Posts

MUDANÇAS AVASSALADORAS À VISTA

Nas encantadoras praças arborizadas, as pessoas costumavam conversar sobre a vida. No passado, havia o contato face a face, olho no olho, e poucos conflitos que eram resolvidos durante um encontro para um café ou chá. Depois veio o telefone, permitindo sempre uma boa conversa. Esse panorama mudou. Hoje tudo é frio. A maioria prefere deixar uma mensagem e aguardar a resposta, tudo mecânico, nem parecem seres humanos. Estamos no mundo das narrativas, algo inventado com base em meias-verdades que voa para todos os lados para desorientar os incautos que ficam sem saber o porquê das manobras.

E o dinheiro? No mercado financeiro, as oportunidades para fazer grandes boladas de ganhos se reduzem, pois há medo e a ousadia é perigosa. Compram-se moedas na baixa, e depois que estas valorizam, é realizada a venda, além da busca por novas oportunidades para repetir a jogada. São operações que ficaram com ares de cassino, causando prejuízos para a população.

Figuradamente, descuidaram da galinha que está perdendo a capacidade de botar ovos de ouro. Algum dia isso poderia acontecer, mas está acontecendo agora; a economia mundial poderá sofrer o grande impacto decorrente da grande capacidade de produção concentrada em poucas mãos, o que tende a causar desequilíbrio geral. Sem que os homens produzam bens, a pobreza aumenta.

Há um duelo de gigantes. O grupo do dólar tem muitos trunfos e não vai abandonar o que conquistou sem se defender. A China produz de tudo com baixo custo e causa pânico. Quer ampliar a produção de essenciais aliando preço, juros baixos e sua moeda. Ou seja, a guerra econômica tem nos bastidores o controle do dinheiro mundial e do poder mundial. A humanidade criou a moeda e ela se torna a prioridade, mas o que é o dinheiro?

A população da Terra cresceu de forma suave até o século 19, chegando a dois bilhões de almas encarnadas, mas esse crescimento se acelerou no século seguinte, totalizando seis bilhões no ano 2000. A população do planeta está em nível jamais alcançado, mas sem qualidade humana. Faltou, da parte dos dirigentes mundiais, um plano que impedisse a deterioração das condições gerais de vida e a perda da dignidade. Parece que perderam a sensibilidade para o sofrimento dos outros. A bem dizer, quem se importa com isso? A miséria e a pobreza vão se espalhando pelo mundo.

O preço dos alimentos e dos medicamentos segue aumentando nos mercados e nas farmácias. Nos aeroportos, também. O consumo pode cair. Esperemos que haja mais gente trabalhando e sendo adequadamente remunerada, impedindo o aumento da pobreza pelo mundo. Sem o aprimoramento da espécie humana e sem o reconhecimento das leis universais da Criação, a decadência será o resultado. Os homens levaram o planeta aos limites extremos e não encontram soluções, por isso talvez estejam aumentando os rumores de guerra.

No ano de 2024 também haverá eleições na Grande São Paulo e municípios do entorno. Um superaglomerado, um superorçamento e muito dinheiro o que equivale a um grande mercado com mais de 20 milhões de consumidores. Muito tentador, mas tem faltado gestores voltados para a continuada melhora das condições de vida, sobrando problemas de difícil solução. Falta bom preparo para a vida de grande parte das novas gerações. O que virá agora? Como pode, uma cidade tão pujante como São Paulo ter sido tão mal gerida por grupos interesseiros que dominam a nação? Quem serão os novos mandantes, a quem obedecerão, o que farão? No mundo em desequilíbrio, a paz está seriamente sob ameaça.

O ser humano tem provocado muitas reações adversas da natureza, mas conhecer exatamente o que está se passando exige amplo saber do funcionamento das leis naturais da Criação. Os homens criaram o direito natural restrito e suas próprias leis, esquecendo que a amplitude das leis naturais envolve o funcionamento de todo o universo. Atualmente há algo diferente, de força avassaladora, atingindo o planeta; algo como uma abrupta mudança cósmica em aproximação causando efeitos incontroláveis e que a humanidade, não sabendo se defender, se torna impotente.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O DEVER DAS NAÇÕES

A economia mundial se transformou a partir dos anos 1980 devido ao ingresso da Ásia na industrialização com a integração de elevado contingente de mão de obra de menor custo, enquanto o Brasil patinava na crise da dívida externa. Através de câmbio favorável, a China passou a exportar de tudo com baixo custo e se transformou na grande fábrica mundial.

A superprodução na China não foi prevista nem por Marx. Algo inesperado que em poucos anos gerou o maior reboliço na indústria. Isso porque aquele país se aplicou intensamente em produzir de tudo, aproveitando a disponibilidade de mão de obra farta de baixo custo. Desenvolvidos, os canais comerciais entregam bens com preços menores. Os efeitos disso causaram impactos para as nações, especialmente no que se refere a empregos e salários, o que contribuiu para reduzir a renda e a qualidade de vida.

No Brasil, com o plano real, o dólar ficou barato e os importados com preços menores que os bens fabricados internamente. Os governos deixaram a economia seguir, aproveitando os preços menores para combater a inflação; mas com o descuido das contas públicas, a inflação retornou, mesmo com baixa nos empregos. Nas cidades, há mais violência e crimes.

Qual é o dever das nações? O que a globalização trouxe de bom para as nações em geral? O Brasil perdeu fábricas, atrasou o desenvolvimento tecnológico, descuidou da segurança pública, falhou na educação e preparo das novas gerações para a vida, estagnou na infraestrutura, aumentou a dívida. Dizer que o endividamento decorre do déficit da previdência pública é camuflar décadas de má gestão. Afinal, a quem pertence o Brasil e seus recursos naturais?

A economia mundial tomou rumos extravagantes. Os ativos financeiros se tornaram um campo de poderoso jogo que diariamente movimenta bilhões apartados da economia real onde se produz, gerando empregos, comércio e consumo. Some-se a isso a forma displicente como os governos tratam a administração pública e a finança. A qualidade de vida e o aprimoramento da população há tempos deixaram de ser a prioridade, prevalecendo a luta pelo poder interno e externo com guerras econômicas e armadas.

Na discussão da inflação, influi a criação de dinheiro e o aumento da procura. Tivemos ambos os fatores atuando em conjunto. Na inatividade gerada pela pandemia, governos criaram dinheiro para oferecer auxílio emergencial para a população. De repente os consumidores tiveram um extra nas mãos que foi direcionado para o consumo. No cenário conturbado, houve aumento da procura e seus efeitos ainda estão atuando. A tapioca derivada da mandioca custava no início da crise R$4,10 o quilo. Hoje custa R$7,99. Um processo difícil de ajustar.

As engrenagens que movimentam a engenharia econômica se referem à população e sua preocupação com o abastecimento, com o dinheiro que tem para gastar, e com a flutuação da inflação. Freadas no movimento derrubam empregos. Ao lado disso há a grande engrenagem das finanças: Bolsas, câmbio e juros, e criação de dinheiro, que provocam reações nas engrenagens. Quando a situação fica crítica os governantes são pressionados a segurar o castelo para que não caia por terra, seja criando mais dinheiro, ou cortando juros, ou desvalorizando a moeda. Quais são os riscos decorrentes desse cenário?

Falta no mundo a compreensão do significado da vida. Geração, nascimento, infância, vida adulta, velhice, afinal para quê? O rumo certo seria o de cada pessoa se tornar uma beneficiadora da Criação, mas acabou sendo uma perturbadora. A Terra foi dotada dos recursos necessários, mas a ganância produziu desequilíbrios.

Os jovens estão emburrecendo porque abandonaram a leitura, e não há estímulos para ler bons livros. Pessoas que leem e escrevem de forma adequada estão em falta. Pessoas com raciocínio lúcido se tornaram uma raridade. Quão distante a humanidade se encontra de onde deveria estar? Os problemas se acumulam por séculos.

A querida cidade de São Paulo, polo de recepção da Luz, completou 470 anos, atraindo pessoas de todas as regiões. Em meio a tantos problemas, o mais grave foi o relaxamento quanto ao bom preparo das novas gerações e compreensão da vida, para que pudessem estar à altura dos desafios, encontrando soluções para o progresso integral de seu povo.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

TERRA, RESUMO GERAL

A população do planeta cresceu e regrediu. Os seres humanos estão agindo como máquinas programadas, acorrentados a futilidades, sem um querer próprio, sem ações beneficiadoras. Falta movimento espiritual. O dólar se tornou a moeda preferida da economia e foi avançando pelo mundo. Os dirigentes locais perderam o foco regional e se submeteram à pressão dos objetivos externos.

O rendimento estagnou. Segundo divulgação do IBGE, o rendimento domiciliar per capita no Brasil em 2022 foi de R$ 1.625,00, variando de R$ 814,00 no Maranhão a R$ 2.913,0 no Distrito Federal. Eis a grande questão que os governantes passaram ao largo. Uma nação tem de oferecer oportunidades para sua população sobreviver, mas com esses números não fica difícil entender a miséria e atraso em muitas regiões do Brasil. Some-se a isso a grande evasão de riquezas retiradas clandestinamente para fora do país. O Estado-nação é um bolo grande, mas a população fica com 10%, o que acontece com o restante do bolo?

O que esperar para 2024? O Brasil será beneficiado pelo movimento de volta para casa das indústrias? Haverá bons empregos, saúde, boa educação e preparo para a vida? A questão da educação tem de incluir a busca pelo significado e finalidade da vida e a compreensão da natureza da qual o ser humano se serve para sua subsistência. A humanidade enfrenta o desânimo das novas gerações que estão antecipando o seu desgaste, e não nutrem propósitos de vida, colocando o futuro sob ameaça.

O dinheiro arrecadado, quando no controle de mãos sem cuidados, sem responsabilidade, propicia muitas negociações escusas que acabam prejudicando a nação e sua população em benefício da minoria. Esperava-se que os Bancos Centrais independentes evitassem a desordem monetária e financeira, mas por que a situação só tem piorado? Mesmo com todas as exportações há déficit nas contas internas e externas.

A estabilidade econômica, progresso e vida de qualidade requerem a coesão entre população e empresas visando a melhora das condições de vida e o bem geral, sem a pretensão de dominar a Terra. Na Criação, tudo segue movimento evolutivo; a humanidade deveria ter buscado o aprimoramento. A excessiva intervenção dos homens que governam o Estado está afundando as nações, transformando as pessoas em robôs.

O planeta Terra abriga um poderoso conjunto de recursos para a vida. O descuidado ser humano, em oposição às leis naturais da Criação, não fez o necessário esforço para o autoaprimoramento e acabou extrapolando na geração de filhos e na desequilibrada exploração da natureza. A população da Terra cresceu acima do esperado, enquanto o sistema econômico não acompanhou, mantendo-se na rigidez, seja no capitalismo de mercado ou de Estado; querem as matérias-primas, sem prever uma forma de manter, de forma adequada, as pessoas em suas regiões de origem.

Milhares de imigrantes se juntam com o propósito de entrar através do México nos Estados Unidos, onde já há um crescente número de sem-teto, resultando numa grande massa sem adequado preparo para a vida. É o êxodo da pobreza. A situação mundial vai se complicando a cada dia mais com crises e guerras. O que dezenas de especialistas poderiam sugerir nesse cenário de desconfiança, ódio e medo? A espécie humana extrapolou, mas deveria estar se esforçando por um modo de vida condigno, caminhando pela Terra de forma construtiva e beneficiadora para criar paz e beleza à sua volta.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

OS SISTEMAS DE GOVERNO NO MUNDO

Como funcionam os sistemas eleitorais no Brasil, Argentina, Venezuela, EUA, Rússia e China, entre outros países? Os fios do destino, em conformidade com o atuar das leis da Criação, conduzem ao governo aqueles capacitados a desencadear os efeitos recíprocos que um povo merece, mas as aparências podem indicar algo diferente. Quem elegeu Maduro? Por que Biden superou Trump? Como Lula voltou ao planalto? E Milei, como tábua de salvação da Argentina? A população desses países, na maioria dos casos, decide quem dever ser aceito, mas será que não foram os fios do destino que guindaram a pessoa ao poder?

O Ministro Chefe, filme produzido na Índia, mostra aspectos da luta política. O protagonista quer introduzir o direito de revogação do voto a ser exercido pelos eleitores quando o candidato eleito não corresponder aos padrões de honestidade e eficiência. Isso desagrada ao líder da oposição que convence seus pares que política não é uma questão de ética ou de servir ao país, mas é como um negócio para dar lucro. Se a pessoa não tem poder, vale pouco na política, em oposição ao Ministro Chefe, que quer estar ao lado do povo para construir e beneficiar. Algo difícil de acontecer no mundo real?

Vale considerar que a Terra foi formada por poderosas irradiações de energia, mas hoje há algo diferente no ar. Uma energia poderosa de origem e efeitos desconhecidos está irradiando sobre o planeta, que bem pode estar causando alterações gerais de forma acelerada. EUA e China representam duas visões do mundo em confronto. Os Estados Unidos conseguiram a proeza de criar a moeda mundial, agora em xeque. A China construiu a fábrica do mundo e quer mais. Em ambos tem faltado a busca do aprimoramento da espécie humana. Ao contrário do Ocidente, a China quer impedir que seus jovens percam tempo com distrações inúteis e filmes com modelos inadequados de comportamento. Qual será o futuro da humanidade?

No Brasil, a economia é frágil, pois a renda da maioria da população é baixa, e a maior circulação do dinheiro está nos produtos básicos, diferentemente dos EUA onde há mais velocidade e diversidade na circulação do dinheiro, como visto na Black Friday. Lá as pessoas podem se dedicar a um consumismo mais intenso do que no Brasil onde a renda tem sofrido perdas pesadas e a administração pública tem agido como predadora da arrecadação, ampliando o endividamento, contribuindo para rebaixamento das condições gerais de vida. Com vendas baixas, custo elevado e margens reduzidas fica difícil para muitos varejistas reduzirem o preço de venda.

Há muitas notícias contraditórias sobre juros, inflação, moedas, guerras e PIB. Há algo suspenso no ar. Sem saber o que fazer, a maioria fica ansiosa. O ano de 2023 está na reta final, começou com ares amenos, mas logo foram surgindo acontecimentos marcantes. Sem o devido respeito às leis da natureza está sendo cavado um grande abismo. O homem tem vivido divorciado da natureza; além de não a compreender, agiu de forma destrutiva e não se preparou para enfrentar os colapsos. Esse é o mundo criado pelos homens em sua ânsia por obter ganhos e poder.

A presença do ser humano na Terra é efêmera, as condições do corpo e da mente se alteram com o passar do tempo, mesmo assim raramente alguém busca se inteirar do real significado da vida e das leis que a regem. A prioridade dos sistemas de governo deve ser a construção de um futuro de progresso pacífico e evolução. Quando a humanidade se voltar para o aprimoramento da espécie haverá Paz e Progresso real. A paz entre os homens depende da boa vontade e do viver respeitando a lei máxima de não causar danos a outros seres humanos para satisfazer as próprias cobiças. Somos todos peregrinos em busca da Luz, algo esquecido nos milênios de vaidades.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A NOVA GUERRA

Após as trágicas guerras mundiais do século 20, os seres humanos esperavam que não passariam mais por esse sofrimento. Mas o que fizeram? Esqueceram a sua origem e a finalidade da vida e forjaram um viver insipido como se estivessem num parque de diversões para viver no comodismo onde não precisassem fazer nada, só buscar comida, bebida e prazeres.

A questão básica é saber o que é intuição e de onde ela procede. O cérebro humano é uma ferramenta miraculosa, mas está subordinado ao tempo-espaço, o que não acontece com a intuição sentida com nitidez porque o cerebelo ficou atrasado enquanto o cérebro frontal foi superdesenvolvido tornando-se dominador, mas sujeito às influências externas que limitam a base do pensar com clareza, simplicidade e naturalidade. O cerebelo tem capacitação superior à Inteligência Artificial, pois em seu desenvolvimento normal capta saberes que se situam além do mundo material que o cérebro do raciocínio tem de analisar e ajustar para a correta utilização.

Quem, diante do mundo áspero e assustador em que vivemos, está procurando paz para sua alma? Após o término da Primeira Guerra Mundial a humanidade não buscou por um novo caminho mais iluminado, permanecendo na mesma forma indolente de viver. Vinte anos depois, em 1939, teve início a Segunda Guerra Mundial. Em 2023, com aspereza aumentada, o que nos reserva o futuro? Taiwan surge como região potencialmente perigosa.

As pessoas dizem que atualmente se cansam mais mesmo fazendo menos coisas. O tempo evapora. Há vários fatores que influem nessa sensação. Aumentaram as dificuldades, os acontecimentos se aceleram, a digitalização acelera os efeitos. Mas há algo nefasto no ar. Faltam pensamentos com pureza voltados para o bem. É isso que cria aspereza. Faltam palavras amistosas, o que gera o antagonismo. Faltam ações simpáticas. Tudo isso forma uma barreira que exige esforço. Bons tempos aqueles em que os seres humanos viviam em mútua colaboração. Temos um corpo e alma que se ressente do turbilhão de pensamentos malévolos espalhados pelo mundo. Há de se conservar puro o foco dos pensamentos para alcançar paz e sabedoria.

Há muitos sentimentos e pensamentos de medo e ódio. A cobiça e inveja do que outro tem e do que o outro aparenta ser deixa muitas pessoas aflitas por acharem que isso não é justo; elas é que deveriam estar naquele lugar festivo. Então permitem que o mal domine seus pensamentos; isso já é uma guerra em gestação. Quantos seres humanos não estão gerando conflitos e turbulência pelo mundo? Tais pensamento não ficarão impunes.

2020, o ano da pandemia, assinalou um especial momento de transição. A situação geral da vida vem tendendo para a absoluta perda do humano, o que acarretou a balburdia atual. Problemas, morais, econômicos, sociais, de saúde, de escassez de água e alimentos. Tudo isso contribuiu para o atordoamento dos seres humanos que ficaram procurando distrações para esquecer as dificuldades, em vez de se fortalecerem, buscando as causas para descobrir que há séculos a espiritualidade está sendo posta de lado, e agora se veem cercados pelos erros e pelas mentiras.

As novas gerações estão percebendo as manobras e cobiças que visam a dominação e anulação do querer da alma. Desanimadas e com pouca esperança, se quedam inertes. Muitos jovens caem na indolência sem vontade para estudar e trabalhar. Vão levando a vida sem sentido, de um lado para outro. Com sua indolência, não procuram conhecer o verdadeiro significado da vida.

As trevas querem impedir o avanço dos seres humanos para que não conheçam a verdade libertadora de milênios de caminhos errados. Na escuridão da guerra espiritual, é indispensável buscar a Luz da Verdade, a boia de salvação nesse agitado mar de acontecimentos impactantes que se sucedem velozmente. Que aqueles que procuram a luminosa verdade a encontrem e transformem a Luz da Verdade em convicção através de análises sinceras e irrestritas, escapando assim da tirania das trevas que tudo fazem para sufocar e destruir o espírito, a essência do ser humano.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

SEMEAR O FUTURO

A humanidade se encontra diante da grande colheita de todas as suas ações. Não há equilíbrio. Os esquemas ficam meio escondidos, não favorecendo muito a nação e seu povo. Prevalece o açambarcamento dos recursos naturais de forma que se produza onde o custo seja baixo para vender aos que ainda podem pagar. Se quisermos um mundo melhor, em continuado progresso, tem de acabar a luta por riqueza, poder e dominação, travada pelos poderosos contra a população em geral, e colocar em prática a estreita cooperação, visando o bem geral e a sustentabilidade.

O poder e os ganhos ficam com os graúdos enquanto a miséria vai se espalhando. Estão levando parte do Brasil para fora. Um exemplo é o da superfície do estado de Minas Gerais que está se tornando um grande buraco de difícil recuperação após a extração do minério de ferro, assim como ocorre com o buraco da dívida que não para de crescer. Das dívidas soberanas a mais complicada é a americana por envolver a moeda mãe das outras, o dólar. As complexidades são pouco debatidas. Havia um plano? Qual era? De tempos em tempos o teto da dívida é elevado. Como essa situação avançará pelo mundo?

As desmoralizações dos sistemas estão gerando mal-estar, comprometendo a democracia com o aumento do desinteresse e indiferença. Há insatisfação da população mal disfarçada, aproveitada por quantos cobiçam o poder mesmo que para isso tenham de favorecer a decadência geral. Com oito bilhões de almas encarnadas, o que deveria ser o Estado-nação? As ações da humanidade estão convergindo unilateralmente para o dinheiro, que vai suprimindo tudo o mais através das ações dos homens que não querem que o espírito atue naturalmente. As pessoas foram perdendo a percepção de que não passam de simples criaturas com a permissão de viver para evoluir.

O desenvolvimento em bases imediatistas é instável por natureza, portanto sujeito a mutações e destruição. Os seres humanos teriam de ter criado condições de vida em continuada melhora, pois o que importa é o aprimoramento de todos; se isso é posto de lado, a instabilidade da vida se manifesta, pois faltou responsabilidade. Era esperado que todos os avanços tecnológicos trariam melhorias gerais, promovendo qualidade de vida. Em vez disso muitas invenções trouxeram aumento da precarização. O natural seria que todos que se esforçassem e se dedicassem não deveriam viver precariamente na Terra. O que a inovação criada pela Inteligência Artificial trará para a humanidade?

Cada indivíduo tem o dever de fortalecer o querer próprio que, partindo do íntimo, desabrocha em seu cérebro para agir ou não. Os manipuladores querem adentrar no cérebro através da visão, audição e estímulos contidos nas mensagens. Se o indivíduo não tiver fortalecido o seu querer e força de vontade estará sujeito a que outros decidam por ele.

Qual é a causa do mal e da miséria existente no maravilhoso planeta Terra? Os revoltados contra o sistema, dominados pelo medo e cheios de ódio, querem detonar tudo, querem o fim do sistema áspero, custe o que custar. Acontece que o tempo está chegando ao final e a humanidade se acha diante da grande colheita, e tudo que não estiver vibrando de acordo com as leis do Criador terá de ser renovado ou perecerá. Quem procurar vai encontrar o caminho para a Luz.

Estamos nos finalmente do futuro, tudo patina e derrapa. Aumenta a inquietação. O presente é consequência do passado e causa do futuro, e todo semear traz a colheita! O melhor futuro surgirá quando a grande colheita estiver concluída anunciando uma nova era de paz, progresso e felicidade! Moderação é a palavra. Vamos com calma. Ontem passou. Cada novo dia traz a oportunidade para um novo movimento espiritual na direção do progresso.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

FIM DO TEMPO

Os seres humanos foram perdendo a percepção de que não passam de simples criaturas com a permissão de viver para evoluir. Deveriam ter alcançado o saber dos princípios universais, isto é, as imutáveis e perfeitas leis da Criação que regem a vida e o aprimoramento do espírito para que, voltados para o bem, se elevem. Alma, intuição, cérebro e raciocínio, tudo integrado e voltado para a melhora das condições gerais de vida e aprimoramento espiritual da espécie humana.

Por que a população não para de crescer, estando em torno de oito bilhões de almas encarnadas necessitando de alimentos e das coisas essenciais para viver no planeta? Poucos pensam no Criador com gratidão. O principal inimigo do homem é o próprio homem por ter se afastado do saber e respeito às leis da Criação.

As nações foram perdendo espaço na economia globalizada com o endividamento e desvalorização das moedas. A produção industrial foi sendo centralizada na Ásia, principalmente na China. O caos vai se instalando nas cidades superpovoadas com aumento da pobreza, doenças, desemprego e problemas no abastecimento de água potável e alimentos. As cidades vão inchando, tornando-se inviáveis para todos. A liberdade de poder fazer o que bem quiser está findando para o ser humano, sendo substituída pela introdução de rígidos regulamentos.

Mais de quatro milhões de anos foi o tempo necessário para que o planeta adquirisse as condições de vida e sustentabilidade, o mundo perfeito, através do funcionamento das leis naturais da Criação, ainda pouco conhecidas pela humanidade. O que prevalece hoje em dia é o domínio do materialismo e a negação do espírito e das imutáveis leis espirituais, seja no capitalismo ou no socialismo, ou mesmo nas diversas correntes religiosas. Romper a rigidez da lógica materialista e sua pressão avassaladora sobre a consciência, e os conflitos gerados por ela, depende de cada indivíduo e de sua vontade de se tornar consciente da realidade espiritual.

Foi interposta uma densa cortina, dificultando a visão clara da vida e seu significado para que os indivíduos sejam mantidos espiritualmente estagnados. Há no mundo um ordenamento geral. São as leis naturais da Criação: gravidade, atração da igual espécie, reciprocidade, equilíbrio e movimento. Tudo funciona harmoniosamente. O ser humano dispõe de livre resolução, mas deveria reconhecer e se enquadrar no movimento geral para construir progresso e evolução, mas insiste em agir puerilmente em oposição, semeando desordens e destruição para onde quer que se olhe.

Nos últimos 200 anos, os humanos tomaram muitas decisões inadequadas. As potências dispõem de armas modernas destrutivas. Mas as consequências das decisões vão surgindo de forma avassaladora. Os resultados são imprevisíveis, pois os homens podem tomar decisões, mas quando surgem os resultados pouco podem fazer, tendo de arcar com as consequências de seus atos. Já há uma guerra perigosa na Europa, além disso há uma guerra verbal entre os dirigentes dos EUA, Ucrânia, Rússia e China. O tom e agressividade das palavras assustam, a língua afiada também poderá se tornar um detonador. Por mais planejamento que possa ser feito, as consequências são imprevisíveis, mas a humanidade continua sem atentar para o que se passa à sua volta.

Há longo tempo os seres humanos vêm se enredando no mundo material, deixando o espírito estagnado e incapacitado para prosseguir sua jornada, sendo obrigados a sucessivas encarnações em corpos terrenos para que pudessem corrigir os erros e se elevarem, mas como consequência as condições gerais de vida vão ficando piores a cada nova geração. Ocorre que a possibilidade de receber um novo corpo está terminando com o Final do Tempo concedido para a evolução do espírito, ou seja, de um determinado momento em diante não mais poderão voltar para a Terra num corpo, rumando para o desconhecido Dia do Julgamento Final. Mas não será o fim de tudo e sim um processo natural de restauração e recomeço para os seres humanos que perceberem, enfim, que sua essência é espírito e não a matéria perecível na qual se aprisionaram. O mundo precisa da paz e boa vontade.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL: TECNOLOGIA A FAVOR OU CONTRA A HUMANIDADE?

Falta foco e soluções para as questões fundamentais da vida como trabalho, alimentação, educação, moradia e aprimoramento humano. O percentual de pobreza e precariedade foi crescendo pela Terra sem parar, assim como a concentração da riqueza. A miséria humana tende a se alastrar com provável colapso nas áreas de abastecimento de água, alimentos, empregos e saneamento básico.

O tão divulgado ChatGPT, fruto da tecnologia de Inteligência Artificial (IA), é uma aplicação construída pela OpenAI, empresa norte-americana que teve Elon Musk como um dos seus fundadores. Essa tecnologia se baseia num modelo gerativo de linguagem que rapidamente busca respostas para as perguntas, superando a agilidade mental do ser humano. O que diria a IA sobre a origem da vida e sua finalidade? Ela voaria sobre milhões de noções existentes, parciais e incompletas, e daria sua sentença situando o viver no limite da matéria, o que para muitas pessoas poderia ser considerado como verdade.

No entanto, os seres humanos têm de perceber que são espírito e não apenas a matéria perecível, uma conclusão que a máquina jamais chegará, assim como não saberá qual é a real motivação dos usuários, pois num mundo repleto de ódios, poderia se tornar altamente destrutiva.

O dinheiro, essa poderosa invenção, hoje criado do nada, comanda a vida na Terra, e se multiplica sem nada produzir, gerando abismos que terão de ser ultrapassados. A humanidade ainda não encontrou a forma equilibrada de criar dinheiro, mas isso não impede a ação de seus controladores, dos oportunistas, dos especuladores, e a vida que deveria ser bela e feliz fica desvalorizada diante da moeda que compra tudo, até o caráter dos homens.

Na sua trajetória, o dinheiro que acabou sendo criado pelo arbítrio de uma elite, faz a economia girar, mas se o excesso não for represado, perde valor, arruína os preços. A maneira encontrada foi elevar a taxa de juros, pois o dinheiro solto acelera a jogatina da bolsa, valorizando os papéis de forma artificial, ao mesmo tempo em que desvaloriza as moedas. Os preços sobem, os salários baixam. Os custos sobem, as vendas caem. Então as atividades vão ficando estagnadas. Baixa a renda. Empregos se reduzem. Alimentos e energia extrapolam. A economia das nações fica engessada.

As cidades vão inchando, se tornando inviáveis para os indivíduos, para os governos, para a humanidade. O que fazer para sobreviver sem se endividar? Tendo em vista a continuada decadência espiritual da humanidade, nada foi como poderia e deveria ter sido. Os elevados valores humanos não influenciaram na melhoria das condições de vida e no progresso espiritual. Nos anos após a segunda guerra mundial houve momentânea sensibilização, mas logo a seguir a imagem dos dias difíceis se foram apagando da memória, e de novo a humanidade trilhou o caminho da indolência espiritual, da acomodação, da preguiça de pensar com clareza sobre a vida e seu significado.

A tecnologia deveria ser empregada para elevar o espírito humano, mas tem sido usada prioritariamente para fins imediatistas, contribuindo para a destruição e esvaziamento da sensibilidade e capacitações humanas. O ser humano não pode ser transformado num ser insensível, que perdeu o contato com o eu interior, que não sabe aproveitar as suas horas de lazer para se instruir e se aprimorar, optando por jogar fora o seu precioso tempo com futilidades. Os Estados-Nação acabaram sendo rebaixados à condição de objeto a serviço de interesses particulares de cobiças por riqueza e poder, por isso agora oscilam.

Quando caímos num congestionamento com milhares de caminhões, ônibus e automóveis, a única saída é esperar pacientemente. Mas quando vemos os preços subindo, os empregos desaparecendo, o descontentamento e o medo ditando o ódio, surge a percepção que estamos em meio ao caos final, mas não se trata do fim de tudo, e sim um processo natural de restauração e recomeço para os seres humanos que perceberem, enfim, que são espírito e não apenas a matéria perecível na qual se aprisionaram. Em verdade, isso é um chamado para despertar da dormência, refletir, ampliar a consciência e desfazer conceitos errados, para então racionar com lucidez, simplicidade, clareza e naturalidade, de modo a semear um mundo melhor com gratidão, amor e paz.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

SEM EDUCAÇÃO NÃO HÁ EVOLUÇÃO

Estamos diante de catástrofes naturais como o terremoto que atingiu a Síria e Turquia, o ciclone na Nova Zelândia, muito frio e neve em algumas regiões ou calor excessivo em outras, e tudo isso em meio à crise econômica e rumores de mais guerras. É trágico que as lutas sejam feitas com equipamentos fabricados pelo homem para destruir bens e pessoas. Qual a causa dessa tragédia neste maravilhoso planeta dotado de tudo para dar sustentabilidade à vida dos seres humanos peregrinos?

Uma imagem antiga mostrava a associação do homem com a máquina mesclando tecnologia e intuição, algo que ficou meio perdido. A inteligência artificial poderia recompor essa perda? Pode ser, mas teria de pesquisar as leis espirituais da Criação, que não são alcançáveis pelo intelecto. Uma solução essencial é educar e dar bom preparo para a vida às novas gerações, estejam morando em favelas ou em qualquer bairro.

Europeus que vieram para o Brasil em busca de melhores condições de vida educaram seus filhos num país estranho. Muitos descendentes se destacaram em diversas atividades ajudando a construir o Brasil, mas algo travou as gerações subsequentes, interrompendo a marcha do progresso pessoal e nacional. O que se passa com a educação no Brasil que não formou muitos leitores de livros, nem para ler através da Internet? A época é difícil para livrarias, os custos fixos devem ser mínimos, pois as receitas ficam estagnadas. Que modelo poderia dinamizar a livraria Cultura?

Atualmente, as crianças recebem uma carga de informações através das mídias, mas os conteúdos estão longe de oferecer exemplos de vida responsável. Falta formar o ser humano na direção do autoaprimoramento, capacitando-o a beneficiar e melhorar as condições gerais de vida no planeta tendo em vista o progresso real no caminho de evolução. Tudo na Terra poderia ter sido diferente se o ser humano mantivesse sua intuição voltada para a melhoria geral. Os corpos caminham, mas onde está a alma?

Chegaram as portas na obra civil, mas não há marceneiros para instalá-las. Faltam eletricistas, encanadores e tantos outros profissionais. Tudo isso e mais firmeza de caráter é o que a educação tem de promover para o florescimento de uma nação próspera e pacífica. Há um grande atraso na educação, pois para a formação de seres humanos generosos, criativos e inovadores temos de colocar a natureza, suas belezas e lógica perfeita como prioridade na educação infantil.

Para conhecer a vida e seu significado o ser humano tem de compreender e respeitar o mundo animal. Respeitar a natureza e suas leis que foram instituídas pela Criador para o bem geral da humanidade que não quer acatar e respeitar, mas age seguindo seu ego e seus vícios, promovendo a destruição.

O líder também precisa saber avaliar os seus colaboradores e, aproveitando os seus talentos, dar a eles oportunidades para realizar trabalho de qualidade com dedicação. Mas na política valem os interesses e acordos, pouco importando a capacidade profissional. A situação atual do planeta atesta a incompetência administrativa e o despreparo geral.

Tudo que está oculto vem sendo mostrado, gerando insatisfações e descontentamentos, impedindo o bom entendimento entre todos. Há forte tendência para retirar o humano do ser, impulsionando a decadência geral. A sexualidade exacerbada tem sido o gancho para fisgar os desatentos. As pessoas vão sendo enredadas na teia que as pressiona para a atividade sexual através de pensamentos, literatura, imagens. Mas a atividade sexual é algo natural, instintivo, não precisa de estímulos externos, a não ser como meio para manter as pessoas acorrentadas.

Quando as novas gerações não recebem bom preparo para a vida o futuro fica ameaçado. O desequilíbrio geral avança pelo planeta, porque todos querem receber, mas poucos retribuem. Assim se passa no mundo, na atividade econômica, nas relações em família, no trabalho e na sociedade. Os jovens precisam conhecer a trajetória espiritual da humanidade com seus erros e acertos. Para que haja paz e progresso, a família e a educação devem propor um alvo comum de conquista do bem e melhora nas condições gerais de vida para que essas ações promovam o aprimoramento do ser humano que está embrutecendo de forma bem visível, sufocando a sua essência.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O BECO SEM SAÍDA

Em época difícil como a atual é importante não perder o “pique”, ou seja, a disposição, a motivação, a força de vontade de ir em frente, vivenciando e aprendendo, pois a vida assim o exige. Cair no desânimo é atraso de vida e perda de tempo.

Desde a crise do petróleo, em 1975, houve uma crise atrás da outra. Há indícios de que o começo desse ciclo foi em 1971, ano da ruptura do acordo de Breton Woods. Em 1980, houve a crise da dívida externa e aperto, com juros de 20% nos EUA; em 1998, a crise asiática; em 2001, a bolha na internet; em 2009, o subprime; em 2012, a dívida na Europa; e em 2020, a paulada da pandemia. Agora, em 2023, vem a soma de tudo. Não houve previdência. Onde estão os sábios que deveriam estar pesquisando como melhorar as condições de vida na Terra?

A humanidade se acha no beco sem saída, construído em séculos de cobiças. Mas isso não é mencionado, então a população é manipulada com a astuciosa técnica de comunicação, “gaslighting”, que insinua que o que o indivíduo está vendo e sentindo não é a verdade, mas a narrativa criada. O assunto do dia é a inflação e recessão. Faltam mercadorias. O dinheiro flutua pelo mercado. Solução: recolher o dinheiro com a taxa de juros. Isso reduz o consumo? Mas e o déficit na oferta, como resolver? A miséria surgiu da imprevidência. Essa é a questão difícil; como ela se formou, como achar a saída?

Para onde vai o Brasil e as demais nações? Quem está se preocupando com os problemas econômicos e sociais que se agigantam, além do adensamento das catástrofes naturais? Aumentar o gasto resolve? Se for um dispêndio aleatório é jogar dinheiro fora. Os gastos públicos têm de ser de tal forma que promovam retorno, ampliando a produção e a atividade econômica em geral, para assegurar a sobrevivência de forma condigna e que não seja uma dependência de esmolas com o dinheiro público.

A população precisa de bom preparo, atividade e esperança de melhor futuro. A política pão e circo só induz à decadência geral. A humanidade perdeu a memória dos acontecimentos essenciais da vida, desenvolvendo noções incompletas ou erradas.

O cinema se tornou a principal fonte de manipulação da opinião pública. Pode ter dado boas contribuições, mas os filmes, em sua maioria, depreciam o ser humano de qualidade, rebaixando-o a nível inferior ao do animal em seu instinto natural. A feminilidade vem sendo atacada já faz tempo. Agora surge uma onda atacando a masculinidade. Desse jeito, como o trigo do pão nosso, tudo vai virar “transgênico”, sem que se saiba exatamente quais serão as consequências.

Os desequilíbrios gerados por gestões comprometidas com interesses particulares criaram o intrincado cenário da sociedade. Uma edificação complicada com vários puxadinhos, que se transformaram num labirinto confuso. Os países necessitam produzir; os produtores necessitam de regras claras, mas o oportunismo vai criando estímulos, restrições e arranjos que conflitam entre si. Não há uma unidade nem seriedade, quem pode mais obtém vantagens escandalosas, quem trabalha e produz se sente abandonado e humilhado, e a busca por vantagens especiais se torna uma constante, sem saída, só remendos.

As guerras e os armamentos evoluíram. No século 19, o Império Britânico, com sua imbatível frota naval, dominava um quarto da superfície da Terra e sua população. Ao lado dela a França também se destacava. A Alemanha foi desenvolvendo suas fábricas com produtos de qualidade e preço. Não tardou que surgissem conflitos e guerras. Nesse período tomou corpo a guerra com bombardeio aéreo fulminante sobre as cidades. As elites intelectuais muito discutiram sobre essa forma de guerra extremamente cruel, como se as guerras em si já não o fossem. Por fim, surgiram as armas nucleares de extermínio em larga escala, desenvolvidas inicialmente pelos Estados Unidos e Rússia.

Em 2023, muitos países possuem esse tipo de armamento que coloca em risco a sobrevivência da humanidade. Os ânimos estão acirrados, os conflitos econômicos se avolumam. A impensável guerra total vai se desenhando na mente dos estrategistas e o grande risco para a humanidade será cair no beco sem saída construído por ela mesma.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br