Posts

O DESEQUILÍBRIO ECONÔMICO MUNDIAL

Diante da pesada inflação, o plano real não contornou os efeitos do desequilíbrio causado pela economia mundial, mas os agravou. Foi um choque monetário com base na âncora cambial e juros elevados. Era para ser uma fase curta de ajuste, mas se tornou um truque para iludir a população enquanto tudo o mais ia se desfazendo, indústria, infraestrutura, educação, saúde, pela ausência de investimentos e corrupção.

A partir dos anos 1990, a indústria foi definhando até chegar ao ponto de não produzir quase nada. O Brasil se tornou importador e dependente até de produtos simples; todavia é uma alegria contemplar nas feiras e mercados a fartura de alimentos produzidos no país. Há que se recuperar a fabricação. Agora, tudo está meio desmoronando, com aumentada dependência financeira e de manufaturados importados, e em consequência da pandemia, que trouxe escassez e inflação.

O uso das moedas nacionais teria sido um caminho de diversificação do dinheiro e de maior equilíbrio nas relações econômicas no comércio bilateral ou nos grupos de países como os do Mercosul, mas a pressão exercida pelo dólar, que superou a crise de credibilidade após o rearranjo de 1971, e a péssima gestão monetária de muitos países, tornaram suas moedas de pouca confiança e imprestáveis como meios de pagamentos internacionais.

Ao ter se tornado um simples papel impresso, o dinheiro precisa da credibilidade para permanecer aceito como reserva. O dólar tem um histórico de consolidação de mais de um século. O FED, formado em 1913 como gestor do dólar, se tornou o poderoso condutor da finança, mas o que acontecerá com os EUA com seus problemas internos e sua interferência nos conflitos beligerantes pelo mundo?

Não é novidade que o mundo adentrou numa nova disputa entre Estados Unidos e China, ora ofuscada pelos combates na Ucrânia. Economistas experientes como Larry Summers preveem recessão nos EUA e veem erros na economia. São muitas variáveis em movimento: economia, emprego, qualidade de vida, dívida pública, pressões sobre o dólar, o principal produto americano. São questões fundamentais sobre o funcionamento do dinheiro. Quais são os objetivos? Poderia o FED controlar a moeda mundial, independentemente dos Estados Unidos? Como um arranjo desse tipo poderia ser implantado?

Kishore Mabubani, autor de “A China Venceu?”, escreveu que “a disputa vai depender da vitalidade espiritual dos Estados Unidos, e de seu êxito em evitar demonstrações de indecisão, desunião e desintegração interna. Em vez de gastar recursos preciosos em uma ameaça chinesa ideológica inexistente, deveria voltá-los para a revitalização espiritual de sua sociedade.”

O relacionamento entre nações deveria seguir um procedimento ético e equilibrado, principalmente no comércio. A cobiça por riqueza e poder afastou os seres humanos da espiritualidade e acabou criando a tendência antinatural de superconcentração das atividades financeira e fabril, gerando desequilíbrio econômico mundial, dependência financeira das nações, queda de empregos e renda.

A concentração do poder vai despertando medo de perda de força econômica e financeira, provocando retaliações e atitudes belicosas inesperadas. A paz mundial fica em suspenso: estabilizará, retrocederá ou o pior ainda está por vir? Ao surgirem dificuldades imprevistas a partir da pandemia, os pontos críticos foram aparecendo, afetando o consumo e o comércio mundial, repercutindo em escassez e inflação. Qual o caminho a seguir?

Em vez de fortalecer o querer próprio, as pessoas vão abrindo suas mentes para influências externas. Quanto mais mergulham nisso, maiores são os riscos; a longo prazo acabarão sendo uma simples extensão das máquinas, incapazes de agir por si e sem condições de ouvir o eu interior que amplia a capacidade de discernir com clareza e expande o bom senso intuitivo.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

AS NAÇÕES E AS MOEDAS

O sistema monetário mundial está pendurado na moeda mais aceita, o dólar. As nações atrasadas dispõem de poucos recursos para trocas internacionais e como produzem poucos itens, precisam importar quase tudo com pagamento em dólares. Com isso, ocorrem déficits nas contas internas, na balança comercial e nas contas externas. Para cobrir os déficits, elas têm de tomar empréstimos que não vão para a produção e investimentos. A pandemia gerou a redução e paralização de atividades e do fluxo financeiro, o que foi contornado com a criação de dinheiro que se espalhou pelo mundo, gerando inflação, alterando a cotação de tudo. Mas, para muitas pessoas os salários caíram.

Foi permitida a criação de bolhas especulativas que, crescendo, se tornaram um risco para o sistema. Injetaram liquidez comprando papéis para assegurar a solvência. Com o desinteresse pela produção industrial, com o tempo foi se formando no ocidente a economia dos papéis e agora há desconhecimento sobre o futuro dessa economia que tende mais para virtual do que para real.

Os EUA tinham tudo: produção, tecnologia, população bem-preparada e finanças fortes para abarcar o mundo. Depois da Inglaterra, se tornaram os mandantes na América Latina. Agora têm poucas fábricas, dívida alta, bolsa de ações meio gorda com expectativa de entrar em regime para perder volume. E as nações sul-americanas estão afogadas em dívidas e desemprego. Espaço aberto, no qual a China vai avançando, e o desequilíbrio econômico aumentando pelo mundo. Em muitas questões, a história tem sido omissa, como, por exemplo, na questão do continuado aumento da dívida pública sem correspondente melhora nas condições gerais de vida. Não é fácil enxergar toda a extensão do drama.

Com a descoberta da abundância de mão de obra de baixo custo na Ásia, o ocidente foi reduzindo a produção fabril. O engasgue de 2008 deu início à flexibilização monetária, mas o dinheiro foi para a compra de papéis, o que se avolumou na pandemia. Enfrentamos desemprego, inflação e PIBs estagnados, gerando muitas incertezas quanto ao futuro da economia mundial.

Grande parte das indústrias está na China, que praticamente não necessita importar produtos manufaturados e pode exportar, pois seus custos são menores, e encontra nos países dependentes a oportunidade de importações do que necessita com preços vantajosos. Há um desequilíbrio na economia mundial. Como isso foi gerado? Como solucionar de forma que as nações possam prosseguir melhorando as condições gerais de vida em paz?

O desequilíbrio econômico mundial gerou estagnação geral. O consumo se retraiu como consequência da parada gerada pela pandemia, depreciando o poder aquisitivo das moedas dos países dependentes, acarretando perdas. O que fazer? Não adianta ficar lamentando a desaceleração da China; há que se fazer como ela e fortalecer a produção para o mercado interno, porque se atualmente exportar não está fácil para a China, imagine para os demais países.

No Brasil, a desatenção dos governos com as questões fundamentais criou dificuldades e pobreza em várias regiões, como a escassez de água no Nordeste. O rio São Francisco tornou-se estrategicamente muito importante, mas deve ser bem cuidado para que mereçamos a ajuda dos entes da natureza que cuidam das águas e das matas, outrora tão respeitados pelos índios do Brasil.

As teorias explicam muitas coisas, mas por que no Brasil não se consegue produzir manufaturados em maior quantidade? Por que a produtividade é baixa? Por que os importados chegam com preços inferiores aos produzidos no país? Por que a ZFM não ampliou a participação tecnológica nos produtos?

Educar para a vida requer a participação da alma como faziam muitos professores do século passado, auxiliados pelas famílias dos alunos. O risco do avanço tecnológico sem alma é o de transformar os seres humanos em meros robôs incapazes de uma reflexão própria sobre o significado da vida e seu papel no planeta com seus mecanismos de sustentação da vida, cada vez mais desconhecidos dos jovens e que a humanidade pouco respeita, mas em seu imediatismo, contribui para sua destruição.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

CRESCIMENTO ECONÔMICO

A economia de uma nação tem de acompanhar o crescimento da população e buscar a melhoria das condições gerais de vida. O aumento do PIB pode se dar com o aumento da extração de minérios do solo para exportação, mas não assegura que haverá melhor qualidade de vida. Estão crescendo, pelo mundo, os aglomerados de moradias precárias tipo favela. Faltam gestores públicos e empresários responsáveis, pois cuidam primeiro de atender aos objetivos pessoais.

A economia mundial já apresentava fissuras; a pandemia as tornou evidentes e as ampliou. A precarização avança desde a classe média, afetando drasticamente a população. É indispensável a união de todos os segmentos para o bem do Brasil e do aprimoramento da humanidade. A queda na produção e empregos não pode ser recuperada de repente, pois o auxílio temporário pode reduzir o risco do caos social, mas o correto é que haja trabalho, produção, renda, para que as pessoas sejam reativas, contribuindo para o bem geral e para não ter a sensação de estar vivendo de esmolas.

“O presidente Jair Bolsonaro tem 60 milhões de votos e quer atender caminhoneiros e 17 milhões de frágeis com um repasse de R$ 400, e esse quadro tem de estar presente nas decisões”, explicou o ministro Paulo Guedes, ressaltando que os secretários que deixaram a equipe econômica queriam que o auxílio ficasse em R$ 300, mas a ala política queria atender aos mais necessitados. “Entendemos os dois lados, mas não vamos ‘tirar 10’ em política fiscal e zero em política social. Preferimos tirar ‘8’ em fiscal, em vez de ‘10’, e atender aos mais frágeis.”, justificou o ministro.

Há grupos que querem vencer a eleição, custe o que custar, inclusive interferindo na livre decisão dos eleitores, e isso não é só no Brasil. E depois farão como sempre, uma administração voltada para os interesses particulares, deixando de lado o que é essencial. No Brasil, os problemas são imensos. Os votos têm sido mal-empregados há décadas. Vejam em que situação o país ficou. Para que tantos deputados, senadores, vereadores? Eles têm mais atrapalhado que ajudado o país. Grupos econômico-financeiros se instalam na nação e os seus objetivos passam a ser os da nação inteira que perde a autonomia e descuida do próprio futuro, deixando a precarização avançar.

Soma-se a isso outro problema: grande parte do atual ambiente inóspito para a vida está na destruição da cobertura florestal, na derrubada das árvores. Grandes cidades arrasaram suas áreas verdes. Prefeitos, governadores e o legislativo jamais se preocuparam com a preservação dessas áreas nas cidades, nas vilas, nas favelas. Fortaleza, capital do Ceará, é uma cidade quente, mas nas proximidades da reserva do Cocó a temperatura é mais amena, há mais vida, a cidade fica mais humana e equilibrada.

A economia brasileira foi baseada no sistema produtivo de monocultura exportadora e escravocrata, fornecedor de riquezas para as metrópoles, sem alvos próprios, sem criar renda interna. O agronegócio e a produção de alimentos são muito importantes, mas precisamos diversificar para gerar empregos e renda, e impedir que voltemos ao passado.

Alicerçar a atividade produtiva na economia globalizada cria riscos; nada é seguro, os investimentos são elevados, mas de repente tudo pode cair. Basta um simples embargo aos produtos voltados para a exportação. A motivação dos líderes está na maximização do ganho e do poder; quem pode mais, chora menos. Cada nação deveria ter a autossuficiência como meta e planejar trocas comerciais equilibradas.

A humanidade se deixou afastar de sua essência, passando a servir aos interesses daqueles que detêm o poder e que nem sempre são os da nação. Só o bom preparo das novas gerações poderá assegurar futuro melhor. A livre decisão é como escolher qual entroncamento ferroviário seguir. Uma vez feita a escolha, a vida vai na direção que pode ser boa ou não. Se houver uma parada intermediária, será possível fazer uma nova escolha. Há entroncamentos que levam para regiões agradáveis, que fazem bem para a evolução, e há os que levam para regiões ásperas e decadentes. Os indivíduos, os povos, a humanidade, têm a liberdade de escolher, mas terão de chegar ao destino escolhido.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

DESCONEXÃO E FRAGMENTAÇÃO

Benedicto Ismael Camargo Dutra*

Há um sentimento de perda geral de conexão do indivíduo consigo mesmo e com as demais pessoas; entre as pessoas e entre essas e tudo o mais. Há também o fenômeno da fragmentação. Tudo parece estar em pedaços para dificultar a visão clara. A mentira é a grande arma que destrói a humanidade e vem sendo empregada há milênios, como meio de dominação, na religião, na política e na economia, ou seja, na vida em geral.

Enfrentamos a grande crise de credibilidade devido ao abusivo uso da mentira e da falsidade, em vez de usar a simplicidade e naturalidade da verdade, e tudo foi perdendo a clareza, ficando obscuro. O mundo está em transformação que vai acelerando a desconexão do ser. Ninguém acredita em mais nada.

Com os modernismos, caímos no alheamento do significado da vida, uma questão complexa posta de lado por pais e educadores, mas os jovens precisam ser despertados para essas questões: o que estamos fazendo neste planeta; como melhorar as condições de vida; qual o significado da vida; de onde viemos, para onde vamos; o que é a Criação.

Com a crise econômica a vida se tornou mais difícil para os jovens pela redução de oportunidades de futuro melhor. É preciso que busquem a compreensão da existência e a melhora geral das condições do planeta para não caírem na depressão, desinteresse e vida sem sentido. Trata-se de uma luta árdua, dada a invasão de suas mentes por tantas informações fragmentadas e desconexas. Os jovens têm talentos que precisam ser despertados e postos em ação para que isso lhes traga a alegria de estar participando de algo nobre, engrandecedor.

Endividamento e juros quebram Estados. Automação e globalização destroem empregos. Como manter a previdência? É um problema que se aproxima. Há erros antigos nas relações do trabalho que vêm à tona. É necessário que se crie um novo regime de trabalho que se fundamente no equilíbrio entre o que se recebe e o que se oferece. Só assim poderão ser eliminados os conflitos.

A abertura entre as nações foi como colocar crianças para jogar com adultos experientes; os mais jovens sempre perdem o jogo. Muita gente ganhou muito nesse jogo, mas agora a mesa está rachada, perdendo a sustentabilidade. Tecnologia, comunicações e política formam a base, mas a política se dobra diante dos interesses dos grupos que favorecem a eleição e reeleição, pois não há busca de equilíbrio, prevalecendo os ganhos de uns para perdas de muitos, gerando insatisfação, violência, aumento do uso de drogas, desesperança, criminalidade, abrindo o caminho para o populismo.

Livre Mercado e Capitalismo de Estado têm que implantar metas que criem estabilidade e oportunidades de desenvolvimento humano, para não gerar mais insatisfeitos e indisciplina. A população precisa de trabalho e renda para consumir; de educação que promova o aumento da qualidade humana, do bom senso e discernimento. Enfim bom preparo para alcançar um futuro melhor. É indispensável que sejam feitos todos os esforços para formar seres humanos de qualidade, autônomos, atentos, com raciocínio lúcido e clareza no pensar, aprendendo, vendo e fazendo.

Estamos vivendo a era do apagão mental e da desconexão geral com o mundo; ela começa no indivíduo que vai se separando de si mesmo, de sua essência espiritual e da vida real, e passando a viver exclusivamente em função do conteúdo que assimila através do cérebro, ligando-o a uma realidade ilusória gerada pelos conceitos falsos. Significa a alienação da vida real, a perda da visão e capacidade de enxergar por si mesmo e tomar decisões conscientes. Com isso, ele acaba perdendo a condição humana, caindo no enrijecimento, vivendo como alienado.

Para se reconectar consigo mesmo e com a realidade da vida, o ser humano tem de buscar a Luz da Verdade e servir-se de sua energia curativa para forjar o renascimento ético, moral, econômico. Um alvo nobre que requer a participação de todos, com a prioridade de construir um mundo digno, que visa a melhora da qualidade humana e das condições gerais de vida com equilíbrio, eficiência e continuado progresso.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7