Posts

O PODER SEDUTOR DO DINHEIRO

Dinheiro e Poder, que dupla!

O dinheiro público é muito sedutor, está lá, esperando. No passado, encontravam-se estadistas mais austeros. Pedro II é um exemplo, mas no tempo dele o Brasil não era uma república de bananas. Hoje sabemos se um país é eficiente bastando olhar para suas dívidas. A maioria das nações estão endividadas e sua população enfrenta dificuldades.

Estamos na época das incertezas. Tudo requer cuidado e bom senso, nas contas pessoais e nas das organizações. As contas públicas passaram a exigir o máximo cuidado e prudência, pois os eventos extraordinários estão acontecendo diante de contas detonadas e dívidas aumentadas.

Os governantes improvisam, aumentam a criação de dinheiro, e assim surge a inflação. A taxa de juros dos Estados Unidos, através do dólar, exerce ampla influência nas finanças globais, afetando de forma marcante os países dependentes que necessitam acompanhá-lo para que suas moedas não desvalorizem

Vale lembrar que os Incas viviam bem, não conheciam a pobreza; tinham uma civilização pacífica com os vizinhos e não faziam uso do dinheiro, uma vez que, para eles, o ouro fazia parte das maravilhas da Terra. Esmeravam-se no trabalho que consideravam como parte das suas vidas. A chegada dos europeus, sequiosos por ouro, nos anos 1530, detonou tudo. E ainda hoje, em todo o planeta, os seres humanos se digladiam pelo dinheiro e poder, apesar da sua fragilidade e da brevidade da permanência no corpo terreno.

O Estado-nação deveria ser o território onde um povo poderia se desenvolver por meio do próprio esforço material e espiritual, como fazia a antiga civilização Inca. Mas o Estado-nação se tornou o mercadão onde alguns faturam alto e por isso não querem mudanças, mas o povo caiu na desigual distribuição da renda e perdeu a força de vontade. Aumentar a produção está difícil, por isso o aumento da dívida está causando aumento de impostos e tentativas para cortar despesas. A economia do século 20 não trouxe a esperada melhora nas condições de vida. Os países atrasados estão empobrecendo.

Nesta fase conturbada de guerra monetária e econômica, pouco se fala sobre a evolução da espécie humana. Grande parte da população consegue sobreviver, embora com alimentação nem sempre saudável e nutriente. O uso do celular e outros equipamentos estão afetando a forma de pensar e falar. É fundamental o bom conhecimento do idioma para pensar e falar com clareza. As novas gerações estão se tornando como máquinas insensíveis, agindo de forma rígida, sem flexibilidade.

Na Terra estão reencarnando muitos espíritos que não aproveitaram o tempo para se fortaleceram em outras vidas, numa nova oportunidade para evoluírem dominando o cérebro e conduzindo os pensamentos para atividades construtivas e enobrecedoras. Para sair desse labirinto o caminho é o aprimoramento espiritual.

O ocidente acomodou-se ao transferir fábricas, ampliando o mercado financeiro. As consequências já surgiram. A força de trabalho está ficando com nível inferior no preparo para a vida. Alguns países estão se armando, se fazem isso por certo irão à guerra, e depois, o que acontecerá?

Grandiosa e poderosa é a natureza. Os homens não a compreendem, não a preservam. As consequências estão surgindo. A energia do Sol invade a atmosfera. Pesquisadores falam da forte influência dessa estrela. Será que há algum dinamizador do Sol, tipo asteroide ou cometa, intensificando a atividade solar?

Simbolicamente, o mundo se divide em Céu, Terra, Inferno. No Céu está o reino espiritual de onde se origina o espírito humano. Acima dele, o inalcançável Divinal, a Luz criadora. Abaixo da Terra está o chamado inferno, com seus degraus para o submundo. A Terra é a “estrela” concedida aos seres humanos para o fortalecimento e desenvolvimento de seu espírito que é intermediário e deve, com sua livre vontade, abrir o canal para o Alto e carrear energia espiritual para o mundo material, beneficiando-o. Mas também pode dirigir o canal para baixo, fazendo ponte para que a escória dos baixios possa subir e destruir tudo de bom que contribui para a elevação espiritual do ser humano.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O MUNDO EM CONVULSÃO

Pouco se fala sobre o Reino do Milênio, a esperada época de paz e alegria na Terra, seu significado e quando ocorrerá. O Livro do Apocalipse menciona, de forma passageira, o evento dos mil anos. Na obra Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, Abdruschin escreve que “o ser humano se esqueceu do essencial. Ele não contou com a condição igualmente prometida, de que antes do reino de paz de mil anos, tudo tem de se tornar novo no Juízo! Esta é a condição básica indispensável para o novo reino. No solo existente até agora ele não pode ser levantado! Antes, tudo o que é velho tem de se tornar novo primeiro!”

Isso significa que não é algo que possa ser erigido pelos homens, nem por aqueles que se julgam donos do planeta. O mundo vive as consequências do querer errado dos seres humanos que, tomando forma, está levando ao descalabro, o que terá de ser sanado pela aumentada força das leis divinas da Criação, desencadeada pelo Filho do Homem, o Espírito Santo, a Vontade de Deus.

Estamos numa fase complicada e agitada. Os homens de Atlântida, os egípcios, os gregos, os romanos, não deixaram o espírito atuar desembaraçadamente, e suas edificações vazias desmoronaram devido à astuta atuação intelectiva, raciocínio frio e sem vida. A sociedade humana, nesta fase de dois mil anos, fundamentou-se em muitos ensinamentos contaminados por mentiras e falsidades, que agora mostram vestígios de oscilação nos alicerces.

As trevas querem impedir o avanço dos seres humanos para que não conheçam a verdade libertadora dos caminhos seguidos pelo querer errado que tem causado muitas desgraças, impedindo o progressivo desenvolvimento espiritual da humanidade. Na escuridão da guerra espiritual, é indispensável buscar a Luz da Verdade, a boia de salvação nesse agitado mar de acontecimentos impactantes que se sucedem velozmente. O colapso geral que se está desenvolvendo decorre da ausência do espírito nas decisões do homem.

Diariamente bilhões de seres humanos dizem: “Seja feita a vossa Vontade, assim na Terra como no Céu”, mas quem realmente conhece a Vontade Divina na Criação? Quem se esforça incansavelmente para reconhecê-la? Pois sem isso o ser humano permanece vazio, incapaz de produzir na Terra as benesses para as quais foi capacitado.

Cada nação deveria fazer fluir a sua economia em progresso, a bem de seu povo. Mas há a geopolítica, a guerra econômica, as cobiças por poder, os falsos estadistas que só pensam em como ganhar a próxima eleição, tudo criando situação de caos, ou seja, o querer errado vai gerando funestas consequências.

Insatisfação e emburrecimento são fatores que rebaixam a espécie humana. O apagão mental tende a aumentar. Alguém tem de ensinar alguma coisa sobre trabalho, sobre fazer coisas bem-feitas a esses jovens que ficam horas engatados no celular e pouco aprendem em casa e na escola. As dificuldades, a pressa, a ansiedade, o tempo curto suprime uma parte do bom senso. É uma questão muito séria que tem de colocar os gestores públicos à frente das dificuldades sem ficarem voltados prioritariamente para a conquista do poder.

Estamos vivendo tempos cruciais. As pessoas em geral têm de prestar muita atenção à sua voz interior e jamais agir sob impulso fora do controle. Não há tempo a perder, na nova era não haverá espaço para o querer errado em oposição às leis da Criação; tudo terá de se tornar novo, pois o querer errado não poderá ultrapassar a barreira do Reino do Milênio.

As castas dominantes, com seu poder e outros meios, submeteram as demais à submissão, gerando medo e ódio. A convulsão geral vai dando seus sinais. Insatisfação e revolta se espalham pelo mundo num ritual místico-religioso e comunista-terrorista, visando detonar a imperfeita estrutura social, acarretando destruição e caos, pois não aceitaram as leis básicas da vida que regem a Criação. Assim como não acolheram a genuína doutrina de Cristo, tampouco esperam pelo Filho do Homem, prometido por Jesus, para concluir a missão de esclarecimento sobre a Criação e suas leis divinas, desencadear o Juízo Final da humanidade e promover fortalecimento espiritual dos que procuram sinceramente.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

INQUIETAÇÃO MUNDIAL

Todos nós precisamos de trabalho, moradia, alimentação e bom preparo para a vida, e para isso devemos nos esforçar. A coisa é simples assim, mas em geral as coisas não acontecem dessa forma porque muitas pessoas criam complicações para que possam ocultar suas cobiças e egoísmo.

A Terra e a natureza eram respeitadas pela humanidade intuitiva como gratidão ao Criador Todo Poderoso e suas leis. O cérebro intelectivo e o raciocínio se desenvolveram, e com isso o homem achou que podia tudo e se tornou destruidor sem alcançar a compreensão do significado e finalidade da vida.

A humanidade se afastou da natureza que nos concede tudo e, querendo dominá-la, já destruiu muitas coisas. Urge colocar o saber sobre a natureza como prioridade em todos os níveis escolares, sua beleza, sua coerência, suas leis lógicas, antes que seja tarde demais. Estamos diante da mudança climática. Frio e calor se revezam. O calor super é explicado com a massa de ar quente. A questão é se, além disso, o sol está enviando mais calor para a Terra.

Os especialistas analisam a situação geral e enxergam problemas graves em todas as áreas. Falam em falta de bom senso dos líderes, em gastos sem disciplina, da displicente emissão de dinheiro e dívida, de caos ambiental, citam a aproximação de forte recessão econômica mundial. Aumentam os rumores de guerra. E quando muitos falam em guerra e caos, como falar em paz? Há bandeiras de todas as cores, mas a bandeira branca é neutra, representa a necessária paz entre os homens de boa vontade.

O lucro é muito importante para as atividades econômicas, mas se tornou meta investir o mínimo para obter o máximo de ganho, e isso tem sido aplicado a tudo porque o ganho se tornou a prioridade máxima da vida. Indivíduos, famílias, empresas e organizações, e o Estado, todos querem o poder e riqueza. E tudo está à venda.

Muitas pessoas possuem grande capacidade de raciocinar, mas o raciocínio é produto do cérebro perecível, incapaz de captar a força espiritual que dá vida ao corpo. Na trajetória do ser humano, cada um tem a liberdade de escolher a estrada. Muitos seguem pela estrada do abismo e caem na inquietação. Poucos se esforçam para achar a estrada certa que explica a Criação e eleva.

As pessoas em geral não se interessam em saber nada sobre o além, de onde vieram e dos efeitos de suas ações. Basta observar os pensamentos. Não faz muito tempo os pensamentos carregavam bondade, generosidade, consideração, produzindo bom humor e serenidade. Havia amizade e confiança. Atualmente, há um tsunami de pensamentos nefastos como ódio, cobiças, luxúria e inveja entre outros, e isso está influenciando os humores, contaminando as pessoas que tenham em si algo dessa espécie.

A educação e o bom preparo para a vida são essenciais. Pouco se reconhece que a busca da evolução é a finalidade da vida. Sem conhecer e respeitar as leis naturais da Criação o ser humano se torna nocivo e destrutivo. Quando se fala leis da Criação, significa as leis que regem o universo inteiro. A palavra universo engloba tudo o que existe. É a unidade que se revela na diversidade.

No século 21 estão surgindo simultaneamente todas as consequências das decisões inadequadas e interesseiras, e percebe-se que vai ficando difícil o retorno a uma situação menos desequilibrada. Inquieta, a humanidade indaga o que é isso, o que está se passando, poderia ser a aproximação da profecia do Apocalipse? Há vários livros que examinam essa questão chegando à conclusão de que estamos numa fase de transformações universais superior à nossa capacidade de compreensão. “O Livro do Juízo Final”, de Roselis von Sass, explica essa situação geral da humanidade e mostra um caminho.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

DESUMANIZAÇÃO GERAL

As condições gerais de vida apertam. A humanidade vem, há longo tempo, agindo de forma individualista. A Inglaterra, a rainha dos mares, dominou tudo por um bom período. Vieram franceses, alemães e americanos. Os povos poderiam ter encontrado uma forma salutar de convivência sem prejudicarem-se mutuamente, algo que fica cada vez mais difícil, mas pouco se preocupam que algo trágico possa acontecer.

As nações não podem deixar a produção no abandono. No Brasil, chutaram a escada de proteção, fizeram grande abertura, baixaram artificialmente o preço do dólar, tendo como resultado o fechamento de muitas fábricas e hoje quase não produz mais nada. Os importados chegam com preço menor, mas aniquilam os empregos, fecham as oportunidades de avanço tecnológico, aumentam a dependência. O que o pessoal vai fazer? Lavar pratos nos botecos?

Atacado pelos inimigos, o Brasil foi desviado da rota de ser pátria de Luz, paz e progresso. Diante de forte luta pelo poder, o país do carnaval mantém o povo distraído. O Brasil é rico em recursos naturais. É importante mercado consumidor. A riqueza verdadeira está na natureza. O que se diz por aí é que há o grupo que controla o dinheiro. Há o grupo que fortaleceu a China. Pode ser até que ambos sejam um só. Há o grupo ocidental, dito conservador, que envolve dinheiro, poder, religião, e o ramo árabe muçulmano. Dos bastidores, todos eles manipulam seus interesses. Nesse meio há de tudo, muitas coisas para confundir, mas falta a verdade.

Tudo é importante: mão de obra, subsídio, matéria-prima. Produzir para consumo interno ou externo? Há fatores muito importantes e fundamentais para a produção que têm de ser profundamente examinados nas análises: juros, câmbio, preparo da mão de obra, formação de monopólio. A economia mundial sofreu profunda transformação a partir dos anos 1980 devido ao ingresso da Ásia na industrialização com a integração de elevado contingente de mão de obra de menor custo, câmbio favorável e incentivos.

Antigos professores de contabilidade diziam que as contas devem estar bem balanceadas; o passivo líquido não pode superar o patrimônio líquido. Quando os papas do Estado inventam criar dinheiro do nada, lançando dívida para manter a economia rodando, isso poderá agradar a interesseiros e a trabalhadores, mas o fato é que se o dinheiro for consumido sem produzir retorno, a conta não vai fechar. Chegará o dia em que o rombo insustentável que isso causa vai aparecer. As verbas para as atividades essenciais do Estado poderão sofrer um corte drástico.

O que se diz agora é que a Inteligência Artificial criará um índice de produtividade, sem a participação do homem, jamais alcançado, quer dizer não haverá empregos. A proposta é que haja a distribuição de uma pensão para a população em geral.

A Terra se acha na Babilônia global. Significa confusão se expandindo para todos os lados. Confundir é a ordem geral. Tudo que se diz de um lado é contradito do outro. Desordem geral. Tudo sendo lançado sobre a população com o poderoso esguicho da Internet. Televisão, celular, notebook, tudo canalizado para bater diretamente no cérebro sem filtro dos desavisados. Saia dessa. Pense menos. Cultive a serenidade, fortaleça o eu interior.

Por que a humanidade está se desumanizando? Porque saiu do natural, perdeu a clareza e o discernimento, não sabe mais o que é a vida e sua finalidade. A cultura dos povos antigos tinha por base a natureza e a espiritualidade. Depois entrou o misticismo e cultos trevosos com sacrifícios de animais e de seres humanos. Atualmente, os homens querem dominar a natureza sem estudar as suas leis universais. A espiritualidade foi abandonada pela cultura materialista que não quer aceitar que a vida continua. Natureza e espiritualidade são os saberes aptos a retirar os seres humanos da depressão, levando-os a respeitar a vida e evoluir, e não atentar contra ela.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

BOM SENSO INTUITIVO

Os governantes, em geral, são desmazelados com o dinheiro e as contas. Falta responsabilidade na gestão financeira pública. É bom lembrar que neste ano ocorrerão eleições em 5570 municípios, alguns deles com orçamento bilionário; é muita tentação para grupos inescrupulosos. A questão não deveria ser elevar a carga tributária, mas impedir escandalosas negociações que concentram o dinheiro em poucas mãos, que é um problema existente em grande parte das nações. A população precisa de saúde, educação, bom preparo para a vida, oportunidades de trabalho, salários adequados, mas é mais fácil aumentar os impostos e criar auxílios para a população despreparada e sem trabalho condigno.

A população, em sua grande maioria, não tem dinheiro, e o que consegue receber vai tudo embora no atendimento às necessidades essenciais ou supérfluas, refluindo para o centro de controle. Governos, instituições financeiras e Bancos Centrais poderiam dar um rumo adequado para a economia, o que resultaria em melhoras nas condições gerais de vida e no aprimoramento da espécie humana, mas as cobiças não deixam que isso aconteça. As elites mundiais se reúnem em amplos eventos, mas ficam longe do que poderia ser para alcançarmos a paz e a felicidade geral.

Como se explica o crescimento das nações asiáticas? Seria por causa do câmbio, da mão de obra de menor custo, da globalização? Que efeito isso tem provocado no ocidente? A indústria brasileira vem decaindo desde os anos 1980, evidenciando-se o achatamento da renda per capita que perdeu poder de compra. Qual a solução que poderia promover melhora na renda?

Cada nação emite o seu dinheiro, mas não há paridade entre as moedas, dando margem a jogadas. Muitas moedas não têm credibilidade nas transações internacionais por faltar-lhes estabilidade. Estaria em gestação a federação mundial dos Bancos Centrais para dar um jeito nisso?

Assim como a fragilidade das moedas, também as novas gerações estão sendo fragilizadas. Os jovens pouco leem. Que tipo de leitura está sendo oferecida na escola pública? O Ministério da Educação tem de selecionar livros que apresentem o enobrecimento do ser humano.

Em 1890 surgia o livro O Cortiço, de Aluísio Azevedo, citado em aula por alguns professores. Mas essa obra literária avança por um campo obscuro por abordar a miséria humana, e segue num rumo negativo, focalizando a animalização dos personagens e, consequentemente, a ação baseada na desnaturalização dos instintos naturais, tais como os sexuais e os de sobrevivência. Atualmente, não só a qualidade dos livros tem decaído, mas as comunicações em geral, porque mostram selvageria e embrutecimento do ser humano. É o nível progredindo para baixo, penetrando no cérebro dos jovens, arrastando tudo para a violência e imundície.

Os jovens estão perdendo a flexibilidade e a capacidade de raciocinar com lucidez em decorrência do embrutecimento e perda do bom senso intuitivo. As atividades que provocam mecanização do cérebro já mostram suas consequências. Pior do que exercer algum trabalho na infância de forma adequada é o roubo da infância a que as crianças estão sendo submetidas, sendo jogadas em atividades que pertencem à idade adulta, chegando a causar danos irreparáveis. Outra questão é a padronização e a mecanização cerebral em função das atividades ligadas à internet que vai moldando a atuação mecânica, restringindo a visão mais ampla sobre a vida.

Em meio à sua maior crise moral e social, a humanidade se defronta com fortes rumores de conflitos que apontam para uma provável e arrasadora Terceira Guerra Mundial. A humanidade tem de buscar uma mensagem de saber sobre a Criação e suas leis que promovam a recuperação do bom senso intuitivo e a convivência pacífica para sair dos caminhos errados por ela mesma criados.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

ABDRUSCHIN, AUTOR DA MENSAGEM DO GRAAL

Há muitos enganos a respeito de Abdruschin, autor de Na Luz da Verdade Mensagem do Graal. Ele sempre dizia aos ouvintes e leitores: “atentem para o conteúdo, não se preocupem com a pessoa do Autor, examinem o que diz a obra”.

Na dissertação A Ferramenta Torcida, Abdruschin escreveu: “Os jornais de muitos países noticiaram sobre o misterioso ‘castelo’ de Vomperberg, cujo proprietário seria eu! Chamaram-me de o ‘Messias do Tirol’, ou também o ‘Profeta de Vomperberg’! Com manchetes de grande destaque, até nos maiores jornais que pretendem ser levados a sério. Havia reportagens de espécie tão estarrecedoramente misteriosa sobre inúmeros caminhos de ligação subterrânea, templos, cavaleiros com armaduras negras, bem como de prata, um culto inaudito, também sobre vastos parques, automóveis, cavalariças e tudo o mais que pertence a um cérebro doentio, capaz de relatar tais coisas. Citaram-se particularidades, às vezes fantasticamente belas, às vezes, contudo, asquerosas de tão inaudita imundície, que cada um, refletindo um pouco, teria logo que ver nisso a mentira, a intenção maldosa. E em tudo isso não havia uma palavra verdadeira! Mas se daqui a séculos, ou mais fácil, em milênios, uma pessoa vier a ler tal artigo tendencioso… quem poderá levá-la a mal, se quiser acreditar nisso, e disser: – Mas está relatado e impresso aqui! Uniformemente, quase em todos os jornais e idiomas!”

Tudo que ele escreveu está acontecendo. Uma narrativa mentirosa, criada por seres humanos sem compostura, sendo levada em consideração por pessoas que não analisam os fatos objetivamente.

Sem o aprimoramento da espécie humana e o reconhecimento e respeito às leis da Criação, a decadência será o inevitável resultado.

Durante décadas a Mensagem do Graal Na Luz da Verdade, obra destinada às pessoas que, individualmente, devem examinar com toda seriedade, tem permanecido à disposição dos seres humanos que a procuram, em diversos idiomas, através da atividade de divulgação desenvolvida voluntariamente por aqueles que reconheceram o elevado valor contido nessa obra. Embora se constitua numa verdadeira universidade espiritual ela ainda é pouco conhecida, pois a espiritualidade não tem sido a prioridade na educação para a vida. O site da Ordem do Graal na Terra dá amplas informações para aqueles que buscam a Luz da Verdade.

João 8.32: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

A humanidade se tornou escrava dos próprios erros. “Por isso, despertai! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos, na maravilhosa Criação de vosso Deus!” (Abdruschin, Introdução, Na Luz da Verdade Mensagem do Graal)
https://www.graal.org.br

MENSAGEM DO GRAAL – NA LUZ DA VERDADE – INTUIÇÃO

A obra Mensagem do Graal – Na luz da Verdade é destinada às pessoas que, individualmente, devem examinar com toda seriedade, pois há quase um século tem permanecida à disposição dos seres humanos que a procuram, em diversos idiomas, através da atividade de divulgação desenvolvida voluntariamente por aqueles que reconheceram o elevado valor contido nessa obra. Embora se constitua numa verdadeira universidade espiritual, ela ainda é pouco conhecida, pois a espiritualidade não tem sido a prioridade na educação para a vida. O site da Ordem do Graal na Terra dá amplas informações para aqueles que buscam a Luz da Verdade.

João 8.32: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

A humanidade se tornou escrava dos erros. “Por isso, despertai! Somente na convicção repousa a verdadeira crença, e a convicção só vem através de exames e análises irrestritas! Sede seres vivos, na maravilhosa Criação de vosso Deus!” (Abdruschin, Introdução, Na Luz da Verdade Mensagem do Graal).

Em 1938, a Gestapo prendeu Abdruschin e pretendia levá-lo para um campo de concentração para ser aniquilado. Foi salvo, mas teve que permanecer em prisão domiciliar sem poder se apresentar em público ou falar com amigos. Logo depois teve início a mais sangrenta guerra da humanidade. Abdruschin faleceu no exílio em 6 de dezembro de 1941.

O autor explica o mecanismo da intuição, a voz interior procedente da alma. Abdruschin divide o cérebro humano em duas partes: o cérebro anterior e o cerebelo, o pequeno cérebro, destinado a conectar o cérebro com a alma, que envia imagens intuitivas para a oficina do cérebro, onde é transformada para a nítida compreensão no mundo material, sendo que os seres humanos deram força ao desenvolvimento do cérebro anterior e sua capacidade de raciocinar, deixando o cerebelo com pouca atividade, o que o manteve estagnado. A recuperação no desenvolvimento de ambas as partes, cérebro e cerebelo, dará lugar a um novo ser humano no qual corpo e alma atuarão harmoniosamente.

Fonte: Título original no idioma alemão: Im Lichte de Wahrheit, Gralsbotschaft von Abdruschin (obra escrita entre 1923 e 1937) Traduzida e editado pela Ordem do Graal na Terra, Embu das Artes, SP, BR – Vol. 2, Intuição

QUAL É O FUTURO DA HUMANIDADE?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução. O que importa é o resultado; alguns imprevistos e desvios são tolerados desde que não embaracem o plano e assim vão ampliando a dominação. Há séculos a situação da humanidade tem sido essa, mas agora há algo novo no ar que impele, de forma cada vez mais veloz, as consequências, impondo que os efeitos mostrem as reais intenções.

Os pais não foram atentos achando que os filhos teriam uma vida fácil com boa escola e trabalho, mas deu tudo errado. Falta boa educação e preparo para a vida. Os empregos perderam qualidade e quantidade. Há um desalento. Muitos jovens se perguntam por que nasceram, não cuidam do corpo, menos ainda do espírito. Os traficantes se aproveitam e aumentam o faturamento à custa da fragilização das novas gerações, comprometendo o futuro.

Por que a humanidade está se desumanizando? Saiu do natural, perdeu a clareza e o discernimento, não sabe mais o que é a vida e sua finalidade. O pensar não pode ser mecânico; tem de ser flexível, claro, com discernimento. Qual é o futuro da humanidade que ouviu e viu, mas não quis aceitar que o Criador é um só. Muitos profetas foram enviados para explicar e advertir; uma grande pirâmide foi construída para deixar uma mensagem para alertar aqueles que saíam do caminho da elevação. Tudo deveria ter formado uma única doutrina, pois as leis da Criação são universais. Hoje há rumores de guerra. Aumenta a produção de armas. Os partidos querem o poder. Falta humildade espiritual.

Como se sabe, a Grande Pirâmide de Gizé e a Esfinge fazem parte de uma enigmática profecia em pedra, que faz alusão aos tempos difíceis pelos quais o povo da Terra está passando. Neste mundo áspero, sem amor, sem generosidade, nem paz de espírito, a política deveria ser a atividade da boa governança visando a continuada melhora das condições de vida e do aprimoramento, mas ligada ao poder se tornou o domínio, e como tal virou guerra devido à cobiça pelo poder e a riqueza que vem junto. As eleições bem demonstram isso.

Em meio a tantas arbitrariedades e conflitos pergunta-se qual é o futuro do ser humano? Essa é uma questão que sempre deve estar presente quando se trata dos rumos da humanidade que sofreu com reis déspotas, e mais ainda com tiranos eleitos. A maior parte deles nunca se ocupou com o aprimoramento da população. Os poderes econômico e político juntam as mãos para conduzir a sociedade ao caos. Cada indivíduo está sendo transformado em complemento das máquinas, nivelado sem vontade, sem discernimento, já não tem mais futuro.

Como alcançar a paz? Vivemos a lei do porrete mais forte. Como enfrentar a situação de conflitos que nos ameaçam? Há muitas recomendações, mas em todas falta o essencial; falta o conhecimento do significado e finalidade da vida, e sem isso tudo o mais será paliativo. A população do planeta calculada em oito bilhões de seres humanos está em nível jamais alcançado, mas sem qualidade. A indolência leva ao emburrecimento programado, à perda do bom senso, ao enfraquecimento da força de vontade. Um povo entorpecido, sem força para seguir o verdadeiro sentido da vida para evoluir pacificamente, chegará ao extremo de desperdiçar o tempo de vida na Terra.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O DEVER DAS NAÇÕES

A economia mundial se transformou a partir dos anos 1980 devido ao ingresso da Ásia na industrialização com a integração de elevado contingente de mão de obra de menor custo, enquanto o Brasil patinava na crise da dívida externa. Através de câmbio favorável, a China passou a exportar de tudo com baixo custo e se transformou na grande fábrica mundial.

A superprodução na China não foi prevista nem por Marx. Algo inesperado que em poucos anos gerou o maior reboliço na indústria. Isso porque aquele país se aplicou intensamente em produzir de tudo, aproveitando a disponibilidade de mão de obra farta de baixo custo. Desenvolvidos, os canais comerciais entregam bens com preços menores. Os efeitos disso causaram impactos para as nações, especialmente no que se refere a empregos e salários, o que contribuiu para reduzir a renda e a qualidade de vida.

No Brasil, com o plano real, o dólar ficou barato e os importados com preços menores que os bens fabricados internamente. Os governos deixaram a economia seguir, aproveitando os preços menores para combater a inflação; mas com o descuido das contas públicas, a inflação retornou, mesmo com baixa nos empregos. Nas cidades, há mais violência e crimes.

Qual é o dever das nações? O que a globalização trouxe de bom para as nações em geral? O Brasil perdeu fábricas, atrasou o desenvolvimento tecnológico, descuidou da segurança pública, falhou na educação e preparo das novas gerações para a vida, estagnou na infraestrutura, aumentou a dívida. Dizer que o endividamento decorre do déficit da previdência pública é camuflar décadas de má gestão. Afinal, a quem pertence o Brasil e seus recursos naturais?

A economia mundial tomou rumos extravagantes. Os ativos financeiros se tornaram um campo de poderoso jogo que diariamente movimenta bilhões apartados da economia real onde se produz, gerando empregos, comércio e consumo. Some-se a isso a forma displicente como os governos tratam a administração pública e a finança. A qualidade de vida e o aprimoramento da população há tempos deixaram de ser a prioridade, prevalecendo a luta pelo poder interno e externo com guerras econômicas e armadas.

Na discussão da inflação, influi a criação de dinheiro e o aumento da procura. Tivemos ambos os fatores atuando em conjunto. Na inatividade gerada pela pandemia, governos criaram dinheiro para oferecer auxílio emergencial para a população. De repente os consumidores tiveram um extra nas mãos que foi direcionado para o consumo. No cenário conturbado, houve aumento da procura e seus efeitos ainda estão atuando. A tapioca derivada da mandioca custava no início da crise R$4,10 o quilo. Hoje custa R$7,99. Um processo difícil de ajustar.

As engrenagens que movimentam a engenharia econômica se referem à população e sua preocupação com o abastecimento, com o dinheiro que tem para gastar, e com a flutuação da inflação. Freadas no movimento derrubam empregos. Ao lado disso há a grande engrenagem das finanças: Bolsas, câmbio e juros, e criação de dinheiro, que provocam reações nas engrenagens. Quando a situação fica crítica os governantes são pressionados a segurar o castelo para que não caia por terra, seja criando mais dinheiro, ou cortando juros, ou desvalorizando a moeda. Quais são os riscos decorrentes desse cenário?

Falta no mundo a compreensão do significado da vida. Geração, nascimento, infância, vida adulta, velhice, afinal para quê? O rumo certo seria o de cada pessoa se tornar uma beneficiadora da Criação, mas acabou sendo uma perturbadora. A Terra foi dotada dos recursos necessários, mas a ganância produziu desequilíbrios.

Os jovens estão emburrecendo porque abandonaram a leitura, e não há estímulos para ler bons livros. Pessoas que leem e escrevem de forma adequada estão em falta. Pessoas com raciocínio lúcido se tornaram uma raridade. Quão distante a humanidade se encontra de onde deveria estar? Os problemas se acumulam por séculos.

A querida cidade de São Paulo, polo de recepção da Luz, completou 470 anos, atraindo pessoas de todas as regiões. Em meio a tantos problemas, o mais grave foi o relaxamento quanto ao bom preparo das novas gerações e compreensão da vida, para que pudessem estar à altura dos desafios, encontrando soluções para o progresso integral de seu povo.

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br

O QUE ESPERAM OS LÍDERES MUNDIAIS?

Com conflitos e guerras, as condições gerais de vida estão piorando. Um novo rumor de guerra veio da América do Sul explorada há mais de 500 anos. Assim como hoje temos o presente inóspito, o futuro que se desenha poderá ser ainda pior. O confronto na área econômica mundial está latente. Cresce pelo mundo uma animosidade perigosa; acirra-se a luta pela sobrevivência.

As informações contraditórias vão minando a paciência das pessoas. Faltam ponderação e serenidade. Serenidade atrai serenidade. Na atualidade, ninguém está plenamente bem. Cada um está enfrentando sua própria batalha da vida e isso vai se expandindo pelo mundo.

Num cenário de elevada população, estamos enfrentando crise social e financeira, na produção e nos custos. A produção externa apresenta custo inferior ao praticado internamente, seja pelos componentes e mão de obra, ou mesmo devido aos subsídios, o que acarreta grande desequilíbrio, afetando empregos e renda, comércio e consumo. Ainda não foi encontrada uma fórmula que possa reequilibrar; alguns teóricos falam que a saída estaria na eclosão de nova guerra.

As novas gerações foram empurradas para a escuridão e desalento. Há um alarmante índice de suicídio de jovens. O que pensam as pessoas do comando geral sobre a situação na Ucrânia, Oriente Médio, Guiana e outras regiões? Como a humanidade pode admitir esse descalabro? Faria parte da falada correção populacional do planeta? Estadistas eficientes são afastados. Poder tem preço? Compra-se?

Depois da queda das torres gêmeas, o filme O mundo Depois de Nós mostra a cidade de Nova Iorque em chamas e a convulsão das massas diante do isolamento e falta de informações. Seria a previsão da decadência americana de dentro para fora, a queda do dólar? O viver esteve muito tempo no mundo da fantasia, mas agora se percebe que há séculos havia em tudo o propósito de manter as pessoas presas às futilidades e à manipulação.

Tomando o exemplo de Kevin, do filme Esqueceram de Mim, fazendo compras no mercado, e comparando os preços daquela época com agora, o economista Peter Schiff mostra a tendência continuada do dinheiro perder valor. Será que o dinheiro digital vai solucionar? As coisas mudaram. A queda no poder de compra levou os consumidores a buscarem preços menores. O endividamento é uma alternativa perigosa para empresas e pessoas que tiveram baixa nas receitas. A elevação da taxa de juros internacional pegou de surpresa. Empresas tentam resolver, algumas ficaram sem alternativas diante dos desequilíbrios mundiais aumentados.

O grande problema da humanidade é que a parcela que se julgou superior passou a desafiar a natureza e suas leis, estagnando seu avanço no conhecimento da Criação, prejudicando os mecanismos de sustentabilidade. Por outro lado, a população em geral, que deveria trilhar o caminho do aprimoramento, também estagnou e declinou. A humanidade está no limite.

O calor nas grandes cidades com população elevada está abrasador e vai causar danos ambientais e mentais. Com mais de oito bilhões de pessoas no mundo muito se fala em correção populacional. Espera-se que inovações tecnológicas contribuam na produção de alimentos, mas no caso de escassez, instabilidade dos habitats, conflitos e doenças, poderão surgir impactos substanciais afetando a população.

Jamais os jovens deveriam desistir da vida. Há hipóteses sobre as causas que levaram adolescentes à perda de ânimo e à atitude extrema, mas é preciso ouvir essas crianças, saber delas qual é o seu estado interior, o que pensam da vida, seu significado, sua finalidade, e buscar as soluções.

Desde cedo, fortes apelos empurram os jovens para a atividade sexual, agora para fumar maconha também. Fumar qualquer cigarro é um crime que o indivíduo comete contra si mesmo e contra os não fumantes. Desalentados, deixam que sua alma se fragilize. Os jovens precisam de atividades beneficiadoras. A nação precisa de cidadãos fortes, com coragem para superar os obstáculos, aprender e produzir continuamente. Nesse contexto, que futuro os líderes mundiais estão esperando para a humanidade?

*Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br/home . E-mail: bicdutra@library.com.br