “O Programa Escola Cívico-Militar visa melhorar a qualidade da educação no ensino fundamental, médio e profissional, por meio de um modelo de gestão de excelência nas áreas pedagógica e administrativa, além de atividades cívico-militares.” É uma iniciativa que poderá criar no estudante mais respeito pela escola e pelos professores.

Está surgindo uma tendência nefasta no preparo das novas gerações para a vida e o trabalho porque a educação básica não está apresentando resultados satisfatórios. Os jovens se mostram descontentes, insatisfeitos e, por outro lado, pouco se esforçam; grande parcela tem dificuldade para ler e escrever com clareza. Os professores vivem sob tensão. Se os alunos tivessem recebido educação não haveria essa vergonhosa necessidade de vigiar o comportamento violento nas escolas.

Os jovens estão virando robôs agressivos e mal-educados. Não dá para continuar assim. O sistema de educação básica está doente. É preciso que haja mudanças positivas. As crianças precisam do contato com a natureza e serem orientadas sobre como ela funciona, o que abrirá suas mentes para conhecimentos mais elevados. A natureza é a grande doadora para a humanidade.

No Brasil, há décadas, o fantasma da incompetência vem reduzindo a produção e com ela empregos, renda, consumo, melhora das condições gerais de vida e cidades mais hospitaleiras. A nação precisa de muitas coisas, especialmente a reconstrução do sul requer muitos itens e mão de obra. É preciso entender que está acontecendo uma mudança radical, o que exige ficar atento e buscar novos caminhos que reduzam custos e agilizem a solução sem tanta dependência de importados.

A nação está muito atrasada; o mais grave é o atraso no bom preparo das novas gerações, que estão involuindo. Tudo promove o atraso: a corrupção, o imediatismo político, TV e filmes, o embrutecimento sexual, as drogas. Se isso não for superado, não há nada mais a fazer. Estamos mal no bom preparo para a vida. Neste Brasil, onde nascem 48 bebês por hora de mães com idade inferior a 19 anos, vítimas de abuso sexual, são necessárias ações que façam a esperança renascer.

As massas são movimentadas de cá para lá por astuciosos programas de manipulação, e a indolência individual favorece os manipuladores. Nunca se ouviu falar de um programa de conscientização sobre a finalidade da vida e a origem do ser humano. O planeta Terra se acha sob o impacto das transformações universais; é o mundo manifestando a decepção com o comportamento da humanidade. Essa é a hora de se fazer as pazes e olhar para o Alto com atitude respeitosa. Mas em vez disso, os homens se rivalizam provocando conflitos quando deveriam estar se preparando para enfrentar a tormenta, buscando pôr em prática na Terra a meta de alcançar o aprimoramento da espécie humana, que tem agido de forma irresponsável como nenhuma outra espécie.

Estimativas de crescimento da população indicam 9,7 bilhões para 2050, mas o que está sendo feito para enfrentar esse aumento? A humanidade continua na direção de sempre: produzir para exportar, de preferência onde o custo seja o menor. Os consumidores são atraídos para comprar. Por trás disso há muitos problemas que precisam de solução, pois o declínio da espécie humana está em andamento.

Nem mesmo os mais chegados a Jesus compreenderam a profundidade das palavras do Mestre, por isso ele dizia que o Filho do Homem virá para mais uma vez explicar, aos que procuram, a Criação e a finalidade da vida.

Os hábitos estão mudando. Os consumidores estão limitando seus gastos com refeições fora de casa. Após 2020 tudo foi se modificando, frustrando as expectativas de que tudo voltaria a ser como antes da pandemia. Com os custos subindo e as receitas caindo, muitas coisas foram afetadas criando incertezas quanto ao futuro. As novas gerações vão se comportando de outra maneira, mas têm de procurar o jeito certo para dar espaço ao ser humano completo, com o espírito conduzindo as ações em conformidade com as leis naturais da Criação, e o intelecto planejando e executando essas necessárias ações.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

MENTES CADA VEZ MAIS ESTREITAS

O estreitamento mental vem de longe, começou com o cinema, passando pela TV e atingiu o clímax com o streaming. Estudantes têm dificuldades para ler e escrever textos simples. Mentes emburrecidas e embrutecidas podem ter afetado as novas gerações geneticamente, assim como aconteceu com o cérebro do raciocínio e com o cerebelo capacitado a captar as intuições oriundas de uma esfera com mais leveza. O ser humano tem de esforçar para obter a reversão dessa situação anômala.

O planeta Terra é a grande hospedaria, dotada de todos os recursos necessários, destinada à evolução espiritual. Cabe à espécie humana contribuir beneficiando e embelezado, mas os homens querem riqueza e poder. A vida é boa, a natureza é maravilhosa, e os seres humanos o que são? Criaram regulamentos para controlar tudo. Há uma transformação universal em andamento que nos obrigará a seguir as leis naturais da Criação. Em nossa era materialista não há reflexão; não há diálogo com o eu interior; não há intuição; já não há Criatividade, algo que surge do eu interior, a aplicação integral do ser que se manifesta mais fortemente nas artes. Distantes da voz interior, agora muitas pessoas estão puxando conversa com a Inteligência Artificial.

Na economia, apesar de uma dívida próxima a 80% do PIB, o Brasil ainda permanece em grande atraso geral, o que é agravado pelo declínio na educação. O mundo vive o drama da guerra monetária com anseios de partilha no poder do dólar. Os juros do FED mexem com tudo. O efeito colateral da taxa elevada de juros nos EUA é que aumenta a procura por dólares causando perdas nas outras moedas.

O que aconteceria se a moeda da China desvalorizasse 50%? As alíquotas alfandegárias aumentadas se tornariam sem efeito? Quer dizer, um dólar equivaleria em torno de 12 yuans, o que deixaria os produtos chineses mais baratos. A economista Christine Lagarde, atual presidente do BCE, fala que a economia mundial precisa ser reformulada. Aumentam as conversas sobre a adoção do dinheiro digital. Tudo parece lances de um jogo que estamos longe de entender.

Enfim, estamos diante da grande competição entre as nações desenvolvidas do ocidente e a China, que se tornou a fábrica do mundo e quer ampliar seu faturamento. Baixando os preços venderia mais? Pode ser que sim, mas com certeza criaria grandes danos para o esforço de renascimento industrial de algumas nações. Com tantas incertezas os consumidores estão mais disciplinados em seus gastos, mesmo porque com a desvalorização do dinheiro, estão comprando menos por conta da perda de poder aquisitivo.

Na Terra, o estreitamento é geral: crise econômica, alterações climáticas, risco de os alimentos produzidos não serem suficientes, guerras ao vivo nas TVs, juventude sem rumo. Figuradamente, estamos diante da colheita de todas as sementes que a humanidade lançou com seu modo de atuar, mas em festanças comendo e bebendo, se divertindo, logo tudo o que é desagradável é esquecido, sem que se perceba o que está se passando na Criação.

É necessário semear e cultivar as sementes do bem para amenizar a aspereza, para que surja a era do ser humano completo, com o espírito conduzindo as ações em conformidade com as leis da Criação, e o intelecto planejando e executando as necessárias ações.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O PODER SEDUTOR DO DINHEIRO

Dinheiro e Poder, que dupla!

O dinheiro público é muito sedutor, está lá, esperando. No passado, encontravam-se estadistas mais austeros. Pedro II é um exemplo, mas no tempo dele o Brasil não era uma república de bananas. Hoje sabemos se um país é eficiente bastando olhar para suas dívidas. A maioria das nações estão endividadas e sua população enfrenta dificuldades.

Estamos na época das incertezas. Tudo requer cuidado e bom senso, nas contas pessoais e nas das organizações. As contas públicas passaram a exigir o máximo cuidado e prudência, pois os eventos extraordinários estão acontecendo diante de contas detonadas e dívidas aumentadas.

Os governantes improvisam, aumentam a criação de dinheiro, e assim surge a inflação. A taxa de juros dos Estados Unidos, através do dólar, exerce ampla influência nas finanças globais, afetando de forma marcante os países dependentes que necessitam acompanhá-lo para que suas moedas não desvalorizem

Vale lembrar que os Incas viviam bem, não conheciam a pobreza; tinham uma civilização pacífica com os vizinhos e não faziam uso do dinheiro, uma vez que, para eles, o ouro fazia parte das maravilhas da Terra. Esmeravam-se no trabalho que consideravam como parte das suas vidas. A chegada dos europeus, sequiosos por ouro, nos anos 1530, detonou tudo. E ainda hoje, em todo o planeta, os seres humanos se digladiam pelo dinheiro e poder, apesar da sua fragilidade e da brevidade da permanência no corpo terreno.

O Estado-nação deveria ser o território onde um povo poderia se desenvolver por meio do próprio esforço material e espiritual, como fazia a antiga civilização Inca. Mas o Estado-nação se tornou o mercadão onde alguns faturam alto e por isso não querem mudanças, mas o povo caiu na desigual distribuição da renda e perdeu a força de vontade. Aumentar a produção está difícil, por isso o aumento da dívida está causando aumento de impostos e tentativas para cortar despesas. A economia do século 20 não trouxe a esperada melhora nas condições de vida. Os países atrasados estão empobrecendo.

Nesta fase conturbada de guerra monetária e econômica, pouco se fala sobre a evolução da espécie humana. Grande parte da população consegue sobreviver, embora com alimentação nem sempre saudável e nutriente. O uso do celular e outros equipamentos estão afetando a forma de pensar e falar. É fundamental o bom conhecimento do idioma para pensar e falar com clareza. As novas gerações estão se tornando como máquinas insensíveis, agindo de forma rígida, sem flexibilidade.

Na Terra estão reencarnando muitos espíritos que não aproveitaram o tempo para se fortaleceram em outras vidas, numa nova oportunidade para evoluírem dominando o cérebro e conduzindo os pensamentos para atividades construtivas e enobrecedoras. Para sair desse labirinto o caminho é o aprimoramento espiritual.

O ocidente acomodou-se ao transferir fábricas, ampliando o mercado financeiro. As consequências já surgiram. A força de trabalho está ficando com nível inferior no preparo para a vida. Alguns países estão se armando, se fazem isso por certo irão à guerra, e depois, o que acontecerá?

Grandiosa e poderosa é a natureza. Os homens não a compreendem, não a preservam. As consequências estão surgindo. A energia do Sol invade a atmosfera. Pesquisadores falam da forte influência dessa estrela. Será que há algum dinamizador do Sol, tipo asteroide ou cometa, intensificando a atividade solar?

Simbolicamente, o mundo se divide em Céu, Terra, Inferno. No Céu está o reino espiritual de onde se origina o espírito humano. Acima dele, o inalcançável Divinal, a Luz criadora. Abaixo da Terra está o chamado inferno, com seus degraus para o submundo. A Terra é a “estrela” concedida aos seres humanos para o fortalecimento e desenvolvimento de seu espírito que é intermediário e deve, com sua livre vontade, abrir o canal para o Alto e carrear energia espiritual para o mundo material, beneficiando-o. Mas também pode dirigir o canal para baixo, fazendo ponte para que a escória dos baixios possa subir e destruir tudo de bom que contribui para a elevação espiritual do ser humano.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

MUNDO DE MENTIRAS

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial. Os indivíduos agem como se estivessem interpretando um papel. Não há reflexão, vão falando o que lhes vem à mente de forma confusa. Não pensam além da satisfação das necessidades do corpo e da diversão. Na infância, todos têm uma instintiva percepção simples da vida, mas ao se tornarem adultos ficam embotados, seguindo numa rotina automática. A infância é simples e natural, mas os adultos se permitem agir como lobos, atacando tudo que se interponha às suas cobiças e vaidades.

Quanto mais religiões foram sendo criadas, mais o ser humano foi se afastando do mundo natural, da vida real, e vai seguindo como perturbador que não age como deveria. No século 21, a humanidade espiritualmente adormecida se acha sem rumo, e a sustentabilidade está no limite, assim como a economia e a natureza.

A alma foi deixada de lado, o cérebro entrou no ritmo frio e mecânico das máquinas programadas, restringindo a espécie humana apenas aos aspectos materiais e sociais da vida. Houve tantos abusos e pressões que se pode dizer que grande parte esteja com alguma deficiência em seu cérebro. Na Terra, a aspereza está aumentando. Não há mais dissimulação. As pessoas estão sendo submetidas às imposições feitas por meio da força física ou psicológica.

A humanidade não entendeu por que se tornou necessária a encarnação do Filho; sem isso, já teria se autodestruído. Também não compreendeu e não conservou intactas as palavras severas de amor que Ele ancorou na Terra com o próprio sangue. Dois mil anos depois a situação é muito pior, pois a decadência atingiu tudo. Muitos dos assassinos estão de novo na Terra para colherem o que semearam.

O Poderoso Criador dá ao espírito humano a necessária oportunidade de nascer no mundo material para evoluir. Todos os corpos humanos são gerados da mesma forma e, “no meio da gravidez, é feita a ligação do espírito ao pequeno corpo, e o próprio sangue começa a circular” (O Mistério do Sangue, Mensagem do Graal). Enquanto a humanidade afundava, com guerras de conquistas, escravização e afastamento da Luz Primordial, veio Jesus para restabelecer a união perdida. Dois mil anos se passaram e pouco sabemos do porquê e como Jesus nasceu, mas tudo seguiu as leis naturais da Criação, e tudo foi sendo esquecido ou deturpado.

Desde 1945 o dólar se tornou a moeda mundial. Existem várias moedas que flutuam sem paridades fixas, submissas ao dólar que expressa a maioria das operações econômicas e financeiras. As contas sempre foram o ponto crítico que manteve o Brasil se arrastando com dívidas internas e externas.

Com tantas riquezas naturais, faltaram estadistas. O endividamento externo começou na Independência e foi prosseguindo. Na virada para a República, novo festival de dívidas. A atual reserva em dólares mal cobre a dívida externa. Vai daí que o dólar está oscilando mais. Um bilhão em swaps cambiais do BC colocados para inibir a volatilidade; quem subscreveu? Proteção contra desvalorização, ou especulação?

No filme de 2008, O dia em que a Terra parou, Keanu Reeves interpreta Klaatu, um ser ficcional que afirma: “este planeta está morrendo, a espécie humana o está matando. Eu vim salvar a Terra. Não podemos arriscar. Se a Terra morrer, vocês morrem. Se vocês morrerem, a Terra sobreviverá.” São palavras pesadas que poucos compreenderam, mas que bem poderão ser aproveitadas por seres humanos mal-intencionados. Em verdade, a espécie humana está sujeita à lei da reciprocidade, a colheita de todas as suas resoluções. Os que se esforçam sinceramente para se tornarem novos sobreviverão.

Falta o alvo da busca do bem geral com a participação consciente de todos. Tudo está áspero, não há amenização. Estamos numa embrulhada mundial confusa; quem sabe o que realmente está acontecendo, quem está puxando os cordéis? Há pretendentes que torcem para o fim do dólar para poderem ter o mesmo privilégio. Com tantas elevadas dívidas soberanas encabeçadas pelos EUA, não seria algo oportuno uma nova grande guerra?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

Imprensa e inquietação

A palavra imprensa tem origem na prensa, máquina usada para imprimir jornais. Inicialmente significou o jornal impresso em papel, transmitindo informações gerais ao público, mas hoje representa algo mais amplo, abrangendo diversos meios de comunicação, como jornais, revistas, rádio, cinema, televisão e internet. A palavra mídia é a adaptação do vocábulo “media”, derivado de “médium”. Podemos dizer que mídia significa o mesmo que imprensa, ou seja, é mais do que o ambiente por onde uma mensagem é transmitida, pois influencia comportamentos e percepções. É aí que está a questão principal.

A humanidade está sendo impactada pelo tipo de mensagem que a mídia distribui pelo planeta e, no presente, os conteúdos são desanimadores, mostrando o esgarçado tecido social no século 21. Enfim, estamos na era em que tudo que esteve oculto por longo período agora é mostrado abertamente para aqueles que têm olhos para ver. As aparências têm sido um manto vistoso cujas dobras escondem segredos. Os abusos de poder se esparramam pelo mundo. Tudo aquilo que era imaginado secretamente por mentes sem regras morais surge como realidade concreta. E por que está sendo dessa forma?

No início do século 20, Inglaterra e França, habituadas com seu poder senhorial, impunham ao mundo a sua cultura e seus produtos. De repente a Alemanha entra firme no mercado com produtos de boa qualidade e preços menores, atraindo a preferência do público. Surgiram as rusgas comerciais e não demorou para que elas se transformassem na Primeira Grande Guerra Mundial (1914 a 1918). Encerrada a guerra, as nações não conseguiram estabelecer com firmeza a paz e o progresso. Veio a crise de 1929 e a economia mundial hibernou, sendo sacudida pelo estrondo de um novo conflito que seria a Segunda Guerra Mundial (1939 a 1945) envolvendo a Alemanha, Japão e Itália contra o resto do mundo. Foi aí que se projetou a nação americana, que deu o golpe fulminante e, com a Europa devastada, o dólar se tornou o impulsionador da reconstrução.

Os Estados Unidos se tornaram a nação dominante, o dólar se tornou a moeda reserva, mas o planeta não alcançou um progresso equitativo entre os povos, ficando a maior parte do bolo com o ocidente do norte. O comunismo que pretendia acabar com a pobreza decretando o confisco geral dos bens, deu em nada, surgindo a esquerda socialista que vai lançando seus tentáculos visando ampliar sua influência pelo mundo.

A partir dos anos 1980, o leste asiático, encabeçado pela China, foi surgindo com produtos baratos, o que resultou em superávits na sua balança comercial, dando início à volumosa reserva em dólares. Com produtos simples, a China foi subindo os degraus tecnológicos e seus produtos passaram a se rivalizar com os do Ocidente. Acentuam-se as rusgas comerciais, aumenta o protecionismo. A dívida americana e os embargos financeiros, criados na guerra entre Rússia e Ucrânia, despertam receios quanto à segurança do dólar como moeda de reserva.

Apesar da matança nas guerras, permanece a falta de bom senso; estamos diante de um cenário semelhante ao que deu origem à Primeira e Segunda Guerra, com a diferença de que há uma crise climática, população calculada em 8 bilhões de almas encarnadas sem bom preparo para a vida que estão se distanciando das religiões, e risco de escassez de alimentos. Diariamente a imprensa coloca essas questões em pauta de forma inquietante. A humanidade se mostra exausta diante de um viver áspero e acelerado, sem espaço para propósitos enobrecedores, e que vai reduzindo a esperança de dias melhores. O que querem os líderes? O que vai acontecer? Uma terceira guerra poderá trazer a maior destruição e derrame de sangue já produzidos pelo ser humano na face da Terra, mas como evitar essa catástrofe se falta boa vontade?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br