Posts

MENTES CADA VEZ MAIS ESTREITAS

O estreitamento mental vem de longe, começou com o cinema, passando pela TV e atingiu o clímax com o streaming. Estudantes têm dificuldades para ler e escrever textos simples. Mentes emburrecidas e embrutecidas podem ter afetado as novas gerações geneticamente, assim como aconteceu com o cérebro do raciocínio e com o cerebelo capacitado a captar as intuições oriundas de uma esfera com mais leveza. O ser humano tem de esforçar para obter a reversão dessa situação anômala.

O planeta Terra é a grande hospedaria, dotada de todos os recursos necessários, destinada à evolução espiritual. Cabe à espécie humana contribuir beneficiando e embelezado, mas os homens querem riqueza e poder. A vida é boa, a natureza é maravilhosa, e os seres humanos o que são? Criaram regulamentos para controlar tudo. Há uma transformação universal em andamento que nos obrigará a seguir as leis naturais da Criação. Em nossa era materialista não há reflexão; não há diálogo com o eu interior; não há intuição; já não há Criatividade, algo que surge do eu interior, a aplicação integral do ser que se manifesta mais fortemente nas artes. Distantes da voz interior, agora muitas pessoas estão puxando conversa com a Inteligência Artificial.

Na economia, apesar de uma dívida próxima a 80% do PIB, o Brasil ainda permanece em grande atraso geral, o que é agravado pelo declínio na educação. O mundo vive o drama da guerra monetária com anseios de partilha no poder do dólar. Os juros do FED mexem com tudo. O efeito colateral da taxa elevada de juros nos EUA é que aumenta a procura por dólares causando perdas nas outras moedas.

O que aconteceria se a moeda da China desvalorizasse 50%? As alíquotas alfandegárias aumentadas se tornariam sem efeito? Quer dizer, um dólar equivaleria em torno de 12 yuans, o que deixaria os produtos chineses mais baratos. A economista Christine Lagarde, atual presidente do BCE, fala que a economia mundial precisa ser reformulada. Aumentam as conversas sobre a adoção do dinheiro digital. Tudo parece lances de um jogo que estamos longe de entender.

Enfim, estamos diante da grande competição entre as nações desenvolvidas do ocidente e a China, que se tornou a fábrica do mundo e quer ampliar seu faturamento. Baixando os preços venderia mais? Pode ser que sim, mas com certeza criaria grandes danos para o esforço de renascimento industrial de algumas nações. Com tantas incertezas os consumidores estão mais disciplinados em seus gastos, mesmo porque com a desvalorização do dinheiro, estão comprando menos por conta da perda de poder aquisitivo.

Na Terra, o estreitamento é geral: crise econômica, alterações climáticas, risco de os alimentos produzidos não serem suficientes, guerras ao vivo nas TVs, juventude sem rumo. Figuradamente, estamos diante da colheita de todas as sementes que a humanidade lançou com seu modo de atuar, mas em festanças comendo e bebendo, se divertindo, logo tudo o que é desagradável é esquecido, sem que se perceba o que está se passando na Criação.

É necessário semear e cultivar as sementes do bem para amenizar a aspereza, para que surja a era do ser humano completo, com o espírito conduzindo as ações em conformidade com as leis da Criação, e o intelecto planejando e executando as necessárias ações.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O SIGNIFICADO DO PENTECOSTES

Pentecostes era inicialmente o nome que se dava à “Festa das Semanas” ou “Festa da Colheita”, celebrada sete semanas depois do início da colheita do trigo. Sete semanas correspondem a quase cinquenta dias, daí o nome de “Pentecostes” (do grego pentekostes – quinquagésimo).

As festas da Páscoa (do hebraico “Pessah” – passagem) e dos Ázimos (pães sem fermento) foram fundidas e fixadas no 14º dia do mês de Nisã, e a partir daí a Festa das Semanas recebeu uma data regular no calendário judaico: sete semanas após a Páscoa, que atualmente comemora a saída dos hebreus do Egito. No judaísmo, o Pentecostes passou a lembrar a outorga da Lei a Moisés. No cristianismo, o Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos reunidos no cenáculo, que teria ocorrido também cinquenta dias após a Páscoa cristã.

O evangelista Lucas descreve com muita clareza o vivenciar do Pentecostes sobre os discípulos reunidos em devoção, mas não o processo em si, que tanto ele como os demais desconheciam. Naquele dia, os discípulos estavam pensando em seu Mestre que havia ascendido e que lhes prometera enviar a força do Espírito Santo, conforme registrado por Lucas no Livro de Atos dos Apóstolos: “Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judéia e Samaria, e até os confins da Terra. Depois de dizer isto, Jesus elevou-se à vista deles.” (At1:8,9). Na ocasião, Jesus dissera a eles que isso aconteceria “dentro de poucos dias” (At1:5).

A narrativa de Lucas informa que os discípulos se reuniram justamente no dia de Pentecostes. O acontecimento da efusão de forças do Espírito Santo nesse dia de Pentecostes calculado na Terra indica que, naquele ano, a reunião dos discípulos coincidira exatamente com o fato real, que se processa em alturas inimagináveis da Criação.

É o seguinte o relato do evangelista: “Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo.” (At2:1-4). Vários quadros antigos procuraram retratar esse acontecimento especial.

Os discípulos puderam vivenciar conscientemente o Pentecostes porque se encontravam reunidos em devoção no momento exato em que se dava o derramamento de forças do Espírito Santo sobre a Terra. O apóstolo Pedro dá detalhes até do horário, ao dizer que estavam reunidos na “terceira hora do dia” (At2:15), que corresponde às 9h da manhã aproximadamente.

O derramamento de forças através do Espírito Santo, o Pentecostes, é um fenômeno que se repete regularmente em toda a Criação desde o início dos tempos, e não foi levado a efeito exclusivamente para os discípulos. É a época do suprimento de forças para a Criação inteira, o tempo da renovação, sem a qual tudo quanto foi criado acabaria por definhar e desaparecer, tal como descrito nas lendas sobre o Graal.
O famoso rei Davi conhecia o fenômeno e o cantou neste salmo: “Senhor, como são grandes as Tuas obras! A Terra está cheia das Tuas criaturas! Se lhes tira o alento, morrem e voltam ao pó de onde saíram. Se lhes envia Teu Espírito, voltam à vida. E assim renovas a face da Terra” (Sl104:24,29,30).

Que o Pentecostes não ocorreu só uma única vez, exclusivamente para os discípulos, fica claro em algumas passagens de Atos dos Apóstolos: “Pedro estava ainda falando, quando o Espírito Santo desceu sobre todos os que estavam escutando a Palavra. Os fiéis de origem judaica, que tinham vindo com Pedro, ficaram espantados de que o dom do Espírito Santo fosse derramado também sobre quem era de origem pagã.” (At10:44,45). “Podemos, por acaso, negar a água do batismo a estas pessoas, que receberam, como nós, o Espírito Santo? (…) Logo que comecei a falar, o Espírito Santo desceu sobre eles, da mesma forma como descera sobre nós.” (At10:47;11-15)

Os judeus daquela época ficaram admirados com o derramamento de forças do Espírito Santo sobre os pagãos, porque não conheciam nada sobre a regularidade da renovação da força de Deus para a Criação inteira, tal como ficariam admirados também os fiéis cristãos de hoje se soubessem que essa renovação continua a ocorrer, ano após ano. No entanto, Pedro já dissera aos seus ouvintes que o dom do Espírito Santo era para eles e seus filhos, assim como “para todos aqueles que estão longe” (At2:39). No Antigo Testamento vemos uma alusão a esse processo, completamente desconhecido dos israelitas, com a indicação de que “a glória do Senhor encheu o Templo do Senhor” (1Rs8:11).

O Pentecostes ocorre em toda a Criação, e por conseguinte também na Terra e sobre toda a humanidade. E continua, sim, a ocorrer regularmente, ano após ano, em bem determinada época. Basta ao ser humano estar de alma aberta, pleno de humildade, para recebê-lo e usufruir as bênçãos da força do Criador, derramada pelo Espírito Santo. Esse estado de alma purificada, humilde e receptiva, é precondição para o recebimento da força.

Obs.: Conheça as obras publicadas pela Ordem do Graal na Terra

https://www.facebook.com/groups/449319828820772

Roberto C. P. Junior é espiritualista, mestre em ciências, membro da Academia de Letras e Artes de Portugal e autor de seis obras, dentre as quais: O Dia Sem Amanhã, O Filho do Homem na Terra e Jesus Ensina as Leis da Criação, todas publicadas pela Ordem do Graal na Terra, da qual é membro – bit.ly/livros-OGT. É responsável pela página “O Dia Sem Amanhã” no Facebook, pelo blog odsa.com.br e canal bit.ly/ODSA-YT.

MUNDO DE MENTIRAS

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial. Os indivíduos agem como se estivessem interpretando um papel. Não há reflexão, vão falando o que lhes vem à mente de forma confusa. Não pensam além da satisfação das necessidades do corpo e da diversão. Na infância, todos têm uma instintiva percepção simples da vida, mas ao se tornarem adultos ficam embotados, seguindo numa rotina automática. A infância é simples e natural, mas os adultos se permitem agir como lobos, atacando tudo que se interponha às suas cobiças e vaidades.

Quanto mais religiões foram sendo criadas, mais o ser humano foi se afastando do mundo natural, da vida real, e vai seguindo como perturbador que não age como deveria. No século 21, a humanidade espiritualmente adormecida se acha sem rumo, e a sustentabilidade está no limite, assim como a economia e a natureza.

A alma foi deixada de lado, o cérebro entrou no ritmo frio e mecânico das máquinas programadas, restringindo a espécie humana apenas aos aspectos materiais e sociais da vida. Houve tantos abusos e pressões que se pode dizer que grande parte esteja com alguma deficiência em seu cérebro. Na Terra, a aspereza está aumentando. Não há mais dissimulação. As pessoas estão sendo submetidas às imposições feitas por meio da força física ou psicológica.

A humanidade não entendeu por que se tornou necessária a encarnação do Filho; sem isso, já teria se autodestruído. Também não compreendeu e não conservou intactas as palavras severas de amor que Ele ancorou na Terra com o próprio sangue. Dois mil anos depois a situação é muito pior, pois a decadência atingiu tudo. Muitos dos assassinos estão de novo na Terra para colherem o que semearam.

O Poderoso Criador dá ao espírito humano a necessária oportunidade de nascer no mundo material para evoluir. Todos os corpos humanos são gerados da mesma forma e, “no meio da gravidez, é feita a ligação do espírito ao pequeno corpo, e o próprio sangue começa a circular” (O Mistério do Sangue, Mensagem do Graal). Enquanto a humanidade afundava, com guerras de conquistas, escravização e afastamento da Luz Primordial, veio Jesus para restabelecer a união perdida. Dois mil anos se passaram e pouco sabemos do porquê e como Jesus nasceu, mas tudo seguiu as leis naturais da Criação, e tudo foi sendo esquecido ou deturpado.

Desde 1945 o dólar se tornou a moeda mundial. Existem várias moedas que flutuam sem paridades fixas, submissas ao dólar que expressa a maioria das operações econômicas e financeiras. As contas sempre foram o ponto crítico que manteve o Brasil se arrastando com dívidas internas e externas.

Com tantas riquezas naturais, faltaram estadistas. O endividamento externo começou na Independência e foi prosseguindo. Na virada para a República, novo festival de dívidas. A atual reserva em dólares mal cobre a dívida externa. Vai daí que o dólar está oscilando mais. Um bilhão em swaps cambiais do BC colocados para inibir a volatilidade; quem subscreveu? Proteção contra desvalorização, ou especulação?

No filme de 2008, O dia em que a Terra parou, Keanu Reeves interpreta Klaatu, um ser ficcional que afirma: “este planeta está morrendo, a espécie humana o está matando. Eu vim salvar a Terra. Não podemos arriscar. Se a Terra morrer, vocês morrem. Se vocês morrerem, a Terra sobreviverá.” São palavras pesadas que poucos compreenderam, mas que bem poderão ser aproveitadas por seres humanos mal-intencionados. Em verdade, a espécie humana está sujeita à lei da reciprocidade, a colheita de todas as suas resoluções. Os que se esforçam sinceramente para se tornarem novos sobreviverão.

Falta o alvo da busca do bem geral com a participação consciente de todos. Tudo está áspero, não há amenização. Estamos numa embrulhada mundial confusa; quem sabe o que realmente está acontecendo, quem está puxando os cordéis? Há pretendentes que torcem para o fim do dólar para poderem ter o mesmo privilégio. Com tantas elevadas dívidas soberanas encabeçadas pelos EUA, não seria algo oportuno uma nova grande guerra?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

A IA E OS PERIGOS DA ROBOTIZAÇÃO

É importante fugir da robotização, pois ela reduz a amplitude do ser humano. Na verdade, é obrigação de cada um pôr em movimento todo o seu potencial: corpo, cérebro, intuição, raciocínio lúcido, mas lamentavelmente muitos se deixam estagnar num ponto qualquer pela falta do movimento contínuo. As mulheres são mais intuitivas, mas todos têm de se esforçar para ouvir o que a intuição diz, dando força a essa capacitação como meio para sempre evoluírem.

Atualmente, grande parte das atividades estão sendo esquematizadas e programadas nos mínimos detalhes, de tal forma que não há necessidade de muito desembaraço mental para executar as operações. Todavia, o desempenho deve ser com a atenção voltada para aquilo que a pessoa estiver fazendo, devendo ter interesse em saber como as coisas funcionam. Seja qual for a tarefa é preciso executá-la com foco.

Nas empresas o alto nível pode dizer: “aqui quem manda somos nós, não aceitamos quaisquer intervenções que não estejam de acordo com os nossos protocolos”. Se isso favorece a produtividade, por outro lado cerceia a participação da vontade e com certeza haverá a infelicidade geral e faltará vigor à organização, porque o pessoal se acomodou e aprendeu a só fazer o que lhe mandam sem adicionar vida naquilo que faz.

Antes tínhamos de fazer etapa por etapa necessitando, para isso, de amplo conhecimento. Hoje o computador permite que o programa execute tudo, bastando fornecer os dados, e assim o ser humano torna-se mero complemento da máquina. Para se contrapor a isso, os indivíduos devem buscar atividades que movimentem a sua mente e a sua intuição. Há jogos, filmes, livros os quais não podem ser esquecidos.

Com o advento da Inteligência Artificial é fundamental ler, examinar e refletir para não deixar que a intuição se apague, permitindo com isso ampliar o saber de forma a não cair em nefasto comodismo. E ainda permanecer atento ao próprio querer que parte do eu interior, estabelecendo propósitos, movimentando-se, observando a natureza, sua beleza e seu funcionamento. Os sistemas educacionais têm de atentar para isso introduzindo as adequadas mudanças, pois é imperioso colocar um basta na robotização do indivíduo que deve atuar vivamente, com todo o seu ser, em tudo que se dispuser a fazer, pois sem isso jamais será verdadeiro ser humano.

A humanidade têm de concentrar esforços na melhora das condições gerais de vida e ao mesmo tempo na promoção do próprio aprimoramento, pois só assim alcançará, através de uma economia equilibrada, um progresso real sustentável jamais alcançado e, com ele, a paz entre os povos.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

UMA ROTA PARA O EQUILÍBRIO

A Terra enfrenta o desequilíbrio geral. O lucro, colocado como a prioridade da vida, fez muitos estragos pelo mundo. Muita coisa está detonada. O ocidente controlou o dinheiro, e apesar da existência de vários grupos grandes, havia uma unidade. No Capitalismo de Estado com poder centralizado foi possível um direcionamento uniforme para alcançar superávit e acumular reservas. O resultado disso é muito dinheiro em caixa aprontando surpresas e instabilidade.

Como se explica o crescimento da China e outros asiáticos? O câmbio favorável, a mão de obra de menor custo, a taxa de juros? Que efeito isso provoca no ocidente? A indústria brasileira vem decaindo desde os anos 1980, evidenciando-se o achatamento da renda per capita que perdeu poder de compra. Qual a solução que poderia promover melhora na renda e nas condições gerais de vida?

O agravamento é evidente, criando desorientação geral. A Terra está em guerra e não se sabe para onde isso vai. Preocupantes são as incertezas quanto ao futuro e a instabilidade geral que estamos enfrentando, o que mexe com a cabeça das pessoas que, sem saber que rumo tomar, caem em dúvidas e no desânimo.

Não se ouve falar em um plano de bom senso para estabilização geral; tudo está em movimentação rápida e desordenada, sem definição. O que a máquina não pode fazer sozinha, ela usa o ser humano, o qual só pode fazer o que a máquina lhe permitir. Sem a participação da alma, o que podemos esperar do futuro?

O salário é fixo, mas os preços aumentam, assim como aumenta a dívida pública, e os governos gastam muito e querem mais dinheiro. A situação artificial dos preços das ações nas bolsas e a eventual ocorrência de calote poderão gerar crise grande. Neste ano teremos o “Superbowl” eleitoral. A escolha do mandatário para o próximo período em muitas nações. No Brasil, falta responsabilidade na gestão financeira pública. Haverá eleição em 5570 municípios, alguns deles com orçamento bilionário, o que representa muita tentação para grupos inescrupulosos.

Como dar boa formação para os eleitores de amanhã? Os jovens pouco leem. Que tipo de leitura está sendo oferecida na escola pública? O Ministério da Educação tem de selecionar livros que falem do enobrecimento do ser humano. Em 1890 surgiu o livro O Cortiço, de Aluísio Azevedo, citado em aula por alguns professores e considerado do tipo naturalista, mas foca no embrutecimento dos instintos sexuais e na forma degradante da luta pela sobrevivência dos personagens. A qualidade dos livros tem decaído ocorrendo o mesmo com os filmes. Algo lamentável. É o nível progredindo na direção inversa, para baixo, penetrando no cérebro dos jovens, arrastando tudo para a imundície.

Os governantes em geral são desmazelados com o dinheiro e as contas. A população em sua grande maioria não tem dinheiro, e o que consegue receber vai tudo embora no atendimento de necessidades essenciais ou supérfluas, refluindo para o centro de controle. Governos, Bancos e Bancos Centrais poderiam dar um rumo adequado para a economia, mas as guerras econômicas não deixam. Será que a eventual mudança de governo nos EUA poderia levar a uma nova rota para restabelecer o equilíbrio entre as nações com convivência pacífica e progresso real?

Falta sabedoria que poderia levar a um novo caminho que possibilitasse o reconhecimento das leis universais da Criação e o surgimento de equilíbrio entre as nações com convivência pacífica, qualidade de vida e evolução; mas a vaidade, orgulho, arrogância e cobiças mantêm o ser humano escravizado. Será que a melhora do mundo só será possível após a chegada do Apocalipse para devastar a obra sem coração?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

ABDRUSCHIN, AUTOR DA MENSAGEM DO GRAAL

Há muitos enganos a respeito de Abdruschin, autor de Na Luz da Verdade Mensagem do Graal. Ele sempre dizia aos ouvintes e leitores: “atentem para o conteúdo, não se preocupem com a pessoa do Autor, examinem o que diz a obra”.

Na dissertação A Ferramenta Torcida, Abdruschin escreveu: “Os jornais de muitos países noticiaram sobre o misterioso ‘castelo’ de Vomperberg, cujo proprietário seria eu! Chamaram-me de o ‘Messias do Tirol’, ou também o ‘Profeta de Vomperberg’! Com manchetes de grande destaque, até nos maiores jornais que pretendem ser levados a sério. Havia reportagens de espécie tão estarrecedoramente misteriosa sobre inúmeros caminhos de ligação subterrânea, templos, cavaleiros com armaduras negras, bem como de prata, um culto inaudito, também sobre vastos parques, automóveis, cavalariças e tudo o mais que pertence a um cérebro doentio, capaz de relatar tais coisas. Citaram-se particularidades, às vezes fantasticamente belas, às vezes, contudo, asquerosas de tão inaudita imundície, que cada um, refletindo um pouco, teria logo que ver nisso a mentira, a intenção maldosa. E em tudo isso não havia uma palavra verdadeira! Mas se daqui a séculos, ou mais fácil, em milênios, uma pessoa vier a ler tal artigo tendencioso… quem poderá levá-la a mal, se quiser acreditar nisso, e disser: – Mas está relatado e impresso aqui! Uniformemente, quase em todos os jornais e idiomas!”

Tudo que ele escreveu está acontecendo. Uma narrativa mentirosa, criada por seres humanos sem compostura, sendo levada em consideração por pessoas que não analisam os fatos objetivamente.

Sem o aprimoramento da espécie humana e o reconhecimento e respeito às leis da Criação, a decadência será o inevitável resultado.

Durante décadas a Mensagem do Graal Na Luz da Verdade, obra destinada às pessoas que, individualmente, devem examinar com toda seriedade, tem permanecido à disposição dos seres humanos que a procuram, em diversos idiomas, através da atividade de divulgação desenvolvida voluntariamente por aqueles que reconheceram o elevado valor contido nessa obra. Embora se constitua numa verdadeira universidade espiritual ela ainda é pouco conhecida, pois a espiritualidade não tem sido a prioridade na educação para a vida. O site da Ordem do Graal na Terra dá amplas informações para aqueles que buscam a Luz da Verdade.

João 8.32: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

A humanidade se tornou escrava dos próprios erros. “Por isso, despertai! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos, na maravilhosa Criação de vosso Deus!” (Abdruschin, Introdução, Na Luz da Verdade Mensagem do Graal)
https://www.graal.org.br

MENSAGEM DO GRAAL – NA LUZ DA VERDADE – INTUIÇÃO

A obra Mensagem do Graal – Na luz da Verdade é destinada às pessoas que, individualmente, devem examinar com toda seriedade, pois há quase um século tem permanecida à disposição dos seres humanos que a procuram, em diversos idiomas, através da atividade de divulgação desenvolvida voluntariamente por aqueles que reconheceram o elevado valor contido nessa obra. Embora se constitua numa verdadeira universidade espiritual, ela ainda é pouco conhecida, pois a espiritualidade não tem sido a prioridade na educação para a vida. O site da Ordem do Graal na Terra dá amplas informações para aqueles que buscam a Luz da Verdade.

João 8.32: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

A humanidade se tornou escrava dos erros. “Por isso, despertai! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos, na maravilhosa Criação de vosso Deus!” (Abdruschin, Introdução, Na Luz da Verdade Mensagem do Graal).

Em 1938, a Gestapo prendeu Abdruschin e pretendia levá-lo para um campo de concentração para ser aniquilado. Foi salvo, mas teve que permanecer em prisão domiciliar sem poder se apresentar em público ou falar com amigos. Logo depois teve início a mais sangrenta guerra da humanidade. Abdruschin faleceu no exílio em 6 de dezembro de 1941.

O autor explica o mecanismo da intuição, a voz interior procedente da alma. Abdruschin divide o cérebro humano em duas partes: o cérebro anterior e o cerebelo, o pequeno cérebro, destinado a conectar o cérebro com a alma, que envia imagens intuitivas para a oficina do cérebro, onde é transformada para a nítida compreensão no mundo material, sendo que os seres humanos deram força ao desenvolvimento do cérebro anterior e sua capacidade de raciocinar, deixando o cerebelo com pouca atividade, o que o manteve estagnado. A recuperação no desenvolvimento de ambas as partes, cérebro e cerebelo, dará lugar a um novo ser humano no qual corpo e alma atuarão harmoniosamente.

Fonte: Título original no idioma alemão: Im Lichte de Wahrheit, Gralsbotschaft von Abdruschin (obra escrita entre 1923 e 1937) Traduzida e editado pela Ordem do Graal na Terra, Embu das Artes, SP, BR – Vol. 2, Intuição

QUAL É O FUTURO DA HUMANIDADE?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução. O que importa é o resultado; alguns imprevistos e desvios são tolerados desde que não embaracem o plano e assim vão ampliando a dominação. Há séculos a situação da humanidade tem sido essa, mas agora há algo novo no ar que impele, de forma cada vez mais veloz, as consequências, impondo que os efeitos mostrem as reais intenções.

Os pais não foram atentos achando que os filhos teriam uma vida fácil com boa escola e trabalho, mas deu tudo errado. Falta boa educação e preparo para a vida. Os empregos perderam qualidade e quantidade. Há um desalento. Muitos jovens se perguntam por que nasceram, não cuidam do corpo, menos ainda do espírito. Os traficantes se aproveitam e aumentam o faturamento à custa da fragilização das novas gerações, comprometendo o futuro.

Por que a humanidade está se desumanizando? Saiu do natural, perdeu a clareza e o discernimento, não sabe mais o que é a vida e sua finalidade. O pensar não pode ser mecânico; tem de ser flexível, claro, com discernimento. Qual é o futuro da humanidade que ouviu e viu, mas não quis aceitar que o Criador é um só. Muitos profetas foram enviados para explicar e advertir; uma grande pirâmide foi construída para deixar uma mensagem para alertar aqueles que saíam do caminho da elevação. Tudo deveria ter formado uma única doutrina, pois as leis da Criação são universais. Hoje há rumores de guerra. Aumenta a produção de armas. Os partidos querem o poder. Falta humildade espiritual.

Como se sabe, a Grande Pirâmide de Gizé e a Esfinge fazem parte de uma enigmática profecia em pedra, que faz alusão aos tempos difíceis pelos quais o povo da Terra está passando. Neste mundo áspero, sem amor, sem generosidade, nem paz de espírito, a política deveria ser a atividade da boa governança visando a continuada melhora das condições de vida e do aprimoramento, mas ligada ao poder se tornou o domínio, e como tal virou guerra devido à cobiça pelo poder e a riqueza que vem junto. As eleições bem demonstram isso.

Em meio a tantas arbitrariedades e conflitos pergunta-se qual é o futuro do ser humano? Essa é uma questão que sempre deve estar presente quando se trata dos rumos da humanidade que sofreu com reis déspotas, e mais ainda com tiranos eleitos. A maior parte deles nunca se ocupou com o aprimoramento da população. Os poderes econômico e político juntam as mãos para conduzir a sociedade ao caos. Cada indivíduo está sendo transformado em complemento das máquinas, nivelado sem vontade, sem discernimento, já não tem mais futuro.

Como alcançar a paz? Vivemos a lei do porrete mais forte. Como enfrentar a situação de conflitos que nos ameaçam? Há muitas recomendações, mas em todas falta o essencial; falta o conhecimento do significado e finalidade da vida, e sem isso tudo o mais será paliativo. A população do planeta calculada em oito bilhões de seres humanos está em nível jamais alcançado, mas sem qualidade. A indolência leva ao emburrecimento programado, à perda do bom senso, ao enfraquecimento da força de vontade. Um povo entorpecido, sem força para seguir o verdadeiro sentido da vida para evoluir pacificamente, chegará ao extremo de desperdiçar o tempo de vida na Terra.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

VIVER DESEQUILIBRADO

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz. O dinheiro tornou-se o motivador de todas as ações, inclusive as criminosas, de indivíduos e Estados, e das discórdias também. Apesar de toda a riqueza estar nos recursos naturais, onde falta dinheiro, sobra miséria.

A concentração continuada do dinheiro criou alguns mecanismos de distribuição, mas isso não resolve a questão da miséria humana, enraizada na baixa cultura, que nada acrescenta, e na falta de preparo para a vida, pois a concentração e as disparidades na renda são próprias do capitalismo, o que impõe a necessidade de criar mecanismos para manter o equilíbrio.

As nações se dividem entre as que produzem e controlam os bens e o dinheiro, as extratoras de matérias-primas e consumidoras de bens, e as rodeadas de muita pobreza. O consumo dos recursos naturais está no limite da capacidade do planeta. O sistema continua seguindo a rota do abismo. Mudar essa situação não é fácil, pois foram sendo incorporados muitos artificialismos para aumentar os ganhos.

O caminho pensado para mudanças é o da imposição de normas reguladoras que reduzam a utilização dos recursos naturais; isso já está acontecendo. Em sua mania de grandeza, os tiranos querem subjugar povos e territórios. Reduzem-se empregos, renda, consumo. As dívidas dos Estado-nação seguem aumentando, reduzindo sua autonomia. A movimentação do dinheiro passa a ser controlada até nos centavos.

As quantidades de produtos diminuem. Preços sobem. As escolas nivelam por baixo. Atividades lúdicas são criadas para manter a população ocupada. Castelos de areia foram construídos, mas não estão resistindo aos vendavais que se aproximam trazendo a grande colheita para os indivíduos. Em algumas nações, multidões vão às ruas para exigir soluções. É triste a realidade histórica da humanidade que precisa se manter em guerra para evitar mais guerras, aumentando a miséria. Bilhões de dólares são queimados nesses conflitos e mesmo sofrendo muito, a espécie humana não busca o lugar que lhe cabe, e vai decaindo.

O século 21 se apresenta forte e severo, diferente de todos os anteriores. Paira a ideia de desmanche geral, pois muitas coisas estão emperrando ao mesmo tempo. No meio da confusão, a alma agitada se sente perdida. A humanidade está domesticada e sem rumo. Estamos num ano eleitoral em muitas nações; quatro bilhões de eleitores definirão seus governantes. Há candidatos acomodados com a situação atual e os insatisfeitos propondo mudanças.

Os conquistadores pilharam as riquezas e fizeram escravos. A miséria na América Latina e na África empurrou para fora milhões de pessoas. A bem dizer, toda a tragédia da humanidade decorre da cobiça por riqueza e poder, e devido à ausência de aspirações nobres e elevadas. Aumenta o consumo de drogas. O que leva as pessoas a usarem substâncias prejudiciais que provocam a morte? São aquelas que se afastaram do significado e finalidade da vida e do viver consciente, simples e natural. Os indivíduos vagam pela vida sem rumo, vão jogando fora o tempo concedido, o vazio de suas vidas se torna um tormento que os levam a se refugiar nas drogas, em vez de buscar fortalecimento, evolução e desenvolvimento.

O Brasil perdeu fábricas e empregos. Atrasou na tecnologia, falhou na educação e preparo das novas gerações para a vida. Estagnou na infraestrutura, a dívida cresceu. A violência urbana aumentou. O que se poderia fazer para equilibrar a situação antes que aumentem a insatisfação e a violência?

A humanidade se robotiza e age mecanicamente, seguindo regras, sem ouvir a intuição sobre o que é o certo. É preciso reagir e escapar desse processo que enfraquece a alma e a força do querer próprio. Perdemos o rumo e nos afastamos daquilo que era esperado de nós, e agora precisamos urgentemente recuperar o rumo certo antes que seja tarde demais.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O FIM DO FUTURO

Como se forma o futuro dos povos? Como esperar que seja possível construir um futuro de paz e progresso se atualmente observa-se que poucas pessoas conservaram a sensibilidade da alma e não querem ouvir a voz interior da consciência? O querer tem vacilado diante dos vendavais das cobiças e da desconfiança. Uma população despreparada dá ouvidos a promessas irrealizáveis e se nega a entender as causas do sofrimento e miséria que avançam pelo mundo. O cérebro foi afastado do eu interior para, na indolência, acolher promessas irrealizáveis, pois cada ser humano colhe o que semeia com suas ações, e todos têm de se esforçar através do movimento certo.

Fim do futuro significa que o querer da humanidade não tem mais repercussão sobre o futuro já delineado por ela através dos séculos, tendo agora de seguir pelos canais abertos por suas resoluções. A fruta está na árvore, ainda meio verde. Quando ficará madura? Na hora certa será colhida. Estão delineadas as crises econômicas e sociais, o desequilíbrio geral nas relações entre indivíduos e povos, os conflitos, os confrontos, as inquietações, assim como a oportunidade para quem quer respostas. Quem as procurar com afinco e sinceridade achará essa promessa, ou seja, só a encontrará quem realmente procurar.

Desde o tempo da Grande Pirâmide do Egito foi dado à humanidade informações sobre a vinda do Juiz Universal e das consequências do desvio por caminhos errados em oposição ao desenvolvimento espiritual. Lamentavelmente, muitas das placas deixadas com a inscrição das palavras esclarecedoras foram destruídas sem que o seu conteúdo pudesse ser divulgado.

Muitos profetas como Moisés, Isaías, Buda, Zoroastro e Lao Tse vieram para advertir. Cada um deu explicações ao modo de compreensão de sua época, no entanto, com as interpretações erradas formou-se uma confusão sem que fosse percebido que tudo fazia parte do mesmo acontecimento: a vinda do Filho do Homem. Isaías anunciou a vinda de Emanuel. Na Pérsia, Zoroastro dizia ser um servo de Ahuramazda, o Criador Todo Poderoso, um anunciador do Saoshyant, aquele que trará esclarecimentos e paz. Um oráculo romano, provavelmente oriundo dos livros Sibilinos, dizia “Deus enviará um rei que livrará toda a Terra de toda guerra em obediência aos nobres mandamentos da Criação”. E, segundo João 15:26 – “Enfim, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de Verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim”.

Os discípulos também não entenderam tudo que Jesus explicou, e restaram só fragmentos. Daí decorreu a interpretação incorreta sobre o Filho do Homem, prometido por Jesus, para mais uma vez trazer para a humanidade o esclarecimento da Criação e encerrar o tempo concedido ao espírito humano para o desenvolvimento. Jesus sempre se referia a outra pessoa quando mencionava o Filho do Homem. Pedro acertou ao dizer “tu és Cristo, o Filho de Deus”, quer dizer o Filho do Homem é uma outra pessoa.

O ser humano é espírito-alma que precisa de vivências na Terra para se fortalecer. No corpo, no mundo material, o espírito foi bloqueado, deixou de atuar, não evoluiu apesar de ter ressuscitado na carne várias vezes. O vazio existencial o faz procurar, mas teria de se abrir para a Luz da Verdade trazida por Jesus Cristo, porém o real significado foi sendo perdido nos séculos. Abdruschin rescreveu os ensinamentos de Jesus na linguagem de século 20, mas para entender há que se ler com a alma.

Se os seres humanos não se empenharem com seriedade, visando construir um mundo decente, digno da própria espécie, a decadência e embrutecimento será inevitável, e o caos tomará conta da Terra. Acontecimentos brutais nos pegam de surpresa, desanimando e entristecendo. O dia do ajuste final, ou seja, o fim do futuro e início de uma nova era não está distante. A Justiça Divina, a paz e o respeito às leis da Criação serão impostas pelo Filho do Homem para o bem dos espiritualmente humildes.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br