OS ANOS 1960 NO BRASIL

Naqueles anos da década da 1960 eu era estudante na Universidade de São Paulo (USP), também descontente com a situação do povo brasileiro e com as interferências e dominação externa. Com a inquietação da juventude, eu queria conhecer as causas do sofrimento e miséria existentes na Terra. As leis da Criação jamais poderão ser burladas impunemente. O ser humano tem a livre resolução: pode contribuir para a melhora geral das condições de vida no planeta, ou dá espaço ao seu querer egoístico para satisfazer sua vaidade e cobiça de poder, mas terá de arcar com as consequências.

O grande impacto na vida veio a partir do século 20 através da ascensão do dinheiro papel, ou de quem detém o seu controle. Uma ideia bem ao estilo de Machiavel, trabalhada por séculos para criar a mercadoria das mercadorias desejada por todos. O cenário nos anos pós-guerra era de confronto violento de ideias entre os adeptos do Capitalismo, Socialismo e Igreja, por vezes velado, por vezes ostensivo.

Numa reunião com o pessoal do centro acadêmico, votei contra a proposta de greve, pois lá estávamos estudando sem pagar, com professores de valor, e propunham greve só para bagunçar. Fui vaiado e atacado moralmente pelo farisaísmo mal disfarçado de seres humanos que só aparentam estar do lado do bem geral, mas não fortalecem a boa vontade, apenas o confronto e ódio mútuo. Estava tudo preparado para a tomada do poder. Inspirados por Castro, Guevara e Vandré davam o tom.

Apesar de vários erros, o futuro dirá que o sol da liberdade permaneceu raiando no horizonte do Brasil, embora muitos seres humanos não souberam aproveitar. E perguntamos, como está a liberdade na Venezuela, em Cuba, na Rússia ou China?

Pesquisar as causas profundas da miséria é dever de todo ser humano. O mundo vive uma fase difícil na qual se evidenciam as consequências do acúmulo dos erros e dos falsos conceitos sobre o significado da vida. Há toda uma plataforma que vem destruindo o caráter das novas gerações há muitas décadas, tudo revestido de modernismo e falso amor. Mesmo sabendo da grande decadência geral, tem dias que ela parece mais gritante e difícil de sanear porque por todos os lados vemos incompreensíveis baixarias. Para que pudéssemos entender a realidade, Roselis von Sass nos ofereceu valiosos esclarecimentos como no livro O Juízo Final.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012…e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin – Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *